Da universidade de uberaba



Baixar 1.18 Mb.
Página13/19
Encontro19.07.2016
Tamanho1.18 Mb.
1   ...   9   10   11   12   13   14   15   16   ...   19
PARTICIPANTES DO GRUPO DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR


Acadêmico: Cecília Maria Alkmim Silva (Aluna do PIC-UNIUBE)

Orientadora: Profª Ms. Denise Teresinha de Sales Tibúrcio

Co-orientador: Prof. Ms. Gilberto Araújo Pereira

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Nutrição



Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE

A obesidade é uma epidemia mundial caracterizada pelo excesso de tecido adiposo e contribui para um grande número de doenças crônicas e mortalidade precoce. O tratamento envolve ações de educação em alimentação e nutrição e práticas de atividade física, visando alcançar um estado de saúde, seja através do equilíbrio metabólico no que se refere a níveis normais ou próximos do normal dos valores sanguíneos de glicose, triglicerídeos, colesterol, ácido úrico e insulina, seja a saúde como um todo, incluindo melhoria dos problemas osteoarticulares, psicológicos, entre outros. O trabalho teve o objetivo de comparar o hábito alimentar, índices bioquímicos, IMC (indice de massa corporal), peso e porcentagem de gordura corporal (%MG) e de massa magra (%MM) de mulheres obesas participantes do grupo de reeducação alimentar, antes e após intervenção nutricional. Nove mulheres com, com faixa etária entre 33 e 78 anos, e IMC acima de 30 kg/m2 , participaram de um programa de reeducação alimentar, envolvendo um grupo multidisciplinar, com a participação dos cursos de Nutrição, Biomedicina, Psicologia, Terapia Ocupacional e Fisioterapia, constituindo-se de dinâmicas de grupo, aulas expositivas e exercícios físicos. Foram levantados os hábitos alimentares das pacientes, através do Registro Alimentar de três dias, e para cada uma foi estabelecido um plano alimentar individualizado. Foram realizadas avaliações antropométricas, bioquímicas e medida da bioimpedância elétrica no início e final do tratamento.. Empregou-se o teste de normalidade Kolmogorov-Smirnov. Para comparar a variável de interesse entre antes e após intervenção nutricional foi utilizado o teste t-Student pareado. O teste t-Student para comparação de uma média também foi utilizado para comparar as variáveis de interesse com um valor de corte. O nível de significância para todos os teste foi de p<0,05. Fazendo a análise comparativa dos parâmetros analisados antes versus após a intervenção nutricional, verificou-se uma redução significativa quanto ao PESO (kg), IMC (kg/m2) e MG (%) e um aumento significativo quanto à MM (%). Quanto aos exames bioquímicos, (Colesterol Total, VLDL, LDL, HDL e TG), verificou-se uma redução entre o início e após a intervenção nutricional, porém não se mostrou significativa. Entretanto , eles apresentaram-se dentro dos limites de normalidade ao final do estudo. Quanto ao VCT ( valor calórico total) verificou-se uma redução entre o início e após a intervenção nutricional, porém não se mostrou significativa. Os resultados , se avaliados apenas pela ótica tradicional que enfoca a perda de peso podem parecer decepcionantes. Entretanto, quando se desloca o foco da análise para a promoção e preservação da saúde, com constatação de melhora na escolha alimentar e disposição de mudanças de estilo de vida, mesmo modestas no início, talvez se perceba o lado positivo do engajamento de profissionais no cuidado dessa parcela cada vez mais crescente da população que precisa de estímulo para encarar o tratamento como uma oportunidade única de promoção de saúde, sem ser estigmatizado como um “sem vergonha, sem força de vontade”, visto que a obesidade é atualmente aceita como uma doença.

Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: Obesidade, reeducação alimentar, intervenção em grupo


A INFLUÊNCIA DO HÁBITO DE ASSISTIR TELEVISÃO SOBRE A INGESTÃO

ALIMENTAR DE ESCOLARES


Acadêmico: Adriana Silva Cruvinel (Aluna do PIC-UNIUBE)
Orientador: Prof. Ms. Luís Cláudio Benevenuto

Co-orientador: Prof. Ms. Guilherme Pádua Rodrigues

Profª Ms. Heloisa Wanick Cardoso Loureiro de Souza

Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Nutrição

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE

A maior parte dos comerciais voltados para as crianças é de alimentos com alto teor de açúcar, gordura ou sódio. Na década de 90, Wilson et al (1999) observaram que os alimentos anunciados pela mídia estavam associados com o aumento do risco de obesidade em crianças. No Brasil, há poucas pesquisas sobre este tema. O objetivo principal deste trabalho, foi verificar a influência do hábito de assistir Tv sobre a ingestão alimentar de 54 escolares. De acordo com o método de Tucker (1986), os escolares foram classificados em: TM - telespectador moderado (4h ou menos de Tv) ou TI - telespectador intenso (> 4h de Tv). A ingestão alimentar foi avaliada através do recordatório de 24h e comparada com as “Ingestões Diárias de Referência (DRI)”. As percepções dos escolares sobre os anúncios na Tv e os hábitos alimentares também foram avaliadas. Os resultados mostraram que o tempo médio de inatividade física diária entre os escolares com televisão, vídeo game e/ou computador foi de 8,23 h. Os escolares foram classificados respectivamente, como TM (31,48%) e TI (68,52%). Em relação à ingestão alimentar o consumo médio foi de 2359,11 Kcal para os TM e de 2513,39 Kcal para os TI (p>0,05). Respectivamente, 81% e 71% dos TI e TM ingerem mais calorias que o recomendado. Quanto à ingestão dos macronutrientes, não houve diferença significativa. A analise da adequação dietética mostrou que 22,22% dos escolares fazem uma dieta hiperglicídica, 40,74% hiperlipídica e 100% hiperproteica. Dentre os micronutrientes, o cálcio apresentou o pior quadro com cerca de 86% dos TI e 94% dos TM apresentando uma baixa ingestão. A investigação dos hábitos alimentares revelou que: 92,60% assistem Tv ingerindo alimentos; 98,15% lembram dos alimentos anunciados e 77,78% pedem para comprarem os alimentos anunciados. Entre os TM e TI respectivamente, 76,46% e 94,60% fazem suas refeições assistindo Tv (p<0,05). Conclui-se que os hábitos alimentares sofrem grande influência pela mídia televisiva, uma vez que a maioria dos escolares passa maior parte de seu tempo na frente da Tv. No grupo estudado, quase todos os escolares consomem alimentos assistindo Tv e estes alimentos coincidem com aqueles anunciados, demonstrando a influência da mídia na ingestão alimentar. Apesar da elevada ingestão calórica, o consumo de macro e micronutrientes apresentou-se inadequado. Estes resultados nos levam a acreditar que um grande número de escolares pode se tornar sobrepeso, caso não ocorra uma mudança no hábito alimentar e inatividade física. O tempo gasto assistindo Tv não influenciou diretamente a ingestão alimentar, demonstrando a importância de novas pesquisas avaliando a inatividade e a qualidade da informação veiculada pela indústria de alimento em seus comerciais.

Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: televisão, ingestão alimentar, escolares



A INFLUÊNCIA DO HÁBITO DE ASSISTIR TELEVISÃO SOBRE O ESTADO

NUTRICIONAL DE ESCOLARES
Acadêmicos: Jacqueline Crozara de Andrade (Aluna do PIC-UNIUBE)

Colaborador: Cinara da Silva Carvalho

Orientador: Prof. Ms. Luís Cláudio Benevenuto

Co-orientadores: Prof. Ms. Guilherme Pádua Rodrigues

Profª Ms. Heloisa Wanick Cardoso Loureiro de Souza

Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Nutrição

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE

Na década de 90, Wilson et al (1999) observaram que os alimentos anunciados pela mídia televisiva estavam associados com o aumento do risco de obesidade em crianças. O interesse para este assunto surgiu na década de 80 com o estudo de Dietz e Gortmaker (1985) que determinava a relação entre Tv e obesidade. No Brasil, poucos pesquisadores investigaram este tema. O presente trabalho teve como objetivo principal, avaliar o estado nutricional de 54 escolares e sua correlação com o hábito de assistir Tv. De acordo com o método de Tucker (1986), os escolares foram classificados em: TM - telespectador moderado (4h ou menos de Tv) ou TI - telespectador intenso (> 4h de Tv). O peso, estatura, dobra cutânea triciptal (DCT) e o Índice de Massa Corporal (IMC) foram utilizados na avaliação do estado nutricional. Sua percepção sobre anúncios veiculados na Tv e os hábitos alimentares também foram avaliados. Os resultados mostraram que a idade média foi de 9,27+ 0,85 anos. Os escolares foram classificados respectivamente, como TM (31,48%) e TI (68,52%). O tempo médio de inatividade física diária, entre os escolares, com televisão, vídeo game e/ou computador foi de 8,23+3,87 h. Em média o grupo TI (2,20h) assistiu significativamente mais Tv que o grupo TM (8,06h). O peso, altura, DCT, IMC e o tempo gasto frente o computador ou vídeo game, não apresentaram diferença entre os grupos estudados. A avaliação antropométrica mostrou ainda, uma elevada freqüência de sobrepeso entre os TM (29,41%) e TI (40,54%). Quanto aos hábitos alimentares, 98,15% lembram dos alimentos anunciados e 74,07% dos responsáveis cedem aos pedidos das crianças. Entre os TM e TI respectivamente, 76,46% e 94,60% fazem suas refeições assistindo Tv. Conclui-se que há uma elevada freqüência de escolares com sobrepeso, independente das horas gastas assistindo televisão. Esta alta freqüência, em ambos os grupos, pode estar correlacionada a contribuição do vídeo game e do computador para inatividade física, e ao consumo elevado de guloseimas enquanto assistem Tv. Estes dados nos levam a acreditar que o número de crianças estudadas, com sobrepeso, deve aumentar ao longo dos anos, caso não ocorra uma mudança de hábito alimentar e na atividade física. O tempo gasto assistindo Tv não teve influencia direta sobre o estado nutricional, demonstrando a importância de novas pesquisas avaliando a inatividade através do uso do computador e vídeo game, além da qualidade da informação veiculada pela indústria de alimento em seus comerciais.


Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: televisão, estado nutricional, escolares



ANÁLISE TOPOGRÁFICA DO FORAME MANDIBULAR EM PEÇAS ANATÔMICAS

MACERADAS DENTADAS E DESDENTADAS

Acadêmico: Paulinne Junqueira Silva Andresen Strini

Orientador: Prof. Roberto Bernardino Júnior

Co-orientadores: Prof. Waltercides Silva Júnior

Prof. Danielle Abrão Rodrigues

Instituição: Universidade Federal de Uberlândia


O bloqueio do Nervo Alveolar Inferior é uma das técnicas anestésicas que apresenta maior índice de falhas em Odontologia, sendo justificado pela variação anatômica da posição do Forame Mandibular(FM) no qual se localiza a entrada deste nervo na mandíbula. Sua localização é de suma importância para o êxito da anestesia em dentes inferiores pois é utilizado como referência anatômica para deposição da solução nas várias técnicas anestésicas. Este estudo propõe avaliar a localização topográfica do FM em 100 mandíbulas humanas de adultos maceradas utilizando paquímetro milimetrado e compasso de ponta seca. Observou-se que no sentido crânio caudal o FM encontrava-se no terço médio do ramo mandibular em 80,4% e 89,1% para as mandíbulas dentadas(md) e 63% e 74% para as mandíbulas desdentadas(mdd), antímero direito(D) e esquerdo(E) respectivamente. No sentido ântero posterior 97,8%(D/E) das md apresentavam o FM no terço médio do ramo mandibular e nas mdd 96,3%(D) e 92,6%(E) o FM localizava-se nesta posição. Ainda neste sentido, 2,2%(D) e 4,4%(E) nas md e 11,1%(D) e 9,2%(E) nas mdd o FM encontrava-se exatamente a meia distância das bordas anterior e posterior do ramo da mandíbula. Pode-se concluir que não há exata correlação topográfica do FM em antímeros opostos para o mesmo indivíduo nem tão pouco entre indivíduos diferentes.


Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: Topografia; forame mandibular

ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE USO DE SAPATO COM SALTO ALTO E ALTERAÇÕES POSTURAIS

Acadêmicos: Anna Helena Calapodópulos (Aluna do PIC-UNIUBE)

Orientador: Prof. Dr. Dernival Bertoncello

Co-orientadora: Profª Cristina dos Santos Cardoso de Sá

Instituição: Universidade de Uberaba - UNIUBE

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE

No corpo humano, há uma série de ações desempenhadas pelos sistemas fisiológicos capazes de permitir o movimento e a manutenção da bipedestação (postura em pé). Particularmente, os sistemas nervoso e músculo-esquelético assumem padrões peculiares em cada indivíduo, conforme a demanda que lhe é imposta. Todos os mecanismos fisiológicos se modificam a fim de permitir a adaptação corporal conforme as condições impostas pelo meio, seja em relação a fatores ambientais ou utensílios de vestimenta que acompanham o corpo para corrigir uma deficiência física ou servir como complemento estético. Não há muitos estudos identificando os principais problemas que podem ser decorrentes Do uuso de sapato com salto alto, no que se refere à alteração e modificação do tono muscular. O objetivo específico deste estudo foi verificar as alterações posturais em estudantes universitárias habituadas a utilizar constantemente salto alto como parte do seu vestuário. Participaram do trabalho 27 voluntárias, com idade entre 18 e 25 anos que utilizam sapato com salto alto diariamente. Cada voluntária preencheu um questionário sobre a freqüência de uso de sapato com salto alto, bem como assinou um termo de consentimento para participação da pesquisa. As voluntárias foram avaliadas considerando-se exame físico detalhado no que se refere aos desvios posturais. Para medidas de algumas amplitudes de movimento, foi utilizado um goniômetro. Cada voluntária realizou teste de retração dos músculos semitendinoso, semimembranoso, bíceps femoral, gastrocnêmio, sóleo e paravertebrais. Verificou-se que 80% das voluntárias avaliadas apresentavam a espinha ilíaca ântero-superior esquerda mais elevada do que a direita além de elevação da crista ilíaca esquerda, o que reflete em maior elevação da espinha ilíaca ântero-superior. Os joelhos das voluntárias apresentam-se caracteristicamente como valgo (56%). Em se tratando das retrações musculares encontradas, no que se refere à cadeia muscular posterior, verificou-se que mais de 80% das voluntárias apresentam encurtamento dos músculos isquiotibiais. Este resultado está associado ao encontrado para o teste de retração do tríceps sural. O resultado do teste de retração para os músculos paravertebrais indica a positividade do mesmo em 100% das estudantes. Verifica-se que existe correlação do uso de salto alto com o teste de encurtamento muscular de cadeia posterior. O uso diário de sapato com salto alto provoca encurtamento dos músculos isquiotibiais, tríceps sural e paravertebrais. No que se refere à descarga de peso corporal, verificou-se que as voluntárias apresentam maior contato do calcanhar e borda lateral dos pés com o chão, um indicativo de que os membros inferiores já assumiram posicionamento referente ao constante uso de salto alto, visto que os tornozelos e pés, sobre o sapato, assumem posição de flexão plantar com inversão, por isso a descarga de peso ocorrer mais lateralmente.

Área do Conhecimento: Ciências da Saúde


Palavras-chave: teste de retração, salto alto, encurtamento muscular

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA DURANTE EXERCÍCIO FÍSICO DINÂMICO DE PACIENTES SUBMETIDOS À FASE III DA REABILITAÇÃO CARDÍACA

Acadêmico: Diego Silva Fonseca (Aluno do PIC-UNIUBE)

Orientadora: Profª Ms. Fernanda Regina de Moraes

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Fisioterapia

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE

Uma forma de se verificar o balanço vago simpático atuante sobre o coração, sob a forma de variabilidade da freqüência cardíaca (VFC), é o exercício físico dinâmico, pois este promove mudanças na modulação autonômica sobre o nodo sinusal e modifica a VFC. Sabe-se que a VFC encontra-se aumentada quando o exercício é realizado em baixos níveis de esforço e que, com o incremento de potências, ocorre uma diminuição desta variável. Verificar o comportamento da VFC durante exercício físico dinâmico realizado em bicicleta ergométrica, dos pacientes submetidos às sessões de fisioterapia cardiovascular, na Fase III do processo de reabilitação cardíaca. Foram avaliados 10 pacientes, sexo masculino, submetidos às sessões de Fisioterapia Cardiovascular, fase III do processo de reabilitação cardíaca, no setor de Fisioterapia Cardiovascular e Respiratória da UNIUBE, sendo eles cardiopatas ou portadores de fatores de risco para doenças cardiovasculares. Para a aquisição dos dados de freqüência cardíaca e de sua variabilidade, foi utilizado um monitor de freqüência cardíaca de pulso (cardiofreqüêncímetro) S810TM, da marca POLARÒ-Finlândia. Tal equipamento permite a aquisição e armazenamento dos dados de freqüência cardíaca batimento a batimento para posterior análise de sua variabilidade. O mesmo é composto de um relógio e uma cinta transmissora contendo os eletrodos de captação, a qual é mantida fixada ao tórax com o auxílio de uma tira elástica. Foram coletados os dados de VFC durante a etapa de condicionamento físico, realizado em bicicleta ergométrica de frenagem eletromagnética, durante 16 semanas de atendimento fisioterapêutico cardiovascular. Após a coleta e armazenamento dos dados, os mesmos foram transferidos para um microcomputador através do software Precision Performance SW 3.0. A VFC foi analisada visualmente por 3 investigadores e os resultados são apresentados em forma descritiva. Após análise visual das curvas de VFC por 3 investigadores, foi observado que a modulação do sistema autonômico sobre o coração não modificou após 4 meses de treinamento, ou seja, o condicionamento físico não aumentou a VFC dos pacientes do programa de Reabilitação Cardíaca, analisada durante a realização de exercícios na bicicleta ergométrica. Nossos dados sugerem algumas hipóteses para a não modificação da VFC. O tempo de condicionamento analisado pode ter sido insuficiente para causar alterações na VFC e a análise visual das curvas pode ter conduzido a falsos resultados, sendo que uma ferramenta de análise mais direcionada, como as análises no domínio do tempo seriam mais sensíveis para este tipo de observação, porém neste estudo não foi possível empregá-las.


Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: Reabilitação Cardíaca, variabilidade da freqüência cardíaca, exercícios físicos

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM REPOUSO DE PACIENTES SUBMETIDOS À FASE III DA REABILITAÇÃO CARDÍACA

Acadêmico: Bárbara Ganem Rodrigues Colares (Aluna do PIC-UNIUBE)

Orientadora: Profª Ms. Fernanda Regina de Moraes

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Fisioterapia

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE

Uma das principais características do coração é a possibilidade de aumentar ou diminuir a freqüência de seus batimentos, como resultado da estimulação ou inibição do sistema nervoso simpático e parassimpático, regulando a modulação da freqüência cardíaca e adaptando-a as diferentes necessidades, como o exercício físico, fazendo surgir assim a variabilidade da freqüência cardíaca (VFC), caracterizada pelas variações da duração dos intervalos R-R, do eletrocardiograma. A partir de sua análise pode-se obter informações, de forma não invasiva, sobre a regulação autonômica do coração. Verificar o comportamento da VFC em repouso dos pacientes submetidos às sessões de fisioterapia cardiovascular, na Fase III do processo de reabilitação cardíaca. Foram avaliados 10 pacientes, sexo masculino, submetidos às sessões de Fisioterapia Cardiovascular, fase III do processo de reabilitação cardíaca, no setor de Fisioterapia Cardiovascular e Respiratória da UNIUBE, sendo eles cardiopatas ou portadores de fatores de risco para doenças cardiovasculares. Para a aquisição dos dados de freqüência cardíaca e de sua variabilidade, foi utilizado um monitor de freqüência cardíaca de pulso (cardiofreqüêncímetro) S810TM, da marca POLARÒ-Finlândia. Tal equipamento permite a aquisição e armazenamento dos dados de freqüência cardíaca batimento a batimento para posterior análise de sua variabilidade. O mesmo é composto de um relógio e uma cinta transmissora contendo os eletrodos de captação, a qual é mantida fixada ao tórax com o auxílio de uma tira elástica. Foram coletados os dados de VFC, ao início e ao final das sessões, referentes a 16 semanas de atendimento fisioterapêutico cardiovascular. Após a coleta e armazenamento dos dados, os mesmos foram transferidos para um microcomputador através do software Precision Performance SW 3.0. A VFC foi analisada visualmente por 3 investigadores e os resultados são apresentados em forma descritiva. RESULTADOS: Após análise visual das curvas de VFC por 3 investigadores, foi observado que a modulação do sistema autonômico sobre o coração não modificou após 4 meses de treinamento, ou seja, o condicionamento físico não aumentou a VFC dos pacientes do programa de Reabilitação Cardíaca nas condições de repouso pré e pós sessão. Nossos dados sugerem algumas hipóteses para a não modificação da VFC. O tempo de condicionamento analisado pode ter sido insuficiente para causar alterações na VFC e a análise visual das curvas pode ter conduzido a falsos resultados, sendo que uma ferramenta de análise mais direcionada, como as análises no domínio do tempo seriam mais sensíveis para este tipo de observação, porém neste estudo não foi possível empregá-las.

Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: Reabilitação Cardíaca, variabilidade da freqüência cardíaca, benefícios do condicionamento físico



ANÁLISE DO USO DE SAPATO COM SALTO ALTO E PROVÁVEIS RELAÇÕES COM

O EQUILÍBRIO CORPORAL

Acadêmicos: Vanessa Linhares Lemos (Aluna do PIC-UNIUBE)

Orientador: Prof. Dr. Dernival Bertoncello

Co-orientadora: Profª Cristina dos Santos Cardoso de Sá

Instituição: Universidade de Uberaba – UNIUBE

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE


A manutenção do equilíbrio do corpo no espaço é um fenômeno complexo que depende de vários mecanismos e só é possível graças à integração de diferentes estruturas. Nota-se, na sociedade atual, o grande número de mulheres que utilizam salto alto diariamente como parte de seu vestuário. É comum verificar a precocidade que existe na utilização desse tipo de calçado, ou seja, cada vez mais, jovens fazem uso de sandálias ou sapatos com saltos elevados. No entanto, não há muitos estudos identificando os principais problemas que podem ser decorrentes desse uso, no que se refere à alteração do equilíbrio e modificação do tono muscular. O objetivo deste estudo foi verificar as alterações de equilíbrio em estudantes universitárias habituadas a utilizar constantemente salto alto como parte do seu vestuário, visando um trabalho de conscientização das mesmas com relação aos prejuízos que este utensílio causa. Foram avaliadas 27 voluntárias, com idade entre 18 e 25 anos que utilizam sapato com salto alto diariamente, sendo este um requisito excludente para a determinação da amostra. As mesmas assinaram um termo de consentimento para participação na pesquisa, bem como um questionário sobre a freqüência de uso de sapato com salto alto. Para avaliação de equilíbrio das voluntárias, foram utilizados protocolos específicos, principalmente o Teste de Romberg. Verificou-se que 51,85% das voluntárias apresentaram teste positivo para perda de equilíbrio com olhos fechados. O mesmo não ocorreu quando as voluntárias realizaram o teste com os olhos abertos. Também, mais de 50% das voluntárias apresentaram encurtamento de toda a cadeia muscular posterior e 100% das estudantes analisadas apresentaram encurtamento dos músculos paravertebrais. Os resultados obtidos na avaliação de equilíbrio apontam para um reajuste corporal na tentativa de manter o corpo em estado de completa bipedestação. Verifica-se relação direta entre o uso de salto alto e encurtamento da musculatura posterior de tronco e membros inferiores. Quanto à manutenção postural visando equilíbrio corpóreo, o resultado inferior obtido para o teste de Romberg com os olhos abertos era esperado, visto que ocorre acomodação da postura da voluntária uma vez que os receptores oculares estão ativados. É possível inferir, desses resultados, provável relação entre o encurtamento muscular, que modifica o centro de gravidade corporal e, conseqüentemente, pode provocar alteração do equilíbrio corporal.

Área do Conhecimento: Ciências da Saúde


Palavras-chave: equilíbrio, salto alto, encurtamento muscular

ASPECTOS PSICOLÓGICOS EM ESTUDANTES SECUNDÁRIOS.


Acadêmico: Tiago Humberto Rodrigues Rocha (Aluno do PIC/ UNIUBE)

Orientador: Prof. Dr. João Eduardo Caixeta Ribeiro

Co-orientador: Prof. Ms. Gilberto de Araújo Pereira
Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Psicologia

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE


Este trabalho teve como objetivo principal avaliar a condição psicológica dos alunos de um colégio particular, da cidade de Uberaba-MG, no final do segundo e do terceiro ano do segundo grau e no ‘cursinho pré-vestibular’, à véspera do concurso vestibular. Justificou-se a realização deste estudo o fato de os vestibulandos, em sua maioria na fase da adolescência, passarem por diversas transformações tanto físicas quanto psíquicas devido às conturbações propiciadas pela idade. Sendo assim, a questão do vestibular desencadeia angústias, medos e tensões nos adolescentes, o que poderá gerar sentimentos de insegurança e até mesmo possível transtorno do humor como, por exemplo, uma depressão. O trabalho foi realizado utilizando-se uma análise quantitativa e qualitativa dos dados. Foram avaliados setecentos e cinqüenta e quatro estudantes que cursavam o segundo grau utilizando o formulário SRQ-20 – Self Reporting Questionnaire, um instrumento desenvolvido pela Organização Mundial da Saúde com 20 questões sobre sintomas e problemas que tendem a aparecer em indivíduos com desordens neuróticas. Foi encontrado indicativo do transtorno depressivo em 45,7% dos alunos do colégio. Sendo mais que o dobro da prevalência de indicativos de depressão no sexo feminino (59,3%) em relação ao sexo masculino (28,4%) (p<0,0001; Teste qui-quadrado). Constatamos ainda um aumento do indicativo de depressão de acordo com o aumento da série do sujeito; segundo colegial com 35,78%, terceiro colegial com 51,42% e cursinho com 59,4% de indicativos do transtorno depressivo (p<0,0001, Teste qui-quadrado). Sendo os resultados expostos considerados estatisticamente significativos. Concluímos que existe indicativo de presença do transtorno depressivo nos alunos do colégio estudado e, portanto, seria importante a existência de acompanhamento psicológico ao aluno secundarista e daquele que esta passando pelo período vestibular. Para sociedade em geral podemos encontrar neste trabalho, o primeiro passo no sentido de repensar a questão da avaliação vestibular que não considera as condições sociais e psíquicas de quem irá se submeter a tal exame. Outro ganho com o aprofundamento deste estudo, é que os estudantes, com o entendimento da situação biopsicossocial pela qual atravessam, poderão beneficiar-se de outras possíveis formas metodológicas de educação e de um sistema avaliativo mais justo que considere não só os aspectos cognitivos, mas também os psíquicos. Desta forma a sociedade também se beneficia ao ver seu sistema de educação com melhores resultados uma vez que poderá diminuir o índice de desistências dos estudantes no sistema de ensino e melhor aproveitamento daqueles que conseguem ingressar na universidade.

Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: Depressão; Estudantes secundários; Vestibular




AVALIAÇÃO DA ADAPTAÇÃO MARGINAL DE RESTAURAÇÕES INDIRETAS EM RESINA LABORATORIAL COM EMPREGO DE MICROSCÓPIO CLÍNICO E MICROSCÓPIO ÓPTICO.

Acadêmicos: Fernanda Ribeiro Santana

Orientador: Prof. Dr. Carlos José Soares

Co-orientadores: Prof. Rodrigo Borges Fonseca

Prof. Murilo Souza Menezes

Instituição: Universidade Federal de Uberlândia

Órgão Financiador: FAPESP

O objetivo deste estudo foi avaliar a eficiência do método de mensuração da adaptação marginal de restaurações indiretas confeccionadas em Solidex na margem gengival de preparos tipo inlay empregando microscópio óptico e microscópio clínico. 15 incisivos bovinos livres de cárie foram selecionados, limpos e armazenados em timol a 0,2%. Dois preparos inlays proximais foram confeccionados em cada dente, sendo um com término em esmalte e outro em dentina. Os preparos foram moldados com silicone por adição e as restaurações indiretas construídas em resina laboratorial, Solidex (Shofu). As restaurações foram estabilizadas e a discrepâncias marginais medidas em três pontos pré-definidos na margem gengival empregando um estereomicroscópio binocular, Olimpus (MO) e um microscópio clínico D.F.Vasconcelos (MC), associado a um software de medição em computador. Os valores mensurados em micrômetros para os preparos com término em esmalte foram: MO-31,31±5,42 e MC-32,21±3,97; e em dentina de MO-21,16±4,38 e MC-34,70±6,30. Os dados foram submetidos a análise estatística pelo teste t-Student (p< 0,05) comparando o fator término do preparo e o fator método de avaliação separadamente. Não houve diferença significativa entre a adaptação marginal medida em esmalte e dentina. Os dois métodos de avaliação apresentaram desempenhos semelhantes na mensuração de adaptação marginal.

Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: Adaptação marginal Preparo cavitário Restaurações indiretas Resinas laboratoriais



AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DE MARCHA DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Acadêmicos: Patrícia Silva

Fausto Fernandes Almeida Sousa

Bruna Martins Lobo

Orientadora: Profª Ms. Lidiana Simões Marques

Co-orientadora: Profª Ms. Fabiana Pavan Vianna

Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Fisioterapia

As atividades da vida diária são as tarefas de desempenho ocupacional que a pessoa realiza todos os dias para exercer o seu papel. O termo de atividades da vida diária não é exatamente sinônimo de cuidados pessoais. O cuidado pessoal é um termo mais limitado que se refere à capacidade de vestir-se, alimentar-se, arrumar-se, tomar banho e pentear-se, bem como a uma miscelânea de habilidades comuns, como usar telefone e escrever. As atividades da vida diária também incluem mobilidade, que se refere à capacidade de mover-se ou transferir-se de um lugar para outro. A avaliação não mais se dá pelas dificuldades (incapacidades), mas pelo que o idoso é capaz de realizar. Desta forma, com o propósito de avaliar a independência dos idosos institucionalizados, foi aplicada uma avaliação da capacidade de vida diária de realizar marcha em idosos que residem no asilo Santo Antônio de Uberaba. A avaliação consta de um sistema de pontuação de A a E que determina o grau de funcionalidade da marcha. Os idosos voluntários de ambos os sexos (n=51) foram submetidos a um protocolo de avaliação de marcha, que constava de uma análise qualitativa em diferentes situações. As atividades de marcha foram observadas dentro da instituição em terrenos planos, subindo e descendo escadas com auxílio ou não de corrimão e em vias públicas. A idade média dos idosos é de (75,1±13,0) anos com predomínio do sexo feminino (n=29). Os resultados demonstram que na atividade de marcha, dentro da instituição, cerca de 45,1% realizam de forma independente e 9,8% não realizam a marcha. Para subir e descer escadas, apenas 3,9% dos idosos não necessitam do auxílio de corrimão e 31,4% são totalmente dependentes do corrimão.Em se tratando da atividade de deambular em vias públicas apenas 13,7% realizam a atividade de forma independente. A quantidade de idosos que utilizam o andador como principal dispositivo de auxílio é de 13,7% e a bengala é de 9,8%. Um outro dispositivo usado é a cadeiras de rodas em que cerca de 17,6% dos idosos necessitam para a locomoção. As dificuldades para deambular no asilo ao subir escadas e andar em vias públicas estão entre as principais queixas relatadas pelos voluntários. Um número reduzido de idosos utiliza os locais com escadas de forma segura, o que torna importante à adaptação das instituições para promover a maior independência desses idosos.


Área de Conhecimento: Ciências da Saúde
Palavras-chave: fisioterapia, atividades de vida diária, idosos institucionalizados.


AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DE HIGIENE PESSOAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Acadêmicos: Fausto Fernandes Almeida Sousa

Bruna Martins Lobo

Patrícia Silva

Orientadora: Profª Ms. Lidiana Simões Marques

Co-orientadora: Profª Ms. Fabiana Pavan Vianna

Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Fisioterapia.

Atualmente a problemática dos idosos em instituições assumiu novos feitios, um número considerável de idosos tem necessitado de abrigos, ou por sobrevivência ou ainda por apresentarem enfermidades crônico degenerativas, doenças cardiovasculares ou demência. Uma vez institucionalizados, os idosos têm uma rotina diária de cuidados pessoais, alimentação e repouso com poucas variações ou interrupções. Entretanto, rapidamente desenvolvem uma passividade aprendida, reduzindo-se a corpos decadentes e rostos inexpressivos, com conseqüências negativas, tanto para os idosos, como para os próprios cuidadores. A preservação da capacidade funcional possibilita o indivíduo a realizar suas atividades da vida diária de forma a garantir uma boa qualidade de vida. Ou seja, a manutenção das habilidades físicas e mentais necessárias para uma vida independente e autônoma. A higiene pessoal é o cuidado da limpeza do corpo, incluindo os cuidados com os cabelos, barba, boca, dentes, próteses e unhas. A impossibilidade de fazer a sua higiene pessoal pode causar alguns constrangimentos, além de ser necessária a disponibilidade de tempo dos cuidadores, que por vezes é escassa na rotina dos asilos. Desta forma, com o propósito de avaliar a independência dos idosos institucionalizados, foi aplicada uma avaliação da capacidade de realizar a higiene pessoal dos idosos que residem no asilo Santo Antônio de Uberaba. A avaliação consta de um sistema de pontuação de A a E que determina o grau de capacidade funcional para realizar a higiene pessoal. Um número de 51 idosos de ambos os sexos foi submetido a um protocolo de avaliação, que constava de uma análise qualitativa das atividades de higiene em diferentes situações em locais como o banheiro e o quarto. A idade média dos idosos é de (75,1±13,0) anos com predomínio do sexo feminino (n=29). Os resultados demonstram que as atividades de sentar e levantar do vaso sanitário são realizados por apenas 43,13% dos idosos avaliados e no banho cerca de 35,29% apresentam independência dos cuidadores. Em se tratando das tarefas de colocar e tirar roupas e sapatos 43,13% e 50,9% realizavam de forma independente respectivamente. Para lavar o rosto, pentear os cabelos e escovar os dentes 56,86% são independentes. A realização de higiene pessoal envolve atividades de coordenação motora, equilíbrio, propriocepção, reflexos neuromotores e flexibilidade, fatores que diminuem com o avançar da idade e que podem acarretar prejuízos na independência dos idosos. Essas atividades devem ser na medida do possível realizadas pelo próprio idoso, a fim de preservar suas habilidades.

Área de Conhecimento: Ciências da Saúde
Palavras-chave: higiene pessoal, idosos institucionalizados, fisioterapia.


AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE FUNCIONAL DE ALIMENTAÇÃO DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Acadêmicos: Patrícia Silva

Fausto Fernandes Almeida Sousa

Bruna Martins Lobo

Orientadora: Profª Ms.Lidiana Simões Marques

Co-orientadora: Profª Ms. Fabiana Pavan Vianna

Instituição: Universidade de Uberaba - Curso de Fisioterapia.
A alimentação é uma atividade fundamental para a sobrevivência do ser humano, sendo influenciada por inúmeros fatores: a idade, aspectos sócio-culturais, o estado físico e mental. Para o idoso essa atividade de vida diária pode ser prejudicada, uma vez que as doenças que os idosos apresentam podem influenciar e alterar sua habilidade e independência para a alimentação. O uso de medicamentos é um dos vários fatores limitante da alimentação pelos seus efeitos colaterais. Por outro lado, doenças crônicas como neoplasias, enfermidades neurológicas, demências, diabetes, hipertensão e gota, que incidem amplamente nessa faixa etária, podem também contribuir para a restrição alimentar do idoso. É importante que as refeições sigam uma rotina regular, mantendo os horários pré-estabelecidos e possibilitando o contato e a interação dos idosos asilados. O local das refeições deve ser bem iluminado para evitar quedas, arejado e tranqüilo. O idoso deve ser avaliado pelas atividades que consegue realizar e não pela sua deficiência. Desta forma, com o propósito de avaliar a independência dos idosos institucionalizados, foi aplicada uma avaliação da capacidade de vida diária de alimentar-se dos idosos que residem no asilo Santo Antônio de Uberaba. A avaliação consta de um sistema de pontuação de A a E que determina o grau de capacidade funcional para realizar a alimentação. Um número de 51 voluntários de ambos os sexos foi submetido a um protocolo de avaliação, que consta de uma análise qualitativa das atividades de alimentação. Os voluntários apresentam idade média de 75,09±13,08 anos com predomínio do sexo feminino (n=29). Os resultados demonstram que 58,49% dos idosos comem sozinho e 33,33% necessitam de auxílio apenas para cortar os alimentos. Para sentar-se junto à mesa, 62,74% são independentes para a atividade. Quanto ao critério servir-se de alimento, constatou-se que 92,15% são servidos pelos cuidadores. Em se tratando da necessidade de adaptações foi relatado que 100% dos idosos não usam adaptações. No critério da medicação foi constatado que 100% dependem dos cuidadores para tomar o medicamento. Um grande percentual de idosos é servido pelo cuidador, isso está diretamente relacionado com a norma que é seguida no asilo para evitar acidentes, pois a instituição procura sempre se adequar às condições dos idosos. As alterações visuais, a incoordenação motora, a fraqueza muscular e o déficit mental podem estar relacionados com os déficits apresentados pelos idosos na realização das atividades motoras de alimentação e ingestão de medicamentos.
Área de Conhecimento: Ciências da Saúde
Palavras-chave: fisioterapia, atividades de vida diária, idosos institucionalizados.


AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA FÍBULA NA RESISTÊNCIA MECÂNICA DA TÍBIA

Acadêmicos: Rodrigo César Rosa

Ugo Borges Pinhero

Leandro Sérgio da Silva

Orientador: Prof. Dr. Antônio Carlos Shimano

Co-orientador: Prof. Ms. Jorge Alfredo Léo



Instituição: Universidade de Uberaba – Curso de Fisioterapia

O esqueleto tem funções importantes ao corpo humano, sem ele seriamos apenas uma massa. No caso do conjunto tíbia e fíbula, eles tem um papel fundamental na sustentação do peso corporal dos animais em geral. Em particular no rato, a fíbula é parte integrante da tíbia em sua região distal e se insere por cartilagens próximo ao platô tibial (próximo ao joelho). A função da fíbula neste caso é auxiliar na resistência mecânica ou somente serve para dar apoio aos músculos? Portanto, o objetivo deste trabalho foi realizar ensaios mecânicos de flexão em três pontos em tíbias de ratos, com e sem fíbula. Para isto, foram utilizados 48 tíbias de ratos machos, da raça Wistar com peso médio de 350 gramas. Estes animais foram utilizados em outros experimento do Laboratório de Bioengenharia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP. Após eutanásia, os ossos foram guardados em freezer a –20o C. Pelo menos uma hora antes da realização dos ensaios os ossos foram dissecados e limpos. Posteriormente, foram medidos os comprimentos longitudinais e pesados em balança de precisão Gehaka  - BG 400. O comprimento médio e os pesos das tíbias utilizadas foram de (41,3  1,0) mm e (1,025  0,113) g, respectivamente. Foram divididas em 4 grupos experimentais com 12 tíbias cada, sendo: G1 – 12 tíbias esquerdas sem fíbulas, G2 – 12 tíbias direitas sem fíbulas, G3 – 12 tíbias esquerdas com fíbulas e G4 – tíbias direitas com fíbulas. Os ensaios mecânicos de flexão em três pontos foram realizados na Máquina Universal de Ensaio do Laboratório de Bioengenharia da UNIUBE, máquina esta projetada e desenvolvida com apoio do PIC-UNIUBE (ICBS – 028/02). Para a realização dos ensaios as tíbias foram apoiadas nas suas extremidades sobre um acessório, com vão livre de 30 mm entre os pontos de apoio. A aplicação de carga foi sempre no sentido ântero-posterior da tíbia, utilizando um acessório especial contendo um eixo entre a fíbula e a tíbia. Foi utilizada uma célula de carga com capacidade de medir carga de até 200 Kgf. Para medidas das deflexões foi utilizado um relógio comparador Mitutoyo. A velocidade de aplicação de carga foi de 0,48 mm/min, e foi utilizada uma pré-carga de 200 gramas em todos ensaios com tempo de acomodação de 30 segundos. A cada 0,02 mm medido no relógio comparador foi observado simultaneamente o valor da carga aplicada na ponte de extensiometria portátil da Kratos. Com os valor da carga aplicada e da deflexão foi confeccionado as curvas correspondentes. A propriedade mecânica analisada foi a carga máxima observada em cada ensaio realizado. Para comparação dos resultados foi utilizado o teste t de Student com variância diferentes, tomando como referência o nível de significância de 5%. Os resultados obtidos foram a carga aplicada máxima para tíbia com fíbula foi de (55,7  8,6) N e sem fíbula foi de (53,7  8,3) N. Quando comparados os grupos não foi observado diferença estatisticamente significativa p=0,406. Estes resultados provavelmente, mostram que a fíbula quando submetida à flexão, não tem o papel de resistir carga e sim de fixar os músculos inserido.

Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: Tíbias, fíbula, ratos, ensaios de flexão, propriedade mecânica.


AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS EM ÁGUA DOS BEBEDOUROS DO CAMPUS I DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

Acadêmico: Ana Carolina Santana de Oliveira

Orientadora: Profª Ana Paula Sarreta Terra

Instituição: Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro – Curso de Biomedicina



Órgão Financiador: Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro


A saúde pública requer água potável segura, o que significa que ela deve estar livre de bactérias patogênicas. Entre os patógenos disseminados em fontes de água, os patógenos entéricos são os mais freqüentemente encontrados. Como conseqüência, fontes de contaminação fecal em água devido à atividade humana devem ser estritamente controladas. Este controle é feito medindo-se alguns parâmetros como presença e níveis de coliformes fecais e totais. Sua presença neste tipo de amostra deve ser ao menos considerada como possível ameaça ou indicativo de deterioração da qualidade microbiológica da água. O presente trabalho analisou os seis bebedouros de uso discente existentes dentro da Faculdade, utilizando-se de três pontos de coleta a fim de se verificar em que pontos do sistema de distribuição a contaminação poderia estar ocorrendo. A avaliação da presença de coliformes totais e fecais foi realizada através da utilização de amostras de água do cavalete, das entradas dos bebedouros e da saída destes em quatro ciclos de coletas perfazendo um total de 120 amostras para cada local analisado. A pesquisa de coliformes totais realizou-se mediante a técnica dos tubos múltiplos. O método consiste em inoculação em uma série de 15 tubos com diluições decimais de 1:2, 1:10 e 1:100 da amostra de água com o meio presuntivo. Produção de gás, formação de ácido constitui uma reação presuntiva positiva. Todos os tubos com reação presuntiva positiva são subseqüentemente sujeitas a teste confirmatório. Os resultados mostraram que todos os bebedouros apresentaram em algum momento algum tipo de contaminação. Todos eles apresentaram reação presuntiva positiva tanto para análises pré- bebedouro quanto para análises pós-bebedouro. Também para a maioria das análises (67%) feitas para a água vinda da rede pública mostrou positividade. A eficiência e a importância da presença do filtro na barragem das bactérias vindas da rede também foi avaliada. Apesar de valores positivos para contaminação após o filtro, este demonstrou grande eficiência ao barrar em todos os casos mais de 50% da contaminação. Os altos níveis da maioria dos bebedouros resumem-se no fato de estes serem abastecidos por água que permanece por longo tempo estocada em grandes reservatórios. Como a análise de água revela as condições em que se encontram as tubulações e os sistemas de caixas d’água que distribuem o produto para todos os pontos de coleta, fica assim caracterizado haver algum tipo de “fator contaminante” em algum ponto da rede como por exemplo, a criação de um biofilme de bactérias em algum ponto crítico da distribuição. Observando-se os resultados das análises confirmatórias para as amostras positivas, considerando que 55 amostras foram submetidas ao confirmatório, apenas 9% delas mostraram-se positivas, contrariando as normas vigentes que associam ausência de coliformes totais e/ou fecais ao padrão de potabilidade da água. Portanto, pelas determinações especificadas que demostram que a água potável é aquela água para consumo humano cujos parâmetros microbiológicos, físicos, químicos e radiológicos atendam ao padrão de potabilidade e não ofereçam riscos à saúde, conclui-se que mostram-se impróprias para consumo a água proveniente de quatro dos seis bebedouros de uso discente da FMTM.

Área do conhecimento: Ciências da Saúde


Palavras-chave: Água, Coliformes, Bebedouros.

AVALIAÇÃO DA RADIODENSIDADE DE SETE SISTEMAS DE PINOS

INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS


Acadêmico: Renata Rezende Gil

Orientador: Prof. Dr. Carlos José Soares

Co-orientadores: Prof. Fabio Hiroyuki Ogata Mitsui

Prof. Francisco Haiter Neto


Profª Giselle Maria Marchi

Instituição: Universidade Federal de Uberlândia - Grupo de Biomecânica - Faculdade de Odontologia

O objetivo deste estudo foi avaliar, através de análise radiográfica digital, os níveis de radiodensidade de 7 diferentes sistemas de pinos intra-radiculares pré-fabricados. 21 raízes bovinas foram preparadas, utilizando-se as brocas fornecidas pelos fabricantes dos sistemas de pino a serem analisados (n = 3): pinos metálicos Flexi-Flange (FF), Radix-Anker (RA) e FKG Post (FKG), pino cerâmico Cosmopost (CO), pino de fibra de carbono C-post (CP), pino de fibra de carbono revestido por resina Æstheti Post (ÆP) e pino de fibra de vidro Fibrekor Post (FKP). Foram realizadas radiografias digitais de cada raiz, com e sem o pino em posição, utilizando-se o sistema Digora, respeitando-se três linhas de medidas previamente definidas: 1 (M1), 4 (M2) e 7 mm (M3) da margem cervical. A radiopacidade dos pinos foi definida pela diferença entre a radiodensidade do pino e a da raiz. Através da análise de variância e teste de Tukey (p = 5%), os seguintes resultados foram encontrados: M1 = 81,57(a), M2 = 77,80(a) e M3 = 59,00(b); CO = 132,67(a), FF = 102,27(b), RA = 99,66(b), FKG = 80,94(c), CP = 54,55(d), FKP = 27,11(e), ÆP = 13,33(e).Os pinos de cerâmica apresentaram maiores valores de radiodensidade, sendo diferentes estatisticamente dos demais pinos avaliados. Os pinos estéticos de fibra de vidro e de fibra de carbono revestidos por resina apresentaram os menores valores de radiodensidade. O terço cervical apresentou o maior valor de radiodensidade, sendo diferente estatisticamente apenas do terço apical. Conclui-se que a radiopacidade dos pinos é dependente de sua composição e da região radicular analisada.

Área de Conhecimento: Ciências da Saúde

Palavras-chave: radiodensidade, radiopacidade, pinos pré-fabricados,

1   ...   9   10   11   12   13   14   15   16   ...   19


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal