Calendário projeto político pedagógico discussões 2005 a 2010



Baixar 1.52 Mb.
Página1/26
Encontro01.08.2016
Tamanho1.52 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   26

COLÉGIO ESTADUAL CECÍLIA MEIRELES.

CALENDÁRIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

DISCUSSÕES 2005 a 2010





Data

Temas

Comunidade

a.

21/07/2005

12/2010


Que sociedades querem para viver?

Que sujeito quer formar?

Que saberes querem discutir?

Que escolas querem? Formadores e alunos?

Que educação quer priorizar?

Que avaliações precisam construir?

Que entendemos por cultura?

Que conhecimento quer trabalhar?

Que relações de poder querem manter?

Formadores e alunos.



Professores e

Funcionários



b.

22/07/2005 a 12/2010.

01/2010


Diretrizes curriculares

Professores-Equipe Pedagógica

c.

23/07/2005

01/ 2009


Regimento interno

Professores e funcionários

d.

28/07/2005

01/2009


Regimento interno

Professores e funcionários

e.

30/07/2005

12/2010


Que escolas querem

Comunidade

Alunos

Aprendizagem



Pais, grêmio e APMF.

f.

03/09/2005

12/2010


Avaliação

Professores e funcionários

g.

26/09/2005

a 12/2010



Que escola quer? Comunidade? Alunos? Aprendizagem?

Alunos

h.

20/10/2005 12/ 2010

Regimento

Alunos

i.

05/11/2005

12/2010.


Sistematização PPP

Equipe Pedagógica e Direção


CRONOGRAMA – PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 2006 a 2010


06/03/2006

Assunto: o que fazer quando os combinados dos alunos forem descumpridos por eles mesmos?

- Quais as ações que serão realizadas para melhor organizar o espaço coletivo dos alunos, profissionais, equipe pedagógica e Direção?



21/03/2006

Levantar pontos positivos e negativos da construção do Pacto de Convivência.

- Reunião com os conselheiros de turmas, pauta avaliação e discussão do “Ta combinado” em cada sala, como os professores estão atuando frente a esta proposta.




05/04/2006

Divisão dos professores por série fazendo um levantamento do acompanhamento dos alunos sobre aprendizagem e comportamento.

20/04/2006

Reunião com todos os professores sobre como elaborar uma seqüência para entrega dos trabalhos pedagógicos.

05/05/2006

Discussão coletiva sobre tarefa de casa.

CRONOGRAMA DE AÇÕES – PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 2008 a 2010


1

fev/08 e jul/08.

Fev/09.


Assunto: - Quais as ações que serão realizadas para melhor organizar o espaço coletivo dos alunos, profissionais, equipe pedagógica e Direção?

fev/09, jul/09 e fev/2010, ago/2010.


- Planejamento com os professores do Plano de ensino bimestral, semestral e anual.

- Reunião com os conselheiros de turmas, pauta avaliação e discussão do “Ta combinado” e Manual do aluno, em cada sala, como os professores estão atuando frente a esta proposta.

- Reunião com os pais para apresentação da construção coletiva do projeto político pedagógico.


03

fev/09 a


dez/2010.


- Reunião com os alunos para investigação de suas expectativas e avaliação do trabalhado pedagógico deste bimestre.

- com as turmas e individuais.



04 – 02/2009 a

dez/2010


- Reunião com todos os professores sobre o caminhar do projeto político pedagógico em cada nível de ensino.

05-

fev. a dez/10

- pós-conselhos.

Pontual.



- Discussão coletiva sobre atividades de casa.

- Discussão dos casos específicos, aluno e família.



06 – pré-conselhos, conselhos, pós-conselhos.

- Discussão coletiva sobre ensino-aprendizagem.

- Conselhos previstos em calendário escolar.




07- pré-conselhos, conselhos e pós –conselhos, reuniões pedagógicas, reuniões de representantes pais.

- Organização atitudes coletivas para melhoria do processo de ensino aprendizagem.

08

Reuniões e Assembléias



- organização de ações como grêmio estudantil, conselheiro de turma, reuniões com representantes da APMF para discutir melhorias e ações em nossa escola que venha de encontro com o PPP.


1. Identificação do Estabelecimento



1.1 – Denominação da Instituição

Colégio Estadual Cecília Meireles –Ensino Fundamental e Médio e EJA



Código: 41128176

Endereço: Rua Pedro Eloy de Souza nº 1700 CEP: 82.820.130

Bairro: Tarumã Fone/Fax: (041)3367.52.62

1.2 - Município: Curitiba

Código: 0690

1.3 – Dependência Administrativa:

Código: -

1.4 – NRE: Curitiba

Código: 09

1.5 – Entidade Mantenedora: Secretaria de Estado da Educação do Paraná

1.6 – Ato de autorização do Colégio:

Resolução DEC 1924 – 76 nº. de 09/06/1976

1.7 – Ato de reconhecimento do Colégio:

Resolução nº. 2915/81 de 30/12/1981

1.8 – Ato da renovação do reconhecimento do Colégio:

Resolução nº. SEM Nº de ____/_____/_____

1.9 - Ato Administrativo de Aprovação do Regimento Escolar:

Ato n 0363/05 de 31/01/2005

1.10 – Distância do Colégio do NRE: 18 Km

1.11 – Localização do Colégio: Zona Urbana

1.12 – Site da Escola: -

e-mail: col_cecilia_meireles@yahoo.com.br




2. ORGANIZAÇÃO ESCOLAR

2.1 Modalidade de Ensino

O Colégio Estadual Cecília Meireles oferta como Modalidade de Ensino a Educação Fundamental e Ensino Médio Regular no período diurno, e no período noturno o Curso de Educação de Jovens e Adultos – Ensino Fundamental - Fase II e Ensino Médio.



Número de Alunos: 1051

Número de Professores: 90

Número de Pedagogos: 05

Número de Funcionários: 33

Número de Diretor Auxiliar: 02

Número de salas de aula: 26

Número de Turmas: 34

Turmas do Ensino Fundamental (1º e 2º Ciclos e Classe Especial)





1º Ciclo

Turma

Nº. de Alunos

Turno




2ª Série

A

23

TARDE




SALA DE RECURSOS

REDUZIDA

8

MANHÃ




2º Ciclo

Turma

Nº. de Alunos

Turno




3ª Série

A

15

TARDE




3ª Série

B

19

TARDE










4ª Série

A

28

TARDE




4ª Série

B

24

TARDE




4ª Série

C

24

TARDE



















CLASSE ESPECIAL

A

8

TARDE









Turmas do Ensino Fundamental (5ª à 8ª Séries)

Turma

Nº. de Alunos

Turno

5ª Série

A

33

Tarde

5ª Série

B

32

Tarde

5ª Série

C

31

Tarde

5ª Série

D

31

Tarde













6ª Série

A

29

Tarde

6ª Série

B

27

Tarde

6ª Série

C

26

Tarde

6ª Série

D

25

Tarde




7ª Série

A

29

Tarde

7ª Série

B

29

Tarde

7ª Série

C

27

Tarde

7ª Série

D

27

Tarde

7ª Série

E

28

Tarde













8ª Série

A

30

Manhã

8ª Série

B

27

Manhã

8ª Série

C

30

Manhã

8ª Série

D

31

Manhã



Turmas do Ensino Médio por Blocos de Disciplina Semestrais

Turma um º SEM - 2º SEM.

Nº. de Alunos

Turno

1ª Série

A-BL1 BL2

22

Manhã

1ª Série

B-BL2 BL1

25

Manhã

1ª Série

C-BL1 BL2

22

Manhã

1ª Série

D-BL2 BL1

23

Manhã

1ª Série

E-BL1 BL2

21

Manhã

.

2ª Série

A-BL2 - BL1

24

Manhã

2ª Série

B-BL1 - BL2

26

Manhã

2ª Série

C-BL2 - BL1

21

Manhã




3ª Série

A-BL1 - BL2

24

Manhã

3ª Série

B-BL2 - BL1

23

Manhã

2.3 Turno de Funcionamento

  • Matutino: Ensino Fundamental; 2ª Ciclo - 8ª Séries.

  • Ensino Médio por Blocos de Disciplinas Semestrais: 1ª 2ª e 3ª (Séries).

  • Vespertino: Ensino Fundamental: 1º Ciclo; 2ª, 3ª, 4ª Séries e 2º Ciclo; 5ª, 6ª, 7ª Séries.

  • Noturno: Educação de Jovens e Adultos; Fase II e Ensino Médio.

Ambientes Pedagógicos:

O espaço físico do Colégio se limita a uma área construída de 14.900m2 distribuídos em dois pavilhões. O pavilhão A, que tem acesso pela Rua Rio Negro e Pedro Eloy de Souza, é composto das seguintes dependências: Direção Geral, Secretaria, Biblioteca, 02 salas de apoio, 15 salas de aula de 40 m2, um salão de 147m2 destinado a reuniões, sala de vídeo e teatro, laboratório de ciências físicas, químicas e biológicas, duas salas para atendimento pedagógico, uma sala de material pedagógico e controle de chaves, três banheiros para professores e funcionários, 04 banheiros de alunos, um almoxarifado, uma sala para os professores, uma sala de informática, duas salas para depósito de material de limpeza, uma sala adaptada para material do teatro, uma sala para a APMF, uma sala de material esportivo, 02 quadras poli esportivas, uma quadra adaptada para voleibol, uma cantina, uma cozinha, um refeitório, pátio coberto e uma casa para caseiro. A biblioteca possui uma área de 224,03 m2 num total de aproximadamente 15000 mil livros, com diversos títulos.



O pavilhão B, com acesso pela Rua Bruno Lobo, possui 10 salas de aula de 50,41m2, sendo que estas salas atendem o Ciclo Básico, Educação Especial e Ensino Fundamental no período diurno e Educação de Jovens e Adultos à noite. Neste pavilhão se encontra ainda uma sala para os professores, uma sala para a coordenação, uma sala para atendimento pedagógico, um salão para aulas de educação artística, vídeo, psicomotricidade, duas salas para apoio pedagógico, duas salas para depósito de merenda, uma sala para depósito de material de limpeza, uma cozinha que centraliza a merenda dos três turnos do colégio, uma cozinha comunitária, quatro banheiros simples e dois banheiros com 04 Box cada um, um pátio coberto, um pátio sem cobertura, uma casa para caseiro.

2.5 Caracterização da Comunidade

A nossa comunidade como parte integrante do Colégio Estadual Cecília Meireles, apresenta características marcantes quanto ao corpo docente, que ao longo desta Gestão Escolar juntamente com a SEED vem sendo valorizados profissionalmente, tendo a oportunidade de aperfeiçoar seus conhecimentos através de grupos de estudos e implementação da hora atividade.

No tocante ao corpo discente, são formados por famílias de poder sócio-econômico de classe média e classes populares, com sérios problemas familiares.

Muitas dessas famílias vivem em precárias condições de moradias, saúde, alimentação, onde são envolvidas em programas sociais promovidos pelo governo estadual e federal. Existem problemas de moradia, vez que muitas famílias vivem em áreas de invasões, criando situações de conflitos onde muitas vezes são despejados.

O corpo discente da escola é formado de alunos do Bairro Alto, Tarumã e 40% do município de Pinhais.

Muitas das famílias vivem em situações de conflitos: pais separados, filhos de outras uniões, mães sendo arrimo da família, alto índice de desemprego. Estas condições e o desconhecimento colaboram para que saibam o verdadeiro papel da escola, enviando os seus filhos à mesma para cumprir o que determina a Lei, “ECA”, não acompanhando a vida escolar dos mesmos, levando os alunos à repetência por faltas e a evasão escolar.

Devido a um número significativo de alunos com defasagem de aprendizagem, a escola vem desenvolvendo ações de intervenções pedagógicas, de apoio pedagógico e sala de recurso com o apoio incondicional da Secretaria de Estado da Educação, e com encaminhamento metodológico inovador, que possibilitam a progressão do aluno, possibilitando seu acompanhamento dos conteúdos ministrados pelos professores em sala de aula. A escola é escolhida pelos pais por ser mais próxima de suas residências e na sua maioria demonstram-se satisfeitos com o trabalho da escola.

A comunidade é participativa, procurando sempre informações junto à escola sobre o desenvolvimento de seus filhos. A escola é uma fonte alternativa de atividade de lazer e cultura proporcionados nos eventos da semanal cultural, jogos e festas em datas comemorativas, promovidas em suas dependências.

A instituição contempla, também, o atendimento a educandos com necessidades educacionais especiais. O acesso à escola extrapola o ato da matrícula e implica apropriação de saber e das oportunidades educacionais oferecidas à totalidade dos alunos com vistas a atingir as finalidades da educação. A respeito da diversidade na população escolar.

A inclusão escolar constitui, portanto, uma proposta politicamente correta que representa valores simbólicos importantes, condizentes com a igualdade de direitos e de oportunidades educacionais para todos, em um ambiente educacional favorável. Impõe-se como uma perspectiva a ser pesquisada e experimentada na realidade brasileira, reconhecidamente ampla e diversificada.

É na Lei nº. 7853, de 24 de outubro de 1989 que se encontra a disposições sobre a Política Nacional para integração da pessoa portadora de deficiência. Porém, além do aspecto legal é preciso o plano teórico – ideológico da escola supere os obstáculos impostos pelas limitações do sistema regular de ensino.

A Instituição como um todo, constitui-se de uma estrutura flexível, capaz de contemplar inovações que tenham conteúdos significativos direcionados a nossa comunidade. Nesta perspectiva, há um tempo diferenciado de aprendizagem e não um tempo único para todos e os limites e possibilidades de cada educando que devem ser respeitados. Portanto, é desafio deste P.P.P. dar ênfase ao educando, atendendo suas necessidades individuais e construir uma proposta viável para que o acesso, a permanência e a aprendizagem dos educandos estejam assegurados.


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   26


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal