Custeio – por Gustavo Barchet apostila de legislaçÃo previdenciária custeio índice



Baixar 100.39 Kb.
Encontro18.07.2016
Tamanho100.39 Kb.

www.ResumosConcursos.hpg.com.br

Apostila: Custeio – por Gustavo Barchet



APOSTILA DE LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

CUSTEIO

Índice

1. Introdução pag. 02

2. Fontes de Custeio pag. 04

2.1. Participação Indireta da Sociedade pag. 04

2.2. Participação das Pessoas Políticas pag. 04

2.3. Contribuições Sociais pag. 07

2.3.1. Natureza Jurídica das Contribuições Sociais pag. 08

2.3.2. Anterioridade Nonagesimal pag. 08

2.3.3. Progressividade das Contribuições Sociais pag. 12

2.3.4. Regulamentação das Contribuições Sociais pag. 12

2.4. Competência Residual da União pag. 13

2.5. Outras Receitas da Seguridade Social pag. 16

2.6. Receitas com destinação Especial pag. 17

2.7. Outros dispositivos legais –Imunidade/Isenção pag. 18



Autor:

Gustavo Felkl Barchet é Auditor-Fiscal da Receita Federal, cargo para o qual logrou aprovação em 1º lugar nacional na área de Tributação e Julgamento, no concurso de 2001. Exerce suas atribuições na Delegacia da Receita Federal de Passo Fundo (RS), e atualmente está elaborando um livro de “Questões de Direito Constitucional” em co-autoria com o Prof. Vicente Paulo. (gustavo@pontodosconcursos.com.br). Apostila compilada do site Ponto dos Concursos (www.pontodosconcursos.com.br)

CUSTEIO


1. Introdução

Na lição de Wladimir Novaes Martinez, "entende-se por fonte de custeio os meios econômicos e, principalmente, financeiros obtidos e destinados à concessão e manutenção das prestações previdenciárias. Provêm da comunidade e destinam-se ao consumo de uma fração dela: os beneficiários".

O art. 195, § 5º, da Constituição Federal, estabelece o importantíssimo Princípio da Preexistência da Fonte de Custeio, pelo qual nenhum benefício ou serviço da Seguridade Social pode ser criado, majorado ou estendido sem que previamente seja estabelecida sua fonte de custeio. O STF já se pronunciou no sentido de que este princípio, pelo fato de localizar-se entre as disposições constitucionais gerais da seguridade social, é aplicável também aos Estados e ao Distrito Federal, quando instituírem seus regimes próprios de previdência e assistência social para os seus servidores públicos. Pelo mesmo fundamento, devemos entendê-lo como válido também para os Municípios, quando criarem seus regimes previdenciários autônomos para os servidores municipais.

A Seguridade, como é sabido, divide-se em três grandes áreas: Previdência Social, Saúde e Assistência Social. A fruição das prestações da Previdência é condicionada ao pagamento de contribuições sociais, requisito inexistente quanto à Saúde e à Assistência Social, cujos benefícios e serviços podem ser gozados sem necessidade de qualquer contribuição específica. Apesar disto, é indispensável que todo benefício ou serviço criado ou ampliado nestas duas últimas áreas tenha a origem de seu financiamento já determinada, sob pena de inconstitucionalidade.


Não há absolutamente qualquer exceção a este princípio: todo e qualquer benefício e serviço da seguridade têm como requisito prévio para sua instituição e ampliação a determinação de sua fonte de custeio. A diferença é que a Previdência adota regime essencialmente contributivo, constituindo o recolhimento das contribuições sociais condição indispensável para o acesso às prestações por ela ofertadas, enquanto que na Saúde e na Assistência não há necessidade desta contribuição direta dos usuários, sendo o financiamento realizado por meio de outros recursos, sendo em deles as contribuições sociais.

Permitindo-nos uma pequena digressão, é interessante relembrar que a competência para legislar sobre seguridade social é privativa da União, inserindo-se entre as hipóteses de competência legislativa concorrente as matérias relacionadas à "previdência social, proteção e defesa da saúde" (CF, art. 22, XXIII, e 24, XII).


O art. 195 da Constituição é o dispositivo-matriz do custeio da seguridade. Diz a referida norma:
"A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais:
I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre:
a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, a pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício;
b) a receita ou o faturamento;
c) o lucro;
II - do trabalhador e demais segurados da previdência social, não incidindo contribuição sobre aposentadorias e pensões concedidas pelo regime geral da previdência social de que trata o art. 201;
III - sobre a receita de concurso de prognósticos".

O regulamento complementa as disposições constitucionais afirmando, em seu art. 195, que no âmbito federal, a seguridade social será financiada por receitas oriundas:


I - da União;
II - das contribuições sociais;
III - de outras fontes.
Conjugando estes dois dispositivos legais, podemos concluir que os recursos necessários para o financiamento da seguridade têm como fontes:
- a participação indireta da sociedade;

- os orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;


- as contribuições sociais já instituídas (participação direta da sociedade);
- as contribuições sociais a serem criadas por meio da competência residual da União;
- outras receitas da seguridade, além das incluídas nas hipóteses anteriores.

2. FONTES DO CUSTEIO
2.1. Participação indireta da sociedade
Reza o art. 195, caput, da CF: "a seguridade será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta...".
A participação indireta da sociedade assume duas formas:


  • contribuição para o orçamento das pessoas políticas (União, estados, DF e Municípios), por meio dos impostos;

  • compra de produtos e serviços das empresas e pessoas físicas e jurídicas equiparadas, pois no preço final pago já está embutida a carga tributária, inclusive a concernente às contribuições sociais.



2.2. Participação das pessoas políticas: União, Estados, Distrito Federal e Municípios
Os Estados, Municípios e o Distrito Federal contribuem para o financiamento da seguridade com recursos oriundos de seus respectivos orçamentos. A Constituição e a Lei de Custeio (Lei 8.212/91) praticamente não trazem disposições detalhando esta forma de participação. O único dispositivo que versa sobre este assunto é o art. 198 da CF, §§ 1º e 2º, modificado pela EC 29/2000, que estabelece os recursos mínimos a serem aplicados por tais entes federativos na área de saúde.
A União, a exemplo dos estados, Municípios e do Distrito Federal, também não participa do financiamento da seguridade mediante uma contribuição social específica, mas por meio de recursos adicionais do seu Orçamento Fiscal, fixados obrigatoriamente na lei orçamentária anual. Tais recursos são alocados diretamente no Orçamento da Seguridade, autônomo com relação aos demais orçamentos elaborados na lei orçamentária anual. Abrange ele todos os órgãos e entidades da administração direta e indireta federal que atuam na área da seguridade, conforme o disposto no art. 165, III, da CF.

Além dos valores previstos no orçamento da seguridade, a União é responsável pela cobertura de eventuais insuficiências financeiras oriundas do pagamento dos benefícios de prestação continuada da previdência social. É importante delimitar o alcance desta responsabilidade: responde a União apenas quando os recursos são necessários para o pagamento dos benefícios de prestação continuada da previdência, ou seja, aqueles recebidos de forma periódica, tais como as aposentadorias e pensões. Com relação aos benefícios e serviços existentes nas áreas de saúde e assistência social não há responsabilidade equivalente.


Não compete à União, portanto, responder por qualquer déficit financeiro da seguridade; sua obrigação limita-se à complementação dos recursos necessários para o adimplemento das obrigações relacionadas aos benefícios previdenciários de prestação continuada.
Em contrapartida, poderá a União utilizar-se dos recursos oriundos das contribuições incidentes sobre a receita ou o faturamento (COFINS, p. ex.) e o lucro (CSSL) das empresas, para o pagamento de seus encargos previdenciários (aposentadorias dos servidores federais ocupantes de cargos efetivos, pensão dos anistiados, etc), desde que fiquem assegurados os recursos necessários para as áreas de saúde e assistência social.
O art. 18 da Lei 8.212/91 permite que a União utilize-se do montante arrecadado por meio das contribuições da empresa, do empregador doméstico e do trabalhador para o pagamento de despesas com pessoal e de administração geral do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e demais entidades ali elencadas. Entretanto, o art. 167, XI, da Constituição, incluído pela EC 20/98, vedou a utilização de recursos provenientes das contribuições sociais a cargo do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada incidentes sobre a folha de salários e demais rendimentos pagos a pessoa física que lhe preste serviço, bem como das contribuições dos trabalhadores e demais segurados da previdência social, para pagamentos outros que não os relativos a benefícios do regime geral da previdência social.
Desta forma, a partir desta emenda, pode a União fazer uso, para despesas com pessoal e de administração geral do INSS e demais entidades citadas no art. 18 da Lei 8.212/91, apenas das contribuições a cargo da empresa incidentes sobre a receita ou o faturamento e o lucro.
Em conclusão: a União poderá utilizar-se somente das contribuições das empresas incidentes sobre a receita ou o faturamento e o lucro para o pagamento dos seus encargos previdenciários e das despesas de pessoal e de administração geral do INSS e demais entidades constantes do art. 18 da Lei 8.212. As demais contribuições sociais, regra geral, têm aplicação vinculada aos benefícios e serviços do regime geral da previdência social.

Como hipóteses que excepcionam esta regra, podemos citar a contribuição sobre a receita dos concursos de prognósticos, que em parte é destinada ao Programa de Crédito Educativo; ou a contribuição para o Programa de Integração Social (PIS), que é utilizada também para o financiamento do seguro-desemprego (um benefício que não é custeado pela seguridade).



Exercícios.
1) (CESPE - Procurador do INSS/98) A União responderá por eventual déficit financeiro da seguridade social, se causado pelo pagamento de benefícios de prestação continuada da previdência social.
2) (CESPE - Fiscal do INSS/97) A preexistência de custeio em relação ao benefício ou serviço da seguridade social é fator indispensável: sem o custeio, não há benefício ou serviço de seguridade. Porém, esse princípio não impede que a assistência social seja prestada independentemente de contribuição do beneficiário à previdência social.
3) (CESPE - Fiscal do INSS/97) A contribuição da União é constituída de recursos adicionais do orçamento fiscal, fixados obrigatoriamente na lei orçamentária anual.
4) (CESPE - Procurador Federal/2002) Apesar de a Constituição da República determinar como objetivo da seguridade social a equidade na forma de participação do custeio, o acesso á saúde é universal e deve ser prestado tanto ás pessoas que contribuem como as que não contribuem para a seguridade, inclusive os estrangeiros em trânsito no país.
Gabarito;
1. CERTO.
2. CERTO.
3. CERTO.
4. CERTO.


2.3. Contribuições sociais
As contribuições sociais têm sua matriz constitucional genérica no art. 149 da CF, que determina caber exclusivamente à União sua instituição, ressalvadas as contribuições sociais que podem ser instituídas pelos Estados, Municípios e Distrito Federal para custear o sistema previdenciário e assistencial de seus servidores. É vedado a tais entes federativos a criação de regimes previdenciários para trabalhadores da iniciativa privada, competência atribuída com exclusividade à União.
O Regulamento, no art. 195, prevê as fontes de custeio da seguridade, em nível federal, ao estatuir:
"Art 195. No âmbito federal, o orçamento da seguridade social é composto de receitas provenientes:
I - da União;

II - das contribuições sociais;

III - de outras fontes.
Parágrafo único. Constituem contribuições sociais:
I - as das empresas, incidentes sobre a remuneração paga, devida ou creditada aos segurados e demais pessoas físicas a seu serviço, mesmo sem vínculo empregatício;

II - as dos empregadores domésticos, incidentes sobre o salário-de-contribuição dos empregados domésticos a seu serviço;

III - as dos trabalhadores (e demais segurados da previdência, de acordo com o art. 195, II, da CF), incidentes sobre seu salário-de-contribuição;

IV - as das associações desportivas que mantêm equipe de futebol profissional, incidentes sobre a receita bruta decorrente dos espetáculos desportivos de que participem em todo território nacional em qualquer modalidade esportiva, inclusive jogos internacionais, e de qualquer forma de patrocínio, licenciamento de uso de marcas e símbolos, publicidade, propaganda e transmissão de espetáculos desportivos;

V - as incidentes sobre a receita bruta proveniente da comercialização da produção rural;

VI - as das empresas, incidentes sobre a receita ou o faturamento e o lucro; e

VII - as incidentes sobre a receita de concursos de prognósticos (ressalvada a parcela desta contribuição destinada ao custeio do Programa de Crédito Educativo).

Algumas destas contribuições, como aquelas a cargo dos trabalhadores e demais segurados da previdência são arrecadadas, fiscalizadas e administradas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), entidade pertencente ao sistema de seguridade social; ao passo que outras, como a incidente sobre o lucro das empresas, são arrecadadas, fiscalizadas e administradas pela Secretaria da Receita Federal, órgão da administração direta da União, que não compõe o sistema de seguridade. Com isto quer-se dizer que não é relevante o órgão ou entidade arrecadadora das contribuições sociais, mas a destinação das mesmas: a SRF ou qualquer outro órgão ou entidade da administração pode realizar esta função, desde que a receita seja destinada efetivamente a seguridade.




2.3.1. Natureza jurídica das contribuições sociais
Muito já se discutiu acerca da natureza jurídicas das contribuições sociais. Teorias como a da parafiscalidade e da exação sui generis foram defendidas por respeitáveis doutrinadores. Hoje, entretanto, a maciça maioria da doutrina confere às contribuições sociais natureza tributária. O STF já se manifestou neste sentido, afirmando que elas são indiscutivelmente modalidade de tributo, não se identificando com os impostos, taxas e contribuições de melhoria.
Não é necessária uma análise mais detalhada dos argumentos sustentados por cada corrente para definir a natureza jurídica das contribuições sociais. Dentro de nosso objetivo só nos importa saber que elas são, indiscutivelmente, modalidade de tributo, tendo como principal peculiaridade a destinação de seu produto à seguridade social.
Os princípios constitucionais tributários, como os da irretroatividade, legalidade, não-confisco, entre outros, são aplicados às contribuições sociais em tudo e por tudo de forma idêntica às demais espécies tributárias, tais como os impostos e as taxas, respeitadas suas peculiariedades específicas. O princípio da anterioridade em âmbito previdenciário, todavia, é distinto do princípio genérico da anterioridade tributária, como veremos a seguir.


2.3.2. Anterioridade nonagesimal
Reza o art. 195, § 6º, da CF: "As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser exigidas decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se lhes aplicando o disposto no art. 150, III, b (princípio da anterioridade genérico)".

O princípio da anterioridade genérico veda a cobrança de tributos no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os houver instituído ou aumentado. O princípio da anterioridade nonagesimal, de que aqui estamos tratando, é mais amplo quanto ao seu alcance, pois exige o interstício de noventa dias para se efetuar alguma modificação quanto à exigibilidade das contribuições sociais, não apenas para seu aumento ou criação.


O STF, manifestando-se a respeito da amplitude do princípio da anterioridade nonagesimal, já entendeu que o intérprete, ao analisar tal princípio, deveria cingir-se à literalidade da prescrição constitucional. Afirmou ele que quando o texto constitucional utiliza a expressão "modificado", quer ele dizer que qualquer alteração introduzida na regulamentação das contribuições sociais só é eficaz a partir de noventa dias da publicação da lei modificadora. A Corte já deixou julgado, por exemplo, onde determinava a observância do prazo nonagesimal até mesmo para a alteração da data de recolhimento de contribuição social.
Atualmente, entretanto, percebe-se uma redução da rigidez da interpretação da Corte, que em julgamento recente entendeu, em posição contrária à acima exposta, que a alteração do prazo para recolhimento de contribuições não precisa observar o princípio da anterioridade nonagesimal.
De qualquer forma fica a consideração: em função do uso do termo "modificado" pelo legislador constituinte, o princípio da anterioridade nonagesimal tem alcance mais amplo do que o princípio da anterioridade genérico. A exata amplitude deste termo e a dimensão da diferença com relação ao princípio genérico da anterioridade tributária vêm sendo paulatinamente traçados pela jurisprudência, mas não há ainda posicionamento definitivo a esse respeito.

Exercícios.
1. (CESPE - Procurador do INSS/99) Sabendo que, por meio de emenda constitucional, foi prorrogada por 36 meses a cobrança da contribuição provisória sobre movimentação financeira, destinando-se à previdência social o incremento da receita advindo da alteração da alíquota, e que, quando da votação da referida emenda, o prazo de vigência da lei que instituíra a cobrança da contribuição já se havia expirado, então a cobrança da exação com base naquela lei é inconstitucional.
2. (CESPE - Fiscal do INSS/97) Uma nova lei que altera as contribuições sociais da Previdência incidentes sobre o salário do contribuinte só produz eficácia após decorridos noventa dias da data da sua publicação.
3. (CESPE - Fiscal do INSS/2001) Considere a seguinte situação hipotética.
Em 20/03/2000 o presidente da república editou medida provisória reduzindo a alíquota da contribuição social a cargo das empresas, destinada á seguridade social. Como a referida norma não foi convertida em lei pelo Congresso Nacional no prazo devido, o presidente da República a reeditou em 19/04/2000 e, sucessivamente, em 19/05/2000. Em 30/05/2000, afinal, a medida provisória foi convertida em lei.
Nessa situação, a contribuição somente será devida em novo patamar a partir de 19/6/2000.
4) (CESPE - Fiscal do INSS/2001) A legislação tributária relativa a receita para a seguridade social não é alcançada pela limitação, decorrente de princípio constitucional, que veda a cobrança de tributos em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da lei que os houver instituído ou aumentado.
5) (CESPE - Fiscal do INSS/2001) É vedado à União instituir contribuição social em que se imponha a sujeição passiva dos partidos políticos, das entidades sindicais dos trabalhadores e das instituições de educação e assistência social sem fins lucrativos.

6) (TRF 5ª Região/IV Concurso) Constituição e a Lei n° 8.112, de 24 de julho de 1991, prevêem as fontes de custeio da Seguridade Social. Em relação a elas é correto afirmar que:


a) as loterias participam da receita da seguridade social segundo percentuais fixados em lei.
b) a contribuição do empregador doméstico é de 20% sobre o salário-de-contribuição de seu empregado doméstico.
c) os bancos comerciais estão isentos do pagamento da contribuição social sobre o lucro líquido.
d) a contribuição da empresa foi ampliada para abranger a sua receita, segundo alíquota de 3%.
e) os clubes de futebol contribuem como as empresas em geral.


Gabarito:
1) ERRADO.
A CPMF foi prorrogada pela EC 37/2002, que acrescentou o art. 84 ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Neste art., em seu § 1º, é expressamente prorrogada até 31/12/2004 a vigência da Lei 9.311/96, que instituiu a CPMF. Logo, não há qualquer inconstitucionalidade na cobrança deste tributo com base na referida lei.
2) CERTO.
3) CERTO.
Reza o princípio da anterioridade nonagesimal que qualquer modificação quanto à exigibilidade das contribuições sociais só tem eficácia após decorridos noventa dias da publicação da lei (ou ato normativo com força de lei, como a medida provisória) que houver instrumentalizado tal alteração. No caso das medidas provisórias, o interstício de noventa dias tem início com a data da sua primeira publicação. Como ela se deu em 20/03/2000, os efeitos da MP iniciam-se me 20-06-2000.
4) ERRADO.
5) ERRADO.
A imunidade dos partidos políticos, das entidades sindicais dos trabalhadores e das instituições de educação e assistência social sem fins lucrativos alcança apenas os impostos. As entidades beneficentes de assistência social, todavia, desde que observados os requisitos legais, são imunes também às contribuições previdenciárias.
6) Letra "d".
Na redação original do art. 195, I, da CF não constava o termo "receita", mas apenas "faturamento", de amplitude mais limitada que o primeiro. Este dispositivo foi modificado pela EC 20/98, que acrescentou a ele a expressão "receita". As alíquotas das diversas contribuições sociais serão estudadas no momento próprio.

2.3.3. Progressividade das contribuições sociais
O art. 195, § 9°, da CF, acrescentado pela Emenda 20/98, traz a possibilidade de que as alíquotas e as bases de cálculo das contribuições a cargo do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada, possam ser estabelecidas de forma diferenciada, em função da atividade econômica ou da utilização intensiva de mão-de-obra. Estatui ele, portanto, a possibilidade de progressividade das alíquotas e da base de cálculo das referidas contribuições.
Assim, por exemplo, considerando-se duas empresas sediadas no mesmo município e atuando na mesma área econômica, se numa delas, em função do maquinário disponibilizado, os empregados exercem atividade com reduzido risco de acidentes de trabalho, e na outra a atividade é excessivamente desgastante, predominantemente manual, acentuando-se assim a possibilidade de acidentes durante o serviço, pode a legislação estabelecer uma alíquota mais onerosa ou mesmo uma base de cálculo mais ampla para esta segunda empresa (até mesmo as duas medidas) sem que possa a empresa alegar violação ao princípio da isonomia, pois a CF, em atenção à diversidade das condições de trabalho, legitimou a diferenciação da base tributável e da alíquota incidente.

2.3.4. Regulamentação e instituição das contribuições sociais

As normas gerais constantes no Código Tributário Nacional (CTN) são também aplicáveis às contribuições sociais.


Admite-se a regulamentação das contribuições sociais por lei ordinária. A atual Lei de Custeio - Lei 8.212/91 -, p.ex., é lei ordinária.
A instituição das contribuições sociais cujos fatos geradores vêm previstos no art. 195 da Constituição pode ser feita por lei ordinária. A exigência de lei complementar para a instituição de contribuições sociais refere-se às novas contribuições, cujas hipóteses de incidência são diferentes das relacionadas no art. 195 da CF.
Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, decidindo pela instituição do sistema previdenciário e assistencial de seus servidores, também poderão fazê-lo por meio de lei ordinária, já que se trata de situação com fato gerador já previsto na Constituição, embora no art. 149.

Nos casos em que é admissível a utilização de lei ordinária pode-se fazer uso de medidas provisórias, desde que respeitado o princípio da anterioridade nonagesimal. Neste caso, a data da primeira publicação da medida provisória marca o início do lapso temporal de noventa dias. Para a instituição de novas contribuições não é possível a adoção de medidas provisórias, em virtude da determinação constitucional da necessidade de lei complementar nessa situação.



2.4. Competência residual da União para a criação de novas

Contribuições Sociais
A competência para a criação de novas contribuições sociais, destinadas à expansão e manutenção da seguridade social, fora das hipóteses do art. 195 da CF, é exclusiva da União.
Esta prerrogativa da União vem prevista no art. 195, § 4°, da CF, que manda observar as disposições do art. 154, I. Este último dispositivo traça três requisitos para a instituição de contribuições sociais incidentes sobre fonte diversa das constantes no art. 195 da CF:
1º) lei complementar;
2º) não-cumulatividade; e
3º) fato gerador e base de cálculo distintos dos determinados para os impostos previstos no texto constitucional.

O STF, analisando tais requisitos, manifestou o entendimento de que a lei complementar e a não-cumulatividade são condições de observância válidos para a instituição de novas contribuições sociais. Entretanto, podem estas ter fato gerador ou base de cálculo idênticos aos dos impostos previstos na Constituição.


Assim, a coincidência do fato gerador e/ou da base de cálculo das novas contribuições com os impostos discriminados na CF é admitida. A exigência de lei complementar e da não-cumulatividade, ao contrário, permanecem como de observância obrigatória.
Da mesma forma é válida a coexistência de um imposto e de uma contribuição social, já prevista na CF, com fatos geradores e bases de cálculo iguais. Basta pensarmos no imposto de renda e na contribuição social sobre o lucro líquido, que têm por fato gerador o lucro, para chegarmos a esta conclusão.

Também é constitucional a coexistência de duas contribuições sociais, já previstas na Constituição, com idêntica base de cálculo ou fato gerador. A COFINS e o PIS, por exemplo, são contribuições que têm o mesmo fato gerador, o faturamento, e ambas, por expressa disposição, são constitucionalmente admitidas: a primeira com fulcro no art. 195, I, b; e a segunda com base no art. 239.


É interessante aqui um comentário a respeito da Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira (CPMF). Esta contribuição social não foi instituída por meio do exercício da competência residual da União, mas mediante emenda constitucional, estando prevista nos art. 74, 75 e 84 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Sua vigência, como o próprio nome já indica, é temporária, e o produto por intermédio dela arrecadado é destinado às área da saúde e da previdência social, bem como ao Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza.

Exercícios.
1) (CESPE - Procurador do INSS/99) Sabendo que a Constituição da República não admite a incidência de mais de um tributo sobre o mesmo fato gerador e com idêntica base de cálculo, com a instituição da contribuição social incidente sobre o faturamento da empresa (COFINS) restou revogada a contribuição para o PIS/PASEP, que incidia sobre o faturamento.

2) (CESPE - Procurador do INSS/99) O fato de a Constituição da República não admitir a incidência de um mesmo tributo sobre o mesmo fato gerador e com idêntica base de cálculo justifica que o STF tenha julgado inconstitucional a cobrança da contribuição social sobre o lucro, considerando bis in idem a coexistência desta contribuição e do imposto de renda pessoa jurídica - este também incidente sobre o lucro das empresas.

3) (CESPE - Fiscal do INSS/97) A contribuição social dos empregadores incide sobre a folha de salários, o faturamento e o lucro, ou sobre outra fonte, desde que seja instituída por lei ordinária e tenha por fim garantir a manutenção e expansão da seguridade social.

4) (CESPE - Fiscal do INSS/2001) A contribuição incidente sobre o lucro das empresas deve ser disciplinada em lei complementar, haja vista a identidade entre as bases de cálculo dessa contribuição e a do imposto incidente sobre a renda.

5) (CESPE - Fiscal do INSS/2001) A Constituição da República chancelou a incidência de duas contribuições sociais sobre idêntica base de cálculo, haja vista autorizar, no âmbito das disposições gerais da seguridade social, a instituição de contribuição social incidente sobre o faturamento das empresas e, a par disso, recepcionar expressamente, no bojo das disposições constitucionais gerais, a contribuição para o Programa de Integração Social (PIS).

6) (CESPE - Fiscal do INSS/2001) A Constituição da República não permite que a União institua contribuição nova, não-prevista no texto constitucional, por meio de medida provisória.



7) (CESPE - Procurador do INSS/99) Presentemente, a seguridade não tem mais, como fonte de receita, os recursos da contribuição social advindos da contribuição social a cargo das empresas, que era devida em face das remunerações pagas em decorrência dos serviços prestados, sem vínculo empregatício, pelos segurados empresários. A referida contribuição foi julgada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Gabarito:
1) ERRADO.
O que a CF veda é que os impostos instituídos no uso da competência residual tenham fato gerador ou base de cálculo idênticos aos impostos já previstos na Carta Magna. É constitucionalmente admissível duas contribuições que se identifiquem quanto ao fato gerador ou à base de cálculo, como a COFINS e o PIS. Da mesma forma, uma contribuição, instituída no uso da competência residual ou cuja hipótese de incidência já tem previsão constitucional poderá ter fato gerador e base de cálculo idênticos ao de um imposto.
2) ERRADO.
3) ERRADO
4) ERRADO.
A contribuição sobre o lucro é prevista no art. 195 da CF, sendo, portanto, suficiente lei ordinária para sua instituição e regulamentação. O fato de ter esta contribuição fato gerador e base de cálculo idêntico ao do imposto de renda não altera esta situação, visto que a lei complementar só é exigida para contribuições novas, com fatos geradores sem expressa previsão constitucional.
5) CERTO.
6) CERTO.
7) ERRADO.
A redação original do art. 195, I, da CF, previa apenas a contribuição, a cargo da empresa, "incidente sobre a folha de salários, o faturamento e o lucro". A lei que estabeleceu a obrigatoriedade de contribuição previdenciária também por parte dos segurados empresários era uma lei ordinária, o que acarretou a sua declaração de inconstitucionalidade pelo STF. Entendeu a Corte que a expressão "folha de salários" não abrangia a remuneração paga aos segurados empresários, os quais não possuem vínculo empregatício e, portanto, não recebem salários. Portanto, o que esta lei ordinária fez foi criar uma nova contribuição social, com fato gerador inédito. Como neste caso é indispensável lei complementar, há ofensa á Constituição.
Para sanar esta omissão constitucional, a Emenda 20/98 alterou e desmembrou o art. 195, I, trazendo como hipótese de incidência, na alínea a, "a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício", com o que abrangeu também o segurado empresário. Como esta emenda é de 1998 e o concurso em questão ocorreu em 1999, quando da realização da prova já havia se efetivado esta modificação, o que torna errado o item.


2.5. Outras receitas da Seguridade Social
O art. 213 do RPS enumera as demais receitas da seguridade social.
De acordo com este dispositivo, são assim consideradas:
I - as multas, a atualização monetária e os juros moratórios (das contribuições sociais);
II - a remuneração recebida pela prestação de serviços de arrecadação, fiscalização e cobrança realizados para terceiros;
III - as receitas provenientes da prestação de outros serviços e de fornecimento e arrendamento de bens;
IV - as demais receitas patrimoniais, industriais e financeiras;
V - as doações, legados, subvenções e outras receitas eventuais;

VI - cinqüenta por cento da receita resultante da apreensão de bens utilizados no tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, repassada pelo Instituto nacional do Seguro Social (INSS) aos órgãos responsáveis pelas ações de proteção à saúde, devendo a verba ser aplicada no tratamento e recuperação de viciados em entorpecentes e drogas afins;
VII - quarenta por cento da receita proveniente dos leilões de bens apreendidos pela Secretaria da Receita Federal;
VIII - cinqüenta por cento do valor total do prêmio recolhido pelas companhias seguradoras que efetuam o seguro obrigatório de acidentes pessoais em acidentes de veículos automotores de vias terrestres. Este valor deve ser destinado ao Sistema Único de Saúde (SUS) para o custeio da assistência médico-hospitalar aos segurados vitimados em acidentes desta natureza;
IX - outras receitas previstas em legislação específica.


2.6. Receitas da seguridade social com destinação especial
Em regra as receitas da seguridade não tem destinação vinculada, compondo como um todo o orçamento da seguridade. Na elaboração do orçamento da seguridade é que há a distribuição do montante dos recursos, até então indiscriminados, conforme a área na qual se dará sua aplicação, garantindo-se a cada uma delas - previdência, saúde e assistência social - a gestão dos seus respectivos recursos (CF, art. 195, § 2º).
Há, entretanto, situações que excepcionam esta regra geral, nas quais o produto obtido, ou já tem destino pré-determinado, ou tem sua utilização vedada para determinadas finalidades. São as seguintes:
1º) as receitas provenientes da cobrança de dívidas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como da alienação, do arrendamento ou da locação de bens móveis ou imóveis pertencentes ao INSS: tais receitas serão utilizadas para a criação de uma reserva técnica de longo prazo, que tem por objetivo garantir o seguro social instituído no Plano de Benefícios da Previdência Social. É vedada a utilização dos recursos que constituem tal reserva para cobrir despesas de custeio em geral, inclusive as decorrentes de criação, extensão ou majoração dos benefícios e serviços do regime previdenciário, admitindo-se, em caráter excepcional, sua utilização para custear despesas de capital, na forma estabelecida na lei orçamentária (RPS, art. 364);

2º) contribuições sobre a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados a pessoas físicas pela prestação de serviços: a União não pode fazer uso das receitas oriundas destas contribuições sociais para pagamento de despesas com seu regime previdenciário próprio (previdência dos servidores públicos, p. ex.), com o quadro funcional ou com a administração geral do INSS e demais entidades constantes no art. 18 da Lei 8.212/91. As contribuições das empresas sobre a receita ou faturamento e o lucro podem ser utilizadas com tal finalidade, desde que assegurados os recursos necessários para as áreas de saúde e assistência social.;

3º) receita proveniente da contribuição sobre os concursos de prognósticos: parcela de sua arrecadação tem por destino obrigatório o custeio do Programa de Crédito Educativo, e o restante do produto apurado é vertido para a seguridade em geral;

4º) receita auferida com os bens apreendidos em ações de combate ao tráfico de entorpecentes e drogas afins: 50% desta receita é destinada à área da saúde, devendo obrigatoriamente ser aplicada no tratamento e recuperação dos viciados em entorpecentes e drogas afins;

5º) 50% do total dos prêmios arrecadados pelas companhias seguradoras que mantêm seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores terrestres: este percentual dos prêmios deverá ser repassado ao Sistema Único de Saúde (SUS), onde ele será aplicado no financiamento da assistência médico-hospitalar dos segurados vitimados por acidentes desta natureza;

6º) Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira (CPMF), com vigência até 31 de dezembro de 2004: a alíquota da CPMF é de 0,38% (trinta e oito centésimos por cento) até dezembro de 2003. Deste total, 0,20% são destinados ao custeio das ações e serviços da área da saúde, 0,10% para o financiamento da previdência social, e 0,08% para o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza (que não se inclui no sistema securitário).


2.7. Outros dispositivos legais concernentes ao custeio
O art. 195, § 7º, declara isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam os requisitos fixados em lei.
Duas observações se fazem pertinentes. A primeira é que, embora a Constituição utilize o termo isenção, na verdade é caso de imunidade. O STF já pacificou o entendimento de que quando a própria Carta Constitucional exclui alguma hipótese da incidência tributária é caso de imunidade e não de isenção, mesmo quando ela não faça uso expressamente deste termo. Desta forma, as entidades beneficentes de assistência social são na verdade imunes do pagamento de contribuições previdenciárias.
Por segundo, embora o dispositivo diga simplesmente que o gozo da imunidade condiciona-se ao preenchimento dos requisitos pré-fixados em lei, dando a entender num primeiro momento, que esta lei será sempre ordinária, na verdade, segundo a maioria da doutrina, será ela ordinária ou complementar, conforme a matéria sobre a qual disponha. Se tratar da constituição e do funcionamento das entidades imunes, será ordinária; mas se regular qualquer limitação ao poder de tributar será necessariamente complementar, em respeito ao estatuído no art. 146, II, da CF, que exige norma desta hierarquia para a regulação desta matéria.
O art. 195, § 11, por sua vez, veda a concessão de anistia e remissão das contribuições sociais (1) a cargo do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada incidente sobre a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados a pessoa física que lhe preste serviço, e (2) das contribuições a cargo do trabalhador e demais segurados da previdência social, em montante superior ao fixado em lei complementar. Esta norma é de eficácia limitada, ou seja, tem sua eficácia condicionada à edição da lei complementar referida no dispositivo, antes do que não deflagra seus efeitos jurídicos.
Perceba-se que mesmo após sua edição poderá ser concedida remissão ou anistia destas contribuições, já que a lei complementar apenas estabelecerá um limite para estes favores fiscais. Às demais contribuições sociais não é extensivo este dispositivo.
Por fim, o art. 195, II, segunda parte, veda a incidência de contribuições sociais sobre aposentadoria e pensões concedidas pelo regime geral da previdência social. Não há vedação semelhante para os aposentados e pensionistas dos regimes previdenciários próprios, como os servidores federais ocupantes de cargo efetivo, que poderão ter seus proventos tributados normalmente.

Exercícios.
1) (CESPE - Procurador do INSS/98) Além da renda líquida apurada nos concursos de prognósticos, excetuados os recursos destinados ao Programa de Crédito Educativo, também constitui, entre outras, receita da seguridade social o equivalente a 50% do valor total do prêmio recolhido a título de seguro obrigatório de danos pessoais causados por acidentes de trânsito, para custeio da assistência médico-hospitalar dos segurados vitimados por esses acidentes.
2) (CESPE - Procurador do INSS/99) A Constituição não admite a incidência de contribuição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral da previdência social.
3) (CESPE - Procurador do INSS/99) A seguridade social tem como fonte de receita um percentual de participação, legalmente definido, do resultado dos leilões dos bens apreendidos pela Receita Federal.
4) (CESPE - Fiscal do INSS/98) Todas as contribuições, assim definidas pela lei que instituiu o Plano de Custeio da Seguridade Social, podem ser usadas para financiamento de despesas com pessoal e administração geral do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
5) (CESPE - Fiscal do INSS/2001) A renda líquida dos concursos de prognósticos constitui receita da seguridade social, excetuando-se os valores destinados ao programa de crédito educativo.
Gabarito:
1. CERTO.
2. CERTO.
3. CERTO.
4. ERRADO.
5. CERTO.


====================== F I M ====================





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal