Competências a desenvolver



Baixar 124.7 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho124.7 Kb.
ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA

Departamento de História e Ciências Sociais

Planificação Médio Prazo 10º Ano

História


2010/2011
Competências a desenvolver:

  • Seleccionar informação de natureza diversificada;

  • Interpretar documentos;

  • Formular hipóteses de interpretação de factos históricos;

  • Realizar trabalhos de pesquisa;

  • Utilizar formas diversificadas de comunicação escrita, aplicando vocabulário específico da disciplina;

  • Utilizar correctamente a língua portuguesa na expressão oral e escrita;

  • Analisar e interpretar fontes iconográficas;

  • Usar meios informáticos como suporte de comunicação;

  • Identificar e caracterizar as principais fases da evolução histórica e os momentos de ruptura no processo evolutivo;

  • Localizar no tempo eventos e processos e estabelecer relações entre passado e presente;

  • Explicitar as dinâmicas temporais que impulsionam as sociedades humanas;

  • Localizar e situar no espaço com recurso a formas de representação espacial;

  • Distinguir aspectos de ordem demográfica, económica, social, política e cultural e estabelecer relações;

  • Interpretar o papel dos indivíduos e dos grupos na dinâmica social;

  • Relacionar a História nacional com a História europeia e mundial, reconhecendo a especificidade do caso português.






PLANIFICAÇÃO ANUAL - HISTÓRIA A - 10º Ano

Ano Lectivo 2010/2011




CONTEÚDOS




CONCEITOS



Aprendizagens relevantes


Estratégias e Recursos



Aulas Previstas

MÓDULO 0:

A História: tempos e espaços

-Quadros espaciais e temporais

-Períodos históricos e momentos de ruptura

-Processos evolutivos; a multiplicidade de factores

-Permutas culturais e simultaneidade de culturas

-História nacional e História universal - interacções especificidades do percurso português.

MÓDULO 1:

Raízes mediterrâneas da civilização europeia-cidade,cidadania e império na Antiguidade Clássica
1. O modelo ateniense

1.1.A democracia antiga:os direitos dos cidadãos e o exercício de poderes

1.2.Uma cultura aberta à cidade

-As grandes manifestações cívico-religiosas

-A educação para o exercício público do poder

-A arquitectura e a escultura, expressão do culto público e da procura da harmonia


2. O modelo romano

2.1.Roma,cidade ordenadora de um império urbano

-A unidade do mundo imperial: o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito e a progressiva extensão da cidadania
2.2.A afirmação imperial de uma cultura urbana pragmática

-A padronização do urbanismo e a fixação de modelos arquitectónicos e escultóricos

-A apologia do império na épica e na historiografia; a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
2.3.A romanização da Península Ibérica, um exemplo de integração de uma região periférica no universo imperial
3. O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança

-O império universal romano-cristão

-A Igreja e a transmissão do legado político-cultural clássico

-Prenúncios de uma nova geografia política: a presença dos "bárbaros" no império.


MÓDULO 2:

Dinamismo civilizacional da Europa Ocidental nos séculos XIII e XIV - espaços, poderes e vivências
1. A identidade civilizacional da Europa Ocidental

1.1.Poderes e crenças - multiplicidade e uniformidade

-Uma geografia política diversificada: impérios,reinos,senhorios e comunas; imprecisão de fronteiras internas e externas

-A organização das crenças: o poder do Bispo de Roma na Igreja Ocidental.

-O reforço da coesão interna face a Bizâncio e ao Islão

1.2.O quadro económico e demográfico: expansão e limites do crescimento

-Expansão agrária,dinamização das trocas regionais e afirmação das grandes rotas do comércio externo

-A fragilidade do equílibrio demográfico

2.O espaço português: a consolidação de um reino cristão ibérico
2.1.A fixação do território - do termo da Reconquista ao estabelecimento e fortalecimento de fronteiras
2.2.O país urbano e concelhio

-A multiplicaçãode vilas e cidades concelhias; a organização do território e do espaço citadino

-O exercícío comunitário de poderes concelhios; a afirmação política das elites urbanas
2.3.O país rural e senhorial

-O exercício do poder senhorial:privilégios e imunidades; a exploração económica do senhorio; a situação social e económica das comunidades rurais dependentes


2.4. o poder régio, factor estruturante da coesão interna do reino

-A centralização do poder :justiça, fiscalidade e defesa

-A reestruturação da administração central e local:

o reforço dos poderes da chancelaria e a institucionalização das cortes

-O combate à expansão senhorial e a promoção política das elites urbanas

-A afirmação de Portugal no quadro político ibérico


3. Valores, vivências e quotidiano

3.1.A experiência urbana

-Uma nova sensibilidade artística: o gótico

-As mutações na expressão da religiosidade: ordens mendicantes e confrarias

-A expansão do ensino elementar; a fundação de universidades
3.2.A vivência cortesã

-A cultura leiga e profana nas cortes régias e senhoriais: educação cavalheiresca, amor cortês, culto da memória dos antepassados


3.3.A difusão do gosto e da prática das viagens: peregrinações e romarias; negócio e missões político-diplomáticas

MÓDULO 3:

A abertura europeia ao mundo - mutações nos conhecimentos, sensibilidades e valores nos séculos XV e XVI
1. A geografia cultural europeia de quatrocentos e quinhentos

-Principais centros culturais de produção e difusão de sínteses e inovações.

-O cosmopolitismo das cidades hispânicas: importância de Lisboa e Sevilha
2.O alargamento do conhecimento do Mundo

-O contributo português: inovação técnica; observação e descrição da natureza

-A matematização do real; a revolução das concepções cosmológicas
3.A produção cultural
3.1.Distinção social e mecenato

-A ostentação das elites cortesãs e burguesas

-O estatuto de prestígio dos intelectuais e artistas

-Portugal: o ambiente cultural da corte régia


3.2.Os caminhos abertos pelos humanistas

-Valorização da Antiguidade Clássica e consciência da modernidade; a afirmação das línguas nacionais

-Individualismo, espírito crítico, racionalidade e utopia
3.3. A reinvenção das formas artísticas

-Imitação e superação dos modelos da Antiguidade

-A centralidade do observador na arquitectura e na pintura: a perspectiva matemática; a racionalidade no urbanismo

-A expressão naturalista na pintura e na escultura

-A arte em Portugal: o gótico-manuelino e a afirmação das novas tendências renascentistas
4. A renovação da espiritualidade e religiosidade
-A reforma protestante

-Individualismo religioso e críticas à Igreja Católica

-Reafirmação do dogma e do culto tradicional

-A reforma disciplinar; o combate ideológico

-O impacto da reforma Católica na sociedade portuguesa.
5. As novas representações da Humanidade

-O encontro de culturas e as dificuldades de aceitação do princípio da unidade do género humano: evangelização e escravização; os antecedentes da defesa dos direitos humanos


Fonte histórica

Tempo histórico

Cronologia

Periodização

Ciências Sociais

Pólis

Ágora


Democracia

Cidadão


Meteco

Escravo


Ordem arquitectónica

Urbe


Império

Fórum


Direito

Magistratura

Urbanismo

Pragmatismo

Romanização

Município

Aculturação

Romanização


Igreja romano-cristã

Civilização

Época clássica

Reino

Senhorio


Comuna

Papado


Igreja ortodoxa grega

Islão


Burguesia

Economia monetária

Reconquista

Concelho


Carta de foral

Mesteiral

Imunidade

.Vassalidade

Monarquia feudal

Cúria


Cortes/parlamentos

inquirições

Legista

Românico


Gótico

Confraria

Corporação

Universidade

Cultura erudita

Cultura popular

Época medieval

Navegação astronómica

Cartografia

Experiencialismo

Mentalidade quantitativa

Revolução coperniciana

intelectual

Civilidade

Renascimento

Humanista


Racionalismo

Espírito Crítico

Individualismo

Utopia
Antropocentrismo

Naturalismo

.Classicismo

Perspectiva
Manuelino
Reforma

Heresia


Dogma

Predestinação

Sacramento

Rito


Concílio

Seminário

Catecismo

Inquisição

Index

Proselitismo



Missionação

Miscigenação

Providencialismo

Direitos Humanos

Racismo

Época Moderna



Compreender a noção de período histórico como resultado de uma reflexão sobre permanências e mutações nos modos de vida das sociedades, num dado espaço.



- Reconhecer a diversidade de documentos históricos e a necessidade de uma leitura crítica.

- Exercitar a prática de recolha de Informação, individual e em grupo, e do seu tratamento e organização.

- Analisar e produzir materiais

iconográficos (quadros ou frisos cronológicos, esquemas, mapas, gráficos).



- Exercitar diversas formas de comunicação escrita (biografias, resumos, relatórios) e oral (apresentação oral, painéis, debates).

- Desenvolver a noção de relativismo cultural.
- Identificar os elementos definidores da polis ateniense.

- Caracterizar o modelo democrático ateniense: as

suas limitações, os fundamentos e os mecanismos

de funcionamento.

- Valorizar processos de intervenção democrática na

vida colectiva.

- * Interpretar a extensão do direito de cidadania

romana como um processo de integração da pluralidade de regiões sob a égide do Estado

imperial.

- * Distinguir formas de organização do espaço nas

cidades do Império, tendo em conta as suas funções

cívicas, políticas e culturais.

- * Sensibilizar para a importância do legado político

e cultural clássico como uma das matrizes da formação da civilização europeia ocidental.



- Desenvolver a sensibilidade estética, através da identificação e da apreciação de manifestações

artísticas do período clássico.



- Reconhecer na sociedade europeia

medieval factores de coesão que se

sobrepuseram às permanentes

diversidades político-regionais,

distinguindo a importância da Igreja nesse processo.

- Reconhecer no surto demográfico do mséculo XIII, na expansão agrária que

acompanhou e no paralelo

desenvolvimento urbano o

desencadear de mecanismos

favorecedores de intercâmbios de ordem local, regional e civilizacional.

- * Reconhecer o senhorio como o quadro organizador da vida económica e social no mundo rural tradicional, caracterizando as formas

de dominação exercidas sobre as comunidades campesinas.



- * Compreender a especificidade da

sociedade portuguesa concelhia, distinguindo a diversidade de estatuto

dos seus membros e as modalidades de relacionamento com o poder régio e os poderes senhoriais

* Interpretar a afirmação do poder régio em Portugal como elemento estruturante da coesão do país concelhio e do país senhorial e promotor de missões de prestígio e de

autonomia do Reino no contexto da cristandade ibérica.

- * Compreender as atitudes e os quadros mentais que enformam a sociedade da

época, distinguindo cultura popular de cultura erudita.

- Desenvolver a sensibilidade estética através da identificação e apreciação de

obras artísticas do período medieval.

- Valorizar formas de organização colectiva da vida em sociedade

*Reconhecer o papel de vanguarda dos

Portugueses na abertura europeia ao mundo e a sua contribuição para a

síntese renascentista.



- Identificar a emergência e a

progressiva consolidação de uma mentalidade quantitativa e

experimental que prepara o advento da ciência moderna e proporciona ao homem um maior domínio e conhecimento do mundo.

- Reconhecer o prestígio da coroa portuguesa na Época Moderna e a função valorizante da produção

artística e literária nacional



- *Identificar no urbanismo, na

arquitectura e na pintura a expressão de uma nova concepção do espaço, de

carácter antropocêntrico

- Identificar na produção cultural renascentista a herança da Antiguidade

clássica e a continuidade com o período medieval.



- Desenvolver a sensibilidade estética através da identificação e apreciação de

obras artísticas e literárias do período renascentista.



- Apresentação

- Avaliação Diagnóstica

- Utilização da técnica de

Comunicação brainstorming

- Análise de fontes

históricas diversificadas.

- Trabalho de grupo/pares

- Elaboração e análise de

frisos cronológicos, mapas e cronologias.

- Comentário de texto

- Elaboração de um

quadro síntese e

produção de texto.

- Esquemas síntese no

quadro.


- Diálogo professor/aluno.

- Resumos de textos.

- Análise de fontes históricas

diversificadas.

- Esquema no quadro

- Observação de figuras

- Análise de transparências e

seu comentário/conclusão

- Trabalho de grupo/pares

- Elaboração e análise de

frisos cronológicos, mapas e cronologias.

- Elaboração de um quadro

síntese e produção de texto.

- Pequenos trabalhos de

pesquisa com apresentação

e debate na turma.

- Visionamento de filme: “O

Gladiador” relacionados

com o mundo romano e o

cristianismo.

- Comentário de texto: “A

arte e o seu significado”

- Diapositivos

- Leitura comentada de BD - Astérix.

- Trabalho de grupo sobre a romanização em Portugal.

- Fichas de trabalho

- Textos fotocopiados sobre lendas do início da

formação de Roma.


Recuperação de conhecimentos

do Ensino Básico, com recurso a meios audiovisuais seguido da

construção de um mapa de conceitos, orientado pelo professor.

- Análise de fontes históricas

diversificadas (carta de foral, cantigas de amigo, de romaria,

etc.).

- Trabalho de grupo/pares



- Elaboração e análise de frisos cronológicos, mapas e cronologias.

- Visionamento de filme: “O nome

da Rosa”

- Utilização de meios multi-média

diversificados sobre a época em estudo.

- Análise de plantas de núcleos urbanos medievais.

- Desenvolvimento das

actividades propostas pelo manual e caderno de

actividades do aluno.

- Análise de transparências

- Elaboração de biografias dos reis portugueses

Exploração de acetatos

- Aprofundamento de

conhecimentos adquiridos

através de leituras

complementares: “História da vida privada”, romances

históricos.

- Recuperação de

conhecimentos do Ensino

Básico, com recurso a meios audiovisuais seguido da

construção de um mapa de conceitos, orientado pelo professor.

- Análise de fontes históricas

diversificadas (documentos

cartográficos, crónicas

portuguesas, relatos de viagens, obras renascentistas, etc.).

- Elaboração e análise de frisos cronológicos, mapas e cronologias.

- Visionamento de

filmes/documentários

relacionados com a época em estudo.

- Utilização de meios multimédia diversificados sobre a época em estudo.

- Trabalhos de pesquisa sobre figuras da época em estudo.

- Desenvolvimento das

actividades propostas pelo manual e caderno de actividades

do aluno.

- Elaboração de um mapa


1

6

18



8

12

9


2

4



9

9

1



A docente: Leonilde Resendes

Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal