Celebrar a presença de deus na humana realidade 15 / 11/ 2015 33º Domingo (1) rito inicial



Baixar 22.64 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho22.64 Kb.
CELEBRAR A PRESENÇA DE DEUS NA HUMANA REALIDADE

15 / 11/ 2015 - 33º Domingo



(1) RITO INICIAL
Irmãs e irmãos, viver a Salvação é mergulhar fundo em cada experiência e servir a Deus em tudo. É o que vamos celebrar - em nome do Pai... Amém. No aqui e agora, o amor de Deus nos envolve. Valoriza o tempo quem assume os fatos. A fé é fonte de energia. CANTO DE ENTRADA

(2) ATO DE RECONCILIAÇÃO
O passado se foi, valorizemos o momento. Esbanja o tempo quem não acolhe Deus no que vive. PAI, descuidei de vossa presença. Piedade, estarei atento. Agir generoso implica compromisso com o futuro. O presente seja início de algo novo. Cristo, mostrei-me indiferente. Piedade, serei sensível. Aparências ocultam o sagrado. Com dinamismo, ousar mudar. Espírito Santo, fui refém da rotina. Piedade, serei criativo. O perdão assumido nos desperta para as demandas do agora. Renovemo-nos, aprendendo dos erros cometidos. Reconciliados, agradecemos – em nome do Pai.... Dar boa qualidade às relações nos torna abençoados no tempo que passa.
(3) LITURGIA DA PALAVRA
Leitura do livro do profeta Daniel, 12, 1-3:

Por fenômenos marcantes, Deus faz sentir sua presença no meio do povo: há sinais avaliados como abençoados. O povo participa da Salvação, sendo inúmeros os que, acolhendo o amor, vivem como justos. Os que passam pela morte com uma vida de doação vão despertar como justos e herdarão vida eterna. Sábios brilham como um firmamento iluminado e os que guiam outros no caminho da justiça terão o fulgor de estrelas por toda a eternidade. PALAVRA DO SENHOR!


O Senhor do Tempo esteja convosco...

Anúncio da Boa Nova segundo Marcos, 13, 24-32:
Jesus disse aos discípulos: "No tempo que passa há momentos em que, suportando sofrimentos, muitos experimentam o poder de Deus. Eu lhes digo: aprendam algo da lição da figueira. Quando nela aparecem galhos tenros e brotam folhas, vocês deduzem que o tempo do verão está chegando. Do mesmo modo, ao constatarem que coisas marcantes estão acontecendo, lembrem-se da presença de Deus na realidade. Eu lhes asseguro, isto acontece em todas as gerações. Os fatos de cada dia, de cada época, passam rapidamente, porém esta verdade se impõe sempre. Quanto ao modo pelo qual Deus se faz presente e impõe o objetivo da história, isso ninguém pode avaliar. Cuidado para não perderem tempo em divagações inúteis ou prejudiciais. O importante é valorizar o peso de cada momento". PALAVRAS DE SALVAÇÃO!

HOMILIA - CREIO


VIVÊNCIA CRISTÃ

Cremos em Deus -

irradiamos o Mistério.

Cremos em Jesus -



acolhemos o testemunho.

Cremos no Espírito Santo -



valorizamos relações.

Cremos na História –



construímos a paz.

Cremos na Igreja –



vivemos como irmãos.

Cremos na Ressurreição -



festejamos para sempre.

Oremos. Deus-Presença, agraciados por vossa bênção, encontramos alegria na prática do bem. Sejamos fiéis aos dons que nos concedeis. Abençoado seja nosso tempo. Por Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém.


(4) OFERTÓRIO
Oremos. Oferta da Igreja: a caminhada da humanidade. Afazeres na família, jocosidade de crianças, generosidade dos que lutam. Mostremo-nos filhos vossos em uma convivência respeitosa. Por Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém.

(5) LOUVOR
O Senhor esteja convosco... Corações ao alto... Demos graças... Deus-Amor, enquanto o tempo passa, vossa presença valoriza o que somos e fazemos. Sentimo-nos felizes. Superamos prepotência e submissão. O Pai nos concede sabedoria. Sua presença entre nós é a de um grande amigo. Reconhecemo-nos abençoados. Confiantes, a Deus pertencemos. O Filho nos confraterniza. Em famílias e comunidades, o Reinado de Deus se impõe. Reconhecemo-nos inspirados. A sensibilidade faz ouvir apelos. O Espírito nos conduz e construímos relações fraternas. O Reino de Deus acontece. Integrar fé à vida, é fazer Deus presente. O tempo se faz eternidade. Agradecidos, nos unimos a todos no céu e na terra e proclamamos a uma só voz: SANTO,...
(6) ORAÇÃO EUCARÍSTICA (N.2)
Santo sois, ó Deus, fonte de todo bem. Ao santificar todos aqui presentes e estas oferendas, nos envolveis por vossa sabedoria, a fim de que celebremos a doação de Cristo Jesus. Abençoai nossa oferenda.
Estando para ser entregue e abraçando a paixão, Jesus tomou o pão,

deu graças,... o partiu e deu a seus discípulos, dizendo:

TOMAI E COMEI: ISTO É MEU CORPO

(- minha vida prolongada nos que servem -)

ENTREGUE, DOADO POR VÓS.

Ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças e o ofereceu, dizendo:

TOMAI E BEBEI: ESTE É O CÁLICE DE MEU SANGUE

(- doação de todos que se inspiram em mim - )

SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA, DERRAMADO POR TODOS EM REMISSÃO DE PECADOS.

Fazei isto em memória de mim.

Toda vez que comemos deste pão e bebemos deste cálice, anunciamos vossa morte e celebramos vossa presença entre nós.

Ao celebrar a memória da morte e da ressurreição de Jesus, vos oferecemos, ó Pai, o pão da vida e o cálice da bênção. Dispomo-nos a gestos de “lava-pés”, na prática de fiel fraternidade. Agradecemos por nos tornar dignos de estar na vossa presença e de vos poder servir. Recebei nossa oferta! E pedimos que, participando da doação de Jesus, sejamos reunidos por seu Espírito na unidade da fé. Um só corpo, um só espírito. Amais vossa Igreja presente no mundo todo: cresça ela em amor fraterno - nós todos, o papa Francisco, os bispos e todos que prestam serviços em famílias, comunidades e instituições. Testemunhemos vosso amor. (INTENÇÕES) Reconhecemos nossos irmãos e irmãs, que morreram na esperança da ressurreição - com todos que partiram desta vida - na luz de vossa presença. Sejamos filhos e irmãos. O amor de compaixão nos envolva para que participemos da vida eterna com Maria e José, com apóstolos e santos e com todos que vos servem e serviram, a fim de vos louvar e glorificar por Cristo Jesus. A nós todos concedei o convívio dos santificados.

POR CRISTO, COM CRISTO E EM CRISTO, A VÓS, DEUS-AMOR,

NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO, TODA A HONRA E TODA A GLÓRIA,

AGORA E PARA SEMPRE. AMÉM.

(Introdução ao PAI NOSSO)


Livres de males, ó Pai, desfrutemos de vossa paz. Fortalecidos por vossa compaixão, sejamos livres do pecado e protegidos em perigos, enquanto, vivendo a esperança, celebramos a presença de Cristo Salvador. Vosso é o reino, o poder e a glória para sempre! Senhor Jesus Cristo, dissestes a vossos apóstolos: eu vos deixo a paz, eu vos dou minha paz! Não olhais nossos pecados, mas a fé que anima vossa Igreja. Vivamos na paz da unidade. Vós que sois Deus, com o Pai e o Espírito Santo. AMÉM. A paz de nosso Deus esteja sempre convosco. O amor de Cristo nos congrega na unidade.
(7) Rito da comunhão - ORAÇÃO FINAL
Seja a presença de Deus em nossa união a riqueza maior. Em serviços, generosa disponibilidade. Oremos. Seja esta a bênção para todos: viver confiantes e com alegria. É nosso compromisso - em nome do Pai... Amém. Assim acolheremos Deus. Abençoados, viveremos em paz. Mãos à obra. Nossa presença faz a diferença. Hoje e sempre. Contem conosco. Até breve.
NATUREZA E HISTÓRIA FALAM POR SINAIS
O que, hoje, nos é comunicado por mensagens bíblicas, não é algo que diz respeito ao fim último da História. Esse provavelmente nem acontecerá. A alusão ao fim diz respeito ao que acontece a toda hora e em todos os dias de nossa vida. Trata-se de algo que se apresenta inapelavelmente e engloba, na caducidade do tempo, tudo o que realizamos neste mundo.
A linguagem é acentuadamente simbólica e está a serviço de uma mensagem eloquente que não há de passar. De fato, é algo contínuo e permanente, acontece sempre e a toda hora. Na fugacidade dos dias, está inserida a solidez do perene, assim como na fragilidade das coisas, está contida a densidade da graça onipresente.
Jesus adverte: Aprendei da comparação com a figueira. Diante de tenros galhos e folhas novas, nossa atenção se transporta à chegada do verão. Assim é mister que nos sensibilizemos pelo Reino de Deus no meio de nós; somos educados na fé por tudo que reflete a dramaticidade da vida. Mostremo-nos receptivos ao que se relaciona com Salvação.
Tenhamos a perspicácia das crianças, enxergando até no negativo a dimensão do positivo. Seríamos menos tensos, relativizando aspectos dramáticos do conviver. Se a Bíblia, antes de tudo, é livro escrito por mãos e mentes humanas, não sejamos fundamentalistas; não tomemos ao pé da letra suas mensagens, mas atinemos ao aspecto simbólico - mensagem espiritual.
Que o brilho de uma estrela nos guie no caminho da fé, do amor e da esperança. Brilhe em nós a luz da sabedoria, graças a experiências cotidianas. A espontaneidade infantil inspire nossa oração: Pai do Céu, eu agradeço pelo dia que acabou, pelo papai e pela mamãe, pelos irmãos e coleguinhas, por vovô e vovó e também por algum pecado.

Frei Cláudio




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal