Breve história do Design (1751-1900)



Baixar 106.79 Kb.
Página1/3
Encontro01.08.2016
Tamanho106.79 Kb.
  1   2   3


Breve história do Design (1751-1900)  




 

      1751-1800



      




     Benjamin Franklin descobriu, em 1752, a electricidade, que hoje em dia consumimos avidamente e da qual somos completamente dependentes, e James Watt, em 1765, inventou a Máquina a Vapor que iria dar início à Revolução Industrial.
Começava a gerar-se a mudança radical da vida humana, primeiro em Inglaterra e mais tarde no resto do mundo. Londres, onde em 1753 foi fundado o Museu Britânico, será, no final desse século, a maior cidade dos países em desenvolvimento de então.
Em1769 Richard Arkwright patenteou a máquina de fiar conhecida como Water Frame que melhorou a resistência do fio, muito contribuindo para a liderança inglesa na manufactura mundial de têxteis.
Proveniente de Manchestar, estabeleceu-se, em 1774, nos Estados Unidos da América, a primeira comunidade Shaker. Cristãos puritanos, desenvolveram um tipo de mobiliário despojado, harmonioso e muito funcional que reflectia os princípios ideológicos da seita, as noções de santidade do trabalho e de rigor nas tarefas a executar.
Em Shropshire, Inglaterra, levantava-se em 1779 a primeira ponte inteiramente construída em ferro; no condado, em Coalbrookdale, era abundante o carvão de qualidade e Abraham Darby tinha sido pioneiro na fundição do metal. A "Garganta da Ponte de Ferro" está desde 1986 classificada como Património Mundial por ser local de nascimento da Revolução Industrial.
Um vasto império colonial simultaneamente fornecedor de matéria prima e mercado e abundantes jazidas do melhor carvão junto à produção conduziram a Inglaterra à liderança mundial.
Davam-se as grandes revoluções. Em 1776, a Declaração de Independência dos EUA e em 1789, em França, a tomada da Bastilha prenunciam um novo mundo: a Idade Contemporânea.




      1801-1850

      




     Em 12 de Fevereiro de 1804, em Königsberg, sua cidade de sempre, morria Immanuel Kant. Filósofo da revolução francesa, da liberdade do indivíduo e de uma nova ordem mundial baseada no cosmopolitismo, provocou uma "revolução coperniciana" no pensamento filosófico.
Em 1810 o inglês Peter Durand criou a lata metálica para conter alimentos líquidos ou sólidos. Abria-se com um martelo e um cinzel pois o abre-latas só surgiria 50 anos depois.
Após 8 horas de exposição à luz, em meados de 1827, Niépce conseguiu a primeira fotografia. Poucos anos depois, Louis Daguerre baixava o tempo de exposição para meia hora e estabilizava a imagem, tornando-a permanente.
Em 1829 Louis Braille inventou o seu sistema de escrita para invisuais e começa a funcionar, a partir de 1830, a linha de caminhos de ferro entre Liverpool e Manchester (esta última era o epicentro da Revolução Industrial). Nesse mesmo ano o alfaiate francês Barthélemy Thimonnier inventou a primeira máquina de coser.
Em 1833 iniciava-se, no Império Britânico, o longo reinado da rainha Victória que marcaria todo o século com o seu gosto, a moral e costumes conservadores (ou vitorianos como também se diz). Era de mau gosto aludir às necessidades fisiológicas e por isso não teve sucesso, na altura, a inovação de Walter Alcock que em 1879 criou o papel higiénico em rolo, melhorando, assim, a invenção de 1857, em folhas individuais, do estadunidense Joseph Cayetty.
Em 1839, o químico e director da Manufactura dos Gobelinos Eugène Chevreul publicou o seu ensaio "Da lei do contraste simultâneo de cores". Em 1845 foi inventado o elástico de borracha para segurar papéis ou envelopes e o alfinete de bebé inventou-o Walter Hunt, em 1849.
Karl Marx e Friedich Engels publicaram, em 1847 o Manifesto Comunista e em 1867 Marx escreveu "O Capital", o tratado de análise social e económica mais influente de todos os tempos, com implicações também na teoria da Arte ao evidenciar a dimensão mercantil da mesma.




 

      1851-1900



      












































     Era o início da era industrial. Já vivia em cidades a maioria da população britânica.
Em 1851, no Crystal Palace de Joseph Paxton, dava-se a primeira Exposição Universal, em Londres, cidade que também viu nascer o primeiro metropolitano (1890) e os bairros operários. O Ocidente tomava contacto com a arte japonesa, os primeiros arranha-céus mudavam o horizonte de Chicago e Paris transformava-se sob o desenho de Haussmann.
Na década de cinquenta, o inglês Charles Frederick Worth conquistava a sociedade elegante de Paris e criava a Alta Costura. Foi o primeiro costureiro famoso e o primeiro a usar Modelos. O negócio do vestuário deixou se basear em encomendas ao gosto da cliente passando o criador a impor os seus projectos mediante colecções sazonais.
A partir de 1860 já se encontrava activo o teórico e designer Cristopher Dresser. Botânico de formação, foi um visionário que reagiu à má qualidade decorativa e construtiva dos objectos de fabrico em série do seu tempo. Da observação da Natureza e com sólidos conhecimento das técnicas construtivas criou objectos cerâmicos, em vidro e em metal que muito contribuíram para impor a liderança industrial inglesa. São objectos que espantam pela sua actualidade e por isso alguns deles ainda são fabricados actualmente, nomeadamente por Alessi.
Em 1869 as duas costas dos EUA foram unidas pela Union Pacific RailWay, em 1874 rolava pela primeira vez o primeiro carro-eléctrico de Nova Iorque e em 1876 A. Bell efectuava a primeira chamada telefónica.
Em Junho 1878 Eadweard Muybridge fez a primeira série de imagens de movimento rápido ao fotografar um cavalo em trote. Nunca até aí a pintura o soubera representar.
Louis Sullivan formou com o engenheiro Adler, em 1881, a firma Adler & Sullivan que muito contribuiria para a reconstrução de Chicago iniciada após o incêndio que a consumiu. Pode ser considerado o primeiro arquitecto moderno norte-americano, com ele se formou Frank Lloyd Wright e a ele é creditado o termo organicismo. A sua frase preferida era: - " A forma segue a função", mais tarde adaptada por Mies van der Rohe.
Em 1888 foi criada a Arts and Crafts Society sob os auspícios de William Morris que se opunha à produção industrial de objectos (na altura de qualidade deficiente), criticava a alienação da Natureza e das forças produtivas, propondo a valorização da produção artesanal, dos materiais naturais e dos ornatos inspirados na Natureza.
Na década de 90, na Escócia, na Escola de Arte de Glasgow Charles Rennie Mackintosh liderava um novo estilo caracterizado pela influência japonesa, pela contida decoração naturalista, pela geometria das linhas verticais e horizontais e pela preferência pelo branco e pelo preto. Victor Horta impunha-se em Bruxelas, sobretudo, e aí dominou enquanto se manteve na burguesia esclarecida local o gosto pelo estilo Arte Nova.
A máquina de costura Singer (1851), a cadeira, em madeira termo-curvada, nº14 de Thonet (1859), o primeiro relógio (de bolso) popular "one dollar-watch" (1880), a estátua da Liberdade (doada pela França em 1886), a Kodak para 100 tomadas de vista (1888), as "Juke-Box" e a Torre Eiffel (1889), o motor de Rudolf Diesel (1893), o cinematógrafo dos irmãos Lumière (1895) e o primeiro ascensor de Paris (1900) são as invenções revolucionárias da época.
Em 1900 o movimento de vanguarda dominante, a Art Nouveau, estava estabelecido. Interessado na utilização dos novos materiais e na produção de massas, embora fosse buscar influências ao passado, estava virada para o futuro. Caracterizado por uma fluidez orgânica e inspirado na natureza, podia ser interpretado de forma figurativa ou abstracta e os seus princípios aplicados ao design de todos os objectos. As entradas de metropolitano de Paris, desenhadas por Hector Guimard são bons exemplos deste estilo.






Breve história do Design (1901-1950)  

      1901

      




     No início do século XX, uma frenética série de espectaculares avanços tecnológicos causava impacto social. O motor de combustão interna, o motor eléctrico e os rudimentos das telecomunicações permitiram níveis de eficiência inimagináveis. Artigos anteriormente fabricados à mão passaram a ser feitos de modo mais rápido e barato pela máquina, abalando o papel do artesanato.
A máquina revolucionava também o mundo doméstico e, com o advento do rádio, do telefone e, mais tarde, da televisão, viria a redefinir completamente a comunicação no lar e no trabalho. A linha de montagem acelerou drasticamente a produção de veículos, tornando o carro a motor acessível a um mercado muito mais amplo.
Em 1901 Frank Hornby patenteou o Mecano. Em 1902 T. Edison inventou o acumulador de energia, ou bateria. Em Dezembro de 1903 os irmãos Wright voavam pela 1ª vez num aparelho mais pesado que o ar, materializando assim o velho sonho da humanidade, mas foi em 1906 que A. Santos Dumont fez verdadeiramente o 1º voo autónomo de um avião, ou seja com descolagem incluída. A ele também se devem as especificações para a fabricação do 1º relógio de pulso.
Em 1907, Hermann Muthesius, após uma estadia em Inglaterra para actualização e aprendizagem, fundou em Munique a Deustche Werkbund e dirigido pelo belga Van de Velde, surgiu o Instituto de Artes e Ofícios de Weimar. Foi criada a primeira identidade corporativa (da AEG, que sentiu necessidade de unificar o seu design) pelas mãos de Peter Behrens, que nesse ano muda radicalmente o seu estilo, para uma estética mais industrial, provavelmente devido à entrada simultânea na dita AEG e na Werkbund. Paul Cornu criava o 1º voo de helicóptero.
O Ford T, de 1908, tornou-se o primeiro automóvel a ser fabricado em série; seguindo os princípios do taylorismo e inspirado nos mecanismos transportadores dos matadouros de Chicago, Henry Ford alterou profundamente a vida de milhões de operários em todo o mundo. Em finais de 1910 apareceu no merado a primeira caneta a ostentar a famosa estrela branca da Montblanc.
Também nesse ano, Adolf Loos publicou o seu célebre livro "Ornamento e Crime" onde atacava a decoração abundante da Arte Nova. Arquitecto checo, admirador de Sullivan, ligado ao Jugendstil e à Wiener Werkstätte, tornar-se-ia modelar para os seus colegas dos anos 20, mais pela teoria que pelas suas construções.

      1911

      

     Josef Hoffmann do grupo de artistas e arquitectos vienenses conhecidos como a Secessão, criada em 1898, terminou em 1911 a construção do Palácio Stoclet, em Bruxelas. Embora a arte da Secessão fosse fundamentalmente Arte Nova no estilo, o seu design é lembrado pela ornamentação mais geométrica. Em 1912 afundou-se o Titanic e algum gosto oitocentista que perdurava.
A primeira Guerra Mundial (que de 1914 a 1918 deixou a Europa devastada, marcava o início da transferência do centro da vanguarda criativa de Paris para Nova Iorque, como a Segunda Guerra Mundial confirmará) contribuiu para o sucesso do Soutien que fizera a sua aparição no final do século anterior: as mulheres começavam a trabalhar e precisavam de roupa mais confortável. Mais para o final da guerra, foi pedido às mulheres norte-americanas para não usarem o antiquado corpete, libertando-se, assim, metal suficiente para construir dois navios de guerra.
Em 1914 a Black & Decker patenteou a primeira ferramenta transportável, um berbequim eléctrico revolucionário em forma de pistola. Inspirada na vagem do cacau, a garrafa da Coca-Cola foi redesenhada em 1915. Demasiado barriguda para a linha de engarrafamento, Alexander Samuelson inspirou-se, ao que parece, nas formas curvilíneas de Mae West. Este modelo, chamado saia-funil, por parecer um vestido até aos pés, teve o deu design patenteado em 1923.
Os artistas começaram a preocupar-se com a estética das máquinas e, em 1917, ano da Revolução Bolchevique de Outubro, na Rússia, um grupo de pintores holandeses, arquitectos, designers e filósofos formaram De Stijl (O Estilo). O objectivo era criar uma linguagem visual que expressasse uma nova estética, usando uma paleta de cores limitada e formas geométricas. A "red and blue chair", desenhada por Gerrit Rietveld, é um dos melhores exemplos. Por essa altura começou a produção em massa e muitos bens ficaram ao alcance de todos, melhorando a qualidade de vida da classe média.
Em 1919, em Weimar, sob a direcção de Walter Gropius, fundou-se a Bauhaus, escola que se transformou na mais influente instituição de design e cujo objectivo era formar designers industriais.

      1921

      

     Na influente Exposition Internationale des Arts Décoratifis et Industriels Modernes de 1925, em Paris, o arquitecto suíço Le Corbusier projectou um dos pavilhões que intitulou L'Esprit Nouveau. Era um modelo de modernismo: paredes brancas lisas, estrutura de betão e grandes extensões de vidro unificadas por uma geometria rígida. O seu mobiliário era despretensioso, do tipo que se encontra à venda nas lojas, incluindo a cadeira Thonet, de madeira curvada. Apesar disso, essa exposição é lembrada menos pelo funcionalismo da contribuição de Le Corbusier e mais pelo visual do resto da mostra, noutros pavilhões.
Foi daí que se originou a Art Deco, inspirada na arte não-ocidental, em especial africana e egípcia, popular na altura devido à descoberta do túmulo de Tutankamon, em 1922, por Howard Carter. Interpenetração de formas geométricas, modelos abstractos e zig-zags, cores brilhantes, bronzes, marfim e ébano eram as suas características mais marcantes.
A vontade de dançar charleton fez subir a baínha das saias, Coco Chanel lançou o seu perfume Chanel nº 5 (1921) e um novo estilo de roupa. Em 1923 Garrett Morgan, inventor de um capacete de bombeiros e da máscara de gás, patenteou os sinais de trânsito luminosos.
Marianne Brandt, em 1924, criou um serviço de chá e café em metal (que a Alesi reeditou em 1985), Marcel Breuer cria a sua cadeira tubular em homenagem a Wassily Kandinsky, no mesmo ano em que se fez, na Alemanha e na Inglaterra, a primeira emissão experimental de Televisão (1925). Mies van der Rohe, no ano seguinte, criou a sua cadeira "cantilever" em aço tubular sem pernas traseiras e, três anos depois (1929), a cadeira Barcelona, para a Exposição Universal dessa cidade. Surgem as primeiras máquinas de barbear eléctricas (1928) e o duplicador Loewy da Gestetner (1929).

      1931

      

     Desde o início do século, os designers vinham testando os efeitos da dinâmica dos corpos na água e no ar. Com base em estudos sobre a forma e os movimentos de peixes e pássaros, descobriu-se que os barcos e aviões podiam ser mais eficientes se tivessem o nariz e a fuselagem polidos. Em 1933, o Douglas DC1 fez sua estreia no transporte de passageiros. Radicalmente diferente dos seus desajeitados predecessores, possuía uma estrutura aerodinâmica monobloco, asas integradas e um revestimento de alumínio reforçado e resistente a ponto de dispensar os tirantes. O DC1, juntamente com o Boeing 247, assinalou o início do moderno voo comercial de passageiros. Nesse mesmo ano, René Lacoste criou, para a prática do ténis, o Polo ostentando o famoso crocodilo (criado em 1926 por Robert Georges), revolucionando assim o vestuário desportivo e os Nazis ascenderam ao poder provocando o êxodo de muitos intelectuais alemães. Muitos, entre os quais elementos da Bauhaus, transferem-se para os EUA.
Em 1934, a Chrysler lançou o seu novo carro aerodinâmico, o Airflow. Projectado por Carl Breer, era o resultado de extensas pesquisas de aerodinâmica. O seu design radical revelou-se um fracasso no marketing. O seu corpo unitário curvo, os pára-brisas inclinados e a traseira prolongada, eram tão diferentes dos carros anteriores que o público não o aceitou, tendo o seu fabrico terminado depois de apenas três anos de produção. No entanto, sendo um sucesso de engenharia, contribuiu muito para a aplicação da aerodinâmica ao design de carros, preparando o caminho para que outros designers criassem os seus carros de desporto famosos.
Raymond Loewy era, por essa altura, o responsável pelo redesenho do frigorífico Coldspot Super Six, que assim viu as suas vendas aumentarem 400%, dos cigarros Lucky Strike, do autocarro Silverside Greyhound e do logótipo da Shell.
A baquelite, inventada em 1909, começava a ser usada como substituto da madeira mas a sua facilidade de moldagem chamou a atenção dos designers que a aplicam, a partir desta década, nos produtos eléctricos.
Ferdinand Porche, em 1936, pôs a funcionar 3 protótipos do seu carro do povo, o Wolkswagen, de que se calcula tenham sido produzidos 30 milhões (de carochas). Nesse ano foi lançado o Tampax, apesar das dificuldades em anunciar o produto devido ao pudor e ao tabu em torno da higiene íntima feminina. Terminava, também em 36, ao fim de 5 anos, a construção, nos EUA, da Barragem Hoover. Construída durante a Depressão, foi um grande projecto de mobilização nacional e a primeira barragem gigante do mundo. A partir daí generalizou-se (nos países civilizados) o uso do capacete de trabalho.
Em 1937 terminavam os gloriosos dias dos dirigíveis com a tragédia do Hindemburgo, Henry Dreyfuss, em conjunto com um equipa de engenheiros da Bell, aperfeiçoou o telefone, tornando a sua utilização mais fácil, o húngaro László Moholy-Nagy, que participara na Bauhaus fundou, nos EU da América, a Nova Bauhaus no quadro do Instituto de Design de Chicago e o canadiano Donald Hings inventou o aparelho de comunicações sem fios conhecido por Walkie-Talkie (para andar e falar) pelo qual se interessariam os Aliados ao eclodir a II Guerra Mundial.
Em 1938 viu a luz do dia o electrodoméstico mais procurado pelas donas de casa europeias: o ferro de engomar, criação do americano Edmund Schreyer. Em 1939 a DuPont de Seaford (EUA) começou a vender o polímero Nylon que revolucionou a indústria do vestuário e a Philips lançou a primeira máquina de barbear eléctrica, a Philishave.
Neste período descobria-se o modelo americano, a arquitectura de Frank Lloyd Wright, os arranha-céus de Nova Iorque e uma nova estética funcional.

      1941

      

     A Segunda Guerra Mundial exerceu um forte impacto sobre o design e a fabricação de produtos. Os países envolvidos de imediato restringiram o uso de matérias-primas e as fábricas muitas vezes passaram a dedicar-se à produção militar. Em 1941, a Grã-Bretanha introduziu um plano de racionamento na tentativa de gerir o uso de recursos escassos. O mobiliário deveria ser forte e atraente, mas sem desperdício de material. Alguns, como a prata e o alumínio, ou foram completamente vetados ou não eram encontrados, e até o tinto para tecidos precisava ser aprovado pelo programa de racionamento. Investiu-se mais no design gráfico, com os governos a encomendarem posters de propaganda.
Em 1944 foi criado o Counsil Of Industrial Design para "promover através de todos os meios praticáveis a melhoria do design em produtos da indústria britânica".
1945 foi o ano da criação da popular Velosolex e do primeiro computador electrónico digital dos EUA. Em 1946, organizou-se a exposição "Britain can make it", nasceu o primeiro forno micro-ondas, comercializou-se a Vespa de Corradino D'ascanio e o casal Eames concebeu a cadeira "Plywood", a que chamaram a "cadeira do século". Popularizou-se o uso da máscara de mergulho, fruto de evolução lenta e anónima, e Jacques Cousteau associado a Emile Gagnan aperfeiçoou e comercializou o escafandro autónomo (inventado em 1926 por Yves Le Prieur).
A gama diversificada de contentores em polietileno com tampa estanque Tupperware, a Polaroid 95, capaz de processar a fotografia em apenas 60 segundos e o Bikini (assim baptizarão o atol das experiências nucleares da época) criado nos anos 30 por Jacques Hein, apareceram no ano do nascimento do estado de Israel e do lançamento do Morris Minor 1000: 1948. No ano seguinte nasceu Sierra Sam, o primeiro car crash test dummy.
Jacques Vienot fundou o Instituto Estética Industrial com a missão de exercer "uma acção directa pela melhoria da qualidade visual dos produtos", em França, em 1950, ano em que o sueco Sigvard Bernadotte e o dinamarquês Acton Bjørn desenharam para a Rosti as tijelas de empilhar em melanina Margrethe.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal