Circo Social no Oeste do Paraná: a experiência dos projetos sociais de circo na microrregião de Toledo



Baixar 19.57 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho19.57 Kb.



Circo Social no Oeste do Paraná: a experiência dos projetos sociais de circo na microrregião de Toledo
Eloísa Berno Kolln (PIBIC/Fundação Araucária/Unioeste), Sílvio Antônio Colognese (Orientador), e-mail: silviocolognese@ibest.com.br
Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Centro de Ciências Humanas e Sociais/Toledo, PR.
Área e subárea: Ciências Humanas,Sociologia
Palavras-chave: circo social, instrutor circense, microrregião Toledo
Resumo
O seguinte trabalho tem como interesse o recente formato em que a arte circense vem se apresentando a partir da década de 1980: o circo social. No circo social as artes do circo são apropriadas enquanto recurso pedagógico e são oferecidas aulas das diversas modalidades circenses em projetos sociais. A prática insere-se num projeto de educação através da arte que tem por objetivo diminuir desigualdades sociais e promover a inclusão de jovens e crianças em situação de marginalidade e vulnerabilidade econômica e social. Interessa-nos levantar o número de projetos desse tipo existentes na microrregião de Toledo, abordar o processo e história de surgimento dos mesmos e como estes funcionam enquanto prática daquilo que temos por arte-educação.
Introdução
O circo, enquanto manifestação artística milenar e que esteve presente em inúmeras sociedades humanas, não pode ser compreendido hoje sem se levar em conta os movimentos históricos e transformações por que vem passando. Para este trabalho interessa a história do circo não enquanto objeto, mas a fim de entender como as formas tradicionais passaram por movimento de reestruturação, de modo que as atividades circenses hoje estão sendo usadas em outros âmbitos, com diferentes objetivos.

Falaremos inicialmente da vinda dos circenses para o Brasil e do modelo a qual a arte se estabeleceu no país: o circo-família, atendo-nos especialmente ao intrincado processo de formação do artista circense tradicional. (SILVA, 1996) Em seguida, elucida-se sobre o processo de renovação da arte circense que se deu, principalmente, com o surgimento das escolas de circo, lá pela década de 1970. A atividade circense passa por reestruturações e as artes que antes estavam restritas às famílias tradicionais migram para além do picadeiro. O circo ganha novos usos e formatos e dentre eles o assunto de nosso interesse é o circo social, que tem o propósito de educar através das artes do circo, buscando promover a inclusão, formação e transformação social direcionados principalmente às crianças e jovens em situação de risco social1.

Na microrregião de Toledo existe um número significativo de projetos sociais em que os conhecimentos circenses estão sendo aprendidos e vivenciados por centenas de crianças e adolescentes. Debruçamo-nos sobre esta realidade e contexto regional, pesquisando como se deu o surgimento e procurando explicar como se dá o funcionamento dos projetos sociais de circo.
Materiais e Métodos
A pesquisa baseou-se no levantamento e estudo de bibliografias referentes ao circo e mais especificamente o circo social. Quando já mais inteirada do assunto parti para a pesquisa de campo, realizei observação participante no Circo da Alegria, principal projeto social de circo na região, onde tive oportunidade de conversar (entrevista semi-estruturada) com o coordenador do projeto e obter as informações e contatos que precisava. Mapeado os municípios e distritos que tinham projetos sociais de circo, entrei em contato com os instrutores que dão aulas de circo nos projetos e pude realizar entrevistas com seis deles, afim de obter informações sobre a realidade e funcionamento dos projetos e também acerca do perfil e formação profissional dos instrutores circenses.
Resultados e Discussão

Meu interesse para essa pesquisa surgiu em 2012 quando, passando em frente ao Teatro Municipal de Toledo, avistei meninos e meninas em pernas de pau, outros com monociclo e alguns palhaços na porta de entrada. Li o banner sobre eles e vi que estava acontecendo uma Mostra de Circo. Fiquei curiosa, pensando se seria uma companhia circense que estava se apresentando e, como estava muito calor, decidi entrar para ver e também aproveitar o ar-condicionado do teatro. O teatro estava realmente lotado de crianças e no decorrer da tarde se deram várias apresentações circenses as mais variadas: pirâmides humanas, números aéreos, contorcionismo, acrobacias e, alternando-se entre os números, esquetes de palhaços e falas da apresentadora, pomposamente trajada. A apresentadora interagia com os palhaços e a criançada ria alto. Eu estava achando lindo e fui ficando e conforme ela chamava as apresentações percebi que eram vários grupos que estavam a se apresentar e eram de cidades arredores de Toledo.

A mostra de circo que ali acontecia estava sendo promovida pelo Circo da Alegria em parceria com a Prefeitura Municipal de Toledo, e foi por esse referencial que comecei minhas pesquisas.

O Circo da Alegria é um projeto social de circo que já tem alguma história, acontece há 23 anos em Toledo. A sede do projeto é junto à Escola Municipal Anita Garibaldi e hoje conta com um bom espaço para atender as crianças e adolescentes: um picadeiro de alvenaria, com arquibancadas e sala para guardar os materiais e figurinos e recentemente foi construído mais um espaço, uma sala de acrobacias, equipada com cama elástica e corredor acrobático. O projeto atende hoje cerca de 180 crianças, foi premiado em 2011 com o prêmio Itaú-Unicef e em março desse ano entrou para a Rede Circo do Mundo Brasil, o que nos indica a repercussão e qualidade do trabalho que vem sendo desenvolvido.

A história do projeto começou em 1992 e é a partir desta experiência que vão surgindo os demais projetos nas cidades vizinhas. Vamos agora traçar um panorama do número e caracterização dos projetos sociais de circo existentes hoje.

A princípio a pesquisa investigaria quantos são os projetos sociais de circo existentes na microrregião de Toledo. Para levantar essas informações conversei primeiramente com o coordenador do Circo da Alegria e constatei que os instrutores circenses que dão aulas nesses projetos são os membros de duas associações circenses/trupes que existem em Toledo, o Circo Ático e a Trupe Raios. Fiz a pesquisa sobre os projetos e instrutores circenses junto a essas duas trupes e decidi então permanecer com o objetivo inicial de ater-se à microrregião de Toledo, mas sem deixar de aqui relatar os projetos que existem em municípios que não são da microrregião de Toledo.

Após levantamento e pesquisas junto a essas duas associações circenses constatamos a existência de 17 projetos sociais com aulas de circo, sendo 11 na microrregião de Toledo. De acordo com o levantamento e segundo o diretor do Circo Ático mais de 90% dessas oficinas acontecem através das Secretarias Municipais de Assistência Social.

Os projetos acontecem nas seguintes cidades ou distritos da microrregião de Toledo: Diamante do Oeste, Assis Chateaubriand, Entre Rios do Oeste, Maripá, Ouro Verde do Oeste, Tupãssi, Pato Bragado, Vila Nova (distrito de Toledo), e três projetos na cidade de Toledo, o Circo da Alegria, Unidade Social São Francisco e Centro Comunitário e Social Dorcas. Sendo ainda encontrados projetos sociais com aulas de circo em Ubiratã (microrregião de Goioerê), Vera Cruz do Oeste e Ramilândia (microrregião de Foz do Iguaçu) e Céu Azul, Santa Tereza do Oeste e CAPS-AD/Cascavel (microrregião de Cascavel).

É difícil caracterizar de forma geral devido à diversidade de realidades encontradas, mas as oficinas circenses acontecem geralmente em quadras esportivas ou uma sala ou saguão dentro de escolas municipais. Os projetos que já acontecem há mais tempo já estão mais estruturados e contam com mais material, enquanto ouros ainda acontecem em local improvisado e com poucas condições. O material básico seriam peças de tatame de EVA para forrar o chão, depois de conseguir isso os instrutores contam que pleiteiam materiais de malabares (bolinhas, argolas, claves, caixas, devil stick, diabolôs), colchões de saltos e colchonetes, cordas de alpinismo e materiais de aéreos (lira, tecido, trapézio). A verba para a aquisição de materiais quase sempre não é suficiente e materiais de circo podem ser bem caros, o que dificulta o trabalho dos instrutores e alunos.

Quanto ao conteúdo das aulas não há qualquer sistematização por parte das associações circenses, fica a cargo dos instrutores que trabalham com as modalidades que mais têm conhecimento e as quais dispõem do material necessário. Sendo as bases na maioria dos projetos as matérias de acrobacias de solo, contorcionismo, malabarismo e equilibrismo.

Na maioria dos projetos os alunos são divididos por turmas segundo suas idades e têm aulas de uma hora duas vezes por semana. Em vários projetos os educandos também têm acompanhamento de assistente social e toda uma equipe pedagógica que garante um trabalho mais consistente na inclusão e desenvolvimentos desses meninos e meninas que encontram-se em condição de vulnerabilidade econômica e social.

Apesar de ser uma atividade que desperta o interesse dos adolescentes, crianças e jovens, as oficinas não são tão consistentes quanto se gostaria. A contratação dos instrutores ocorre através de licitação nas prefeituras e precisa ser renovada a cada ano, o que muitas vezes acaba não acontecendo por inúmeros motivos e o projeto fica sem continuidade no ano seguinte.



Conclusões
A arte circense vem passando por transformações e chega a novos âmbitos, com diferentes objetivos. A realidade encontrada, de dezessete projetos sociais de circo, é significativa e certamente faz parte da caracterização do cenário cultural e educacional da região. O movimento de Circo Social na região é consistente, são centenas de crianças, adolescentes e jovens aprendendo uma arte que é tão bela quanto desafiadora e que vem contribuindo para dar à vida deles novas perspectivas e um pouco da alegria do circo.

Referências

CASSOLI, T. (2006) Do perigo das ruas ao risco do picadeiro:Circo Social e práticas educacionais não governamentais. Dissertação de Mestrado,Programa de Pós-Graduação em Psicologia, UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE.


DUPRAT, R.M. (2014) Realidades e Particularidades da Formação do Profissional Circense no Brasil: Rumo a uma Formação Técnica e Superior. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Educação Física, Unicamp.
SILVA, E. (1996) O circo, sua arte e seus saberes – o circo no Brasil no final do século XIX a meados do XX. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Unicamp.

1 “A expressão risco social foi inventada nas últimas décadas e passou a ser utilizada pelos diversos programas sociais, além de ser o objeto de ação destes.(FIGUEIREDO, 2007)”(DUPRAT, 2014: 93)




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal