Curso básico para dirigentes de aventureiros curso de 10 horas



Baixar 0.55 Mb.
Página8/9
Encontro29.07.2016
Tamanho0.55 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9

Recital


A Lei dos Aventureiros:

Ser obediente – observarei alegremente às leis de Deus e farei o que meus pais e professores me pedirem. Obedecerei às leis do meu país.

Ser puro – meu corpo é o templo de Deus. Portanto, o conservarei puro. Não usarei linguagem profana, não fumarei, não beberei álcool, não usarei drogas ou qualquer outra coisa que Deus diz que é prejudicial.



Ser reverente – ouvirei cuidadosamente a Deus, a Sua palavra e Seus mensageiros. Cuidarei muito bem da minha Bíblia e das propriedades da igreja. Nunca zombarei das coisas santas.
Ser bondoso – procurarei descobrir maneiras de fazer os outros felizes. Nunca ferirei de propósito uma pessoa ou um animal. Irei também repartir os meus brinquedos.

Ser colaboradorprocurarei maneiras de ajudar e não esperar que me peçam. Posso ajudar minha família no lar, meus professores e amigos na escola, e outras pessoas em outros lugares. Posso ajudar a Deus.




Voto de Fidelidade à Bíblia
Prometo fidelidade à Bíblia, à Sua mensagem de um Salvador crucificado, ressurreto e prestes a vir; doador de vida e liberdade aos que nEle crêem”.
Informações Adicionais

A Bíblia é o livro de Deus que nos fala sobre Ele e como amá-lo. Nela podemos encontrar o amor de Jesus e seu cuidado por nós, e Seu desejo de nos salvar do mal.


Histórias e Textos Bíblicos

  • Jesus no Templo em Jerusalém (Lucas 2: 41-52)

  • Lucas 4:16-22

Citações de Ellen G. White

Unicamente essa percepção da presença de Deus poderá banir aquele receio que faria da vida um peso à tímida criança” (Educação, pág.255).

Caso sejam devidamente instruídas, crianças bem tenras podem ter idéias corretas quanto ao seu estado de pecadores, e ao caminho da salvação por meio de Cristo” (Orientação da Criança, pág. 491).


Recital

“Creio que Jesus me perdoa, me transforma e espera que eu faça Sua vontade, expressa na Bíblia, O Livro Sagrado”.



Clarissa Sampaio dos Santos







ANEXO


  1. APLICAÇÃO DA DISCIPLINA PARA AVENTUREIROS


  1. O QUE É DISCIPLINA?

"O objetivo da Disciplina é ensinar à criança o governo de si mesmo." E. G. White - Educação, pg. 287


Uma das lições mais importantes que as crianças precisam aprender é a da auto confiança e do auto domínio. Os métodos de disciplina utilizados no programa de aventureiros, irá determinar quão efetivamente essa lição pode ser ensinada às crianças. Um adulto disciplina uma criança para ajudá-la a melhorar seu comportamento ou atitude de modo a torná-la uma pessoa melhor e mais feliz. Disciplinar é ensinar. E em disciplinar o maior objetivo é que a criança aprenda como governar seu próprio comportamento.


  1. DISCIPLINA OU PUNIÇÃO?

Há uma diferença enorme entre disciplina e punição. A preocupação do líder de aventureiros deve ser a de estar constantemente disciplinando ( ensinando) as crianças sob sua responsabilidade, nunca punindo-as. Punição sugere ferir alguém seja física ou emocionalmente, ou vingar-se de alguém.

Os adultos geralmente punem as crianças na tentativa de evitar a repetição de determinadas ações indesejáveis, ou de fazé-las cumprir regras que foram estabelecidas. Mas a punição apenas assusta ou força as crianças a cumprirem algo, e nada tem a ver com disciplina. Quando a ameaça de punição é removida o comportamento indesejável volta a repetir-se.

Geralmente o adulto pune para satisfazer sua própria raiva. A disciplina efetiva não pode ser realizada baseada na ira. A ira leva o adulto a dizer coisas que destroem a auto-estima e auto confiança da criança.

Castigos e ameaças ensinam a criança:


  • Que ela não é uma pessoa muito boa

  • Que se você é maior tem o direito de dizer ou fazer coisas que ferem

  • Cultivar sentimentos de raiva contra o adulto

  • Planejar maneiras de vingança

Quando a punição é aplicada injustamente ela desperta na criança sentimentos de raiva, humilhação e desrespeito.

"Alcança-se o verdadeiro objetivo da reprovação apenas quando: o próprio malfeitor é levado a ver sua falta e consegue levar sua vontade no empenho de corrigir-se. Quando isso se cumpre, apontai-lhe a fonte de perdão e poder." Ellen G. White - Educação, p.292


  1. PRINCIPIOS DA BOA DISCIPLINA

Num Clube de Aventureiros, a boa disciplina fornece um ambiente propicio a atitudes alegres e comportamento cooperativo. Enfatiza a liderança em vez de restringi-la, sendo construtiva em vez de destrutiva. Não enfraquece mas capacita. Estimula o domínio – próprio e atividades significativas, desencorajando atitudes punitivas.

O melhor tipo de disciplina é o que ensina o aventureiro a fazer a coisa certa no tempo certo, da maneira certa.

Veja a seguir algumas técnicas positivas de disciplina:



  1. Estabeleça harmonia – O primeiro ingrediente para uma disciplina efetiva é a ligação que o adulto estabelece com cada criança individualmente. Esse clima de concordância mostra a criança que ela é aceita, compreendida e amada e que você gosta de estar junto dela. A criança que se sente insegura quanto a sua aceitação é geralmente aquela que fica testando os limites para ver como o professor reagirá.

  2. Estabeleça-se como autoridade – Para a maioria das pessoas autoridade é aquele que detém o poder e que impõe as regras. Mas outra definição de autoridade é especialista. ( Autoridade em teologia, Autoridade em medicina, etc. ) Esse tipo de autoridade desperta respeito e confiança.

  3. Seja consistente – Para que uma criança se sinta segura ela precisa perceber uma certa ordem naquilo que ela está sendo desenvolvido e ter idéias de como os adultos reagirão em determinadas situações. Para isso: acompanhe todo o cumprimento da ordem que foi dada a criança; seja consistente no método de disciplina empregado; toda a equipe deve trabalhar em unidade para manter os limites e lidar com os problemas de comportamento; família e clube devem trabalhar em conjunto.

  4. Evite o conflito – Quando um adulto e uma criança se envolvem em um conflito, geralmente a criança é a vencedora. Para vencer geralmente o adulto tem que lançar mão de seu poder e força, entretanto não ocorreu nenhum aprendizado positivo para a criança. Por isso é importante lembrar: Não perca o auto controle; Só faça intervenções quando for estritamente necessário; seja flexível; ganhe a confiança da criança; use o bom humor; faça exatamente o oposto daquilo que a criança espera.

  5. Planeje o programa de forma cuidadosa – Um programa bem planejado e um ambiente adequado irão ajudar a criança a regular seu próprio comportamento, enquanto um programa irregular, mal planejado, desorganizado, apenas conduzirá a muitos problemas disciplinares.

  6. Defina limites e mostre a realidade – Limites devem ser claros e definidos. A criança que sabe até onde pode ir, sentir-se-á mais segura e mais capaz de se controlar. Quanto menor o número de limites melhor. Os adultos devem tomar tempo para explicar a realidade da situação e mostrar o que pode ser feito dentro das limitações.

  7. Antecipe as dificuldades – Se o adulto antecipar e prevenir a criança, isso o ajudará a manter o auto-controle.

  8. Permita que as crianças experimentem conseqüências naturais – Em alguns casos a conseqüência natural pode ser muito séria, por isso é importante que o adulto esteja atento para indicar as conseqüências daquele mal comportamento. Quando as conseqüências não são tão graves é interessante deixar a criança experimenta-la pra que possa aprender maneiras mais adequadas de se comportar.

  9. Elogie o positivo, ignore o negativo – A criança que geralmente mais chama a atenção dos adultos é a que se comporta mal, e a maioria dos adultos termina gastando mais tempo com essas crianças apenas quando elas se comportam mal, o que apenas reforça o comportamento negativo. Isso não significa deixar o mau comportamento sem correção. Apenas avaliar se aquela situação precisa ser resolvida imediatamente. Crianças desejam atenção e elogios. Uma criança aprende a comportar-se mediante o tipo de reforço que sua atitude recebe por parte dos adultos – castigo ou recompensa. A recompensa tanto pode ser social ( elogio, abraço, um sorriso , etc) como material ( um presente, pontos, notas, etc). Para a maioria das crianças a recompensa social tem um efeito maior.

  10. Omita a moralização – Adultos devem sempre lembrar de criticar o ato, nunca a criança. Sermões sobre mau comportamento ou longos períodos falando sobre o assunto são inúteis para as crianças. A criança precisa ouvir apenas que o que fez não é permitido, mas ao mesmo tempo precisa saber que é amada pelo adulto que a está disciplinando. Ela não deve sentir que está sendo criticada, mas sim que seu comportamento está sendo reprovado. Por isso uma criança nunca deve ser ridicularizada pelos seus erros, principalmente na frente dos demais.

  11. Adote a política do “não toque” – Castigos físicos NUNCA devem ser utilizados, mesmo que a criança seja filho(a) do adulto. Ver Estatuto da criança e adolescente.

  12. Seja o exemplo – Ellen White faz o seguinte comentário: “Se os pais desejam ensinar aos seus filhos o domínio próprio, devem primeiro formar seus próprios hábitos. A atitude paterna de repreender e chamar a atenção para os erros estimula o temperamento apaixonado e impaciente dos de seus filhos”. Esse conselho é real no que diz respeito aos professores e lideres de Aventureiros. Estes são um exemplo para a criança em tudo que fazem. E seu exemplo tem muito a ver com a formação do caráter infantil. Lembre-se: Ensinai-os por preceito e por exemplo que não podeis tolerar seus desejos errados.



  1. A DISCIPLINA NO CLUBE DE AVENTUREIROS

Um programa de disciplina para o clube de aventureiros é mais do que fazer com que os Aventureiros fiquem quietos durante as reuniões. É ensinar as crianças que algumas atitudes são essenciais na vida, como o autocontrole, respeitar o direito dos outros, partilhar, etc.


- RESPONSABILIDADES DOS DIRIGENTES DE AVENTUREIROS:

Estabelecer regras: Regras e procedimentos são muito importantes. Eles dão uma orientação clara do que deve ser feito quando necessário, evitando extremos e reações indevidas.

- As regras devem ser sempre claras e bem formuladas.

- Ter as regras por escrito ( de preferência em lugar visível as crianças) e dar uma cópia aos pais.

- Discutir as regras com os próprios aventureiros, de preferência buscando sua participação na elaboração das mesmas.


APLICANDO A DISCIPLINA NO CLUBE DE AVENTUREIROS:

Os passos a seguir são sugestões que podem ser aplicadas quando houver necessidade de disciplina. São variadas técnicas que tem como objetivo ajudar o Aventureiro a pensar sobre seu comportamento e escolher um comportamento apropriado.

1º passo: Dialogo – Consiste em chamar a atenção do aventureiro através de perguntas, sempre de forma amigável e em particular.

Ex: O que você está fazendo? Isso é contrario as regras? O que você deveria estar fazendo? O que você pretende fazer agora?

Um aspecto interessante dessa técnica é não mudar a seqüência das perguntas, mesmo que o aventureiro se recuse a respondê-las. O líder também não deve dar uma resposta pronta, apenas fazer as perguntas. Não se envolva em discussões. Faça a pergunta com firmeza e autoridade.
2º passo: Cartão de advertência - Se o Aventureiro não responder de forma positiva ao dialogo e continuar apresentando um comportamento inadequado, deve ser aplicado o Cartão de advertência.

Consiste em um cartão por escrito que deve ser entregue ao aventureiro caso ele esteja atrapalhando a reunião. Essa técnica não interfere nem atrapalha o programa. Não há necessidade de qualquer comentário.


3º passo: Isolamento – O propósito do isolamento é separar o aventureiro do grupo para que a reunião possa continuar. Ele também permite que o aventureiro tenha mais uma oportunidade de escolher um comportamento mais apropriado.
4° passo: Reunião com os pais – O propósito da reunião com os pais é levar o aventureiro a fazer um compromisso de adotar um comportamento diferente. Nessa oportunidade o líder deve descrever o comportamento, e os passos que já foram dados para corrigi-lo. Deve pedir o auxilio dos pais no sentido de colaborar com o clube na solução do problema.
5º passo: Suspensão do clube – Essa técnica só deve ser adotada depois que todas as outras técnicas forem aplicadas e sem resultados. A solução deve ser comunicada ao aventureiro, que levará uma carta para os pais informando sobre os motivos da decisão, período de afastamento e data de retorno. Durante o período de afastamento o aventureiro e sua família deverão ser visitados demonstrando que ele é amado e que faz falta no clube.


  1. CONCLUSÃO

O amor cancela muitos pecados.

Se adequadamente aplicada a disciplina pode desempenhar um papel positivo no ato de educar. Quando mal empregada pode destruir todos os outros esforços naquela direção. Por essa razão é essencial que o líder seja criativo ao corrigir. Ore para que o Espírito Santo o capacite e o livre da armadilha de ser negativo, punitivo ou reacionário. Trabalhar com crianças é o maior trabalho já entregue a humanidade. Requer preparo para lidar com muitas situações e principalmente sabedoria para conduzi-las ao céu.

QUE DEUS NOS AJUDE A EXERCER A DISCIPLINA, DE MANEIRA QUE ATENDA ÀS

NECESSIDADES INDIVIDUAIS DAS CRIANÇAS !




  1. Desenvolvendo Projetos Sociais e Comunitários

“È essencial trabalhar com ordem, seguindo um plano organizado e um objetivo definido”. Ellen G. White, manuscritos 24,1987.


I – Definição de planejamento

“É o processo de determinar alvos e designar meios pelos quais estes alvos possam ser alcançados”.



Porque alguns projetos fracassam?

Não são feitas as devidas previsões dos acontecimentos.

Pela falta de um plano (reservar plano B).
II - Benefícios do planejamento

O planejamento ajuda você a fazer mais com muito menos”

1- As pessoas mais bem sucedidas são aquelas que se adaptaram a esse clima de desafio e se planejaram para isso!
2- “ O planejamento ajuda as pessoas a saberem o que se espera delas”

A falta de responsabilidade e objetivos claros é frustrante, e coloca quem quer que seja em desvantagem.


3- “ O bem planejamento ajuda a dar prioridade ás atividades”

Sem um bom planejamento você pode dar prioridade a quem grita mais alto.


III - Princípios básicos do planejamento

A - Defina seu objetivo:

É a etapa mais importante. Alguns elementos principais de um objetivo bem definido são:

1- Em termos gerais, o resultado desejado;

2- Um cronograma do projeto;


B - Cronograma de atividades:

Estabeleça que atividades serão desenvolvidas. Consulte os calendários oficiais: Missão, Igreja local, Civil (prefeitura, estado, país).


C - Reúna e avalie os dados

Esta fase descreve os recursos que serão usados. Os recursos devem ser expressos em termos de pessoas, materiais, recursos financeiros, local, e outros fatores. Faça algumas perguntas, e coloque-as no papel, por exemplo:



  • - O que será feito?

  • Quando isso será feito?

  • Quem ficará responsável?

  • Onde será realizado?

  • Quanto vamos precisar?

  • Quem materiais seriam necessários?

  • Onde podemos buscar os recursos e os materiais?



D - Determine ações

Esta é a etapa mais criativa do processo de planejamento. Você definiu objetivos. Avaliou e reuniu os dados, agora vai junta-los e definir etapas e ações. Durante esta etapa do processo, as atividades são definidas de maneira muito detalhada.



  • Comunique as tarefas e veja se todos entenderam bem o objetivo geral

  • Peça retorno dos envolvidos (feedback)

  • Determine datas para entrega das tarefas

  • Comunique-se. Comunique-se. Comunique-se. Os planos costumam falhar devido á falta de comunicação.


E - Desenvolva um plano de contingência

Será sempre necessário ter um plano B preparado para as emergências. Isso acontece porque sempre acontecerão imprevistos de ultima hora.

Com o plano B você pode minimizar os efeitos negativos que tais imprevistos podem trazer á sua programação.

Alguns conselhos úteis:

Tente determinar as causas dos problemas, falando com diferentes pessoas.

Não hesite em implantar seu plano B, se necessário.


F - Acompanhamento

Desenvolva um checklist (confira todos os pontos)

Acompanhe as atividades de perto. Delegue responsabilidades, mas não deixe de supervisionar discretamente todas as etapas.

O bom líder sabe delegar, mas nunca deixa de supervisionar o andamento do processo. Isso evitará surpresas de ultima hora.





  • Planejar é escrever a historia antes que ela aconteça – Ted Engstron

  • A distancia entre o sucesso e o fracasso pode ser medida com um passo – anônimo

  • Somos o que fazemos repetidamente – Aristóteles

  • Os planos não são nada, o planejamento é tudo – Dwight D. Eisenhower

  • Se você quiser um ano de prosperidade, plante grãos. Se quiser 10 anos de prosperidade, plante árvores - provérbio chinês.

Por:


Edinilce Oliveria

Assessora Aventureiros/ MMa





  1. AVENTUREIROS - UMA PORTA PARA O FUTURO


Por Que Organizar um Clube?

  1. As famílias precisam de ajuda

  2. As crianças estão amadurecendo mais cedo;

  3. É o momento ideal para definir o amor por Jesus;

  4. A igreja não tem outra forma de atraí-las;

  5. É um departamento oficial da igreja;

  6. Tem crescido muito, como prova de seu benefício.


Nosso Propósito:

  1. Envolver crianças de 06 a 09 anos;

  2. Promover uma união entre igreja, lar e escola

  3. Auxiliar os pais a estruturarem uma família mais forte;

  4. Desenvolver atividades que aumentem o amor por Jesus;

  5. Descobrir habilidade e usa-las para o bem do aventureiro, da igreja e da sociedade;

  6. Desenvolver a criatividade;

  7. Oferecer a alegria de fazer as coisas da maneira certa;

  8. Aprender a colaborar e conviver em harmonia com os outros.


Aventureiros X Desbravadores

  1. Idade;

  2. Comportamento;

  3. Freqüência das reuniões;

  4. Ordem Unida;

  5. Ideais & Hino;

  6. Classes e Especialidades;

  7. Uniforme;

  8. Ênfase - Família x Aventura;

  9. Atividades - Inocentes x Radicais.


Conhecendo os ideais

VOTO:
“Por amor a Jesus, farei sempre o meu melhor”

LEI:
“Jesus me ajuda a ser:
Obediente, puro, reverente, bondoso e colaborador”


Conhecendo as Classes

Abelhinhas Laboriosas - 6 anos
Luminares - 7 anos
Edificadores - 8 anos
Mãos Ajudadoras - 9 anos

ORGANIZANDO UM CLUBE

Como Iniciar Um Clube

QUEM PODE PARTICIPAR



Liderança:

  • Maiores de 21 anos

  • Membros batizados

  • Preferencialmente pais

  • Disponibilidade de tempo

  • Disposição em cumprir requisitos para investidura em líder

Onde encontrar estes líderes

  • Departamentos infantis da igreja

  • Pais

  • Professores de escola

  • Esposa do Pastor

  • Desbravadores

  • Convite na igreja


OS PRIMEIROS PASSOS

  • Apresente a idéia ao Pastor

  • Busque apoio na Associação/Missão

  • Converse com líderes da igreja e pais sobre o plano

  • Recrute pessoas interessadas em colaborar

  • submeta o surgimento do clube e a escolha da diretoria à comissão da igreja

  • Reúna a nova equipe para:

  • Planejamento das atividades

  • Apresentação dos princípios básicos dos aventureiros

  • Organizar as inscrições

  • Organizar a primeira reunião

  • Organizar um plano de visitação às famílias


PROMOÇÃO E RECRUTAMENTO

  • Carta às famílias dos aventureiros em potencial

  • Anúncios (igreja, boletim e mural)

  • Programa com outro clube

  • Visitação

  • Recrutar aventureiros em:

  • Departamentos infantis

  • Escola Adventista

  • Vizinhos da igreja


INSCRIÇÕES

  • Realizadas na primeira reunião do clube

  • Duração de 4 semanas

  • Com a presença dos pais

  • Utilizar ficha com informações detalhadas

  • Utilizar ficha de aprovação dos pais

  • Diretoria uniformizada

  • Ensinar voto, lei e hino

  • História com fundo moral ou religioso

  • Presença dos pais

  • Entrega de um programa de atividades

  • Realização de uma atividade criativa que possa ser completada no primeiro dia

  • Formar as unidades

  • Organizar os grupos para as classes


A EQUIPE DE TRABALHO

  • Diretor

  • Diretores Associados

    • De acordo com o número de aventureiros

    • Divididos em áreas de atuação

  • Secretário

  • Tesoureiro

  • Capelão

  • Pais

  • Alguns devem ser conselheiros da diretoria

  • Instrutores

  • Conselheiros das unidades


A ADMINISTRAÇÃO

  • Planejamento

    • Duração de 9 meses - ano escolar

  • Reuniões

    • No máximo uma hora e meia

    • No mínimo duas vezes ao mês

  • Relatório

    • Enviado periodicamente a Associação/Missão

  • Comissão da Igreja

    • Diretor é membro oficial

  • Unidades

    • Organizadas com 6-8 participantes e conselheiro

  • Recursos

    • Campanhas, taxa e orçamento da igreja


Alguns Materiais

  1. Manual do Clube dos Aventureiros

  2. Manual de classes

  3. Manual de Orientações das Classes

  4. Cartões de classes

  5. Insígnias de classes

  6. Insígnias para uniforme

  7. Cinto, fivela, lenço e prendedor

  8. Cartão de líder

  9. Lenço de líder

  10. Boas Novas para Hoje

  11. Fazendo da Bíblia um Deleite

  12. Bandeira

  13. Como Formar Pequenos Cristãos - CPB

  14. Como Ensinar Crianças na Escola Sabatina – CPB

  15. Guiando Crianças a Cristo – IAE

  16. Série Lar Cristão - CPB

  17. Regulamento de uniform



  1. Perfil do aventureiro




  • Ativos

  • Cheios de energia

    • Correm o dia todo, mas não querem dormir.

    • Estão sempre muito cansados para despertar, exceto quando a gente quer dormir!

  • Não crescem muito rápido.

  • Não comem muito.

  • Não gostam de banho.

  • Gostam de todos os esportes.

  • Não entendem quando você está cansado.

  • Gostam sempre de uma nova aventura.

  • Fazem muitas perguntas.

  • Gostam de coisas novas e inventam uma utilidade para tudo.

  • Observadores da natureza e do mundo que os rodeia.

  • Inventores de máquinas e ferramentas.

  • Capazes de construir qualquer coisa.

  • Extremamente curiosos.

  • Defensores daquilo que entendem por verdade e justiça.

A estabilidade de suas emoções, será o pano de fundo da sua personalidade. Certamente alguns aspectos serão alterados pela aparição das fortes emoções na adolescência.

A alegria de um momento feliz, a tristeza ou a indignação de um fracasso, a excitação de algo novo e o aborrecimento que provoca a rotina, serão compartilhados com sua família, amigos e líderes de forma muito espontânea e natural, algumas vezes de maneira bastante irreverente.



Pr. Ivay Araújo

  1. A vida em grupo

A grupo é um espaço privilegiado, com uma atmosfera especial, onde meninos e meninas são parte importante da vida uns dos outros. Fazem coisas interessantes e curiosas.



  1. A vida em grupo é o resultado de tudo o que se passa na unidade e das relações que se estabelecem entre seus membros.

  2. A atração das atividades realizadas, a riqueza da convivência das pequenas equipes, os desafios da vida ao ar livre, a alegria obtida através dos serviços prestados a outros, a utilidade das normas que regem a vida em comum, os símbolos, as solenidades, os jogos, as músicas, as brincadeiras, enfim, tudo que ocorre na unidade um construindo progressivamente uma atmosfera especial.

  3. Esse ambiente proporcionado pela vida em grupo, é um espaço de ensaio da futura vida social, que estreita as relações mútuas, espontâneas e respeitosas e que prepara para a vida adulta. É uma grata atmosfera que permite a interiorização dos valores e que proporciona oportunidades de crescimento pessoal, desenvolvendo uma consciência crítica entre seus integrantes.






A vida em grupo em poucas palavras
A vida no grupo é a atmosfera que se vive na unidade.

É nesse ambiente que as crianças crescem alcançando seus objetivos e vão formando um estilo pessoal.

A qualidade da vida em grupo é chave para que a unidade tenha sucesso em suas tarefas.

Para as crianças, a vida em grupo sempre será um jogo tão natural como o ar que respiram.

Nenhuma atividade alcança objetivos educativos por si só, sem um conjunto.


  1. Como são os meninos e meninas dos 6 aos 10 anos

Esta é uma das etapas mais conhecidas da vida. Tanto é, que, quase sempre quando se fala da infância, nos lembramos dessa idade.


Isto se pode atribuir a vários fatores:

  1. É desta fase da vida que se carrega as recordações mais nítidas e curiosas. São ligeiramente lembranças agradáveis, e que a grande maioria das pessoas, devido a atenção e carinho que os adultos lhe dedicaram, têm vivido esta etapa da vida como uma das mais bonitas.

  2. É a época em que os pais começam a perceber mais claramente as características peculiares dos filhos, e então, devem dedicar mais a atenção a estes.

  3. É um período de uma certa estabilidade, já que acabam de sair do acelerado crescimento dos primeiros anos. A partir dos 6 ou 7 anos, as crianças alcançam uma certa harmonia física e emocional, que com escassas variações, durará até pouco antes dos 10 anos nas meninas e quase 11 anos nos meninos.

Essa harmonia lhe tornam atrativos e simpáticos, fonte inesgotável de alegria e

satisfação.



  1. Nesta etapa as crianças possuem uma enorme quantidade de energia e com freqüência insistem para que os adultos façam o que eles querem, o que lhes obriga a ficar mais atentos aos seus pedidos e exigências.

Quando nos colocamos a disposição para colaborar na direção de um grupo assim, precisamos entender que nem sempre estamos completamente preparados.

No entanto, uma coisa boa, é perceber que nesta fase, os meninos e meninas são bastante acessíveis, salvo algumas particularidades ocasionais ou falta de motivação adequada e oportuna da nossa parte, estão sempre dispostos a seguir-nos naquilo que lhe propomos, isso nos ajuda a garantir que estamos cumprindo bem nosso papel. Não obstante, sempre existirão aspectos que ignoramos e outros cujo alcance não temos ainda descobertos.

Para conhecer bem seus interesses, propor-lhes atividades e avaliar seu crescimento pessoal, é imprescindível uma informação mais ampla e um conhecimento mais completo das características das crianças desta faixa etária.

Traduzido e adaptado do livro “Guia para Dirigentes de Manada” – Oficina Scout Interamericana, Santiago,Chile

Por Ivay P. Araújo

Curso de leitura para aventureiros

Mapa semi-permanente





Abelhinhas

Luminares

Edificadores

Mãos ajudadoras

Material de uso próprio

  • Minha Biblinha (Ed. Mundo Cristão)

  • Bíblia da Garotada (Ed. United Press)

  • Bíblia para Crianças (CPB)

  • Meus amigos da Bíblia

  • Bíblia em quadrinhos – Edit. Betânia, Vol. 5 e 6

  • Novo Testamento Ilustrado – Ed. Liga Bíblica

Bíblia em Quadrinhos – Edit. Betânia, Vol. 1,2 e 3

Belas Histórias da Bíblia

Volumes 1 a 10

Volumes 7,8 e 9

Volumes 1,3,4 e 6

Volumes 1,3,4 e 6

Natureza e ecologia

Série “Meus amigos da Natureza”

Pássaros Brasileiros

Borboletas/Jóias Aladas

Te quero Verde

Animais Heróis



Lição moral

Fiz o que pude-Lucília J.A. Prado/Edit. Moderna

Descoberta espacial

Alegria Azul/Selva amazônica

Desafios da Selva amazônica
1   2   3   4   5   6   7   8   9


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal