Carinhanha-ba



Baixar 1.27 Mb.
Página8/17
Encontro29.07.2016
Tamanho1.27 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   17

Rios Sem discurso


Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água, em água paralítica.

Em situação de poço, a água equivale a uma palavra em situação dicionária: isolada, estanque no poço dela mesma, e porque assim estanque estancada; e mais: porque assim estancada, muda e muda porque com nenhuma comunica, porque cortou-se a sintaxe desse rio, o fio de água por que ele discorria.

O curso de um rio, seu discurso-rio, chega raramente a se reatar de vez; um rio precisa de muito fio de água para refazer o fio antigo que o fez.

Salvo a grandiloquência de uma cheia lhe impondo interina outra linguagem, um rio precisa de muita água em fios para que todos os poços se enfrasem: se reatando, de um para outro poço, em frases curtas, então frase e frase, até a sentença-rio do discurso único em que se tem voz a seca ele combate.
João Cabral de Melo Neto

Refletir sobre o ensino da Língua e da Literatura implica pensar também as contradições, as diferenças e os paradoxos do quadro complexo da contemporaneidade. Mesmo vivendo numa época denominada ―era da informação‖, a qual possibilita acesso rápido à leitura de uma gama imensurável de informações, convivemos com o índice crescente de analfabetismo funcional, e os resultados das avaliações educacionais revelam baixo desempenho do aluno em relação à compreensão dos textos que lê.


O ensino de Língua Portuguesa seguiu, e em alguns contextos ainda segue, uma concepção de linguagem que não privilegia, no processo de aquisição e no aprimoramento da língua materna, a história, o sujeito e o contexto, como destaca Travaglia (2000), pautando-se no repasse de regras e na mera nomenclatura da gramática tradicional.
As metas ora propostas assumem uma concepção de linguagem que não se fecha “na sua condição de sistema de formas (...), mas abre-se para a sua condição de atividade e acontecimento social, portanto estratificada pelos valores ideológicos” (RODRIGUES, 2005, p. 156). Nesse sentido, a linguagem é vista como fenômeno social, pois nasce da necessidade de interação (política, social, econômica) entre os homens.


CONTEÚDOS BÁSICOS DA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

Este é o conjunto de conteúdos básicos sistematizado pela Secretaria Municipal de Educação, a partir das Diretrizes Curriculares do Ensino Fundamental. Entende-se por conteúdos básicos os conhecimentos fundamentais para cada série da etapa final do Ensino Fundamental, considerados imprescindíveis para a formação conceitual dos estudantes nas diversas disciplinas da Educação Básica. O acesso a esses conhecimentos é direito do aluno na fase de escolarização em que se encontra e o trabalho pedagógico com tais conteúdos é responsabilidade do professor.


Nesse conjunto, os conteúdos básicos estão apresentados por série/ano e devem ser tomados como ponto de partida para a organização do Projeto Político Pedagógico (PPP) das Instituições de Ensino. Por serem conhecimentos fundamentais para a série/ano, não podem ser suprimidos nem reduzidos, porém, o professor poderá acrescentar outros conteúdos básicos no PPP, de modo a enriquecer o trabalho de sua disciplina naquilo que a constitui como conhecimento especializado e sistematizado.

Esse conjunto indica, também, como os conteúdos básicos se articulam com outros conteúdos da disciplina, que abordagem teórico-metodológica devem receber e, finalmente, a que expectativas de aprendizagem estão atrelados. Portanto, as Diretrizes Curriculares fundamentam essa seriação/sequenciação de conteúdos básicos e sua leitura atenta e aprofundada é imprescindível para compreensão do quadro.


No Plano de Trabalho Docente, os conteúdos básicos terão abordagens diversas a depender dos fundamentos que recebem do conteúdo. Quando necessário, serão desdobrados em conteúdos específicos, sempre considerando o aprofundamento a ser observado para a série/ano e nível de ensino. O plano é o lugar da criação pedagógica do professor, onde os conteúdos receberão abordagens contextualizadas histórica, social e politicamente, de modo que façam sentido para os alunos nas diversas realidades regionais, culturais e econômicas, contribuindo com sua formação cidadã. É, portanto o currículo em ação. Nele estará a expressão singular e de autoria, de cada professor, da concepção curricular construída nas discussões coletivas.
Na disciplina de Língua Portuguesa/Literatura, outros conteúdos fazem parte do Discurso como prática social, a partir deles, advém os conteúdos básicos: os gêneros discursivos a serem trabalhados nas práticas discursivas. No conjunto, o conteúdo básico é composto pelos gêneros discursivos; pelas das práticas de leitura, oralidade, escrita e da análise lingüística, para serem abordados a partir do gênero selecionado na tabela, conforme as esferas sociais de circulação: cotidiana, científica, escolar, imprensa, política, literária/artística, produção e consumo, publicitária, midiática, jurídica.
O conjunto sugerido de gêneros contempla uma diversidade de esferas sociais, buscando atender a diferentes realidades. Contudo, caberá ao professor selecionar os gêneros a serem trabalhados, não se prendendo à quantidade, mas sim, preocupando-se com a qualidade do encaminhamento, com a compreensão do uso do gênero e de sua esfera de circulação. Os gêneros precisam ser retomados nas diferentes séries/anos com níveis maiores de complexidade, tendo em vista que a diferença significativa entre as séries está no grau de aprofundamento e da abordagem metodológica. Vale ressaltar que os gêneros indicados não se esgotam nessa tabela, assim como a escolha dos gêneros não deve se ater exclusivamente a uma esfera.
Para selecionar os conteúdos específicos, é fundamental considerar o objetivo pretendido e o gênero. Como exemplo: ora a história em quadrinho será levada para sala de aula a fim de discutir o conteúdo temático, a sua composição e suas marcas lingüísticas; ora aparecerá em outra série para um trabalho de intertextualidade; ora para fruição, ou seja, dependerá da intenção, do objetivo que se tem com esse gênero. É necessário levar em conta que a abordagem teórico-metodológica e a avaliação estão inseridas na conjunto para compreensão da proposta dos conteúdos básicos de Língua Portuguesa/Literatura.

GÊNEROS DISCURSIVOS

Para o trabalho das práticas de leitura, escrita, oralidade e análise linguística serão adotados como conteúdos básicos os gêneros discursivos conforme suas esferas sociais de circulação. Caberá ao professor fazer a seleção de gêneros, nas diferentes esferas, de acordo com o Projeto Pedagógico (PPP), com a Proposta Pedagógica Curricular, com o Plano Trabalho Docente, ou seja, em conformidade com as características da escola e com o nível de complexidade adequado a cada uma das séries/anos


6º ANO / 5ª SÉRIE

.
CONTEÚDOS BÁSICOS



LEITURA

  • Tema do texto;

  • Interlocutor;

  • Finalidade;

  • Aceitabilidade do texto;

  • Informatividade;

  • Discurso direto e indireto;

  • Elementos composicionais do gênero;

  • Léxico;

  • Marcas linguísticas: coesão, coerência, função das classes gramaticais no texto, pontuação, recursos gráficos (como aspas, travessão, negrito), figuras de linguagem.


ESCRITA



  • Tema do texto;

  • Interlocutor;

  • Finalidade do texto;

  • Informatividade;

  • Argumentatividade;

  • Discurso direto e indireto;

  • Elementos composicionais do gênero;

  • Divisão do texto em parágrafos;

  • Marcas linguísticas: coesão, coerência, função das classes gramaticais no texto, pontuação, recursos gráficos (como aspas, travessão, negrito), figuras de linguagem;

  • Processo de formação de palavras;

  • Acentuação gráfica;

  • Ortografia;

  • Concordância verbal/nominal.


ORALIDADE



  • Tema do texto;

  • Finalidade;

  • Argumentatividade;

  • Papel do locutor e interlocutor;

  • Elementos extralinguísticos: entonação, pausas, gestos...;

  • Adequação do discurso ao gênero;

  • Turnos de fala;

  • Variações linguísticas;

  • Marcas linguísticas: coesão, coerência, gírias, repetição, recursos semânticos.



ABORDAGEM TEORICO -METODOLÓGICA
LEITURA
É importante que o professor:

  • Propicie práticas de leitura de textos de diferentes gêneros;

  • Considere os conhecimentos prévios dos alunos;

  • Formule questionamentos que possibilitem inferências sobre o texto;

  • Encaminhe discussões sobre: tema, intenções, intertextualidade;

  • Contextualize a produção: suporte/fonte, interlocutores, finalidade, época;

  • Utilize textos verbais diversos que dialoguem com não-verbais, como gráficos, fotos, imagens, mapas, e outros;

  • Relacione o tema com o contexto atual;

  • Oportunize a socialização das ideias dos alunos sobre o texto.



ESCRITA
É importante que o professor:


  • Planeje a produção textual a partir: da delimitação do tema, do interlocutor, do gênero, da finalidade;

  • Estimule a ampliação de leituras sobre o tema e o gênero proposto;

  • Acompanhe a produção do texto;

  • Encaminhe a reescrita textual: revisão dos argumentos/ das ideias, dos elementos que compõem o gênero (por exemplo: se for uma narrativa de aventura, observar se há o narrador, quem são os personagens, tempo, espaço, se o texto remete a uma aventura, etc.);

  • Analise se a produção textual está coerente e coesa, se há continuidade temática, se atende à finalidade, se a linguagem está adequada ao contexto;

  • Conduza, na reescrita, a uma reflexão dos elementos discursivos, textuais, estruturais e normativos.



ORALIDADE
É importante que o professor:


  • Organize apresentações de textos produzidos pelos alunos;

  • Oriente sobre o contexto social de uso do gênero oral selecionado;

  • Prepare apresentações que explorem as marcas linguísticas típicas da oralidade em seu uso formal e informal;

  • Estimule contação de histórias de diferentes gêneros, utilizando-se dos recursos extralinguísticos, como entonação, pausas, expressão facial e outros;

  • Selecione discursos de outros para análise dos recursos da oralidade, como cenas de desenhos, programas infanto-juvenis, entrevistas, reportagem, entre outros.

AVALIAÇÃO
LEITURA
Espera-se que o aluno:


  • dentifique o tema;

  • Realize leitura compreensiva do texto;

  • Localize informações explícitas no texto;

  • Posicione-se argumentativamente;

  • Amplie seu horizonte de expectativas;

  • Amplie seu léxico;

  • Identifique a ideia principal do texto.


ESCRITA


  • Espera-se que o aluno:

  • Expresse as ideias com clareza;

  • Elabore/reelabore textos de acordo com o encaminhamento do professor, atendendo:

  • − às situações de produção propostas

  • (gênero, interlocutor, finalidade...);

  • − à continuidade temática;

  • Diferencie o contexto de uso da linguagem formal e informal;

  • Use recursos textuais como coesão e coerência, informatividade, etc;

  • Utilize adequadamente recursos lingüísticos como pontuação, uso e função do artigo, pronome, numeral, substantivo, etc.


ORALIDADE
Espera-se que o aluno:


  • Utilize discurso de acordo com a situação de produção (formal/ informal);

  • Apresente suas idéias com clareza, coerência e argumentatividade;

  • Compreenda argumentos no discurso do outro;

  • Explane diferentes textos, utilizando adequadamente entonação, pausas, gestos, etc;

  • Respeite os turnos de fala

7º ANO / 6ª SÉRIE
CONTEÚDOS BÁSICOS
LEITURA
 Tema do texto;

 Interlocutor;

 Finalidade do texto;

 Informatividade;

 Aceitabilidade;

 Situacionalidade;

 Intertextualidade;

 Informações explícitas e implícitas;

 Discurso direto e indireto;

 Elementos composicionais do gênero;

 Repetição proposital de palavras;

 Léxico;

 Ambiguidade;

 Marcas linguísticas: coesão, coerência, função das classes gramaticais no texto, pontuação, recursos gráficos (como aspas, travessão, negrito), figuras de linguagem.


ESCRITA
 Tema do texto;

 Interlocutor;

 Finalidade do texto;

 Informatividade;

 Discurso direto e indireto;

 Elementos composicionais do gênero;

 Marcas linguísticas: coesão, coerência, função das classes gramaticais no texto, pontuação, recursos gráficos (como aspas, travessão, negrito), figuras de linguagem;

 Processo de formação de palavras;

 Acentuação gráfica;

 Ortografia;

 Concordância verbal/nominal.
ORALIDADE
 Tema do texto;

 Finalidade;

 Papel do locutor e interlocutor;

 Elementos extralinguísticos: entonação, pausas, gestos, etc;

 Adequação do discurso ao gênero;

 Turnos de fala;

 Variações linguísticas;

 Marcas linguísticas: coesão, coerência, gírias, repetição;

 Semântica.

ABORDAGEM TEÓRICO- METODOLÓGICA

LEITURA
É importante que o professor:
 Propicie práticas de leitura de textos de diferentes gêneros, ampliando também o léxico;

 Considere os conhecimentos prévios dos alunos;

 Formule questionamentos que possibilitem inferências sobre o texto;

 Encaminhe discussões sobre: tema e intenções;

 Contextualize a produção: suporte/ fonte, interlocutores, finalidade, época;

 Utilize textos verbais diversos que dialoguem com não-verbais, como gráficos, fotos, imagens, mapas,e outros;

 Relacione o tema com o contexto atual, com as diferentes possibilidades de sentido (ambiguidade) e com outros textos;

 Oportunize a socialização das idéias dos alunos sobre o texto.



ESCRITA
É importante que o professor:
 Planeje a produção textual a partir: da delimitação do tema, do interlocutor, do gênero, da finalidade;

 Estimule a ampliação de leituras sobre o tema e o gênero propostos;

 Acompanhe a produção do texto;

 Encaminhe a reescrita textual: revisão dos argumentos/das ideias, dos elementos que compõem o gênero (por exemplo: se for uma narrativa de enigma, observar se há o narrador, quem são os personagens, tempo, espaço, se o texto remete a um mistério, etc.);

 Analise se a produção textual está coerente e coesa, se há continuidade temática, se atende à finalidade, se a linguagem está adequada ao contexto;

 Conduza, na reescrita, a uma reflexão dos elementos discursivos, textuais, estruturais e normativos.



ORALIDADE
É importante que o professor:
 Organize apresentações de textos produzidos pelos alunos;

 Proponha reflexões sobre os argumentos utilizados nas exposições orais dos alunos;

 Oriente sobre o contexto social de uso do gênero oral selecionado;

 Prepare apresentações que explorem as marcas linguísticas típicas da oralidade em seu uso formal e informal;

 Estimule contação de histórias de diferentes gêneros, utilizando-se dos recursos extralinguísticos, como entonação, pausas, expressão facial e outros.

 Selecione discursos de outros para análise dos recursos da oralidade, como cenas de desenhos, programas infanto-juvenis, entrevistas, reportagem, entre outros.


AVALIAÇÃO
LEITURA
Espera-se que o aluno:
 Realize leitura compreensiva do texto;

 Localize informações explícitas e implícitas no texto;

 Posicione-se argumentativamente;

 Amplie seu horizonte de expectativas;

 Amplie seu léxico;

 Perceba o ambiente no qual circula o gênero;

 Identifique a ideia principal do texto;

 Analise as intenções do autor;

 Identifique o tema;

 Deduza os sentidos das palavras e/ou expressões a partir do contexto.



ESCRITA
Espera-se que o aluno:
 Expresse suas idéias com clareza;

 Elabore textos atendendo:

- às situações de produção propostas (gênero, interlocutor, finalidade...);

- à continuidade temática;

 Diferencie o contexto de uso da linguagem formal e informal;

 Use recursos textuais como coesão e coerência, informatividade, etc;

 Utilize adequadamente recursos linguísticos como pontuação, uso e função do artigo, pronome, substantivo, etc.
ORALIDADE
Espera-se que o aluno:
 Utilize o discurso de acordo com a situação de produção (formal/ informal);

 Apresente suas idéias com clareza;

 Expresse oralmente suas ideias de modo fluente e adequado ao gênero proposto;

 Compreenda os argumentos no discurso do outro;

 Exponha objetivamente seus argumentos;

 Organize a sequência de sua fala;

 Respeite os turnos de fala;

 Analise os argumentos dos colegas de classe em suas apresentações e/ou nos gêneros orais trabalhados; Participe ativamente dos diálogos, relatos, discussões, etc.




8º ANO / 7ª SÉRIE


CONTEÚDOS BÁSICOS
LEITURA
Conteúdo temático;
 Interlocutor;

 Intencionalidade do texto;

 Aceitabilidade do texto;

 Informatividade;

 Situacionalidade;

 Intertextualidade;

 Vozes sociais presentes no texto;

 Elementos composicionais do gênero;

 Relação de causa e consequência entre as partes e elementos do texto;

 Marcas linguísticas: coesão, coerência, função das classes gramaticais no texto, pontuação, recursos gráficos como aspas, travessão, negrito;

 Semântica:

- operadores argumentativos;

- ambiguidade;

- sentido conotativo e denotativo das palavras no texto;

- expressões que denotam ironia e humor no texto.

ESCRITA
Conteúdo temático;

 Interlocutor;

 Intencionalidade do texto;

 Informatividade;

 Situacionalidade;

 Intertextualidade;

 Vozes sociais presentes no texto;

 Elementos composicionais do gênero;

 Relação de causa e consequência entre as partes e elementos do texto;

 Marcas linguísticas: coesão, coerência, função das classes gramaticais no texto, pontuação, recursos gráficos como aspas, travessão, negrito;

 Concordância verbal e nominal;

 Papel sintático e estilístico dos pronomes na organização, retomadas e sequenciação do texto;

 Semântica:

- operadores argumentativos;

- ambiguidade;

- significado das palavras;

- sentido conotativo e denotativo;

- expressões que denotam ironia e humor no texto.


ORALIDADE
Conteúdo temático:


  • Finalidade;

  • Aceitabilidade do texto;

  • Informatividade;

  • Papel do locutor e interlocutor;

  • Elementos extralinguísticos: entonação, expressões facial, corporal e gestual, pausas...;

  • Adequação do discurso ao gênero;

  • Turnos de fala;

  • Variações lingüísticas (lexicais, semânticas, prosódicas, entre outras);

  • Marcas linguísticas: coesão, coerência, gírias, repetição;

  • Elementos semânticos;

  • Adequação da fala ao contexto (uso de conectivos, gírias, repetições, etc);

  • Diferenças e semelhanças entre o discurso oral e o escrito.

ABORDAGEM TEÓRICO-METODOLÓGICA

LEITURA
É importante que o professor:
 Propicie práticas de leitura de textos de diferentes gêneros;

 Considere os conhecimentos prévios dos alunos;

 Formule questionamentos que possibilitem inferências sobre o texto;

 Encaminhe discussões e reflexões sobre: tema, finalidade, intenções, intertextualidade, aceitabilidade, informatividade, situacionalidade;

 Contextualize a produção: suporte/fonte, interlocutores, finalidade, época;

 Utilize textos verbais diversos que dialoguem com não-verbais, como gráficos, fotos, imagens, mapas, e outros;

 Relacione o tema com o contexto atual;

 Oportunize a socialização das ideias dos alunos sobre o texto;

 Instigue a identificação e reflexão das diferenças decorridas do uso de palavras e/ou expressões no sentido conotativo e denotativo, bem como de expressões que denotam ironia e humor;

 Promova a percepção de recursos utilizados para determinar causa e conseqüência entre as partes e elementos do texto.


ESCRITA
É importante que o professor:
 Planeje a produção textual a partir: da delimitação do tema, do interlocutor, do gênero, da finalidade;

 Estimule a ampliação de leituras sobre o tema e o gênero propostos;

 Acompanhe a produção do texto;

 Analise se a produção textual está coerente e coesa, se há continuidade temática, se atende à finalidade, se a linguagem está adequada ao contexto;

 Estimule o uso de figuras de linguagem no texto;

 Incentive a utilização de recursos de causa e consequência entre as partes e elementos do texto;

 Proporcione o entendimento do papel sintático e estilístico dos pronomes na organização, retomadas e sequenciação do texto;

 Encaminhe a reescrita textual: revisão dos argumentos/das ideias, dos elementos que compõem o gênero (por exemplo: se for uma notícia, observar se o fato relatado é relevante, se apresenta dados coerentes, se a linguagem é própria do suporte (ex. jornal), se traz vozes de autoridade, etc.).

 Conduza, na reescrita, a uma reflexão dos elementos discursivos, textuais, estruturais e normativos.
ORALIDADE

É importante que o professor:


 Organize apresentações de textos produzidos pelos alunos levando em consideração a: aceitabilidade, informatividade, situacionalidade e finalidade do texto;

 Proponha reflexões sobre os argumentos utilizados nas exposições orais dos alunos, e sobre a utilização dos recursos de causa e conseqüência entre as partes e elementos do texto;

 Oriente sobre o contexto social de uso do gênero oral selecionado;

 Prepare apresentações que explorem as marcas linguísticas típicas da oralidade em seu uso formal e informal;

 Estimule contação de histórias de diferentes gêneros, utilizando-se dos recursos extralinguísticos, como entonação, expressões facial, corporal e gestual, pausas e outros;

 Propicie análise e comparação dos recursos veiculados em diferentes fontes como jornais, emissoras de TV, emissoras de rádio, etc., a fim de perceber a ideologia dos discursos dessas esferas;

 Selecione discursos de outros para análise dos recursos da oralidade, como cenas de desenhos, programas infantojuvenis, entrevistas, reportagem, entre outros.

1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   17


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal