Colégio estadual nova visãO–ensino fundamental e médio



Baixar 0.83 Mb.
Página1/12
Encontro22.07.2016
Tamanho0.83 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12




COLÉGIO ESTADUAL NOVA VISÃO–ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

Decreto de Criação n.º 24506/59 de 20/07/59

Autorização de funcionamento Res. 3274 de 21/12/89

Aut. De Func. Do 2º grau – Res. 365/97-Reconhecimento Res. 6.174 de 06/12/93

Rua 13 de Maio, 3824 – Telefone/Fax (46) 3242-1956 – 85 560 000 – Chopinzinho/PR

cenovavisao@bol.com.br



PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR


CHOPINZINHO – PR

2010

MENSAGEM
Soneto de Definições

Não falarei de coisas, mas de inventos

E de pacientes buscas no esquisito

Em breve, chegarei a cor do grito

À musica das cores e do vento.
Multiplicar-me-ei em mil cinzentos

(desta maneira, lúcido, me evito)

E a estes pés cansados de granito

Saberei transformar em cataventos.


Daí, o meu desprezo a jogos claros

E nunca comparados ou medidos

Como este meus, ilógicos, mas raros.
Daí também, a enorme divergência

Entre os dias e os jogos, divertidos

E feitos de beleza e improcedência.

Carlos Pena Filho




SUMÁRIO

1 Apresentação .............................................................................................04

2 Disciplinas...................................................................................................05

2.1 Arte e Artes..............................................................................................05

2.2 Biologia....................................................................................................24

2.3 Ciências...................................................................................................32

2.4 Educação Física......................................................................................38

2.5 Ensino Religioso......................................................................................44

2.6 Filosofia...................................................................................................49

2.7 Física ......................................................................................................52

2.8 Geografia ................................................................................................59

2.9 História.....................................................................................................68

2.10 Língua Portuguesa................................................................................75

2.11 Matemática............................................................................................89

2.12 Química ...............................................................................................99

2.13 Sociologia ...........................................................................................104

2.14 L.E.M Espanhol...................................................................................111

2.15 L.E.M. Inglês .......................................................................................116

2.16 Apoio Especializado – Sala de Recursos............................................128

2.17 Apoio Especializado – Sala de Recursos /Altas Habilidades.............133

2.18 Centro de Atendimento Especializado – CAE.....................................146

2.19 Celem –Espanhol...............................................................................153



1 APRESENTAÇÃO
A Proposta Pedagógica Curricular do Colégio Estadual Nova Visão – EFM do município de Chopinzinho/PR – Núcleo Regional de Pato Branco, constitui-se em documento escolar resultante de encontros, estudos, discussões entre Professores, Equipe Pedagógica e Direção.

Nosso Colégio optou por constituir uma Proposta baseada na Educação Básica por acreditarmos que a educação é um contínuo e que o conhecimento se dá no conjunto de informações que o aluno recebe durante a sua vida.

A especificação da Proposta por série se dá através dos Planos de Ensino por serem dotados de flexibilidade permitindo articular os conteúdos estruturantes e específicos conforme a realidade dos sujeitos daquela série ou nível.

Outro motivo que levou-nos a uma proposta clássica seguindo o que é proposto nas DCEs é o fato das Diretrizes terem sido construídas por professores e avaliadas ao longo das Semanas Pedagógicas, pelos professores locais, fator que a valida e garante na íntegra, sem contestação ou desculpa que é algo imposto.

Acreditamos que a Proposta Curricular Pedagógica somente de efetivará a partir do momento em que os professores e equipe reconhecem a importância de uma metodologia centrada no conhecimento construído histórico e socialmente pelos envolvidos.

O estudo dos livros didáticos públicos, a troca de experiências, a formação continuada constituem-se em instrumentos insubstituíveis na concretização desta Proposta.

A Proposta aqui apresentada se estrutura numa breve apresentação de itens didáticos importantes para a compreensão do proposto e que assim se constituem:

1. Apresentação da disciplina

2. Conteúdos Estruturantes/Básicos da Disciplina

3. Metodologia da disciplina

4. Avaliação

5. Referências Bibliográficas

A PPC fundamenta-se principalmente como eixo para os professores que ministram ou ministrarão aulas neste estabelecimento de ensino.


2 DISCIPLINAS

2.1 ARTES
1 Apresentação da disciplina

A arte como trabalho artístico está presente no Brasil desde sua colonização. O trabalho de catequização desenvolvido pelos jesuítas trazia o aprendizado das artes e ofícios utilizando-se da retórica, música, literatura, dança, escultura, pintura e artes manuais. Valorizava também as manifestações artísticas indígenas.

No governo de Marquês de Pombal os jesuítas foram expulsos do Brasil. Estabeleceu-se, então, uma reforma na educação, a Reforma Pombalina. Esta estava fundamentada nos padrões da Universidade de Coimbra e enfatizava o ensino das ciências naturais e dos estudos literários. Porém, algumas congregações religiosas continuaram a seguir a tradição pedagógica e cultural jesuítica em alguns colégios-seminários, onde, entre outras áreas, o ensino da música e do desenho estavam presentes.

No início do século XIX, a pedido da corte portuguesa, um grupo de artistas franceses veio ao Brasil e fundou a Academia de Belas Artes. Esse grupo ficou conhecido como Missão Francesa, cuja concepção vinculava-se ao pensamento tradicional de arte.

Em 1980, com a proclamação da república ocorreu primeira Reforma Educacional no Brasil, a qual direcionou seus interesses para a produção capitalista e secundarizou o ensino da arte.

A Semana de Arte Moderna de 1922 foi outro marco importante para o ensino da arte, que a partir de então teve enfoque na expressividade, espontaneísmo e criatividade, apoiando-se na Pedagogia da Escola Nova. Neste contexto foram criadas algumas escolinhas de arte.

No governo de Getúlio Vargas houve uma generalização do ensino da arte. Uma mesma metodologia foi adotada na maioria das escolas brasileiras e o canto orfeônico e a teoria musical tornaram-se obrigatórios. Heitor Villa Lobos foi o mentor desta proposta.

A partir da década de 1960 os movimentos artísticos se intensificaram, entre eles, merecem destaque: bienais, bossa nova, teatro oficina, teatro de arena de Augusto Boal e o cinema novo de Glauber. Porém, com o Ato Institucional nº 5, o AI5, em 1968, eles foram reprimidos e vários artistas, professores, políticos e intelectuais que se opunham ao regime da época forma exilados.

Em 1971 com a promulgação da Lei Federal nº 5692/71, o ensino da arte no Ensino Fundamental e Médio torna-se obrigatório. Entretanto, foi fundamentado para o desenvolvimento de habilidades e técnicas, o que minimizou o conteúdo, o trabalho criativo e o sentido estético da arte.

Na constituição de 1988 o ensino propunha oferecer aos educandos, acesso aos conhecimentos da cultura para uma prática social transformadora. Em arte, buscou-se a formação do aluno pela humanização dos sentidos e pelo trabalho artístico.

Do período de 1977 a 1999 foram publicados os Parâmetros Curriculares, os quais fundamentavam-se na proposta de Ana Mae Barbosa, a Metodologia Triangular.

Em 2003, inicia-se no Paraná um processo de discussão com os professores da Educação Básica do Estado, Núcleos Regionais de Educação e Instituições de Ensino Superior, pautado na retomada de uma prática reflexiva para a construção coletiva de diretrizes curriculares estaduais. Conforme as DCE (2008, p.45) “tal processo tomou o professor como sujeito epistêmico, que pesquisa sua disciplina, reflete sua prática e registra sua práxis. As novas diretrizes curriculares concebem o conhecimento nas suas dimensões artísticas, filosófica e cientifica e articulam-se com políticas que valorizam a arte e seu ensino na rede estadual do Paraná”.

Para a disciplina essa conquista significa uma possibilidade de romper com uma hegemonia da cultura europeia, ainda presente em muitas escolas,

O ato de ensinar e aprender arte está fundamentado em três eixos norteadores: o fazer artístico, o conhecimento histórico e a apreciação estética. Sendo assim a arte não é somente uma forma de expressão, ela abrange vários aspectos permitindo que os educadores situem seus educandos no mundo, por meio da música, do teatro, da dança e das artes visuais, pois através dessas linguagens é possível exprimir idéias e sentimentos.

O ensino da arte amplia a capacidade para ler o mundo e resolver problemas. Muitas vezes, são nas aulas de artes que são dadas oportunidades das pessoas vivenciarem uma experiência estética, e sem o estudo e a prática da disciplina de arte, os alunos tendem a ter uma visão mais restrita de si mesmos e da própria cultura. A arte torna as pessoas mais sensíveis e mais críticas.

A aprendizagem do ensino da arte se transformou ao longo da história e é importante ressaltar que a arte é constantemente transformadora, é uma das áreas que contribui na construção do conhecimento.

Cabe ao professor incentivar e valorizar a criatividade, o importante é respeitar a amplitude das diferenças individuais de cada aluno. Segundo Duarte Jr. (2003) através da arte somos levados a conhecer aquilo que não temos oportunidades de experienciar em nossa vida cotidiana.

Partindo do exposto, a Arte tem como objetivo no Ensino Fundamental e Médio:

- Possibilitar aos alunos um novo olhar, um ouvir mais crítico um interpretar da realidade além das aparências com a criação de uma nova realidade, no imaginário, bem como a ampliação das possibilidades de fruição e expressão artística;

- Aprofundar o conhecimento em arte dentro de um processo criador, que transforma o real, produzindo novas maneiras de ver e sentir o mundo, reconhecendo o aluno como sujeito histórico e social;

-Possibilitar e ampliar as oportunidades para o desenvolvimento de experiências estéticas / artísticas;

- Aprofundar as linguagens artísticas reconhecendo os conceitos e elementos presentes nas diferentes culturas;

- Perceber o desenvolvimento do sujeito frente a uma sociedade construída historicamente e em constante transformação;

- Desenvolver o conhecimento artístico, o conhecimento estético e o conhecimento contextualizado interrelacionando os saberes;

- Proporcionar ao aluno o reconhecimento e apreciação da Cultura Afro, o conhecimento das diferentes tribos explorando na dança e na música a expressão de sentimentos vividos que determinam a história de uma determinada sociedade no tempo e espaço que está inserido em nosso meio;

- Possibilitar ao aluno condições para a percepção e o desenvolvimento de um olhar crítico através de imagens e sons, os vários prismas que envolvem a Violência e as Drogas na sociedade atual.


2 Conteúdos Estruturantes/Básicos da Disciplina

Conteúdos estruturantes

Nas discussões coletivas com os professores da rede estadual de ensino, definiu-se que os conteúdos estruturantes da disciplina são: elementos formais, composição e movimentos e períodos.

Conforme as DCEs, os conteúdos estruturantes são apresentados separadamente para um melhor entendimento dos mesmos, no entanto, metodologicamente devem ser trabalhados de forma articulada.

Conteúdos básicos

Entende-se por conteúdos básicos os conhecimentos fundamentais para cada série da etapa final do Ensino fundamental e para o Ensino Médio. Estes são considerados imprescindíveis para a formação conceitual dos estudantes nas diversas disciplinas da educação Básica.

Nesse quadro, os conteúdos básicos estão apresentados por série e devem ser tomados como ponto de partida para a organização pedagógica curricular das escolas.

Os conteúdos estão organizados de forma a comporem uma unidade. Para isso foram selecionados enfoques a serem aprofundados para todas as áreas em cada série/ano.



5ª série/6ª ano - Área Artes Visuais

Conteúdos Estruturantes



Abordagem

Pedagógica



Expectativas de Aprendizagem

Elementos

Formais

Composição

Movimentos e períodos

Conteúdos Básicos

Ponto

Linha


Textura

Forma


Superfície

Volume


Cor

Luz


Ritmo

Equilíbrio




Bidimensional

Figurativa/Abs-trato

Geométrica, simetria

Técnicas: Pintura, escultura, arquitetura...

Gêneros: paisagem, retrato, cenas da mitologia.

Repetição e alternância

Expressões e proporções

Sombra


Arte Greco-Romana

Arte Africana

Arte Oriental

Idade Média

Arte Popular

(Folclore)

Arte Pré-Histórica

Renascimento

Barroco


Estudo dos elementos formais e sua articulação com os elementos de composição e movimentos e períodos das Artes Visuais.


Compreensão dos elementos que estruturam e organizam as artes visuais no qual se originou.



5ª série/6ª ano - Dança –

Conteúdos Estruturantes



Abordagem

Pedagógica



Expectativas de Aprendizagem

Elementos

Formais

Composição

Movimentos e períodos

Conteúdos Básicos

Movimento

Corporal


Tempo

Espaço




Eixo

Deslocamento

Ponto de apoio

Formação


Técnica

Improvisação

Gênero: Circular


Pré-história

Greco-romana

Renascimento

Dança clássica



Estudo do movimento corporal, tempo, espaço e sua articulação com os elementos de composição e movimentos e períodos da dança.

Compreensão dos elementos que estruturam e organizam a dança e sua relação com o movimento artística no qual se originou.


5ª série/6ª ano - Teatro –

Conteúdos Estruturantes



Abordagem

Pedagógica



Expectativas de Aprendizagem

Elementos

Formais

Composição

Movimentos e períodos

Conteúdos Básicos

Personagem:

Expressões corporais; vocais, gestuais e faciais;

Ação

Espaço



Técnicas: jogos teatrais, teatro indireto e direto, improvisação, manipulação, máscara

Gênero: Tragédia, comédia, enredo, roteiro.

Espaço Cênico, circo. Adereços


Greco-Romana

Teatro Oriental

Africano

Teatro Medieval

Renascimento

Teatro popular



.Estudo das estruturas teatrais: personagem, ação dramática e espaço cênico e sua articulação com formas de composição em movimentos e períodos onde se originaram.
Produção de textos teatrais explorando temas como: violência, drogas, educação ambiental e sexualidade.

Compreensão dos elementos que estruturam e organizam o teatro e sua relação com os movimentos artísticos nos quais se originaram.
Apropriação prática e teórica de técnicas e modos de composição teatrais.

5ª série/6ª ano - Música –

Conteúdos Estruturantes



Abordagem

Pedagógica



Expectativas de Aprendizagem

Elementos

Formais

Composição

Movimentos e períodos

Conteúdos Básicos

Altura

Duração


Timbre

Intensidade

Densidade


Ritmo

Melodia


Escalas: diatônica, pentatônica, cromática maior, menor, improvisação

Gêneros: erudito, popular



Greco-Romana

Oriental


Ocidental

Idade Média

Música popular (folclore)


Percepção dos elementos formais na paisagem sonora e na música. Audição de diferentes ritmos e escalas musicais.
Teoria da música.
Produção e execução de instrumentos rítmicos.Pratica coral e cânone rítmico e melódico.

Compreensão dos elementos que estruturam e organizam a música e sua relação com o movimento artístico no qual se originou.
Desenvolvimento da formação dos sentidos rítmicos e de intervalo melódicos e harmônicos.

6ª Série/7º ano - Artes Visuais –

Conteúdos Estruturantes



Abordagem

Pedagógica



Expectativas de Aprendizagem

Elementos

Formais

Composição

Movimentos e períodos

Conteúdos Básicos

Ponto

Linha


forma

Textura


Superfície

Volume


Cor

Luz


Ritmo

Equilíbrio




Bidimensional

Tridimensional

Figurativo

Abstrato


Geométrica

Técnicas: pintura, desenho,

Escultura,

Modelagem,

Gravura,

Mista,


Pontilhismo...

Gêneros: paisagem, retrato, natureza

morta,simetria,assimetria

Sombra.


Arte indígena

Arte popular Brasileira e Paranaense

Abstracionismo

Expressionismo

Impressionismo



Percepção dos modos de estruturar e compor as artes visuais na cultura destes povos.
Teoria das artes visuais
Produção de trabalhos de artes visuais com características

da cultura popular,relacionando os conteúdos com o cotidiano do aluno.




Compreensão das diferentes formas artísticas populares suas origens e praticas contemporâneas.
Apropriação pratica e teóricas de técnicas e modos de composição visual.


6ª Série/7º ano - Dança -

Conteúdos Estruturantes



Abordagem

Pedagógica



Expectativas de Aprendizagem

Elementos

Formais

Composição

Movimentos e períodos

Conteúdos Básicos

Movimentos

Corporal
Tempo


Espaço

Gênero: folclórica

Popular, étnica

Ponto de apoio

Formação rotação

Coreografia

Salto


Queda

Níveis (alto, médio

baixo).


Dança popular Brasileira

Paranaense

Africana

Indígena


Renascimento



Percepção dos modos de fazer dança, através de diferentes espaços onde é elaborada e executada.
Teorias de dança.
Produção de trabalhos com dança utilizando diferentes modos de composição.


.

Compreensão das diferentes formas de dança popular,suas origens e práticas contemporâneas.


Apropriação pratica e teórica de técnicas e modos de composição de dança.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal