Colóquio Informática e Tribunais Bases de dados administrativas e jurídicas



Baixar 31.86 Kb.
Encontro21.07.2016
Tamanho31.86 Kb.


Bibliografia
AA. VV., Colóquio – Informática e Tribunais – Bases de dados administrativas e jurídicas, Ministério da Justiça, Gabinete Coordenador da Informatização Judiciária, 22 e 23 de Maio de 1991, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1991, também publicado em Documentação e Direito Comparado, nºs 47/48, 1991, Boletim do Ministério da Justiça.
AA. VV., Direito e Informação, I Encontro Nacional de Bibliotecas Jurídicas, Lisboa 11 e 12 de Novembro de 2004, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Coimbra Editora, 2006.
AA. VV., Informação e Documentação Jurídicas. Acesso e partilha, II Encontro Nacional de Bibliotecas e Arquivos Jurídicos, Lisboa, 20 e 21 de Novembro de 2006, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Coimbra Editora, 2007.
Alegre, Carlos Acesso ao Direito e aos Tribunais: anotações ao Decreto-Lei nº 387-B/87, de 29 de Dezembro e Decreto-Lei nº 391/88, de 26 de Outubro, Coimbra, Almedina, 1989.
Amaral, Jorge Augusto Pais de, Direito Processual Civil, 4ª ed., Coimbra, Almedina, 2003.
Aragão, Alexandra, “Breves reflexões em torno da Investigação Jurídica”, Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Volume LXXXV, Coimbra, 2009, pp. 765-794.
Ascensão, José Oliveira, “A reutilização de documentos do sector público”, Direito da Sociedade da Informação, Volume V, Associação Portuguesa do Direito Intelectual, Coimbra, Coimbra Editora, 2004, pp. 65-82.
Assembleia da República, “Colóquio: A qualidade da legislação. Um desafio para o século XXI” 26 de Maio de 2009, Legislação. Cadernos da Ciência de Legislação, nº 49, Abril/Junho 2009.
Azevedo, Mário, Teses, relatórios e trabalhos escolares – Sugestões para estruturação da escrita, 5ª ed., Lisboa, Universidade Católica Editora, 2006.
Beleza, Maria dos Prazeres Pizarro

Em co-autoria

“O DIGESTO – Sistema Integrado para o Tratamento da Informação Jurídica”, Legislação. Cadernos de Ciência de Legislação, nº 8, Informática Jurídica e Direito da Informática, Outubro/Dezembro 1993, pp. 127-132.
Bellefonds, Xavier Linant de, A informática e o Direito, «Colecção Jurídica Internacional», tradução de Isabel Maria Brito St. Au Byn, 4ª ed., Lisboa, GB&A Editores, 2000.
Benjamins, V. Richard, Casanovas Pompeu, Breuker, Joost e Gangemi Aldo

Law and Semantic Web. Legal Ontologies, Methodologies, Legal Infromation Retrieval, and Applications, Berlim, Springer, 2005.
Camprestini, Hildebrando, “Desmistificando a ementa”, Jurisprudência Catarinense, Ano XXIX, 2003, Tomo 3, nº 103, pp. 153-161.
Carvalho, António Vilhena de, “Dificuldades na interrogação das bases de dados. A perspectiva do utilizador”, Colóquio – Informática e Tribunais – Bases de dados administrativas e jurídicas, Ministério da Justiça, Gabinete Coordenador da Informatização Judiciária, 22 e 23 de Maio de 1991, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 231-243.
Ceia, Carlos, Normas para apresentação de trabalhos científicos, 6ª ed., Queluz de Baixo, Editorial Presença, 2006.
Cordeiro, António Menezes Cordeiro

“O CSC e a reforma de 2010: gralhas, lapsos, erros e retificações”,



Revista de Direito das Sociedades, Ano II, 2010, nºs 3-4, pp. 509-528.
Costa, Salvador da, O apoio judiciário, 5ª ed., actualizada e ampliada, Coimbra, Almedina, 2005.
Costanzo, Pasquale,“La circulazione dell’informazione giuridica digitalizzata”, Il diritto dell’informazione e dell’informatica, Ano 15, nº 3, Maio-Junho 1999, pp. 579-590.
Cruz, Maria Guiomar, “DIGESTO: Sistema Integrado para o Tratamento da Informação Jurídica”, II Encontro Nacional de Bibliotecas e Arquivos Jurídicos, Informação e Documentação Jurídicas, Acesso e partilha, Lisboa, 20 e 21 de Novembro de 2006, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Coimbra Editora 2007, pp.109-110.
Em co-autoria

“O DIGESTO – Sistema Integrado para o Tratamento da Informação Jurídica”, Legislação. Cadernos de Ciência de Legislação, nº 8, Informática Jurídica e Direito da Informática, Outubro/Dezembro 1993, pp. 127-132.


Eco, Umberto, Como se faz uma tese em Ciências Sociais, 13ª ed., Queluz de Baixo, Editorial Presença, 2007.
Estrela, Edite, Soares, Maria Almira e Leitão, Maria José, Saber Escrever: Uma tese e outros textos: Um guia completo apara apresentar os seus trabalhos e outros documentos, 4ª ed., Lisboa, Dom Quixote, 2006.
Fábrica, Luís, "O utilizador da informação jurídica – Perfis e necessidades de informação. A perspectiva do investigador”, Direito e Informação, I Encontro Nacional de Bibliotecas Jurídicas, Lisboa, 11 e 12 de Novembro de 2004, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, pp. 51-60.
Gomes Canotilho, J.J. e Moreira, Vital Constituição da República Portuguesa. Anotada, 4ª ed. revista, Volume I, Artigos 1º a 107º,Coimbra, Coimbra Editora, 2007.
HESPANHA, António M.

Como preparar uma dissertação. Um guia em cinco pontos, Lisboa 2009/2010

Homem, António Pedro Barbas, “Education law and legal methodology”, Autonomy in education: yearbook of the European asociation for educational law and policy, Editores Walter Berka, Jan de Groof e Hilde Penneman, Haia, Kluwer Law International, 2000.
Jordão, Carlos Alberto de Carvalho, “Força vinculativa-aplicativa dos pareceres da Procuradoria-Geral da República, após homologação”, Estudos em homenagem a Francisco José Velozo, Braga, Universidade do Minho/Associação Jurídica de Braga, 2002, pp. 393-396.
Leitão, Maria, “Actividade parlamentar e processo legislativo”, II Encontro Nacional de Bibliotecas e Arquivos Jurídicos, Informação e Documentação Jurídicas, Acesso e partilha, Lisboa, 20 e 21 de Novembro de 2006, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Coimbra Editora, 2007, pp. 111-115.
Lopes, J.Seabra, “A informática jurídica em Portugal”, O Direito, Ano 121º, 1989, I Janeiro-Março 1989, pp. 117-128.
Madureira, João, “Evolução tecnológica na recolha de dados jurídicos e transposição para o computador. O caso da recuperação do texto integral.”, Ministério da Justiça, Gabinete Coordenador da Informatização Judiciária, Colóquio – Informática e Tribunais – Bases de dados administrativas e jurídicas, 22 e 23 de Maio de 1991, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 211-219.
Maÿa, Jean

“L’«efficacité du droit» et les nouvelles tecchnologies”



Archives de philosophie du droit, tome 54, pp.7-12
Marques, Garcia e Martins, Lourenço, Direito da Informática, 2ª ed. – refundida e actualizada, Coimbra, ALMEDINA, 2006.
Martinho, Ana Maria “O bibliotecário jurídico: identidade e competências profissionais”, Direito e Informação, I Encontro Nacional de Bibliotecas Jurídicas, Lisboa 11 e 12 de Novembro de 2004, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, pp. 87-103.
Martins, Afonso d’Oliveira, “Os debates da Justiça e o problema do conhecimento do Direito”, em O debate da Justiça. Estudos sobre a crise da justiça em Portugal, organização de António Pedro Barbas Homem e Jorge Bacelar Gouveia, Lisboa, Vislis Editores, 2001, pp.17-23.
Martins, A.G. Lourenço

“Bancos de dados administrativos e jurídicos informatizados (Estudo preparatório de um Colóquio)”, Documentação e Direito Comparado, nºs 47/48, 1991, Boletim do Ministério da Justiça, pp. 32-110 (Colóquio - Informática e Tribunais – Bases de dados administrativas e jurídicas, 22 e 23 de Maio de 1991, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian).


“Bancos de dados jurídicos no Ministério da Justiça – Uma experiência em curso”, Legislação. Cadernos de Ciência de Legislação, nº 8, Informática Jurídica e Direito da Informática, Outubro/Dezembro 1993, pp. 109-125.
Matos, Ana Teresa, Informática jurídica documental. Breve abordagem, Ministério da Justiça, Direcção-Geral dos Serviços de Informática, Lisboa, 1986.
Maurício, Artur, ““Bancos de dados administrativos e jurídicos e o Direito (Dever) de informação jurídica”, Documentação e Direito Comparado, nºs 47/48, 1991, Boletim do Ministério da Justiça, pp. 183-190 (Colóquio - Informática e Tribunais – Bases de dados administrativas e jurídicas, 22 e 23 de Maio de 1991, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian).
Meirim, José Manuel

- “A documentação jurídica portuguesa – A situação do acesso à jurisprudência”, Revista do Ministério Público, Ano 6º, Volume 22, Junho 1985, pp.79-97.

- “A legislação a que (não) temos direito”, Revista do Ministério Público, Ano 7º, Volume nº 26, Abril-Junho 1986, pp.181-207.

- Como pesquisar e referir em Direito, Coimbra, Coimbra Editora, 2008.

- “O Estado de direito democrático (rectificado, republicado e, de novo, rectificado”, Legislação. Cadernos de Ciência da Legislação, nº 51, Janeiro - Março 2010, pp.45-90.
Miranda, Jorge, “Em vez do Código Civil, uma lei sobre leis”, nos Estudos Comemorativos dos 10 anos da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, Volume I, Coimbra, Almedina, 2008, pp. 91-109.
“Lei, Estado de Direito e qualidade das leis. Brevíssima nota.”, Legislação. Cadernos da Ciência de Legislação, nº 50, Outubro/Dezembro 2009, pp. 91-97.
Miranda, Jorge e Medeiros, Rui e Constituição Portuguesa Anotada, Tomo I, artigos 1º a 79º, Coimbra, Coimbra Editora, 2005.
Monteiro, António Pinto

“Cláusulas contratuais gerais: da desatenção do legislador de 2001 à indispensável interpretação correctiva da Lei”,



Revista de legislação e Jurisprudência, Ano 140º, nº 3966, Janeiro-Fevereiro 2011, pp.138-143.
Morais, Carlos Blanco de, “O Programa «Legislar Melhor». Dois anos depois”, Legislação. Cadernos da Ciência de Legislação, nº 50, Outubro/Dezembro 2009, pp. 61-78.
Muñiz-Goñi, Miguel López, Informática Jurídica Documental, Madrid, Diaz de Santos, 1984.
Oliveira, Mário Esteves de, Gonçalves, Pedro Costa e Amorim, J. Pacheco, Código do Procedimento Administrativo, Comentado, 2ª ed., 6ª reimpressão da edição de 1997, Coimbra, Almedina, 2006, pp. 116-122.
Pedroso, João e outros, “E a justiça aqui tão perto? As transformações no acesso ao direito e à justiça”, Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 65 (Maio 2003), pp. 77-106.
Pereira, Alexandre e Poupa, Carlos, Como escrever uma tese, monografia ou livro científico usando o Word, 2ª ed. Corrigida, Lisboa, Edições Sílabo, 2003.
Pina, Maria Amélia B., “Informática documental jurídica e bases de dados”, Revista da Administração Pública, Ano IX, nº31, Janeiro/Abril, 1986, pp. 99-103.
Pinheiro, Alexandre Sousa, “Leis da Justiça. Recolha e tratamento de legislação vigente na área da Justiça: Relatório”, Scientia Iuridica, Tomo 56, nº 309, Janeiro-Março 2007, pp. 127-151.
Pinto, João Esteves, “Estratégia da Imprensa Nacional – Casa da Moeda face aos jornais oficiais (Europa e PALOP) e aos seus destinatários”, Direito e Informação, I Encontro Nacional de Bibliotecas Jurídicas, Lisboa 11 e 12 de Novembro de 2004, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, pp. 41-49.
Prata, Ana, colaboração de Carvalho, Jorge, Dicionário Jurídico, Volume I, Direito Civil, Processo Civil e Organização judiciária, 4ª ed., actualizada e aumentada, Coimbra, Almedina, 2005.
Rita, João Santa, “A Internet e a participação dos cidadãos na feitura das leis”, Legislação. Cadernos de ciência de legislação, nº 39 (Jan.-Mar.2005), pp.40-53.
Rodrigues, Eloy, “Acesso livre ao conhecimento: a utopia e a realidade”, em Direito e Informação. I Encontro Nacional de Bibliotecas Jurídicas, Lisboa 11 e 12 de Novembro de 2004, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, pp. 29-40.
Rosa, Clara Costa, “Projectos em curso de tratamento da informação jurídica: ponto da situação”, II Encontro Nacional de Bibliotecas e Arquivos Jurídicos. Informação e Documentação Jurídicas. Acesso e partilha, Lisboa, 20 e 21 de Novembro de 2006, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Coimbra Editora, 2007, pp. 103-108.
Samuelson, Pamela, “Google Book Search and Future of Books in Cyberspace”, Minnesota Law Review, Volume 94, Maio 2010, nº 5, pp. 1308- 1374.
Sánchez-Calero, Juan “La edición jurídica y el acceso abierto (reseña de algunas experiencias iniciales)”, Foro, Revista de Ciências Jurídicas y Sociales, Facultad de Derecho, Universidad Complutense de Madrid, Nueva época, número 4/Año 2006, pp. 37-47.
Santos, Boaventura Sousa de, “Os tribunais e as novas tecnologias de comunicação e de informação”, Estudos de Direito da Comunicação, coordenação de António Pinto Monteiro, Coimbra, Instituto Jurídico da Comunicação, Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Coimbra 2002, pp. 137-160.
Schmeider, Jochen, “Processamento electrónico de dados – Informática jurídica”, em, Introdução À Filosofia do Direito e à Teoria do direito Contemporâneo, organização de A. Kaufmann e W. Hasseder, tradução de Marcos Keel e Manuel Seca de Oliveira, revisão científica e coordenação de António Manuel Hespanha, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2002, pp. 547-586.
Soares, Fabiana de Menezes, “Comunicação de atos normativos: algumas tendências e reflexões no quadro da circulação de informações jurídicas”, Legislação. Cadernos da Ciência de Legislação, nº 50, Outubro/Dezembro 2009, pp. 233-244.
Thomaz, Fernão Fernandes, “O advogado e a informação jurídica”, Direito e Informação, I Encontro Nacional de Bibliotecas Jurídicas, Lisboa 11 e 12 de Novembro de 2004, Edição da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, pp. 77- 80.
Volokh, Eugene, “The future of books related to the law?”Michigan Law Review, Volume 108, nº 6, Abril 2010, pp. 823-846.
Widdison, Robin, “New perspectives in legal information retrieval”, International journal of law and information technology, Oxford, v.10, nº 1(Spring2002), p.41-70.




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal