Celso sisto



Baixar 22.99 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho22.99 Kb.
CELSO SISTO

Projeto Adote 2010 – Escola Wenceslau Fontoura.
Sou um leitor voraz e um pesquisador faminto! De tudo o que diga respeito à literatura infantil e juvenil.

Os livros são o meu interesse maior... na verdade, fazer livros, ganhar leitores.

O exercício da escrita é o que me move. O poder da imagem, através da ilustração é também minha paixão...

É esse diálogo entre texto e imagem que eu quero entender cada vez mais e fazer melhor, cada vez mais.”

Uma rápida biografia:

Celso Sisto nasceu em 1961, no Rio de Janeiro, mas atualmente reside numa praia chamada Cidreira, no litoral norte do Rio Grande do Sul. Um lugar especial, onde ele está cercado de mar, plantas, bichos, livros e tintas. Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), cursa atualmente o Doutorado na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), onde está desenvolvendo uma tese sobre os contos populares africanos na literatura infantil brasileira.

Celso está envolvido de todas as formas possíveis com a arte, principalmente a literatura. Além de escritor é ilustrador, contador de histórias, ator e crítico de literatura infantil e juvenil. Na própria PUC-RS ele desenvolve um trabalho especial no CELIN (Centro de Referência para a Linguagem), junto com a professora Maria Tereza Amoedo.

Celso tem viajado pelo Brasil e outros países, coordenando oficinas e cursos de narração oral, teatro e leitura, e literatura, bem como fazendo conferências acerca destes temas, principalmente sobre a arte de narrar contos. Nos últimos cinco anos tem participado da Feira do Livro de Porto Alegre, nos espaços “O Autor no Palco”, “Vitrine da Leitura”, “Um dedo de prosa” e “Adote um Escritor”.

O autor também assinou a coluna de crítica literária Entrelinhas, na revista virtual Doce de Letra, a coluna Palavra por palavra, no Jornal de Gramado, bem como uma série de artigos e ensaios sobre leitura, literatura e a arte de contar histórias, publicados em revistas, jornais e cadernos universitários, no Brasil e no exterior. Atualmente assina as colunas de crítica literária: ”Lugar na Prateleira” e “Leitores de futuro”, na Revista Rainha dos Apóstolos; ”Com a boca cheia de livros”,  no Portal Cultura Infância e outra coluna sobre literatura infantil e juvenil no site Artistas Gaúchos.

Recebeu os prêmios de autor revelação do ano de 1994, com o livro Ver-de-ver-meu-pai, Editora Nova Fronteira, e de Ilustrador Revelação do ano de 1999, com o livro Francisco Gabiroba Tabajara Tupã, da editora EDC, ambos concedidos pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Vários dos seus livros também receberam o selo Altamente Recomendável, desta mesma Fundação.



Algumas obras do autor:

- Ver-de-ver-meu-pai (Nova Fronteira, 1994)


- Assim é fogo (Ed. Nova Fronteira, 1995)
- Beijo de sol (Ediouro, 1995)
- Mas eu não sou lobisomen (Ed. Le, 1996)
- O dono da voz (Ed. Dimensão, 1997)
- Porque na casa não tinha chão (Ed. Dimensão, 1997)
- O pequeno cantador (Ed. Dimensão, 1997)
- Quase que nem em flor (Ed. Dimensão, 1997)
- Enquanto eles dormem (Ed. Dimensão, 1997)
- O encantador de serpentes (Ed. Dimensão, 1997)
Amor meu grande amor (Módulo, 1998)
- Anjo de papel (Módulo, 1998)
- Francisco Gabiroba Tabajara Tupã (EDC, 1999)
- Vó que faz poema (Santa Clara, 2000)
- Textos e pretextos sobre a arte de contar histórias (Argos, 2001)
- Emburrado! (Paulus, 2005)
- O cocô do cavalo bandido (Ed. Ws, 2005)
- Eles que não se amavam (Nova Fronteira, 2005)
- Ora, pitombas! (WS Editor, 2005)
- Angelina (Larousse, 2006)
- Ururau, praga e pica-pau (Scipione, 2006)
- Lebre que é lebre não mia (Larousse, 2007)
- Mãe África (Paulus, 2007)
- O cavaleiro andante (Paulus, 2007)
- Cruz-credo (Larousse, 2008)
- Histórias das terras daqui e de lá, com Liliana Cinetto (Ed. Zeus, 2008)
- O vestido (Editora Zit, 2009)
- Mundaréu (Paulus, 2009)
- Rebeca e sua rabeca (Salesiana, 2009)
- O casamento da princesa (Ed. Prumo, 2009)

Sites:


- site do autor: http://www.celsosisto.com/

- blog do autor: http://celsosisto.blogspot.com/ e http://ceudebelerofonte.blogspot.com/



ALGUMAS SINOPSES DE LIVROS JÁ DISPONÍVEIS NA NOSSA BIBLIOTECA

Eles que não se amavam

Havia um abismo entre Alberto e Bernardo. Na verdade, eles se odiavam. Tudo que um gostava o outro não gostava. Quem era amigo de um não podia ser amigo do outro. Quem gostava de um não podia nem pensar em gostar do outro. O mesmo acontecia com suas famílias. Seus pais se odiavam. Os meninos não podiam nem se cruzar. E por não gostarem de um, aprenderam a não gostar de muitos, por nada e sem motivo. Será que, se eles tentassem descobrir uma maneira de se suportar, as coisas não teriam sido diferentes?


De forma suave, com belas ilustrações de André Neves, Celso Sisto conta a história dos garotos que, sem nenhuma razão aparente, se odiavam. O tema cai como uma luva para os dias atuais, repletos de intolerância, preconceito e violência.

Emburrado!

Hora de dormir, hora de acordar, ficar de castigo, levar broncas e mais broncas, ter que tomar mil e um banhos, não sair de casa com chuva, acordar no meio de pesadelos e de terríveis assombrações, além de ter febre de ir ao médico. Estes são alguns dos problemas infantis. Emburrado!, de Celso Sisto trata estes e outros assuntos em forma de poesia, utilizando-se de ilustrações super coloridas de Suppa.


Acha que a poesia é uma complicação para o entendimento das crianças? Talvez tenha que mudar seu pensamento, pois a poesia de Celso Sisto é mais uma canção em poesia. Não entendeu? É praticamente, uma poesia musicada e totalmente atrativa para o público infantil. Um exemplo é Fiquei de castigo: "Não sei por que estou aqui, / trancado nesse quarto! / Eu só deixei a geladeira aberta, / a cama sem coberta, / uma tarefa incompleta, / uma mentirinha encoberta, / e não achei a palavra certa / pra inventar uma história esperta!".

É fogo

Toda criança enfrenta, mais cedo ou mais tarde, um terrível problema: o castigo. Seja ele leve ou pesado, justo ou injusto, toda criança já ficou de castigo pelo menos uma vez na vida. Celso Sisto procura realçar o lado cômico deste drama da infância de todos nós, através da divertida história do menino Daniel. Altamente Recomendável Para a Criança pela FNLIJ. Selecionado para o Projeto Cantinho de Leitura da SEE/MG.



Lebre que é lebre não mia

A África é um ‘mar de histórias’! São muitos povos, muitas culturas, muitas línguas, e claro, muitas coisas diferentes!”. Pensando nisso, Celso Sisto recupera quatro contos africanos em uma linguagem divertida e atual. Muito populares na África, as histórias reunidas aqui têm como personagem principal uma lebre ágil e esperta que sempre acaba conseguindo o que quer. Por meio dessas fábulas, o leitor se encantará com o rico universo cultural que faz da África um continente especial e múltiplo.


Celso Sisto recupera quatro contos africanos em uma linguagem divertida e atual. Muito populares na África, as histórias reunidas aqui têm como personagem principal uma lebre ágil e esperta que sempre acaba conseguindo o que quer. Por meio dessas fábulas, o leitor se encantará com o universo cultural que faz da África um continente especial e múltiplo.

Mas eu não sou lobisomem

Com este texto, o autor quer mostrar como é bom ser pequeno, para ganhar carinhos especiais da mãe, o primeiro pedaço de bolo de fubá feito pela avó e o colo do pai. Mas, como é difícil ao mesmo tempo, ser considerado grande demais, para chorar na hora de tomar injeção!



Mãe África

Uma rica coletânea de histórias africanas feita com base em ampla pesquisa, com o objetivo de ressaltar a diversidade de etnias do continente africano. O autor selecionou 29 histórias originárias de diversos lugares da África, procurando privilegiar histórias ainda não publicadas em português. Os leitores encontrarão aqui uma festa plural de cores, nomes, belezas, sabores, feitos e fantasias africanas, os quais exercem muita influência na cultura brasileira.



Mundaréu

No início era o nada. Mas lá do alto, muito além do horizonte, no reino celestial, O Grande Espírito fez descer à terra dois irmãos gêmeos que viviam no céu e mandou que, em seu nome, criassem tudo: animais, plantas, rios, flores, montanhas. Assim começa Mundaréu, que conta o surgimento do mundo e da vida, inspirado em uma reunião de lendas dos índios Tikuna da Amazônia. Mundaréu faz parte da coleção Mistura Brasileira e chega para incrementar ainda mais a leitura sobre a história e o folclore brasileiro, assunto que explora a curiosidade e o aprendizado do público infanto-juvenil.



O casamento da princesa

Conto popular da África Ocidental recontado pelo autor. O casamento da princesa é uma história repleta de simbologia e significados. Abena é uma princesa africana disputada por seus pretendentes: o Fogo e a Chuva. Ambos terão de passar por uma prova de resistência para conseguir a mão da filha do Rei.



O Cavaleiro Andante

Cavaleiro andante é um livro de imagens de Celso Sisto, apropriado para desenvolver a imaginação e a criatividade das crianças que se tornam autoras e ajudam a construir a história.


O Cheiro da Lembrança

Aromas comuns da nossa infância vêm à tona, evocados pelo passado, fazendo ressurgir lembranças. São pequenos poemas, para celebrar o almoço na casa da avó, o algodão doce no parque, o óleo que o avô usava nos cabelos, as sessões de curativos depois dos acidentes nas brincadeiras de rua, os doces de goiaba preparados nos tachos, as tardes mornas balançando-se nas redes do tempo. Enfim, o trabalho da memória traz perfumes especiais aos 36 poemas do livro.



O vestido

Ludmila volta a casa da avó depois de um certo tempo e vai percorrendo os lugares onde ela e a avó foram felizes. Naquele dia as tias e sua mãe vão fazer a partilha dos bens da avó. Ao lembrar-se do antigo vestido de noiva, a menina, num ímpeto provocado pela saudade, veste a roupa e implora para si a única coisa da avó que ela realmente queria algo para aprender a suportar a ausência.



Pedro, meu bom Pedro

Pedro, amigo inseparável de Jesus, constantemente o acompanha em suas andanças pelo mundo. Com seu jeito carismático, questionador e, talvez, um pouco turrão, Pedro sempre acaba aprendendo com seu sábio companheiro. O discípulo é sempre lembrado como o porteiro do Céu e também é cultuado como protetor dos pescadores. A chegada da chuva também é atribuída a ele. Foi utilizando-se das inúmeras facetas do carismático Pedro que o autor nos reconta 12 histórias, divididas em três partes; a primeira com histórias que tratam das andanças de Pedro pelo mundo; a segunda com histórias de Pedro guardando a porta do Céu; e a terceira com histórias de Pedro atendendo a pedidos.



Rebeca e sua rabeca

O livro é a história de uma perda e uma conquista. Rebeca, de tanto assistir o avô construir e tocar rabecas aprende os segredos da música tirada deste instrumento. Depois que o avô parte, é tocando o instrumento que fora dele, por horas a fio, que ela dá um jeito na sua saudade!



Tininha Cereja

Tininha Cereja era rosada, rosinha, bem vermelhinha. A tia-avó da Tininha era a Tia-Maria-Avoada-Cheia-de-Pose. As duas eram amigas, amigas de brincadeiras e de palavras. E tinham lá um jeito especial de falar, com umas expressões engraçadas, que enchiam as duas de riso e divertimento! Brincadeira de desenrolar fala embolada, conhece? É preciso saber costurar palavras saborosas com recheio de risos saltadores! Essa é a receita da importância! De uma tornar-se verdadeiramente importante para a outra! Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, de perto ou de longe. Quer provar?



Ururau, praga e pica-pau

O livro é formado por três contos: "Ururau" conta a história de Amadeu, que sumiu na curva do rio, onde vive o Ururau, depois de desafiar o pai de sua amada.


"Praga de mãe" fala do cruel Onofre, que não tinha piedade nem mesmo da própria mãe. Por desrespeitar a pobre velha, sofre as conseqüências da terrível praga que ela lhe lança.
No último conto, "A folha da sorte", a pobre Marianinha, cansada de só comer pé-de-galinha, um dia encontra um pica-pau, considerado pássaro da sorte, e deseja que ele mude sua vida.

Ver-de-ver-meu-pai

Um menino mostra, com o amor a seu pai, que a proteção ao homem também deve estar presente nas questões sobre a preservação da natureza. Prêmio de Autor Revelação da FNLIJ. Selecionado para o programa Cantinho da Leitura da SEE/MG e Salas de Leitura da FNDE.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal