Daiana Campani de Castilhos



Baixar 49.32 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho49.32 Kb.
Resenha
Daiana Campani de Castilhos

A resenha é um gênero textual que tem dois objetivos explícitos: informar o leitor sobre o objeto resenhado e avaliar — elogiar ou criticar — esse objeto, que pode ser um livro, um filme, uma exposição de pinturas, um CD, um DVD, etc1. Assim, resenha não é a mesma coisa que resumo. São dois gêneros textuais diferentes, com objetivos, conteúdo e estrutura diferentes, embora possam ser aplicados ao mesmo objeto.

Em uma resenha, portanto, descreve-se objetivamente, com alguns detalhes, a obra, sua finalidade e seu método ou estilo. A partir dessas características, desenvolve-se um juízo crítico de seu conteúdo, da forma como foi organizada, do método, chegando a um conceito que possibilite ao leitor um conhecimento mínimo sobre a obra tratada. Basicamente, conforme Motta-Roth (2001), a análise desse gênero permite que sejam percebidas quatro etapas: apresentar – descrever – avaliar – recomendar a obra. Em geral, essas ações tendem a aparecer nessa ordem, mas podem variar em extensão.

Em se tratando da resenha de um livro ou texto, é necessário que o resenhista tenha feito uma leitura acurada do livro ou texto em questão e pode se valer, também, de outras leituras que venham a enriquecer sua análise e comentário. É necessário, portanto, que o autor da resenha tenha conhecimento da obra em sua totalidade, saiba definir o que é importante e o que é desnecessário, seja fiel e respeitoso com o autor da obra, mesmo não concordando com a mesma ou fazendo um juízo crítico diferente do ponto de vista do autor da obra resenhada.



Farina (2001) identifica dois tipos básicos de resenha: a de livros técnicos e/ou teóricos e a de obras literárias e/ou artísticas. Para o autor, as diferenças entre esses dois tipos não são tão substanciais, mas bastante visíveis. Em seu artigo, ele sugere alguns elementos que, preferencialmente, devem aparecer nos dois tipos de resenhas. Vejam-se essas sugestões a seguir.

INDICADORES PARA RESENHAR OBRAS LITERÁRIAS E/OU ARTÍSTICAS2





  1. Título: dar um título que pode ser o mesmo da obra lida ou uma criação do resenhador (um título que tenha a ver com a obra resenhada, que seja criativo e original e que sintetize a avaliação da obra ou seu conteúdo).

  2. Transcrição da ficha bibliográfica: dar a referência bibliográfica, disposta como se fosse uma epígrafe, de acordo com as normas da ABNT: autor(es), título, local de edição, editora, data, tradutor, etc.). No caso de filmes, é necessário indicar, no texto, diretor, título, atores principais, duração, país e ano de publicação.

  3. Credenciais do autor: indicar o rápido curriculum vitae do autor (no caso de livro) ou diretor/roteirista (no caso de filme).

  4. Descrição da estrutura da obra: indicar como o livro está organizado (capa, partes com seus respectivos títulos, número de capítulos, formato, páginas, ilustração). No caso de sumário muito extenso, selecionam-se apenas as partes mais significativas.

  5. Conhecimento da obra e suas características/síntese da obra: apresentar um resumo das ideias principais, salientando sua criatividade, seu estilo, suas tendências, seu tom (informal ou formal). Fazer uma síntese do enredo. Em geral, deixa-se em aberto o final, para que o leitor/espectador possa descobri-lo.

  6. Fundamentação temática: destacar a ideia central que perpassa a composição da obra.

  7. Apreciação da obra: emitir o juízo de valor sobre o mérito da obra (conteúdo, forma, originalidade). Apontar aspectos positivos (se for o caso) e negativos, sem querer sobrepor-se ao autor. Trata-se de uma apreciação pessoal que não pode tirar a liberdade de outros leitores opinarem.

  8. Indicação da obra: salientar que a leitura reforçou conhecimentos (ou não). Em caso positivo, mencionar para quem seria indicada, quem se beneficiaria com a leitura do texto.

INDICADORES PARA RESENHAR OBRAS TÉCNICAS/TEÓRICAS





  1. Título: sendo obra técnica, é preferível dar o título original da obra, mas nada impede uma nova criação.

  2. Transcrição da ficha bibliográfica: assim como para as obras literárias, dar a referência bibliográfica, disposta como se fosse uma epígrafe, de acordo com as normas da ABNT: autor(es), título, local de edição, editora, data, tradutor, etc.

  3. Parágrafo de abertura: embora dispensável, é possível criar um parágrafo de abertura que atraia a atenção do leitor.

  4. Credenciais do autor: fazer um acompanhado bibliográfico do autor. Na condição de cientista ou teórico, essas informações sobre ele despertarão interesse no leitor.

  5. Descrição do livro: apresentar o livro de uma forma geral, destacando quantas partes o compõem, o número de capítulos, as ilustrações, os gráficos. É aconselhável transcrever os títulos dos principais capítulos, pois isso será uma importante orientação para o leitor, que o situará na linha de seus interesses. No caso de sumário muito extenso, selecionam-se apenas as partes mais significativas.

  6. Conhecimento da obra: apresentar o resumo das ideias principais da obra, destacando seu modelo teórico, as teorias que serviram de embasamento, o método utilizado, sua proposta científica ou teórica.

  7. Apreciação da obra: emitir o juízo de valor sobre a obra indicando, cortesmente, aspectos positivos (se for o caso) e negativos, sem querer sobrepor-se ao autor. Este é o momento mais extenso. Vejam-se algumas questões norteadoras que podem auxiliar a apreciação:

  • Qual a hipótese básica do autor e as ideias que o fundamentam?

  • Qual o objetivo para defender essa hipótese e essas ideias?

  • A organização da obra é clara, lógica?

  • Como se situa o autor em relação às correntes científicas, filosóficas?

  • Qual a maior contribuição da obra?

  • Como é seu estilo (simples, conciso, claro, objetivo, coerente)?

  • Sua terminologia e sua conceituação são precisas?

  • Como utilizou a bibliografia?

  • As conclusões são convincentes?

  1. Indicação da obra: salientar a importância da obra (se for o caso) com ideias novas, conhecimentos novos e, por isso, indicá-las a algum público específico ou ao grande público.


Referências
FARINA, Sérgio. Resenha. In.: Entrelinhas. São Leopoldo, Unisinos, n. 3, nov. 2001,p. 65-69.

FIORIN, José Luiz e SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1998.

MACHADO, Anna Rachel, LOUSADA, Eliane, ABREU-TARDELLI, Lília Santos. Resenha. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MOTTA_ROTH, Desiré. Redação acadêmica: princípios básicos. Santa Maria: UFSM, 2001.


EXEMPLOS DE RESENHAS DE OBRAS LITERÁRIAS/ARTÍSTICAS

A seguir, apresentam-se algumas resenhas produzidas em diversas situações de comunicação. Leia cada uma delas, procurando identificar se apresentam os elementos citados anteriormente.


Resenha 1:

Rito de passagem

Daniel Galera se consolida como um dos autores mais originais de sua geração

Beatriz Resende


Terceiro livro de Daniel Galera, de 27 anos, Mãos de Cavalo (Companhia das Letras; 192 páginas; 34 reais) é seu primeiro título por uma grande editora. Os anteriores, Dentes Guardados e Até o Dia em que o Cão Morreu, saíram pela Livros do Mal, da qual Galera era sócio. De algum modo, Mãos de Cavalo fala dessa trajetória de um autor da jovem geração rumo a um mercado mais amplo: a narrativa arma-se em torno de uma espécie de rito de passagem do protagonista. Dividindo a obra em duas partes que caminham simultaneamente, Galera entrelaça, com rara habilidade, a narrativa memorialística sobre um grupo de adolescentes de Porto Alegre – entre eles o personagem que dá título ao livro, Mãos de Cavalo (e só no final da história revela-se todo o sentido desse estranho apelido) – com o relato de um dia na vida de Hermano, um médico de sucesso. E tudo isso é conduzido por uma prosa marcadamente individual, que diferencia o autor como um dos melhores contadores de história da nova geração.

Apesar de ter nascido em São Paulo, Daniel Galera viveu a maior parte do tempo em Porto Alegre, o que bem se nota pelos "bás" e "gurias" de seus diálogos, nos quais o "tu" é sempre empregado com o verbo na terceira pessoa. A linguagem é concreta, com poucos adjetivos. Há relatos brutalmente físicos dos cortes e contusões que Mãos de Cavalo sofre na bicicleta ou no futebol. E a narrativa do cotidiano de Hermano lembra o detalhismo científico de Ian McEwan em Sábado. É no inesperado recurso a um realismo absoluto, nas descrições cruas de animais mortos e corpos ensangüentados que a escrita de Daniel Galera mostra sua qualidade mais original e até corajosa. Apesar dessa maturidade narrativa, o livro ainda tem seus momentos de juvenilidade. O percurso pelas disputas de videogame, pelos infindáveis campeonatos de downhill ou a súbita participação da mãe debilóide que diz "soninho" para que o marmanjo finja dormir não parecem mais caber numa literatura que, no quadro geral, conseguiu deixar para trás os relatos típicos do iniciante que ainda considera sua adolescência como um fenômeno especial. À medida que a narrativa vai se fechando e o leitor compreende a relação entre os personagens principais, Mãos de Cavalo revela-se como um belo romance de formação. No final, cumpre-se o rito de passagem, e o escritor está pronto – talvez, como seu personagem, solitário e dirigindo por uma terra hostil.

Fonte: Revista Veja, 26/04/06.
Resenha 2:

Reflexões do melhor amigo do homem

Em 'Flush', Virgínia Woolf surpreende público com diário de um cãozinho em plena Londres de 1840


Fernanda Couto

Olhos vivos, cor de amêndoa. Leve penugem dourada. Cachos pendentes sobre as orelhas. Um incrível senso crítico. Seu nome? Flush. Foi ele o responsável pelo mais bem-humorado romance de Virgínia Woolf. Mas engana-se quem pensa que Flush é fruto da criatividade de uma Virgínia Woolf excessivamente intimista e depressiva. O doce cãozinho realmente existiu. Em pleno verão inglês, 1931, Flush, de mansinho, despertou a curiosidade da escritora através da leitura de correspondências entre os poetas Robert Browning e Elizabeth Barrett, na qual Flush sempre aparece entre elogios, travessuras e broncas de sua dona, Elizabeth. “A imagem do cachorro deles me fez rir tanto que não pude deixar de dar-lhe vida”, confessou Virgínia a uma amiga.

Em Flush – memórias de um cão, a escritora assume um tom totalmente diferente de seus outros livros, tais como Passeio ao farol e Mrs. Dalloway. Suave e doce, mas não menos crítica, Flush é a biografia de um cocker spaniel, suas aventuras e impressões sobre o mundo, ou melhor, sobre a sociedade inglesa vitoriana e seus valores. Irreverência é o tom desta obra permeada de críticas e comentários ácidos sobre a Londres de 1840.

Apesar da língua afiada, Virgínia viu em Flush seu maior sucesso de vendas entre os leitores e unanimidade de crítica, tanto na Inglaterra quanto nos Estados Unidos. Mas o livro vai além. Sem desmerecer a espécie humana, as memórias de Flush poderiam ser muito bem comparadas as de um homem, ou ainda, aos ritos de passagem que o ser humano é obrigado a vivenciar ao longo da vida. Explica-se: o ingênuo Flush, quando filhote, corria solto pelos campos, no processo de apreensão do mundo e de si mesmo. “Amava tanto os raios de sol quanto um pedaço de rosbife”. Tudo muda quando o cãozinho é dado de presente à senhorita Barret e obrigado conhecer a cidade, a sociedade e os valores londrinos. Mirando-se no espelho, Flush se admira. Na rua, o cãozinho passa a notar os diferentes cães de raça e seus donos, as ruas limpas e a classe da Wimpole Street, bem como de seus moradores. A história não pára por aí. Flush ainda experimenta o ciúme, quando vê sua dona cortejada pelo senhor Browning e os maus tratos de um seqüestro.

Fim? Ainda não. Flush- memórias de um cão é um livro “três em um”. Além da crítica e das memórias do cocker spaniel, o livro conta com a bela e verídica história de amor entre os poetas Robert Browning e Elizabeth Barrett. De brinde, o leitor ainda leva trechos de cartas dos amantes e notas explicativas da própria Virgínia Woolf sobre locais e personagens históricos.

Todos esses argumentos, talvez, tenham rendido a Flush e à sua autora o merecido sucesso. Nada mal para uma Virgínia, cuja própria vida foi marcada por dramas, como a morte da mãe, que desencadeou o histórico de depressão da escritora, então 13 anos, e um relacionamento incestuoso com seus meio-irmãos, culminando com o suicídio da autora em 1941. Sem dúvida, Flush é a surpreendente face doce e bem-humorada de Virgínia Woolf. Flush- memórias de um cão é um livro singular. Resumindo: dá gosto de ler.

Fonte: www.tracaonline.com.br
Resenha 3:

Baile de máscaras


Quase nada é o que parece ser na novela Carnaval
Moacyr Scliar

Ao contrário do que seria de esperar, o Carnaval não é um tema freqüente na literatura brasileira. Contam-se nos dedos as obras devotadas a ele, como o conto Antes do Baile Verde, de Lygia Fagundes Telles, e a peça teatral Orfeu da Conceição, de Vinicius de Moraes. A novela Carnaval (Objetiva; 132 páginas; 29,90 reais), do jornalista e escritor João Gabriel de Lima, é um belo acréscimo à lista. Ela não trata desse universo pelo ângulo turístico – a ênfase não está no rebolado das mulatas na avenida. O Carnaval carioca serve como pano de fundo para uma narrativa que fala sobre os relacionamentos no Brasil urbano dos dias atuais. A história é contada em primeira pessoa por Pedro, dono de uma locadora de DVDs em São Paulo. Casado com uma executiva, ele vê sua vida amorosa ser sacudida quando conhece uma chef de restaurante, Lenita. Pedro planeja um encontro com ela no Rio de Janeiro, onde Lenita desfilará numa escola de samba. Nos dias de Carnaval, ele vai criar para si próprio e para as pessoas à sua volta uma espécie de samba-enredo – em que nem tudo é o que parece ser.

João Gabriel alude ao Carnaval como uma festa de disfarces. É menos o Carnaval do Rio e mais o Carnaval de máscaras de Veneza: as pessoas têm duas existências, uma real e outra de aparência. Eis como o narrador se refere a uma personagem: "É possível reconstituir a história de Paula a partir das canções que ela inspirou". Ou seja, existe uma Paula de carne e osso e uma Paula musa. Outro personagem é um velho sambista, Zédinho da Mangueira, cujos sambas nunca são aproveitados pelas escolas por soarem sofisticados demais. Mais adiante, Pedro constata que Zédinho não passa de um compositor banal, que confere um ar pomposo a suas letras com palavras como "divinal" e "relicário". Ex-bolsista da Escola Nacional de Música, o compositor descobrira que seu verdadeiro talento era "copiar com maestria". E aí misturava Cartola com Debussy.

O autor fala de coisas que conhece. Ele é formado em música e mora no Rio desde 2004, onde atua como repórter na sucursal de VEJA. Seu primeiro romance, O Burlador de Sevilha, de 2001, era uma atualização do mito literário do conquistador Don Juan. Carnaval também remete a clássicos – a peça Noite de Reis, de Shakespeare, e a ópera Così Fan Tutte, de Mozart. Ambos os livros compartilham os temas da sedução e do engano. Os dois têm narrativa veloz (mas não apressada), histórias que se cruzam e se superpõem, menções à música e ao cinema. Trata-se do que se convencionou chamar de pós-modernismo – mas sem a afetação associada ao termo. João Gabriel sabe dosar esses componentes em sua ficção. E prende o leitor com uma narrativa envolvente.

Fonte: Revista Veja, 15/02/06.

EXEMPLOS DE RESENHAS DE OBRAS TÉCNICAS/TEÓRICAS

Resenha 4:

DENNET, Daniel. A perigosa idéia de Darwin: a evolução e os significados da vida. Rio de Janeiro: ROCCO, 1998.
A perigosa idéia de Darwin: a evolução e os significados da vida

Por Solange Henriques

É quase impossível ficar indiferente à "perigosa idéia" de Charles Darwin. A teoria da evolução pela seleção natural já despertou intensos debates, críticas ferozes e adesões fervorosas, e ainda hoje há quem a conteste. Mas para o filósofo Daniel Dennett, o caminho é inevitável: "no devido tempo, a revolução darwiniana acabará ocupando um lugar (...) tranqüilo nas mentes - e corações - de todas as pessoas cultas do globo".

Em seu livro A perigosa idéia de Darwin: a evolução e os significados da vida, Dennett fala sobre o incômodo que o evolucionismo causou desde a publicação de A origem das espécies, em 1859. E mostra que foram os preconceitos filosóficos, mais que a falta de comprovação científica, que impediram os cientistas de perceberem que a hipótese levantada pelo naturalista inglês poderia estar certa.

Dennett não esconde seu desprezo pelo criacionismo. Segundo ele, "o Deus bondoso que amorosamente moldou cada um de nós (todas as criaturas grandes e pequenas) e salpicou o céu com estrelas brilhantes para nosso encanto - esse Deus é, como Papai Noel, um mito da infância, nada em que um adulto de mente sã e sem ilusões possa acreditar literalmente", desafia o autor, nas primeiras linhas de sua obra.

No início do livro, Dennett fala sobre o contexto filosófico no qual a teoria darwiniana surgiu e do potencial revolucionário do evolucionsimo para o fim do século XIX. Para tanto, toma como base o pensamento de John Locke e David Hume. O autor mostra que os preconceitos estavam bastante arraigados no pensamento da época, o que acabou retardando a aceitação da idéia de Darwin. Somente depois de muitos comprovações científicas é que sua hipótese ganhou o devido respeito.

"Charles Darwin não pretendia preparar um antídoto para a paralisia conceitual de John Locke, ou explicar a grande alternativa cosmológica que quase frustrou Hume. Uma vez tendo lhe ocorrido a grande idéia, Darwin percebeu que sem dúvida ela teria essas conseqüências realmente revolucionárias, mas no início ele não estava tentando explicar o significado da vida, ou mesmo sua origem. Seu objetivo era um pouco mais modesto: ele queria explicar a origem das espécies.", comenta Dennett.

Dennett prossegue com a explicação da teoria de Darwin, com uma linguagem clara e contemporânea. Ele relaciona, por exemplo, a evolução a um processo algorítmico, que envolve hereditariedade, variação e seleção. Com esses três elementos, a evolução seria um resultado inevitável.

Na segunda parte da obra, o filósofo aponta os questionamentos feitos à obra de Darwin. Com uma argumentação estruturada, demonstra que a teoria da evolução não só sobrevive como sai revigorada de todos os desafios.

A última parte do livro mostra como o pensamento darwiniano aplica-se ao homem. Darwin sabia que a inclusão do homem na teoria evolucionista seria um choque para a sociedade da época, por isso não tocou muito no assunto quando publicou sua obra. "Ele quase não menciona nossa espécie em A origem das espécies (...). Mas, é claro, isso não enganou ninguém. Era óbvio o rumo que a teoria estava tomando, e por isso Darwin trabalhou muito para produzir a sua própria e cuidadosamente elaborada versão antes que críticos e céticos enterrassem o assunto em meio a deturpações e avisos de alerta", observa Dennett.

Sem ignorar os protestos, Dennett deixa claro que a idéia de Darwin aplica-se ao homem em muitos aspectos, inclusive na questão da linguagem, do conhecimento e da ética. Afinal, a teoria da evolução seria como um "ácido universal", que corrói quase todos os conceitos tradicionais e deixa uma visão de mundo revolucionada.

Fonte: http://www.comciência.br

Resenha 5:

LEITE, Marcelo. Os alimentos transgênicos. São Paulo: Publifolha, 2000.



Os alimentos transgênicos, para ler

Por Mônica Macedo

Para quem ainda não encarou de fato a discussão sobre os alimentos transgênicos, um bom começo é o livro de Marcelo Leite. Curto e muito bem escrito, ele é uma introdução excelente aos que procuram mais informações sobre uma polêmica que há muito ultrapassou as paredes dos laboratórios. Técnica do DNA recombinante, petúnias com genes saltadores, efeitos sobre a saúde e o meio ambiente, legislação, arroz dourado e outros assuntos são discutidos com clareza e grande concisão.

Apesar de simples, que não se engane o leitor, não é um texto "fácil de ler". Ele é denso, ou seja, há muitas informações e essas são complexas. Mas é claro e bem estruturado, o que facilita (e muito!) a tarefa de compreender os transgênicos aos que não são "da área". Além disso, traz indicações bibliográficas (inclusive sites na Internet, mas também livros e artigos), que permitem ao leitor interessado ir além. É interessante tê-lo como texto de consulta, já que há muitos dados disponíveis e o formato "de bolso" facilita carregá-lo.

Por exemplo, vale ressaltar a passagem que trata da história da "engenharia genética", resgatando suas origens nas pesquisas sobre as leis de hereditariedade de Mendel (1822-84), passando pela identificação do DNA, por Avery (1877-1955), sua estrutura de dupla hélice, por Watson e Crick (em 1953), chegando ao DNA recombinante da "bactéria com gene de sapo", de Cohen e Boyer (em 1973), quando teve início a "era da biotecnologia", propriamente dita, como diz o autor. Marcelo Leite lembra que, nessa época, os próprios geneticistas não sabiam ao certo para onde essa tecnologia os levaria e decretaram uma "moratória voluntária" nas pesquisas, convocando o conjunto dos cientistas a debater o assunto, através de uma carta publicada na revista Science, em julho de 1974 (vol. 185, p. 303). Desse movimento, surgiu a primeira série de recomendações para a pesquisa em engenharia genética. No entanto, muitas dúvidas continuaram a existir e novas questões foram levantadas desde então, várias das quais o autor cita no texto.

Outro ponto interessante é a menção ao caso do triptofano. Em 1989, nos EUA, uma epidemia da síndrome de eosinofilia-mialgia (que provoca dor muscular e aumento dos leucócitos no organismo) atingiu 5 mil pessoas, das quais pelo menos 37 morreram. A epidemia foi causada pelo triptofano (um complemento alimentar) fabricado pela empresa japonesa Showa-Denko, utilizando bactérias geneticamente modificadas, que "inesperadamente" estavam produzindo também uma toxina capaz de provocar a síndrome. O caso tornou-se exemplar e levou muitos a adotar maior prudência quanto à tecnologia dos transgênicos.

O mérito do livro Os alimentos transgênicos é não polarizar a discussão ou transformá-la em panfleto, sem por isso deixar de apresentar uma posição sobre o assunto. "O leitor terá notado que a incerteza científica é uma faca de dois gumes (...). Na prática das sociedades do capitalismo avançado, contudo, há muito mais opacidade do que transparência em jogo, com a cena pública turvada por toda sorte de manipulações e espetáculos, desde a ação teatral do Greenpeace até os anúncios de página inteira das life sciences companies, que prometem um reino sem fome ou doenças para quem aceitar a biotecnologia (...). A precipitação compõe uma das maiores fontes de erro e seu diagnóstico parece aplicar-se tanto à adesão impensada à tecnologia transgênica quanto à desistência apressada dessa mesma tecnologia", conclui Marcelo Leite. Biotecnologia sem fundamentalismos é o que o autor promete. E cumpre.



Fonte: http://www.comciência.br



1 Dessa forma, pode-se considerar redundante o termo resenha crítica, já que toda resenha apresenta — além de um resumo/uma descrição do conteúdo da obra resenhada — um juízo de valor por parte do resenhista; ou seja, será sempre crítica.

2 O autor não menciona filmes, mas adaptamos o roteiro para resenhas que enfoquem esse objeto.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal