Carta 389 Estado/Cidade



Baixar 0.5 Mb.
Página12/35
Encontro18.07.2016
Tamanho0.5 Mb.
1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   ...   35

Carta 442



Estado/Cidade: SP/São Paulo

Tipo de Texto: Carta de Leitor

Título do Jornal: Correio Paulistano

Data/Edição: São Paulo, 28 de junho de 1854 / seção: A pedidos

Fonte/Cota: Arquivo do Estado de São Paulo

Senhor Redactor do Correio Paulistano || – Digne-se Vossa Senhoria pôr a luz do meio dia | as poucas reflexões que passamos a diri- | gir-lhe acerca de dois objectos bem dis- | tinctos. || Em todos os paizes civilisados a illu- | minação das ruas, mormente nas capitaes | e cidades populosas, tem sido sempre re- | conhecida como uma das primeiras neces-| sidades; entre nós porém, a illuminação | da capital, parece que é mais uma pen- | ção ao contractador, com meio de vida | particular do que um serviço publico | Nos arrabaldes da cidade jamais se acen- | dem os lampiões, e no interior é uma | formalidade que dura poucas horas; de- | madrugada, oh! que bellas madrugadas | para os presos que fogem da cadeia! é | um inferno de Dante, escuridão comple- | ta, e a algumas distancias como diz Mil- | ton, uma pequena luz quanto baste para | mostrar o horror das trevas. Pedimos | a Sua Excelência o Senhor presidente que olhe para | esta lastima. || Outro pedido ou reparo, é para o esta- | do de soffrimento em que se achão os | empregados da repartição do sello, collo- | cados entre uma cloáca e a estrumeira dos | cavallos e bestas que de continuo fazem | sua residencia no corredor contiguo: | isto quando não fosse um rebaixamento | inqualificavel de tal repartição, devera | merecer a attenção do governo, como me- | dida hygienica. || X.P.T.O.1


Carta 443



Estado/Cidade: SP/São Paulo

Tipo de Texto: Carta de Leitor

Título do Jornal: Correio Paulistano

Data/Edição: São Paulo, 28 de junho de 1854 / seção: A pedido

Fonte/Cota: Arquivo do Estado de São Paulo

Senhor Redactor: – Tem de realisar-se | muito breve o contracto para a illu- | minação da cidade, e como eu sou | um dos moradores de um dos arra- | baldes da cidade, onde ha lampiões | pro formula, e que nunca se acendem, | aproveito-me da sua recenascida fo- | lha para pedir á Sua Excelência que descarre- | gue a mão no applicar as multas, vis- | to que até ao presente o contracta- | dor nenhum caso tem feito das que | lhe tem sido applicadas, com prejui- | zo do publico que anda por ahi ás | marradas pelo escuro, chegando á | ponto que um pobre viajor vindo | de Santos, andou a noite inteira | perdido pela cidade sem achar sahi- | da, não podendo por isso seguir a sua | viagem para Jundiahy, o que só fez | demanhã quando o Senhor Apollo man-dou accender o seu grande lampião. || Um dos que tem soffrido.


Carta 444



Estado/Cidade: SP/São Paulo

Tipo de Texto: Carta de Leitor

Título do Jornal: Correio Paulistano

Data/Edição: São Paulo, 28 de junho de 1854 / seção: A pedido

Fonte/Cota: Arquivo do Estado de São Paulo

Senhores Redactor. – Vossas mercês são imparciaes | ao menos assim li: escutem o seguinte. || Ha prohibição de fumar-se no saguão | do theatro, que pouco a pouco vai cadu-| cando porque o povo é essencialmente | Turco e não dispensa o tabaco. Os com-| mandantes da guarda do theatro procu- | ram lembrar a disposição prohibitiva em | termos habeis, porque muita gente ignora | a disposição, esquece-a, e os meios bran- | dos devem preceder os fortes – aviza-se: || O Senhor tenente Godoi no espectaculo de | 26 deslembrou que quando se dá ordem | ella é revestida de termos brandos e de- | licados. Desde que algum fumava gri- | tava como um Russo, que poria tudo na | cadeia, que não lhe duvidassem; fez gran- | de espalhafato, improprio de uma auto- | ridade que não faz mais do que represen- | tar a lei. || Em vista desta patacuada peçam Vossas mercês | ao Senhor Godoi que não progrida; póde ap- | parecer algum Turco que lhe dê um bom | cachimbo. || X.P.T.O. 2


Carta 445



Estado/Cidade: SP/São Paulo

Tipo de Texto: Carta de Leitor

Título do Jornal: Correio Paulistano

Data/Edição: São Paulo, 05 de julho de 1854 / seção: A pedido

Fonte/Cota: Arquivo do Estado de São Paulo

Senhores Redactores – Principiarei por con- | gratular-me com Vossas mercês, por já | termos, em São Paulo, um jornal dedicado | a preencher o vacuo que havia, isto é, | a falta de um jornal imparcial, e que se | dedicasse aos interessos da capital e pro- | vincia; e como Vossas Mercês, máo gra- | do os partidistas, vão caminhando impa- | vidos, procurando satisfazer a todas as | classes, permitta que me utilize de um | canto de sua folha para chamar a atten- | ção da camara municipal para o deleixo | de seus fiscaes, || Senhores da camara municipal, atten- | dão ao menos á salubridade publica! a | cidade de São Paulo, outr’ora limpa e ace- | iada, hoje existe que é uma vergonha! | E para prova apontaremos as travessas da | Lapa, do Imperador, e das Cachaças. | Nesta ultima existe uma casa que conti- | nuamente despeja pelo cano aguas mais | que immundas, e isto junto ao despejo | que continuadamente fazem de tudo que de | mais nojento e repugnante tem em casa | as quitandeiras, que ali residem, formão | nos grandes buracos que tem na rua re- | ceptaculos taes de immundicies, que tor- | nando-se putridas (se algumas ou não es- | tão já, quando são atiradas as ventas dos | passantes) não sómente encommodão o | olfacto dos viandantes, como muito pre- | judicão a saude dos moradores, produzin- | do taes pestelentas materias, não só regi- | mentos de sanguisedentos mosquitos, que | à noite põe em alarma todos os morado- | ros das visinhanças, como um grande vi- | veiro de sapos, e outros animalejos não | menos encommodos e nojentos. || Na rua do Imperador igualmente exis- | te um Eden bem semelhante ao de que | acima fallamos; reside ali n’uma taberna | um allemão que assentou, por mais com- | modidade, dever fazer na rua o despejo | de tudo quanto lhe encommodasse em | casa, e mais ainda a estribaria de seu ca- | valo, de sorte que não é possivel achar-se | esse lugar em peior estado de immundicie | e porcaria. || Entretanto que estas e outras muitas | cousas vê todo mundo, os Senhores fiscaes | não as enxergão; assentão de suas | casas, cuidando de seus negocios, podem | fiscalizar a cidade! || Relevem portanto, Senhores Redactores, | que por meio de sua folha, chamemos a | attenção da camara municipal, para o | que levamos dito, afim de que activem os Senhores fiscaes ou demittão-os no caso de | reincidirem no seu proverbial deleixo. || Um municipe




1   ...   8   9   10   11   12   13   14   15   ...   35


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal