Colégio Sagrado Coração de Jesus



Baixar 31.24 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho31.24 Kb.


Colégio Sagrado Coração de Jesus


Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio, Curso Normal



Nome:

N.º:
Turma: ___.3___

Disciplina: HISTÓRIA

Professor(a): SILVIO

Data: ____ / ____ / 2009



EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA DO EM 3.1 E NORMAL 3
1. Pelo olhar do poeta, também é possível compreender determinados aspectos essenciais para a conceituação de História. Leia, por exemplo, Carlos Drummond de Andrade:
“Aconteceu há mil anos?

Continua acontecendo.

Nos mais desbotados panos

Estou me lendo e relendo.”


Ou, ainda, do mesmo autor:

“O tempo é a minha matéria,

O tempo presente, os homens presentes, a vida presente”.
Com o auxílio das observações de Drummond, julgue os seguintes itens, referentes ao conceito de História e ao ofício do historiador.


  1. Tendo por objeto o estudo do passado, a História parte das contingências da “Vida presente” para inquirir aquilo que passou.

  2. Especialmente em épocas de crise generalizada, sobressai o papel que se espera do historiador: lembrar o que os outros esqueceram.

  3. O quarteto acima traz a idéia de que o passado é continuamente reescrito, a partir de cada presente e de seus novos interesses, eliminando, assim, a possibilidade de a história conter um caráter científico.

  4. A reconstrução do passado, exatamente como ele ocorreu, é o que fazem os historiadores, independentemente de suas convicções ideológicas e pessoais.

2. Analise o texto a seguir.


“E repare o leito como a língua portuguesa é engenhosa. Um contador de história é justamente o contrário do historiador, não sendo um historiador, afinal de contas, mais do que um contador de histórias. [...]”

(ASSIS, Machado de. In: CHALOUB, S. e PEREIRA, L. A. de M. (orgs.) A história contada. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1998. p. 67.)


Ante as novas tendências interpretativas da História, há uma diferença entre o contador de histórias e o historiador, de acordo com a qual é correto afirmar que:


  1. a literatura torna-se inexpressiva ao historiador, que se fundamenta nos documentos manuscritos e impressos.

  2. O contador de história recorre à ficção e o historiador envolve-se com o real, de acordo com a sua interpretação e as práticas sociais consideradas.

  3. A interpretação do historiador, apesar de valorizas a diversidade de informações, deve limitar-se à do contador de histórias.

  4. A história do cotidiano passou a ser depreciada pelos profissionais da História por menosprezar a análise social.

  5. A autenticidade dos fatos históricos exclui a força da subjetividade, presente na reconstrução do passado.




Colégio Sagrado Coração de Jesus


Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio, Curso Normal



Nome:

N.º:
Turma: ___.2___

Disciplina: HISTÓRIA

Professor(a): SILVIO

Data: ____ / ____ / 2009



EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA DO EM 2.1/2.2/2.3 E NORMAL 2



  1. “A revolução industrial também foi uma revolução de idéias”.

Todas as seguintes afirmações confirmam o teor dessa citação, exceto:


  1. Estimulou a associação entre iguais na defesa de interesses comuns.

  2. Permitiu o início de uma nova atitude para com os problemas da sociedade humana.

  3. Estabeleceu um avanço na compreensão do domínio da natureza.

  4. Garantiu seus benefícios ao conjunto dos cidadãos ingleses.

2. Efetivamente, em todos os pontos do reino onde se obtém a mais fina lã, portanto a mais preciosa, os senhores, os nobres e até os santos abades não se contentam mais com os rendimentos e produtos que seus antepassados costumavam retirar de seus domínios. Não lhes é mais suficiente viver na preguiça e nos prazeres; estes homens, que nunca foram úteis à sociedade, querem-lhe ainda ser nocivos. Não deixam nenhuma parcela de terra para ser lavrada; toda ela transformou-se em pastagens. Derrubam casas, destroem aldeias, e, se poupam as igrejas, é, provavelmente, porque servem de estábulos a seus carneiros [...] Assim, para que um insaciável devorador, peste e praga de sou próprio pais, possa abarcar num único campo milhares de braças, uma quantidade de pequenos agricultores se vêem escorraçados de seus bens. Uns saem enganados, outros são expulsos à força; alguns, enfim, cansados de tantos vexames, se vêem forçados a vender o que possuem. Enfim, esses infelizes partem, homens e mulheres, casais, órfãos, viúvos, pais com os filhos nos braços. Todos emigram, largam seus lugares, os lugares onde viveram, e não sabem onde se refugiar. Toda a sua bagagem, que pouco valeria se tivessem a possibilidade de

esperar um comprador, é cedida a preço vil, dada a necessidade de dela se desfazerem. Logo os veremos errantes, privados de qualquer recurso. Só lhes resta roubar e serem enforcados, segundo as regras.

Thomas Morus, A Utopia. 2ª ed., Brasília, Ed. Universidade de Brasília, 1982, p. 16.


O texto refere-se a um importante elemento no processo de transição do feudalismo para o capitalismo na Inglaterra. Tal elemento é conhecido como:

a) Arroteamento, ou seja, o aproveitamento de novas terras para as atividades agrícolas.

b) Aforamento, ou seja, um tipo de concessão de terras a camponeses.

c) Afolhamento, ou seja, a organização das parcelas a serem cultivadas.

d) Cercamento, ou seja, a separação e a apropriação individual das terras comuns e dos campos abertos.

e) Descimento, ou seja, a ocupação de terras baixas para a criação de animais.





Colégio Sagrado Coração de Jesus


Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio, Curso Normal



Nome:

N.º:
Turma: ___.1___

Disciplina: HISTÓRIA

Professor(a): SILVIO

Data: ____ / ____ / 2009




EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA DO EM 1.1/1.2/1.3 E NORMAL 1
1. Os estudos recentes sobre a Idade Média avaliam esse período da história como um(a):


    1. período de dez séculos durante o qual houve intensa atividade industrial e comercial, sendo a cultura intelectual exclusividade dos mosteiros e da Igreja.

    2. período de obscurantismo e atraso cultural – a longa noite de mil anos – em virtude do desprezo dado à herança intelectual grega e romana da época precedente.

    3. época que pode ser chamada de “Idade das Trevas”, em razão do predomínio da Igreja, que, com sua ideologia, contribuiu para a estagnação cultural, a opressão política e o fanatismo religioso.

    4. época que não se constituiu uma unidade: em sua primeira fase, houve retrocesso cultural e econômico, porém, posteriormente, ressurgiu a vida econômica e houve florescimento cultural.

2. Leia o texto:

A razão (de ser) dos carneiros é fornecer leite e lã; a dos bois é lavrar a terra; e a dos cães é defender os carneiros e os bois dos ataques dos lobos. Se cada uma destas espécies de animais cumprir a sua missão, Deus protegê-la-á. Deste modo, fez ordens, que instituiu em vista das diversas missões a realizar neste mundo. Instituiu uns os clérigos e os monges para que rezassem pelos outros [...]. Instituiu os camponeses para que eles, como fazem os bois com o seu trabalho, assegurassem a sua própria subsistência e a dos outros. A outros, por fim, os guerreiros, instituiu-os para que [...] defendessem dos inimigos, semelhantes a lobos, os que oram e os que cultivam a terra.

CANTERBURY Bispo Eadmer de. Transcrito por FARIA, Ricardo. História para o Ensino Médio. Belo Horizonte: Editora Lê, 1988.


Com base no texto, assinale a proposição verdadeira:


  1. As relações sociais descritas eram típicas da chamada sociedade feudal, em alguns dos países da Europa Ocidental.

  2. No texto, justifica-se o poder do monarca e a participação do povo (os que trabalhavam) no governo, uma vez que a sociedade em questão teria sido organizada por Deus.

  3. No texto, justifica-se a existência de uma sociedade dividida em três ordens: a nobreza, a burguesia e o campesinato.

  4. Aos camponeses cabia a produção, o trabalho na terra, cujo excedente possibilitava que o clero lutasse e os guerreiros rezassem.

  5. O texto faz referência às relações sociais características do capitalismo, à divisão da sociedade em classes e à relação de trabalho assalariado.

Catálogo: wp-content -> uploads -> sites
sites -> Estudo do plano nacional pela primeira infância contribuições das Instituições de Educação Infantil do Município de Sorocaba
sites -> Ata da 1ª. Reunião Ordinária da Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental – ciea – ms realizada em 08-03-2010 no Auditório “Shirley Palmeira” localizado no imasul, sito à Avenida Desembargador Leão Neto do Carmo, s/nº
sites -> Ii congresso Internacional Vertentes do Insólito Ficcional
sites -> ResoluçÃo nº 373/2005, de 19 de maio de 2005
sites -> Gato de ipanema ou bicho do paraná? Paraná: Um Estado – Várias Identidades Edilson dos Santos e Jackeline Silvério universidade tuiuti do paraná Edilson dos Santos e Jackeline Silvério gato de ipanema ou bicho do paraná? Paraná
sites -> Estado de mato grosso do sul
sites -> Documento orientador III
sites -> Decreto n.º 555, de 17 DE JUNHO de 1999
sites -> Arbitrariedad: esbozo de un principio programático del saussurianismo
sites -> Decreto n.º 829, de 28 DE FEVEREIRO de 2000


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal