Da universidade de uberaba



Baixar 1.03 Mb.
Página11/27
Encontro19.07.2016
Tamanho1.03 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   27

DISCRETIZAÇÃO E SOLUÇÃO NUMÉRICA COMPUTACIONAL DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS


Acadêmicos: Antonielle Gomes Bezerra (Aluna de IC)

Orientadora: Profª Sílvia Carolina Lebrón

Colaborador: Ricardo Serone Ribeiro Miranda

Instituição: ILES/UlBRA – Itumbiara – GO

O escoamento de fluidos num canal plano, em regime permanente, (canal de Poiseuille), cuja formulação segue uma equação diferencial de segunda ordem é simulado numericamente. A discretização da equação governante é feita pelo método das diferenças finitas centrais, o que transforma o problema original em um sistema linear de grande porte que é resolvido iterativamente pelos métodos de Jacobi e Gauss-Seidel. São apresentados resultados comparando as soluções analíticas com a numérica, comprovando a eficácia da metodologia empregada na resolução discreta de equações diferenciais.

Área do conhecimento: Ciências Exatas e da Terra

Palavras chave: simulação numérica computacional, sistemas lineares, equações diferenciais,

métodos iterativos

ELABORAÇÃO DE EXTRATOS DA PLANTA INDIANA Azadirachta indica A. Juss (Nim)

Acadêmico: Renes de Resende Machado (Bolsista do PIC)

Orientador: Prof. Dr. Mauro Luiz Begnini

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Farmácia Industrial



Apesar de o uso de inseticida ser benéfico, dentro do manejo integrado de pragas, a falta de conhecimento sobre o seu manuseio adequado e o número de pulverizações cada vez maiores, com dosagens excessivas, podem contribuir para proporcionar efeitos maléficos, como contaminações do solo e da água, destruição dos insetos benéficos à vida selvagem, envenenamento do homem e animais domésticos. Devido a essas razões, é extremamente necessário que os agentes de controles das pragas sejam específicos, biodegradáveis e menos dispendiosos. Assim sendo, são inúmeras as pesquisas de plantas que possuem propriedades inseticidas, carrapaticidas, fungicidas, raticidas e outras propriedades de interesse medicinal. Dentro deste contexto, a planta Nim (Azadirachta indica A. Juss.), tem despertado o interesse de pesquisadores em estudar-se a sua utilização como inseticida natural. As partes da planta, tais como as folhas, caules e cascas foram coletadas e acondicionadas em sacos de tecidos com ventilação para facilitar a passagem de ar e evitar a perda excessiva de água em ambiente fechado. Em seguida, as folhas foram manualmente retiradas dos caules, separadas e postas para secagem em estufa a uma temperatura de 40 C durante um período de 48h, onde se obteve as folhas sem qualquer traço de umidade. Após serem secadas em estufa, as folhas foram trituradas em moinho de pás e posteriormente colocadas em extrator do tipo Soxhlet utilizando-se um solvente apropriado. Fez-se a extração comparativa utilizando-se dois solventes: hexano (utilizou-se 100g de folhas secas e obteve-se 15g de um óleo escuro) e metanol (utilizou-se 100g de folhas secas e obteve-se 20g de um óleo escuro). A extração a frio do óleo das sementes da planta foi feita comparativamente com o solvente éter de petróleo e n-hexano. 0,2Kg de semente da planta seca e triturada foi extraída com éter de petróleo e a massa do óleo após extração foi concentrada e se obteve 1,0g de óleo. O rendimento prático da extração (p/p) foi de 0,5% considerando a massa da semente bruta triturada. O mesmo procedimento acima descrito foi utilizado na extração do óleo utilizando-se éter de petróleo como solvente. Após a evaporação e obtenção do óleo concentrado obteve-se 0,6g de óleo. Um rendimento prático da extração (p/p) foi de 0,3% considerando a massa da semente bruta triturada. De acordo com os resultados prévios obtidos, pode-se verificar que existe uma melhora significativa na extração do óleo das sementes do Nim a frio quando é usado n-hexano como solvente. No processo de extração à quente e por esgotamento contínuo utilizou-se n-hexano como solvente. O óleo das sementes da planta Azadirachta indica (nim) foi extraído através do uso de um extrator do tipo soxhlet. Iniciou-se a extração com 100g de semente triturada da planta e obtiveram-se 0,8g de óleo. Isso significa um rendimento prático da extração (p/p) de 0,8% considerando a massa da semente bruta triturada. Depois de realizado esse trabalho, algumas considerações comparativas podem ser feitas sobre os dois processos de extração do óleo das sementes da planta: 1) No processo de extração à quente não ocorre a necessidade de filtração do óleo para separar o mesmo da semente; 2) O processo de extração á frio é menos eficiente; 3) O processo de extração à quente é mais dispendioso;

Áreas de Conhecimento: Ciências Exatas e da Terra.

Palavras-chave: extração, plantas inseticidas, biodegradáveis.

OBTENÇÃO DE EXTRATOS da planta indiana Azadirachta indica A. Juss (Nim) PARA Análise da SUA ação carrapaticida

Acadêmicos: Fabiano de Araújo Rezende (Aluno de IC)

Orientador: Prof. Dr. Mauro Luiz Begnini

Co-orientadores: Prof. Ms. Eustáquio Resende Bittar

Profª Ms. Joely Ferreira Figueiredo Bittar

Colaborador: Rafaele Fernando Soares Hofmann



Instituição: Universidade de Uberaba – Farmácia Industrial / Medicina Veterinária

Atualmente o combate ás pragas agrícolas vem sendo feito através da aplicação de biocidas, principalmente organossintéticos. A falta de conhecimento sobre o seu manuseio adequado, dosagens excessivas, podem contribuir para proporcionar efeitos maléficos, como contaminações do solo e da água, envenenamento do homem e animais domésticos, além de causar problemas de resíduos aos produtos e desenvolver uma maior resistência das pragas de um modo em geral. Devido a essas razões, é extremamente necessário que os agentes de controles das pragas sejam específicos, biodegradáveis e menos dispendiosos. Seguindo essas considerações, esse Projeto de Pesquisa teve como objetivo principal, avaliar a atividade carrapaticida da planta indiana Azadirachta indica (nim) cultivada em nossa região, através de diferentes extratos (alcoólicos, aquosos) das diferentes partes da mesma (casca, folhas e óleo das sementes). Dessa maneira procurou-se estabelecer um estudo comparativo das propriedades veterinárias, (carrapaticida) da planta indiana nim (Azadirachta indica A. Juss) cultivadas no seu local de origem, na Ásia, e as cultivadas e produzidas em nossa região. O presente trabalho foi dividido em duas partes: Inicialmente a coleta e obtenção dos diferentes extratos da planta e em seguida o estudo da ação carrapaticida desses diferentes extratos, onde os resultados da ação carrapaticida deste trabalho aparecem em outro resumo. Para a extração do óleo das sementes da planta indiana Azadirachta indica (nim), que foram doadas pelo Centro Nacional de Pesquisas de Arroz e Feijão – EMBRAPA (Goiás-Brasil), utilizou-se um extrator do tipo soxhlet por um processo contínuo de extração contínuo, utilizando-se n-hexano como solvente. Depois do óleo da semente ser extraído, o solvente (hexano) foi evaporado através do uso de um rotaevaporador, onde se obteve um óleo de coloração clara e com forte cheiro de enxofre, caracterizando a presença das azadiractinas, principais constituintes do óleo. Depois de obtido o óleo o mesmo foi previamente purificado através de uma coluna cromatográfica utilizando-se hexano como solvente. Em seguida o solvente foi evaporado e com o óleo concentrado iniciou-se o estudo da ação carrapaticida do mesmo. As folhas após serem secadas em estufa foram trituradas em moinho de pás e posteriormente colocadas em extrator do tipo Soxhlet utilizando-se hexano como solvente. As mesmas foram extraídas exaustivamente à quente por um processo contínuo até o esgotamento, obtendo-se um extrato de cor escura. Em seguida o hexano foi evaporado em rotaevaporador e obteve-se o extrato das folhas na forma bruta. As cascas após serem secadas em estufa foram trituradas em moinho de pás e posteriormente colocadas em extrator do tipo Soxhlet utilizando-se hexano como solvente. As mesmas foram extraídas exaustivamente à quente por um processo contínuo até o esgotamento, obtendo-se um extrato de cor escura. Em seguida o hexano foi evaporado em rotaevaporador e obteve-se o extrato das folhas na forma bruta. As folhas e cascas do caule da planta indiana Azadirachta indica (nim) foram coletadas e extraídas de acordo com a metodologia descrita acima. A obtenção dos extratos foi feita seguindo um gradiente de polaridade dos solventes, inicialmente com n-hexano (característica apolar) e depois com metanol (solvente com característica polar). Após a obtenção dos diferentes extratos da planta, iniciou-se o estudo da ação carrapaticida da planta nim usando-se dez teleógenas (número padrão), sem resíduos de carrapaticida, por extrato a ser testado, e comparado com dois grupos de dez teleógenas que não receberam nenhum tratamento, somente água (controle).

Áreas de Conhecimento: Ciências Exatas e da Terra.

Palavras-chave: extratos, carrapaticida, azadiractinas.

1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   ...   27


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal