Como expandir reservas ecológicas sem gastar dinheiro



Baixar 8.2 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho8.2 Kb.
Como expandir reservas ecológicas sem gastar dinheiro
A expansão de parques e reservas ecológicas é uma estratégia importante para preservar os diversos ecossistemas e proteger a biodiversidade do planeta. Um estudo cuidadoso, feito por ecologistas australianos, demonstrou que melhor maneira de expandir as reservas é vender parte delas para o setor privado. Esta idéia que de inicio me deixou de cabelos arrepiados na verdade faz muito sentido.
Atualmente existem mais de 100.000 reservas e áreas de conservação no planeta. Elas cobrem 12% dos continente e das respectivas águas territoriais. A grande maioria destas reservas pertence ao poder público ou é administrada por ele. A maioria destas áreas foi recebida como compensação ambiental em projetos de desenvolvimento, foi doada pelo setor privado ou preservada pela sua beleza natural. Somente uma pequena parte foi escolhida com base na sua capacidade de representar adequadamente os diversos ecossistemas presentes originalmente em cada país. A medida que o número de áreas aumenta, o custo de sua manutenção cresce o que dificulta a aquisição de novas áreas. Mas o mais preocupante é que apesar do número crescente de áreas sob proteção, uma grande parte da biodiversidade que está sob risco de extinção não se encontra em áreas protegidas. Mais de 20% das espécies de pássaros ameaçadas de extinção habitam exclusivamente áreas não protegidas. Somente 0,01% dos recifes de coral ameaçados estão em reservas e 83% das plantas ameaçadas na Nova Caledônia se encontram fora de áreas de proteção. O problema enfrentado por todos os países é como proteger estes ecossistemas com o custo crescente da aquisição e manutenção de reservas ecológicas.
Neste novo estudo um grupo de ecologistas australianos comparou as 6.990 reservas existentes na Austrália (629.000 km2, 8% do território) com o resto do território Australiano. Toda a área, seja ela de reserva, seja ela privada, foi dividida em pequenos lotes de 123 km2. Para cada lote os cientistas determinaram a vegetação existente em 1750, antes da expansão da colonização inglesa no continente, e a atual cobertura vegetal e animal. Além disso eles determinaram o preço atual de cada um destes lotes de terra. Por fim escolheram as áreas que deveriam ser incorporadas a reservas ecológicas para se obter uma preservação de 15% do ecossistema original da Austrália onde estivessem representados todos os ecossistemas e toda a biodiversidade original. Isto permitiu construir um mapa do que seria hoje o conjunto ideal de áreas a serem preservadas.
Em um segundo passo eles compararam o sistema atual de parques e reservas com o sistema ideal, analisando cada reserva em posse do governo. Descobriram que dos 60 tipos de ecossistemas presentes na Austrália somente 18 estavam representados nas reservas atuais. O próximo passo foi construir um gráfico no qual compararam a efetividade ecológica (sua contribuição na cobertura dos 60 ecossistemas) de cada um dos 6.690 parques com seu custo (o preço de mercado das terras do parque e seu custo de manutenção). Com base nesta análise foi possível selecionar os 70 parques (1% do total) menos efetivos na análise de custo benefício. Em seguida estudaram o que seria possível comprar com o dinheiro que o governo arrecadaria com a venda destes 70 parques. A venda dos parques para o setor privado e sua liberação para uso comercial arrecadaria 17 bilhões de dólares. Mas o que seria possível comprar com este dinheiro de modo a melhorar o sistema de parques da Austrália? O resultado é surpreendente. Dado os custos de terra em diversas regiões da Austrália, com a verba da venda de 1% dos parques, seria possível expandir o sistema de parques dos atuais 629.000 km2 para 5.500.000 de km2 e aumentar os tipos de ecossistemas protegidos de 18 para 55. Se fossem vendidos os 2% dos parques menos efetivos seria possível expandir o sistema de parques para 6.300.000 km2, quase 80% do território e proteger 58 dos 60 ecossistemas. A conclusão é que uma análise de custo/benefício associada a uma política de venda dos parques pouco eficientes permitiria à Austrália construir um sistema quase ideal de proteção ambiental sem nenhum custo adicional para o governo.
Como é de se esperar estes resultados provocaram um intenso debate entre os ecologistas. A proposta de venda de parques contraria frontalmente a idéia de que as áreas de preservação são intocáveis e devem ser preservadas a qualquer custo mesmo sendo irrelevantes do ponto de vista da preservação dos ecossistemas. De qualquer maneira a idéia é nova e revolucionária. Vai ser interessante observar nos próximos anos o impacto deste tipo de estudo nas políticas de preservação dos diversos países.
Mais informações: Replacing underperforming protected areas achieves better conservation outcomes. Nature vol. 466 pag. 365 2010
Fernando Reinach (fernando@reinach.com)


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal