ComemoraçÃo do 94º aniversário da santa casa da misericórdia do nordeste nordeste, 12 de Maio de 2004



Baixar 12.63 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho12.63 Kb.


COMEMORAÇÃO DO 94º ANIVERSÁRIO DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO NORDESTE
Nordeste, 12 de Maio de 2004

Intervenção do presidente do Governo Regional dos Açores, Carlos César
A Santa Casa da Misericórdia de Nordeste celebra hoje 94 anos de vida. Quase um século de existência dedicada a fazer o bem, prestando apoio aos mais desprotegidos e dando sentido prático aos apelos da solidariedade social.
Ao longo dos séculos, as Misericórdias desempenharam um inigualável papel na satisfação das necessidades básicas e na defesa dos mais desfavorecidos – órfãos, indigentes, viúvas, enfermos, presos.
A evolução das sociedades ditou a progressiva substituição das práticas de assistência pelo exercício da solidariedade social, orientado para a inclusão social, a qual se consubstancia no acesso de todos os cidadãos das condições que garantam padrões de dignidade da vida humana e o usufruto dos seus direitos pelo acesso aos serviços que os concretizam.
A actividade desenvolvida pela Santa Casa da Misericórdia do Nordeste ao longo da sua existência soube bem interpretar esta evolução e afirma, de forma inequívoca, os valores humanos e seculares que informam e informaram ao longo da história a actividade das misericórdias.
Volvidos 94 anos da sua criação, esta Santa Casa conta hoje com um conjunto de valências cujos serviços contribuem de modo exemplar para uma melhor qualidade de vida da população que serve.
No apoio aos idosos, o apoio ao domicílio, de que beneficiam 105 cidadãos, é um contributo inestimável que permite, não só proporcionar melhores condições de vida, mas, sobretudo, evitar ou retardar o internamento, com os evidentes benefícios daí decorrentes.
Por seu turno, os seus dez centros de convívio e de dia que são frequentados por mais de 170 idosos, constituem um excelente instrumento de combate à solidão que afecta muitos dos nossos idosos, ao mesmo tempo que constituem um importante incentivo à manutenção de uma vida tanto quanto possível autónoma e activa.
Ainda na área dos idosos, a Santa Casa da Misericórdia do Nordeste conta com um Lar que acolhe presentemente 39 utentes, que ali encontram, perante a impossibilidade de permanência na sua habitação ou junto da sua família, não só a satisfação das suas necessidades de cuidados e assistência, mas também o carinho e o conforto indispensáveis.
Por fim, nesta referência às valências e serviços prestados pela Santa Casa da Misericórdia de Nordeste, três ATL’s, em funcionamento na Fazenda, Vila de Nordeste e Achadinha, proporcionam a 65 crianças o acesso a actividades lúdicas e pedagógicas, fora do contexto escolar, essenciais a um processo de sociabilização e de crescimento e desenvolvimento harmonioso.
O Governo Regional dos Açores tem vindo a executar, em todas as ilhas do nosso arquipélago, um vasto e audacioso programa de apoio, destinado, por um lado, à construção, remodelação e ampliação de equipamentos sociais, e, por outro, à diversificação de respostas, assente numa cooperação protocolada com 176 instituições de solidariedade social, que desenvolvem 480 valências e que se traduz no facto de os Açores terem passado a dispor, em termos relativos, da maior rede de apoio social de proximidade entre todas as regiões do País.
Penso que os idosos e as famílias açorianas têm consciência do enorme esforço financeiro que temos vindo a efectuar no apoio e na solidariedade social. Como já tenho afirmado, desejei, logo que assumi as funções de Presidente do Governo Regional, que, a par da reabilitação económica do nosso arquipélago, a solidariedade social fosse uma marca dos meus governos e, em particular, o apoio à terceira idade e às famílias. Felizmente assim tem sido. Investimos fortemente no aumento dos centros de convívio para idosos e no alargamento dos serviços de ajuda domiciliária – resposta esta que consideramos fundamental para a permanência desejada do idoso no seu meio. Aumentamos a rede de creches e ATL’s, equipamentos estes indispensáveis no apoio às famílias.
Paralelamente ao alargamento das respostas que procuram a não institucionalização dos mais velhos, o Governo Regional, em parceria com as Instituições Particulares de Solidariedade Social e as Misericórdias dos Açores, tem vindo a executar um conjunto de acções no sentido de aumentar a quantidade e melhorar a resposta no acolhimento aos idosos e às crianças e jovens, quer através dos apoios técnicos multidisciplinares, quer por via da construção de novos lares e centros de acolhimento, quer por via da remodelação dos existentes. Estamos, também, a estender os nossos esforços às áreas da fiscalização dos serviços prestados e do apoio técnico.
É no âmbito deste grande objectivo de exercer mais e melhor solidariedade social, que se enquadra a cooperação que o Governo Regional dos Açores tem mantido com a Santa Casa da Misericórdia do Nordeste, para cujo sucesso tem contribuído de forma decisiva o empenho, dedicação e espírito de colaboração dos seus órgãos sociais e do seu Provedor.
No presente ano de 2004 temos em vigor acordos de cooperação-funcionamento com esta Santa Casa no valor de 520.235,62 Euros. Devo, ainda referir os acordos de cooperação – apoio eventual, celebrados entre 1997 e o corrente ano, no valor total de 174.409,36 euros, bem como a comparticipação na obra dos Lar de idosos, entre 1997 e 2000, no valor de 2.459.073,63 euros.
Nunca devemos estar, porém, completamente satisfeitos. Queremos fazer mais e melhor. Para isso, precisamos continuar a investir hoje nas pessoas, criando condições a todos – das crianças aos idosos - para que ao longo da sua vida possam sempre atingir o seu máximo potencial, usufruir dos seus direitos e exercer a cidadania.
Queremos melhorar a protecção social, para que a rede de segurança e solidariedade social responda de modo cada vez mais tempestivo e eficaz às necessidades das pessoas.
Queremos aproveitar melhor os nossos recursos e as sinergias geradas por uma mais estreita colaboração entre os diversos actores, construindo, assim, as respostas mais adequadas.
Queremos, por isso, continuar a contar convosco, para aperfeiçoar o modelo de colaboração que permite que todos façamos mais e melhor em beneficio do que é preciso e dos que precisam, num regime de parceria em que cada um partilha aquilo de que dispõe.
A terminar, quero manifestar o meu grande apreço à Santa Casa da Misericórdia do Nordeste pela sua dedicação, capacidade de trabalho, disponibilidade e espírito de colaboração, que tem mantido com os departamentos do Governo Regional.
Estendo, naturalmente, o meu reconhecimento, aos trabalhadores desta instituição, de quem sempre depende, em grande parte, a qualidade do serviço prestado.
Bem hajam. Parabéns.

A todos, muito obrigado.







©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal