Da universidade de uberaba


INFLUÊNCIA DE DIFERENTES CONDIÇÕES DE CULTIVO SOBRE A MORFOLOGIA DE Streptococcus mutans



Baixar 1.03 Mb.
Página9/27
Encontro19.07.2016
Tamanho1.03 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   27

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES CONDIÇÕES DE CULTIVO SOBRE A MORFOLOGIA DE Streptococcus mutans

Acadêmico: Mauro Cardoso Júnior (Bolsista do PIC)

Orientador: Prof. Dr. Geraldo Thedei Júnior

Instituição: Universidade de Uberaba - Licenciatura em Ciências Biológicas



Streptococcus mutans é uma bactéria Gram positiva, que cresce em forma de cocos enfileirados. A camada superficial das células dos estreptococos consiste de 4 constituintes principais: peptidoglicanos, polissacarídeos antigênicos, (glico)proteínas e derivados de ácido teicóico. Uma característica única de S. mutans é a produção de glicanos e/ou frutanos extracelulares insolúveis por ação da enzima glicosil transferase ou frutosil transferase. Esses polissacarídeos estão envolvidos na agregação das células bacterianas e na sua aderência à superfície do dente, local onde essas bactérias iniciam o processo de cárie, graças à produção de ácidos que desmineralizam o esmalte dentário. Sabe-se que a síntese desses polissacarídeos é dependente da fonte de carbono presente no meio de cultura, uma vez que quando cultivados em meio BHI (Infuso de cérebro-coração) pode-se visualizar por microscopia eletrônica células individualizadas e, em meios contendo sacarose como fonte de carbono, a produção de polissacarídeos extracelulares agrega as células e não podem ser vistas células individualizadas. A adição de flúor ao meio de crescimento de S. sobrinus resulta na perda da atividade de adesão a lectina, e na diminuição da tendência para a formação de cadeias, sugerindo que o flúor pode afetar a produção e/ou a atividade de enzimas importantes para o desenvolvimento da bactéria. Os objetivos do presente trabalho compreenderam: A determinação do crescimento da linhagem ATCC em meio completo com glicose como fonte de carbono; a influência de fontes alternativas de carbono, tais como a sacarose, maltose e xilose, no crescimento da linhagem e o estudo da influência do flúor no crescimento da linhagem. Com esse objetivo, a linhagem ATCC 25175 de S. mutans foi cultivada por diferentes intervalos de tempo em meios suplementados com diferentes fontes de carbono na presença e ausência de flúor. A cada intervalo o crescimento era medido por turbidimetria e a acidez determinada com medida de pH. A análise dos resultados mostrou que o a bactéria não cresce na presença da pentose Xilose e é capaz e fermentar de maneira similar a sacarose, a maltose e a glicose. O efeito do flúor foi praticamente o mesmo para todos os carboidratos, na medida em que atrasou o crescimento e a conseqüente produção de ácido. Os resultados nos permitem concluir que S. mutans fermenta de maneira similar monossacarídeos e oligossacarídeos e que a ação conhecida do flúor como agente anti-cárie deve-se, pelo menos em parte, à sua ação bloqueadora do metabolismo desta bactéria.
Área do conhecimento: Ciências Biológicas – Bioquímica de microrganismos

Palavras chave: Saliva, Streptococcus mutans, glicose, sacarose, xilose, metabolismo



OCORRÊNCIA DO PARASITÓIDE TRICHOPRIA ANASTREPHAE COSTA LIMA (HYMENOPTERA: DIAPRIIDAE) COLETADOS NO MUNICÍPIO DE ARAPORÃ, MINAS GERAIS

Acadêmicos: Luiz Alex Pereira

Otacílio Moreira Silva Filho

Marcos Henrique Oliveira e Silva

Lalyne Cristhine Silva Ribeiro

Bruno Martins Costa Brito

Vanessa Rodrigues Borges

Orientador: Prof. Dr. Carlos Henrique Marchiori

Instituição: Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara-ILES-ULBRA - Curso de Ciências

Biológica e Agronomia

Órgão Financiador: SECTEC-GO/PROINPE/003/2001


Trichopria anastrephae Costa Lima (Hymenoptera: Diapriidae) é uma espécie generalista, muito comum no Brasil, ocorrendo geralmente um único parasitóide por pupário do hospedeiro. O objetivo deste estudo foi relatar a ocorrência Trichopria anastrephae no Triângulo Mineiro, no Estado de Minas Gerais. A coleta do material foi realizada, semanalmente, em área de mata nativa, através de armadilhas confeccionadas com bandejas amarelas, esféricas, com aproximadamente 30 cm de diâmetro e 12 de altura, contendo uma mistura de 2 l de água, 2 ml de detergente e 2 ml de formol. Essas armadilhas, em número de 10, foram colocadas ao nível do solo e distribuídas ao acaso em área de mata nativa. Três armadilhas de Malaise foram colocadas também na área de mata. Na parte superior dessa armadilha foram fixados dois frascos plásticos (200 ml), ligados entre si por uma tampa de rosca, contendo no frasco de baixo, solução de Dietrich. Os insetos foram coletados semanalmente, no período de janeiro a junho de 2002, na fazenda da usina Alvorada, em Araporã, Minas Gerais. Foram coletados um total de 454 espécimes de Trichopria anastrepha, utilizando-se os dois tipos de armadilhas. Nas armadilhas confeccionadas com bacias amarelas coletaram-se um 45 exemplares (10,0%), enquanto que nas armadilhas Malaise foram coletados 409 exemplares (90,0%). As Malase mostram-se mais eficientes na coletas dessa espécie de parasitóide. Essas aramadilhas têm sido indicadas para captura de insetos das ordens Hymenoptera, Diptera e Thysanoptera. Verificou-se que as bacias amarelas são importantes na coleta de algumas famílias de Hymenoptera da série Parasitica.

Área de conhecimento: Ciências Biológicas

Palavras-chave: bacias amarelas, Malaise, controle biológico

PESQUISA DE ANTICORPOS PARA LEISHMANIOSE EM CÃES DE UBERABA RESIDENTES NOS BAIRROS CHÁCARA MARIITAS E PONTE VELHA (FABRÍCIOS, VILA MILITAR) ONDE FORAM ENCONTRADOS LUTZOMYIA

Acadêmico: Lydio Cosac Faria (Bolsista do PIC)

Orientador: Profª Ms. Simone Cardoso Leon

Co-orientador: Prof. Dr. Virmondes Rodrigues Jr.)

Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Medicina Veterinária.

Algumas infecções de animais domésticos são potencialmente transmissíveis ao homem. Dentre elas a Leishmaniose Visceral Canina tem ganhado importância, especialmente com a expansão da doença no Brasil. Em Uberaba cães com sorologia positiva para esta doença foram identificados no Centro de Zoonoses no ano de 1999. Identificar a presença de anticorpos para leishmaniose visceral canina em amostras sorológicas de cães de Uberaba residentes nos bairros Chácara Mariitas, Fabrícios e Vila Militar, onde foram capturados insetos Lutzomyia.. Foram coletadas amostras sangüíneas de 74 cães, sendo 21 animais residentes na Chácara Mariitas e 53 animais residentes nos bairros Fabrícios e Vila Militar. Alíquotas de soro foram congeladas e estocadas a menos vinte graus centígrados até o processamento. Foram pesquisadas por Ensaio Imuno Enzimático (EIE) presença de anticorpos para as proteínas recombinantes rK26 e rK39 de Leishmania chagasi. Das amostras analisadas 4 (19,04%) foram positivas para proteína rK26 e 5 (23,80%) para proteína rK39 nos animais residentes na Chácara Mariitas. Nos bairros Fabrícios e Vila Militar encontramos 7 (13,20%) das amostras positivas para proteína rK26 e 12 (22,64%) para proteína rK39. No total de amostras analisadas 11 (14,86%) foram positivas para rK26 e 17 (22,97%) para rK39. Os resultados indicam a presença da infecção canina por Leishmania nos bairros Chácara Mariitas, Fabrícios e Vila Militar.

Área do conhecimento: Ciências Biológicas

Palavras-chave: Leishmaniose, EIE, Cães, rK26, rK39



PREVALÊNCIA DE PROTOZOÁRIOS E HELMINTOS EM ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE ITUMBIARA, GOIÁS

Acadêmicos: Luiz Alex Pereira

Otacilio Moreria Silva Filho

Andréia de Cassia Mesavila

Kilder Santana Barbosa

Lara Cristina de Queluz Andrade

Orientador: Prof. Dr. Carlos Henrique Marchiori

Co-orientadores: Profª Raquel Maria Barbosa

Prof. Anderson Cândido Silva




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   27


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal