Conselho municipal dos direitos da criança e do adolescente cmdca orientaçÕes para a elaboraçÃo de projetos para o fundo da infância e adolescência fia apresentação



Baixar 206.19 Kb.
Encontro25.07.2016
Tamanho206.19 Kb.
CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA

ORIENTAÇÕES PARA A
ELABORAÇÃO DE PROJETOS
PARA O FUNDO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA

Apresentação

O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Joinville – CMDCA - visando contribuir para a proteção da criança e do adolescente, elaborou esta cartilha, que tem como objetivo orientar os representantes das entidades de atendimento à criança em Joinville para a elaboração de projetos para o Fundo da Infância e Adolescência – FIA.


A cartilha apresenta, de forma objetiva, os principais questionamentos e respostas referentes ao CMDCA, FIA, ECA e a metodologia para a apresentação de Projetos ao CMDCA.
Esperamos poder contribuir de forma significativa para o cumprimento de nossa missão em relação à proteção da criança e do adolescente em Joinville.
Acreditamos no empenho de todos os conselheiros, dos demais órgãos públicos e das entidades que realmente desenvolvem um trabalho que possa fazer a diferença na vida das crianças e jovens do nosso município.

Humberto Gonçalves Correa Júnior

Presidente

1. O que é o CMDCA?
É o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Joinville - CMDCA, um órgão deliberativo e controlador da Política Municipal de Atendimento, composto por membros da sociedade civil organizada (não governamental) e por representantes do poder público indicados pelo executivo municipal (governamental). Seu objetivo é formular e zelar pela execução de políticas públicas para o atendimento à infância e adolescência e, também gerir o FIA – Fundo Municipal para Infância e Adolescência.
2. O que é o Fundo da Infância e Adolescência - FIA?
Autorizado pela Lei federal 8.242/91 é um fundo administrado pelos Conselhos de defesa da Criança e do Adolescente, criado para captar recursos destinados ao atendimento de políticas, programas e ações voltadas para a prevenção, promoção e defesa da criança e do adolescente. Esses recursos são oriundos do imposto de renda destinado por pessoas físicas e jurídicas, de multas e outras fontes de recursos que lhe forem destinados. Portanto, legalmente podem ser deduzidos do Imposto de Renda 6% de qualquer doador pessoa física que faça declaração de IR no modelo completo 6% ou 1% de pessoa jurídica tributada por lucro real. É importante que o destinador contate o CMDCA para emissão do recibo de depósito.
3. O que é o Estatuto da Criança e o Adolescente – ECA e sobre o que versam os seus artigos 87, 88,90 e 92?
O ECA é a Lei nº 8.069/90 que trata especificamente sobre os direitos das crianças e adolescentes e das medidas cabíveis no caso de descumprimento das Leis.

Os artigos 87, 88,90 e 92 do ECA versam sobre a política de atendimento a criança e ao adolescente e, visam garantir os seus direitos.


4. O que pode ser financiado através do Fundo da Infância e Adolescência- FIA?
O FIA financia projetos em harmonia com o Estatuto da Criança e do Adolescente- ECA e com a Lei Municipal de criação do CMDCA. Porém, não financia a manutenção de entidades e programas, nem compra de equipamentos para o setor administrativo das entidades.


5. Quem pode buscar recursos a partir do FIA?
As entidades de atendimento, e programas que atendam criança e ou adolescente, que estejam devidamente registrados no CMDCA. Obs.: Os projetos devem estar em consonância com o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA.
6. Se o projeto for de execução continuada, ele pode ser financiado com recursos do FIA por tempo indeterminado?
Não. O projeto tem que ser auto-sustentável, ou seja, caso haja continuidade DO PROJETO esta é de responsabilidade da entidade ou programa que deverá mantê-lo em funcionamento por meio de recursos próprios ou outras fontes financiadoras que não seja o FIA.
7. Quais as exigências legais para liberação de recursos do FIA?
Toda liberação de recursos segue trâmites burocráticos que exigem além da análise e aprovação dos projetos pelo CMDCA, a apresentação de vários documentos que serão analisados pelos setores responsáveis da Prefeitura, encaminhados à Câmara de Vereadores, para que esta possa autorizar a “despesa”, depois, ser assinado pelo Prefeito e pela entidade para finalmente o recurso ser liberado.

Também é necessário ter disponibilidade financeira no Fundo da Infância e Adolescência – FIA.
8. Quais os prazos e documentos necessários para liberação de recursos após aprovação dos projetos pelo CMDCA.
A entidade com projeto aprovado pelo CMDCA, terá o prazo de até dois meses, a partir do recebimento de oficio comunicando a aprovação, para “entregar todos os documentos para a liberação de recursos”. Caso não sejam entregues e nem justificado oficialmente o atraso na entrega, a entidade perderá o recurso que será automaticamente destinado a outros projetos.

Verificar a relação de documentos em anexo a cartilha.

OBS.:a secretaria executiva do Conselho não receberá documentos caso esteja faltando algum dos exigidos para liberação do recursos. Lembramos que existem documentos com prazo de validade.


9. Depois de recebido o recurso é preciso apresentar mais algum documento ao CMDCA?

Sim. Após o recebimento do recurso e a sua aplicação conforme plano de trabalho, a entidade ou programa beneficiado deve prestar contas ao CMDCA sobre o uso do dinheiro. Esta informação e, os documentos que devem ser apresentados vêm especificados no termo de convênio ou subvenção assinado pela entidade. É preciso ler com atenção.


10. Após os trâmites burocráticos como é disponibilizado o recurso?
A entidade beneficiada deve abrir uma conta corrente exclusiva para receber os recursos do FIA e, sua utilização tem regras específicas que devem ser cumpridas.
Por exemplo: não é permitido saques direto no caixa, os cheques emitidos devem ser nominais e de acordo com as notas fiscais dos serviços ou material adquirido, deve ser apresentado os extratos de movimentação da conta, etc.
Para reduzir custos, agilizar transferência e facilitar o controle interno de contas, preferencialmente, a conta corrente deve ser aberta no mesmo banco em que o Fia tem seus depósitos.
11. Quando inicia a aplicação dos recursos?
A data inicial para aplicação de recurso recebidos, coincidirá com a data da publicação da Lei e assinatura do convênio e da liberação da verba na conta-corrente da entidade/instituição que ficará responsável pelo acompanhamento de toda e qualquer movimentação em sua conta bancária e prestará contas do uso do recurso.
12.Quando um projeto não é aprovado pelo FIA?
Quando está em desacordo com o que preconiza o Estatuto da Criança e do Adolescente; não está de acordo com as orientações desta cartilha ou a entidade ou programa não respeitar os prazos e a entrega de documentos solicitados.

Metodologia do Projeto

Os projetos apresentados ao CMDCA para análise junto ao FIA devem seguir todas as orientações a seguir. Serão desclassificados os projetos que não cumprirem esta medotologia.


1. Redação: devem ser redigidos conforme normas da ABNT (espaçamento entre linhas 1,5 cm; fonte times new roman ou arial, altura da fonte 12, margem superior e esquerda 3 cm, margens direita e inferior 2,5 cm; alinhamento justificado, folha A4 impressa no formato “retrato”).


2. Resumo do Projeto (seguir modelo abaixo)



Entidade

Razão Social completa

Endereço

Rua número

Telefone

Número

Responsável/fone/e-mail

(deve conter 2 pessoas)



Nome completo

Nome do Projeto

Nome completo

Objetivo geral

Desenvolver a criatividade das crianças.(exemplo)

Objeto a ser financiado

Material pedagógico e lúdico(exemplo)

Público alvo/faixa etária

Crianças de 7 a 14 anos (exemplo)

Quantidade de atendimento

55 crianças (exemplo)

Valor solicitado ao CMDCA

R$ 1206,50 (exemplo)

Valor Total do Projeto

R$ 2000,00 (exemplo)


Obs.: Este quadro deve ficar sozinho na folha de rosto.

2.1 DADOS INSTITUCIONAIS

  • Nome do projeto / Título.

  • Instituição responsável e logotipo - se houver.

  • Endereço

  • Telefone

  • Ano de fundação da organização.

  • Missão da organização.

  • Diretoria.

  • Pessoas responsáveis pelo projeto.

Deve conter o nome de duas pessoas responsáveis pelo projeto, pois na ausência de um é preciso que haja outra pessoa capaz de responder pelo andamento e monitoramento do projeto. E o telefone de contato e / ou e-mail.





Nome

Função

Telefone/ e-mail

Fulana de tal

Coordenação

3422 2222

ppta@ig.com



Fulano

Orientadora

3422 2223

bneve@entidade.org.br




2 2.IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE
A entidade diz quem é e o que faz. Descreve as suas atividades. É um breve histórico.

3. APRESENTAÇÃO COM JUSTIFICATIVA DO PROJETO
O solicitante do recurso deve apresentar de uma forma clara, sucinta e objetiva o seu projeto para o financiador entendê-lo. O solicitante do recurso deve explicar e responder às questões: por que e para que executar o projeto? Deve descrever as demandas verificadas no contexto que levaram à elaboração deste projeto. Mencione dados específicos para justificar tais demandas.


3.1 OBJETO A SER FINANCIADO
Descrição do que será o objeto do financiamento. Isso deve estar claro, objetivo e especificando o tipo (“atendimento”, construção ou reforma em m², aquisição de equipamento) desde que esteja de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente -ECA.
Por exemplo: Objetivo e responde a pergunta para que? Capacitação de mães para serem formadoras educacionais do lar, aquisição de televisor 29” para atividades educativas; construção de 20m² de parede para sala de atividades...

4. PÚBLICO ALVO
Quem direta e indiretamente serão os beneficiários deste projeto. Quantos recebem 100% de gratuidade e quantos são os beneficiários diretos pagantes parcial ou integralmente. De preferência deve quantificar os beneficiários diretos e indiretos. Enviar em anexo relação com os nomes e o percentual de desconto (gratuidade) da mensalidade recebido por cada beneficiário.


População

Nº de atendimento direto

Nº de atendimentos indireto

Quantidade de atendimentos gratuitos


Quantidade de atendimentos com gratuidade parcial

Quantidade de atendimentos pagamento integral

Crianças

30




10

5

15

Adolescentes

40




20

10

10

Jovens (18 a 25 anos)

5

15

1

4




Adultos




8










Famílias (se houver)




70










Técnicos/profissionais
















Total

75

93

31

19

25


5 OBJETIVOS
5.1 Geral
Qual o impacto, mudança de contexto, que este projeto visa causar?
5.2 ESPECIFICOS
Informe quais são as condições/situações que serão contempladas devido à realização das ações propostas neste projeto. Os objetivos específicos devem ser claros e mensuráveis. O que vai ser feito para atingir o objetivo geral.

6 ATIVIDADES EXECUTADAS:


Objetivo

Resultados Esperados

Atividades Principais

Período

Quantitativos

Qualitativos

Capacitar mães

100% de aproveitamento dos capacitados

Ampliar o nível de conhecimento e assegurar o compromisso dos capacitados.

Realização de 30 h aulas

03/2008



7. METODOLOGIA
Definir como fazer a implantação ou a implementação da operacionalização do projeto. Descrever detalhadamente, passo a passo, a metodologia que será utilizada para realização das ações planejadas.

8. INDICADORES DE RESULTADOS
Para cada atividade principal, preencha a tabela abaixo informando quais são os indicadores que serão verificados para determinar o cumprimento dos objetivos específicos do projeto.

Os indicadores são verificações, acontecimentos, ocorrências ou dados mensuráveis que comprovam que o projeto teve efeitos e causou mudanças no grupo beneficiário. Por exemplo: Para mostrar que houve fortalecimento comunitário, um indicador possível é o aumento do número de associados na Associação da comunidade. Todo indicador precisa ser mensurável.





Atividade

Indicadores de Progresso

Meios de verificação

Capacitação de mães

Nº de aulas realizadas

Freqüência

Desempenho dos participantes.


Lista de presença

Relatório de atividades



Entrevistas com alunos


9. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES
Exemplo

Atividade

Período

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12

Reunião




x































visita







x




























atendimento










x

x

x

x

x

x

x

x

x

Conclusão




























x

x

x



10. EQUIPE TECNICA DA ENTIDADE

Devem constar os nomes, formação e funções das pessoas envolvidas na elaboração do projeto. Se os profissionais são contratados com registro ou voluntários e a carga horária de cada um.




Nome

Formação

Função

Carga horária semanal

Vínculo empregatício

Branca de Neve

Assistente social

coordenadora

40

CLT

Rosinha Zinha

Pedagoga

orientadora

20

voluntária

Rosmano Mano

Assistente social

educador

40

CLT

11. DESCRIÇÃO DA CONTRAPARTIDA
Descreva quais os recursos materiais, humanos e tecnológicos, espaço físico e parcerias com que a organização já conta e que serão utilizados na execução deste projeto.
11.1 Contrapartida
Caso existir a contrapartida deve ser mencionado. Deve ser real e pode ser financeira ou não. Por exemplo: sala de aula para execução de curso...
11.2 Parceiros
Também deve mencionar outras parcerias estabelecidas para execução do projeto, fontes de apoio e de financiamento – caso existam, especificando as funções de cada uma.


Organização

Principais funções no projeto

Nome completo

Nome completo



Fornecimento de materiais didáticos para o projeto.

Espaço / Sala para aula técnica.





12. SUSTENTABILIDADE
Descreva os elementos abaixo e outros que favorecem a continuidade do projeto e de seus resultados em longo prazo.
13. FINANCEIRO

Presença de outras fontes de financiamento ou empreendimento de autofinanciamento. Deve constar os nomes.


13.1 TÉCNICO

Recursos humanos.



13.2 COMUNITÁRIO

Apropriação do projeto pela comunidade.



14. COMUNICAÇÃO DO PROJETO
Como a entidade solicitante de recursos irá divulgar suas ações aos parceiros, líderes, autoridades governamentais, público interno, sociedade em geral e formadores de opinião nos assuntos relacionados à criança e ao adolescente em Joinville.

É obrigação da entidade divulgar o recebimento de recursos do FIA por meio de comunicação visual (placa,“banner”,...) fornecido pelo CMDCA ou confeccionada pela entidade conforme modelo fornecido pelo CMDCA.



Por exemplo:


Tipo de Mídia

Quantidade

  1. Folders, panfletos e outros impressos

  2. Mala direta

3. Página na internet

XXXX

XXXX

XXXX



15 ORÇAMENTO
O orçamento deve conter os itens que serão adquiridos e os respectivos preços, se possível com descrição de marcas pesquisadas. Para cumprir as exigências legais, Lei 8.666 /93, é importante que seja apresentado, em anexo, orçamentos de três fornecedores.

O orçamento deve estar de acordo com o preço de mercado porque o CMDCA analisa os custos reais da solicitação e, valores subfaturados ou superfaturados podem fazer com que o projeto não seja aprovado.



Ex.1:


Objeto

Quantidade

Valor unitário R$

Valor total R$

Palestrante

30 h

50,00

1.500,00

Apostila

40 un

30,00

1.200,00

Total







2.700,00


Ex.2:

Objeto

Quantidade

Valor unitário R$

Valor total R$

TV 29”

1 un

599,00

599,00

DVD

1 un

200,00

200,00

Instalar equipamento multimídia e revisar instalação elétrica

10 h eletricista


15,00

150,00

Fio 10mm

100 m

4,00

400,00

TOTAL R$







1.349,00



16. CRONOGRAMA
Desenvolver quadro sintético e de fácil visualização das etapas do projeto; definir o calendário com margem de segurança, representando capacidade física, organizacional e financeira da entidade.
Exemplo:


NATUREZA DA DESPESA

MÊS 1

MÊS 2

MÊS 3

MÊS 4

MÊS 5

MÊS 6

TOTAL 1o SEM

1. CUSTOS FIXOS



















R$

1.1 Aquisição de equipamentos (tv, dvd)




x













799,00

1.2 Palestrante




x

x










1.500,00

1.3 Revisão elétrica

x
















550,00

ETC...






















TOTAL GERAL R$

550,00

1.549,00

750,00

0,00

0,00

0,00

2.849,00



17. VALOR DO PROJETO
Deve constar o valor solicitado ao CMDCA para execução do projeto.

OBS.: Se o valor total do projeto for superior ao solicitado ao CMDCA, deve ficar claro.



Ex:

Valor solicitado ao CMDCA: R$ 5.500,00 (cinco mil e quinhentos reais)

Valor da contrapartida: R$ 1.500,00 (hum mil e quinhentos reais)

Valor total do projeto: R$ 7.000,00 (sete mil reais).
Joinville, _____,_________________ de 20__
__________________________________

Assinatura do responsável / Cargo
.

  1. ANEXOS

Os anexos podem ser: relação de crianças e adolescentes atendidas; projetos arquitetônicos, cópia dos orçamentos de fornecedores utilizados para elaborar o custo do projeto, fotos, etc...

Obs.: Exemplos foram citados de forma fictícia.


Anexos

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CONVÊNIOS E SUBVENÇÕES







DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

N

S

1

Ofício de solicitação em papel timbrado da entidade, dirigida ao Prefeito ou memorando do Secretário da área que concederá o benefício;







2

Plano de Trabalho preenchido, rubricado e assinado (também disquete ou e-mail;







3

CNPJ da entidade – original impresso (internet);







4

Cópia, autenticada em cartório, do Certificado de Inscrição no CMAS/CME;







5

Cópia, autenticada em cartório, do Atestado de Funcionamento emitido pelo CMAS/CME/CMS; (conforme o caso)







6

Resolução do CMS (para entidades ligadas da Secretaria Municipal de Saúde);







7

Cópia, autenticada em cartório, do Estatuto Social da entidade, devidamente registrado em cartório;







8

Cópia, autenticada em cartório, do Balancete Financeiro do exercício anterior devidamente aprovado pelo Conselho Fiscal da Instituição;







9

Relatório de atividades a serem realizadas no período do convênio;







10

Cópia, autenticada em cartório, da Lei de Utilidade Pública Municipal ou Certidão da Câmara de Vereadores que reconheça a utilidade pública;







11

Cópia, autenticada em cartório, da Ata de Posse da atual Diretoria da entidade;







12

Cópia, autenticada em cartório, do RG e do CPF do Presidente da Instituição;







13

Certificado de Regularidade do FGTS – original impresso (internet) www.caixa.com.br







14

Certidão Negativa de Débitos do INSS – original impressa (internet) http://www.dataprev.gov.br/consultas/cons-empresas.shtm;







15

Certidão Negativa de Débito Municipal;







16

Declaração de Funcionamento regular da entidade 3(três)anos, expedida pela Câmara de Vereadores;







17

Certidão de Regularidade da Secretaria da Receita Federal (SRF) e da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional(PGNF), que pode ser obtida via internet, através do endereço http://receita.fazenda.gov.br;







18

Certidão de Regularidade da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF), que pode ser obtida via internet, através do endereço http://www.sef.sc.gov.br







*19

Declaração de Responsabilidade de recebimento, aplicação na forma do avençado e prestação de contas dos recursos públicos;







20

Álvará Sanitário







21

Declaração de Contrapartida*







22

Declaração de Adimplência*







23

Certidão Negativa de Débito de Prestação de Contas *







24

Comprovante de Titularidade do Imóvel quando se tratar de reforma (obras)







25

No caso de obras ou serviços de engenharia, apresentar projeto básico com, no mínimo, 1 orçamento, contendo um conjunto de elementos que defina a obra ou serviço que possibilite a estimativa de seu custo e prazo de execução, segundo as respectivas fases ou etapas;







26

No caso de obras ou benfeitorias, apresentar a escritura de propriedade do imóvel, emitida pelo Cartório de Registro de Imóveis;







27

No caso de aquisição de equipamentos, materiais permanentes ou de consumo, apresentar relação dos bens a serem adquiridos com quantidade, custo unitário e custo total.







*Modelo Anexo.

Data de entrega:W:Formulários/Relação de documentos convênios
PAPEL TIMBRADO DA INSTITUIÇÃO

DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE

Na qualidade de representante legal do (a) ________________________,estabelecido(a) ______________________________, inscrito (a) no CNPJ/MF sob o n.º___________________________, declaramos para os devidos fins que nos comprometemos a receber, aplicar e prestar contas dos recursos que nos forem concedidos pelo Governo Municipal/CMDCA– FIA_____________________________, na forma de Convênio/Subvenções.

Para maior clareza, firmamos a presente declaração.

Joinville(SC) , de ____________________ de 200_____.

________________________________________

Nome, cargo e assinatura do Presidente da Instituição.



PAPEL TIMBRADO DA INSTITUIÇÃO


DECLARAÇÃO DE CONTRAPARTIDA

_________________________________________________(nome e cargo do responsável pela Entidade), declara, que a ________________________(entidade), dispõe de recursos próprios, no valor de R$ __________________, relativos à contrapartida no convênio a ser celebrado com o Município/ Fmdca, visando atender o do ______________________________ (projeto/programa), neste Município.


Joinville, de de 20 .

________________________________________

Nome, cargo e assinatura do Presidente da Instituição.



PAPEL TIMBRADO DA INSTITUIÇÃO
DECLARAÇÃO DE ADIMPLÊNCIA


DECLARAÇÃO

O _____________________(nome e cargo do responsável), inscrito no CPF n.º ___________________________, declara, sob as penas do art. 299 do Código Penal, de que não se encontra em mora e nem em débito junto a qualquer órgão ou entidade da Administração Pública Municipal Direta e Indireta.


Por ser expressão da verdade, firma a presente declaração.
Joinville, de de 20 .

________________________________________

Nome, cargo e assinatura do Presidente da Instituição.

CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITO DE

PRESTAÇÃO DE CONTAS

Nome:
CNPJ:
Endereço:
Dispositivo Legal: IN 001/97 – STN e Decreto 307/03.
Validade: 60 (sessenta) dias após a emissão desta Certidão.

Certificamos que a entidade acima identificada, não possui, na presente data, pendência de prestação de contas de recursos concedidos anteriormente pelo Município, por meio de convênios/subvenções.


Joinville, de de 20 .

_____________________________________

Responsável: (MUNICÍPIO)
Prestação de contas ao Fundo Municipal para a Infância e Adolescência
Para prestar contas do recurso recebido é preciso verificar a documentação exigida no termo de convênio; pelo tribunal de contas do Estado e pelo Ministério da Fazenda.
Os endereços eletrônicos para consulta dos documentos são:
www.tce.sc.gov.br

Legislação e Normas

Resolução

1994


Resolução TC 16/94

Capitulo III Seção II - Da Prestação de Contas de Recurso Antecipados


www.tesouro.fazenda.gov.br

Legislação

Conheça mais sobre: Estados e Municípios

Instruções Normativas STN nº 1, de 15/01/97 - Celebração de Convênios




Referências:
Cordioli, Sérgio - Técnicas e instrumentos para elaboração, monitoria e avaliação de projetos. Joinville. 2006.

Silveira, Célia Regina Beiro da. “Gestão de Projetos Sociais” Sociesc, Joinville, 2006.

Petrobrás. “Roteiro para Elaboração de Projetos” disponível em www.petrobras.com.br consulta em maio de 2007.

Este material foi elaborado pela Comissão do FIA do CMDCA Joinville gestão 2006- 2008.


  • Carla Maria Roth Cardoso

  • Denise Angela Mastroeni

  • Edinéia Solange Coral

  • Giane Bracelo Luetke

  • Lídia Manukian Patti

  • Maria Regina Souto

  • Maria Teresinha

  • Sandra R. Di Creddo

  • Suely Nóbrega Jannini

  • Valmir Poli

  • Viviani Bittencourt Marques


CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE – CMDCA - Lei 2627 de 17/01/1992 – alterada pela Lei 3725 de 02 de julho de 1998

Presidente Gestão 2006/2008 – Humberto Gonçalves Corrêa Junior
Contato:

Av. Procópio Gomes, 749 – Bucarein – CEP 89202-300 - Joinville – SC



Fone: 47-38023795

Dúvidas acesse o Site: cmdcajoinville.org.br

Data de publicação: junho/2008 – tiragem xx exemplares.








©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal