Centro universitário ritter dos reis



Baixar 200.48 Kb.
Página5/5
Encontro19.07.2016
Tamanho200.48 Kb.
1   2   3   4   5

Se, do ponto de vista pedagógico, aspira-se que a literatura tenha uma permanência e uma abrangência maior, a obra literária para crianças deve ser muito mais que um simples “contar histórias”. Não deve, no entanto, aprisionar a criança através da fantasia pura, dos exemplos edificantes ou da linguagem infantilóide. A Literatura Infantil deve priorizar sempre que ser criança significa indagar, refletir, questionar e, nesse aspecto, muito mais do que ensinar a uma criança “como ser”, ela deve propiciar condições de “ser”.


Afinal, o desenvolvimento de capacidades, como relacionamento interpessoal, as cognitivas, as afetivas, as motoras, as éticas, as estéticas, as de inserção social, somente torna-se possível mediante um processo de construção e reconstrução de conhecimentos. Essa aprendizagem é exercida como o aporte pessoal de cada um, o que explica por que, a partir dos mesmos saberes, há sempre lugar para a construção de uma infinidade de significados, e não a uniformidade destes.

Os conhecimentos que se transmitem e recriam na escola ganham sentido quando são produtos de uma construção dinâmica que se opera na interação constante entre o saber escolar e os demais saberes, entre o que o aluno aprende na escola e o que ele traz para a escola, num processo contínuo e permanente de aquisições, no qual interferem fatores políticos, sociais, culturais e psicológicos.

Ao concluir este estudo, é importante ressaltar que através da leitura não é só a cultura da criança que aumenta, mas a aquisição de comportamentos e regras é feita sem dramas. E, nas palavras de Perrot (1998: 53)

A criança leitora, ao mesmo tempo em que decifra os códigos sociais, vai formando a sua própria concepção de literacidade que a levará a construções mentais mais complexas e mais marcantes, do ponto de vista afetivo dos significados das regras sociais. Pode-se dizer que o próprio livro joga e vence, ganhando mais leitores por meio do faz-de-conta do jogo literário, simplesmente por meio de uma iniciação lúdica às convenções culturais e à autonomia intelectual.

E, como conclui a nossa heroína filósofa de “A Chave do Tamanho”, Emília:

“Um palacete, sim, muito maior que a casa de Dona Benta. Vai ser difícil acostumar-se ao novo tamanho das coisas; para as formiguinhas, no entanto, esse tamanho das coisas é o natural, pois foi como sempre elas o tiveram. As formigas ruivas nem podem compreender o que é uma casa. Hão de ver as casas como partes do mundo, ou coisas que sempre foram, como os morros, as pedreiras, os rios, as árvores; e por isso passeiam sem medo pelas casas, sobem e descem pelas paredes, chegam até a fazer seus buraquinhos rente às calçadas. Quando vêm sair lá de dentro uma pessoa, acham que é apenas uma imensidade móvel, como os rios ou o mar (...) Sei que estas imensidades que estou vendo não passam de verdadeiras pulgas perto de outras coisas ainda maiores, como as montanhas; e as montanhas não passam de pulgas perto de outra coisa maior, como a Terra; e a Terra é uma pulga perto do Sol; e o Sol é um espirro de pulga perto do infinito. Como sei coisas, meu Deus!





REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil. Gostosuras e Bobices. São Paulo, Editora Scipione, 1995.

AGUIAR, Vera Teixeira de. In: Posfácio da Coleção “Era uma Vez” (contos de Grimm), edição para crianças com bibliografia de apoio para professores. Porto Alegre: Kuarup, 1995.

ALMEIDA, Fernanda Lopes de. A Fada que tinha Idéias. São Paulo, Ática, 1978.

_________________ . Soprinho. São Paulo, Melhoramentos, 1978.

ANDERSEN, Christian. O Patinho Feio. In: Contos de Andersen. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1978.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Literatura infantil. In: Confissões de Minas. Rio de Janeiro, Aguilar, 1964.

ARISTÓTELES. Poética. Porto Alegre, Globo, 1966.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos Contos de Fadas. Rio de janeiro, Paz e Terra, 1978.

BROUGÉRE, Gilles. A Criança e a Cultura Lúdica. In: KISHIMOTO, T. M. (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998.

CANDIDO, Antônio. A Literatura e a Formação do Homem. In: Ciência e Cultura. São Paulo, SBPC, Setembro de 1972, Vol. 24 (9), p. 806.

CAÑEQUE, Hilda. Juego y Vida. La conducta lúdica en el niño y el adulto. Buenos Aires: El Ateneo, 1998.

CASTAGNINO, Raul H. Que és la literatura? Buenos Aires, Nova, 1966.

CHARLOT, Bernard. A mistificação pedagógica. Rio de janeiro, Zahar, 1979.

CUNHA, Maria Antonieta Antunes. Literatura Infantil – Teoria & Prática. São Paulo, Ática, 1988.

DOLTO, Françoise. As etapas decisivas da infância. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
ECO, Umberto. Sobre os espelhos e outros ensaios. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 1990.

ENSINO FUNDAMENTAL – Salto para o Futuro. Ministério da Educação. Secretaria de Educação à Distância. Brasília, 1999 (Série de Estudos –Volume 2).

FILIPOUSKI, Ana Mariza Ribeiro; ZILBERMAN, Regina. Érico Veríssimo e a Literatura Infantil. Porto Alegre, Editora da Universidade, UFRGS, 1982.

FORTUNA, Tânia Ramos. O brincar na educação infantil. Porto Alegre: UFRGS – FACE O, 2000, 6 p.


FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 1982.
HUIZINGA, J. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 1971.
ISER, Wolfgang. O Jogo. In: ROCHA, João César de Castro (Org.). Teoria da Ficção: indagações à obra de Wolfgang Iser. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1999.

JORNAL DO MEC. Órgão Oficial do Ministério da Educação. Ano XV. Nº 21. Brasília, Setembro de 2002.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura Infantil Brasileira. História & Histórias. São Paulo: Ática, 1985.

LEIF, Joseph; BRUNELLE, Lucien. O Jogo pelo Jogo. A atividade lúdica na educação de crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

LOBATO, Monteiro. As Chaves do Tamanho. Coleção Sítio do Picapau Amarelo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

OUTEIRAL, J. O. Clínica Psicanalítica de Crianças e Adolescentes. Rio de Janeiro: Revinter, 1998.


PERROT, Jean. Os ‘Livros-Vivos’ franceses: um novo paraíso cultural para nossos amiguinhos, os leitores infantis. In: KISHIMOTO, T. M. (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998.

REDIN, Euclides. Se der tempo a gente brinca. 2 ed. Coleção O Espaço e o Tempo da Criança. Porto Alegre: Mediação, 1998.

REVISTA VEJA. Edição especial. Sua criança, do nascimento até os cinco. São Paulo, Editora Abril, maio de 1998.

ROCHA, Ruth et al. Monteiro Lobato. Literatura Comentada. São Paulo: Abril Educação, 1981.

RODARI, Gianni. Gramática da Fantasia. 6 ed. São Paulo: Summus, 1982.

SANDRONI, Laura C. e MACHADO, Luiz Raul (Org.). A Criança e o Livro. São Paulo, Ática, 1991.

SILVA, Dinorá Fraga da; SOUZA, Nádia Geisa Silveira de. Interdisciplinaridade na sala de aula: uma experiência pedagógica nas 3ª e 4ª séries do Primeiro Grau. Porto Alegre, Editora da Universidade, UFRGS, 1995.

STEFANI, Rosaly. Referencial e Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs): A leitura de uma contadora de histórias. São Paulo: Paulus, 2000.

VIGOTSKY, L. S. Aprendizaje y desarrollo intelectual en la edad escolar. Revista Infancia y Aprendisaje. Barcelona, n. 27/28, p. 105-116, 1984.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

WORNICOV, Ruth et al. Criança, Leitura, Livro. São Paulo: Nobel, 1986.

ZILBERMAN, Regina e MAGALHÃES, Ligia Cademartori. Literatura Infantil: Autoritarismo e Emancipação. São Paulo, Ática, 1982.



ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 1987.

1 MONTEIRO, Jerônimo. Bumba, o boneco que quis virar gente. São Paulo: Editora do Brasil [s. d.]. Citado por ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 1987, p. 47.

2 Citado por RODARI (1982), p. 142.

3 LOBATO, Monteiro. “A Chave do Tamanho”. Rio de Janeiro: Editora Brasiliense, 1989, p. 14-15.

4 Idem, p. 21.

5 LOBATO, Monteiro. Op. Cit., p. 112.

6 LOBATO, Monteiro. Op. Cit., p. 115.

7 JESUALDO. La literatura infantil. Buenos Aires, Losada, 1963, p. 33. Apud FILIPOUSKI e ZILBERMAN, 1982, p. 77.

1   2   3   4   5


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal