Da universidade de uberaba



Baixar 0.85 Mb.
Página3/21
Encontro19.07.2016
Tamanho0.85 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   21

CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 125

ANIMAÇÃO FACIAL UTILIZANDO MPEG-4. Marize Corrêa Simões (aluna), Prof. Anibal Evaristo Fernandes (orientador) 126

FRAMEWORK PARA JOGOS MULTI-USUÁRIOS EM TELEFONES CELULARES. Daniel Augusto de Andrade Sacramento (aluno), Prof. Guilherme Rocha Ribeiro (orientador) 127

PCHAT - COMUNICAÇÃO INTERATIVA UTILIZANDO COMPUTAÇÃO MÓVEL. Thiago Henrique Silva (aluno), Prof. Guilherme Rocha (orientador) 128

WAVELETS BIORTOGONAIS. Arnaldo José Pereira Rosentino Junior (aluno), Prof. José Eduardo Castilho (orientador) 129

ESTUDO E APLICAÇÃO DE EXTRATOS BRUTOS DE FLORES DE UMA QUARESMEIRA, Tibouchina granulosa COGN, COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE. Geandre de Carvalho Oliveira (bolsista do PIBIC-UNIUBE), Prof. Mauro Luiz Begnini (orientador) 130



CIÊNCIAS HUMANAS 131

A FAMÍLIA NA CRECHE: UM ENFOQUE ECOLÓGICO EM FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Débora Nogueira Tomás (bolsista do PIBIC-CNPq), Profª. Eulália H. Maimone (orientador) 132

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM SERVIÇO NA ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR ANÍSIO TEIXEIRA. Jane Magali Fernandes C. Genarcki (bolsista do PIBIC-CNPq), Prof. Luis Eduardo Alvarado Prada (orientador) 133

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NAS DÉCADAS DE SETENTA E OITENTA DO SÉCULO XX NO COLÉGIO NOSSA SENHORA DAS DORES: CONTRIBUIÇÕES PARA O DEBATE. Alexandre Augustus Cardoso (bolsista do PIBIC-CNPq), Profª. Dirce Maria Falcone Garcia (orientadora) 134

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA UNIUBE: ANALISANDO AS FRONTEIRAS DO SABER-PODER. Osana Maria Leal Silva (Bolsista do PIBIC-FAPEMIG), Profª.Ana Maria Faccioli de Camargo (orientadora) 135

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UNIUBE: UMA TENTATIVA DE CONCEITUALIZAÇÃO. Gilmar Batista Rosa (bolsista do PIBIC-FAPEMIG) - in memorian, Prof. Luis Eduardo Alvarado Prada (orientador) 136

REPERTÓRIO CULTURAL DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE UBERABA (MG) E SUAS REPERCUSSÕES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA. Gisele Passos Costa (bolsista do PIBIC-FAPEMIG), Profª. Célia Maria de Castro Almeida (orientadora) 137

SOCIEDADE EM REDE, TRABALHO DOCENTE E SUBJETIVIDADES CONTEMPORÂNEAS. Cristiana Chaves Aveiro (Bolsista do PIBIC-FAPEMIG), Profª. Sálua Cecílio (orientadora) 138

A DISCIPLINA JURÍDICA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL QUANTO A TEORIA DA PRÉ-OCUPAÇÃO. Karoline Tortoro Barros (aluna), Profa. Maria Cristina Vidotte Blanco Tarrega (orientadora) 139

A HIERARQUIA NORMATIVA DOS TRATADOS E CONVENÇÕES RATIFICADOS PELO BRASIL. Maurício Andrade Guimarães (aluno), Prof. Fabrício Santana (orientador) 140

A NECESSIDADE DE IMPUTAÇÃO DA RESPONSABILIDADE PENAL ÀS PESSOAS JURÍDICAS COMO ADEQUAÇÃO DO SISTEMA PENAL BRASILEIRO AO DESENVOLVIMENTO POLÍTICO-CRIMINAL ATUAL. Lidiane Karolline Alves Silva (aluna), Prof. Cícero José Alves Soares Neto (orientador) 141

DESIGUALDADES SOCIAIS, CAPITAL SOCIAL E DESIGUALDADE POLÍTICA. Fabrício Mendes Fialho (aluno), Prof. Bruno Pinheiro Wanderley Reis (orientador) 142

O CURSO DE DIREITO NA ACADEMIA DE SÃO PAULO: A REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR NO ENSINO JURÍDICO (BRASIL, 1879-1901), Felipe José Vidal Evangelista (bolsista do PIBIC-UNIUBE), Prof. Otaviano José Pereira (orientador) 143

TEORIA GERAL DOS CONTRATOS NO DIREITO PÁTRIO: DA CONCEPÇÃO CLÁSSICA À MODERNA (ANÁLISE COMPARATIVA). Jacqueline Borges de Faria (aluna), Prof. Cícero José Alves Soares Neto (orientador) 144

O PODER DE POLÍCIA E A INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA. Thalles Ferreira Costa (aluno), Profª. Márcia Leonora Santos Régis Orlandini (orientadora) 145

A ATUAÇÃO E A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA ATUALIDADE: (RE) CONFIGURAÇÕES ENTRE A CIDADE E O CAMPO. Tânia Mara Bianchini (aluna), Profª. Márcia Helena de Lima (orientadora) 146

A CONSTRUÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA NO CURSO DE PEDAGOGIA: ATUALIDADES E DESAFIOS EDUCACIONAIS EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO. Renê Aparecida Ferreira (aluna), Profª. Márcia Helena de Lima (orientadora) 147

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA ATUALIDADE: DESAFIOS E POSSSIBILIDADES NA CIDADE DE UBERLANDIA (MG). Tatiana Bianchini (aluna), Profª. Márcia Helena de Lima (orientadora) 148

APRENDENDO ÁLGEBRA ATRAVÉS DA GEOMETRIA. André Luis Pereira da Silva (aluno), Profª. Valdina Gonçalves da Costa (orientadora) 149

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO POR ÔNIBUS EM ARAGUARI - MG. Cíntia Soares Barbosa (aluna), Prof. William Rodrigues Ferreira (orientador) 150

ENSINO SUPERIOR: SABERES E PRÁTICAS EDUCATIVAS NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, BIOLÓGICAS E DA SAÚDE NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Ana Lúcia Ribeiro Gonçalves (aluna), Profª. Ana Maria de Oliveira Cunha (orientadora) 151

VITIMIZAÇÃO E RAÇA: A INFLUÊNCIA DA AUTO-PERCEPÇÃO DE COR OU RAÇA DE VÍTIMAS DE ROUBO E AGRESSÃO FÍSICA SOBRE A CLASSIFICAÇÃO RACIAL DO AGRESSOR. André Drumond Mello Silva (aluno), Profª. Marlise Matos (orientadora) 152

A CRISE DA RACIONALIDADE: SUAS CAUSAS E SUAS CONSEQUENCIAS SEGUNDO A TEORIA CRITICA DE MAX HORKHEIMER. Sara Ferreira Martins (aluna), Prof. Rafael Cordeiro Silva (orientador) 153

A HISTÓRIA DO MOVIMENTO ESTUDANTIL EM UBERABA DURANTE A DITADURA MILITAR (1964/1985). Mozart Lacerda Filho (aluno), Profª. Eliane Mendonça Marquez de Rezende (orientadora) 154

DÁDIVA E AUTO-AJUDA NO UNIVERSO DO CONSUMO EM UBERLÂNDIA. Carolina Rezende Pereira (aluna), Prof. Paulo Roberto Albieri Nery (orientador) 155

HISTÓRIA E FORMAÇÃO POLÍTICA DO INTELECTUAL-GUERRILHEIRO ERNESTO “CHE” GUEVARA. Jamil Idaló Júnior (aluno), Profª. Heladir Josefina Saraiva e Silva (orientadora) 156

PERSPECTIVAS DO MERCADO TURÍSTICO DO BRASIL NOS PRÓXIMOS ANOS. Amanda Cunha de Freitas (aluna), Prof. Cássio Silveira da Silva (orientador) 157

ROUSSEAU E A CRÍTICA À SOCIEDADE. Ciro Lourenço Borges Júnior (aluno), Prof. Luiz Felipe Netto de Andrade e Silva Sahd (orientador) 158

PROJETO BEIJA-FLOR. Sylvia Daniela Centeno Martins de Gouvêa (aluna), Prof. Cássio Silveira da Silva (orientador) 159

ALFABETIZAÇÃO EM MATO GROSSO: UMA CONTRIBUIÇÃO DA HISTÓRIA ORAL NO PERÍODO DE 1971 A 2000. Cristiane Alves Ferreira (aluna), Profª. Cancionila Janzkovski Cardoso (orientadora) 160

ALFABETIZAÇÃO EM MATO GROSSO: LEVANTAMENTO DE FONTES E DADOS PARA A CONSTRUÇÃO DE SUA HISTÓRIA (1940-1970). Marijâne Silveira da Silva (aluna), Profª. Lázara Nanci de Barros Amâncio (orientadora) 161

CONHECIMENTO SOCIAL E APRENDIZAGEM ESCOLAR: FUNDAMENTOS PARA UMA DIDÁTICA ATIVA. Juliana Fernandes Rocha (aluna), Profª. Carmen Campoy Scriptori (orientadora) 162

O TEATRO SAGRADO. Diógenes Alexandro Marques (aluno), Profª. Sandra Mara Dantas (orientadora) 263

CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS 164

A FLEXIBILIZAÇÃO DA CLT INSERIDA NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO. Luana Jaqueline de Almeida (aluna), Profª. Márcia Leonora Orlandini (orientadora) 165

OS CONTRATOS TEMPORÁRIOS DE TRABALHO E A FLEXIBILIZAÇÃO DA CLT. Viviane de Sousa Rocha (aluna), Prof. Rubens Alves (orientador) 166

APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR: PRERROGATIVA ESSENCIAL À EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS. Ludmila de Paula Castro Silva (aluna), Prof. Henrique Alves Pinto (orientador) 167

O DESRESPEITO AO DIREITO FUNDAMENTAL À INFORMAÇÃO COMO AMEAÇA À LEGITIMIDADE DA REFORMA DO JUDICIÁRIO. Beatriz Auxiliadora Rezende Machado (aluna), Prof. Cícero José Alves Soares Neto (orientador) 168

CRÍTICAS AO TRATAMENTO LEGAL DA QUESTÃO DO DIREITO DO TRABALHO PARA DEFICIENTES FÍSICOS. Cíntia Cristina Silvério (aluna), Profª. Márcia Leonora Orlandini (orientadora) 169

A INIMPUTABILIDADE PENAL DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: UM DIREITO FUNDAMENTAL INDIVIDUAL. Fernanda de Miranda Martins (aluna), Profª. Márcia Leonora Orlandini (orientador) 170

A DISCRICIONARIEDADE NO DIREITO ADMINISTRATIVO. Alexandre Calixto de Almeida (aluno), Profª. Shirlei Silmara de Freitas Mello (orientadora) 171

COMPETÊNCIA E COISA JULGADA NO ÂMBITO DA TUTELA DOS DIREITOS TRANSINDIVIDUAIS. Bianca do Prado Pagotto (aluna), Profª. Márcia Leonora Santos Régis Orlandini (orientadora) 172

CONFLITOS ENTRE TRATADOS INTERNACIONAIS E LEIS INTERNAS. Thiago Gonçalves Paluma Rocha (aluno), Profª. Heloísa Assis de Paiva (orientadora) 173

O PODER DISCIPLINAR NO DIREITO ADMINISTRATIVO. Jacqueline Calixto de Almeida (aluna), Profª. Renata Rocha Guerra (orientadora) 174

FATORES QUE INCIDEM NA DEMANDA TURÍSTICA. Sibila Reis Pacheco (aluna), Prof. Cassio Silveira da Silva (orientador) 175

A PERENE REALIDADE DO TRABALHO INFANTIL NO BRASIL. Vanessa de Brito Silva (aluna), Prof. Ricardo Viola (orientador) 176

A PROMISCUIDADE DAS ALIANÇAS PARTIDÁRIAS NO SISTEMA ELEITORAL BRASILEIRO. Thiago Santos Rocha (aluno), Prof. Pérsio Henrique Barroso (orientador) 177

CARTAS À REDAÇÃO: O LEITOR ENTRA EM CENA – O EXERCÍCIO DA CIDADANIA ATRAVÉS INTERAÇÃO LEITOR/PUBLICAÇÃO. Ricardo Santhiago Corrêa (aluno), Profª. Rachel Balsalobre (orientadora) 178

MULHERES CHEFES DE FAMÍLIA: ARRANJOS FAMILIARES E PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DE TRABALHADORAS DO SETOR DE ZELADORIA DA UNIVERSIDADE DE UBERABA. Nívia Clemente (aluna), Profª. Rosimar Alves Querino (orientadora) 179

O COMDICAU: LIMITES E POSSIBILIDADES DA PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO REORDENAMENTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS (UBERABA/MG). Mariana Furtado Arantes (aluna), Prof. João Antônio Rodrigues (orientador) 180

“PÁTIO DE MILAGRES”: O ESPAÇO URBANO UBERABENSE E O ESPETÁCULO DA POBREZA (1945/1964). Éder Ferreira (aluno), Profª. Rosimar Alves Querino (orientadora) 181

POR TRÁS DOS BASTIDORES: DANDO VISIBILIDADE À VIOLÊNCIA DE GÊNERO EM UBERABA (1999/2003). Raquel Assunção (aluna), Profª. Rosimar Alves Querino (orientadora) 182

VIDAS INSTITUCIONALIZADAS: O CASO DO ABRIGO LAR DA CARIDADE (UBERABA-MG). Patrícia Mendes da Silva (aluna), Profª. Rosimar Alves Querino (orientadora) 183



ENGENHARIAS 184

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA ANÁLISE MULTICRITÉRIO NO ESTUDO DA MALHA URBANA DE UBERABA – MG. Leisimar Palis Costa (Bolsista do PIBIC-CNPq), Prof. Márcio Augusto de Sousa Nogueira (orientador) 185

IDENTIFICAÇÃO E MODELAGEM DO CAMPO ELÉTRICO EMITIDO PELOS CARAPÓS. Cíntia Ribeiro Andrade (aluna), Prof. Márcio Falcão Santos Barroso (orientador) 186

GERENCIAMENTO REMOTO DE HARDWARE E SOFTWARE. Laura Rita Maria (aluna), Prof. André Luís Silva de Paula (orientador) 187

ESTUDO DE CASO PARA ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS VAPOR DE MERCÚRIO POR LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS UTILIZADAS NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Gabriel Marques Vidal Pereira (aluno), Prof. Milton Itsuo Samesima (orientador) 188

CALIBRADOR DE INDICADORES DE VAZÃO E INDICADORES VOLUMÉTRICOS DE CAPACIDADE. Carlos Eduardo Rodrigues Nogueira (aluno), Prof. Francisco Ermelindo Magalhães (orientador) 189

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E DE SUPORTABILIDADE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS. Gabriel Marques Vidal Pereira (aluno), Prof. Milton Itsuo Samesima (orientador) 190

LINGÜÍSTICA, LETRAS E ARTES 191

COM QUANTOS NÃOS SE FEZ UM SOM - ITAMAR ASSUMPÇÃO E A INDÚSTRIA FONOGRÁFICA: A CRIAÇÃO ARTÍSTICA COMO PRODUTO DAS RELAÇÕES COM O MERCADO. Ricardo Santhiago Corrêa (aluno), Profª. Flamínia Lodovici (orientadora) 192

O DISCURSO DO NEGRO NA SOCIEDADE UBERABENSE: PRECONCEITO ÉTNICO. Janaina Perpétuo da Silva (aluna), Profª. Mara Cristina Piolla Hillesheim (orientadora) 193

O ESCRITOR NEGRO BRASILEIRO E A PRODUÇÃO LITERÁRIA. Ana Cristina Borges Fiuza (aluna), Profª. Sandra Maria Ramos de Godoi (orientadora) 194

UM BREVE ESTUDO SOBRE A ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA E SUAS TRANSFORMAÇÕES - DO LATIM AOS NOSSOS DIAS. Elber Augusto de Almeida (aluno), Profª. Leila Janice Maxwell 195


CIÊNCIAS AGRÁRIAS
ESTUDO COMPARATIVO ENTRE KETOPROFENO E FLUNIXIN MEGLUMINE NA MODULAÇÃO NEUROENDÓCRINA À DOR PÓS-OPERATÓRIA DE CÃES SUBMETIDOS A OVARIOHISTERECTOMIA
Acadêmico(s): Thiago Cunha Nunes (bolsista do PIBIC-CNPq)

Orientador(a): Prof. Dr. Moacir Santos de Lacerda

Instituição: Universidade de Uberaba/Medicina Veterinária

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE e PIBIC-CNPq


O objetivo deste estudo foi avaliar, de forma comparativa, a contribuição do ketoprofeno e flunixin meglumin, quando administrados profilaticamente, na modulação da resposta neuroendócrina à dor após cirurgia abdominal (ovariohisterectomia) em cães, através da mensuração do cortisol e glicemia. Foram utilizadas 30 cadelas, provenientes do Projeto de Extensão junto à Sociedade Protetora dos Animais de Uberaba admitidas para o tratamento cirúrgico de ovariohisterectomia no Centro Cirúrgico de Pequenos Animais do Hospital Veterinário de Uberaba. Os animais foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos de 10 animais cada. O Grupo I (k) recebeu 1.0mg/kg de ketoprofeno e o Grupo II (F) 1,1mg/kg de flunixin meglumine, em estudo duplo-cego. Ambos os agentes foram administrados por via intravenosa, diluídos em 10ml de solução salina, em período de 3 minutos antes da incisão cutânea. O procedimento anestésico utilizado em todos animais foi a administração de acepromazina (0,1mg/kg). A indução anestésica foi feita com midazolan (0,5mg/kg) e quetamina (2,0mg/kg) associados na mesma seringa, pela via intravenosa. Após, os animais foram intubados com sonda compatível ao diâmetro da traquéia. Para a manutenção anestésica foi utilizado isofluorano em 100% de oxigênio, em circuito circular semifechado mantendo o animal em plano anestésico compatível com o procedimento cirúrgico. O cortisol e a glicose foram mensurados 30 minutos antes da medicação pré-anestésica (controle), imediatamente após a aplicação dos agentes analgésicos (T0), 60 minutos (T1) e 12 (T2) e 24 (T24) horas após a administração destes. Os níveis de cortisol aumentaram nos momentos pré e transoperatório, diminuindo após 12 e 24 horas. A glicemia seguiu os padrões do cortisol devido à inibição da síntese de insulina. Diante dos resultados, foi possível concluir que o uso de ketoprofeno e fluxin meglumine, quando administrado de forma profilática, contribuem para minimizar a hiperglicemia e a liberação de cortisol em resposta à dor decorrente da ovariohisterectomia no período de 24 horas de avaliação.
Área de Conhecimento: Ciências Agrárias

Palavras-chave: cão; dor; cortisol; glicose.



AVALIAÇÃO CLÍNICA E HEMATOLÓGICA DA ASSOCIAÇÃO ATROPINA/CETAMINA-S/XILAZINA E ACEPROMAZINA/TILETAMINA/ZOLAZEPAN EM CÃES
Acadêmico(s): Lidiani Mara Assis Araújo (bolsista do PIBIC-UNIUBE)

Orientador(a): Prof. Dr. Moacir Santos de Lacerda

Instituição: Universidade de Uberaba/Medicina Veterinária

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE e PIBIC-UNIUBE


A anestesia dissociativa é um dos protocolos de maior difusão na prática anestésica de cães e as associações atropina/cetamina-s/xilazina e acepromazina/ tiletamina/zolazepan são utilizadas como técnicas preferenciais na anestesia de pequenos animais. O objetivo foi avaliar o efeito da associação atropina/cetamina-s/xilazina e acepromazina/ tiletamina/zolazepan sobre os valores do hemograma bem como as alterações clínicas em cães. Foram utilizadas 10 fêmeas provenientes do Projeto de Extensão junto à Sociedade Protetora de Animais de Uberaba, admitidas para o tratamento cirúrgico de ovariohisterectomia no Centro Cirúrgico de Pequenos Animais do Hospital Veterinário de Uberaba, divididas em dois grupos. O Grupo I recebeu 0.1mg/kg de acepromazina via intramuscular como medicação pré-anestésica, seguido após 20 minutos da administração via intramuscular de 10mg/kg da associação de tiletamina/zolazepan e o Grupo II recebeu 0.044mg/kg de sulfato de atropina via subcutânea como medicação pré-anestésica seguida, após 20 minutos da administração de 15mg/kg de cetamina-s e 1 mg /kg de xilazina em uma mesma seringa, em estudo duplo-cego. Durante todo o procedimento cirúrgico foi monitorada a pressão arterial sistólica, os valores de saturação periférica de hemoglobina, além das freqüências cardíaca, respiratória e temperatura. Os parâmetros foram mensurados 30 minutos antes da medicação pré-anestésica (controle), imediatamente antes da aplicação das associações anestésicas (M0), 15 (M1), 30 (M2), 45 (M3) e 60 (M4) minutos após a administração destes. Para o estudo do hemograma foram coletadas amostras de sangue venoso 30 minutos antes da medicação pré-anestésica (controle), no final do estudo, ou seja, 60 minutos após a aplicação das associações anestésicas e 24 horas após o término do estudo. O valor de hemácias, hematócrito, hemoglobina, volume globular médio e leucócitos totais diminuíram no tempo 60 (T60) e voltaram a aumentar 24 horas após o estudo. A pressão arterial sistólica, apesar de variar de maneira positiva em momentos do experimento, mostrou-se dentro de valores normais. A freqüência cardíaca aumentou em ambos os grupos quando comparados com o controle. A freqüência respiratória manteve-se dentro de parâmetros normais ou ligeiramente elevados devido ao pouco efeito depressor dos agentes dissociativos cetamina e tiletamina. Os valores médios da temperatura corporal para o grupo I estão dentro dos valores normais, porém diminuíram quando comparados com o controle. No grupo II a temperatura corporal diminuiu de maneira significativa quando comparada com o controle. Conclui-se que os valores de hemácias, hemoglobina, hematócrito, volume globular médio leucócitos totais diminuem no tempo 60 e aumentam após 24 horas. A associação do protocolo não interfere de maneira significativa nos valores de SpO2, pressão arterial sistólica, freqüência cardíaca e respiratória e a temperatura diminui de maneira significativa.
Área de Conhecimento: Ciências Agrárias

Palavras-chave: cão; anestesia dissociativa; hemograma.


AVALIAÇÃO DO PERFIL SOROLÓGICO DA BABESIOSE BOVINA EM ANIMAIS ZEBUÍNOS DA REGIÃO DE UBERABA
Acadêmico(s): Nelson Lopes Veludo Júnior

Orientador(a): Drª Joely Ferreira Figueiredo Bittar

Co-orientador(a): Dr. Eustáquio Resende Bittar

MSc Valdair Jósimo Carvalho Landim

Instituição: Universidade de Uberaba/Medicina Veterinária

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE


A babesiose é uma doença que ocorre nos países de clima tropical e subtropical constituindo-se em empecilho para o desenvolvimento da indústria bovina, por ocasionar altas taxas de mortalidade, perdas na produção de carne e leite, elevados custos de medidas profiláticas e de controle da doença. No Brasil, é causada principalmente por duas espécies: a Babesia bovis e a Babesia bigemina, que em condições naturais, são transmitidas pelo carrapato Boophilus microplus. Geralmente essa enfermidade é mais prevalente nos animais europeus do que nos zebuínos, porém o que se tem observado na clínica de grandes animais é que alguns zebuínos adoecem e morrem por babesiose provavelmente devido ao uso indiscriminado de produtos carrapaticidas ou práticas de manejo que não permitam o contado dos animais com os vetores e assim não desenvolvem uma resposta imune efetiva para o controle dos hemoparasitas. Nesse contexto, o objetivo desse trabalho foi avaliar o nível da resposta imune em animais zebuínos da região de Uberaba, MG frente a babesiose bovina. Para isso, sangue de 72 animais de origem indiana, sendo 36 vacas e 36 bezerros, foi colhido para a obtenção do soro. Após análise do soro através do teste de imunofluorescência indireta para observação dos níveis de anticorpos pode-se observar que os títulos variaram de zero a 320. Em relação aos animais adultos, seis (16,6%) apresentaram-se negativos tanto para B. bovis quanto para B. bigemina. Já em relação aos bezerros, seis (16,6%) não apresentaram anticorpos para B. bovis e sete (19,4) não possuíam anticorpos para B. bigemina. Os outros animais tanto adultos quanto jovens apresentaram títulos de anticorpos, porém, muito baixos. Não se observou diferença estatística entre os adultos e os jovens. Em relação à faixa etária dos animais observou-se que 100% dos animais com um mês, 50% dos com três meses, 71,42 dos com cinco meses não possuíam anticorpos contra B. bovis e/ou B. bigemina. Os baixos títulos de anticorpos ou mesmo a ausência destes faz com que animais fiquem susceptíveis as hemoparasitoses, pois não possuem anticorpos para neutralizar os esporozoítos de Babesia ou os merozoítos livres, encontrados no estágio extracelular do parasito.
Área de Conhecimento: Ciências Agrárias

Palavras-chave: babesiose, zebuíno, imunofluorescência.


AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA INFESTAÇÃO DE CARRAPATOS EM ANIMAIS ZEBUÍNOS DA REGIÃO DE UBERABA E A SUA CORRELAÇÃO COM A BABESIOSE BOVINA
Acadêmico(s): Tiago Moraes Ferreira (bolsista do PIBIC-UNIUBE)

Orientador(a): Drª Joely Ferreira Figueiredo Bittar

Co-orientador(a): Dr. Eustáquio Resende Bittar

MSc Valdair Josino Carvalho Landim

Instituição: Universidade de Uberaba/Medicina Veterinária

Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE e PIBIC-UNIUBE


A babesiose bovina é uma doença causada pelos hemoparasitos B. bovis e B. bigemina e transmitida pelo carrapato Boophilus microplus. Essa doença se tornou mais preocupante a partir do momento que novas práticas de manejo passaram a ser utilizadas, como o sistema free stall, o aleitamento artificial de bezerros e principalmente o uso indevido de carrapaticidas, que propiciam o aparecimento de áreas de instabilidade enzoótica, devido ao restrito contato dos animais com os carrapatos. Nesse contexto, o objetivo do trabalho foi avaliar a infestação de carrapatos em animais zebuínos da região de Uberaba e sua implicação na clínica da babesiose bovina. Para isso, 72 animais zebuínos de diferentes faixas etárias (36 vacas e 36 bezerros) foram avaliados quanto ao perfil parasitológico (número de carrapatos e esfregaço de ponta de orelha) e perfil hematológico. A avaliação parasitológica dos animais revelou baixas infestações de carrapatos tanto nos bezerros quanto nas vacas devido ao uso indiscriminado de produtos carrapaticidas. Os animais não apresentaram merozoítos de B. bovis e/ou B. bigemina nos esfregaços de ponta de orelha e/ou cauda devido a baixa infestação de carrapatos ou pela resistência dos zebuínos em relação a babesiose. Os animais não apresentaram alteração no perfil eritrocitário, mas 22,2% das vacas e 58,3% dos bezerros apresentaram leucocitose. Os valores absolutos de bastonetes, monócitos, eosinófilos e basófilos nos animais jovens e adultos permaneceram dentro dos níveis considerados normais para a espécie. Isso revela que os animais não estão tendo contato com os ectoparasitos e isso pode propiciar o aparecimento de babesiose clínica, uma vez que os animais não desenvolvem uma boa resposta imune.
Área de Conhecimento: Ciências Agrárias

Palavras-chave: carrapatos, babesiose, zebuínos.


AVALIAÇÃO HEMATOLÓGICA, BIOQUÍMICA, E IMUNOLÓGICA DE CÃES PARASITADOS POR Babesia E/OU Ehrlichia canis
Acadêmico(s): Eloá Inocencio do Nascimento (bolsista do PIBIC-UNIUBE)

Orientador(a): Dr. Eustáquio Resende Bittar

Co-orientador(a): Drª Joely Ferreira Figueiredo Bittar

Instituição: Universidade de Uberaba/Medicina Veterinária



Órgão Financiador: PAPE-UNIUBE e PIBIC-UNIUBE
Na clínica de pequenos animais freqüentemente observam-se cães parasitados por carrapatos e com sinais clínicos de febre, anemia, icterícia, hemoglobinúria, anorexia, linfadenopatia e/ou esplenomegalia. Nesses casos os clínicos suspeitam de duas enfermidades babesiose e/ou erliquiose canina. A babesiose canina tem como principal agente etiológico o hemoparasita Babesia canis, enquanto que erliquiose é causada pela Rickettsia Ehrlichia canis. Essas enfermidades são transmitidas pelo carrapato trioxeno Rhipicephalus sanguineus e acometem cães domésticos e canídeos silvestres e são encontradas em regiões tropicais, subtropicais e em climas temperados. O diagnóstico da babesiose e erliquiose canina é baseado no histórico e na sintomatologia e confirmado pela detecção do parasita em esfregaço de sangue periférico corado pelo método de Giemsa. Embora este exame seja usado rotineiramente na clínica, ele mostra-se falho por não diagnosticar casos crônicos, visto que o parasita tem tropismo para capilares viscerais e que torna difícil a detecção de hemácias e monócitos parasitados na circulação periférica. Portanto, o resultado negativo não necessariamente elimina a possibilidade de infecção e isso dificulta o tratamento, uma vez que, o clínico não sabe realmente qual agente etiológico está causando o problema. Nesse contexto, esse trabalho visou avaliar hematológica, bioquímica e imunologicamente os animais parasitados por carrapatos e conseqüentemente com Babesia e/ou Ehrlichia, no intuito de se conhecer melhor as alterações que esses parasitos causam nos animais. Para isso, sangue de 11 cães foi colhido com e sem anticoagulante para a avaliação do perfil hematológico, bioquímico e sorológico. Dos 11 animais avaliados um (9,1%) apresentou intensa anemia e três (27,27%) policitemia. Em relação ao perfil leucocitário, um animal (9,1%) apresentou leucocitose e um leucopenia (9,1%). Os valores absolutos de bastonetes, monócitos, eosinófilos e basófilos nos animais jovens e adultos permaneceram dentro dos níveis considerados normais para a espécie. Em relação ao perfil bioquímico observou-se que as proteínas totais variaram de 5,2 a 10,4 e que 36,36% dos animais apresentavam hiperproteinemia e 18,18% apresentavam-se com hipoalbuminemia. Analisando o perfil hepático não se observou alterações das enzimas alaninoaminotransferase (ALT), asparatatoaminotransferase (AST) e gamaglutamiltransferase (GGT). Os animais não apresentaram merozoítos de Babesia canis ou mórulas de Ehrlichia canis nos esfregaços sanguíneos. Quanto ao perfil sorológico, cinco animais (45%) apresentavam-se negativos para E. canis, mas apresentavam anticorpos anti B. canis. Os outros animais apresentavam anticorpos tanto para E. canis quanto para B. canis com títulos variando de 20 a 640, o que demonstra a alta sensibilidade e especificidade da imunofluorescência e dot blot para o diagnóstico da babesiose e erliquiose canina.
Área de Conhecimento: Ciências Agrárias

Palavras-chave: Babesia canis, Ehrlichia canis, imunofluorescência, dot blot

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   21


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal