Como fazer o conhecimento do aluno avançar



Baixar 32.15 Kb.
Encontro05.08.2016
Tamanho32.15 Kb.
Foco – IAS

Módulo 3 – Texto 5



Como fazer o conhecimento do aluno avançar
O diálogo entre o ensino e a aprendizagem

Telma Weisz com ana Sanchez

Editora Ática

O processo de aprendizagem não responde necessariamente ao processo de ensino, como tantos imaginam. Ou seja, não existe um processo único de “ensino-aprendizagem”, como muitas vezes se diz, mas dois processos distintos: o de aprendizagem, desenvolvido pelo aluno, e o de ensino, pelo professor. São dois processos que se comunicam mas não se confundem: o sujeito do processo de ensino é o professor enquanto o do processo de aprendizagem é o aluno.

É equivocada a expectativa de que o aluno poderá receber qualquer ensinamento que o professor lhe transmita exatamente como ele lhe transmite. O professor é que precisa compreender o caminho de aprendizagem que o aluno está percorrendo naquele momento e, em função disso, identificar as informações e as atividades que permitam a ele avançar do patamar de conhecimento que já conquistou para outro mais evoluído. Ou seja, não é o processo de aprendizagem que deve se adaptar ao de ensino, mas o processo de ensino é que tem de se adaptar ao de aprendizagem. Ou melhor: o processo de ensino deve dialogar com o de aprendizagem.

Nesse diálogo entre professor e aprendiz, cabe ao professor organizar situações de aprendizagem. Mas o que vem a ser isso? Elas consistem em atividades planejadas, propostas e dirigidas com a intenção de favorecer a ação do aprendiz sobre um determinado objeto de conhecimento, e essa ação está na origem de toda e qualquer aprendizagem.

Não basta, no entanto, que sejam planejadas, propostas e dirigidas para constituírem automaticamente boas situações de aprendizagem para os alunos. Para terem valor pedagógico, serem boas situações de aprendizagem, as atividades propostas devem reunir algumas condições, respeitar alguns princípios. Boas situações de aprendizagem costumam ser aquelas em que:
● os alunos precisam pôr em jogo tudo o que sabem e pensam sobre o conteúdo que se quer ensinar;

● os alunos têm problemas a resolver e decisões a tomar em função do que se propõem produzir;

● a organização da tarefa pelo professor garante a máxima circulação de informação possível;

● o conteúdo trabalhado mantém suas características de objeto sociocultural real, sem se transformar em objeto escolar vazio de significado social.


É certo que nem sempre é possível organizar as atividades escolares considerando simultaneamente esses quatro pressupostos pedagógicos. Isto é algo que depende muito do tipo de conteúdo a ser trabalhado e dos objetivos didáticos que orientam a atividade proposta. Mas os princípios acima apontam uma direção, e é esta direção que convém não perder de vista.
Alunos põem em jogo tudo o que sabem, têm problemas a resolver e decisões a tomar
Juntos, os dois primeiros pressupostos formam o pano de fundo de uma proposta didática baseada na concepção de aprendizagem como construção. Nesse sentido, “pôr em jogo” o conhecimento que se tem não significa simplesmente usá-lo, mas arriscar-se: o aprendiz precisa testar suas hipóteses e enfrentar contradições, seja entre as próprias hipóteses, seja entre o que consegue produzir sozinho e a produção de seus pares ou entre o que pode produzir e o resultado tido como convencionalmente correto. Ao falar em “problemas a resolver” não se está pensando em problemas matemáticos nem em perguntas para as quais se deve encontrar respostas. O conhecimento só avança quando o aprendiz tem bons problemas sobre os quais pensar. É isso que justifica uma proposta de ensino baseada na idéia de que se aprende resolvendo problemas.

Construir situações que se orientem por esses pressupostos exige do professor competência para estabelecer os desafios adequados para seus alunos, que são os que ficam na interseção entre o difícil e o possível. Se a proposta é difícil demais e impossível de realizar, o desafio não se instaura para o aprendiz, pois o que está posto é um problema insolúvel no momento. Se a proposta é possível mais fácil demais, não há sequer desafio colocado. Portanto, o desafio do professor é armar boas situações de aprendizagem para os alunos: atividades que representem possibilidades difíceis, mas coloquem dificuldades possíveis.

Para que o aluno possa pôr em jogo o que sabe, a escola precisa autorizá-lo e incentivá-lo a acionar seus conhecimentos e experiências anteriores fazendo uso deles nas atividades escolares. Essa autorização não pode ser apenas verbalizada pelo professor: é importante que ele prepare as atividades de maneira que isso seja de fato requisitado.

Certa vez, uma professora que iniciava um trabalho sobre os pólos com seus alunos perguntou a eles o que sabiam sobre os pingüins. Foi um alvoroço, mas um menino que tinha se mudado para aquela escola naquele ano não falou nada. A professora então se dirigiu a ele e perguntou:


“João, você conhece pingüim?”

“Sim.”


“Então o que sabe sobre ele?”

“Nada.”


“Como, nada? Algo você deve saber: como ele é, em que tipo de lugar ele mora.”

“É que a minha professora não deu pingüim no ano passado.”

“Não tem importância, aqui ninguém ainda estudou isso na escola, mas a gente aprende muitas coisas fora da escola.”

“Eu não, só o que eu sei é o que eu vi nos programas da TV Cultura e nos desenhos.”


A valorização dos saberes construídos fora das situações escolares é condição para que os alunos tomem consciência do que e de quanto sabem. Esses, ou quaisquer conhecimentos que tenham, não são necessariamente conscientes, sistematizados ou corretos do ponto de vista adulto. Mas é certo que eles ”estão em jogo” quando se aprende na escola, principalmente quando as propostas de ensino são planejadas para que assim seja.

Se em uma situação de aprendizagem da multiplicação, por exemplo, o professor tem como objetivo que seus alunos façam uso dos saberes que possuem e que realizem operações de forma mais econômica, deve propor atividades em que essas operações vão se tornando mais complexas, levando-os, de fato, a pôr em uso o que sabem, ao mesmo tempo que observam outras formas de resolução que não as próprias. O professor pode agrupar os alunos em duplas para participarem de um jogo como o descrito a seguir, de maneira que fiquem juntos um aluno que realiza a operação utilizando procedimentos mais econômicos e outro que não. Jogos que colocam em questão a agilidade na resolução dos cálculos requerem, dos que usam estratégias pouco avançadas, um esforço para aprender outras mais rápidas, que permitam ganhar tempo.


Jogo de caixa de fósforos
Material: 9 (ou 10) caixinhas de fósforos e palitos.

Participantes: 2 alunos ou 2 grupos.


Regras: o jogo envolve dois jogadores. Cada um deve pôr a mesma quantidade de palitos em cada caixinha. Pode usar 2,3,4, até 9 caixinhas, e só pode colocar até 9 palitos de fósforo em cada uma. Deve preparar escondido a jogada que será proposta ao oponente e colocar os palitos nas caixinhas para que ele diga quantos existem no total – esse é o problema que a ele é colocado. Um deles pega, por exemplo, 4 caixinhas e põe 5 palitos em cada. O oponente terá de dizer quantos palitos há ao todo sem tirar os palitos das caixas para contar. Quem acertar ganha 1 ponto.

Pontos: ganha pontos quem conseguir dar a resposta correta. Se o que está na posição de dar a resposta errar, o que propôs o desafio deve saber a resposta, caso contrário perde um ponto.

Vencedor: ganha o jogo aquele que tiver mais pontos no final de 10 rodadas (ou outra quantidade que se combine previamente).

Um dos aspectos interessantes desse jogo é que o parceiro que propõe o desafio tem sempre de saber o resultado, porque se não souber e tiver de conferir o outro vai ver, já que estão de frente um para o outro. Geralmente, as crianças começam propondo cálculos com números baixos: duas caixinhas com 3 palitos cada uma, 3 caixinhas com 2 palitos cada. À medida que vão se soltando, propõem coisas cada vez mais complexas. Adoram 9 vezes 9 ou 8 vezes 8. Uma das descobertas que fazem é que, assim como os dobros, os “quadrados” têm que ser memorizados, para facilitar. E começam a construir estratégias de multiplicação: 9 caixinhas com 9 palitos é o mesmo que 10 caixinhas com 9 palitos, menos 9 palitos; 8 caixinhas com 9 é igual a 81 (que já sabe de cor), menos 9.

Dessa forma, as crianças vão compreendendo as propriedades da multiplicação e, consequentemente, ampliando seus conhecimentos matemáticos.

No entanto, o fato de se tratar de um jogo não garante, em si, que a situação de aprendizagem seja interessante: existem jogos que são extremamente enfadonhos, outros que não desafiam, por serem muito fáceis ou muito difíceis.

A vantagem que um jogo do tipo descrito acima apresenta para quem está aprendendo multiplicação é o fato de configurar uma situação em que a agilidade no uso do tempo de resolução é um fator importante: o jogo fica mais interessante se as estratégias forem rápidas. Isso vai fazendo com que a tabuada seja aprendida de forma inteligente. A limitação do tempo – que é sempre uma variável em que qualquer atividade humana – é importante na construção de estratégias aritméticas mais avançadas. Quando se restringe o tempo, as estratégias têm de se tornar mais econômicas, e isso, por sua vez, exige um aprofundamento em relação à natureza da operação que está sendo realizada e às suas propriedades.

Em qualquer área de conhecimento é possível organizar atividades que representem problemas para os alunos e que demandem o uso do que sabem para encontrar soluções possíveis.

Voltando aos princípios: quando dizemos que os alunos devem ter problemas a resolver e decisões a tomar em função do que se propõem produzir, estamos nos referindo a uma questão de natureza ideológica, que tem enormes conseqüências de natureza pedagógica (e vice-versa). Não adianta lamentar que a maioria dos alunos tenha como único objetivo em sua vida escolar tirar boas notas e passar de ano, pois é a escola quem lhes ensina isso. Ensina em atos, quando propõe tarefas cujo sentido escapa à criança e, frequentemente, ao próprio professor. É fundamental que os professores que têm compromisso político compreendam que é a alienação que educa para a alienação. Quando falo de tarefas cujo sentido escapa à criança, não estou me referindo a tarefas chatas, cansativas, e não estou propondo que se transforme a escola num parque de diversões. Aprender envolve esforço, investimento, e é justamente por isso que em cada atividade os alunos devem ter objetivos imediatos de realização para os quais dirigir o esforço de equacionar problemas e tomar decisões. Estes objetivos não precisam emergir do seu interesse nem devem ser decididos por eles. Propostos pelo professor, constituem parte da própria estrutura da atividade, de tal forma que os alunos possam apropriar-se tanto dos objetivos quanto do produto do seu trabalho.

Vou dar um exemplo. A produção de texto, ou, como é mais conhecida, a redação, é uma atividade presente em qualquer tipo de proposta pedagógica. O que varia é o momento em que se considera a criança apta a redigir textos.

A discussão sobre se é necessário escrever convencionalmente ou não para começar a produzir textos envolve questões tanto do campo da lingüística (o que é um texto) quanto do campo da pedagogia (é necessário aprender para poder redigir ou é necessário redigir para poder aprender?). Mas nossa questão nesse momento não é essa, e sim o sentido do ato de redigir para o aluno.

Creio que ninguém discordaria que escrever para que o texto seja lido é completamente diferente de escrever para que ele seja corrigido. São dois sentidos distintos que transformam o que aparentemente é a mesma atividade, a redação, em duas atividades completamente diferentes. A própria correção, como uma outra atividade, ganha sentido quando é tratada como um esforço de buscar maior legibilidade e permite ao aluno compreender que é necessário escrever dentro de padrões convencionais, não para agradar ao professor, e sim para que o texto possa ser lido com facilidade.


A organização da tarefa garante a máxima circulação de informação possível
Informação é tudo o que de fato “acrescenta”. Livros e outros materiais escritos informam, a intervenção do professor informa, a observação de como uma colega resolve uma situação-problema informa, as dúvidas informam, as dificuldades informam, o próprio objeto que os alunos se debatem para aprender, informa.

O conhecimento avança quando o aprendiz enfrenta questões sobre as quais ainda não havia parado para pensar. Quando observa como os outros a resolvem e tenta entender a solução que os outros dão. Isso é o que justifica a exigência pedagógica de garantir a máxima circulação de informação possível na classe. Significa permitir que as perguntas circulem e as respostas também, e que cada aluno faça com isso – que é informação – o que lhe é possível em cada momento. Para promover a circulação de informações é preciso que o professor aceite que seu papel é o de um planejador de intervenções que favoreçam a ação do aprendiz sobre o que é objeto de seu conhecimento. E que abra mão da posição de ser o único informante da classe – posição muitas vezes adotada não por autoritarismo, mas para evitar que os alunos errem, pois, quando trocam livremente informações, expõem uns para os outros suas hipóteses, muitas vezes erradas. A preocupação em evitar o contato do aluno com a resposta errada é uma marca do modelo empirista de ensino e está relacionada à idéia de que ela vai se fixar em sua memória.

As crianças frequentemente reproduzem o padrão de comportamento que os adultos têm com elas. Numa classe onde o respeito intelectual com o processo de aprendizagem dos alunos é baixo, é comum eles se vangloriarem dos seus saberes, gozarem e humilharem os outros quando dão respostas inadequadas. Numa classe onde o professor cultiva a cooperação e o respeito intelectual, eles costumam fazer o mesmo com os colegas. Quando o professor proporciona situações de intercâmbio e colaboração na sala de aula, eles podem trocar informações entre si, discutir de maneira produtiva e solidária e aprender uns com os outros.

Para poder explicar para o colega que seu jeito de pensar está incorreto, o aluno precisa formular com precisão e argumentar com clareza – e esta é uma situação muito rica para sistematizar seus próprios conhecimentos. Quando se contradiz e percebe isso, pode reorganizar as idéias, e dessa forma seu conhecimento avança.

Num ambiente de respeito e solidariedade, os alunos aprendem a dar as informações que julgam importantes para o colega. Em uma sala de aula onde essa prática é adotada, não é raro vê-los oferecendo informações parciais uns para os outros e escutar diálogos do tipo: “Agora pensa para ver se você descobre”, “Repare bem que você encontra a resposta”. É comum, também, ver uma criança perguntando coisas do tipo: “Com que letra começa padaria?” e tendo como resposta “É com a mesma letra do nome do Paulo” – uma resposta bastante diferente de “Dá aqui que eu faço um p para você”, ou “Não está vendo que é o p?” E há, é claro, a possibilidade de o aluno que perguntou ouvir de seu colega: “Padaria? começa com a” – e se dar por satisfeito. O medo de que eles aprendam errado, numa hora dessas, faz com que muitos professores recuem e bloqueiem a circulação de informação.

Uma classe é, de certa forma, uma microssociedade. E o professor estabelece o seu modo de funcionamento, muito menos por ter montado um decálogo na parede – o que é muito interessante, desde que seja discutido com os alunos, - mas, principalmente, por passar, através de seus próprios atos, quais as atitudes que devem ser valorizadas, quais não, que formas de relação são bem aceitas, quais não. A classe incorpora isso tudo porque o professor está no comando e é referência.

Os alunos, muitas vezes discutem, defendem suas opiniões. E a atitude diante do que consideram um não-saber do outro tem a ver muito, também, com o temperamento de cada um. Há crianças que não discutem, mas não arredam pé, outras até discutem, mas acabam cedendo. A questão central não é haver ou não discussão, mas sim que cada um consiga formular o seu argumento a favor ou contra uma dada questão. Aprende-se muito quando se está exposto a uma argumentação, e mais ainda quando se tem que defender um ponto de vista. O esforço de comunicar uma idéia sempre faz avançar a compreensão e é altamente produtivo do ponto de vista da aprendizagem.

A interação entre os alunos não é necessária só porque o intercâmbio é condição para o convívio social na escola: ela é necessária porque informa a todos os envolvidos e potencializa quase infinitamente a aprendizagem.




Este material é parte integrante da metodologia de titularidade do Instituto Ayrton Senna, sendo terminantemente vedada a sua reprodução para fins diversos daqueles fixados no termo de parceria formalizado com o IAS.






Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal