Custo de produção – história, teoria e conceitos



Baixar 17.34 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho17.34 Kb.



Custo de produção – história, teoria e conceitos

A contabilidade de custos surgiu junto com a Revolução Industrial, como tentativa de se elaborar um inventário disponível em um determinado período operacional, no qual se procurava identificar o valor dos produtos fabricados e vendidos. Todavia, naquela época as empresas apresentavam processos de produção muito semelhantes aos processos artesanais, e compunham sua matriz de custos basicamente com matérias-primas e mão-de-obra, que eram sem dúvida os mais relevantes.


Com o desenvolvimento, e o emprego cada vez mais intensivo das máquinas no processo de produção, os novos custos apareceram, tornando-se bem mais complexos os métodos para medi-los. A complexidade desses métodos contábeis, capazes de solucionar cada vez com mais rapidez os custos de fabricação, foi que deu origem à contabilidade de custos.
Desde a Revolução Industrial, a contabilidade de custos sofreu uma evolução considerável, devido à necessidade de realinhamento de seus objetivos e à expansão do campo de atuação.
A partir da I Guerra Mundial, com o incremento do processo produtivo, e conseqüente aumento da concorrência entre empresas e a escassez de recursos, surgiu a necessidade de aperfeiçoar os mecanismos de planejamento e controle das empresas. Nesse sentido, as informações de custos, desde que devidamente apresentadas em relatórios, seriam um grande subsídio para o controle e planejamento empresarial. Diante de tal fato, a contabilidade de custos tornou-se, devido à grande gama de informações que a compõem, um grande sistema de informações gerenciais.
Aliado ao desenvolvimento experimentado pela contabilidade de custos nas empresas nas quais teve origem, ou seja, nas empresas de setor secundário, foi possível criar sistemas perfeitamente adaptáveis ao setor terciário – escolas, bancos, hospitais, empresas de ônibus, etc.
É importante ressaltar a colaboração dada pelos sistemas de processamento eletrônico de dados à contabilidade de custos, pois estes permitiram fazer apurações com uma velocidade altíssima e sem margem de erro, aumentando a confiabilidade dos resultados obtidos.
Pode-se definir uma classificação para os objetivos da contabilidade de custos.

Inventariar os produtos fabricados e vendidos





  1. Determinar o valor inicial e final de matéria-prima em estoque.

  2. Determinar o valor final dos produtos terminados e em processamento.

  3. Elaborar demonstrativos do custo de produção de cada produto fabricado.

  4. Elaborar demonstrativos do custo dos produtos vendidos.

  5. Elaborar demonstrativos de lucros e prejuízos.



Planejar e controlar as atividades empresariais





  1. Analisar o comportamento dos custos – análise vertical e horizontal.

  2. Preparar orçamentos com base no custo de fabricação.

  3. Determinar o custo padrão de fabricação.

  4. Determinar as responsabilidades dentro do processo de produção.

  5. Determinar o preço de venda de cada item de produção.

  6. Determinar o volume da produção – além do ponto de equilíbrio, porém dentro da capacidade física da empresa.



Servir como instrumento para tomada de decisão





  1. Formar preço de venda.

  2. Eliminar, criar, aumentar ou diminuir a linha de produção de certos produtos.

  3. Produzir ou adquirir no mercado.

  4. Aceitar ou rejeitar encomendas.

  5. Alugar ou comprar.

Após analisar vários autores, não existe um conceito universalmente aceito para a palavra custo. Existe por sua vez, uma infinidade de discordâncias sobre o assunto. Porém, mesmo existindo estas divergências, é necessário citar alguns conceitos para fins operacionais.




  1. Custo – É o valor de bens e serviços consumidos na produção de outros bens ou serviços. Exemplo: o custo com antibióticos utilizados para dar alta a um paciente com pneumonia.

  2. Despesa – É o valor dos bens ou serviços não-relacionados diretamente com a produção de outros bens ou serviços consumidos em um determinado período. Exemplo: despesas com o frete de equipamentos biomédicos para manutenção.

  3. Gasto – É o valor dos bens ou serviços adquiridos pelo hospital. Exemplo: o valor da aquisição de uma licitação de fios cirúrgicos.

  4. Desembolso – É o pagamento resultante das aquisições dos bens e serviços pelo hospital. Exemplo: pagamento de aquisição de um lote de bolsas hemoterápicas.

  5. Perda – É o valor dos bens ou serviços consumidos de forma anormal e involuntária. Exemplo: danos provocados por sinistros.

  6. Desperdício – É o consumo intencional, que, por alguma razão, não foi direcionado à produção de um bem ou serviço. Exemplo: violar pacotes esterilizados e não utilizar todo o seu conteúdo.

É importante ressaltar, ainda, que um determinado bem, em certo instante, pode perfeitamente ser classificado em um determinado conceito e, com o desenvolver do processo produtivo, poderá mudar de categoria, ou mesmo estar incluído em mais de uma categoria.


Para melhorar o seu entendimento, os custos foram aglutinados em seis grupos a saber...


  1. Quanto ao seu objeto – Quando relacionados com o tipo de atividade do hospital ou centro de custo, classificam-se em...




    1. Aplicáveis – São custos que ocorrem durante a produção de bens ou serviços relacionados com a atividade-fim do hospital ou serviço, etc. Exemplo: o custo com o oxigênio em uma unidade de internação.

    2. Inaplicáveis – São custos que não estão relacionados diretamente com a produção de um bem ou serviço hospitalar pertencente à atividade-fim do hospital ou serviço. Exemplo: o empréstimo de uma sala cirúrgica para outra unidade hospitalar da rede.




  1. Quanto ao grau de detalhamento – Esse grupo está relacionado com o volume de produção.




  1. Custo unitário – Custo de produção de um único produto ou serviço, obtido através da metodologia do custo por ordem de produção. Esse método parte da aglutinação dos custos unitários para os custos totais de produção. Exemplo: reforma de uma unidade de internação.

  2. Custo médio unitário – Custo de produção de um único produto ou serviço, obtido através do custo total de produção de n produtos dividido pela quantidade desses produtos em determinado período. O sentido da aglutinação, nesse caso, parte do custo total para o unitário. Exemplo: custo de um hemograma junto ao laboratório de patologia clínica.

  3. Custo total – É o custo para produzir n produtos ou serviços em hospital, serviço etc.




  1. Quanto ao relacionamento com o nível de atividade – Estes custos relacionam-se com o nível de atividade produtiva, podendo ser classificados como...




  1. Custos fixos – São aqueles que, com a estrutura de produção constante, não variam com a quantidade produzida. Exemplo: energia elétrica gasta com a iluminação em laboratório de análises.

  2. Custos variáveis – Seu montante, no período em estudo, varia diretamente proporcional à quantidade produzida. Exemplo: filmes radiológicos e o número de exames realizados no serviço de radiologia.

  3. Custo misto escalonado – Sua variação é direta ao nível de atividade, porém não proporcional. Exemplo: custo de supervisão – para cada dez pacientes internados, necessita-se de mais cinco auxiliares de enfermagem e para cada cinco novos auxiliares, necessita-se de uma nova enfermeira supervisora para a equipe.

  4. Custo misto composto – Estes custos possuem parte fixa e parte variável. Uma varia diretamente proporcional à quantidade produzida e a outra mantém-se constante a qualquer nível de atividade. Exemplo: a parcela de energia elétrica utilizada na iluminação e nos equipamentos do serviço do laboratório de patologia clínica.




  1. Quanto ao elemento – Nesse caso, o custo é classificado por espécie – pessoal e encargos sociais, material de consumo e serviços de terceiros, etc. Isso facilita sua alocação ao sistema de apuração de custos e um controle isolado de cada categoria de custo – análise de tendência e de estrutura.




  1. Quanto à incidência – Esta classificação está relacionada com a incidência de cada espécie de custo ao processo produtivo...




  1. Diretos ao produto – São aplicados diretamente ao produto. Exemplo: se tomarmos como referência a alta hospitalar, são custos diretos os medicamentos, as próteses, os salários e os encargos sociais do corpo clínico.

  2. Indiretos ao produto – São os custos aplicados indiretamente ao produto. Podem, em alguns casos, até incidir diretamente, porém apresentam dificuldade para controle individualizado, tendo-se que utilizar bases de rateio para sua alocação ao produto.




  1. Quanto ao momento do cálculo – Esta classificação está relacionada com a localização com os custos no tempo. Classificam-se em...




  1. Custos históricos – São custos já realizados. Seu cálculo serve para medir o desempenho empresarial.

  2. Custos futuros ou predeterminados – São os custos calculados pelo método FEPS objetivando o planejamento empresarial.


Fonte

MATTOS, José Geraldo. Custo de produção – história, teoria e conceitos. Disponível em: . Acesso em: 09 jan. 2009.





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal