Da universidade de uberaba


A ATUAÇÃO E A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA ATUALIDADE: (RE) CONFIGURAÇÕES ENTRE A CIDADE E O CAMPO



Baixar 0.85 Mb.
Página16/21
Encontro19.07.2016
Tamanho0.85 Mb.
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   21

A ATUAÇÃO E A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA ATUALIDADE: (RE) CONFIGURAÇÕES ENTRE A CIDADE E O CAMPO
Acadêmico(s): Tânia Mara Bianchini

Nailde Santana Silva

Orientador(a): Profa. Ms. Márcia Helena de Lima

Instituição: Faculdade de Educação e Estudos Sociais de Uberlândia/UNIPAC – Curso de Pedagogia



Órgão Financiador: UNIPAC
A proposta de apresentação deste tema envolve as discussões da área de Pedagogia, com relação à atuação e a formação do Pedagogo e do Professor, tomando como referência os limites e as possibilidades dos espaços educacionais: a cidade e o campo. O trabalho originou no processo de iniciação científica desenvolvido no curso de Pedagogia da Faculdade de Educação e Estudos Sociais da UNIPAC/Uberlândia, considerando os desafios científicos apresentados pelas entidades representativas da categoria profissional. Foram utilizados como referenciais bibliográficos os seguintes autores: LIBÂNEO, José Carlos; FREIRE, Paulo, PAIVA, Edil; LINHARES, Célia; BREZINSKI, Íría GUIMARÃES, Selva; LIMA, Márcia; VLACH, Vânia; CALDART, Roseli e documentos da ANPED e ANFOPE, com ênfase em pesquisas propostas a partir da década de 90. Internet, priorizando sites renomados e confiáveis na área da educação. O desenvolvimento metodológico ocorreu: primeiramente através de um levantamento bibliográfico que valorizasse a sustentação teórica, e, posteriormente pela realização de uma pesquisa de campo, que consistiu na observação de fatos e fenômenos tal como ocorrem espontaneamente, apoiando-se no recurso do tipo exploratório (referenciando-se em ANDRÉ, Marli.); foram aplicados questionários, e por fim, buscamos na base de dados da Internet, priorizando sites renomados e confiáveis na área da educação. Com relação à “Atuação do pedagogo na escola rural” constatamos que, analisar a atuação do pedagogo na educação é um desafio constante, pois é necessário compreender a metodologia aplicada na escola rural; verificar as dificuldades encontradas pelos pedagogos na implementação de atividades relativas a este contexto; e analisar como tais profissionais trabalham as dificuldades de aprendizagem e outros problemas inerentes ao processo escolar do campo. A respeito da pesquisa: “A formação do pedagogo na atualidade: entre a formação e a atuação” é possível relatar algumas considerações: é muito importante que a formação do pedagogo (inicial e continuada) esteja de acordo com a sua atuação, tanto dentro, quanto fora do contexto escolar, como meio de adquirir e aperfeiçoar conhecimentos que venham a colaborar para diminuir a distância entre a teoria e a prática. Constatamos que, nas propostas educacionais em questão valoriza-se a construção de um trabalho pedagógico que não se restringe ao âmbito escolar, o qual constitui-se uma perspectiva que não reforça unicamente os modos hegemônicos de aprender e ensinar marcados pela cultura ocidental, branca, urbana e masculina. Tais pessoas pretendem democratizar a escola e qualificar os professores resgatando a história de cada um e mostrando aos alunos que suas vidas, experiências e realidades são importantes para a construção do processo de ensino-aprendizagem. Portanto, a prática pedagógica do campo ou da cidade deve estar voltada para a criação de uma escola que tenha como objetivo a construção de valores democráticos e solidários.
Área de Conhecimento: Ciências Humanas

Palavras-chave: formação do pedagogo; atuação do pedagogo; educação no campo e na cidade.


A CONSTRUÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA NO CURSO DE PEDAGOGIA: ATUALIDADES E DESAFIOS EDUCACIONAIS EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO
Acadêmico(s): Renê Aparecida Ferreira

Maria da Penha de Oliveira Ribeiro

Verônica Nunes de Carvalho Ribeiro

Orientador(a): Profa. Ms. Márcia Helena de Lima

Co-orientador(a): Profa. Dra. Silma do Carmo Nunes

Instituição: Universidade Presidente Antônio Carlos/Pedagogia



Órgão Financiador: UNIPAC
A presente proposta enfatiza uma reflexão acerca do processo de construção de Projetos de Pesquisa em cursos de graduação na área da Educação, especificamente do curso de Pedagogia, considerando os desafios epistemológicos, acadêmicos e científicos norteadores da pesquisa educacional em tempos de globalização. O aprendizado sobre a construção de Projetos de Pesquisa por parte dos graduandos é importante, considerando as exigências legais do Ministério da Educação (MEC) e, a necessidade de uma atuação mais qualificada dos docentes que pretendem atuar em sala de aula sendo, enfatizando a formação de profissionais da área que se tornem professores - pesquisadores. Inicialmente apresentaremos neste evento científico três problemáticas: “A educação de Jovens e Adultos na cidade de Uberlândia (MG)” da autora: Verônica Nunes de Carvalho Ribeiro, “Influência da Cultura Negra na Educação na cidade de Uberlândia (MG)” da autora: Maria da Penha de Oliveira Ribeiro e “O Projeto político-pedagógico e a qualidade do ensino” da autora: Renê Aparecida Ferreira, as quais foram orientadas pela Professora: Ms. Márcia Helena de Lima. As autoras e orientadora basearam-se em estudos bibliográficos de autores clássicos e atuais, enfatizando as teorias advindas da década de 90. As referidas pesquisas foram realizadas através de observações, análises documentais e entrevistas, culminando na pesquisa de campo. Os referenciais bibliográficos adotados referiram-se aos autores: ANDRÉ, Marli; SEVERINO, TOBIAS, Joaquim Antônio; LIMA, Márcia; FREIRE, Paulo; Moacir GADOTTI; ALVES, Rubem; PAIVA Edil; BRASILEIRO, Jeremias; VEIGA, Allencastro, Ilma Passos; SILVA, Marcelo; além de documentos da Secretaria Municipal de Educação (SME); Superintendência Regional de Ensino (SRE) e Ministério da Educação (MEC). Concluímos que o núcleo das três pesquisas iniciais apresentadas cumpriram os objetivos: estudar temas relativos a uma área de concentração, com vistas a auxiliar na formação de pesquisadores iniciantes; aprofundar teoricamente nos temas escolhidos; desenvolver estudos e pesquisas relativas à área de Políticas Públicas; construir uma visão crítica da realidade educacional no contexto histórico-social de Uberlândia (MG). Pudemos concluir também que, os alunos dos cursos de graduação normalmente não estão acostumados a pesquisar, e, na medida em que são inseridos em Grupos de Pesquisa desenvolvem temáticas importantes para o processo de iniciação científica. Consideramos ainda, um conjunto de elementos necessários para dar continuidade às pesquisas, os quais são: promover e estimular o desenvolvimento de atividades científicas; aprofundar o conhecimento e relacionamento entre alunos, profissionais e pesquisadores da área da educação; compreender criticamente a realidade educacional e atuar no sentido de sua transformação. Referendamos finalmente que, as escolas de Ensino Particular em Uberlândia (MG) estão se esforçando para capacitar alunos e profissionais da área da Educação a se tornarem professores - pesquisadores, mas o esforço deve continuar apesar dos desafios em tempos de globalização.
Área de Conhecimento: Ciências Humanas

Palavras-chave: pesquisa educacional; projetos de pesquisa e educação; educação e pesquisa.



A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA ATUALIDADE: DESAFIOS E POSSSIBILIDADES NA CIDADE DE UBERLANDIA (MG)
Acadêmico(s): Tatiana Bianchini

Vanessa Carla Ferreira Barbosa

Orientador(a): Profa. Ms. Márcia Helena de Lima

Co-orientador(a): Profa. Dra. Silma do Carmo Nunes

Instituição: Universidade Presidente Antônio Carlos/Faculdade de Educação e Estudos Sociais de Uberlândia

Órgão Financiador: UNIPAC


A Educação Especial é um tema importante a ser pesquisado na atualidade, principalmente para os docentes que atuam em sala de aula sendo, de grande importância que os profissionais saibam lidar com as técnicas de ensino a serem aplicadas para "alunos especiais". Esses alunos precisam de cuidados na área da aprendizagem, pois, apesar de serem espertos e muito inteligentes, necessitam de mais cuidados dos que os alunos considerados normais. A escolha do tema chamou-nos a atenção, por ser uma área de pesquisa específica e cheia de surpresas, no âmbito da prática educativa. As referidas pesquisas tiveram como objetivo geral analisar a aplicação da educação especial na escola APAE de Uberlândia/MG; e como objetivos específicos: - entender a metodologia aplicada para a educação especial na faixa etária de 07 a 10 anos; - verificar as dificuldades encontradas pelos alunos, e como os mesmos interpretam a metodologia aplicada; - analisar a forma didática que os professores trabalham na educação especial; - entender como ocorre o processo de ensino aprendizagem na educação especial, tendo em vista a faixa etária analisada. Foram utilizados autores renomados como: GODOI, LARROSSA, MANTOAN, MOURA, VYGOSTKI, SALK LEE, com ênfase em teorias escritas, a partir da década de 90, além de autores clássicos. A postura metodológica enfocou primeiramente a pesquisa bibliográfica, valorizando a sustentação teórica; posteriormente optamos pela pesquisa de campo, que consiste na observação de fatos e fenômenos tal como ocorrem espontaneamente, optando pelo recurso do tipo exploratório; além disso, foram aplicados questionários, e por fim, busca na base de dados da Internet, priorizando sites renomados e confiáveis na área da educação. A aplicação dos questionários foi de grande relevância, pois ajudou-nos a entender melhor o universo da educação especial. Os alunos especiais são pessoas como qualquer outra, e é importante que sejam tratados de forma mais humana e menos preconceituosa, isso os ajudará no seu desenvolvimento psíquico, social e intelectual. Conseguimos identificar que as escolas de Ensino Especial em Uberlândia (MG) estão se adaptando à modernidade se preparando para receber as crianças e os profissionais, que estão se especializando na referida área. Mas ressaltamos que existem muitas falhas no processo de ensino aprendizagem. Compreendemos também através destas pesquisas iniciais que a principal função das escolas de Ensino Especial é reabilitar e inserir o indivíduo na sociedade, porque acreditam no potencial destas pessoas que também são cidadãs. Concluindo, podemos afirmar que, compreendendo a deficiência dos alunos, muitas barreiras poderão ser superadas e o desenvolvimento cognitivo e intelectual será de maior qualidade.
Área de Conhecimento: Ciências Humanas

Palavras-chave: educação especial; ensino especial e cidadania; alunos especiais e educação.


APRENDENDO ÁLGEBRA ATRAVÉS DA GEOMETRIA
Acadêmico(s): André Luis Pereira da Silva

Orientador(a): Profª. Ms. Valdina Gonçalves da Costa

Instituição: Universidade de Uberaba/Curso de Matemática
Com a evolução do mundo moderno através do advento da informatização, todos os campos do saber também sofreram profundas transformações. O sistema educacional brasileiro vem buscando acompanhar essa modernização que necessariamente não se restringe à informatização dos meios. Fundamentado neste princípio de aperfeiçoamento, a Educação Matemática também deve acompanhar tal processo de mudança e ser vista como um todo, integralizando-se às suas diversas “faces”. Sendo assim este projeto foi desenvolvido buscando uma relação direta entre a Geometria e a Álgebra conforme apontam os PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais): “(...) no desenvolvimento de conteúdos referentes à Geometria e medidas, os alunos terão também oportunidade de identificar regularidades, fazer generalizações, aperfeiçoar a linguagem algébrica e obter fórmulas. Como para cálculos das áreas”. (Brasil, 1998, pag. 118). Em consonância com os PCNs este projeto visa desenvolver a leitura, interpretação e aplicação de polinômios no Ensino de Geometria por meio da utilização de material concreto, oportunizando aos alunos a compreensão dos conceitos algébricos. Este projeto é parte do trabalho que esta sendo executado nas 8ªs séries da Escola Municipal Boa Vista, que teve a primeira atividade aplicada durante 4 horas divididas em dois dias (semanas diferentes) e a segunda atividade da mesma forma. As primeiras atividades foram sobre o perímetro e utilizou-se canudinhos de cores diferentes para representar os segmentos de reta. Cada cor foi nomeada com finalidade de se obter binômios e dar sentido ao ensino de álgebra. As demais atividades foram sobre área e utilizou-se caixas de papelão para construir as figuras. Atribuiu-se valores algébricos para a base e a altura com o fim de desenvolver a multiplicação de monômio por polinômio em figuras geométricas. Foi percebido que com a utilização do material concreto os alunos conseguem aprender com mais rapidez e lucidez os conceitos matemáticos. Como o projeto trabalha conceitos de Geometria e Álgebra juntos ficou claro nas atividades, que os alunos conhecem os conceitos de perímetro de um retângulo, mas não consegue distingui-los bem nas operações. E a utilização de recursos concretos nas aulas foi de suma importância para fortalecer a percepção do aluno com o aprendizado do conteúdo. A utilização de materiais concretos no desenvolvimento de conteúdos matemáticos, mostrou ser de suma importância para a aprendizagem, rompendo paradigmas de que a matemática é abstrata por natureza. Tal ferramenta deve ser usada com critério, como um meio para o desenvolvimento do cognitivo do aluno, mas não como um fim.
Área de Conhecimento: Ciências Humanas

Palavras-chave: álgebra, inter-disciplinaridade, lucidez.


AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO POR ÔNIBUS EM ARAGUARI - MG
Acadêmico(s): Cíntia Soares Barbosa

Orientador(a): William Rodrigues Ferreira

Instituição: Universidade Federal de Uberlândia/Curso de Geografia

Órgão Financiador: CNPq


O crescimento das cidades, espontâneo e desordenado, gera problemas que ocasionam a queda na qualidade de vida da população. Dentre esses, destacam-se as questões relacionadas ao Trânsito e Transporte. Aliados a estes problemas, ainda, têm-se à expansão da atividade imobiliária especulativa e o processo de verticalização. Esses provocam modificações nas relações sociais e na organização do espaço urbano. O sistema de transporte realizado por ônibus em áreas urbanas, constitui-se a tecnologia que apresenta maior flexibilidade, quanto às possibilidades de deslocamento, permitindo uma operação simples e um investimento relativamente baixo. A razão pela qual desenvolvemos este estudo é a inexistência de trabalhos semelhantes que analise e/ou avalie da qualidade dos serviços de transporte público urbano por ônibus no município de Araguari, uma vez que o mesmo enfrenta problemas referentes à infra-estrutura (vias de acesso, pontos de paradas, calçadas e frota) e ainda de gerenciamento e operação. Os procedimentos metodológicos utilizados para a realização da pesquisa foram, a pesquisa bibliográfica, pesquisa de campo e entrevistas junto a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos e a empresa Expresso Araguari, e ainda, com a população que utiliza o transporte coletivo. A presente pesquisa esta estruturada da seguinte forma: Introdução- aborda a relevância dos aspectos técnicos e a revisão bibliográfica sobre a questão em estudo O Capítulo I, discute a Legislação urbana, abordando a importância dos instrumentos urbanísticos no desenvolvimento do espaço urbano e suas conseqüência para a população. No capítulo II, “O Sistema de Transporte Público Urbano por Ônibus de Araguari” constitui-se num diagnóstico do município, levantando os principais problemas encontrados a nível de planejamento de transporte. No capítulo III, apresenta-se os resultados da pesquisa de opinião dos usuários do transporte público urbano por ônibus, demonstrando os níveis de satisfação quanto a qualidade e eficiência do sistema. Nas considerações finais, analisa-se a política pública adotadas para o transporte publico local, como a legislação trata a circulação, e ainda discute as condições dos serviços prestados. Concluindo, foi constatado inúmeras falhas referentes às atividades de transporte, que em sua maioria estão relacionadas à carência de acompanhamento técnico, o município necessita rever as políticas destinadas ao transporte público por ônibus, e ainda reconsiderar as decisões tomadas quanto ao desenvolvimento urbano, de modo especifico a questão do Plano Diretor.
Área de Conhecimento: Ciências Humanas

Palavras-chave: desenvolvimento, planejamento urbano, transporte.


ENSINO SUPERIOR: SABERES E PRÁTICAS EDUCATIVAS NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, BIOLÓGICAS E DA SAÚDE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
Acadêmico(s): Ana Lúcia Ribeiro Gonçalves

Orientador(a): Ana Maria de Oliveira Cunha

Co-orientador(a): Graça Aparecida Cicillini

Instituição: Universidade Federal de Uberlândia

Órgão Financiador: CNPq
A docência universitária é profissão que tem por natureza constituir um processo mediador entre sujeitos essencialmente diferentes, professor e alunos, no confronto e na conquista do conhecimento. Para desenvolvê-la, é fundamental iniciar pelo conhecimento da realidade institucional procedendo a um diagnóstico para o levantamento dos problemas presentes na realidade em questão. Observa-se no momento atual, uma crescente preocupação de investigadores com a formação e o desenvolvimento profissional dos professores universitários, que extrapola suas experiências relativas ao processo de ensinar. Os resultados preliminares apresentados neste trabalho são parte de uma pesquisa maior intitulada: Desenvolvimento profissional e Docência Universitária: saberes e práticas educativas, em desenvolvimento pelo Núcleo de Saberes e Práticas Educativas (NUPESPE). Essa pesquisa tem como objetivo investigar como o docente universitário desenvolve-se profissionalmente, que saberes e práticas permeiam sua atuação, ou seja, quem são, o que pensam e o que sabem fazer os profissionais que atuam no contexto da Universidade Federal de Uberlândia. Os dados aqui analisados foram constituídos a partir e um questionário piloto aplicado a uma amostra de professores pertencentes às áreas de Ciências Agrárias, Biológicas e da Saúde. Constatou-se que 66,7% dos docentes investigados são doutores e 33,3% são mestres. Em sua maioria enquadram-se em regime de trabalho com dedicação exclusiva, estudaram ou tiveram sua formação, em boa parte do tempo, em escolas públicas, pretendem, nos próximos cinco anos, permanecer investindo na formação. Os esportes de maior preferência são: natação, vôlei, ginástica e futebol. Quanto aos gêneros musicais, pela ordem de preferência, foram mencionadas as músicas populares, músicas instrumentais e músicas clássicas. O teste piloto forneceu subsídio para elaboração do instrumento final da pesquisa e já permitiu delinear algumas características dos docentes das áreas investigadas.
Área de Conhecimento: Ciências Humanas

Palavras-chave: docência universitária, ensino superior, desenvolvimento profissional.


VITIMIZAÇÃO E RAÇA: A INFLUÊNCIA DA AUTO-PERCEPÇÃO DE COR OU RAÇA DE VÍTIMAS DE ROUBO E AGRESSÃO FÍSICA SOBRE A CLASSIFICAÇÃO RACIAL DO AGRESSOR
Acadêmico(s): André Drumond Mello Silva

Ana Amélia de Paula Laborne

Orientador(a): Prof. Marlise Matos

Co-orientador(a): Mauro Jerônimo

Instituição: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
A partir do final da década de setenta, grande parte da sociologia brasileira tem percebido a nossa sociedade como palco de grandes assimetrias nas relações raciais (Fernandes 1978; Telles 2003). Florestan Fernandes foi o primeiro a perceber que a democracia racial – conceito utilizado na argumentação segundo a qual as relações raciais na sociedade brasileira, marcadamente miscigenada e plástica, não guardariam lugar para o preconceito – não passava de um mito, uma idéia que escondia preconceitos e relações hierárquicas entre as raças. Mais recentemente, alguns autores têm se dedicado a compreender tais relações no que tange a vitimização (Adorno 1996; Guimarães 1999), isto é, como a existência de percepções valorativas e verticais entre raças se mostra, ou toma corpo, nas relações de vitimização. A partir dos dados coletados na Pesquisa de Vitimização do CRISP/UFMG (2002), o presente trabalho foi desenvolvido no intuito de compreender a vitimização a partir de uma análise da percepção que a vítima constrói do seu agressor, no que tange à variável cor ou raça. Com as informações dos 3915 questionários aplicados na cidade de Belo Horizonte, considerando as questões relacionadas a casos de roubo e agressão física, procuramos investigar em que medida a auto-classificação de cor ou raça da vítima influenciaria na percepção que a mesma tem da cor ou raça do agressor. Pretendemos, assim, avaliar de que maneira o fato de uma vítima declarar-se agredida por indivíduos de uma determinada cor ou raça estaria associado à sua auto-classificação racial. Para tal, utilizamos a classificação racial proposta pelo IBGE (branca, preta, parda, amarela ou indígena), cruzando com os dados referentes à percepção racial que entrevistados vítimas de agressão física e roubo têm de seus agressores. Nos casos de agressão física não percebemos diferenças significativas na percepção de cor ou raça dos agressores: pretos, pardos e brancos tendencialmente classificam seus agressores de forma semelhante, ou seja, existe similitude na percepção das raças, não privilegiando nenhuma cor ou raça. No entanto, o mesmo não se aplica aos casos de roubo, nos quais as vítimas pesquisadas preferencialmente percebem seus agressores como de cor parda, o que pode ser comprovado pelo teste de significância qui-quadrado. Entendendo “raça” como um recurso discursivo construído para categorizar diferenças, se torna relevante a constatação de tendências na percepção racial do agressor por parte da vítima, uma vez que sinaliza a existência de assimetrias valorativas no que diz respeito à raça.
Área de Conhecimento: Ciências Humanas

Palavras-chave: raça, cor, vitimização, roubo, agressão física.


A CRISE DA RACIONALIDADE: SUAS CAUSAS E SUAS CONSEQUENCIAS SEGUNDO A TEORIA CRITICA DE MAX HORKHEIMER
Acadêmico(s): Sara Ferreira Martins

Orientador(a): Rafael Cordeiro Silva

Co-orientador(a): Bento Itamar Borges

Instituição: Universidade Federal de Uberlândia

Órgão Financiador: Universidade Federal de Uberlândia
O texto Observações sobre ciência e crise é situado na primeira fase do pensamento de Max Horkheimer, esta primeira fase vai de 1930 até 1937, e, é marcada pela fundamentação dos conceitos do autor. Nesta fase podemos notar a presença de conceitos marxistas. Desta forma, Horkheimer inicia o texto com a afirmação que a ciência, segundo a teoria marxista, está inclusa entre forças produtivas e que é um meio de produção de riquezas, e, portanto, influi na vida social. A ciência como força produtiva e meio de produção possibilita o sistema industrial moderno, porém, a ciência vista deste modo não pode ser entendida como uma teoria pragmática do conhecimento. Pois a ciência não deve preocupar-se apenas em sanar carências práticas da sociedade, mas também com seu progresso teórico, e, assim os interesses sociais não devem decidir sobre uma verdade, pois um juízo científico não é um juízo de valor. Assim, a ciência modifica-se no processo histórico, e mesmo sendo compreendida em uma dinâmica histórica não deve perder seu caráter próprio e ser entendida apenas de forma utilitarista. Ao recusar o pragmatismo, Horkheimer, não aceita a tradição positivista que separa teoria e práxis. Neste contexto, o autor identifica uma crise econômica geral e a ciência aparece em meio a esta crise como um meio de produção de riquezas, porém, esta riqueza não é distribuída igualitariamente entre os homens. E assim como as forças produtivas, que não são bem utilizadas pelos os homens, a ciência segue também pelo mesmo caminho e isto compromete o seu desenvolvimento qualitativo e quantitativo. Como forma de justificar a crise vivida há uma crítica ao pensamento racional e científico, assim há um apelo ao desenvolvimento psíquico em detrimento à razão crítica, pois há uma crença de que a razão não contribui para o desenvolvimento da indústria. Esta forma de pensamento é condenada por Horkheimer, pois ele critica toda vertente filosófica que busque o sentido originário do ser ou algum fundamento intuitivo para o conhecimento. Logo, Horkheimer afirma que as deficiências da ciência são provenientes de um estrangulamento da sua racionalidade, originado por um motivo interno que é a perda da referência da ciência em relação a valores e um motivo externo que é a incapacidade de mitigar a calamidade geral. Portanto, a crise da ciência se deve à crise econômica, pois a ciência é um retrato da economia contraditória, já que esta é monopolística, mundialmente desorganizada e caótica e apesar de possuir muita riqueza não consegue remediar a miséria
Área de Conhecimento: Ciências Humanas

Palavras-chave: racionalidade, ciência , economia.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   21


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal