Carlos gomes, “Aurora e Tramonto” (aurora e ocaso)



Baixar 19.03 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho19.03 Kb.




CARLOS GOMES,

Aurora e Tramonto”



(aurora e ocaso)

Rodolpho Caniato

e-mail: rodolphocaniato@uol.com.br

Resumo da palestra realizada no Rotary-Campinas em 17/09/2005


Aurora e Tramonto” é uma das muitas dezenas de canções escritas por Carlos Gomes durante seus quase vinte anos de vida na Itália. As palavras escritas pelo poeta M.M. Marcello, no poema “Aurora e Tramonto” descrevem na primeira parte a beleza do despontar do sol (aurora) e com ele as promessas do porvir de uma vida que principia. A segunda parte (tramonto, ocaso) faz uma analogia entre o cair da tarde, o ocaso, com o fim da vida humana, a morte. Esse poema foi musicado por Carlos Gomes usando uma escala ascendente para o nascer do sol e outra escala descendente para o ocaso, num efeito muito original e que lembra em parte a sua “alvorada”, prelúdio do quarto ato de “Lo Schiavo”. A vida de Carlos Gomes, especialmente durante suas quase duas décadas na Itália, parece ter algo que lembra essa metáfora de glória ou triunfo iniciais, seguida de um período final de grandes dissabores, tristeza, declínio e morte.

Suas primeiras obras na Itália, ligadas ao teatro foram duas revistas musicais: “Se sa minga”, com os diálogos falados (não cantados) em dialeto milanês e “Nella Luna”, ambas com texto do mesmo autor do libreto de “Il Guarany”, Antonio Scalvini. Com o sucesso de ambas a popularidade e o prestígio de Carlos Gomes aumentaram seus anseios pela conquista de mais alturas. Agora seria seu sonho ter uma obra encenada no maior templo da ópera de então, o teatro “Scalla” de Milão. Faltava-lhe ainda uma grande história, digna de sua grande música para fazer uma grande ópera.

Conta-se que numa tarde, enquanto caminhava pela grande praça da catedral, o “Duomo” de Milão, o maestro, nosso “Tonico de Campinas, ouve alguém apregoar uma tradução de “O Guaraní” do escritor brasileiro José de Alencar. A obra desse escritor brasileiro, que logo se tornaria ministro da Justiça do imperador D.Pedro II, havia sido publicada pouco tempo antes e já se traduzia para outros idiomas. “O Guaraní” de José de Alencar, em sua fase indianista, seria um grande argumento, com um tema de grande brasilidade, digno de ser musicado para uma grande ópera. Carlos Gomes se apressa em levar e idéia a Antônio Scalvini, libretista já seu amigo. Este aceita a encomenda para elaboração do indispensável libreto em italiano, o texto para a ópera, com algumas modificações na história, especialmente em relação à origem de um dos protagonistas, o “bandido” Gonzalez.

Em 19 de março de 1870 acontece a estréia de “Il Guarany” no maior templo da ópera mundial. Logo de início foram doze récitas, acrescidas de outras quinze na temporada seguinte. Carlos Gomes se apresentava numa música original, com novos instrumentos na percussão, exótica em sua história e inovadora na íntima relação entre música, texto e o desenrolar da trama. Por muitas outras capitais logo ecoaria a música do “Tonico de Campinas”. À estréia de Milão seguiram-se apresentações em Buenos Aires, Barcelona, Montevidéu, Havana, São Petersburgo, Malta, Nice, Lisboa, México, São Francisco, Nova York, Estocolmo e Nápoles. Era a chegada da maior consagração que um autor poderia almejar. Esse triunfo se reveste de especial significado quando se lembra que Carlos Gomes era um mestiço, vindo das Américas, até então desconsideradas pela Europa, especialmente no campo das artes e da cultura. Por toda aquela década (1870-80), Carlos Gomes seria o autor a mais ocupar o teatro “Scalla”, superado apenas pelo grande e já muito famoso Giuseppe Verdi.

Além da fama, com ela chegara a fortuna. Carlos Gomes, rico, constrói uma enorme e rica mansão, a “Villa Brasília” em Lecco, ao Norte de Milão, próximo ao lago de Como. Depois de uma promissora alvorada, sua vida se iluminara como que com o sol do meio dia. Na vida pessoal, entretanto, começavam suas tribulações com um casamento infeliz que culminaria com uma separação judicial que, além de conflituosa, se tornara de domínio público. A morte prematura de três de seus filhos trazia um enorme sofrimento.

Começara sua “tarde” que se encaminharia para um “ocaso” muito cheio de dissabores, tribulações e sofrimento físico.

O êxito de “O Guarani”, uma história envolvendo índios do Novo Mundo, havia despertado em Carlos Gomes e seus editores o desejo de repetição do sucesso, com algum tema parecido, envolvendo índios. Nesse tempo estava recém editada uma novela de Alfredo D’Escragnolle Taunay, o Visconde de Taunay, até então seu amigo, da corte de D. Pedro II. “O Escravo” de Taunay tinha como protagonista um negro escravo que se torna o herói da história. Não se sabe ao certo de que tamanho e exatamente de quem foi a sugestão de substituir o negro por um índio. O fato é que no libreto escrito por Rodolpho Paravicini se recua a história no tempo e se substituiu o negro por um índio, desta vez não mais guaraní, mas tamoio. Isso só já seria um motivo para possíveis querelas e aborrecimentos, a começar pelo autor do argumento, o Visconde de Taunay. Acontece que Carlos Gomes resolveu ainda inserir no libreto um poema sobre “liberdade” (cantado por índios) de autoria de Carlo Gighanti, diretor do colégio militar onde estudava um de seus filhos. Isso causou uma tremenda briga com o autor do libreto original, Rodolpho Paravicini. Ele não admitiria essa intromissão em sua obra. Ainda mais com um tema e palavras de outro e que pareciam ter muito a ver com o nascente orgulho nacional, num período de unificação da Itália. Paravicini não só entrou com uma ação judicial como conseguiu a proibição de “Lo Schiavo” em solo italiano. Era um grande revés, com as conseqüências de um verdadeiro desastre. Isto vinha se somar às tribulações de caráter pessoal de Carlos Gomes. A Itália parecia fechar as portas ao glorioso e antes festejado autor brasileiro.

De volta ao Brasil, Carlos Gomes dedica “Lo Schiavo” à princesa Izabel. Não sendo possível na Itália, a estréia far-se-ia no Brasil. Carlos Gomes pretendia que a montagem fosse feita com o patrocínio oficial. O custo da montagem, no entanto, (quarenta contos de Reis) era muito alto para as finanças do império que já entrara numa crise que o levaria ao fim já próximo. “O Escravo” acabou sendo montada com recursos provindos de uma subscrição feita entre os nobres, por iniciativa da Princesa Izabel.

Em 2 de setembro de 1889 estréia “O Escravo” no Imperial Teatro D. Pedro II, no Rio de Janeiro, com a presença do imperador. Apesar do sucesso e aclamação do público, parte da imprensa fez duríssimas críticas à obra, levantando contra Carlos Gomes as acusações de oportunismo e até de racismo, embora reconhecendo a qualidade e a beleza de sua música. É no prelúdio do quarto ato dessa ópera que se ouve sua célebre “Alvorada”, uma das mais famosas e belas peças orquestrais de Carlos Gomes. Nesta se retrata com grande colorido orquestral, a beleza, o mistério, os ruídos da selva brasileira e finalmente uma apoteose sonora ascendente que culmina com a saída do sol, o raiar de um novo dia. Lamentavelmente para Carlos Gomes sua “Alvorada” chegava no crepúsculo do império e da Família Real que lhe dera todo o apoio e a quem em grande parte ele devia sua carreira. Poucos meses depois da estréia de “O Escravo” era proclamada a República. A Família Real seguia para o exílio. Embora fosse reconhecido o grande mérito de Carlos Gomes, agora ele ficava “órfão” em meio a um clima que era hostil a tudo que se ligava à recém finda monarquia.

A “orfandade” política de nosso Carlos Gomes, levou-o a voltar para a Itália e lá tentar uma nova fase de vida. Seu nome ainda era famoso apesar dos reveses. O “Scalla” encomendou-lhe uma nova ópera. Com libreto de Mario Canti, surgiu sua última ópera “O Condor”, escrita em três meses e com um argumento que não empolgou o público. A estréia foi no Scalla de Milão em fevereiro de 1891. Não se repetiu o sucesso que seu autor já experimentara. Os tempos haviam passado e mudado. Já despontava o verismo, especialmente com os jovens Puccini, Mascagni e Leoncavallo, estes, alunos de um amigo e admirador de Carlos Gomes, Amilcare Ponchielli, o autor de “La Gioconda”].

Sua doença se agravara e a Itália já não lhe parecia propícia, tanto do ponto vista artístico quanto pessoal. Era preciso voltar para o Brasil. Aqui sua glória passada e seu currículo sugeriam seu nome para o cargo mais almejado no Brasil no campo da música: o Conservatório Musical do Rio de Janeiro. Para dirigi-lo, no entanto o nome de Carlos Gomes foi preterido por sua estreita ligação com a recém finda monarquia, em favor de Leopoldo Miguez.

Ainda lhe foi oferecido o cargo de diretor do Conservatório de Belém do Pará, para onde Carlos Gomes, já muito mal de saúde, se mudou. Aí ele faleceu em 16 de dezembro de 1896. Sua vida que atingira as alturas da gloria e da fama chega ocaso. Depois de uma luminosa alvorada, chegara o nostálgico e prematuro “tramonto”.

Seu corpo foi embalsamado e transportado para Santos no vapor Itaipu numa viagem de 21 dias. Aquele caminho de Campinas ao porto de Santos que ele fizera ainda jovem, em lombo de burro, agora era percorrido por seu féretro, de volta à sua terra, nas recém construídas estradas de ferro. Carlos Gomes, depois do ocaso de sua vida entrara para a história como “gênio musical das Américas”, legítimo orgulho de sua cidade, Campinas e de seu país, o Brasil.

Seu repouso definitivo se deu em Campinas no monumento-túmulo cuja pedra fundamental foi presenciada por Santos Dumont e que seria encimado por sua imagem de maestro-regente, esculpida por um dos maiores escultores brasileiros, Rodolpho Bernardelli.

Morto Carlos Gomes, caberia especialmente à sua cidade, Campinas e a seu país, o Brasil, não só cultuar a sua memória como principalmente cultivar e difundir sua grande e imortal obra musical.

Em 1970 se comemorou o centenário da estréia de “O Guarani”. Campinas, terra de Carlos Gomes, não poderia ficar indiferente a essa celebração. Com o patrocínio da Prefeitura Municipal de Campinas, um grupo de amadores tomou a iniciativa de uma montagem que, pela ocasião, se tornaria histórica. Na semana em que se completava o centenário, foram encenadas quatro récitas de “O Guarani”. Com essa temporada se inaugurava, com apressada reforma, o Teatro Municipal Castro Mendes. A direção musical da temporada foi confiada ao maestro Oreste Sinatra do Teatro Municipal de São Paulo à frente da Orquestra Sinfônica de Campinas de então. A Prefeitura de São Paulo ainda colaborou cedendo parte de seu Coral Lírico e alguns solistas. Os principais papéis foram desempenhados por solistas de Campinas ou aqui radicados, com o tenor César D´Ottaviano no papel título. A cenografia e os adereços foram feitos por um artista plástico de Campinas, Geraldo Jürgensen. A direção de cena foi feita por Silney Siqueira e a gravação magnética, ao vivo, por Henrique de Oliveira.

Em 2002 Rodolpho Caniato, que assina estas páginas e que desempenhou naquela ópera, naquela ocasião, o papel de “Don Antonio de Mariz”(baixo) promoveu e custeou uma pequena edição do programa daquelas récitas e da gravação digital (em dois CDs). Estes poucos exemplares foram doados aos protagonistas ainda vivos daquele evento e a algumas instituições como Museu Carlos Gomes e Conservatório Carlos Gomes. Na ocasião da assinatura pública da lei do FICC, pelo Prefeito Municipal de Campinas, no teatro de Convivência, um exemplar completo daquela pequena edição foi publicamente entregue por este signatário a aquela autoridade e com a manifesta esperança de que aquele momento marcasse um avivamento do culto e da maior divulgação da grande obra de Carlos Gomes.

Obras consultadas;

Kobbé, O livro completo da ópera, Editora Zahar,1991,Rio de Janeiro.

Aguiar,Luiz. Entrevista dada a Rodolpho Caniato,


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal