Da universidade de uberaba



Baixar 1.03 Mb.
Página25/27
Encontro19.07.2016
Tamanho1.03 Mb.
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   27

O consumo alimentar constitui-se uma das formas importantes de avaliação do estado nutricional de crianças, permitindo a detecção de indivíduos com ingestão deficiente a serem alvos de programas de educação nutricional. Avaliar o consumo alimentar de crianças menores de cinco anos atendidas na Unidade Básica de Saúde (UBS) George Chirée Jardim. As crianças menores de cinco anos foram selecionadas a partir da demanda espontânea para as consultas de Pediatria da UBS, durante o período de março de 2002 à maio de 2002. O consumo alimentar foi avaliado através de um questionário de freqüência de consumo semi-quantitativo informado pelas mães, enquanto aguardavam a consulta com o pediatra. Utilizou-se o programa Virtual Nutri para cálculo dos nutrientes e adequação nutricional foi comparada as recomendações da FAO/OMS (1985) e IM/DRI (1997). Das crianças avaliadas (N=45), 46,6 % eram menores de 24 meses e 53,4% maiores de 24 meses. Entre as crianças menores de 24 meses, observou-se que os meninos apresentaram proporcionalmente, baixa ingestão de energia (45%), proteína (36,3%), retinol (36,3%), folato (54,5%), vitamina C (45,4%), zinco (54,5%), ferro (72,7%) e cálcio (36,3%). Para as meninas, proporção de inadequação observada foi: energia (80%), proteína (50,0%), retinol (50 %), folato (80 %), vitamina C (60 %), zinco (90 %), ferro (90 %) e cálcio (50 %). A proporção de crianças maiores de 24 meses com baixa ingestão de energia, proteína, retinol, folato, vitamina C, zinco, ferro e cálcio foi de 35,2%, 5,8%, 47%, 70,5%, 29,4%, 82,3%, 64,7% e 29,4% respectivamente entre os meninos. Para a meninas maiores de 24 meses, destaca-se inadequação na ingestão de folato (71,4%), zinco (71%). Observou-se uma proporção alta de crianças menores de cinco anos com inadequação no consumo de nutrientes essenciais para o crescimento e desenvolvimento adequado, apontando para a necessidade e reforço das atividades de educativas, já desenvolvidas pelos alunos do Curso de Nutrição no âmbito da Unidade Básica de Saúde.


Área de conhecimento: saúde pública

palavras-chave: Estado nutricional Consumo alimentar Educação nutricional


CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE O POLIMORFISMO NUMÉRICO DE ELEMENTOS DENTAIS E FATORES GENÉTICO-EVOLUTIVOS

Acadêmicos: Danilo Marega Borges

Nuciene Borges

Fábio L. R. Cussi

Paula Eleutério

Orientadora: Profª Zélia Arpini Sampaio


Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Odontologia

Em humanos, as agenesias dentais parciais, geneticamente determinadas, são descritas como sistemas poligênicos transmitidos segundo o padrão autossômico dominante com penetrância incompleta e expressividade variável; sua relação com fatores evolutivos entretanto, continua pouco esclarecida. Por esta razão, e, por ser escasso o número de dados sobre este polimorfismo na população brasileira, realizou-se um estudo em 293 indivíduos que, nos últimos três anos, procuraram atendimento na Policlínica Getúlio Vargas da Universidade de Uberaba (n = 239 na faixa etária de 1 a 57 anos) e, em duas clínicas particulares do município de Uberaba-MG (n = 54 na faixa etária de 5 a 33 anos), mediante a análise de radiografias periapicais e panorâmicas. Foram detectados um total de 35 indivíduos com agenesia de um ou mais elementos dentais assim distribuídos: 3o molar = 48,6%; 2o premolar = 40,0%; incisivo lateral = 28,6%; 1o premolar = 11,4%; incisivo central = 8,6%;1o molar = 8,6% e canino = 5,7%. Observou-se diferenças significativas (c2 = 13,44) entre as freqüências de agenesia para caucasóides e negróides. Esta diferença significativa entre portadores caucasóides e negróides e as freqüências dos elementos dentais ausentes entre eles apóiam resultados da literatura. Esses dados e a maior parcela de caucasóides (74%) constituindo a amostra analisada pode estar refletindo a contribuição deste grupo étnico (sírio-libaneses, italianos, espanhóis e alemães) na formação populacional do município de Uberaba. A freqüência de indivíduos com agenesia de 3º molar na amostra total foi de 5,8 %, similar a observada nos estudos em outras populações brasileiras. Indivíduos portadores de agenesia de 3o molar acompanhada de agenesia de outros elementos dentais estão presentes numa freqüência de 2,7 % na amostra e representa 42 % dos portadores de agenesia de 3o molar. Este dado apóia resultados descritos por GARN, S. et al. A freqüência de agenesia de 3o molar (5,8 %) obtida neste trabalho é semelhante a observada para o total de agenesia (6,1 %) quando este elemento dental é excluído da análise, o que, provavelmente, está refletindo a iscigenação entre os grupos étnicos formadores dessa população. Os dados obtidos são preliminares, porém coincidem com os da literatura quanto às freqüências maiores de agenesia de 3o molar, 2o premolar e incisivo lateral. Os altos valores podem estar refletindo a contribuição étnica na formação desta população.

Área de conhecimento: Ciências da Saúde
Palavras-chave: agenesia dental; fatores evolutivos; polimorfismo; caucasóides; negróides.

Desenvolvimento de Técnica de monitoramento de Raízes Dentárias em Procedimentos Endodônticos


Acadêmico: Hexaner Vasconcelos Môro (Bolsista PIBIC/ FAPEMIG)

Orientador: Prof. João Carlos Gabrielli Biffi

Co-orientadores: Prof. Dr. Henner Alberto Gomide

Profª Esp. Maria Rosa F. S. G. Guimarães (mestranda UFU)

Instituições: Universidade Federal de Uberlândia – Faculdades de Engenharia Mecânica e de Odontologia

Universidade de Uberaba

Observa-se na literatura que os índices de sucesso no tratamento endodôntico podem chegar a mais de 90% dos casos. Os índices de sucesso podem cair quando esses objetivos não forem alcançados, ou por imperícia profissional, ou por dificuldades técnicas decorrentes da anatomia complicada do sistema de canais radiculares, ou por patologias crônicas que levam a uma contaminação profunda e muitas vezes de difícil tratamento. O Projeto de Pesquisa Principal pretende estabelecer o esforço clínico necessário para o procedimento de compactação lateral, a fim de orientar o profissional e aumentar os índices de sucesso no tratamento. O aluno apresenta a técnica desenvolvida para monitoramento da força axial utilizando-se célula de carga, durante a condensação lateral e vertical na obturação do canal radicular. Foram desenvolvidos dispositivos adaptadores e de técnica de embutimento que proporcione o estado de tensão que mais se assemelhe às condições reais. Utilizando-se a Máquina de Ensaio Universal EMIC 500, determinou-se a força máxima e o perfil da curva força versus tempo de condensação durante o monitoramento de dois profissionais distintos. Os resultados obtidos foram os de intensidades de forças de condensação variáveis durante o processo com comportamentos diferenciados para cada profissional, que apresentaram a média das forças axiais máximas de 21,83 e 23,9 Newtons. Concluiu-se que a intensidade de força aplicada no canal radicular varia com as etapas de condensação, sendo esta avaliação uma característica de cada profissional e que os valores de força máxima medidos mantiveram-se abaixo do valor limite para ocorrência de fratura, divulgados em publicações científicas odontológicas anteriores.

Área do conhecimento: Ciências da Saúde / Engenharias

Palavras-chave: Biomecânica, Condensação Lateral, Endodontia.






EFEITO DE DIETA HIPERLIPÍDICA E HIPERPROTÊICA NA TAXA DE INGESTÃO E NO PESO CORPORAL DE RATOS WISTAR ADULTOS

Acadêmica: Lidiane Bernardes Faria (Bolsista do PIC)

Orientador: Prof. Dr. Geraldo Thedei Júnior

Co-orientadores: Profª Denise Terezinha Tibúrcio

Prof. Ms. Luis Claúdio Benevenuto

Prof. Gilberto de Araújo Pereira

Prof. Dr. Ricardo Gonçalves Coelho

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Nutrição

Recentemente, Há Um Número Muito Grande De Pessoas Se Submetendo A Dietas Ditas “Milagrosas”, Pois Levam A Uma Diminuição Do Peso Mesmo Permitindo O Consumo Indiscriminado De Gorduras E Proteínas, Restringindo O Consumo De Carboidratos. Tendo Em Vista Os Riscos Representados Por Uma Dietas Desse Tipo, Entre Eles A Ocorrência De Cetose, Formação De Ateromas, Etc. O Presente Projeto Procurou (I) Determinar A Porcentagem De Carboidrato, Proteína E Lipídeo Presentes Na Ingestão Alimentar De Indivíduos Que Se Submeteram A Dieta Atkins, (Ii) Avaliar A Taxa De Ingestão Alimentar Em Ratos Submetidos A Uma Dieta Hiperlipídica Em Relação A Uma Dieta Balanceada E (Iii) Caracterizar A Relação Entre A Quantidade Ingerida De Uma Dieta Hiperlipídica E O Desenvolvimento De Sobrepeso Nos Animais. Foram Utilizados 26 Ratos Wistar Adultos Machos, Divididos Em 2 Grupos (Controle E Experimental), Recebendo Dieta E Água Filtrada Ad Libitum. O Grupo Controle Recebeu Dieta Comercial E O Grupo Experimental Recebeu Dieta Hiperlipídica, Baseada Na Ingestão Alimentar De Indivíduos Que Se Submeteram À Dieta De Atkins, Investigada Através Do Recordatório De 24h. A Dieta Comercial Foi Composta De 55,67% De Carboidrato, 22,93% De Proteína E 3,35% De Lipídeo, Com 344,55 Kcal/100g E A Experimental De 10,21% De Carboidrato, 35,10% De Proteína, E 43,44% De Lipídeo, Com 572,20 Kcal/100g. Os Ratos Foram Mantidos Em Gaiolas Metabólicas Individuais, Com Temperatura Entre 22 E 26ºC, Com Ciclo De Iluminação De 12 Horas Claro E 12 Horas Escuro Durante 12 Semanas. O Consumo De Dieta E O Peso Foram Monitorados Semanalmente. Observou-Se Que O Grupo Experimental Apresentou Um Consumo (Em Gramas De Dieta) Inferior Ao Do Grupo Controle Em Todas As Semanas, Apresentando Também Ingestão Média De Calorias Significativamente Menor. Durante O Experimento, Ambos Os Grupos Apresentaram Ganho De Peso, Embora Após A Sexta Semana, O Grupo Experimental Apresentou Peso Significativamente Superior Ao Grupo Controle, Mesmo Tendo Ingerido Menor Quantidade De Calorias. Esses Dados Nos Permitem Concluir Que Uma Dieta Pobre Em Carboidratos E Rica Em Triglicerídeos, Colesterol E Proteína Induzem O Sobrepeso Nos Animais Experimentais, Bem Como O Acúmulo De Gordura Corporal.

Classificação: Ciências da Saúde

Palavras Chave: dieta, Atkins, sobrepeso, lipídeo

EFEITOS ANATÔMICOS, HISTOLÓGICOS E BIOQUÍMICOS DE DIETA HIPERLIPÍDICA E HIPERPROTÊICA EM RATOS WISTAR ADULTOS

Acadêmica: Daniela Braga Tarquinio (Aluna de IC)

Orientador: Prof. Dr. Geraldo Thedei Júnior

Co-orientadores: Profª Ms. Denise Terezinha Tibúrcio

Prof. Ms. Luis Claúdio Benevenuto

Prof. Gilberto de Araújo Pereira

Prof. Dr. Marcelo Fernandes da Silva

Prof. Dr. Ricardo Gonçalves Coelho

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Nutrição

Existe uma alta correlação entre os níveis plasmáticos de certas lipoproteínas e o risco de desenvolvimento de uma série de doenças, inclusive cardiomiopatias. O risco de desenvolvê-las é diretamente relacionado à concentração plasmática de colesterol LDL (lipoproteína de baixa densidade) e inversamente proporcional a de colesterol HDL (lipoproteína de alta densidade). Isso explica porque o primeiro é chamado de colesterol “ruim” e o último colesterol “bom”; contudo, quimicamente, só existe um colesterol. Sabe-se também que a composição da dieta está diretamente relacionada com alterações nesses e em outros parâmetros relacionados com a saúde do indivíduo. Tendo em vista essa relação, o presente projeto teve como objetivo avaliar o efeito da composição da dieta e da taxa de ingestão na indução de (i) alterações dos parâmetros bioquímicos (HDL, LDL, Glicose, Colesterol, entre outros) do rato e (ii) alterações nos órgãos e tecidos. Foram utilizados 26 ratos Wistar adultos machos. Os ratos são mantidos em gaiolas metabólicas individuais, com água e comida ad libitum, temperatura entre 22 e 26ºC, com ciclo de iluminação de 12 horas claro e 12 horas escuro durante 12 semanas. Em diferentes momentos (início da dieta, meio e fim do experimento), foi coletado 2ml de sangue de cada rato. Para isso anestesiou-se os ratos com éter, e numa prancha de imobilização prendeu-os e retirou-se o sangue por punção cardíaca com uma seringa descartável de 5mL e agulha 25x0,7. Após a punção o sangue coagulado e então centrifugado para separar o soro. O soro assim obtido foi utilizado para as análises bioquímicas de HDL, Glicose, LDL, Colesterol, Apolipoproteína A e Trigicérides. Ao final do experimento, os animais foram sacrificados, sendo seus órgãos e tecidos pesados e analisados. Para isso, os animais foram anestesiados, perfundidos com solução salina e em seguida perfundidos com formol tamponado. Os órgãos e tecidos foram então dissecados, pesados individualmente e fixados em formol tamponado. O peso de cada órgão e tecido foi expresso em g/100g de peso corporal do animal. Os resultados mostraram que não houve variação significativa na maioria dos parâmetros bioquímicos medidos. Baço, pâncreas, timo, testículos, vesícula seminal, cérebro, epidídimo e músculo tibial do grupo controle apresentaram peso médio significativamente superior, enquanto o grupo experimental mostrou-se significativamente superior ao controle em relação a gordura periepididimal. Após a análise histológica, observou-se evidências de esteatose hepática nos animais do grupo experimental. Esses dados nos permitem concluir que uma dieta pobre em carboidratos e rica em triglicerídeos, colesterol e proteína induzem o acúmulo de gordura corporal (medida através da gordura periepididimal) podendo inclusive resultar em problemas hepáticos.


Classificação: Ciências da Saúde

Palavra Chave: Dieta, Lipídeo, esteatose, LDL, HDL

EFEITOS DO ULTRA-SOM TERAPÊUTICO AUXILIADO PELA IMOBLIZAÇÃO GESSADA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DA REPARAÇÃO MUSCULAR PÓS-TRAUMA POR MECANISMO DE IMPACTO

Acadêmicos: Fabrício Borges Oliveira

Gustavo Silva Abrahão

Leonardo César Carvalho

Giovana Leitão Sene

Orientador: Prof. Dr. Antônio Carlos Shimano

Instituição: Universidade de Uberaba / Interunidades FMRP/EESC/IQSC –USP/ RP - Bioengenharia

O ultra-som terapêutico (UST) vem sendo empregado na medicina há mais de 50 anos, onde desde então estudos são realizados para verificar sua eficácia nos diferentes processos de reparação tendinosa e muscular. O objetivo desta pesquisa é avaliar a influência terapêutica do ultra-som sobre as propriedades mecânicas das fibras musculares do gastrocnêmio de ratas submetidas à lesão por mecanismo de impacto, utilizando ou não a imobilização gessada pós-trauma imediato. Foram utilizadas para este estudo 10 ratas fêmeas para cada grupo experimental, da raça Wistar, com peso corporal médio de (199,0 ± 8,9)g divididas de acordo com o tratamento: (1) grupo controle, (2) imobilização gessada por 24 horas associada à estimulação ultra-sônica por cinco dias consecutivos com ultra-som pulsado, (3) estimulação com UST por 5 dias consecutivos sem imobilização gessada, (4) imobilização gessada por 24 horas associada à estimulação com UST desligado (sham-opperated) por cinco dias consecutivos e (5) estimulação com UST(sham-opperated) sem a imobilização gessada. Os músculos após o período de tratamento foram submetidos a ensaio mecânico de tração na máquina universal de ensaios do Laboratório de Bioengenharia da FMRP/USP. Os resultados encontrados de acordo com a sua ordem estabelecida acima foram os seguintes: O animal controle apresentou carga no limite máximo (CLmáx) de 33,16 N, deformação no limite máximo (DLmáx) de 10,8mm, carga no limite de proporcionalidade (CLprop) de 27,8N, deformação no limite de proporcionalidade (DLprop) de 7,6 mm, rigidez (R) de 3,6x 10 3 N/m e resiliência (E`) de 105,7 x 10 -3J, o segundo animal apresentou CLmáx de 22,9 N, DLmáx de 11,1 mm, CLprop de 20,1 N, DLprop de 8,9 mm, R de 2,2 x 10 3 N/m e E` de 89,5 x 10 -3 J; o terceiro animal Clmáx de 29,2 DLmáx de 10,8 mm, CLprop de 24,8 N, DLprop de 7,391 mm, R de 3,353 x 10 3 N/m e E` de 91,596x 10-3J . O quarto animal apresentou CLmáx de 22,669 N, DLmáx de 8,8 mm, CLprop de 20,1 N, DLprop de 6,9 mm, R de 2,9 x 103 N/m e E` de 69,8x 10 –3 J e o quinto animal, Clmáx de 25,1 DLmáx de 9,2 mm, CLprop de 23,1 N, DLprop de 7,4 mm, R de 3,1 x 10 3 N/m e E` de 85,3x 10 -3 J. A partir dos resultados obtidos, pode-se observar que as propriedades mecânicas dos animais submetidos à estimulação ultra-sônica foram favorecidas pelo aumento da carga máxima. Os animais que foram submetidos à imobilização gessada apresentaram menor rigidez em suas fibras musculares evidenciando uma possível baixa efetividade do procedimento empregado. Neste experimento verificou-se que a associação da imobilização gessada juntamente com a estimulação ultra-sônica não é benéfica no tratamento auxiliar de lesões musculares.

Área de conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: Ultra-som; imobilização gessada; gastrocnêmio; ratas; propriedades mecânicas



ENTEROPARASITOSES EM PACIENTES AUTOPSIADOS

Acadêmicos: Élida Juliana Antonelli (Aluna de IC)

Orientador: Prof. Ruy Souza Lino Júnior

Co-orientadores: Profª Drª Marlene Antônia Reis

Prof. Dr. Vicente de Paula Antunes Teixeira

Colaboradora: Patrícia Martins Ribeiro

Instituição: Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro - Departamento de Ciências Biológicas

As parasitoses intestinais ainda têm alta prevalência e se encontram bastante disseminadas, sendo consideradas um dos principais problemas de saúde pública no Brasil. O objetivo do presente estudo foi realizar um levantamento das enteroparasitoses em pacientes autopsiados no Hospital Escola da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro (HE-FMTM), em Uberaba(MG), determinando o perfil e a evolução da ocorrência das enteroparasitoses ao longo das últimas três décadas. Foram revisados 1.921 laudos de autópsias realizadas no período de maio de 1970 a agosto de 2001 e excluídos 463 casos por se tratarem de autópsias incompletas ou de crianças menores de um ano de idade. Registraram-se informações relativas à idade, à cor, ao sexo e à presença de enteroparasitas. Nos pacientes em que foram encontradas enteroparasitoses, descreveu-se a ocorrência destas por década. Dos 1.458 casos estudados, 139 (9,54%) foram positivos para enteroparasitas, sendo 87 (62,58%) do sexo masculino, 82 (58,99%) brancos, 64 (46,04%) naturais de Minas Gerais e 86 (61,87%) residiam em Uberaba. Os enteroparasitas mais prevalentes foram: Ascaris lumbricoides (45,32%), Ancilostomídeos (33,09%) e Strongyloides stercoralis (23,74%). A maior infestação em crianças foi na faixa etária de 1 a 10 anos com 31 (18,56%) casos e em adultos de 41 a 50 anos com 29 (17,36%) casos. A distribuição dos casos nas décadas de 70, 80 e 90 apresentou diferença estatisticamente significativa (p<0,001), sendo a maior prevalência de acometimento na década de 90 com 31 (17%) casos. Os dados apresentados neste estudo confirmam a alta prevalência destas enteroparasitoses em nosso meio, especialmente Ascaris lumbricoides, estando de acordo com outros levantamentos epidemiológicos na região.

Área de conhecimento: Ciências da Saúde.

Palavras-chave: Enteroparasitoses; Autópsia; Ascaris lumbricoides; Epidemiologia.



ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS, ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE, BAIRRO ALFREDO FREIRE, UBERABA, MG.

Acadêmica: Kézia Colletti Mendes de Brito (Bolsista do PIC)

Orientadora: Profª Ms. Anelise Bezerra de Vasconcelos

Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Nutrição







Compartilhe com seus amigos:
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   27


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal