Centro brasileiro de documentação e estudos da bacia do prata cedep/ ufrgs cronologia do mercosul



Baixar 269.08 Kb.
Página4/5
Encontro29.07.2016
Tamanho269.08 Kb.
1   2   3   4   5

30/7/1995

Os ministros da Educação da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai firmam, em Assunção, um acordo para equiparação de títulos de nível médio técnico realizados na região. Também é assinado um protocolo que possibilitará o reconhecimento de títulos universitários para o prosseguimento de estudos de pós-graduação em universidades do Mercosul e o reconhecimento de títulos de pós-graduação.


30/7/1995

Os ministros da Educação da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai assinam em Assunção um acordo para a equiparação de títulos de nível médio técnico realizados em países da região. Também é assinado um protocolo que possibilitará o reconhecimento de títulos universitários para o prosseguimento de estudos de pós-graduação em universidades do Mercosul e o reconhecimento de títulos de pós-graduação.



4/8/1995

A Comissão Parlamentar Conjunta do Mercosul, reunida em Assunção (Paraguai) pela primeira vez após o encontro de Ouro Preto, promove a revisão do regulamento interno, ajustando-o à nova realidade do processo de integração. São criadas oito subcomissões setoriais no âmbito da Comissão.


5/8/1995

Adotado na 8ª Reunião do Conselho do Mercado Comum o Protocolo de Harmonização de Normas sobre Propriedade Industrial no Mercosul em Matéria de Marcas, Indicações de Procedência e Denominações de Origem (Decisão n.º 8/95). O protocolo fará parte do Tratado de Assunção e entra em vigor 30 dias após a ratificação dos Congressos nacionais de dois países. Para os demais, mesmo que não ratificado pelos poderes legislativos respectivos, o protocolo entrará em vigência 30 dias após o depósito protocolizado na Associação Latio-americana de Integração (Aladi).

O Conselho do Mercado Comum aprova a nova estrutura para os subgrupos de trabalho do Grupo Mercado Comum. Além das reuniões ministeriais já existentes, cria-se a Reunião de Ministros da Saúde.

Os presidentes dos países do Mercosul decidem iniciar, formalmente, as negociações com a União Européia para a concretização de um acordo inter-regional.

O Grupo Mercado Comum aprova a criação de um mecanismo de exceção para a importação de insumos e matérias-primas de terceiros mercados, com alíquotas mais baixas às definidas pela Tarifa Externa Comum, quando a Comissão de Comércio constatar problema de abastecimento interno sem solução no âmbito do bloco. A medida terá validade até abril de 1996 e será de 50 produtos o limite de importação.

Representantes de seis centrais sindicais da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai entregam documento aos presidentes dos países-membros do Mercosul pedindo urgência no processo de constituição do Foro Consultivo Econômico-Social, criado pelo Protocolo de Ouro Preto, e que dará voz aos empresários e trabalhadores no processo de negociação do bloco.


21/8/1995

Ministros de Comércio dos países integrantes do Grupo Andino, Mercosul e do Chile reúnem-se no Rio de Janeiro (Brasil) para analisar o processo de integração da América do Sul, destacando a participação do setor privado nesse processo.


28/8/1995

O Grupo Mercado Comum, em reunião extraordinária realizada em Montevidéu (Uruguai), adota posição em face das negociações para a formação da Área Hemisférica de Livre Comércio (Alca), aprovada por 34 países na reunião ministerial de Denver, ocorrida em julho. Cada um dos quatro membros do Mercosul compromete-se a enviar representantes para as discussões dos sete grupos de trabalho criados e que iniciam as suas atividades em setembro.


18/9/1995

O ministro de Planejamento do Chile, Luis Maira, declara que a integração de seu país ao Mercosul é prioritária. A manifestação reverte o discurso do governo Frei, favorável à integração do país ao Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta).


29/9/1995

Representantes da União Européia e do Mercosul concluem a redação de um acordo que estabelece as bases para a criação de uma zona de livre comércio entre os dois blocos regionais. A assinatura do documento pelos governantes dos países cooperantes é marcada para 15 de dezembro.


18/10/1995

O Congresso argentino aprova lei que permite ao governo reduzir a alíquota do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) aos bens de capital importados com o objetivo compensar o aumento dos impostos aduaneiros para aquele tipo de produtos decorrente dos acordos do Merco­sul­.


25/10/1995

Aproximadamente 250 prefeitos de municípios da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai participam do 1º Simpósio Internacional dos Municípios do Mercosul, em Mar del Plata (Argentina), com o objetivo de debater os impactos do processo de integração na situação dos municípios.


26/10/1995

O governo brasileiro decide manter em 70% a alíquota de importação de carros a partir de janeiro, contrariando o acordo vigente com os demais membros do Mercosul, que estabelecia uma aliquota de 62%. As cotas de importação estão proibidas pela Organização Mundial de Comércio, mas são mantidos os incentivos e a vinculação entre a performance das exportações e das importações. É estabelecida em 2% a alíquota de importação de insumos e matérias-primas.


11/11/1995

Prefeitos de cidades da Argentina, Brasil e Uruguai fundam, em Assunção (Paraguai), a Rede de Cidades do Mercosul (Mercocidades), para intercâmbios entre as áreas econômica, social e cultural.


15/11/1995

Os congressos da Argentina, Uruguai e Paraguai ratificam o Protocolo de Ouro Preto, incorporando, às suas respectivas legislações, a nova estrutura do Mercosul. O cumprimento dessa determinação legal pelos três países possibilita ao Mercosul capacitar-se a assinar o acordo inter-regional de cooperação com a União Européia.


16/11/1995

Os países do Mercosul prorrogam, até dezembro de 1996, as preferências tarifárias negociadas bilateralmente com os demais países da Associação Latino-americana de Integração. As preferências foram prorrogadas duas vezes porque o Mercosul e os demais países da Aladi não conseguiram renegociá-las de forma multilateral.


1/12/1995

Empresários do setor exportador da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai formalizam a criação do Conselho do Comércio Exterior do Mercosul, para ser o interlocutor do setor privado com os organismos do Mercado Comum do Sul. Formam o Mercoex , a Associação Brasileira de Comércio Exterior (AEB), a Câmara de Exportadores da Argentina (Cera), a União de Exportadores do Uruguai e a União dos Importadores do Paraguai.


6/12/1995

Dois acordos que beneficiam a zona de fronteira brasileiro-uruguaia são assinados em Punta del Este (Uruguai). Um deles cria os comitês de fronteira de Jaguarão (Brasil)-Aceguá (Uruguai) e de Bella Unión (Uruguai)-Quaraí (Brasil). Outro acordo autoriza tratamento de saúde aos cidadãos de ambos os países, indistintamente, nos estabelecimentos de saúde localizados naqueles municípios.

A 9ª Reunião do Conselho de Ministros das Relações Exteriores dos 11 países que integram a Associação Latino-americana de Integração aprova a proposta de participação da Aladi no comitê de formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), já integrado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento, a Organização dos Estados Americanos e a Comissão Econômica para América Latina e Caribe.
7/12/1995

A Bolívia, até 30/6/1996, deverá subscrever um acordo para a formação de uma área de livre comércio com os países do Mercosul. Declaração nesse sentido é emitida pelos representantes dos cinco países, em Punta del Este (Uruguai), destacando a importância desse acordo, o primeiro concluído pelo Mercosul como uma união aduaneira com um país da Aladi, no formato 4+1.

A 9ª Reunião do Conselho do Mercado Comum, realizada em Punta del Este (Uruguai), aprova o Mandato de Assunção para a Consolidação do Mercado Comum (Decisão n.º 6/95). Elaborado pelo Grupo Mercado Comum, o documento é um programa de ação que orientará as negociações levadas a efeito até o ano 2000, com o objetivo de consolidar a união aduaneira e a inserção internacional do Mercosul.
15/12/1995

Entra em vigor o Protocolo de Ouro Preto, ratificado por Argentina, Paraguai e Uruguai.

É assinado, em Madri (Espanha), o Acordo Inter-regional de Cooperação entre o Mercosul e a União Européia.
18/12/1995

O Decreto Legislativo n.º 188, do Congresso brasileiro, datado de 17/12/1995, aprovando o texto do Protocolo de Ouro Preto, é publicado no Diário Oficial.


1/1/96

O Presidente da Argentina, Carlos Saúl Menem, sucede o Uruguai na presidência pro-tempore do Mercosul.


22/1/1996

Decidida a Constituição do Foro Consultivo Econômico e Social do Mercosul, que reunirá representantes de entidades civis para discutir e encaminhar sugestões, sobre temas específicos, ao Grupo Mercado Comum (GMC), órgão executivo do Mercosul. Participam do Foro: as Confederações Nacionais do Comércio (CNC), da Indústria (CNI) e da Agricultura (CNA), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Central Geral dos Trabalhadores (CGT) e a Força Sindical, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), as Associações Brasileiras da Indústria Química (Abiquim), da Indústria de Máquinas (Abimaq) e da Indústria Eletrônica (Abinee).


4/2/1996

Assinada a Ata de Canela durante a primeira reunião dos Ministros da Cultura do Mercosul, realizada em Canela (Brasil/RS), que prevê o aprofundamento das relações culturais, a criação do Selo Mercosul Cultural, a realização de cursos para administradores culturais e o desenvolvimento de redes regionais informatizadas integradas ao Sistema de Informação Cultural da América Latina e Caribe.


6/2/1996

O Ministério da Fazenda do Brasil divulga nova lista de exceções à Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul. Segundo o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Luís Paulo Velloso Lucas, as inclusões visam evitar importações indesejadas, reduzem o número de produtos incluídos de 111 para 68 e protegem os setores têxtil, vinícola, e derivados do leite.


27/3/1996

Instalada, pelo chanceler Luís Felipe Lampreia, a seção brasileira do Foro Consultivo Econômico e Social do Mercosul.


9/4/1996

Os presidentes da Argentina, Carlos Menem, e do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, assinam, em Buenos Aires, acordos de cooperação nas áreas de Ciência e Tecnologia, Cultura, Integração Física, Energia, Cooperação Técnica, Meio Ambiente e Aplicação Pacífica de Ciência e Tecnologia Espaciais.


10/5/1996

Entra legalmente em vigor, no Brasil, o Protocolo de Ouro Preto (12/1994), que dá personalidade jurídica ao Mercosul.


31/5/1996

Constituído o Foro Consultivo Econômico Social do Mercosul na sua Iª Reunião Ordinária em Buenos Aires, com as Seções nacionais da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai e é aprovado o seu Regimento Interno.


11/6/1996

Realizada a primeira reunião da Comissão Mista Mercosul-União Européia, dando continuidade ao Acordo Marco de Cooperação assinado entre as partes em 15/12/1995.


25/6/1996

Assinados, por ocasião da X Reunião do Conselho do Mercado Comum, realizada em San Luís (Argentina), o acordo de adesão do Chile ao Mercosul e o pré-acordo de adesão da Bolívia.

Aprovada, durante a X Reunião do Conselho Mercado Comum (CMC), a “cláusula democrática” que deverá figurar nos acordos firmados pelo Mercosul com terceiros países. Os presidentes dos países-partes do Mercosul reiteraram a adesão do bloco à democracia representativa e previram procedimentos para fazer face a eventuais desvios do exercício democrático.
1/7/1996

O Presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, substitui o da Argentina na presidência pro-tempore do Mercosul.


12-18/8/1996

Criado Selo Mercosul Cultural, que permite aos artistas e gestores culturais desembaraçarem com maior facilidade nas aduanas instrumentos e equipamentos.


14/8/1996

Acordo de adesão do Chile ao Mercosul é aprovado pela Câmara de Deputados chilena, entrando em vigor no dia 1º de outubro do corrente ano.


26/8 - 1/9/1996

Decisão tomada durante Reunião de Ministros da Justiça do Mercosul, realizada em Brasília, assegura, a partir de 1997, que os cidadãos do Mercosul que estiverem cumprindo pena em algum país do bloco, que não o seu, poderão completá-las em seus próprios países, respeitadas as penas e condições em que ocorreu a condenação. Na ocasião, foi acertada, também, a assessoria jurídica gratuita para os cidadãos dos quatro países.


21/9/1996

Ministros das Cortes de Justiça da Argentina, Paraguai, Uruguai e Chile aprovam a criação de um tribunal, com sede permanente em Assunção (Paraguai), para resolver controvérsias no âmbito do Mercosul.


22/11/1996

Assinado, em Santa Maria (Brasil/RS), acordo relativo ao trabalho coordenado das forças policiais dentro das fronteiras do Mercosul, visando facilitar o controle do narcotráfico e do contrabando de armas e mercadorias.


16-17/12/1996

Por ocasião da XI Reunião do Conselho do Mercado Comum, realizada em Fortaleza (Brasil), foi assinado acordo estabelecendo que a sede da Secretaria Administrativa do Mercosul será Montevidéu, tendo sido nomeado Secretário Administrativo do Mercosul, o uruguaio Jorge Enrique Fenández Reyes e aprovado o logotipo do Mercosul.


1/1/1997

O Presidente do Paraguai, Juan Carlos Wasmosy, substitui o do Brasil na presidência pró-tempore do Mercosul.


11/2/1997

Os presidentes da Argentina, Carlos Menem, do Paraguai, Juan Wasmosy e do Uruguai, Julio Sanguinetti, inauguram, perante seus pares do Brasil e da Bolívia, as obras da hidrovia Paraguai-Paraná, anunciando, em Buenos Aires, a dragagem de 2.300 quilômetros da mesma.


26 - 28/2/1997

Realiza-se em Recife (Brasil) a segunda reunião de vice-ministros dos 34 países americanos que integrarão a Área de Livre Comércio das Américas (Alca). A reunião esteve organizada em onze grupos de trabalho: acesso a mercado, procedimentos aduaneiros e regras de origem, investimentos, standards e barreiras técnicas ao comércio, medidas sanitárias e fitossanitárias, subsídios, economias menores, compras governamentais, propriedade intelectual, serviços e política de competição.


25/3/1997

O governo brasileiro decreta a Medida Provisória 1.569, eliminando os financiamentos externos às importações de até 180 dias, com o objetivo de equilibrar a balança comercial, através da redução induzida das importações.


28/3/1997

Os países-partes do Mercosul criticam o Brasil pela Medida Provisória 1.569. O ministro da Economia da Argentina, Roque Fernández, adia sua vinda ao Brasil e declara que não discorda da Medida, nem a considera discriminatória; esperava, apenas, ter sido avisado com antecedência sobre sua decretação. O ministro da Economia do Uruguai, Luis Mosca, avaliou que a Medida brasileira afeta mais da metade das exportações uruguaias, especialmente os setores têxtil e de confecções. Diante das reações, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Luiz Felipe Lampreia, admitiu que poderão ser estabelecidas exceções aos países do Mercosul.


3/4/1997

O ministro da Fazenda do Brasil, Pedro Malan, anuncia mudanças na Medida Provisória 1569, permitindo um tratamento especial para os países signatários do Tratado de Assunção, no que concerne ao financiamento das importações, objeto da referida Medida. Na prática, isso significa que as importações de valor inferior a US$ 40 mil poderão ser feitas sem restrições. O Uruguai poderá beneficiar-se dessas mudanças quando aderir ao acordo firmado pelos demais países do bloco, junto à Aladi, tratando das possíveis soluções de controvérsias sobre pagamentos e operações de comércio exterior. Em contrapartida, o Chile e a Bolívia foram beneficiados com as mudanças, apesar de serem sócios parciais do Mercosul.


27/4/1997

Argentina e Brasil assinam acordo fazendo concessões mútuas em diversas áreas sensíveis. As concessões brasileiras concentram-se nas áreas automobilística e de lubrificantes. O Brasil amplia a entrada de veículos provenientes da Argentina, sem cumprir as exigências do acordo automotivo existente entre os dois países: a cada dois veículos argentinos exportados para o Brasil, apenas um brasileiro poderá ingressar naquele mercado. Além disso, o Brasil se compromete a aceitar as guias de importação de lubrificantes argentinos feitas com 24 horas de antecedência. As concessões argentinas consistem na eliminação da tarifa de importação do café solúvel brasileiro, na redução de 15% para 8% da tarifa de exportação de couro para o Brasil, no aumento da cota de importação de pneus e na eliminação da exigência de um selo bordado para os produtos têxteis importados do Brasil. Além disso, serão encaminhadas negociações sobre a importação de vinho e de medicamentos, que dependem da aprovação do Congresso brasileiro. Quanto ao açúcar, o governo argentino mantém a proteção para o setor.


13-16/5/1997

Realiza-se, em Belo Horizonte (Brasil), o Terceiro Encontro das Américas, reunindo os ministros da área econômica e de comércio dos 34 países americanos que deverão compor a Alca. Dos trabalhos desenvolvidos em grupos especializados, deverá resultar documento a ser encaminhado à reunião a ser realizada na Costa Rica, em fevereiro de 1998.


13-16/5/1997

Acontece, paralelamente ao Terceiro Encontro das Américas, o III Foro Empresarial das Américas reunindo 1,9 mil empresários dos países que participam das negociações da Alca.


13-16/5/1997

Sindicalistas participantes do Foro Sindical dos Trabalhadores das Américas, reunidos durante o Terceiro Encontro das Américas, em Belo Horizonte, elaboram documento com as reivindicações sociais a serem contempladas na formação da Alca: combate ao trabalho infantil, ao trabalho escravo e à discriminação racial, direito de organização sindical e de organização coletiva dos trabalhadores.


15/5/1997

Durante o III Foro Empresarial das Américas, a União Industrial Argentina (UIA) e a Federação das Indústrias de São Paulo (FIESP) decidem criar um foro empresarial permanente dentro do Mercosul.


30/5/1997

Realizada a primeira Reunião de Ministros do Interior do Mercosul, em Assunção (Paraguai), da qual participou, também, o ministro chileno.


9/6/1997

A Secretaria Administrativa do Mercosul (Sam) passa a ocupar nova sede, em Montevidéu, compartida com a Comissão Interparlamentar do Mercosul e o Foro Consultivo Econômico e Social do Mercosul.


16-17/6/1997

Realiza-se a 26ª Reunião Ordinária do Grupo Mercado Comum, em Assunção (Paraguai), para tratar temas relacionados às áreas de previdência social, sistema financeiro e serviços.


19/6/1997

Universidades particulares argentinas e brasileiras constituem o Núcleo de Pós-Graduação Supranacional do Mercosul, sendo o Brasil representado pela Associação Nacional das Universidades Particulares (ANUP), que reúne 67 universidades, e a Argentina, pela Fundación Etcheverry de Investigación y Estudios Internacionales (FEIE),que congrega 15 universidades.


01/07/1997

O Presidente do Uruguai, Julio Maria Sanguinetti, substitui o do Paraguai na presidência pro-tempore do Mercosul.


25/7/1997

A assinatura da Declaração do Pantanal, pelos presidentes boliviano, Gonzalo Sánchez de Lozada e o brasileiro, Fernando Henrique Cardoso, em Puerto Suárez (Bolívia), dá início às obras do gasoduto binacional.


7/8/1997

Inaugurado o primeiro gasoduto argentino-chileno, que atravessa a Cordilheira dos Andes.



27/8/1997

Estados Unidos desembargam a venda de armas para a América Latina e elegem a Argentina como aliado especial extra-Otan. Tal fato e a disputa do Brasil e da Argentina por uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU, reaviva as disputas entre os dois países pela liderança regional. Além disso, o Chile reage ao privilégio concedido à Argentina, que possibilita àquele país a compra de armas em condições mais favoráveis.


3/9/1997

Senado argentino derruba o veto presidencial que impede a elevação das alíquotas de importação do açúcar brasileiro. Com isso, as compras do produto ficam sujeitas às mesmas taxações incidentes sobre as compras de fora do bloco, o que significa algo em torno de 21%. Usineiros argentinos argumentam que a medida contrabalança o subsídio brasileiro ao setor sucroalcooleiro.


6/9/1997

A Câmara de Deputados do Brasil ameaça proibir a entrada de trigo argentino no Brasil em retaliação à medida argentina que elevou a alíquota de importação do açúcar.


14/10/1997

Os exércitos da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai realizam, em Rosário do Sul (Brasil/RS), o primeiro exercício conjunto no âmbito da chamada Operação Cruzeiro do Sul. Em 1996, a operação foi realizada por militares argentinos e brasileiros no campo militar de General Avalos (Corrientes Argentina), tendo Uruguai e Paraguai como observadores.


30/10/1997

Em reunião dos Ministros da Saúde do Mercosul, realizada em Montevidéu (Uruguai), foram criadas comissões especiais voltadas à implementação de medidas regionais de combate e prevenção de emergências e catástrofes.


10-11/11/1997

Em visita ao Brasil, o presidente argentino, Carlos Menem, declara o apoio de seu governo ao plano de ajuste econômico do Brasil, sobre o qual vinha sendo informado. Segundo o Presidente Menem, as medidas tomadas fortalecem o Mercosul e protegem as moedas dos países signatários. Em declaração conjunta, os presidentes externam a prioridade acordada por ambos ao Mercosul e reafirmam seu engajamento na construção da Alca.

Documentos assinados na ocasião: memorando de entendimento sobre cooperação consular, criando a Comissão de Cooperação Consular Brasil-Argentina que, reunindo-se uma vez por ano, coordenará as atividades consulares dos dois países; acordo para a criação da Comissão de Cooperação e Desenvolvimento Fronteiriço que proporá ações para o desenvolvimento integrado da fronteira, devendo priorizar as áreas sociais; acordo para a criação do Centro Único de Fronteira São Borja - São Tomé, com vistas a facilitar o fluxo de mercadorias, serviços e pessoas; acordo de integração cultural e convênio de cooperação educativa, buscando fomentar o ensino de português e espanhol e a formação de recursos humanos, entre outros.
14/11/1997

Em reunião do Mecanismo de Coordenação Macroeconômica do Mercosul, firma-se acordo sobre a elevação linear da TEC, em três pontos percentuais, com duração até o ano 2001.


24-29/11/1997

Representantes da Comissão Européia e do Mercosul reuniram-se, em Punta del Este (Uruguai), para dar continuidade aos trabalhos de exame do intercâmbio e do estabelecimento das bases metodológicas para a instauração de uma zona de livre comércio entre os dois blocos. Os trabalhos foram realizados por três grupos especializados: bens, serviços, normas e disciplinas comerciais.


29/11/1997

Criado, durante a II Reunião de Ministros do Interior e da Justiça do Mercosul realizada em Punta del Este (Urguai), o Plano Regional de Segurança Cidadã que dispõe sobre documento de identidade único e sobre a legislação penal.


9/12/1997

Inaugurada, pelos presidentes do Brasil, Fernando Henrique Cardoso e da Argentina, Carlos Menem, a Ponte da Integração, ligando São Borja (Brasil) a Santo Tomé (Argentina).


9-15/12/1997

Realiza-se, em Montevidéu, a 13ª Reunião do Mercado Comum e a Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul.


15/12/1997

A Sede Administrativa do Mercosul é inaugurada em Montevidéu, sob a denominação Edifício Mercosul.


15/12/1997

Conselho do Mercado Comum aprova Padrão Normativo de Regulamento Comum Relativo à Defesa Contra as Importações Objeto de Dumping Provenientes de Países Não-membros do Mercosul.

O Grupo Mercado Comum cria o grupo ad hoc Compras Governamentais de bens e serviços no Mercosul.

O Conselho do Mercado Comum decide aprovar o Protocolo de Montevidéu sobre Comércio de Serviços do Mercosul.

Conselho do Mercado Comum amplia a participação do Chile nos foros do Mercosul, que participará da elaboração da agenda das reuniões de cúpula e das instâncias negociadoras quando o assunto estiver relacionado com o que foi acordado no documento de associação do Chile ao Bloco.

Os países do Mercosul firmam Acordo Multilateral de Previdência Social do Mercosul, a ser ratificado pelos parlamentos e devendo entrar em vigor no primeiro dia do mês seguinte à data do depósito do último instrumento de ratificação.



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal