Automóvel Sistema de Carga 1ª Edição



Baixar 272.01 Kb.
Página6/13
Encontro29.07.2016
Tamanho272.01 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13

(Des)Montagem das Escovas


Ainda que a desmontagem do alternador possa ser iniciada por diversos lados, é boa norma começar por retirar as partes mais sensíveis. Neste sentido, a extracção das escovas é uma das formas de começar. Na Figura 36 temos a forma mais vulgar de fixar o conjunto de porta escovas, o que se faz por meio de parafusos, que na figura são indicados pela letra T.

Figura 36 Forma mais usual de fixar o conjunto de porta escovas ([6]).

Conquanto existem vários modelos, mais ao menos semelhantes, o leitor pode constatar que os diversos porta-escovas não diferem muito na posição.

Na Figura 37A temos por exemplo o modelo adoptado pela firma inglesa Lucas. Na Figura 37C o modelo Motorola e na Figura 37D o Ducellier. Na Figura 36 surge o modelo Femsa.


D

A


C

E

B


Figura 37 Modelos usuais de fixação de porta escovas ([6]).

Nos alternadores em que o regulador vem incorporado, é frequente que este e o porta-escovas formem um corpo único. É o caso da Figura 37B, na qual podemos ver o regulador Motorola com as escovas e o correspondente porta-escovas incorporados. Para retirar este conjunto, procede-se da mesma forma, pois está fixado à placa-suporte dos díodos por meio de parafusos.

Finalmente, a Figura 37E mostra um outro tipo de regulador incorporado com o porta-escovas da marca francesa Paris-Rhone. Uma vez retirado este conjunto, passaremos à desmontagem geral do alternador, que explicaremos nas folhas seguintes.

    1. (Des)Montagem da Polia e do Ventilador


A desmontagem do alternador deve iniciar-se pela extracção dos elementos que se encontram do lado da polé, que recebe a correia de transmissão, ou seja, do lado em que recebe energia. Começa-se a desmontagem pela extracção da porca central que fixa a já referida polé, assinalada em 1 da figura 43. É natural que ao tentarmos desapertar a porca central sintamos alguma dificuldade, pois este conjunto é solidário com o rotor, o que faz com que a porca acompanhe o nosso movimento de desaperto; assim sendo temos de fixar a polé.

Figura 38 A desmontagem é começada pela extracção da porca central que fixa a polé, assinalada em ([6]).

Na Figura 39A temos um sistema muito comum de fixação da polé com a ajuda de uma ferramenta que mais não é do que uma corda muito vulgar em qualquer oficina de electricista auto. Se não dispusermos deste recurso, podemos utilizar um torno de bancada, para, com o auxílio de mordentes, fixar a polia como vemos na Figura 39B. Observemos que, neste caso, o recurso a uma correia de transmissão já inutilizada, impede que o torno de bancada danifique a polé do alternador.

Se não desejarmos utilizar o torno de bancada podemos proceder conforme nos mostra na Figura 39C em que o ventilador é fixado com o auxílio de uma chave de fendas robusta, mas com muito cuidado para não danificar as bobinas do estator. Este método, se bem que possível, não é aconselhado.




A


B

C

Figura 39 Formas de fixação polé, para desaperto da porca central ([6]).

Logo que consigamos aliviar a porca, esta sairá com facilidade. Na Figura 40 podemos ver todo o conjunto de peças que retiramos após a saída da porca:




Figura 40 Conjunto de peças que sai ao retirar a porca de fixação da polé do alternador ([6]).

Se a polé não sair com facilidade, por se encontrar agarrada ao eixo do rotor, com a ajuda de duas chaves de fendas colocadas em posição diametralmente oposta a funcionarem como alavancas, vamos fazer sair a polé sem dificuldade, Figura 41.



Figura 41 Por vezes a polé não sai com facilidade e é necessário recorrer a duas chaves de fendas colocadas em posição diametralmente oposta a funcionarem como alavancas ([6]).

Existem alternadores em que a polé tem uma certa conicidade, de modo que se fixa ao eixo por si mesma. Também noutros casos, garantimos a fixação por meio de uma chaveta em forma de meia-lua (também conhecida por chaveta WOODRUFF). Uma vez retirada a polé, para extrair o ventilador basta alinhar a peça pela chaveta para que esta saia do seu alojamento. Na Figura 42A podemos ver a extracção da chaveta por meio de uma chave de fendas, embora também se possa utilizar um alicate ou mesmo a mão.

Retirado o ventilador, podemos encontrar a anilha separadora (1), como nos mostra a Figura 42B, a qual tem a missão de impedir que o ventilador possa tocar no suporte do eixo do rotor durante o funcionamento. Esta anilha também deve ser retirada, sendo certo que aparece em todos os alternadores, independentemente do fabricante. Por exemplo, na Figura 40 vimos que este anel não é necessário, dado existir uma anilha que serve de apoio ao ventilador, facilitando o seu movimento.





B

A


Figura 42 Em A evidencia-se extracção da chaveta por meio de uma chave de fendas, e em B da anilha separadora identificada em 1 ([6]).


    1. (Des)Montagem do Grupo Rotor


Depois de retirados a polé e o ventilador, iniciamos as operações para retirar o grupo do rotor. Para isso, vamos começar por retirar os parafusos de fixação da tampa de suporte do lado do accionamento e que são geralmente três.

N

a Figura 43A pode ver-se a posição destes parafusos (T) e alternador já sem a polé e o ventilador. A Figura 43B mostra a extracção destes parafusos, o que se faz com uma chave adequada, no caso presente uma chave de caixa.

A

B

Figura 43 Identificação dos parafusos da tampa de suporte do lado do accionamento ([6]).

Retirados os três parafusos que seguram as tampas, devemos começar por retirar a do lado do accionamento, pois é esta que suporta o grupo rotor. Nem sempre esta sai com facilidade, pelo que é por vezes necessário o auxílio de uma chave de fendas, conforme mostra a Figura 44A Em muitos alternadores existem fendas para ajudar a operação, já que as bobinas do estator são uma parte muito delicada do alternador.

Temos de conseguir que a tampa suporte do lado do accionamento se separe do entreferro do estator (elemento composto por inúmeras chapas de ferro macio assinaladas em 1 da Figura 44A), sem que o estator se separe da placa porta-díodos, o que iria prejudicar as ligações.

Agindo assim, não é difícil retirar todo o conjunto do rotor, como no-lo mostra a Figura 44B. Como se pode ver, todo o conjunto sai do seu alojamento, ficando somente um rolamento na tampa-suporte da placa de díodos.


A


B

Figura 44 Procedimento para retirar a tampa do lado do accionamento – Conjunto do rotor ([6]).


1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal