Autora: kelly cristina campones c0- autora: maria isabel nascimento história, trabalho e educaçÃO: relaçÕes do senai ponta grossa neste contexto ponta grossa



Baixar 79.25 Kb.
Encontro23.07.2016
Tamanho79.25 Kb.
AUTORA:KELLY CRISTINA CAMPONES

C0- AUTORA: MARIA ISABEL NASCIMENTO


HISTÓRIA, TRABALHO E EDUCAÇÃO: RELAÇÕES DO SENAI PONTA GROSSA NESTE CONTEXTO

PONTA GROSSA

2010

RESUMO
Esta pesquisa de dissertação de mestrado é um estudo cujo ponto de partida são os determinantes históricos da relação trabalho e educação, e o ponto de chegada é a criação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial em Ponta Grossa - Pr. O trabalho insere-se no complexo debate das repercussões das transformações econômicas, sociais e históricas do início do século XX até a fundação do primeiro Senai na região. Sabendo que o SENAI é uma entidade que participou de grande parte da história brasileira, desde sua época agrária, inicio da industrialização até a intensa industrialização dos dias atuais, e que o mesmo surgiu ou seja, em razão de uma necessidade de profissionalização, ligada diretamente ao ambiente industrial, percebemos que o processo de globalização e o avanço tecnológico, provoca, cada vez mais, mudanças no setor econômico, social e cultural do Brasil. Tais mudanças atingiram a totalidade da estrutura produtiva e vêm transformando progressivamente a sociedade industrial em sociedade do conhecimento. E é com esta visão que o SENAI procura manter seus talentos humanos qualificados para o enfrentamento das demandas de qualificação industrial e da sociedade brasileira. Sabemos que a educação profissional é uma modalidade de ensino que atrai o interesse de pesquisadores educacionais por permitir a elaboração de inúmeros questionamentos e por ter uma importância, pelo fato de desenvolver suas ações através dos contextos que compõem o universo no qual está inserida. Com o estudo do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial da cidade de Ponta Grossa busca-se compreender as relações de transformações de produção e do trabalho no Brasil e consequentemente na referida cidade. Desta forma, poderemos ampliar os estudos e pesquisas referentes ao ensino profissionalizante e por conseguinte no tocante ao tema trabalho e educação, principalmente no município de Ponta Grossa. Utiliza-se como pressuposto metodológico, a abordagem histórica da relação trabalho e educação fundamentada no materialismo histórico.
Palavras- chaves: ensino- aprendizagem, Senai, trabalho, educação,história da educação.
INTRODUÇÃO
Esta pesquisa de mestrado apresenta-se preliminarmente como um estudo que tem como ponto de partida os determinantes históricos da relação trabalho e educação, e como ponto de chegada a criação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial nos Campos Gerais Ponta Grossa - Pr.

Com o estudo do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Ponta Grossa busca-se compreender as relações de transformações de produção e do trabalho no Brasil e na referida cidade.

Na década de 1943 quando o SENAI1 foi criado em Ponta Grossa- PR, a sociedade estava composta, sob o aspecto população, por vários imigrantes como: italianos, ucranianos, sírios-libaneses, poloneses entre outros e com desenvolvimento de atividades econômicas baseadas na agricultura, indústria e comércio. Portanto, faz-se necessário examinar a existência de relações dessas transformações do ensino profissionalizante no município citado, bem como os processos educacionais da formação do jovem trabalhador referenciadas historicamente nos acontecimentos da sociedade brasileira como um todo.

Todavia, vale descrever que anteriormente no amplo quadro do desenvolvimento das relações de produção e das relações do trabalho no Brasil, tivemos evidência por quase quatro séculos da utilização do trabalho escravo.

Nas últimas décadas do século XIX, a escravidão foi extinta e passou ao regime de trabalho assalariado. Contudo, no início do século XX as relações de produção capitalista foram consolidando2, com a expansão da industrialização, onde foi criado o SENAI, para atender as necessidades das indústrias e formar a curto prazo , mão de obra que atendesse essa nova demanda de “status quo” e com elas, as relações de trabalho baseadas no assalariamento.

As transformações do capitalismo têm se desenvolvido mediante a reestruturação da produção, as novas formas de gestão do trabalho e as novas regras de atuação do Estado, que se desdobram para todos os setores da sociedade, redefinindo as estruturas econômicas, sociais e políticas. Este processo tem provocado mudanças profundas nas relações de trabalho, fazendo com que a classe trabalhadora viva a sua pior crise, visto que atinge sua materialidade, sua subjetividade e sua forma de ser (ANTUNES, 2000).

O trabalho é fundamental na existência humana, sendo constitutivo de sua

dimensão ontológica , pelo pressuposto de que todos os seres humanos são seres da natureza e, como tal, têm as necessidades de alimentar-se, proteger-se das intempéries e produzir os meios necessários à produção e reprodução de sua vida. O trabalho é a expressão própria do homem, de suas faculdades físicas e mentais.

Antes de tudo, o trabalho é um processo de que participam o homem.
[...] e a natureza, processo em que o ser humano com sua própria ação, impulsiona, regula e controla seu intercâmbio material com a natureza. Defronta-se com a natureza como uma de suas forças. Põe em movimento as forças naturais de seu corpo, braços e pernas, cabeça e mãos, a fim de apropriar-se dos recursos da natureza, imprimindo-lhes forma útil à vida humana. Atuando assim sobre a natureza externa e modificando-a, ao mesmo tempo modifica sua própria natureza (MARX, 1994, p. 202),
No entanto, no modo de produção capitalista, o trabalho se caracteriza pela perda do poder criador do homem de atuar sobre a natureza, para assumir uma existência à parte de sua vontade e de seu planejamento. A separação do trabalhador dos meios e técnicas de produção e dos resultados de seu trabalho, torna-o alienado, constituindo-se num ser estranho ao próprio mundo e às coisas que produz. Além disso, a divisão social do trabalho no capitalismo estabelece o lugar dos indivíduos na sociedade, colocando-os em classes sociais opostas: a classe dos proprietários dos meios de produção e a classe dos que possuem apenas a sua força de trabalho para vender no mercado de trabalho, em relações baseadas na exploração dos trabalhadores pelos que são proprietários e, realmente, controlam os meios de produção.
Com a divisão do trabalho, dá-se a distribuição desigual, tanto do trabalho quanto dos produtos. A divisão do trabalho e a propriedade privada são expressões idênticas: a primeira, em relação à atividade, a segunda, em relação ao produto da atividade, pois a propriedade é o poder de dispor da força de trabalho de outros (MARX; ENGELS,1987, p.7)
Essa pesquisa adotou como critério de delimitação do campo de pesquisa, foi adotada a área de atuação da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), considerando os Campi Avançados e as atividades extensionistas. O trabalho de delimitar o espaço para estudo da reconstrução histórica dos Campos Gerais obrigou-nos ao processo complexo de ir às determinações mais gerais dos Campos Gerais, buscando compreender sua formação, os interesses que cercaram a organização da região e as articulações com outras regiões.

Atualmente, a região dos Campos Gerais, do Paraná compreende os seguintes municípios: Arapoti, Campo do Tenente, Cândido de Abreu ,Castro, Ipiranga, Jaguariaíva, Ortigueira, Piraí do Sul, Porto Amazonas, Reserva, Balsa Nova, Campo Largo, Carambeí, Imbaú, Ivaí, Lapa, Palmeira, Ponta Grossa e Rio Negro.

Este estudo se integra ao projeto de “Levantamento e Catalogação das Fontes Primárias e Secundárias da Educação Brasileira” desenvolvido pelo HISTEDBR- Grupo de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil”, sediado na Faculdade de Educação da UNICAMP. Este projeto conta com a participação de vários grupos de trabalho sediados em diversas Universidades do País, a exemplo da UEPG,3 no qual se insere esta pesquisadora. O levantamento e a catalogação de fontes primárias e secundárias da História da Educação na região dos Campos Gerais- PR realizou-se, então, com dois objetivos: a preparação desta tese e a ampliação da base de dados de fontes coletadas.

Cabe lembrar aqui que a escolha da região dos Campos Gerais não se deu de forma aleatória, mas “devido à amplitude territorial brasileira, cada unidade federada incumbiu-se por meio de suas Instituições de Ensino Superior - IES, da realização do trabalho em sua área de abrangência” (LUPORINI,1997, p.1), fornecendo elementos para o desenvolvimento de pesquisas e fortalecendo a linha de pesquisa “História e Historiografia da Educação” da UEPG.



PROBLEMA DE PESQUISA

O presente trabalho tem como problema de pesquisa: Quais são as conseqüências do Ensino Profissionalizante historicamente no país e por que foi criado?E em Ponta Grossa?

Desta forma, poderemos ampliar os estudos e pesquisas referentes ao ensino profissionalizante principalmente no município de Ponta Grossa.

JUSTIFICATIVA

Descrever a história de uma Instituição como Senai que vem inserindo muitos jovens no mercado de trabalho e no ensino profissionalizante não é tarefa fácil. Ponta Grossa é uma cidade de diversidades as quais apresentam muitas características: históricas, políticas e de desenvolvimento socioeconômico e tecnológico diferenciados. Além disso, poucos são os estudos sistematizados que discutem a relação entre trabalho e educação e ensino profissionalizante no país.

Ponta Grossa é uma cidade cuja economia se movimenta através do comércio e da indústria, e possui mais de 300.000 habitantes. Segundo o IPARDES (2009), há 30.000 adolescentes entre 14 e 24 anos, em idade escolar e na busca do primeiro emprego. No entanto, observa-se que para esse público, as oportunidades são escassas e pouco interessantes, no tocante a salário, promoções, investimento entre outros.

Sua relevância é providencial, pois, cada vez mais se encontram jovens indecisos na escolha de uma profissão e sem grandes oportunidades de inserção nas empresas locais, sem ao menos concluir o ensino médio.

Existe, por interesses diversos, uma preocupação com a expansão do ensino profissionalizante e a inserção do jovem no mercado de trabalho além da melhoria da força do trabalho dentro das empresas.
OBJETIVOS

Esta pesquisa tem por objetivo geral investigar o analisar as transformações da escola técnica mais especificamente o Senai que busca atender a formação da força de trabalho bem como compreender e analisar o tangenciamento inseridas neste objeto São seus objetivos específicos:



  • Investigar as formas de organização da produção presentes nas fases do

desenvolvimento histórico do Senai;

  • Analisar as transformações dos processos educativos e de qualificação

profissional, instituídos nessas fases históricas;

  • Avaliar e enumerar quais são as conseqüências do Senai na sociedade.

PRESSUPOSTOS TEÓRICO- METODOLÓGICOS
A abordagem histórica da relação trabalho e educação se fundamenta na obra Contribuição para a crítica da economia política em que Marx afirma que “a história moderna e contemporânea é dominada pelo capital”. Neste sentido, Saviani (2004, p.17) assinala que “[...] não é possível, portanto, compreender radicalmente a história da sociedade contemporânea e, consequentemente, a história da educação contemporânea, sem se compreender o movimento do capital”.

Para tanto, adota-se a concepção de homem como ser essencialmente social

e histórico, que realiza a sua existência através do trabalho. O homem, movido por necessidades básicas e objetivas, age sobre o mundo para conhecê-lo, transformá-lo enquanto ao mesmo tempo se transforma. O conhecimento, como resultado desse processo de transformação da natureza e de si próprio, é um processo histórico dialético, socialmente construído. "Os homens fazem sua própria história, mas não afazem como querem, não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente ligadas e transmitidas pelo passado" (MARX; ENGELS, 1987, p. 329).

A concepção de história desenvolvida por Marx e Engels, na crítica feita à filosofia e ideologia alemã, está essencialmente dirigida contra a crença de que as “idéias, pensamentos e conceitos produzem, determinam e dominam os homens, suas condições materiais e sua vida real” e pode ser sintetizada em uma única frase:

“não é a consciência que determina a vida, mas a vida que determina a consciência”,como expressaram em A ideologia alemã.

Esta concepção de história consiste, pois, em expor o processo real de produção, partindo da produção material da vida imediata; e em conceber a forma de intercâmbio conectada a este modo de produção e por ele engendrada (ou seja, a sociedade civil em suas diferentes fases) como o fundamento de toda a história, apresentado -a em sua ação enquanto Estado e explicando a partir dela o conjunto dos diversos produtos teóricos e formas da consciência – religião, filosofia, moral, etc. (MARX; ENGELS, 1987, p. 55).

Como pressuposto fundamental para uma adequada análise histórica, considera-se que os fatos sociais não são descolados de uma materialidade objetiva

e subjetiva e, portanto, a construção do conhecimento histórico implica o esforço de abstração e teorização do movimento dialético (conflitante, contraditório, mediado) da realidade. Trata-se de um esforço de ir à raiz das determinações múltiplas e diversas (nem todas igualmente importantes), que constituem determinado fenômeno.

Apreender as determinações do núcleo fundamental de um fenômeno, sem o que este fenômeno não se constituiria, é o exercício por excelência da teorização

histórica de ascender do empírico – contextualizado, particularizado e, de início, para o pensamento, caótico – ao concreto pensado ou conhecimento. Conhecimento que,por ser histórico e complexo, e por limites do sujeito que conhece, é sempre relativo (FRIGOTTO, 2000, p. 17).

Assim, na condução deste estudo, toma-se o trabalho como categoria fundamental para a análise da sociedade e como princípio educativo mediador das relações entre os homens, determinando e condicionando a produção da vida, as formas de organização social, política, jurídica e ideológica.

A transformação da base material da sociedade, isto é, da divisão social do trabalho e das relações de trabalho a partir de suas próprias e inerentes contradições, resulta na transformação da sociedade, de suas formas de se estruturar e se organizar em todas as suas instâncias.

Neste sentido, a educação é concebida como uma prática social, uma atividade humana e histórica que se define nos múltiplos espaços da sociedade, na articulação com os interesses econômicos, políticos e culturais dos grupos ou classes sociais.

Para Saviani (2000, p. 151), “[...] a educação é funcional ao sistema capitalista, não apenas ideologicamente, mas também economicamente, enquanto qualificadora da mão-de-obra (força de trabalho)”.Em linha com este raciocínio trabalha-se com o pressuposto do sistema educacional estruturado com base no trabalho, por considerá-lo como a base da existência humana; por ser através do trabalho que o homem produz a sua própria existência. Trabalhar é agir sobre a natureza, agir sobre a realidade, transformando-a em função dos objetivos, das necessidades humanas. A sociedade se estrutura em função da maneira pela qual se organiza o processo de produção da existência humana, o processo de trabalho (SAVIANI, 1986, p. 14).

A relação que se estabelece entre qualificação e avanço da industrialização e do urbano não é direta ou mecânica. Ela é, isto sim, mediada pelas mudanças no processo de trabalho e na divisão social de trabalho.

As mudanças na organização do processo de trabalho, quer pela introdução de inovações tecnológicas, quer por métodos de racionalização (Taylorismo, Fordismo, etc.) trazem consigo alterações nos requisitos da qualificação. Destroem, criam e modificam as exigências de trabalho qualificado e criam ramos da atividade econômica. Redimensionam o mercado de trabalho e estrutura econômica, impondo nova divisão social do trabalho.(RIBEIRO, 1986, p. 14)

Boris Fausto, observa que: Qualquer estudo histórico, mesmo uma monografia sobre um assunto bastante delimitado, pressupõe um recorte do passado, feito pelo historiador, a partir de suas concepções e da interpretação dos dados que conseguiu reunir. A própria seleção de dados tem muito a ver com as concepções do pesquisador. [...] O recorte do passado, seja ele qual for, obedece a um critério de relevância e implica o abandonou o tratamento superficial de muitos processos e episódios. (FAUSTO, 2006, p. 13-14).

A investigação foi iniciada com a preparação de um balanço do estado do conhecimento sobre o Senai, realizado com base na análise das teses e dissertações defendidas nos Programas de Pós-Graduação em Educação no país.

Na fase seguinte da investigação, foi realizado o levantamento das fontes primárias e secundárias, tendo em vista identificar os movimentos na formação dos Campos Gerais, a fim de compreender o contexto histórico no qual se constituiu Senai e também o espaço de atuação desses alunos. Consideramos que os elementos extraídos da análise das fontes levantadas e coletadas nos permitem uma melhor compreensão da relação dessa instituição escolar no contexto da sociedade dos Campos Gerais, visto que a base da história de todo homem está no exercício do trabalho, que é determinante do seu desenvolvimento NASCIMENTO, 2004.

O Estado do Conhecimento4 sobre o tema Senai foi o tema central de busca nos programas de pós - graduação em Educação. Estamos compreendendo com o Estado do conhecimento:

[...] como uma aproximação importante de conhecimento do estágio do conhecimento sobre o tema ou o objeto a ser investigado. Esse processo é fundamental para que o pesquisador possa delimitar o objeto da pesquisa e realizar a sua problematização de forma que situe e defina melhor o estudo proposto (NASCIMENTO, 2006, p.130).
É importante também ressaltar que a elaboração do Estado do conhecimento:
“[...]é, também, um dos passos importantes, para diminuir as distâncias de uma pesquisa para outra e que pode ser trabalhado de diversas formas: como os dados obtidos dos registros das dissertações e teses [...]”(NASCIMENTO, 2006, p.130)
Os procedimentos adotados para realização do Estado do Conhecimento forma os seguintes: 1- pesquisa, seleção e coleta de trabalhos em bancos de dados dos cursos de pós graduação indicados na página da Capes foram 101 programas de pós graduação em educação

O levantamento realizado no banco de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – (Capes), que disponibiliza informações sobre as teses e dissertações defendidas a partir de 1987, com base em dados fornecidos pelos programas de pós-graduação do Brasil, as produções sobre o tema: “Senai”, foram apresentam os seguintes resultados no período abrangente de 1987 até os dias atuais.






Senai

Teses

59

Dissertações

13

TOTAL

72

Para melhor compreensão do contexto histórico o qual foi pesquisado e escrito os trabalhos, segue abaixo desdobramento cronológico:




Descritores

Anos

1987

1988

1995

1997

1988

1999

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

Teses

1

1

1

2

1

2

1

2

3

4

3

7

11

7

4

8

1

Dissertação
















1

1




1




1

2

2

1

2

2



Durante a pesquisa constatou-se que, das 101 instituições de ensino de nível superior credenciadas pela CAPES existem poucas produções de trabalho referentes ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial cabendo ressaltar que, a maior parte das pesquisas realizadas descreve estudo de casos.

O tema sugerido nesta dissertação é pertinente por tratar-se de uma pesquisa com caráter histórico com abordagem predominantemente no materialismo histórico.

Um dos procedimentos metodológico para a pesquisa será o armazenamento das fontes. As fontes iconográficas serão coletadas de álbuns particulares, do Museu dos Campos Gerais – PR, da Casa da Memória de Ponta Grossa e do Arquivo Público do Paraná.

As fontes referentes ao período colonial e imperial até 1889, na sua maioria, serão encontradas no Arquivo Público do Paraná, onde a coleta do material torna-se rápida dada a autorização para o uso da câmera digital. E também poderei contar com a participação do grupo de pesquisa o qual procura fazer uma diligencia em grupo para visitar o arquivo e todos pesquisam o mesmo tema. É um dia muito produtivo, pois todos os pesquisadores em torno de 10 pessoas todos preparados com o material de coleta buscando o mesmo período histórico.

O Jornal “O Progresso - órgão dedicado aos interesses do município e do estado” 5 será utilizado como fonte histórica, em razão de ter sido um espaço de comunicação entre a sociedade e as instâncias do poder público, além de afirmar, pelo título, o avanço da cidade de Ponta Grossa rumo à modernização e ao desenvolvimento. Em razão das transformações que atingiram o periódico, em 1913, o jornal passou a se chamar “Diário dos Campos”,6 tornando-se uma folha diária.

As fontes que serão trabalhadas nesta pesquisa serão coletadas nas seguintes instituições: Arquivo Público de Curitiba; Senai – Curitiba, Arquivo Público de São Paulo; Bibliotecas da Universidade Estadual da Unicamp: -Faculdade de Educação, -Biblioteca Central e Departamento de Obras Raras; Bibliotecas da Universidade de Ponta Grossa - UEPG; Biblioteca Pública de Ponta Grossa; Casa da Memória- Pr; Biblioteca Senai – Ponta Grossa e outros

Nesta exposição inicial de pesquisa, recorreremos aos seguintes recursos gráficos para a identificação do tipo de fonte (primária ou secundária) que está sendo utilizada:



  • “itálico” - para as fontes primárias. As citações de fontes primárias mantiveram a redação original, sem qualquer atualização ortográfica.

  • “sem itálico”- para as fontes secundárias (Nascimento, 2004).

Este trabalho se estruturará em três capítulos, por meio dos quais buscarei realizar a análise da temática, objeto de pesquisa dentre os segmento:

No primeiro capítulo, buscarei entender o TRABALHO E A EDUCAÇÃO: Formação para o Trabalho na Fase de Transição com base nos documentos e estudos publicados para a compreensão do desenvolvimento histórico da educação na região;

No segundo capítulo TRABALHO E A EDUCAÇÃO: Formação para o Trabalho na Fase de Transição nos Campos Gerais-PR;

No terceiro capítulo TRABALHO E A EDUCAÇÃO: Aspectos históricos e a Formação para o Trabalho no SENAI.



REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

FAUSTO, B.. História do Brasil. 12a ed. São Paulo, SP: EDUSP: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.


FRIGOTTO, G.. Educação e a crise do capitalismo real. 4a. ed. São Paulo : Cortez. 2000
LUZ, N. V.. A Luta pela Industrialização do Brasil. São Paulo. Alfa-Ômega, 1975.
MARX, K. ; ENGELS, F. A ideologia alemã (Feuerbach). 6. ed. São Paulo: Hucitec, 1987
NASCIMENTO, M. N. M. Transformações na Relação Trabalho e educação nos Primórdios

do Ensino Profissional em São Paulo In: V Jornada do HISTEDBR, 2005, Sorocaba - SP.



Instituições Escolares Brasileiras: História. Historiografia e Práticas. Campo Grande -

MS: Ed. Uniderp, 2005.



Projeto político pedagógico Senai – 2007
SAVIANI, D. O nó do ensino de 2º grau. n. 1. São Paulo: MEC/INEP – Cenafor, 1986a
Site: www.dicionarioinformal.com.br

1 O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial ( SENAI) foi criado no Brasil em 22 de janeiro de 1942, por meio do decreto-lei 4.048 do então Presidente Getúlio Vargas.

2  Entre os críticos do trabalho ver: Claus Offe, que defende a tese da perda da centralidade do trabalho como categoria que possibilita entender a vida social; Adam Schaff que defende a tese do fim do trabalho em decorrência da nova revolução tecnológica e Robert Kurz que “sustenta a tese do colapso da modernização, [...] do fim da sociedade do trabalho, do trabalho abstrato e, como consequência (lógica), o fim das classes sociais e do capitalismo”. Para aprofundar a análise da tese do fim da sociedade do trabalho e da não centralidade do trabalho, Frigotto (2000, p. 91-134).


3 O Grupo de Pesquisa em “História da Educação” sediado na UEPG - Universidade Estadual de Ponta Grossa iniciou-se no 2ª. Semestre de 1992 e permitiu a ação integrada do Setor de Ciências, Humanas, Letras e Artes pela atuação de Professores dos Departamentos de, Método e Técnicas de Ensino, de Educação e de História. Participaram também do trabalho duas professoras de ensino de 1°. e 2°. grau, lotadas no Instituto de Educação Estadual César Prieto Martinez; seis alunas voluntárias dos cursos de Pedagogia e História; e duas bibliotecárias da Biblioteca Central da UEPG.( LUPORINI, 1997, p.3-4).


4 Entendemos por estado do conhecimento o levantamento das produções sobre um determinado tema em estudo com descritores específicos que ajudem na compreensão do tema[...]”(NASCIMENTO, 2006, p.130)
.

5 Foi fundado em 1907 por descendentes de imigrantes alemães.

6 Esta pesquisa realizou o levantamento, catalogação e digitalização dos artigos que tratavam da instrução nos Campos Gerais – PR publicados nos seguintes jornais: “Dezenove de Dezembro” Foi o único jornal que teve uma existência maior por ser órgão do governo e ter a função de transmitir as mensagens governamentais; “O Progresso” de 1907 a 1913; e o “Diário dos Campos” de 1913 a 1929. Todas as fontes de jornal estão organizadas no banco de dados da tese.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal