C conteúdo Programático 1 Aulas teóricas



Baixar 110.43 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho110.43 Kb.

Disciplina de Propedêutica Cirúrgica I e II



A - Objectivos Pedagógicos
B - Programa: Temas da Disciplina de Propedêutica Cirúrgica


C - Conteúdo Programático

1) Aulas teóricas




2) Aulas práticas




3) Actividades de aprendizagem auto-dirigida


D - Avaliação dos conhecimentos




E - Bibliografia:

Propedêutica Cirúrgica I

A - Objectivos Pedagógicos

1 – Conhecimentos:

a) compreender a linguagem e a terminologia cirúrgica;

b) conhecer as grandes síndromes cirúrgicas e respectiva etiopatogenia e semiologia;

c) reconhecer as situações clínicas mais frequentes que podem justificar a necessidade de tratamento cirúrgico electivo ou urgente;

2 – Aptidões:

a) recolher correctamente a anamnese e realizar um exame objectivo metódico e completo;

b) conhecer e executar os gestos e manobras semiológicas em relação a cada capítulo da semiologia especial;

c) avaliar o estado nutricional e o risco cirúrgico de um doente;

d) elaborar um relatório em que valorizem e hierarquizem os dados obtidos na história clínica e se justifiquem as hipóteses de diagnóstico clínico e os exames complementares necessários para o esclarecimento das dúvidas.

e) realizar as manobras de reanimação em suporte básico de vida e de entubação oro-traqueal no manequim, bem como de outros gestos de diagnóstico e terapêuticos descriminados nas aptidões a adquirir nas aulas práticas.
3 – Atitudes

a) respeitar os doentes, seus familiares, os colegas e outros profissionais da saúde e reconhecer os direitos dos doentes, em particular no que se refere à confidencialidade ao consentimento informado;

b) promover o desenvolvimento de qualidades pessoais adequadas à actividade médica, nomeadamente ser íntegro, apresentar-se com dignidade perante os doentes, ser responsável e interessado na sua valorização profissional, particularmente através da aprendizagem auto-dirigida;

c) reconhecer a necessidade da educação médica permanente, como forma de poder vir a prestar cuidados médicos qualificados, de natureza preventiva ou curativa, em relação ao indivíduo doente ou à comunidade;

d) reconhecer que a actividade médica se relaciona com vários aspectos éticos, humanos e sociais.


B - Programa: Temas da Disciplina de Propedêutica Cirúrgica I:

1 - História Clínica – Tema integrado

(Relação Médico – Doente, abordagem integrada)

(Abordagem em Medicina Hospitalar e em Medicina Comunitária)

(Abordagem nas doenças médicas)

Abordagem geral e nas doenças cirúrgicas


2 - Ventre Agudo

Etiologia, patogenia e clínica

Apendicite aguda

Oclusão intestinal

Colecistite aguda e colangite

Pancreatite aguda


3 - Semiologia do doente politraumatizado

Semiologia dos traumatismos craneanos e maxilofaciais

Semiologia dos traumatismos torácicos

Semiologia dos traumatismos abdominais


4 - Semiologia da cabeça e pescoço (glândula tiróide) e semiologia da mama

5 - Choque, líquidos e electrólitos e avaliação do estado nutricional e do risco cirúrgico

Fisiopatologia da agressão cirúrgica

Choque


Equilíbrio hidro-electrolítico

Equilíbrio ácido-básico

Avaliação do estado nutricional e do risco cirúrgico

Infecção do local cirúrgico



C - Conteúdo Programático da Disciplina de Propedêutica Cirúrgica I:

1) Aulas teóricas



O relatório clínico em Cirurgia. (Aula 1)

Estrutura geral e apresentação do plano orientador.

A importância do interrogatório e do exame físico na formulação do diagnóstico clínico ou das diversas hipóteses de diagnóstico dependentes da lista de problemas clínicos encontrados.

A solicitação de exames complementares para esclarecimento das dúvidas e tentativa de se encontrar o diagnóstico definitivo.


Dor em cirurgia. (Aula 2)

Fisiopatologia – Definição da dor; mecanismos periféricos e central; modulação da dor; dor neuropática; inervação visceral e somática da cavidade e órgãos abdominais.


História da dor – localização, modo de começo, intensidade, tipo de dor, progressão, factores calmantes ou de agravamento. Irradiação da dor, dor referida e migração da dor.
Ventre agudo. (Aula 3, 4, 5, 6, 7)

Etiologia da dor abdominal.

Classificação de ventre agudo.

Sintomas e exame e exame físico abdominal.

Falso ventre agudo.

Exames complementares laboratoriais e imagiológicos.


Apendicite aguda

Fisiopatologia

Diagnóstico: a) sintomas e b) exame físico.

Apendicite aguda no velho e na criança.

Diagnóstico diferencial.

Plastron apendicular.

As doenças ginecológicas e o problema do diagnóstico diferencial.

Exames complementares.

Os fundamentos técnicos da apendicectomia.
Colecistite aguda, cólica biliar e colangite aguda

a) Colecistite aguda -

Etiopatogenia.

Anatomia da vesícula e vias biliares.

História clínica: interrogatório e sintomas mais frequentes.

Exame físico geral e abdominal.

Diagnóstico diferencial

Exames complementares

b) Cólica biliar -

Sintomas e exame físico que caracteriza este quadro clínico.

História natural da litíase biliar

c) Colangite aguda -

Fisiopatologia e tríade de Charcot e pêntade de Reynolds.

Sintomas e exame físico.

Diagnóstico diferencial e exames complementares.
Ventre agudo: perfuração de úlcera péptica e pancreatite aguda

a) Perfuração de úlcera péptica -

Fisiopatologia.

Interrogatório e exame físico.

Perfuração de ulcera gástrica versus úlcera duodenal.

Perfuração de úlcera coberta.

Exames complementares

b) Pancreatite aguda -

Etiopatogenia

História e exame físico geral e abdominal.

Diagnóstico diferencial.

Exames complementares


Oclusão intestinal

Definições.

Fisiopatologia.

Etiologia: oclusão do delgado e do cólon.

Sintomas e exame físico.

Pseudo-oclusão intestinal (Síndrome de Ogilvie)

Exames complementares.

O doente politraumatizado (Aula 8, 9)


Prioridades e triagem.

a) Choque hipovolémico: definição , fisiopatologia e clínica.

b) Traumatismos craneanos e faciais (noções gerais)

c) Traumatismos cervicais.

d) Traumatismos torácicos –

Incidência e fisiopatologia.

Sintomas.

Exame físico dependente do tipo de lesões.

Fractura de costelas sem lesões pulmonares.

Fractura do esterno com ou sem estabilidade respiratória.

Hemotórax. Pneumotórax e hemopneumotórax. Pneumotórax tensional. Pneumotórax com ferida aberta do tórax.

Sequelas traumáticas cardíacas e tríade de Beck.

Lesões diafragmáticas e problemas de diagnóstico.
Semiologia dos Traumatismos Abdominais

Incidência.

Trauma abdominal aberto e fechado.

Tipos de lesões e órgãos mais vulneráveis.

História e exame físico.

Exames complementares.

Conceito do damage control

Síndrome do compartimento abdominal: diagnóstico e consequências fisiopatológicas.


Semiologia da parede abdominal – Hérnias (Aula 10, 11)

Definição.

Incidência.

Tipos de hérnias e sua constituição.

Anatomia da região inguinal e crural.

Classificação das hérnias.

História e exame físico.
Diferenças entre hérnia inguinal e crural.

Características do estrangulamento herniário.

Variedades de hérnias inguinais.

Hérnia inguinal na criança.

Diagnóstico diferencial de hérnia inguinal e crural.

Hérnia umbilical.

Hérnia epigástrica.

Eventração da pareda abdominal

Tratamento cirúrgico – evolução do tratamento cirúrgico e seus princípios gerais.
Semiologia da cabeça e pescoço (Aula 12, 13, 14)

Cabeça.

Lesões cutâneas frequentes; lesões traumáticas; lesões das pálpebras.

Pavilhão auricular e gânglios pré e retro auriculares.

Glândulas salivares e patologias mais frequentes.

Lesões mais frequentes da boca.

Tipos de facies características.



Pescoço.

Gânglios cervicais e patologias mais frequentes.

Quisto branquial, paraganglioma e divertículo da faringe.
Tiróide - anatomia e fisiologia

História, exame físico e exames complementares.

Hipotiroidismo – tipos e manifestações clínicas.

Hipotiroidismo após tiroidectomia total – clínica e sinal de Trousseau e de Chevostek.

Tiroidite – tipos e clínica.

Hipertiroidismo – manifestações clínicas nas doenças associadas – doença de Graves, bócio multinodular tóxico e nódulo tóxico de Plummer.

Bócio mergulhante e manifestações clínicas.
Carcinoma da tiróide. Aspectos clínicos nos tumores bem diferenciados (papilar e folicular), no carcinoma medular (esporádico e familiar) e no anaplástico.

Quisto do tiroglosso – manifestações clínicas.

Hiperparatiroidismo – diagnóstico clínico e laboratorial.

Noções gerais do tratamento cirúrgico.


Semiologia da mama (Aula 15, 16)

Anatomia e fisiologia.

Anomalias do desenvolvimento

Doença fibroquística – caracterização clínica.

Tipos de dor mamária.

Interrogatório e exame físico – noções gerais e exemplos em patologia benigna e maligna.

Imagiologia mamária: mamografia, ecografia, TC e RM.

Noções gerais sobre rastreio do cancro da mama – mamografia.

Doenças benignas da mama – aspectos clínicos sugestivos de quisto mamário, fibroadenoma, ectasia ductal mamária, mastite e necrose gorda.
Factores de risco de cancro da mama.

Cancro da mama – tipos histopatológicos: invasivo, não invasivo e formas raras.

Apresentação clínica: assintomáticos e com manifestações clínicas sugestivas.

Estadiamento clínico e patológico (classificação TNM).

Evolução dos fundamentos do tratamento cirúrgico: mastectomia radical de Halsted, modificada de Patey e de Maden.

Cirurgia conservadora da mama.

Quimioterapia e terapêutica hormonal adjuvante – noções gerais.

Fisiopatologia da agressão cirúrgica (Aula 17)

Estímulo do reflexo neuroendócrino – factores comtributivos.

Mediação neurohormonal e humoral da agressão cirúrgiga.

Resposta metabólica após a cirurgia e o trauma.

Alterações hidro-electrolíticas após a cirurgia.
Avaliação nutricional e do risco cirúrgico (Aula 18)

Tipos de malnutrição.

Avaliação clínica do grau de nutrição.

Avaliação nutricional do doente cirúrgico.

Conceito de risco cirúrgico e factores que o influenciam.

Alterações no equilíbrio hidro-electrolítico e ácido-base (Aula 19)

Líquidos e electrólitos extracelulares

Regulação do equilíbrio ácido-base

Descrição dos 4 paradigmas

Hiponatrémia

Hipernatrémia

Alterações no cálcio e magnésio
Síndrome da resposta inflamatória sistémica (Aula 20)

Noções gerais sobre:

Sépsis

Sépsis severa



Choque séptico

Choque cardiogénico.


Conteúdo Programático da Disciplina de Propedêutica Cirúrgica I:

2) Aulas práticas



A - Aulas práticas – Conhecimentos e aptidões adicionais
1 – O relatório clínico em cirurgia (complemento da aula teórica e exemplificação)

(conhecimento)


2 – Processo clínico do doente internado

Organização e métodos de consulta.

Gráfico de registo de parâmetros vitais: TA, pulso, temperatura, diurese, peso corporal, frequência respiratória e perímetro abdominal.

Folhas de registo na UCIP: balanços dos líquidos administrados e eliminados, monitorização dos parâmetros vitais, saturação de O2, ECG e PVC.


3 – Material cirúrgico básico (conhecimentos e aptidões)

Material de diérese, de dissecção, de hemostase e afastamento: regras gerais da sua utilização. (1 – vê fazer)

Material de suturas: tipos propriedades e indicações. Normas gerais de disposição do material cirúrgico nas mesas.
4 – Aula no laboratório de aptidões médico-cirúrgicas (Aptidões)

Realização de suturas cutâneas. (3 - faz)

Acesso ao sistema venoso superficial e profundo. (3 - faz)

Acesso arterial para realização de gasometria.

Suporte básico de vida no manequim (massagem cardíaca e ventilação boa a boca). (3 - faz)

Exame físico de nódulo mamário. (3 - faz)

Toque rectal no manequim. (3 - faz)

Algaliação no homem e na mulher. (3 - faz)


5 – Regras elementares na execução de pensos (1 - vê fazer)

Material utilizado e soluções antissépticas. Limpeza das feridas. Pensos fechados e abertos. Ligaduras e sua exemplificação.


6 – Administração de oxigénio por sonda e por máscara. (3 - faz)

Indicações, material e desobstrução das vias aéreas superiores no manequim.


7 – Intubação nasogástrica no manequim. (3 - faz)

Indicações, materiais e técnica. Lavagem gástrica.



B - Aulas práticas – Observação de casos clínicos
No primeiro semestre deverão ser observados casos clínicos, preferencialmente com as patologias apresentadas nesse semestre, nomeadamente:

situações de ventre agudo: apendicite aguda, colecistite aguda, pancreatite aguda, oclusão intestinal; traumatismos torácicos, politraumatizados, nódulos da tiróide, bócios e hérnias parietais.



Disciplina de Propedêutica Cirúrgica I:
3) Actividades de aprendizagem auto-dirigida

a) O aluno deverá registar na sua caderneta os casos clínicos observado e os actos médicos (toque rectal, toque vaginal, punção venosa, pensos, sonda naso-gástria...) que observou ou executou de forma tutelada.


b) Deverá ter uma permanências de 6 horas no Serviço de Urgência de acordo com escala organizado pelo seu docente.
c) Deverá ter uma permanências de 6 horas na Enfermaria e Unidade de Cuidados Intensivos Cirúrgicos.
d) Deverá registar as intervenções cirúrgicas a que assistiu ou ajudou no Bloco Operatório Central ou Periférico e consultas externas a que tenha assistido.
e) Deverá elaborar dois Relatórios Clínicos (Histórias Clínicas) no 1º semestre sobre os casos clínicos apresentados nesse semestre.

Disciplina de Propedêutica Cirúrgica I:

D - Avaliação dos conhecimentos

Haverá uma avaliação (com nota) da aptidão do aluno na realização das histórias clínicas para identificação das áreas que necessitam de correcção.

Avaliação contínua com valorização de 30% da nota prática.
Existirá um exame prático final, durante as duas últimas semanas de aulas práticas, sempre que possível com o Regente e o respectivo Assistente.

O exame prático deverá ser realizado no modelo Mini-Cex (mini clinical examination)

a - caso clínico (doente) – discussão dos sintomas.

b - Uma estação no manequim (toque rectal, toque vaginal, palpação nódulo na mama, ventilação boca a boca, massagem cardíaca, canulação de veia periférica).


Valorização de 70% da nota prática (terá 50% da nota final).
Exame final teórico (teste de escolha múltipla) com valorização de 50% da nota final.

Esta prova será eliminatória se o aluno não atingir 50% de acerto nas respostas (correspondente a 9,5 valores)



E - Bibliografia recomendada:
- Browse’s Introduction to the Symptoms and signs of surgical disease. 4th Edition. 2005. Norman Browse, J. Black, K.G. Burnand, W.E.G. Thomas. Hodder Arnold.
- Hamilton Bailey’ Physical signs in clinical surgery. 14 Edition. Wright Bristol. 1967
- Essential Surgery: Problems, diagnosis and management. Edition. 2002. H. Burkit, C. Quick, D. Gatt. Churchill Livingstone.
- Sabiston Textbook of Surgery. 18th Edition. 2008. Townsend, Beauchamp, Evers, Mattox. Elseviers Saunders.
- Harrison’s Principles of Internal Medicine. 17th Edition. 2008. Kasper, Braunwald, Fauci, Hausser, Longo, Jameson. McGraw-Hill.
(- Semiologia Médica – Princípios, métodos e interpretação. 1ª Edição. 2007. Ducla Soares. Lidel.)
- Schwartz’ Principles of Surgery. 9ª Edition. 2010. Brunicardi et al. MaGrawHill

10/9/2011

Julio Soares Leite

Propedêutica Cirúrgica II

A - Objectivos Pedagógicos

1 – Conhecimentos:

a) compreender a linguagem e a terminologia cirúrgica;

b) conhecer as grandes síndromes cirúrgicas e respectiva etiopatogenia e semiologia;

c) reconhecer as situações clínicas mais frequentes que podem justificar a necessidade de tratamento cirúrgico electivo ou urgente;

2 – Aptidões:

a) recolher correctamente a anamnese e realizar um exame objectivo metódico e completo;

b) conhecer e executar os gestos e manobras semiológicas em relação a cada capítulo da semiologia especial;

c) avaliar o estado nutricional e o risco cirúrgico de um doente;

d) elaborar um relatório em que valorizem e hierarquizem os dados obtidos na história clínica e se justifiquem as hipóteses de diagnóstico clínico e os exames complementares necessários para o esclarecimento das dúvidas.

e) realizar as manobras de reanimação em suporte básico de vida e de entubação oro-traqueal no manequim, bem como de outros gestos de diagnóstico e terapêuticos descriminados nas aptidões a adquirir nas aulas práticas.
3 – Atitudes

a) respeitar os doentes, seus familiares, os colegas e outros profissionais da saúde e reconhecer os direitos dos doentes, em particular no que se refere à confidencialidade ao consentimento informado;

b) promover o desenvolvimento de qualidades pessoais adequadas à actividade médica, nomeadamente ser íntegro, apresentar-se com dignidade perante os doentes, ser responsável e interessado na sua valorização profissional, particularmente através da aprendizagem auto-dirigida;

c) reconhecer a necessidade da educação médica permanente, como forma de poder vir a prestar cuidados médicos qualificados, de natureza preventiva ou curativa, em relação ao indivíduo doente ou à comunidade;

d) reconhecer que a actividade médica se relaciona com vários aspectos éticos, humanos e sociais.

B - Programa: Temas da Disciplina de Propedêutica Cirúrgica II

1 - Semiologia das doenças digestivas (1)

Semiologia do esófago

Semiologia do estômago e duodeno

Semiologia do delgado e doença inflamatória intestinal

Semiologia colo-rectal

Semiologia ano-rectal
2 - Semiologia das doenças digestivas (2)

Semiologia do fígado, vesícula e vias biliares

Icterícias

Semiologia do pâncreas

Semiologia do baço

Hemorragias digestivas altas e baixas


3 - Semiologia dos membros

Semiologia das doenças arteriais

Semiologia das doenças venosas e linfáticas

(Semiologia do sistema músculo-esquelético)

4 - Semiologia do aparelho urinário e sexual masculino e feminino.


C - Conteúdo Programático da Disciplina de Propedêutica Cirúrgica II:

1) Aulas teóricas



Semiologia do esófago (Aula 1, 2, 3)

Anatomia e fisiologia.

Semiologia – disfagia com suas diversas características e dor.

Situações clínicas associadas a “dor torácica de causa não cardíaca” (DTNC).

Anéis e membranas esofáficas e síndrome de Plummer-Vinson.

Doenças da motilidade esofágica: disfagia orofaríngea, acalásia e espasmo esofágico difuso.

Diagnóstico clínico e exames complementares – trânsitoesofágico, manometria e esofagoscopia.

Divertículos esofágicos.

Esofagite cáustica.

Perfuração esofágica – etiologia, sintomas e exame físico. Exames complementares.

Tumores esofágicos benignos.
Carcinoma do esófago.

Factores de risco.

Manifestações clínicas.

Exames complementares de diagnóstico.

Carcinoma do cárdia e da hipofaringe – aspectos clínicos.

Tratamento cirúrgico – noções gerais.

Tipos de ressecções cirúrgicas e reconstrução após esofegectomia.

Fundamentos do tratamento neoadjuvante e adjuvante.

Tratamento paliativo.
Hérnia do hiato e doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

Fisiopatologia.

Tipo de hérnias.

Sintomas e exame físico.

Exames complementares.

Tratamento – linhas gerais do tratamento médico e cirúrgico.

Hérnias paraesofágicas de tipo II e III: fisiopatologia, clínica, exames e tratamento.
Semiologia gástrica (Aula 4, 5)

Anatomia e fisiologia.

Mecanismos da secreção gástrica, factores defensivos e agressivos da mucosa gástrica.

Úlcera péptica:

Epidemiologia, patogenia e manifestações clínicas na úlcera gástrica e na duodenal.

Complicações: perfuração, hemorragia e obstrução.

Síndrome de Zollinger-Ellison: clínica e exames de diagnóstico

Exames complementares – endoscopia digestiva alta, trânsito esófago-gastro-duodenal, gastrinémia, e pesquisa de H. pylori.

Tratamento: médico e cirúrgico.

Intervenções cirúrgicas: vagotomia troncular com piloroplastia, vagotomia superselectiva, vagotomia troncular e antrectomia, gastrectomia subtotal.

Tratamento cirúrgico das complicações da úlcera péptica.

Gastrite erosiva:

Fisiopatologia, clínica, diagnóstico endoscópico e tratamento.
Carcinoma gástrico:

Epidiomiologia e factores de risco.

Tipos histopatológicos.

Sintomas e exame físico.

Diagnóstico e estadiamento.

Tratamento cirúrgico – princípios gerais.

Linfoma gástrico:

Sintomas, histopatologia, estadiamento e tratamento.

Sarcoma gástrico, gastrite hipertrófica e lesão gástrica de Dieulafoy: aspectos clínicos e patológicos.

Semiologia do intestino delgado (Aula 6, 7)

Anatomia, embriologia e fisiologia.

Doença inflamatória intestinal (doença de Crohn):

Etiologia e histopatologia.

Manifestações clínicas.

Complicações: oclusão, perfuração, megacólon, degenerescência maligna.

Doença perianal.

Manifestações extraintestinais.

Exames complementares.

Diagnóstico diferencial.

Tratamento médico e cirúrgico – noções gerais
Neoplasias do delgado – factores de risco e clínica.

Exames complementares de diagnóstico.

Neoplasias benignas (lipomas, leiomiomas, GIST, hamartomas)

Neoplasias malignas (adenocarcinoma, GIST maligno, linfoma, metástases)

Carcinóide – etiopatogenia, síndrome clínico e tratamento.

Outras doenças: enterite radica, síndrome do intestino curto, compressão vascular do duodeno.


Semiologia do cólon e do recto (Aula 8, 9, 10)

Anatomia e fisiologia.

Doença diverticular e diverticulite

Doença inflamatória intestinal do cólon (Colite ulcerosa e doença de Crohn)

Colite ulcerosa:

Etiopatogenia e patogénese. Histopatologia.

Manifestações clínicas.

Diagnóstico endoscópico e biópsia.

Diagnóstico diferencial.

Risco de degenerescência maligna.

Indicações para tratamento cirúrgico.

Doença de Crohn do cólon:

Manifestações clínicas, diagnóstico e indicações cirúrgicas.

Colite isquémica – manifestações clínicas.


Cancro colo-rectal – esporádico e hereditário.

Teoria da sequência adenoma-carcinoma.

Pólipos colo-rectais.

Síndrome de Peutz-Jeghers e polipose familiar juvenil.

Polipose adenomatosa familiar – manifestações clínicas intestinais e extra-intestinais, rastreio e cirurgia profiláctica.

Síndrome de Lynch – diagnóstico através da história familiar;

Critérios de Amesterdão e de Bethesda. Rastreio e tratamento cirúrgico.

Cancro do cólon:

Manifestações clínicas, diagnóstico e estadiamento.

Tratamento cirúrgico e tratamento adjuvante – fundamentos e tipos de intervenções.


Cancro do recto:

Manifestações clínicas, diagnóstico e estadiamento.

Tratamento cirúrgico, tratamento neoadjuvante e tratamento adjuvante – fundamentos e tipos de intervenções.
Rastreio do cancro colo-rectal – seus fundamentos e como o realizar.
Doenças do pavimento pélvico: prolapso rectal, rectocelo e síndrome da obstrução defecatória.

Obstipação – definição e estudos fisiológicos e imagiológicos para a sua caracterização.


Semiologia perianal (Aula 11)

Anatomia e fisiologia do canal anal.

Sintomas dominantes e alterações no exame físico e endoscópico (anuscopia e rectoscopia).

Incontinência anal – definição e etiologia.

Doenças ano-rectais benignas (manifestações clínicas e exame físico):

Hemorróidas

Fissura anal

Fístula perianal e supuração anal (abcesso).


Outras doenças menos frequentes (fístula recto-vaginal, condiloma acuminado, hidradenite supurativa e Crohn anal).

Neoplasias do canal anal.


Semiologia do fígado (Aula 12)

Anatomia e fisiologia. Avaliação da função hepática.

Abcesso hepático piogénico – patogenia, clínica e diagnóstico diferencial.

Abcesso amibiano - patogenia, clínica.

Quisto hidático – patogenia e clínica.

Neoplasias benignas sólidas: adenoma, hiperplasia nodular focal e hemangioma hepático; aspectos clínicos e imagiológicos.

Quisto biliar.

Neoplasias malignas: hepatocarcinoma, colangiocarcinoma e metástases hepáticas; aspectos clínicos e imagiológicos.

Cirrose e hipertensão portal – etiopatogenia, clínica e exames complementares.
Semiologia da vesícula e vias biliares (Aula 13)

Anatomia e fisiologia.

Coledocolitíase / litíase de via biliar principal – clínica e exames complementares.

Colangite esclerosante primária – clínica e exames de diagnóstico.

Quisto do colédoco.

Carcinoma da vesícula – clínica, diagnóstico e estadiamento.

Colangiocarcinoma – factores de risco, clínica, diagnóstico e estadiamento.
Semiologia do pâncreas (Aula 14)

Anatomia e fisiologia.

Pancreatite crónica – etiopatogenia, sintomas, exame físico e imagiologia.

Tumores quísticos do pâncreas.

Carcinoma do pâncreas – incidência e patogenia. Clínica, exames complementares e estadiamento. Linhas gerais do tratamento cirúrgico.
Semiologia da icterícia (Aula 15)

Quadro clínico e biológico.

Hiperbilirrubinémia indirecta e directa – etiologia.

Diagnóstico diferencial entre icterícia “médica” e “cirúrgica”: interrogatório, exame físico e exames complementares.


Semiologia das doenças arteriais, venosas e linfáticas dos membros

(Aula 16, 17)

Aterosclerose: etiopatogenia

Avaliação clínica e exames complementares.

Patologia arterial: estenosante e aneurismática.

Sintomas e sinais de isquémia arterial aguda e crónica.

Patologia venosa: varizes e trombose venosa superficial e profunda.

Sintomas, sinais e manobras para estudo de varizes e da trombose venosa profunda.

Semiologia das doenças linfáticas: linfedema.
Hemorragia digestiva aguda (Aula 18)

Avaliação inicial e orientação terapêutica.

Hemorragia digestiva alta – etiologia e critérios de gravidade clínicos e endoscópicos.

Hemorragia digestiva baixa – etiologia e exames de diagnóstico.

Hemorragia digestiva de causa oculta – etiologia.

Lesões elementares do revestimento cutâneo (Aula 19)

Histologia.

Descrição das lesões cutâneas.

Trauma


Infecções.

Tumores benignos e malignos.


Semiologia dos órgão genitais masculinos e femininos (Aula 20)

Órgãos genitais masculinos:

Anatomia.

Alterações comuns no pénis.

Exame testicular e alterações comuns.

Toque rectal.

Órgãos genitais femininos:

Anatomia. Toque vaginal e bimanual.

Semiologia das alterações mais frequentes: bartholinite, carcinoma da vulva, carcinoma do colo, fibromioma uterino e quisto do ovário.

Conteúdo Programático da Disciplina de Propedêutica Cirúrgica II:

2) Aulas práticas



A - Aulas práticas – Conhecimentos e aptidões adicionais
1 – Aula no laboratório de aptidões médico-cirúrgicas

Realização de suturas cutâneas. (3 - faz)

Acesso ao sistema venoso superficial e profundo. (3 - faz)

Acesso arterial para realização de gasometria.

Suporte básico de vida no manequim (massagem cardíaca e ventilação boa a boca). (3 - faz)

Exame físico de nódulo mamário. (3 - faz)

Toque rectal no manequim. (3 - faz)

Algaliação no homem e na mulher. (3 - faz)


2 – Fístulas digestivas e trajectos fistulosos (conhecimentos)

Definição, repercussões fisiopatológicas, e métodos de diagnóstico imagiológico.


3 – O doente estomizado (colostomia e ileostomia, lateral ou terminal) (conhecimentos)

Conceito, classificação e localização das estomias. Aparelhos de colostomia, ileostomia e urostomia.

Normas da correcta aplicação e complicações mais frequentes.

Apoio técnico e psicológico.


4 – Colheita de produtos biológicos para análise (1 – vê fazer)

Colheitas de urina, sangue, expectoração e produtos sépticos.

Punção de quistos e de tumores sólidos para estudos citológicos.

Condições de envio ao laboratório.


5 – Administração parentérica de medicamentos

Material e vias de administração: subcutânea, intramuscular e intravenosa. Indicações técnicas e complicações.

Execução no Laboratório de aptidões médico-cirúrgicas (3 – faz)

e nos pacientes sob controlo do assistente. (2 – mostra como faz)


6 – Soluções para hidratação e para nutrição enteral e parenteral (conhecimentos)

Necessidades basais para o pós-operatório. Avaliação nutricional do doente cirúrgico e situações em que há necessidade de nutrição artificial. Necessidade calóricas, proteicas e lipídicas basais e após o trauma cirúrgico. Soluções para nutrição parenteral e enteral.

Vias de administração de soluções isotónicas e hiper-osmolares.
7 – Toracocentese e paracentese abdominal (1 – vê fazer)

Referências anatómicas, indicações e técnicas.

Toracocentese no manequim (3 – faz)
8 – O doente imobilizado (conhecimento)

Posicionamento, Prevenção de escaras, trombose venosa, estase brônquica e atrofias musculares.


9 – Atitude comportamental para com o doente crónico, idoso e em fase terminal

Importância do apoio psicológico. Exemplos práticos (conhecimento)




B - Aulas práticas – Observação de casos clínicos
No segundo semestre deverão ser observados casos clínicos, preferencialmente com as patologias apresentadas nesse semestre, nomeadamente:

nódulos da mama, patologia do esófago, estômago, do intestino delgado, do cólon, recto e ânus, icterícias, patologia do pâncreas, da vesícula e das vias biliares




Disciplina de Propedêutica Cirúrgica II:
3) Actividades de aprendizagem auto-dirigida

a) O aluno deverá registar na sua caderneta os casos clínicos observado e os actos médicos (toque rectal, toque vaginal, punção venosa, pensos, sonda naso-gástria...) que observou ou executou de forma tutelada.


b) Deverá ter uma permanência de 6 horas no Serviço de Urgência de acordo com escala organizado pelo seu docente.
c) Deverá ter uma permanência de 6 horas na Enfermaria e Unidade de Cuidados Intensivos Cirúrgicos.
d) Deverá registar as intervenções cirúrgicas a que assistiu ou ajudou no Bloco Operatório Central ou Periférico e consultas externas a que tenha assistido.
e) Deverá elaborar dois Relatórios Clínicos (Histórias Clínicas) no 2º semestre, orientadas para as patologias apresentadas nesse semestre.

Disciplina de Propedêutica Cirúrgica II:

D - Avaliação dos conhecimentos

Haverá uma avaliação (com nota) da aptidão do aluno na realização das histórias clínicas para identificação das áreas que necessitam de correcção.

Avaliação contínua com valorização de 30% da nota prática (até 3 valores).
Existirá um exame prático final, durante as duas últimas semanas de aulas práticas, sempre que possível com o Regente e o respectivo Assistente.

O exame prático deverá ser realizado no modelo tipo Mini-Cex (mini clinical examination:

a - caso clínico (doente) – discussão dos sintomas.

b - caso clínico (doente) – exame físico de uma zona anatómica (tiróide, gânglios do pescoço, axilares, inguinais ... ver 13 competências no exame físico sugeridas anteriormente).

c - Uma estação no manequim (toque rectal, toque vaginal, palpação nódulo na mama, ventilação boca a boca, massagem cardíaca, canulação de veia periférica).
Valorização de 70% da nota prática (terá 50% da nota final)
Exame final teórico (teste de escolha múltipla) com valorização de 50% da nota final.

Esta prova será eliminatória se o aluno não atingir 50% de acerto nas respostas (correspondente a 9,5 valores)




F - Bibliografia:
- Browse’s Introduction to the Symptoms and signs of surgical disease. 4th Edition. 2005. Norman Browse, J. Black, K.G. Burnand, W.E.G. Thomas. Hodder Arnold.
- Hamilton Bailey’ Physical signs in clinical surgery. 14 Edition. Wright Bristol. 1967
- Essential Surgery: Problems, diagnosis and management. Edition. 2002. H. Burkit, C. Quick, D. Gatt. Churchill Livingstone.
- Sabiston Textbook of Surgery. 18th Edition. 2008. Townsend, Beauchamp, Evers, Mattox. Elseviers Saunders.
- Harrison’s Principles of Internal Medicine. 17th Edition. 2008. Kasper, Braunwald, Fauci, Hausser, Longo, Jameson. McGraw-Hill.
(- Semiologia Médica – Princípios, métodos e interpretação. 1ª Edição. 2007. Ducla Soares. Lidel.)
- Schwartz’ Principles of Surgery. 9ª Edition. 2010. Brunicardi et al. MaGrawHill


Equipa Docente
Regente – Prof. Doutor Júlio Soares Leite
Assistentes Convidados:

Licº Mário Sérgio Santos

Licº Hamilton Neves Batista

Licº António Manso

Licº António Jorge Correia de Pinho

Licº Henrique Miguel Alexandrino

Licº Ana Bento
Júlio Leite

10/9/2011








Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal