Convenio fenipe/asgo/fatefina promoção dos 300. 000 Cursos 90% Grátis Pelo Sistema de Ensino a Distancia – sed cnpj º 21. 221. 528/0001-60 Registro Civil das Pessoas Jurídicas nº 333 do Livro a-l das Fls


Parte XXV O ANTIGO TESTAMENTO E A PREGAÇÃO



Baixar 485.86 Kb.
Página10/11
Encontro19.07.2016
Tamanho485.86 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
Parte XXV

O ANTIGO TESTAMENTO E A PREGAÇÃO

 

Há quem tenha observado que pouco se prega sobre o Antigo Testamento. Possivelmente, existem pessoas que acreditam que o Antigo Testamento é uma parte superada da Bíblia, tendo se tornado peça de antiquário ou de museu. Para isso, tem contribuído chamá-lo de “Velho Testamento”, em vez de usar o nobre título Antigo Testamento, ou, como se usado contemporaneamente, Primeiro Testamento, enfatizando a sua precedência. Talvez, a idéia que o Antigo Testamento é Lei a ser substituída pela Graça do evangelho. Ou, ainda, a barreira da dificuldade de interpretação de certos livros seja a explicação.



Por essas razões, meu saudoso mestre, Dr. Page Kelley, disse hiperbolicamente que se os livros do Antigo Testamento fossem substituídos por páginas branco, a maioria dos pastores sequer notaria a diferença.

Aliás, a história da rejeição do Antigo Testamento é antiga. Marcião e os gnósticos (c. 150 d.C., Ásia Menor) o rejeitaram integralmente. Entendiam eles que a matéria é má, e se o Deus do Antigo Testamento a havia criado, criou o mundo mau, e concluíram que Ele só poderia ser igualmente mau. Para Marcião, o Deus do Novo Testamento era outro: o Pai de Jesus Cristo. É evidente que o mundo do Antigo Testamento é outro, bem diverso do contexto sociocultural em que vivemos. Nossa lógica, nosso modo de ser e pensar é ocidental do século 21. É basicamente grego, dado a abstrações. O pensar do Antigo Testamento é oriental, variando, a grosso modo, de 4000 a 2500 antes de nós. É semita, de formação concreta.

A tarefa do hermeneuta, do exegeta, do intérprete, do pregador é trazer um mundo tão diferente, tão distinto e tão distante para hoje, trazendo respostas do passado à crise, à dor, à angústia, à necessidade, à pergunta da pessoa humana de nossos dias. É aí que a pregação se torna verdadeiramente bíblica quando ouvimos o Senhor nos falando através dos séculos. Ou para usar a própria linguagem escriturística: “Pois a verdadeira luz, que alumia a todo homem, estava chegando ao mundo” (Jo 1.9).

Dr. Kelley lembra, ainda, que com o Antigo Testamento podemos conhecer melhor a Deus, que é o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. É o Deus que é Um (cf. Dt 6.4,5; cf. Ef 4.4-6). A unicidade de Deus é fator de tanta importância e de uma solidez tão extraordinária que obrigações e princípios nascem dela, como o rígido monoteísmo hebreu, o senso de eleição e de exclusividade e o conceito de reino sacerdotal.

É o Deus que é Criador e Senhor do universo. Deus não é o universo; o universo não é Deus, mas proclama a Sua Majestade, Poder e Glória (cf. Sl 19). Pelo Antigo Testamento podemos conhecer o ser humano como deveria ser e como é fraco, e erra, e se arrepende, e entra em comunhão com Aquele que o faz forte. O Antigo Testamento apresenta suas personagens, seus heróis, seus fortes em suas fraquezas. É um Abraão medroso e mentiroso (Gn 12.11-13), um Jacó trapaceiro (Gn 27.15-20), um Davi adúltero 2Sm 11) e um Salomão fraco de personalidade (1Rs 11).

É por essas razões que o Antigo Testamento pode nos falar hoje, visto que o ser humano em seu pecado não tem mudado: continua medroso, trapaceiro, assustado ou cheio de dúvidas. Assim, o sermão há de ser bíblico em substância, doutrinário em forma, e prático em efeito para responder a essas necessidades íntimas de mudança, segurança e transformação.



A BÍBLIA DE JESUS CRISTO

O Antigo Testamento foi a Bíblia de Jesus Cristo, e a palavra do Antigo Testamento cumpriu-se ou explicou-se na palavra do Novo Testamento, porque tudo no Antigo Testamento é entendido como apontando para Jesus Cristo na relação de promessa e cumprimento, como Jesus deixou bem explícito: “Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir” (Mt 5.17; cf. 22.37-40; Lc 24.25, 27).

Os escritores do Novo Testamento falaram de Jesus como cumprimento das profecias do Antigo Testamento. Marcos 1.1,2 deixa claro: “Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. Conforme está escrito no profeta Isaías: Eis que envio ante a tua face o meu mensageiro, que há de preparar o teu caminho” (cf. Mc 1.15; At 1.16ss; 3.13, 18, 21; Rm 16.25, 25). A primeira pregação da ressurreição é a exposição do Antigo Testamento feita por Jesus Cristo:

“São estas as palavras que vos falei, estando ainda convosco, que importava que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos. Então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras; e disse-lhes: Assim está escrito que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressurgisse dentre os mortos; e que em seu nome se pregasse o arrependimento para remissão dos pecados, a todas as nações, começando por Jerusalém” (Lc 24.44).

O kerigma, a mensagem, é realizado no evento da ressurreição, como Paulo o demonstra em Tessalônica (cf. At 17.2,3). O derramamento do Espírito Santo na Festa de Pentecostes cumpre a profecia de Joel (2.28.29). O Novo Testamento faz uso ético da história veterotestamentária. Tiago 5.11 menciona Jó. Em 5.17 faz menção de Elias, como também Lucas 4.25,26. Paulo lembra a história dos pais israelitas no deserto (cf. 1Co 10.1-13). O próprio Senhor Jesus Cristo fez uso do Tanach (Bíblia hebraica) como fonte de Sua pregação, e pedra de toque de todo o Seu ministério. Sabia que tudo o que Deus havia feito e estava realizando na História, desde o início, estava sendo consumado nEle, Cristo. O propósito divino da salvação seria realizado nEle. O êxodo, pelo qual Israel havia sido constituído povo, estava sendo cumprido em um novo e maior êxodo através do qual Israel seria reconstituído em um novo Israel no qual todas as nações seriam incluídas. A antiga aliança e seus sacrifícios apontavam para uma nova aliança e o sacrifício supremo da vida de Cristo. Assim, por uma série de correspondências, a vida de Jesus tornou-se uma grande exposição do Antigo Testamento, do Criador, e do Servo Sofredor.

A PREGAÇÃO BÍBLICA

“A pregação é, nas mãos de Deus, um instrumento importantíssimo de intervenção direta e profética na vida dos fiéis e na vida da igreja a fim de consolar, corrigir, reformar e confrontar.” Essa é uma afirmação de J.-J. von Allmen. Partindo dela, é possível afirmar que o sermão há de ser bíblico em substância, doutrinário em formato e prático no seu efeito, para repetir o que já foi afirmado.

A Palavra de Deus há de ser profética, razão porque não pode ser prisioneira da igreja. 1Coríntios 14.1 o afirma: “Que o amor seja o vosso fundamental objectivo; mas aspirem também com zelo aos dons que o Espírito Santo vos dá, e especialmente o dom de pregar a mensagem de Deus” (Versão O Livro). Lutero esclareceu que “se a Palavra de Deus não for pregada, é preferível não cantar nem ler nem reunir-se para o culto”.

Não é fácil, porém pregar o Antigo Testamento. No entanto, é preciso expor o seu texto e proclamá-lo como normativo para a fé e prática cristãs. Quando se encara com seriedade a pregação bíblica, descobre-se que já não somos quem fala, mas uma longa tradição de fiéis a Deus, profetas, apóstolos, mestres e ´pregadores desde 4.000 anos.

É ponto comum afirmar que a pregação bíblica deve começar com a Exegese e continuar com a Hermenêutica. A Exegese estuda os textos bíblicos buscando entender a intenção do autor e a compreensão dos seus ouvintes ou leitores. Daí o nome grego que significa “interpretação” ou “explicação”. Procura reconstituir o passado, e utiliza métodos históricos.

A Hermenêutica procura o sentido que o texto toma hoje. Toma em consideração a atualidade da Palavra Santa. Jesus em inúmeras ocasiões hermeneutizou como em Lucas 24.25 a 27: “Então Jesus respondeu-lhes: Mas vocês não estão a ser sensatos! É assim tão difícil para vocês crer em tudo o que os profetas escreveram nas Escrituras? Não foi claramente predito por eles que o Cristo teria de sofrer todas estas coisas antes de entrar na sua glória? E fez-lhes compreender as Escrituras, começando com os livros de Moisés e através das Escrituras, explicando o que esses textos diziam a respeito de si” (O Livro).

Então, o exegeta procura descobrir o sentido preciso do texto que pretende expor, não o que pensava que significava, não o que preferia que significasse, não o que está na superfície da tradução corrente. Utiliza-se para tanto o Método Gramático-histórico.Isso quer dizer entender a língua (que é a parte gramatical) à luz da situação quando primeiramente foi pronunciado ou escrito (é o seu lado histórico).

Não se pode, no entanto, ficar na Gramática e na História, pois isso seria fazer uma exposição técnica, acadêmica, lingüística, curiosa, talvez. John Bright alerta que a pregação bíblica requer uma exegese teológica, ou seja, não apenas o exato significado do texto, mas a teologia que o respalda. E dessa maneira, a pregação bíblica vai comunicar-se com os homens e mulheres dos dias presentes.

Lembremos que a Antiga Aliança é uma propedêutica para o evangelho. A Lei é um aio, um tutor de Cristo no dizer paulino: “Assim, a lei foi o nosso tutor até Cristo, para que fôssemos justificados pela fé” (Gl 3.24, NVI). Como uma babá leva uma criança à escola, a Lei leva ao evangelho, por isso que tem a função pedagógica de levar os seres humanos para a recepção das boas novas de Cristo. Não podemos cometer o erro de criar uma dialética: AT = Lei ? NT = Graça. O Antigo Testamento contém Lei, mas também contém evangelho em forma de promessa e graça, e vice –versa em relação ao Novo Testamento.

A pregação é realmente bíblica quando a Bíblia governa o conteúdo do sermão. E, acrescentamos, quando é anunciada, não simplesmente quando se prega sobre a Bíblia, pois ela só pode ser pregada quando é compreendida. Assim, para que a igreja se sinta confrontada tem que se sentir como o povo de Israel se sentiu ao ouvir o enunciado de Moisés, os desafios de Josué, os apelos e exortações dos profetas. Cabe, neste ponto, a afirmação de Suzanne de Dietrich, “A Bíblia não nos fala sobre Deus, mas em nome de Deus.”

É preciso acentuar que o Novo Testamento confirma e referenda o valor existencial do Antigo Testamento nas exortações de Jesus Cristo, as exortações de Paulo ou da Carta aos Hebreus são claras e provam que aos olhos dos escritores do Antigo Testamento, as personagens e acontecimentos da Antiga Aliança têm mais valor existencial que nunca como apelo à imitação ou reprovação e chamada à mudança de atitude.

Ao se pregar a Palavra de Deus no Antigo Testamento, necessário se torna uma palavra de julgamento, coisa rara, aliás, na pregação contemporânea. Não é trazer fogo e enxofre (especialmente enxofre, quer dizer, para alguns pregadores, julgamento é inferno, mais do que disciplina, aprovação ou desaprovação à luz do ensino neotestamentário). Faz-se necessária uma palavra de esperança. A vida é insuportável se não há futuro. Um dito extremamente conhecido diz que “enquanto há vida, há esperança”, o que cheira à conformismo. O pregador servo da Palavra diz “enquanto há esperança, há vida”. Na realidade, a pregação bíblica oferece isso mesmo: vida, porque a esperança se baseia na fé.



ALGUNS TEMAS

O Decálogo, como lei moral, apodítica, constitui-se num campo fertilíssimo para a pregação ética. Há que lembrar que os deveres da pessoa humana para com o semelhante têm base nos seus deveres para com o Criador. Assim, quem está no relacionamento correto para com Deus, e com Ele se mantém em amor e fé, não tem dificuldades para cumprir a segunda tábua dos mandamentos. Há, ainda, que ter em mente que “as Dez Palavras” devem ser proclamadas à luz de Jesus Cristo, Que veio para cumpri-las.

Já pensou em pregar sobre um livro inteiro, o chamado Sermão Panorâmico? A chave para tanto é apresentar o livro como um todo sem a preocupação de muitos detalhes. Comece com livros simples, com os quais se sente mais à vontade. Bons exemplos são Rute ou Ester. Os livros proféticos são mais difíceis, mas têm muito material. Nesse caso, você deve explorar a linha de ênfase do projeto em questão. Use bastante os comentários. Procure se fixar mais no profeta que na profecia. Talvez os de abordagem mais fáceis sejam Jonas e Amós. Jonas é mais conhecido por causa do grande peixe (no imaginário de alguns, “a baleia”), porém, ele é o anti-herói na história. O mais atraente dos profetas é, sem dúvida, Oséias, pelo seu drama conjugal.

Que tal falar sobre situações existenciais? A receita estará mormente nos Salmos:

Cura para o temor - Salmo 27.1 Tristeza - 42.5 Preocupação - 55.22a Dúvida - 73.16,17 Nervos fracos - 91.1 Pecado - 32.1

O Salmo 9 traz lições sobre a ansiedade. Dr. Page Kelley utiliza o seguinte esboço para mostrar uma proveitosa lição:

1. ansiedade da morte (vv. 3,5,6), 2. da culpa e condenação (vv. 7,8,11), 3. de uma vida sem sentido (vv. 1,2,4).

Elizabeth Achtermeier sugere para antes do Natal, como sua preparação, Amós 4.6-12; Isaías 2.6-21; 33.7-16; 40.1-8 (também 9-11); Ezequiel 12.21-28; 37.24-28; Malaquias 4.5,6. Para o Natal, apresenta Gênesis 12.1-3; Números 24.15-19; 1Samuel 2.1-10; 2Samuel 7; Isaías 7; 8.16-9.7; 11.1-9; 42.1-9; 55; Jeremias 23.5,6; Miquéias 5.2-4.

Como ministros da Palavra, isto é, servos da Palavra Divina, temos uma grave responsabilidade sobre os ombros. Que não sejamos objetos da grave acusação de Oséias 4.6: “O meu povo é destruído porque não me conhece; e tudo por culpa vossa, sacerdotes, porque vocês mesmos não se interessam em me conhecer; por consequência recuso reconhecer-vos como meus sacerdotes. Visto que se esqueceram das minhas leis, também me esquecerei de abençoar os vossos filhos” (O Livro). Pelo contrário, sejamos alvos da bênção divina encontrada em Jeremias 3.15: “e vos darei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência” (ARA).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACHTEMEIER, Elizabeth. The Old Testament and the Proclamation of the Gospel. Nashville, Westminster, 1973.


BAPTISTA, Walter Santos. Contextualização Bíblica. Salvador, Monografia não publicada, 1988.
BLACKWOOD, Andrew W. Planning a Year’s Pulpit Work. NY, Abingdon-Cokesbury, 1942.
________. La Preparación de Sermones Bíblicos, 3ª ed. El Paso, CBP, 1968.
BRIGHT, John. The Authority of the Old Testament. 4ª ed. Grand Rapids, Baker, 1978.
BRUCE, F.F. New Testament – Development of the Old Testament Themes. Grand Rapids, Wm. B. Eerdmans, 1982.
CLOWNEY, Edmund P. Preaching and Biblical Theology. Grand Rapids, Wm. B. Eerdmans, 1961.
DREYFUS, François. “The Existential Value of the Old Testament”. In: Concilium 30 (1968), pp. 33-44.
EFIRD, James M. How to Interpret the Bible. Atlanta, John Knox, 1984.
FORD, D. W. Cleverley. The Ministry of the Word. Grand Rapids, Wm. B. Eerdmans, 1980.
FOSDICK, Harry Emerson. A Guide to Understanding the Bible. NY, Harper and Brothers, 1956.
FULLER, Reginald H. The Use of the Bible in Preaching. Philadelphia, Fortress, 1981.
HAYDEN, Eric W. Preaching Through the Bible. Grand Rapids, Zondervan, 1964.
KAISER, JR. Walter C. The Old Testament in Contemporary Preaching. 3ª impr. Grand Rapids, Baker, 1979.
KECK, Leander E. The Bible in the Pulpit. 3ª impr. Nashville, Abingdon, 1979.
________. Taking the Bible Seriously, 5ª impr. Nashville, Abingdon, 1981.
KELLEY, Page H. Mensagens do Antigo Testamento para os Nossos Dias. Rio, JUERP, 1980.
KOCK, Roberrt. “Preaching”. In: BAUER, J. B. (Org.) Encyclopedia of Biblical Theology. NY, Crossroad, 1981.
MACK, Peter W. The Bible in Dialogue with Modern Man.Waco, Word, 1970.
MILLER, Donald G. Fire in Thy Mouth. Grand Rapids, Baker, 1976.
MITCHELL, Henry H. The Recovery of Preaching. San Francisco, Harper and Row, 1977.
NYGREN, Anders. The Significance of the Bible for the Church. 4ª impr. Philadelphia, Fortress, 1976. C.C. Rasmussen, trad.
ROWLEY, H. H. (Org.) The Old Testament and Modern Study. Londres, Oxford, 1961.
SNAITH, Norman H. The Distinctive Ideas of the Old Testament. Reimpr. Londres, Epworth, 1983.
THOMPSON, William D. Preaching Biblically.Nashville, Abingdon, 1981.
VON ALLMEN, J.J. O Culto Cristão – teologia e prática. SP, ASTE, 1968. D.G.J. dos Santos, trad.
Parte XXVI

Os nove primeiros capítulos de 1Crônicas

 

Os nove primeiros capítulos de 1Crônicas formam a mais longa lista genealógica da Bíblia. Contudo, longe de ser uma seqüência enfadonha de nomes, 1Crônicas 1-9 é uma fonte de informação histórica e de interpretação das Escrituras Sagradas, como veremos daqui a pouco.



Atrevo-me a dizer que 1Crônicas 1-9 é uma das partes mais negligenciadas da Bíblia, assim como o são os demais capítulos dela que contêm porções genealógicas. A começar por nós pastores, raramente pregamos nos textos genealógicos. Em nossas leituras bíblicas normalmente passamos por cima deles. Os crentes de modo geral também não apreciam os textos genealógicos.

Numa biblioteca, folheando uma antiga Bíblia inglesa, notei que praticamente cada página dela estava grifada e com anotações. Seu antigo dono com certeza foi um grande estudioso da Escritura Sagrada. No entanto, quis saber se ele fez o mesmo com os nove primeiros capítulos de 1Crônicas. Curiosamente não havia nenhum sinal de que ele passou por ali. Concluí que aquele homem de Deus ou não encontrou nada de interessante naqueles capítulos, ou simplesmente os pulou. Não creio na primeira hipótese. Na minha opinião é impossível ler 1Crônicas 1-9 sem ficar fascinado com esses capítulos. A primeira vez que li os livros das Crônicas foi na minha adolescência. E ainda hoje, aos 40 anos de idade, nunca começo a leitura de 1Crônicas pelo capítulo 10.


Lendo 1Crônicas 1-9 você descobrirá que esses capítulos não tratam simplesmente de uma lista de nomes. Observe a origem dos povos, os personagens importantes que deram nomes a cidades famosas, e também os acontecimentos históricos que dão sentido ao livro e à Bíblia. Note a providência de Deus na preservação de um povo exclusivamente seu. Penso que H. L. Ellison está correto quando diz: “A finalidade das genealogias coincide com a principal finalidade do livro de Crônicas. É evidente que o interesse se concentra sobretudo sobre a linhagem davídica e os descendentes de Levi (nota-se a omissão notória da casa de Eli, que não servia no templo de Jerusalém). Segue-se, por ordem de importância, as duas tribos especialmente relacionadas com a monarquia: Judá e Benjamim. A menção, apenas de passagem, de tantas personalidades nas genealogias mostra que a sua omissão mais adiante é propositada; não haviam servido os propósitos de Deus. Por outro lado, a menção de tantos nomes sem importância garante que do povo de Deus ninguém é esquecido”.
É sempre bom ter em mente que 1Crônicas 1-9 vai além de meros nomes. Existem informações relacionadas a eles que nos ajudam a compreender enredos e fatos históricos relevantes. Eis alguns exemplos:

Você sabia que em 1Crônicas há o registro de uma cidade cujo nome homenageia um casal? É Calebe-Efrata (1Cr 2.24). Calebe era viúvo de Azuba, sua esposa, quando se casou com Efrata (1Cr 2.19). Um dos bisnetos de Calebe e Efrata foi Belém. E de novo vemos o nome de Efrata associado a mais uma cidade: Belém-Efrata (Mq 5.2; cf. Gn 48.7; Rt 4.11), a antiga Belém de Judá, cidade onde nasceu o Senhor Jesus. A Palavra de Deus não nos oferece informações adicionais acerca da pessoa de Efrata.

Entretanto, percebe-se que ela foi uma mulher valorosa e importante.
Você sabia que Jabez e sua famosa oração estão em 1Crônicas 4.9,10? E que José do Egito tornou-se primogênito no lugar de Rúben de acordo com o que está registrado em 1Crônicas 5.1,2?

Você sabia que é somente em 1Cronicas 2 que temos o registro de todos os irmãos de Davi? Lendo 1Samuel 16 conhecemos por nome apenas três irmãos do rei Davi; a saber: Eliabe, Abinadabe e Samá (1Sm 16.6,8,9). Já em 1Crônicas 2.13-17 aprendemos que: “Jessé gerou a Eliabe, seu primogênito, a Abinadabe, o segundo, a Siméia (ou Samá), o terceiro, a Natanael, o quarto, a Radai, o quinto, a Ozém, o sexto, e a Davi, o sétimo. As irmãs destes foram Zeruia e Abigail. Os filhos de Zeruia foram três: Abisai, Joabe e Asael. Abigail deu à luz a Amasa; e o pai de Amasa foi Jéter, o ismaelita”. Agora você sabe que Davi teve seis irmãos e duas irmãs. Que Zeruia, cujos filhos foram Abisai, Joabe e Asael, era uma mulher e irmã de Davi. E de quebra fica sabendo também porque Davi mandou dizer a Amasa: “Não és tu meu osso e minha carne”? (2Sm 19.13). Amasa era sobrinho de Davi, filho de sua irmã Abigail. Davi prometera a Amasa que ele seria comandante do exército no lugar de Joabe, seu outro sobrinho. Joabe não gostou da idéia e matou seu primo (2Sm 20.10). Mais tarde, por ordem de Davi, Salomão mandaria matar Joabe (1Rs 2.5,6,28-35).

Você sabia que Davi teve um filho chamado Daniel? Veja 1Crônicas 3.1. Daniel era filho de Davi e Abigail (não confundir com Abigail, irmã de Davi). A mãe de Daniel (não confundir com o profeta) era viúva de Nabal, o carmelita (1Sm 25.39).
Você sabia que na Bíblia nomes como os de Abraão e Davi são exclusivos, mas o mesmo não acontece com os de Samuel (1Cr 7.2) e Elias (1Cr 8.27)?
Por último, mas não menos importante, as genealogias da Bíblia em geral, e de 1Crônicas 1-9 em especial, não estão ali por acaso. Há um propósito maior e fundamental de Deus para elas; ou seja, apontar para Jesus, o Deus-homem, sua missão e realeza.
Parte XXVII

Debaixo do Sol

 

INTRODUZINDO:



Estudar o livro de Eclesiastes na maioria das vezes, tem sido motivo de perplexidade:

. Como compreender alguns textos, que parecem aprovar conceitos claramente diversos dos conceitos expostos nos demais livros da Bíblia?

. Examinemos alguns:

a. 1.15
b. 2.24


c. 3.1-8
d. 3.16-22
e. 8.15

. Como compreender o livro de modo total?

. Qual é sua mensagem?

. Para que fim foi escrito?

Curiosamente, observamos que os problemas que aparecem nele não são apenas de natureza filosófica, mas também de natureza ética e teológica.

Observe também que não apenas nas mensagens explícitas, mas também ao longo de suas páginas, há uma espécie de “odor” de materialismo e uma nota constante de pessimismo.

CONSIDERANDO:

. Embora este trabalho não tenha por fim um estudo hermenêutico, não posso deixar de considerar a hermenêutica como chave para a compreensão dos princípios éticos que Salomão nos passa através deste livro.

. As últimas notícias que temos a respeito de Salomão, nas Escrituras Sagradas, nos relatam sua idolatria (1Rs 11.1-8). Este fato é extremamente relevante para as nossas considerações, pois a maioria dos estudiosos concorda que foi exatamente neste período que ele escreveu Eclesiastes.

. Mais do que em outro livro, aqui não podemos abrir mão do princípio calvinista da exatidão da Bíblia, ou seja: Deus não nos legou algo apenas a título de curiosidade, e muito menos a Sua Palavra carece de ser justificada ou desculpada como encontramos alguns comentaristas fazendo: “- Não que Salomão tivesse intenção de dizer isto, mas...”.

ANALISANDO:

1. Ao examinarmos o capítulo 1 notamos claramente a preocupação do homem que se intitula o Pregador, em examinar o mundo no qual vive, aqui belamente chamado “debaixo do sol”, à luz de seu CONHECIMENTO CIENTÍFICO; note que até o versículo 11 o destaque é para as ciências naturais: ventos, sol, rios etc. e a partir do 12 ao 18, examina-se a filosofia.

2. No capítulo 2, temos este mundo examinado sob o prisma da vida secular. Note os onze primeiros versículos; aí aparecem, misturados, PRAZERES e POSSESSÕES. É o protótipo do homem moderno. Empreendi, fiz, edifiquei, plantei, comprei, amontoei, provi-me, engrandeci-me etc. Do versículo 18 ao 26 encontramos em destaque o TRABALHO, e afadigar-se debaixo do sol.

3. No capítulo 3, encontramos uma outra visão deste mesmo mundo; agora ele é visto pelo prisma da FATALIDADE.

4. No capítulo 4, o prisma pelo qual o mundo é visto, é o das TRIBULAÇÕES.

5. No capítulo 5, inaugura-se uma visão um pouco mais positiva, é que aqui aparecem pela primeira vez no livro aspectos de uma RELIGIÃO sadia.

6. O capítulo 7, introduz aqui o aspecto MORAL como chave de uma análise mais criteriosa da sabedoria e do relacionamento entre os homens.

7. O que poderíamos chamar de ideologia, que são os diversos prismas através dos quais o mundo foi visto até agora, é abandonada a partir do capítulo 8, em favor de uma observação mais imparcial, ou realista do mundo, e este raciocínio mais “real”, conduz o pregador às conclusões que observamos desde o próprio capítulo 8.

8. A conclusão do livro está esboçada no capítulo 11, porém ela se apresenta impressionante no texto 12.13 e 14.

CONCLUINDO:

. O que nós podemos observar é um homem, quase que desesperado procurando sentido para sua vida. Como um protótipo do homem moderno, Salomão, aqui se esforça, e no CONHECIMENTO CIENTÍFICO, NOS PRAZERES, NAS POSSES, NO TRABALHO, NO FATALISMO, NO CONFORMISMO, NA RELIGIÃO, E NA MORAL, tenta num esforço enorme, descobrir sentido para a sua vida “debaixo do sol” (ou seja: longe de Deus).

. A cada idéia, uma nova tentativa; e uma nova decepção fica clara ao repetir as palavras: “... isto também é vaidade e correr atrás do vento”.

. Na realidade as conclusões a que ele chega, contrárias ao restante da Bíblia, são as mesmas a que chegaria qualquer homem culto, que procurasse sentido para a sua vida, à luz daqueles prismas ou ideologias e longe de Deus.

. São portanto, preciosas cada uma das conclusões e conselhos que aparecem aqui, mesmo que sejam totalmente divergentes dos postulados bíblicos, pois elas nos mostram, que quem as seguir, sinceramente, chegará a mesma conclusão de Salomão: “VAIDADE DE VAIDADE, TUDO É VAIDADE”.

. Eticamente, nós podemos destacar, aqui, dois princípios elementares:

1. A vida, debaixo do sol, longe de Deus, não faz sentido algum, mesmo que seja vivida com toda cultura e sinceridade que alguém possa imprimir-lhe.


Esta busca, seja que nome tenha, (materialismo, filosofia, cosmogonia etc.) só levará o homem à canseira, à fadiga, (nas palavras de Salomão) ou à linha do desespero, usando o termo cunhado por Schaeffer.

2. A vida, plenamente vivida, ainda que debaixo do sol, porém com raízes além do sol, na eternidade, é resumida no temor de Deus, e na guarda de seus mandamentos.


Fomos feitos, para Deus e só nos encontraremos plenamente, quando estivermos cumprindo a função para a qual fomos criados.

Catálogo: data -> documents
data -> Regulamento do concurso escolar
data -> Custeio Alvo – Uma Abordagem Conceitual e Utilitarista
documents -> Entidade Educacional Com Jurisdição Nacional
documents -> Cep. 44. 460. 000. Tel.:( 71) 3682-1552, 8789-2376, 9107-1216
documents -> Escrever não é nenhum bicho de sete cabeças, é um bicho de pelo menos umas quatorze cabeças
documents -> Ficha de marcaçÃo nº  
documents -> A igreja Em Sua Casa!
documents -> Convenio fenipe e fatefina promoção dos 300. 000 Cursos Grátis Pelo Sistema de Ensino a Distancia – sed cnpj º 21. 221. 528/0001-60 Registro Civil das Pessoas Jurídicas nº 333 do Livro a-l das Fls
documents -> Convenio fenipe e fatefina promoção dos 300. 000 Cursos Grátis Pelo Sistema de Ensino a Distancia – sed cnpj º 21. 221. 528/0001-60 Registro Civil das Pessoas Jurídicas nº 333 do Livro a-l das Fls
documents -> Convenio fenipe e fatefina promoção dos 300. 000 Cursos Grátis Pelo Sistema de Ensino a Distancia sed


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal