Automóvel Sistema de Carga 1ª Edição



Baixar 272.01 Kb.
Página7/13
Encontro29.07.2016
Tamanho272.01 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   13

(Des)Montagem do Rotor


A desmontagem do conjunto do rotor, que foi retirado do corpo do alternador, efectua-se fazendo com que a tampa de suporte do lado do accionamento se solte, trazendo o rotor acoplado. Na Figura 45 podemos ver o aspecto deste conjunto antes de iniciarmos a sua desmontagem. Aqui, podemos observar as diferentes partes que o compõem. Temos assim por exemplo, na parte superior, o rolamento (1), o qual fica apoiado na tampa do lado do porta-diodos. Logo de seguida, encontramos os anéis (2) que formam o contacto positivo e o negativo na bobine de excitação, que se encontra no interior do rotor, cujas espiras se podem ver assinaladas com o numero 3. Estes anéis são de cobre e têm no seu interior as ligações da já referida bobina. Sobre elas, deslocam-se as escovas, que já foram retiradas, e que proporcionam a corrente vinda do regulador, como já foi oportunamente explicado.

O conjunto das massas polares (4) não é desmontável, de modo que se a bobine estiver interrompida ou em curto-circuito o conjunto do rotor deve ser substituído por outro, se bem que seja um conjunto muito robusto e pouco sujeito a avarias.




Figura 45 Conjunto do rotor desmontado do alternador ([6]).

A operação mais importante consiste na substituição dos rolamentos de apoio do rotor, dado que a sua lubrificação pode ser deficiente, e também porque o ventilador, cuja missão é dissipar o calor gerado, vai acumulando pó, que exerce um efeito abrasivo nas partes móveis do rolamento.

Para deslocar a tampa de suporte (Figura 46A) basta colocar a ponta do rotor sobre uma tábua e exercer força, conforme mostra a figura, para que o rolamento se separe da tampa, libertando o conjunto do rotor.

É conveniente verificar se o rolamento não terá parafusos de fixação na tampa, o que acontece nalguns modelos. Na Figura 46B vemos assinalado com quatro setas os parafusos que fixam a peça que segura o rolamento, os quais têm que ser retirados previamente. Também se utiliza o extractor da Figura 46C para desmontar o rolamento.

Este trabalho só se justifica quando os rolamentos não se encontrarem em bom estado.

A

B


C

Figura 46 Separação da tampa de suporte frontal do alternador do rotor ([6]).


    1. Substituição dos Rolamentos do Rotor


Após a desmontagem do rotor da tampa que o suporta, este apresentará um aspecto semelhante ao da Figura 47A.

A extracção do rolamento deve efectuar-se com a ajuda de um extractor, como se vê na Figura 47B. O rotor deve ser previamente apertado num torno de bancada, utilizando mordentes macios, devendo ser fixado pelas massas polares, com aperto moderado, para não o danificar. De facto, não será necessário um grande aperto, pois vamos actuar no extremo oposto do eixo, local onde se encontram os rolamentos.



A

B

A

Figura 47 Rotor com rolamento e operação de extracção do mesmo ([6]).

Em alguns tipos de alternadores, o rolamento é solidário com a tampa, o que faz com que o rotor saia sem o rolamento. Nestes casos, basta retirar um freio elástico, tal como se pode ver na Figura 48A. A extracção do rolamento nestes casos é possível após retirar o freio e actuar depois com o auxílio de um tubo extractor.

Para montar novos rolamentos devemos utilizar uma prensa, como mostra a Figura 48B. Toda a parte roscada do veio do rotor deve ser protegida como se vê na Figura 48B assinalado em 1.

Com este procedimento, podemos garantir a inexistência de danos, os quais poderiam vir a causar sérios problemas quando da montagem final.

B


Figura 48 O freio que segura o rolamento em alguns alternadores pode ser retirado com um alicate para colocar um rolamento novo com uma prensa ([6]).
    1. (Des)Montagem do Estator


O estator é, como sabemos, outra das peças fundamentais do alternador. É constituído por bobinas, que formam as espiras onde é gerada a corrente eléctrica, enquanto as linhas magnéticas são geradas pelo rotor em quantidade variável.

A desmontagem desta importante peça deve ser iniciada pela extracção dos parafusos que asseguram as ligações das bobinas aos díodos, sendo esta operação efectuada, conforme mostra a Figura 49A, com a ajuda de uma chave de caixa. Temos também de contar com a ligação de saída de corrente, a qual consta de uma ficha de matéria plástica, a fim de se manter isolada do corpo do alternador. A extracção desta ficha, como se vê na Figura 49B, acontece quando retiramos o estator, já com todas as conexões desligadas.



A

B

B

Figura 49 Extracção dos parafusos que asseguram a ligação das bobinas aos diodos ([6]).

Efectuada esta operação, não temos dificuldade em retirar o estator como consta da Figura 50A. Para que não haja dúvidas quando voltarmos a montá-lo, devemos marcar a posição do estator relativamente ao corpo do alternador, como se pode ver em M da Figura 50A. tambem pode acontecer que alguns alternadores já venham marcados e outros com um tipo de ligação que impossibilita qualquer troca.

Na Figura 50B temos a fotografia de um estator fora do corpo do alternador. Aqui se destacam, em 1, os terminais de fase, em 2 o terminal de teste do sistema de carga e em 3 o terminal neutro da ligação em estrela do estator.

Mais adiante, veremos como se procede para verificar o estado de funcionamento desta importante peça.

A

Figura 50 Marcação do estator ao desmontar para não haver dúvidas ao montar ([6]).


1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   13


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal