Da universidade de uberaba



Baixar 1.03 Mb.
Página19/27
Encontro19.07.2016
Tamanho1.03 Mb.
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   ...   27

EQUIPE DE ATENÇÃO PSIQUICA ESPECIAL: UMA EXPERIENCIA INTERDISCIPLINAR

(relato de experiência)


Acadêmica: Rosana Freitas Arantes

Orientador: Pedro Alves Fernandes

Co-orientadores: Profª Patrícia Helena Costa Abrahão Freitas

Profª Andréa de Davide Ratto Morelli

Profª Flávia do Bonsucesso Teixeira

Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Serviço Social

As Clínicas Integradas têm como principal objetivo proporcionar assistência à comunidade, nas várias modalidades de atendimento, nas áreas de Odontologia, Psicologia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Biomedicina, Nutrição, Pedagogia, Serviço Social e Terapia Ocupacional, e possibilitar estágio aos alunos dos cursos destacados, bem como criar um espaço para pesquisas. Dentre as iniciativas de trabalhos multiprofissionais em andamento destacaremos aqui a Equipe de Atenção Psíquica Especial. Desenvolvida pelos cursos de Psicologia, Terapia Ocupacional e Serviço Social essa experiência vem proporcionando resultados relevantes, seja no aspecto de atendimento à população usuária do serviço, seja no que se refere à formação dos alunos. Por outro lado, cumpre um papel social importante na medida em que colabora, tecnicamente e intelectualmente com o processo de implantação do novo modelo de atendimento no campo da saúde mental. Este projeto contempla uma clientela que, em face ao processo de desinstitucionalização constituiu-se num desafio para os profissionais da área, pois, a experiência, referendada por vários estudos na área, mostra que indivíduos que passam ou passaram por vivências regressivas mais sérias e/ou psicóticas, precisam de um acompanhamento diferenciado e constante. Em geral apresentam dificuldades com internalização de hábitos, reinserção social, pragmatismo, relacionamento familiar, angústias psíquicas, dentre outros. Em função disso, atendimentos esporádicos, centrados num único profissional, mostram-se insuficientes para uma recuperação efetiva. Faz-se mister um trabalho próximo e multifacetado. A lógica do serviço está centrada em estabelecer vínculos grupais desenvolvendo estratégias de cuidados onde as diferentes áreas compartilham conhecimentos num processo dinâmico de assistência e docência. Consideramos como aspectos passíveis de destaque, a diminuição considerável no número de internações dos pacientes atendidos pela equipe, apontando para uma significativa melhora no seu quadro psicótico; a ampliação do vínculo com a família, tanto da equipe quanto do próprio paciente mostrando a ampliação e a melhoria na qualidade das relações familiares significando maior compromisso dessas famílias no tratamento dos pacientes; indícios de que estes começam a ampliar o espaço de convivência social. O trabalho vem ganhando mais qualidade de acordo com o desenvolvimento das atividades e principalmente por meio da avaliação constante, momento em que todos os membros da equipe colocam as dificuldades sentidas e discutem as possíveis formas de superação, considerando o caráter interdisciplinar do atendimento.


Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Palavras-Chave: Interdisciplinaridade; Saúde Mental; Assistência à comunidade, Desistitucionalização.

ESTRUTURADORES DE CRESCIMENTO E FORMAS URBANAS DA CIDADE DE UBERABA

Acadêmica: Renata Dagrava

Orientadora: Profª Ms. Carmem Silvia Maluf

Co-orientadora: Profª Kelly Cristina Magalhães Faria



Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Arquitetura e Urbanismo
A pesquisa se dedicou à análise do crescimento da cidade de Uberaba, no período de 1950 a 1970, identificando suas áreas de expansão e como os elementos estruturadores – córregos, linha férrea e a rodovia – interferiram no seu crescimento urbano. Foi realizado levantamento de dados, sobre o período estudado, no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas – IBGE –, Arquivo Público Municipal, Faculdade de Ciências Econômicas do Triângulo Mineiro – FCETM –, Departamento Nacional de Estradas e Rodagem – DNER –, Prefeitura Municipal de Uberaba e Jornal Lavoura e Comércio. Além deste levantamento, foi produzido um mapa da evolução urbana da cidade, através do qual foi possível identificar quais foram as regiões de crescimento em cada década estudada. A década de 50 foi marcada por diversos investimentos que visavam o desenvolvimento da cidade, entre eles estavam: investimentos no aumento da capacidade de produção de energia; perfuração de poços artesianos; abertura de estradas. Nesse período foi construído um dos maiores edifícios da cidade - Edifício Everest. Na década de 60 e 70 a cidade tem a implantação de empresas com atividade de avicultura e comércio de mercadorias. Foi possível constatar que na década de 50 a cidade teve sua expansão direcionada para todas as regiões – norte, sul, leste e oeste –, sendo a região sul, a de maior destaque. Pode-se dizer que a cidade se retalha em partes distintas, favorecido por um crescimento caracterizado pela ocorrência de vazios urbanos com caráter meramente especulativos, gerando benefícios exclusivos ao capital imobiliário, interessado na “engorda” de terrenos providos de total infra-estrutura urbana. Problemática ainda existente. Nesse momento a cidade contou com investimentos direcionados para o seu futuro desenvolvimento, principalmente quando se fala da indústria. Foi nessa década, de 50, que a cidade transpôs a barreira geográfica que é a rodovia, surgindo o primeiro loteamento depois da rodovia – Gameleira I, após a BR-262. Durante a década de 1960, foram ocupadas alguns daqueles vazios urbanos deixadas pelo crescimento da década de 50. Quanto à sua expansão, predomina a ocupação das regiões noroeste, oeste e sul. Implantou-se o segundo loteamento situado depois da rodovia – BR-050 –, o Recreio dos Bandeirantes. Nos fins dos anos 1960, inicia-se a ocupação de áreas vazias na cidade, produzidas pela expansão anterior e crescimento em direção a oeste, sul e sudoeste. Quanto aos estruturadores desse crescimento, foi possível identificar, através do mapa de evolução da cidade, que na década de 1950 os córregos foram um dos elementos que direcionaram a expansão da cidade com o surgimento de novos loteamentos nas suas proximidades. Além disso, a Estação ferroviária e a rodovia tiveram grande influência nessa expansão, pois a cidade crescia ao longo do córrego em suas direções - sul e norte. No período da década de 1960, os elementos anteriormente citados também contribuíram como estruturadores de crescimento, mas de modo menos intenso. Isso devido ao fato de grande parte dos novos loteamentos terem surgido em áreas próximas a loteamentos implantados na década de 1950, em regiões que já possuíam tendência a maior valorização. O fato da valorização de áreas – especulação imobiliária –, está presente até os dias atuais. Os proprietários aguardam a valorização de áreas vizinhas para posteriormente lotear sua área e assim obter maior lucro. É devido esse processo que no crescimento das cidades são criados os vazios urbanos ou “terrenos de engorda”.
Área de conhecimento: Ciências Sociais e Aplicadas.

Palavras-chave: Urbanização, Uberaba, Anos 50 e 60, estruturadores urbanos.



ESTUDO EXPLORATÓRIO: O RETRATO DAS CLÍNICAS INTEGRADAS

Acadêmicos: Rosana Freitas Arantes

Fernanda Beatriz Higino da Silva

Orientador: Prof. Ms. Pedro Alves Fernandes

Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Serviço Social

Este é um estudo sobre o Trabalho implantado no segundo semestre de 2001 em parceria com a Gerência Administrativa das Clínicas Integradas com objetivo de sistematizar uma análise os recursos humanos e materiais existentes no conjunto das Clínicas e socializar essas informações no espaço universitário por meio de um manual. Em 2001 foi feito o levantamento dos dados através de entrevistas estruturadas, por meio de instrumental padronizado, com perguntas específicas sobre o funcionamento de cada clínica. A escolha deste instrumental vincula-se ao objetivo deste estudo que resultará na descrição detalhada de cada Clínica e do conjunto das Clínicas. A aplicação do instrumental foi feita pelas estagiárias e pelo professor supervisor do curso de Serviço Social, sendo sujeito deste estudo os Diretores das Clínicas e o Gerente Administrativo. Os dados coletados nesse estudo foram sistematizados e posteriormente apresentados aos respectivos Diretores de cada Clínica e Gerente Administrativo para averiguação das informações colhidas buscando detectar possíveis falhas nas informações bem como omissão de algum detalhe importante para o estudo. Dessa forma, foram feitas as complementações necessárias para elaboração do manual. Esse estudo constitui-se na primeira etapa de um projeto mais amplo que tem como objetivo pesquisar a concepção de interdisciplinaridade que permeia no ideário dos profissionais de saúde e estagiários que compõem as Clínicas Integradas visando fomentar a discussão sobre esta temática, bem como criar uma cultura para a prática interdisciplinar. Nessa primeira fase da pesquisa podemos destacar como pontos positivos a catalogação da capacidade instalada das Clínicas Integradas, seja do ponto de vista humano e/ou do ponto de vista material. Por outro lado, isso possibilitou ao Curso de Serviço Social ampliar a sua compreensão da noção de espaços e limitações institucionais. Percebe-se ainda uma maior visibilidade do curso de Serviço Social perante os demais cursos presentes nas Clínicas. Essas constatações preliminares apontam para novas possibilidades de ampliar a participação do Serviço Social no espaço das Clínicas Integradas vislumbrando novas parcerias que resultem em projetos que primem pela interdisciplinaridade.

Áreas de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Palavras-Chave: Interdisciplinaridade; Otimização de recursos; Organização.



LEGISLANDO SOBRE A POBREZA: A ASSISTÊNCIA SOCIAL E A ATUAÇÃO DO PODER LEGISLATIVO UBERABENSE(1947/1964)

Acadêmico: Éder Ferreira

Orientadora: Profª Ms. Rosimar Alves Querino

Instituição: Universidade de Uberaba


A presente comunicação é fruto de nossa inserção na pesquisa sobre a sociedade civil uberabense e as demandas sociais realizada no interior do Laboratório de Estudos Regionais da UNIUBE. Nossa preocupação central foi mapear a atuação do Poder Legislativo Uberabense no tratamento da questão social entre 1947 e 1964. Entre as fontes pesquisadas destacam-se os projetos de lei apreciados pelos vereadores e os artigos do Jornal Lavoura e Comércio nos quais são apresentadas as intervenções do poder público sobre os pobres. A análise qualitativa dos documentos e artigos baseou-se numa revisão bibliográfica centrada no caráter assistencialista e clientelista assumido pela política ao longo da democracia populista e na redução do cidadão ao objeto de caridade e controle. Entre os resultados obtidos destacam-se a inexistência de uma política de assistência social no município, a representação do pobre como criminoso em potencial e a redução da questão social à caridade e benemerência. Ao afastar os “pobres” da cena política e negar sua cidadania os integrantes do Poder Legislativo colaboraram para a subalternidade de grande parte da população e para o fechamento do espaço público à participação popular.


Área do Conhecimento: Ciências Sociais e Aplicadas

Palavras-chave: questão social, Poder Legislativo, assistência social



MIGRAÇÕES E A PRECARIZAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS EM UBERABA/MG

Acadêmicos: Paula Márcia Cussi

Éder Ferreira

Mariana Furtado

Maria Goretti Rodrigues

Orientador: Profª Ms. Rosane Aparecida de Souza Martins

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Serviço Social

A questão social brasileira configura-se como objeto de interpretações divergentes e tema permanente de pesquisas acadêmicas uma vez que nossa sociedade é permeada de desigualdades e antagonismos em cuja base situam-se processos estruturais. Dentre esses processos destaca-se a migração interna oriunda do desenvolvimento do capitalismo na cidade e no campo. Nesta pesquisa elegemos o deslocamento de massas humanas para a cidade de Uberaba como ponto de partida para a reflexão sobre as motivações para as migrações e seus impactos nas políticas sociais municipais. Nossa principal fonte foram o resultado dos Censos de 1999-2000 do IBGE e as publicações pertinentes da Fundação João Pinheiro. Como fonte complementar utilizaram-se dados coletados nos principais hospitais da cidade, assentamentos de sem-tetos além de entrevistas com migrantes. A sistematização dos dados permitiu a definição das categorias migratórias presentes no município e o perfil do migrante uberabense. A análise já realizada demonstrou que o município de Uberaba, mediante estratégias de marketing, divulga ou torna público seus índices sociais trazendo à cidade uma leva de despossuídos, desempregados e doentes em busca de serviços de saúde. Por outro lado, na definição das políticas sociais, percebe-se a criação de obstáculos para que o migrante tenha acesso à habitação e serviços sociais de um modo geral. Em suma: o movimento migratório não é acompanhado pelo implemento de políticas sociais e os moradores sentem-se prejudicados pelo encaminhamento de pessoas da Região para atendimento na cidade.


Área do Conhecimento: Ciências Sociais e Aplicadas

Palavras-chave: questão social, desigualdade, migração, políticas sociais



O IMPACTO DO CURSO DE FORMADORES EM PREVIDÊNCIA SOCIAL DA GERÊNCIA-EXECUTIVA DO INSS EM UBERLÂNDIA NA COBERTURA PREVIDENCIÁRIA

Acadêmica: Kelly Cristina Abreu Strotbek

Orientadora: Profª Josefina Maria dos Reis

Instituição: Centro Universitário do Triângulo - UNIT

O presente trabalho tem como tema de investigação o Curso de Formadores em Previdência Social da Gerência-Executiva do INSS em Uberlândia e o seu impacto na cobertura previdenciária. A delimitação do tema se baseou na hipótese de que o Curso de Formadores em Previdência Social possibilitasse aos profissionais que trabalham diretamente com o público alvo do INSS, se tornaram multiplicadores da legislação previdenciária, contribuindo para a ampliação da cobertura previdenciária. Esta pesquisa foi realizada por amostragem, com 30 participantes dos quatro primeiros Cursos de Formadores em Previdência Social. Na coleta de dados primários foi utilizada a entrevista estruturada, assim como pesquisa bibliográfica e documental para a coleta dos secundários. Constatou-se através dos dados coletados, que o Curso de Formadores em Previdência Social propiciou aos participantes a aquisição e atualização de conhecimentos, a atuação segura dos profissionais quanto à conscientização de seus usuários da importância de estarem cobertos pela Previdência. Comparando-se esses resultados com os dados obtidos pelo Grupo de Cadastramento do Contribuinte Individual, página interna da Previdência Social (internet), constata-se o relativo aumento do número de inscrições no ano de 2001 (momento da coleta de dados) em relação ao de 2000, mas uma redução no ano de 2001 para 2002.Nesse sentido, tal fato pode ser analisado como devido à falta de um processo mais rigoroso da seleção dos participantes, o que dificulta que os mesmos se tornem multiplicadores da legislação previdenciária, pois o curso não está direcionado somente àqueles que atuam diretamente na área social.

Área de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Palavras-chave: Previdência Social., gerência, legislação

O TRABALHO E A QUESTÃO SOCIAL:

o desemprego, emprego e subemprego em Uberaba na década de 90

Acadêmicos: Maíla Rezende Vilela Luiz

Maria Justina Silvério Silva

Paula Soraya da Silva Vieira

Valéria Pereira da Silva

Orientador: Profª Ms. Rosane Aparecida Souza Martins

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Serviço Social
As transformações no mundo do trabalho estão diretamente ligadas a questão social e ao capitalismo. Enfatizando a realidade uberabense, esta pesquisa visa demonstrar os impactos do emprego, desemprego e subemprego na questão social de Uberaba na década de 90. Visando compreender a condição dos trabalhadores de Uberaba utilizamos dados históricos e atuais retirados dos arquivos da biblioteca municipal de Uberaba, IBGE, Ministério do Trabalho e artigos de jornais que foram de extrema importância para o desenvolvimento inicial da pesquisa. Posteriormente será utilizada a pesquisa de campo por meio de entrevistas semi-estruturadas com representantes de instituições que desenvolvem programas sociais junto a população da terceira idade. Ilustramos nosso trabalho com fotos dos trabalhadores do CATRU, SINE, Laboratório de Manipulação, SETAS e do trabalhador ambulante, fazendo a comparação entre as várias realidades sociais vivida pelos mesmos. Constata-se que a modernização e a implantação de novas tecnologias contribuem para o aumento do índice de desemprego que exclui um grande número de trabalhadores. Para as camadas mais pobres a exclusão do mundo do trabalho significa a precarização das condições de vida. De acordo com dados coletados, a partir da década de 90 a economia de Uberaba se alterou, o setor terciário suplantou o secundário e o primário. No ano de 1998, de acordo com a arrecadação do ICMS o setor econômico estava composto assim: a indústria representava 41%, o comércio 51%, a agricultura 2% e o setor de serviço cerca de 6%. Atualmente podemos afirmar que existem três pólos consolidados: agropecuário, fertilizantes e moveleiro, e em fase de consolidação, o químico e o cosmético. A população perfaz um total de 251.159 habitantes dos quais 243.406 residem na zona urbana. Diante de uma sociedade em transformação, empregos que antes existiram, hoje estão extintos ou quase extintos em função de um novo modelo de sociedade, gerando exclusão e desigualdade social e precarizando as condições de vidas das camadas mais pobres.
Área de Conhecimento: Ciências Sociais e Aplicadas

Palavras-chave: trabalho, precarização, questão social




PENAS ALTERNATIVAS: MUDANDO O SENTIDO DA SANÇÃO PENAL

Acadêmico: Mariana Oliveira Pinto

Orientador: Profª Maria das Graças Nunes Pozzer

Instituição: Universidade Federal de Uberlândia – Curso de Direito


A presente pesquisa analisa as penas de prisão, as quais não alcançam mais o seu escopo de prevenção geral (tutela da sociedade) e especial (ressocialização do infrator). Pelo contrário, a prisão se apresenta como uma verdadeira escola de pós-graduação do crime. É neste contexto que se intensificam os movimentos de política criminal em busca de penas alternativas, tornando a prisão a ultima ratio do sistema. No Brasil, as penas alternativas foram contempladas com a Reforma de 1984, sofrendo significativas ampliações com as Lei 7914/98, compreendendo medidas como, por exemplo, a prestação de serviços à comunidade. É um passo, portanto, na Evolução do Direito Penal e da sociedade. Foram levantadas informações em fontes como livros de doutrina, jornais e revistas jurídicas, sociológicas e antropológicas, sites de Internet, jurisprudência e ainda foram feitas fotografias de uma prisão - a Colônia Penal Prof. Jacy de Assis (Uberlândia/MG) - para retratarem a condição em que vivem os condenados. As penas alternativas apresentam um baixo custo para o governo e reduzem a superpopulação carcerária e a criminalidade, haja visto que o grau de reincidência entre aqueles que receberam uma pena alternativa é menor se comparado àqueles que passaram algum dia pelo cárcere. Ademais, os condenados prestam um benefício útil à sociedade, através dos serviços realizados nas creches e entidades assistenciais. Há, por último, um crescimento pessoal do indivíduo, facilitando seu processo de reintegração na sociedade. A prisão não ressocializa, mas apenas exacerba a marginalização social e a reincidência. Assim, as penas alternativas são soluções mais humanas e eficazes que o cárcere, além de serem mais condizentes com a realidade brasileira. Entretanto, a sua aplicação não se efetiva aos níveis desejados, haja visto que a legislação é ainda limitada, falta supervisão e essa modalidade de sanção não é considerada uma punição suficiente pela sociedade. Contudo, é uma conquista evolutiva do Direito Penal, que merece aplausos.
Área de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Palavras-chave: Prisão - penas alternativas- condenação - ressocialização



PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL E A REINSERÇÃO SOCIAL DO USUÁRIO DA Rede de Assistência à Saúde Mental DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA

Acadêmico: Kelly Cristina Abreu Strotbek

Orientadora: Profª Joelma dos Reis Soares de Moura

Instituição: Centro Universitário do Triângulo - UNIT


A partir da Revolução Industrial, momento em que as fábricas florescem, a classe operária cresce como conseqüência do êxodo rural. Tal aglomeração das pessoas nas cidades culmina com o aumento da marginalização, dos problemas sociais e do sofrimento psíquico. Todos estes fatores provocam o aparecimento das instituições psiquiátricas, onde o tratamento dos pacientes era de responsabilidade do médico psiquiatra, que possuía o poder de decidir sobre o tratamento a ser dado ao paciente, o que acabava por gerar um controle social. Atualmente, a proposta do paradigma da desinstitucionalização vem orientando as novas práticas em saúde mental, abrindo perspectivas enriquecedoras de práticas interdisciplinares e de valorização do Serviço Social, de forma a valorizar os papéis sociais dos clientes. A nova abordagem insere a saúde mental no campo da conquista e reinvenção da cidadania, que passa pelos tradicionais direitos civis, políticos e sociais, implicando uma luta mais específica pelo reconhecimento de direitos particulares dos usuários dos serviços e seus familiares. Nesse contexto, o presente estudo propõe fazer um breve histórico da Saúde Mental de um modo geral e, em particular no Brasil, estendo-se ao município de Uberlândia, onde foi analisado a Rede Integrada de Atenção em Saúde Mental, em que será abordada a prática profissional do Serviço Social, o grau de organização social dos usuários, assim como a característica da demanda atendida por esta rede, suas perspectivas e principais dificuldades enfrentadas. Para a obtenção dos resultados, a metodologia utilizada foi a coleta de dados primários, (entrevista estruturada), assim como pesquisa bibliográfica e documental para a coleta dos secundários. Dentre os resultados obtidos observa-se que, em relação à organização social dos usuários, há participações em associações, cooperativas, conferências e conselhos. Os usuários, através da Prefeitura Municipal de Uberlândia, conseguiram um espaço na Tecelagem para desenvolver o seu trabalho. A prática profissional do Serviço Social em saúde mental se dá na interação com os outros profissionais, passando a interagir num contexto de equipe interdisciplinar e, a partir da identificação e compreensão dos vários aspectos do fenômeno, da aquisição de instrumentos para a prática profissional. Enfim, as conquistas neste campo foram muitas, mas ainda falta muito para que sejam superadas as dificuldades enfrentadas pela Rede de Assistência à Saúde Mental, no que se refere a recursos financeiros que possibilite uma extensão das ações dos profissionais que trabalham na área, agravada cada vez mais pela política neoliberal em ação.


Área de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Palavras-chave: serviço social em saúde mental, prática profissional em serviço social, saúde mental em Uberlândia

RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS EM UM ASSENTAMENTO RURAL

Acadêmica: Simone M. Castellano (Bolsista do CNPq)

Orientadora: Profª Drª Marta Cassaro-Silva

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Educação Física


O subprojeto Desenvolvimento Rural faz parte do Projeto Integrado de Pesquisa e Desenvolvimento: Assentamento Nova Santo Inácio do Ranchinho. Este assentamento está localizado em Campo Florido, MG, com uma população de aproximadamente 600 pessoas. Iniciada em maio de 2001, a pesquisa está sendo desenvolvida com a comunidade assentada e a EFA (Escola Família Agrícola), escola de Ensino Médio existente no assentamento. O objetivo principal deste projeto é a recuperação e conservação dos recursos naturais (água, solo, vegetação). A metodologia utilizada é a da pesquisa-ação. Foram realizadas entrevistas com a comunidade sobre a situação das nascentes, dos córregos, do solo e seus usos. Coletamos amostras de água das fontes e propriedades para análise físico-química e biológica, nas quais não observamos indícios de contaminação. Realizamos visitas às propriedades, avaliando os córregos e as nascentes de cada lote. Além disso, mapeamos os pontos dessas nascentes e das áreas de reserva, através de geoprocessamento. Identificamos que muitas nascentes não estão sendo conservadas, inclusive duas próximas à EFA, cuja recuperação iniciamos em novembro de 2001, com o plantio de espécies nativas. Foram plantadas cerca de 50 mudas de paineira, ipê branco, jacarandá mimoso, sangra d’água, pau-de-balsa, mutamba, figueira branca e jenipapo. Destas, 18 não sobreviveram, em parte devido ao tempo decorrido até que a área fosse cercada para evitar o acesso de animais. Esta atividade não teve apenas o objetivo de recuperar a vegetação, mas principalmente de educar a comunidade para a conservação. Visava desde a sensibilização dos envolvidos para os problemas ambientais e sociais abrangidos até a ação prática em favor deste propósito, que foi o cercamento da área do plantio de mudas, que foi um efeito benéfico do nosso trabalho, garantindo a sobrevivência das mudas. Estamos acompanhando seu desenvolvimento, tanto qualitativa como quantitativamente. Em junho de 2002, fizemos uma oficina de plantio de sementes na EFA, na qual os alunos realizaram todo o processo de plantio e continuam zelando por elas. As mudas serão plantadas próximo a nascentes mal conservadas dos lotes do assentamento. Atividades como esta são sugeridas pela Agenda 21, visando o desenvolvimento sustentável no século XXI. Por outro lado, a implantação de uma usina de cana-de-açúcar em Campo Florido dificultou o desenvolvimento desse subprojeto, já que muitas famílias estão arrendando suas terras para a usina. Em setembro, iniciaremos um curso com a comunidade sobre como recuperar e conservar seus recursos naturais e confeccionaremos uma cartilha para distribuir para os moradores do assentamento. Os resultados parciais mostram a sensibilização dos assentados para os paradigmas oferecidos pelo projeto e que algumas mudanças de atitude começam a se manifestar, como o cercamento da área plantada.

Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Palavras- chave: recuperação de recursos naturais, educação ambiental, Agenda 21



VÍDEO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. AS INFLUÊNCIAS DA PALEONTOLOGIA NA COMUNIDADE DE PEIRÓPOLIS.

Acadêmica: Cícera do Rosário Gonçalves (Bolsista do PIC)

Orientadora: Profª Drª Simone Teresinha Bortoliero

Instituição: Universidade de Uberaba -Laboratório Integrado de Narrativas Transdisciplinares


Este estudo relata todas as etapas de produção da série Ciência Cidadã: Dinos Brasileiros, vídeo de 15 minutos de duração, selecionado entre os melhores trabalhos de estudantes de Comunicação apresentados na Expocom/Intercom – Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Salvador/BA/2002). O vídeo foi produzido por bolsista de iniciação científica, desmistifica a vida do pesquisador/geólogo em atividade de campo, aborda os processos científicos no campo da paleontologia e os procedimentos adotados na descoberta de um fêmur de Titanossauro. Este vídeo foi um dos resultados da pesquisa “Das escavações à Sociedade. A divulgação científica sob a ótica das crianças de Peirópolis” realizado junto a 15 crianças na comunidade de Peirópolis, distante 30 km de Uberaba na região do Triângulo Mineiro (2001-2002), local de descoberta de fósseis de dinossauros que viveram a cerca de 80 milhões de anos.

Área de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Palavras-chave: jornalismo em vídeo, paleontologia na percepção das crianças



ENGENHARIAS

ANÁLISE DIMENSIONAL PARA TESTES DE EDIFICAÇÕES EM TÚNEL DE VENTO

Acadêmico: Rodrigo Andrade Rezende (Bolsista)

Orientador: Prof. Oscar Saul Hernandez Mendonza

1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   ...   27


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal