Continuação sobre o Herói das epopéias Clássicas



Baixar 15.5 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho15.5 Kb.
Aula 29/03 – 1º ano

Continuação sobre o Herói das epopéias Clássicas
Deuses  Apresentados como seres reais que ajudam ou prejudicam o herói, dependendo de seus caprichos.


  • Os perigos enfrentados pelo herói são extraordinários, no entanto percebemos na narrativa que o herói não teria chance de sobreviver sem a ajuda dos Deuses.

  • O herói não recua ou fraqueja diante dos perigos enfrentados.

  • Consagra-se como um ser humano superior, extraordinário, digno de ser imortalizado por seus feitos.

  • A epopéia clássica preocupa-se em informar a todo instante, a que povo pertence o herói, ou qual é sua filiação  intuito de afirmar a superioridade do povo a que pertence o herói.

  • Os poemas épicos contribuíram para divulgação da idéia de Identidade Pátria.


As epopéias de imitação ou secundárias
- Epopéias que se inspiram nas clássicas, isto é, as primárias.
Duas principais epopéias de imitação:

  1. Eneida: Primeira Epopéia de Imitação. Escrita pelo porta romano Virgílio. É considerado a epopéia nacional dos romanos, pois glorifica a grandeza de Roma.

Conta a História do Herói Enéias. Faz uma espécie de síntese das fábulas gregas e das tradições latinas.

  1. Lusíadas: Escrita durante o Renascimento. É considerada a mais conhecida epopéia de imitação. O Autor é Luís de Camões.

    • Escrito em uma sociedade bastante diferente da Grécia e Roma Antiga.

    • O poema conta a história do Herói português Vasco da Gama, com o objetivo de exaltar a bravura do povo Lusitano.

    • Escrito no contexto das grandes navegações.

    • “Gente ousada” – o herói representa o povo.

Herói destemido que representa seu povo

Interferência dos Deuses para ajudar ou atrapalhar o herói.

Desafios extraordinários a serem vencidos pelo herói. A maioria das vezes aparece um monstro

A estrutura sempre deve ser igual.
As transformações do Herói durante a história


  • Ao longo dos séculos, o conceito de poema épico foi se transformando.

  • No século XVIII, os poemas narrativos (epopéias) entraram em declínio e foi substituído pela narrativa em forma de Romance.

  • O Herói do Romance não representa mais o povo ao qual pertence, e sim o próprio individuo.

  • Herói Pleno X Herói Problemático.

  • O Herói problemático passa a ter questões individuais, agora ele tem dúvidas, problemas existenciais, desvios de caráter,etc.


Narrativa: o herói moderno

  • O herói moderno enfrenta problemas cotidianos e luta para supera-los sem qualquer tipo de auxílio divino.

  • O herói moderno pode fraquejar e sucumbir às tentações mundanas.

  • Obstáculos não são mais extraordinários.

  • O herói agora tem histórias semelhantes as do seu público leitor.

Ler o Trecho de Robinson Crusoé e comparar com Camões.


Lusíadas:

  • Presença do ser Monstruoso de origem mitológica (obstáculo extraordinário)

  • Presença do herói (Vasco da gama) destemido que vai superar o obstáculo.

  • Fidelidade ao modelo de epopéia clássica

  • O Herói encarna o povo Português

Robinson Crusoé:



  • O herói precisa superar obstáculos da Natureza e os limites físicos do próprio ser humano.

  • Solidão, Fome devem ser superados pelo indivíduo.

  • Afirmação da humanidade do personagem

  • Personagem teme pela sua própria vida, pensa em fraquejar.

  • Não é fiel a modelo algum, aqui prevalece a criatividade do autor.


Para casa: Fazer a lição da página 39 e 40.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal