Categoria 1 º e º Ciclos do Ensino Básico) º Prémio da Categoria 1



Baixar 50.87 Kb.
Encontro30.07.2016
Tamanho50.87 Kb.
SÍNTESES DOS TRABALHOS PREMIADOS

CONCURSO "Escola Alerta!" 2011/2012
Os trabalhos e escolas premiados pelo Júri Nacional desta 9.ª edição do Concurso "Escola Alerta!" são os seguintes:

Categoria 1 (1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico)
1.º Prémio da Categoria 1

Trabalho intitulado "Barreiras físicas? Não! Obrigado!", da



Escola Básica n.º 2 de Avelar - Agrupamento de Escolas de Ansião

(Concelho de Ansião, Distrito de Leiria)


O trabalho teve como principal objetivo levar os seus autores e os outros a reflectir, visando a plena integração de dois colegas de turma com deficiência, ao mesmo tempo que pretendeu motivar os alunos para atender às diferentes deficiências /incapacidades; promover a inclusão de pessoas com deficiência; inventariar barreiras físicas; estimular o espírito de solidariedade e entreajuda; angariar fundos para equipar a escola com suportes técnicos promotores da acessibilidade da pessoa com deficiência/incapacidade.
Procedeu-se à pesquisa, leitura e reflexão sobre documentos diversos acerca da deficiência e acessibilidades, de onde decorreram conclusões que conduziram à inventariação de barreiras físicas ao nível da Escola e à proposta de soluções para as minimizar. Para a concretização destas soluções, procurou-se envolver toda a comunidade educativa, desde a turma até à direção, passando por todos os alunos, professores e funcionários. Contou-se igualmente com a ajuda dos pais e encarregados de educação bem como com a Câmara Municipal de Ansião.

Os registos escritos das diversas etapas foram sendo publicados no blogue da turma, acompanhados de fotografias e vídeos exemplificativos do trabalho, à medida que este ia sendo desenvolvido.


Para sensibilizar o público em geral para esta causa bem como para operacionalizar o projeto, foram ainda utilizados cartazes, desdobráveis, correio tradicional e eletrónico, contatos diretos e telefónicos.

Destaca-se no desenvolvimento do trabalho uma atitude interventiva e espírito de solidariedade, entreajuda, optimismo e persistência, revelados nas iniciativas desenvolvidas e na superação permanente dos obstáculos que foram surgindo.


Este trabalho foi realizado por 17 alunos do 2.º Ciclo do Ensino básico, orientados por uma docente da Escola Básica n.º 2 de Avelar.
Mais informações em:

http://www.agansiao.pt/component/k2/item/299-concurso-escola-alerta-6ºd-ganha-1º-prémio;



http://www.agansiao.pt/ e;

www.turminhadavelar.blogspot.com;

http://youtu.be/7NZrhcXLDdo;

http://youtu.be/7-Do5qqcrUE;

http://youtu.be/ZFydMNqGnb0;

http://youtu.be/t2NIyFaQ6Iw;

http://youtu.be/4RE7lZPAQlU;

http://youtu.be/Gk5K3FJCjwQ.

2.º Prémio da Categoria 1
"Igualdade de direitos para todos", do

Colégio Nossa Senhora da Boavista

(Concelho de Vila Real, Distrito de Vila Real)


O trabalho visou sensibilizar e dinamizar toda a comunidade escolar para a problemática das pessoas com necessidades especiais, tendo toda a planificação, execução das ações, bem como o posterior tratamento de informação e análise dos dados sido da inteira responsabilidade dos alunos autores do trabalho.
Os alunos iniciaram o projecto com um “brain storming” que originou algumas ideias, das quais tiveram seguimento:

- uma campanha de recolha de tampinhas e embalagens para ajudar na angariação de fundos para a compra de uma prótese para um menino de 12 anos, ao qual devido a uma doença rara lhe foi amputada uma perna e para a compra de uma cadeira de rodas, para uma menina de seis anos, que também sofre de uma doença rara. Os alunos envolveram-se neste projeto, divulgando a iniciativa, dentro e fora da comunidade escolar, através da produção e distribuição de panfletos, de cartazes, da recolha e entrega do respetivo material.

- uma palestra sob o tema “ Todos diferentes, todos iguais” que foi aberta a toda a comunidade escolar (os três ciclos de ensino presentes no Colégio, professores, funcionários e Encarregados de Educação).

- uma visita de Estudo ao C.E.R.T.I.C. (Centro de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade) da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Este projecto teve como pontos fortes:

- a divulgação das dificuldades sentidas pelas pessoas com necessidades especiais.

- a execução de ações, de sensibilização e de informação sobre as formas de adaptação e melhoria das condições de vida das pessoas com necessidades especiais.

- a melhoria da qualidade de vida de duas crianças com deficiência, através do auxílio na compra dos meios necessários para a sua locomoção.


Este trabalho foi realizado por 56 alunos do 2.º Ciclo do Ensino Básico, orientados por 1 docente do Colégio Nossa Senhora da Boavista.
Mais informações em:

http://www.youtube.com/watch?v=WonvmYUVt9M&feature=youtu.be.



3.º Prémio da Categoria 1
"Eu,Tu,Ele,Nós,Vós,Eles", da

Escola Básica do 1.º Ciclo com Jardim de Infância José Garcês - Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires

(Concelho da Amadora, Distrito de Lisboa)


Este trabalho foi realizado pela Unidade de apoio à Multideficiência e Surdo Cegueira Congénita, com o objectivo de sensibilizar e mobilizar os alunos da escola e toda a comunidade educativa, no sentido de respeitar e contribuir para a igualdade de oportunidades, para a defesa dos direitos humanos em geral e das pessoas com deficiência em particular.
Destaca-se a integração das sucessivas etapas do projecto nas actividades diárias, tais como a leitura/audição de textos de qualidade, escrita, expressão plástica, com a adequação ao nível etário e à interacção das actividades desenvolvidas, bem como as avaliações intercalares e avaliação final sobre o impacto produzido na mudança de atitudes ao nível da escola: das representações prévias dos alunos à interiorização de novos olhares e atitudes para com as pessoas com deficiência.
O trabalho realizado revelou-se muito positivo uma vez que através dos conteúdos abordados ao longo das atividades “Painel Coletivo de escola” (com a participação de todas as turmas da escola - pré e 1º CEB), “Conto da História Os Ovos Misteriosos” (com a ida dos alunos da Unidade às salas do ensino regular) e “O Corpo Humano e a Diferença” (com a ida dos alunos do ensino regular à sala da Unidade), as ideias dos alunos, face à pessoa com NEEs, sofreram alterações significativas, nomeadamente nas questões sobre a igualdade de oportunidades, a não discriminação e a inclusão/sociedade para todos.
Houve o envolvimento e a participação activa de todos os alunos da escola, desde a Unidade de Apoio a todas as turmas do ensino regular, tendo ainda o trabalho sido divulgado em Ação de Sensibilização destinado a todos os docentes do agrupamento, com distribuição dos panfletos informativos e visionamento do filme Escola Alerta – Projeto Eu, Tu, Ele, Nós, Vós, Eles.
A avaliação das actividades que foi realizada revela claramente a existência de uma mudança significativa nas ideias dos alunos, mostrando que passaram a ver a pessoa com NEE de forma mais positiva e mais real, relativamente à possibilidade de ter uma vida futura autónoma e realizada, tanto a nível pessoal como profissional.
Este trabalho foi realizado por 6 alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico, orientados por duas docentes da Unidade de Apoio à Multideficiência e Surdo Cegueira Congénita da Escola Básica do 1.º Ciclo com Jardim de Infância José Garcês.

Mais informações em:

http://www.salaunidade.blogspot.pt/;



http://www2.eb23-jose-cardoso-pires.rcts.pt/proj.php;

http://www2.eb23-jose-cardoso-pires.rcts.pt/.

Categoria 2 (2.º Ciclo do Ensino Básico e Ensino Secundário)

1.º Prémio da Categoria 2


"Uma escola à minha altura", do

Agrupamento de Escolas de Freixo

(Concelho de Ponte de Lima, Distrito de Viana do Castelo)


O trabalho é constituído por um filme onde podem visualizar-se as barreiras urbanísticas e arquitetónicas existentes na escola. Contém pequenos comentários que pretendem chamar a atenção para os problemas encontrados e apresentar propostas de solução exequíveis para as principais barreiras identificadas.
Numa primeira fase, a turma dos autores do trabalho, os respetivos professores e as docentes de Educação Especial, procederam a uma reflexão conjunta acerca dos vários obstáculos, intimamente relacionados com a problemática da deficiência, nomeadamente a acondroplasia e, em particular, com as questões das barreiras discriminatórias que impedem a plena participação e a inclusão social das pessoas com deficiência ou incapacidade.
A personagem principal deste filme é uma aluna com Acondroplasia, divertida, muito comunicativa e com uma grande força de vontade para crescer num mundo que não foi feito à sua altura. Uma vez que irá transitar para o segundo ciclo, no próximo ano letivo, os autores consideraram pertinente proceder ao levantamento das barreiras com que se irá deparar na sua nova escola, de forma a garantir o “acesso da pessoa com deficiência à educação e ao ensino inclusivo, mediante, nomeadamente, a afetação de recursos e instrumentos adequados à aprendizagem e à comunicação”.

Com este trabalho, pretendeu-se recriar um dia desta aluna na escola. Iniciou-se a viagem, partindo do portão de entrada e passando pelas salas de aula, balneários, cantina e pelos restantes serviços existentes na escola.

É objetivo dos autores enviar aos responsáveis locais uma cópia deste trabalho para que todos juntos possamos construir um mundo melhor.
Este trabalho foi realizado por 16 alunos do Ensino Básico (uma do 1.º Ciclo e 15 do 3.º Ciclo), orientados por 7 docentes da Escola Básica de Freixo.
Mais informações em:

http://www.youtube.com/watch?v=Q7KLAHTOzhs&feature=youtu.be;

www.aefreixo.pt.

2.º Prémio da Categoria 2


"A deficiência não contagia - Nós somos pela diferença!", da

Escola Técnica Profissional da Moita

(Concelho da Moita, Distrito de Setúbal)


Havendo na turma dos autores deste trabalho três alunos com deficiência (spina bífida e deficiência auditiva), visou-se com o mesmo alertar os restantes jovens da escola para a realidade da deficiência.

O objetivo do trabalho foi sensibilizar os alunos da escola para a importância de respeitar os direitos humanos, em geral, e os direitos das pessoas com deficiência, em particular. Assim, procurou-se, através da realização de vários trabalhos e iniciativas (apresentações de powerpoints nas diferentes turmas, divulgação de desenhos, criação de um blog e de uma página no facebook, elaboração e entrega de folhetos, realização e divulgação de vídeos, entre outros) promover a participação dos membros da escola (alunos, professores e funcionários) na construção de uma sociedade justa e igual para todos, sensibilizando e mobilizando de modo a acabar com “os olhares de indiferença, pena e/ou repugnância”, a fim de terminar com o preconceito, de modo a pôr fim à discriminação.


Após algumas aulas de brainstorming, discussão e reflexão conjunta acerca da deficiência (causas, tipos, especificidades, legislação, instituição, entre outros aspetos), os autores decidiram, em conjunto, fazer um filme no qual “déssem a cara” pela deficiência e consideraram que a melhor forma de dar valor às dificuldades com que se defrontam as pessoas com deficiência seria passarem eles próprios por essas mesmas dificuldades. Assim, com a colaboração dos Bombeiros Voluntários da Moita, que disponibilizaram canadianas e uma cadeira de rodas, os autores do trabalho puderam experienciar essas dificuldades durante um dia inteiro, incluindo aquelas por que passam as pessoas com deficiência visual e com deficiência auditiva.

Por fim, os autores realizaram um vídeo no qual deixaram o seu testemunho sobre a experiência que tiveram. Reconhecendo as próprias diferenças até na forma de se exprimirem, alguns escreveram uma letra de uma música alusiva à temática (que cantaram), outros desenharam, outros fotografaram, manifestando de diferentes modos as suas emoções após a experiência de ser deficiente por um dia, considerando-se a si próprios, neste projeto, uma equipa diferente e coesa!


Não tendo encontrado “a receita perfeita ou uma fórmula mágica”, os autores pensam ter dado o seu contributo no sentido de alertar os jovens para o facto de a deficiência não ser “uma doença contagiosa” e para a importância de ajudar sempre que possível, não por pena mas, sim, por dever cívico e solidariedade humanas, pois um pequeno gesto faz a diferença.
Um dos aspetos diferenciadores deste trabalho é o facto de ter sido concebido e realizado, na íntegra, pelos próprios alunos, de forma autónoma, apenas com o apoio e suporte de alguns professores que lhes foram disponibilizando contactos, recursos e materiais.

Foi a turma dos autores que teve a iniciativa de participar no concurso e o propôs à professora, idealizando a forma de abordagem da questão da deficiência, “sem palavras caras”, mas com sinceridade e verdadeiro envolvimento.


Este trabalho foi realizado por 19 alunos do Ensino Secundário, orientados por uma docente da Escola Técnica e Profissional da Moita.
Mais informações em:

www.escolaprofissionalmoita.com/index.php?zona=artigo&id=438;



http://adeficiencianaocontagia.blogspot.pt/;

 http://www.facebook.com/?sk=welcome#!/profile.php?id=100003754286845&sk=wall..



3.º Prémio da Categoria 2


"Respeita a Diferença", do

Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino

(Concelho de Proença-a-Nova, Distrito de Castelo Branco)


Este trabalho é constituído por um video, através do qual as autoras pretendem sensibilizar a sociedade para as dificuldades com que se defronta uma pessoa com deficiência motora no seu dia-a-dia, considerando no entanto que, por extrapolação, poderá também servir de meio de sensibilização relativamente a outros tipos de deficiência.
Neste vídeo, pretende-se demonstrar que é possível mudar, através das mudanças que ocorrem em volta do mundo do menino João, personagem do vídeo que representa as muitas pessoas que sofrem de discriminação e dificuldades diversas nas suas tarefas diárias. Deste modo, as autoras pensam ter transmitido princípios como o da igualdade, da inclusão e da não discriminação, pois consideram ser possível transpor este dia-a-dia do João para a vida real, e tornar estes princípios em acções concretas, tal como sucede no vídeo.
Para a realização do trabalho foi utilizado o programa de computador - Windows Movie Maker, onde foi colocado texto, imagens e música. Toda a história do vídeo, o dia-a-dia do João, foi desenhada pelas autoras e, a cada pequeno passo da realização do desenho foi tirada uma fotografia, com o intuito de construir um filme do género "stop motion".

A diferença entre as palavras utilizadas no antes e no depois do trabalho, também visa exprimir a possibilidade de mudança que se pretende transmitir.


Este trabalho foi realizado por duas alunas do Ensino Secundário, orientadas por uma docente do Instituto de S. Tiago.

Mais informações em:

http://www.youtube.com/watch?v=THqzIxu6kXc;



www.institutostiago.com.

Menção Honrosa da Categoria 2


Plano para a melhoria das acessibilidades no festival islâmico de Mértol”, da

Escola Profissional ALSUD - Cooperativa de Ensino e Formação Profissional do Alengarve, CIPRL

(Concelho de Mértola, Distrito de Beja)


Este trabalho aborda as barreiras arquitetónicas e comunicacionais existentes nas infraestruturas físicas e de acolhimento aos visitantes do Festival Islâmico de Mértola (FIM). Foi elaborado com o objetivo de sensibilizar as entidades locais para a necessidade de promover a cultura para todos e tem dois suportes distintos: uma parte escrita e uma componente audiovisual que complementa a primeira.
No trabalho, foi feita uma caracterização da Escola Profissional ALSUD e do Festival, assim como uma análise dos documentos que sustentam os direitos das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida (a Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência e o regime jurídico da prevenção, habilitação, reabilitação e participação das pessoas com deficiência), bem como dedicada uma secção aos novos desafios da mobilidade e ao papel das autarquias, das escolas e da sociedade civil.
Seguidamente, foram apresentadas as limitações e fragilidades do Festival Islâmico de Mértola no que toca à acessibilidade para determinados grupos de visitantes e foram propostas ações de minimização ou de eliminação das barreiras detetadas.

O trabalho iniciou-se em 2011, no último festival, com observações no terreno e recolha de imagens. A sistematização da informação foi realizada no período da Formação em Contexto de Trabalho do curso que os respetivos alunos frequentam: curso profissional de Proteção Civil. Procedeu-se ao levantamento e diagnóstico das condições de acessibilidade, incluindo entrevista com os responsáveis pela organização do Festival e foram apresentadas propostas de intervenção no percurso pedonal, em monumentos e sítios visitáveis no trajeto do evento, tais como, entre outros, o posto de turismo,a mesquita, o castelo e a biblioteca municipal, para além de em outros locais do festival como o secretariado, os pátios, os palcos, os acessos, o mercado, a zona de campismo e o posto de socorros.


Com este trabalho, os seus autores esperam ajudar a criar uma cultura de respeito pela diferença (na comunidade escolar e na sociedade) e de contribuir para tornar este Festival mais acessível a todos, estimulando a produção de meios facilitadores das acessibilidades.
Embora cientes da complexidade de algumas soluções, dado implicarem, por um lado, obras em áreas ou monumentos protegidos pelas leis de preservação do património e, por outro, a alocação de recursos financeiros e humanos consideráveis, como é o caso da tradução dos materiais para Braille ou Língua Gestual Portuguesa, consideram os autores que, edição após edição, se poderá adequar melhor as condições de visitação.

Considera-se ainda que, sendo os habitantes da “Vila Velha”, na sua esmagadora maioria, idosos, a adoção de algumas destas medidas seria um benefício, tanto para os residentes como para os visitantes que venham a Mértola em outros momentos.


Os autores esperam que este trabalho seja catalisador de algumas mudanças e que gere visões mais solidárias e ativas no caminho da igualdade de oportunidades a que todos temos direito.
O trabalho foi apresentado a todos os alunos do curso de Proteção Civil, bem como na Comunidade, através de uma referência no sítio web da escola, do Facebook e da Câmara Municipal de Mértola.

Será disponibilizado um exemplar na Biblioteca da Escola, cujo catálogo é partilhado on-line no âmbito da rede concelhia de bibliotecas e, assim, poderá ser acedido por qualquer pessoa.



Serão ainda disponibilizados exemplares à biblioteca do Agrupamento de Escolas e à Biblioteca da Câmara Municipal.
Este trabalho foi realizado por 2 alunos do Ensino Secundário, orientados por uma docente da Excola Profissional ALSUD, de Mértola.







©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal