Biofortification in brazil: the projects harvestplus, agrosalud and biofort



Baixar 10.41 Kb.
Encontro22.07.2016
Tamanho10.41 Kb.
biofortification in brazil: the PROJECTS harvestplus, agrosalud and biofort
Marilia Regini Nutti

Embrapa Agroindústria de Alimentos, marília@ctaa.embrapa.br


The current strategy to combat malnutrition in developing countries focus on providing vitamin and mineral supplements for pregnant women and young children and on fortifying foods with these nutrients. Biofortified crops (varieties bred for increased mineral and vitamin content) will complement existing nutrition interventions and provide a sustainable and low-cost way of reaching the target populations. In Brazil, the activities of the biofortification projects HarvestPlus (supported by the Bill and Melinda Gates Foundation and the World Bank, among others), AgroSalud (supported by the Canadian International Development Agency – CIDA) and BioFORT (supported by the Embrapa/Monsanto Fund) are coordinated by Embrapa Food Technology and the following crops are being studied: rice, common bean, sweet potato, cassava, maize, cowpea, wheat and pumpkin. Several Embrapa research centers and many partner institutions, from Brazil and from abroad, take part in this Biofortification Net, within which Brazilian universities carry out studies to evaluate nutrients retention during processing/cooking. Embrapa research centers are developing: cassava, sweet potato and pumpkin with higher levels of carotenoids; maize with higher levels of lysine, tryptophan and pro-vitamin A; rice, common bean, maize, wheat and cowpea with higher levels of iron and zinc; and extruded and bakery products from biofortified flours. The following activities are planned for the biofortified crops under study: evaluation of their agronomic performance and nutrients bioavailability, sensory analysis, investigation of consumption habits and social-economic conditions of the target populations as well as their anthropometric status. Biofortification activities in Brazil carry out a team work strategy, integrating more than 150 people in different geographical areas, and working tightly in order to reach the expected deliverables.
Keywords: biofortification, pro-vitamin A, iron, zinc, Embrapa

BIOFORTIFICAÇÃO NO BRASIL: OS PROJETOS HARVESTPLUS, AGROSALUD E BIOFORT
Marilia Regini Nutti

Embrapa Agroindustria de Alimentos, marília@ctaa.embrapa.br


A estratégia atual para combater a desnutrição nos países em desenvolvimento tem como enfoque o fornecimento de suplementos vitamínicos e minerais para mulheres grávidas e crianças, além da fortificação de alimentos. Produtos agrícolas biofortificados (variedades melhoradas que apresentam um maior conteúdo de vitaminas e minerais) complementarão as intervenções em andamento, proporcionando uma maneira sustentável e de baixo custo para alcançar as populações carentes. No Brasil, as atividades dos projetos de biofortificação HarvestPlus (que conta com o apoio da Fundação Bill e Melinda Gates e do Banco Mundial, entre outros), AgroSalud (que conta com o apoio da Agência Canadense para o Desenvolvimento Internacional – CIDA) e BioFORT (que conta com apoio do Fundo de Pesquisa Embrapa-Monsanto ) são coordenadas pela Embrapa, onde são pesquisados: arroz, feijão, batata doce, mandioca, milho, feijão-caupi, trigo e abóbora. Participam da Rede de Biofortificação várias unidades da Embrapa, além de parceiros nacionais e internacionais. Nesta rede, universidades brasileiras conduzem estudos que avaliam a retenção de nutrientes durante o processamento/cocção. As Unidades da Embrapa pesquisam: mandioca, batata doce e abóbora com maior teor de carotenóides; milho com maiores teores de lisina, triptofano e pró-vitamina A; arroz, feijão, milho, trigo e feijão-caupi com teores mais elevados de ferro e zinco; e produtos extrusados e de panificação a partir de farinhas biofortificadas. Pretende-se, ainda, quanto aos cultivos biofortificados em desenvolvimento: avaliação do desempenho agronômico e da biodisponibilidade dos nutrientes, avaliação sensorial, investigação dos hábitos de consumo e condições sócio-econômicas do público alvo, além de testes antropométricos. As atividades de biofortificação no Brasil adotam a estratégia de trabalho em equipe, integrando mais de 150 pessoas em diferentes áreas geográficas, trabalhando unidas para atingir os resultados esperados.


Palavras-chave: biofortificação, pró-vitamina A, ferro, zinco, Embrapa


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal