Cores velha paixão e novo mercado para os designers



Baixar 0.5 Mb.
Página1/7
Encontro30.07.2016
Tamanho0.5 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7

TEORIA
E
PRATICA
DA

COR


SUMARIO






CORES VELHA PAIXÃO E NOVO MERCADO PARA OS DESIGNERS


05




COR
Cor Luz

Decomposição da Luz Branca



Cor Pigmento


12
12

12

13






HISTÓRIA DA TEORIA DA COR


15




NOMENCLATURA DAS CORES
Cores Primárias..........................................................................................................

Cores Secundarias.....................................................................................................

Cores Terciárias.........................................................................................................

Cores neutras.............................................................................................................


Tom............................................................................................................................

Tons Cromáticos........................................................................................................

Tons Acromáticos......................................................................................................

Tons Paracromáticos.................................................................................................

Tonalidade.................................................................................................................

Nuança......................................................................................................................
Matiz..........................................................................................................................

Saturação..................................................................................................................

Potência da Cor........................................................................................................

Calor das cores.........................................................................................................
Luminosidade............................................................................................................

Intensidade................................................................................................................



Gradação das Cores.................................................................................................
Harmonia de Cores...................................................................................................

Harmonia das Cores complementares e cores análogas.........................................

Harmonia das cores complementares......................................................................

Harmonia das cores análogas..................................................................................


Cores Análogas

Monocromia

Policromia

Isocromia


18
18

18

18



19
19

19

19



19

19

19


19

19

19



20
20

20

20


20

20

21



22
22

23

23



23





SISTEMAS DE CORES
Círculo Cromático ou Círculo das Cores

Estrela de Cores

GAMUT de cores

Modelo RGB

Modelo CYMK
Um porque de cada cor

Modelo HSB

Modelo LAB

Padrões da Cor

Identificação do Padrão



24
24

24

24



25

25
26

26

27

27



28




CONTRASTES CROMATICOS
Contraste da cor em si

Contraste claro / escuro

Contraste quente / frio

Contraste entre cores complementares

Contraste simultâneo

Contraste de qualidade

Contraste de quantidade


29
29

29

29



29

30

30



30





POSSÍVEIS USOS DA COR


31




CORES NO PROCESSO DE IMPRESSÃO GRÁFICA
Fatores que alteram a percepção da cor

Cores no Processo de Impressão Gráfica

Terminologia no Processo de Impressão Gráfica

Tons contínuos

Meios-tons

Separação de cor no Processo de Impressão Gráfica

Impressão digital direta

Tintas prontas (SPOT COLORS)

Tintas processadas (PROCESS COLOR)

Cores especiais

Processos de Impressão da Cor

Off Set


Flexografia
Rotogravura
Serigrafia ou silkscreen

Termografia (Xerox, Fiering)

HI-FI



32
32

32

32



32

32

32



33

33

33



33

33

33



34

34

34



34

34





O OLHO E A VISÃO
Espectro Visível

Teoria de Young-Helmholtz

Estrutura do Olho Humano

Visão cromática

Limites da visão

Espectrofotometria




35
35

36

37



37

38

38






SOBRE CORES
Vermelho

Amarelo


Verde

Azul


Violeta

Laranja


Purpura

Marrom, Ocres e Terras

Branco

Preto



40
40

43

45



47

48

49



50

50

51



52




LINGUAGEM DA COR – GRAMATICA
Morfológicos (MORFO =FORMA)

Sintáticos

Semânticos

Pragmáticos




54
54

54

55



55




TEXTOS SOBRE CORES
Cor, Luz e Fotografia

As cores e o tempo

As cores e o cinema

Tendências e efeitos das cores na sociedade contemporânea

Tanto quanto bonito, o mundo deve ser habitável

Uma investigação do sentido da cor

Concurso para designers de veículos mostra outro lado da influência das cores

Cor laranja, a cor do prazer, da euforia e da jovialidade

O controle de qualidade dos alimentos através da cor


56
56

57

58



61

62

63



63

64

65






REFERENCIA BLIBLIOGRAFICAS



71




ANEXOS
AS CORES NA IDENTIDADE VISUAL DE EMPRESAS DE TECNOLOGIA

Lígia Cristina Fascioni e Milton Horn Vieira


ANAIS DO 1º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODINAMICA

Armindo Beux


A COR E SUA IMPORTANCIA PARA O DESENHO INDUSTRIAL

Carla Patrícia de Araújo Pereira


ESTUDO CROMÁTICO DE EQUIPAMENTO ODONTOLÓGICO

Celio Teodorico dos Santos


O PODER DAS CORES NO EQUILIBIO DOS AMBIENTES

Marie Louise Lacy


INTRODUCAO DE CORES NAS TELAS

Venetia Santos e Maria Cristina Zamberlan


A COR E A PERSONALIDADE

Andrey Kargere


PALAVRAS ESTIMULOS

Simão Goldman


COR

Alison Cole




73

T
exto retirado da revista DESIGN Belas Artes, paginas 20 a 27.ano 5 nº6, julho/1999.
A escola queria homenagear sambistas brasileiros mortos e jamais esquecidos, como Cartola, Carmem Miranda, NoeI Rosa, Clementina de Jesus, Clara Nunes, Pixinguinha, Sinhô, Ismael e Candeia. “Não podíamos usar cores muito fortes, já que estávamos evocando pessoas queridas que já se foram”, disse o carnavalesco Alexandre [ousada sobre as nuanças escolhidas para expressar saudade, respeito e reverência aos ídolos brasileiros.
Esta singular sabedoria que permite dar cores a sentimentos de tanta subjetividade, como uma nostalgia carnavalesca em pleno carnaval, não se explica apenas com a razão. As pessoas vão deixando sinais de como as cores podem afetá-las em suas atitudes, escolhas, sensações, impulsos, desejos e rejeições. E há outras que não cansam de observar como isso acontece.






No design, a especialização tem nomes próprios: color design, nos EUA, colorismo, na França, ou simplesmente design de cores, no Brasil. São dessa área os profissionais encarregados de decidir sobre as cores das coisas, “pessoas com olhos abertos para tudo”, como diz a designer e consultora de cores de Porto Alegre Renata Rubim. “Gostar de ver”, segundo ela, éum primeiro atributo. E isso inclui as festas populares, uma foto, uma obra de arte, uma peça na vitrine.
Além de movidos pela paixão, designers de cores são pessoas que dirigem sua formação para lidar com as linguagens cromáticas — nos cursos de design ou arquitetura — ou que recebem, do próprio mercado, treinamento profissional.



  1   2   3   4   5   6   7


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal