Boletim informativo nº 88 setembro/2011



Baixar 33.87 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho33.87 Kb.


BOLETIM INFORMATIVO Nº 88

SETEMBRO/2011



  1. NOTA FISCAL DE SERVIÇOS EM SÃO PAULO – CRÉDITO COMO NOTA PAULISTA

Na esteira do estímulo a emissão da Nota Fiscal Estadual, que concede direito a crédito, o município de São Paulo, também concede créditos para serem usados na quitação do IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano), ou crédito em conta bancária, para todos aqueles que solicitarem NF-e municipal, quer sejam pessoas físicas, jurídicas e condomínios cuja intitulação é a Nota Fiscal Paulistana.


(fonte: 13.14.097.05 – 15.406/11 E Decreto nº 52.536/11 - Cenofisco nº 36/11 – pg. 14)


  1. OBRIGATORIEDADE DA EMISSÃO DE NF-e PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DA CIDADE DE SÃO PAULO ASSIM COMO OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO DIGITAL


A prefeitura de São Paulo universalizou a emissão de NF-e pelos prestadores de serviços no município. Todos os prestadores de serviços ficam obrigados a emiti-la e a obterem a certificação digital para acessá-la. Excepcionou os Microempreendedores, Profissionais Liberais e Autônomos, Instituição Financeira, Transporte Público, Sociedades Uniprofissionais, e aqueles relativos a prestação de serviços ao grande público, como espetáculos, teatros, cinemas, futebol, pedágio em rodovia, feiras, congressos, bailes carnavalescos e congêneres.


(fonte: IN SF/SUREM 10/11 art. 1º -Lei nº 14.097/05-art. 85 RSS/09 – Cenofisco Set.2a.sem.37/11)


III – INSTITUÍDA A CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS

(CNDT)
A referida certidão passa a ser exigida nas seguintes situações: Renovação e Contratação com órgãos públicos, alienação, oneração de bens imóveis, registro e arquivamento societário de extinção, transformação, cisão, redução bem como transferência de quotas. A lei entrará em vigor em 08/02/2012.
(fonte: Lei nº 12440 de 08/07/2011)
IV - LICITAÇÃO COMPROVAÇÃO DE ENVIO DE LIVRO DIÁRIO SPED
A circular nº 383 do DRC (Departamento Nacional de Registro do Comércio) informa que, para fins de participação em licitações, o SICAF deverá solicitar, em lugar do Diário enviado ao SPED e ainda não registrado pela Junta Comercial, o balanço patrimonial impresso e assinado pelo responsável da empresa e seu contador, juntamente com protocolo que comprove envio deste balanço digital à Junta Comercial.
(fonte: Ofício circular nº 383/2011/SCS/DNRC/GAB de 02/09/2011)


REFLEXÃO EMPRESARIAL DO MÊS



ESQUEÇA OS MILAGRES E PENSE A LONGO PRAZO


Quer saber o segredo para fazer uma fortuna em pouco tempo aplicando pequenos valores no mercado financeiro? Pois deixe de se iludir e comece a pensar seriamente sobre a sua vida financeira, responde a planejadora financeira pessoal Gisele Colombo de Andrade. “Essa história de que é possível ganhar muito dinheiro no mercado financeiro é um grande mito”, alerta Gisele.
Isso não significa que os investimentos devam ser deixados em segundo plano, ressalta Gisele. Eles podem elevar – e muito – o valor do patrimônio de uma pessoa ao longo dos anos. “Mas o fundamental para gerar riqueza é o dinheiro que as pessoas ganham com o seu trabalho”, diz ela. Quer uma prova? Os próprios gestores de recursos vivem de vender sua habilidade de ganhar no mercado, em vez de ficar em casa aplicando o próprio dinheiro.
Frustrado com a resposta? Pois saiba que “frustrar” investidores é uma das tarefas de um planejador financeiro responsável, ressalta a planejadora Angela Nunes Assumpção. “Frustrar no curto prazo para ajudar as pessoas a construir um bom patrimônio no longo prazo é a nossa tarefa”, diz Angela. “E, com o tempo, à medida que a pessoa se planeja e realiza seus sonhos, a frustração dá lugar ao prazer de poupar”, diz o planejador Fabiano Calil.
Gisele, Angela e Calil integram o grupo de profissionais do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF) – entidade responsável no Brasil pela concessão da certificação internacional CFP (Certified Financial Planner), que distingue os planejadores financeiros pessoais.
Consultores de múltiplas especialidades que desenham estratégias de planejamento de patrimônio para pessoas físicas, os profissionais ligados ao IBCPF são responsáveis pelas respostas dadas aos leitores do Valor na seção “Consultório financeiro”, que acaba de completar um ano de vida. O tema dominante nesse período foram os investimentos. “As pessoas ainda têm essa ideia de que planejamento financeiro é apenas escolher onde aplicar o dinheiro; é muito mais do que isso”, diz Calil.
Cabe ao planejador traçar um plano de voo com metas de curto, médio e longo prazos, que incluem aspectos como herança, contratação de seguros, administração de bens, tomada de empréstimos e formação de poupança para a aposentadoria. “No fundo, é uma questão comportamental, que tem a ver não só com a pessoa, mas como toda a família”, diz Angela. “Quem já passou por um inventário complicado sabe como problemas de dinheiro acabam com o relacionamento familiar”.
E a adoção de um planejamento financeiro não depende de faixa de renda ou escolaridade, ressalta Angela. “O nosso público é amplo, inclui desde funcionários públicos e profissionais liberais até empresários, artistas e jogadores de futebol”, diz Calil. “E essa experiência do ‘consultório’ reforçou isso, já que recebemos desde perguntas bem simples, sobre orçamento doméstico, até questões mais complexas, de pessoas com patrimônio de alguns milhões”, afirma Gisele.
O valor de uma consulta com um planejador financeiro varia de acordo com a região e a experiência do consultor. Uma sessão de uma hora ou uma hora e meia com um planejador “júnior” de São Paulo pode sair em torno de R$ 300. Embora os planejadores muitas vezes sejam contratados para resolver questões específicas, como problemas na transmissão de patrimônio, o ideal é que haja um conjunto de seções para a realização de um planejamento de longo prazo. “Nesse caso, o mais comum é fechar um pacote de remuneração”, diz Calil.
O ponto de partida de qualquer planejamento é a formação de uma reserva financeira (entre três e 12 vezes o valor das despesas mensais) para ser utilizada em casos de emergência, como acidentes ou perda do emprego. Em seguida, é hora de traçar os planos para acumular os recursos para realização de sonhos de curto, médio e longo prazo. “Uma das questões que mais preocupam as pessoas hoje é a aposentadoria”, diz Angela. “E o cenário é complicado, porque as pessoas não estão dimensionando corretamente o quanto têm que poupar”.
O erro mais comum nesses casos, conta Angela, é superestimar os ganhos com investimento na fase de acumulação e subestimar os gastos na aposentadoria. “Há um mito perigoso de que os gastos caem automaticamente”, afirma. “Não há mais as despesas com educação dos filhos, por exemplo, mas surgem contas cada vez maiores com a saúde”. Ela recomenda aos investidores que sejam muito conservadores ao estimar os ganhos de seus investimentos e sempre acumulem recursos pensando em viver “até os 100 anos”. “Essa é uma das formas de não se decepcionar lá na frente”, diz. “Pelo que eu vejo hoje, muitas pessoas não terão a renda que imaginam se não repensarem suas estratégias”, diz.
Quem está com as contas fora de ordem, contudo, não deve se desesperar. As transformações na vida financeira não acontecem do dia para noite. “Quem nunca fez exercício e, de repente, tem que deixar o sedentarismo sabe como é difícil”, diz Calil. “Com as finanças, é a mesma coisa, as mudanças são graduais”.
Quer saber o segredo para fazer uma fortuna em pouco tempo aplicando pequenos valores no mercado financeiro? Pois deixe de se iludir e comece a pensar seriamente sobre a sua vida financeira, responde a planejadora financeira pessoal Gisele Colombo de Andrade. “Essa história de que é possível ganhar muito dinheiro no mercado financeiro é um grande mito”, alerta Gisele.
Isso não significa que os investimentos devam ser deixados em segundo plano, ressalta Gisele. Eles podem elevar – e muito – o valor do patrimônio de uma pessoa ao longo dos anos. “Mas o fundamental para gerar riqueza é o dinheiro que as pessoas ganham com o seu trabalho”, diz ela. Quer uma prova? Os próprios gestores de recursos vivem de vender sua habilidade de ganhar no mercado, em vez de ficar em casa aplicando o próprio dinheiro.
Frustrado com a resposta? Pois saiba que “frustrar” investidores é uma das tarefas de um planejador financeiro responsável, ressalta a planejadora Angela Nunes Assumpção. “Frustrar no curto prazo para ajudar as pessoas a construir um bom patrimônio no longo prazo é a nossa tarefa”, diz Angela. “E, com o tempo, à medida que a pessoa se planeja e realiza seus sonhos, a frustração dá lugar ao prazer de poupar”, diz o planejador Fabiano Calil.

Gisele, Angela e Calil integram o grupo de profissionais do Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF) – entidade responsável no Brasil pela concessão da certificação internacional CFP (Certified Financial Planner), que distingue os planejadores financeiros pessoais.


Consultores de múltiplas especialidades que desenham estratégias de planejamento de patrimônio para pessoas físicas, os profissionais ligados ao IBCPF são responsáveis pelas respostas dadas aos leitores do Valor na seção “Consultório financeiro”, que acaba de completar um ano de vida. O tema dominante nesse período foram os investimentos. “As pessoas ainda têm essa ideia de que planejamento financeiro é apenas escolher onde aplicar o dinheiro; é muito mais do que isso”, diz Calil.
Cabe ao planejador traçar um plano de voo com metas de curto, médio e longo prazos, que incluem aspectos como herança, contratação de seguros, administração de bens, tomada de empréstimos e formação de poupança para a aposentadoria. “No fundo, é uma questão comportamental, que tem a ver não só com a pessoa, mas como toda a família”, diz Angela. “Quem já passou por um inventário complicado sabe como problemas de dinheiro acabam com o relacionamento familiar”.
E a adoção de um planejamento financeiro não depende de faixa de renda ou escolaridade, ressalta Angela. “O nosso público é amplo, inclui desde funcionários públicos e profissionais liberais até empresários, artistas e jogadores de futebol”, diz Calil. “E essa experiência do ‘consultório’ reforçou isso, já que recebemos desde perguntas bem simples, sobre orçamento doméstico, até questões mais complexas, de pessoas com patrimônio de alguns milhões”, afirma Gisele.
O valor de uma consulta com um planejador financeiro varia de acordo com a região e a experiência do consultor. Uma sessão de uma hora ou uma hora e meia com um planejador “júnior” de São Paulo pode sair em torno de R$ 300. Embora os planejadores muitas vezes sejam contratados para resolver questões específicas, como problemas na transmissão de patrimônio, o ideal é que haja um conjunto de seções para a realização de um planejamento de longo prazo. “Nesse caso, o mais comum é fechar um pacote de remuneração”, diz Calil.
O ponto de partida de qualquer planejamento é a formação de uma reserva financeira (entre três e 12 vezes o valor das despesas mensais) para ser utilizada em casos de emergência, como acidentes ou perda do emprego. Em seguida, é hora de traçar os planos para acumular os recursos para realização de sonhos de curto, médio e longo prazo. “Uma das questões que mais preocupam as pessoas hoje é a aposentadoria”, diz Angela. “E o cenário é complicado, porque as pessoas não estão dimensionando corretamente o quanto têm que poupar”.
O erro mais comum nesses casos, conta Angela, é superestimar os ganhos com investimento na fase de acumulação e subestimar os gastos na aposentadoria. “Há um mito perigoso de que os gastos caem automaticamente”, afirma. “Não há mais as despesas com educação dos filhos, por exemplo, mas surgem contas cada vez maiores com a saúde”. Ela recomenda aos investidores que sejam muito conservadores ao estimar os ganhos de seus investimentos e sempre acumulem recursos pensando em viver “até os 100 anos”. “Essa é uma das formas de não se decepcionar lá na frente”, diz. “Pelo que eu vejo hoje, muitas pessoas não terão a renda que imaginam se não repensarem suas estratégias”, diz.
Quem está com as contas fora de ordem, contudo, não deve se desesperar. As transformações na vida financeira não acontecem do dia para noite. “Quem nunca fez exercício e, de repente, tem que deixar o sedentarismo sabe como é difícil”, diz Calil. “Com as finanças, é a mesma coisa, as mudanças são graduais”.

.

Autor: Antonio Perez



Fonte: Valor Econômico 05/2011



Catálogo: wp-content -> files
files -> O pt e o combate ao Racismo Contribuição ao debate na segunda etapa do Congresso da ae
files -> TÍtulo: “Jornalismo cultural on line: uma abordagem semiótica”
files -> 4º. congresso nacional do partido dos trabalhadores o pt, a Fundação Perseu Abramo e a transformação em curso no Brasil Apresentado pela Fundação Perseu Abramo
files -> Aos membros do Diretório Nacional do pt parlamentares, membros do governo e militância
files -> Boletim informativo nº 94 marçO/2012
files -> A ilusão dos inocentes wladimir Pomar tt scritta sumário
files -> Peça Oficina de Teatro Personagens
files -> Roteiro do texto-base para discussão na Plenária lgbt da 2ª etapa do I congresso da Articulação de Esquerda
files -> Resoluções lgbt
files -> IntroduçÃO À história do brasil instituto Cajamar Abril de 1989 Índice apresentaçÃO


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal