De ouvido no choro e no rádio: a sociabilidade dos programas de auditório



Baixar 51.57 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho51.57 Kb.
De ouvido no choro e no rádio: a sociabilidade dos programas de auditório

Ana Paula Peters1

Resumo:
A análise da formação de regionais (conjuntos instrumentais) para acompanhar cantores e calouros nos programas de auditório - realizados ao vivo nas rádios de Curitiba, entre as décadas de 1950 e 1970 - aponta para um caminho possível de perceber a relação entre o rádio e o choro, avaliando em que medida o choro teve participação no início da consolidação do rádio e vice-versa. E como o rádio passou, neste momento, a ser para os músicos uma oportunidade de profissionalização e de aprendizagem, sendo destacado por estes como uma grande escola de formação musical e espaço de sociabilidade.
Palavras-chave: rádio, programas de auditório, regionais, choro (gênero musical).

De ouvido no choro e no rádio
A minha família não era rica. O mais bem de vida, meu avô, pequeno industrial do ramo de caramelos, tinha em casa um rádio. Foi através desse rádio que obtive a oportunidade de conhecer melhor a música clássica, ouvindo estações de fora. Era a Rádio del Estado, de Buenos Aires, a Rádio Sodré, de Montevidéu, e que, mais que a Argentina, transmitia concertos ao vivo; também, imaginem, a Rádio de Brazaville, do Congo Belga, que entrava bem, em ondas curtas, no horário da tarde. A rádio MEC, nem pensar. Era tão fraca que só se ouvia muito raramente e com demasiado ruído de fundo. As estações brasileiras locais nunca tocavam música clássica, com exceção da Sexta-feira Santa, quando a cidade ficava praticamente de luto (eu tinha que ouvir, meio escondido, a Paixão de Bach, porque as tias, muito católicas, e os vizinhos, achavam um desrespeito ouvir música naquele dia). Assim, a minha aculturação com a música brasileira se deu pela música popular da época, através do rádio. Lá podiam se ouvir intérpretes como Francisco Alves, Carmem Miranda, Pixinguinha, Jararaca e Ratinho e compositores como Noel Rosa, Ari Barroso etc. Além disso, ouvia tangos e mais tangos pela Rádio Belgrano de Buenos Aires. Eu era um ouvinte curioso e ávido. (MOROZOWICS, 1995, p. 100)
Assim o maestro Henrique Morozowicz, conhecido como Henrique de Curitiba, começou a contar a visão do seu passado musical, tendo na lembrança a presença do rádio - marcada pela curiosidade – como um importante elemento de diversão e meio para conhecer e aprender as músicas do Brasil e do exterior. Sendo desta maneira ainda que se aproximou da música popular brasileira, já que as “estações brasileiras locais nunca tocavam música clássica”, ou talvez, não tocassem tanta música clássica quanto desejava...

Com o ouvido tão atento quanto o de “Henrique de Curitiba”, este artigo quer apreciar e analisar as relações de reciprocidade e sociabilidade que existiram entre o choro e o início da consolidação do rádio em Curitiba. Tais relações serão estudadas a partir dos chamados regionais2, formados para tocar nos programas de auditório, ao vivo, levados ao ar através desse novo meio de comunicação.

A divulgação e circulação do choro será analisada em função do rádio, que - ao tornar-se parte do cotidiano das pessoas, passeando entre o entretenimento e a divulgação de valores políticos e culturais – abriu um mercado de trabalho para compositores, cantores, músicos e arranjadores. Além disso, colocou como indispensável aos programas iniciais da radiofonia brasileira a utilização de um regional.

A importância de analisarmos o regional reside, assim, no fato de ele haver trazido, aos programas de auditório, a ambiência da roda de choro, que é um momento de integração e socialização dos músicos. A roda também se caracteriza pela manutenção do diálogo constante entre a tradição do choro - enquanto maneira de tocar e gênero musical - e o seu momento presente, ao incluir novos instrumentos e gêneros musicais, constantemente atualizando e preservando sua origem.

Esperamos, assim, contribuir para o esclarecimento e a compreensão dos diversos modos como os indivíduos-músicos, se relacionam uns com os outros, e como essa relação foi construída no espaço específico do rádio e seus programas de auditório, pois,
não é possível imaginar nenhuma formação social, nenhuma conexão humana, seja grande ou pequena, pertencente a tempos remotos ou ao presente, cujo estudo objetivo e rigoroso, comparado ao de qualquer outro, possa contribuir em maior ou menor grau para ampliar e aprofundar nosso conhecimento do modo como os indivíduos se relacionam mutuamente, em todas as situações, no pensamento como no sentimento, no ódio como no amor, na atividade como na inatividade. A variabilidade das conexões humanas é tão grande e diversificada que, pelo menos em termos das dimensões restritas e das lacunas de nosso saber atual, não se pode imaginar nenhuma investigação objetiva de uma figuração humana ainda não pesquisada, e de seu desenvolvimento, que não traga nada de novo para a compreensão do universo humano, para a compreensão que temos de nós mesmos. (ELIAS, 1999, p. 15)
Perceber as mudanças e permanências das figurações humanas liga-se à possibilidade de transmitir as experiências de determinadas gerações, como um saber social adquirido. Essa contínua acumulação social do saber contribui para a modificação da convivência humana e para alteração das figurações formadas pelos homens. É neste processo de modificações que podemos perceber a permanência do choro, ao passar pela casa das tias baianas, pela sua prática entre funcionários públicos, fazendo parte do broadcasting do rádio, ouvido em restaurantes, clubes, e hoje em conservatórios, universidades e curso para se aprender a tocar choro.

De igual ou maior importância é percebermos a roda de choro como uma forma de sociabilidade, já que mostra-se como parte fundamental do processo de fusão dos gêneros (como a polca, o maxixe e o lundu) que originaram o choro. É, até hoje, o espaço de transmissão, criação, experimentação, improvisação e convivência dos músicos que se aproximam deste gênero musical.

Neste processo, alguns nomes singulares se sobressaíram em Curitiba. Como foi o caso de Janguito do Rosário, famoso por liderar, entre 1950 e 1970, um dos regionais mais conhecidos e apreciados no período de auge dos programas de auditório. Outro músico que merece ser lembrado é Arlindo Sete Cordas, responsável por trazer o violão de sete cordas para a formação dos regionais de Curitiba. Assim, indivíduo e sociedade vão designar processos que se diferenciam, mas são indissociáveis pois, “se por um lado o desenvolvimento pessoal do detentor do poder passa a exercer influência, dentro de limites determinados, sobre o de sua posição, por outro lado o desenvolvimento da posição social influencia o desenvolvimento pessoal de seu ocupante, como representante direto do desenvolvimento geral da sociedade de que faz parte.” (ELIAS, 2001, p. 45) O grande exemplo é Pixinguinha, que além de intérprete, compositor, orquestrador e arranjador, formalizou o choro enquanto gênero musical. Ao ser reconhecido e legitimado como um dos grandes nomes da música popular brasileira, institucionalizou-se o Dia Nacional do Choro em 23 de abril de 2000, no dia do seu aniversário. Ou seja, os homens se desenvolvem nas e pelas relações com outros homens através de suas dependências recíprocas,
Na maior parte das vezes, as figurações que os indivíduos formam em sua convivência mudam bem mais lentamente do que os indivíduos que lhe dão forma, de maneira que homens mais jovens podem ocupar a mesma posição abandonada por outros mais velhos. Assim, em poucas palavras, figurações iguais ou semelhantes podem muitas vezes ser formada por diferentes indivíduos ao longo de bastante tempo (...). Figurações têm uma relativa independência em relação a indivíduos singulares determinados, mas não aos indivíduos em geral. (ELIAS, 2001, p. 51)
Na análise das figurações, os indivíduos singulares são apresentados da maneira como podem ser observados: sistemas próprios, abertos, orientados para a reciprocidade, ligados por interdependências dos mais diversos tipos e que formam entre si figurações específicas, em virtude de suas interdependências. É assim que a prática do choro pode transparecer na glória que é, para um jovem músico, ser aceito e convidado pelos velhos chorões para tocar numa roda com estes.

A interiorização das estruturas significativas gera hábitos, ou seja, sistemas de disposições, esquemas básicos de percepção, compreensão e ação. Os hábitos são estruturados (pelas condições sociais e pela posição de classe) e estruturantes (geradores de práticas e esquemas de percepção e apreciação) : a união destas duas capacidades do hábito constitui o que Bourdieu denomina “estilo de vida”, ou neste caso, ser “chorão”. Dos hábitos surgem práticas, na medida em que os sujeitos que os internalizam encontram-se situados no interior de uma estrutura e em posições favoráveis para que tais hábitos se atualizem.



A hipótese deste artigo evidencia-se pela improvisação, marca característica no desenvolvimento tanto do rádio quanto do choro. Talvez a improvisação das primeiras transmissões de rádio - tanto dos espaços que eram utilizados como os estúdios e de seu funcionários polivalentes - tenha possibilitado aos chorões explorarem ainda mais a sua improvisação musical que a exercitavam ao acompanharem cantores e músicas que muitas vezes nem conheciam. Esta foi uma fase importante para o desenvolvimento do choro e de uma de suas características reafirmada até hoje que é o tocar de cor, improvisar e saber tocar em diversas tonalidades, conforme o solista ou a situação requisitar. Como Jacob do Bandolim comentou,
Há dois tipos de chorões, o chorão de estante, que eu repudio, que é aquele que bota o papel para tocar choro e perde sua característica principal que é a improvisação e há o chorão autêntico, verdadeiro, aquele que pode decorar a música pelo papel e depois lhe dar o colorido que bem entender. Este me parece o verdadeiro, autêntico, típico chorão. (JACOB DO BANDOLIM, 2003)
O desconhecimento da operação de certos aparelhos e máquinas como também do encaminhamento dos programas para o rádio foram marcas da procura para achar a melhor maneira de “tocar harmoniosamente” o rádio, conforme a criatividade de seus criadores e apresentadores. Assim, a possibilidade de trabalharmos com o choro e o rádio deve-se ao fato de a arte radiofônica ser um conjunto de expressões que tem lugar dentro do nascimento e desenvolvimento da arte musical do século XX, pois
el arte radiofónica há venido utilizando y poniendo de manifiesto las possibilidades expresivas inherentes a la radio y que, al hacerlo, há expandido el lenguaje próprio del medio. Pero, siendo así que arte radiofónica es radio hecha por artistas (al margen de que éstos vengan de la literatura, del cine, de la música o de la plástica), se desprende de esa afirmación el hecho de que las obras de dicho arte participan, en tanto que contemporáneas, de los mismos criterios estéticos y conceptuales que animam la producción artística de un periodo dado en otros dominios de la creación. No se constata, por tanto, un divorcio entre la creación artística de untiempo concreto y la realizada para la radio, si bien esta última tiene en cuenta (o debe tenerlo, si quiere ser un arte “para” la radio y no sólo “en” la radio) lo específico del espacio para el que nasce. Una especificidad que toma en cuenta la fugacidad del medio, su dependencia de la tecnología y su existencia en el presente. La radio es continuo tiempo presente y sólo en el presente. La radio es continuo tiempo presente, aunque eso no implica que deba fomentar la abolición de la memoria o cancelar la proyección hacia el futuro. (IGES, 2004, p. 46-47)
Sem perder de vista o entendimento do choro no contexto da música popular, analisaremos a possibilidade que os programas de auditório das rádios deram ao desenvolvimento do choro, na cidade de Curitiba, enquanto uma grande escola de formação musical e um espaço de sociabilidade junto com o tocar em restaurantes, clubes, etc. Ou seja, não queremos analisar o choro como um dos elementos que compõem a linguagem radiofônica, mas sim no seu aspecto de linguagem própria que contou com o rádio e a indústria fonográfica para seu desenvolvimento.

No ar, os programas de auditório e seus regionais
Os programas de auditório nasceram com os primeiros programas de calouros, que acabaram se transformando numa nova modalidade de espetáculo de palco. Neste sentido a partir de 1940, encontramos a corrida das emissoras no sentido da contratação de artistas capazes de agradar o público por sua boa aparência, sua graça ou originalidade nas apresentações de palco. Essa competição levou a valorização dos artistas de rádio e a preocupação em apresentar ao vivo cantores e músicos internacionais, o que foi possível através do aproveitamento dos grandes nomes contratados pelos cassinos. Essa corrida começou a ameaçar as emissoras de rádio, que começaram a cobrar entrada, para garantir o equilíbrio financeiro das rádios.

A conquista pela popularidade passou a ser muito importante, levando muitas vezes à transmissão de programas diretamente de teatros, obrigando as emissoras a transformar seus próprios estúdios em pontos de atração. Começava também a nacionalização dos artistas regionais, levando ao intercâmbio de atrações entre as emissoras dos grandes centros brasileiros. Assim, na década de 1930 a presença de um regional era imprescindível,


Para uma estação de rádio da época era indispensável o trabalho de um conjunto do tipo “regional”, pois, sendo uma formação que não necessitava de arranjos escritos, tinha a agilidade e o poder de improvisação para tapar buracos e resolver qualquer para da no que se referisse ao acompanhamento de cantores. O nome “regional” se originou de grupos como Turunas Pernambucanos, Voz do Sertão e mesmo Os Oito Batutas, que, na década de 20, associavam a instrumentação de violões, cavaquinho, percussão e algum solista a um caráter de música regional. (CAZES, 1998, p. 85)
O caráter de improvisação inicial desses programas devia-se ao fato de seus criadores não contarem praticamente com qualquer organização de infra-estrutura, pois eram quase sempre locutores que se aventuravam a programistas. O fascínio exercido por esses programas não estava apenas em suas apresentações artísticas, mas na força de atração que o grande centro urbano do Rio de Janeiro exercia sobre pessoas em processo de ascensão social nas áreas menos desenvolvidas do Brasil.

Neste período os cantores e músicos cartazes foram obrigados a uma grande mobilidade, já que a sua presença, muitas vezes, provocava uma avalanche de público, obrigando, em certas cidades a transmitirem os programas de salas de cinema, das sacadas de teatros ou das janelas das próprias emissoras. Ampliando-se cada vez mais, os programas de auditório foram uma


Mistura de programa radiofônico, show musical, espetáculo de teatro de variedades, circo e festa de adro (o que não faltavam eram sorteios), esses programas chegaram a alcançar uma dinâmica de apresentação que conseguia manter o público dos auditórios em estado de excitação contínua durante três, quatro e até mais horas. Para isso os animadores dos programas contavam não apenas com a presença de cartazes de sucesso garantido junto ao público, mas ainda com a colaboração de grandes orquestras, conjuntos regionais, músicos solistas, conjuntos vocais, humoristas e mágicos, aos quais se juntavam números de exotismo, concursos à base de sorteios e distribuição de amostras de produtos entre o público. (TINHORÃO, 1981, p. 70)
Para os programas de auditório, fossem shows de calouros ou apresentações dos grandes nomes da música popular brasileira e internacional, os regionais tiveram uma participação muito grande ao dar continuidade as improvisações, tão usual aos chorões. A importância dos regionais também ocorreu devido a interpretação da música popular pelos cantores até fins da década de 1920, no Brasil e no resto do mundo, ter sido prejudicada pela pobreza tecnológica do processo de gravação. Para que uma música tivesse condições de ser bem recebida pelo público consumidor, os cantores tinham de se esgoelar, dando o famoso “dó de peito”, numa campânula a fim de que o equipamento registrasse a cantoria. Assim, até a introdução da gravação elétrica, os instrumentos levaram grande vantagem sobre a voz humana.

Muitos desses músicos vinham da aprendizagem da música na prática, em rodas de choro e samba, ouvindo e guardando de cabeça a música. Para aprender na prática o sotaque todo especial do Choro, lembra Villa-Lobos,


Vem um e toca o tema, e vem o outro e improvisa. No saxofone, eu fazia assim, ó (e cantarolava). E vem o oficleide e toca um contraponto que é uma maravilha, bem superior a todos os contrapontos clássicos. Isto é o choro. É todo mundo tocando com seu coração, sua liberdade, sem regras, sem nada... a liberdade da arte. (ARATANHA, 1996, p. 12)
Essa prática vai ser mantida nos programas de auditório. É importante ressaltar que a palavra choro serviu inicialmente para designar o jeito “choroso” de se tocar o repertório de músicas estrangeiras que desembarcavam no Brasil durante o final do século XIX. O termo também era usado para descrever a festa em que se tocava este tipo de música e ainda, o agrupamento musical que praticava o estilo. O choro como forma musical foi batizado por Pixinguinha, que partiu da música dos chorões (polcas, schottisches, valsas, entre outras), misturando elementos da tradição afro-brasileira (devido a frequência nos terreiros e casas das tias baianas), da música rural e de sua variada experiência profissional como músico.

O conjunto regional nasceu da precária condição econômica de nosso povo, juntando os mais baratos instrumentos à venda e fabricados no País. Nas décadas de 20 e 30, os instrumentos de sopro eram importados e caros, não havendo no Brasil tecnologia em metalurgia para os fabricar. Por isso, a junção de instrumentos como violões (de seis e de sete cordas), cavaquinhos e bandolins de fabricação nacional, com alguma percussão portátil (pandeiro, eventualmente tumbadora), às vezes a flauta (esta, com tradição desde o início do choro como gênero) e, anos depois, o acordeão, compuseram o conjunto harmônico apto a solos e acompanhamentos. E para o rádio, que necessitava de um acompanhamento barato para os cantores que se apresentavam ao vivo, preferiu o conjunto regional - que mostrava-se como uma forma musical barata e eficiente - às orquestras, salvo em produções especiais para programas noturnos e consagrados - mesmo assim apenas nas emissoras principais.

O nome regional se originou de grupos como “Turunas Pernambucanos”, “Vozes do Sertão” e mesmo “Os Oito Batutas”, que na década de 1920, associavam à instrumentação de violões, cavaquinho, percussão e alguns solistas a um caráter de música regional. Pela improvisação na hora da necessidade de acompanhar cantores no tom que eles queriam e de músicas que muitas vezes não conheciam, diversos músicos que viveram neste período apontam esta prática com a maior escola para aprender a música popular brasileira. Cada vez mais esses grupos começaram a se organizar tanto musical quanto profissionalmente, e a partir da década de 1930 alguns regionais de destaque serviram de inspiração para as gerações posteriores. Um destes foi o regional do flautista Benedito Lacerda, o “Gente do Morro”.

PRB-2 : A “Líder” apresentará hoje em seu auditório
Com slogans como o escrito acima, fixando a marca junto ao ouvinte, os programas de auditório, além de criarem o fenômeno das torcidas organizadas e fãs-clubes, foram um nicho para os quais era indispensável a presença de um regional. Em Curitiba, os regionais foram criados na década de 40, na Rádio Clube Paranaense, antiga PRB-2, e mais tarde, na ZYM5 Rádio Guairacá.

Programas como o “Expresso das Quintas”, da antiga rádio PRB-2, comandado por Mário Vendramel e Sérgio Fraga, proporcionaram a estes músicos a oportunidade de conhecer e trocar experiências musicais entre os artistas locais e do eixo Rio – São Paulo, como Orlando Silva, Ataulfo Alves, Dalva de Oliveira, Carlos Galhardo e Vicente Celestino.

Assim,

Se na década de 10 e 20 tínhamos choro gravado por bandas, trios, quartetos sem base (do tipo clarinete, trompete, bombardino e tuba), solistas com piano acompanhante e outras formações, aos poucos o choro passa a ser gravado só com regional, num modelo que vai permanecer quase inalterado por quatro décadas. (CAZES, 1997, p. 13)


Os músicos destes regionais, na sua maioria, aprendiam seu repertório ouvindo as músicas pelo rádio - que muitas vezes os obrigava a ficar horas ao seu lado até ouvirem a música que queriam aprender a tocar - comprando discos, do contato com os músicos ou cantores que acompanhavam e, para os que sabiam ler partitura, como conta o flautista Hiram Oberg Tortato, integrante do conjunto Choro e Seresta, de materiais aguardados com muita ansiedade que vinham do Rio de Janeiro, como os Cadernos de Choro de Pixinguinha e Benedito Lacerda. O exemplo do Rio também se manifesta quando
o contato pessoal entre fã e seu ídolo se efetivava no Rio de Janeiro, então tornar-se o mais parecido possível com o público dos auditórios cariocas, inclusive através da maneira de falar, era a forma psicologicamente mais satisfatória de realizar a transferência que permitiria não apenas fazer de suas casas uma parte do auditório, mas ainda assumir idealmente todas as possibilidades de vida moderna postas ao alcance da sua condição de representantes da nova classe média em ascensão. (TINHORÃO, 1981, p. 74)
Entretanto, na década de 1950, chegou-se ao fim deste chamado rádio broadcasting, criado no tempo em que a competição entre as emissoras obrigava-as a contratar com exclusividade elencos fabulosos, com a participação de cantores, orquestras, pequenos conjuntos, produtores, escritores, humoristas,... A esses profissionais restaram apenas as alternativas do trabalho na televisão ou o desemprego.

Um dos motivos de decadência dos programas de auditório pode também ter sido a ocupação das emissoras de rádio por pessoas das camadas mais baixas da cidade, pois como programa dirigido às pessoas humildes e marginalizadas da vida econômica, esse público não alterava a curva de vendas dos produtos dos anunciantes. E se antes os auditórios estavam cheios de ouvintes curiosos para conhecer seus ídolos, passam agora a ter o interesse em ganhar prêmios. Ainda em meados do anos 1950, os programas com público presente começam a sofrer a concorrência dos horários de disc-jockeys e seus hit parades (estava surgindo a era do rock´n roll) e esse próprio acúmulo de nomes estrangeiros mostrava que uma nova realidade estava se impondo: o rádio passava pouco a pouco de teatro do povo para veículo sonoro de expectativas de ascensão social de novas camadas da classe média emergente, mais ligado às subliminares mensagens econômico-culturais da nova era da integração no universo do consumo internacional do que na pobre realidade brasileira.

A rádio PRB-2 teve o fim do seu auditório em 1968, devido à venda da emissora. Seu regional era comandado por Gedeon de Souza. Na década de 1940, Arthur de Souza lembra que “os locutores e os artistas ficavam separados da platéia por um vidro. Era um aquário, que depois foi derrubado e os artistas então puderam ter um contato mais direto com o público. Na época, a emissora fazia transmissões dos espetáculos que eram realizados no Cassino do Ahú e que traziam a Curitiba grandes artistas do Rio de Janeiro como Silvio Caldas e Orlando Silva, Nelson Gonçalves e Emilinha Borba.” (caderno G)

Existiam filas para assistir os programas de auditório. Na parte artística, os espetáculos eram comandados por Janguito do Rosário e seu regional e Zé Pequeno. Curitiba também costumava receber grandes nomes da Rádio Nacional como Emilinha Borba, Silvio Caldas, Angela Maria e Cauby Peixoto. “Passamos um dia inteiro com a Emilinha e onde ela ia era um tumulto federal. Ela deu entrevista e cantou para o povo na Praça Tiradentes. Era tanta gente que, na hora de deixar o local, ela não conseguia entrar no táxi”, conta o jornalista que trabalhou na Rádio Guairacá, João Féder. (KASPCHAK, 1999, p. 3)

Os programas de auditório e as rádios novelas “transformaram a PRB-2 num dos fenômenos de comunicação de massa nunca mais visto em Curitiba. Atrações nacionais e internacionais passaram pelos seus microfones. A rádio, já instalada na Rua Barão do Rio Branco, tinha auditório para até 700 pessoas, orquestra, conjuntos regionais e várias outras formações musicais.” (KASPCHAK, 1999, p. 3)

Assim, com o desenvolvimento da televisão, as emissoras foram acabando os seus programas e dispensando pessoal. No início da década de 1960, apenas a Rádio Nacional, no Rio, e a Record, em São Paulo, dispunham de orquestras, mas não por muito tempo. Iniciava-se uma nova era radiofônica, em que as emissoras trataram de se adaptar aos novos tempos, escolhendo uma nova linha de programação, pois a concorrência com a televisão passou a atrair grande parte dos recursos da publicidade antes dirigidos para o rádio. Em busca dos ouvintes de melhor poder aquisitivo, algumas dedicaram-se a transmitir apenas músicas ao gosto das classes A e B ou músicas acompanhadas de informação. A maioria optou por entregar a quase totalidade dos horários aos disc-jóqueis identificados com o gosto musical das classes de menor poder aquisitivo que, no Brasil, constituem a maioria dos ouvintes. Também havia programas jornalísticos de caráter popular, com preferência para o noticiário policial, e a transmissão dos eventos esportivos, especialmente o futebol. As rádios FM ainda não haviam entrado no ar.

O ano de 1969 marcou a introdução da televisão nos lares curitibanos, trazendo para si não só os ouvintes, que pouco a pouco tornaram-se espectadores, como também os programas de auditório, que passam para um segundo plano até serem extintos nas rádios.

Lembranças ao pé do ouvido no rádio
A ênfase dada nos regionais que compunham o quadro de profissionais do rádio é devido a forma instrumental, os tipos de instrumentos, a interpretação e os arranjos realizados pelos regionais conterem indicações para compreender a sua prática em si e as relações com as experiências sociais e culturais de seu tempo,
além de suas características físicas e das primeiras escolhas culturais e históricas, os sons que se enraízam na sociedade na forma de música também supõe e impõem relações entre a criação, a reprodução, as formas de difusão e, finalmente, a recepção, todas elas construídas pelas experiências humanas. (MORAES, p. 211)
A trama histórica junto às relações de produção, difusão e circulação da música popular urbana, nascida no final do século XIX e início do século XX, surgem marcadas por elementos inovadores e bem característicos que devem ser levados em conta. O processo de mistura de estilos e sotaques que levou ao nascimento do choro, ocorreu de forma similar em diferentes países. A partir dos mesmos elementos, danças européias (principalmente a polca), sotaque do colonizador e influência negra, surgiram gêneros que seriam a base de uma música popular urbana nos moldes que hoje conhecemos.

Estas misturas surgiram vinculadas com algumas formas de entretenimento urbano pagos como o circo, bares, cafés e teatros, ou não, como festas públicas ou privadas e encontros informais. Assim, se a princípio a geração e criação dessas canções não era destinada ao mercado, gradativamente elas se incorporam a ele, tornando cada vez mais o profissionalismo uma realidade para estes músicos. O choro praticado em Curitiba teve um percurso muito parecido, aproximando-se muito do choro carioca. Moacyr de Azevedo, também integrante do conjunto Choro e Seresta, lembra que além das serenatas que fez, tocou em bandas de baile de Piraquara, em eventos dos Clube Curitibano e Clube Literário do Portão, da Sociedade do Batel e restaurantes como a Pizzaria Leonardo da Vinci e principalmente, do “Boneca do Iguaçú”, em São José dos Pinhais, pontos de referência para se ouvir a melhor interpretação musical da região.

O cavaquinista Moacyr de Azevedo lembra ainda, 30 anos depois do convite do então prefeito de Curitiba Jayme Lerner, que ao ouvir uma apresentação do conjunto no Teatro Paiol, convidou-os para tocar num dos espaços culturais que ele estava criando, atraindo público para a Feirinha do Largo da Ordem. Lugar onde ainda tocam. Desta maneira vão se mostrando os vários espaços, além das rádios da prática do choro.

Para realizar este resgate do choro nos regionais para os programas de auditório durante o período de 1940 a 1970, os depoimentos de músicos que tocaram nestes regionais e apresentadores, produtores ou diretores das rádios em questão foi uma prática que deu voz às pessoas que deles participaram ou de alguma maneira acompanharam sua formação. Ecléa Bosi defende a “memória de velhos”, que não alcança apenas uma memória pessoal, mas também uma memória, social, familiar e grupal. E assim como Ecléa,


O principal esteio do meu método de abordagem foi a formação de um vínculo de amizade e confiança com os recordadores. Esse vínculo não traduz apenas uma simpatia espontânea que se foi desenvolvendo durante as pesquisas, mas resulta de um amadurecimento de quem deseja compreender a própria vida revelada do sujeito. (BOSI, 1994, p. 37-38)
E este vínculo de amizade e confiança, foi criado facilmente pelo fato da pesquisadora também tocar um instrumento musical, a flauta, e arriscar algumas músicas que fazem parte do repertório do choro, o que deixava o entrevistado mais a vontade depois de colocar-me numa roda de choro.

Bibliografia:
ARATANHA, Mario de. A essência musical da alma brasileira. Revista Roda de Choro. Número Dois. Rio de Janeiro : mar/abr, 1996
BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.
CABRAL, Sérgio. A MPB na era do rádio. São Paulo: Moderna, 1996.
CASÉ, Rafael. Programa Casé: o rádio começou aqui. Rio de Janeiro: Mauad, 1995.
CAZES, Henrique. Choro: do quintal ao municipal. São Paulo Editora 34, 1998
___ . Rádio e a fixação do “regional”. Revista Roda de Choro. Número Cinco. Rio de Janeiro março, 1997
Depoimentos Jacob. In: Ao Jacob seus bandolins (cd). Gravadora Biscoito Fino: BF – 537. 2003.
ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.
___ . Introdução à sociologia. Lisboa: Edições 60, 1999
IGES, José. Arte radiofónica: algunas líneas básicas de reflexión y de actuación. In: Telos, cuadernos de comunicación, tecnología y sociedad. nº 60. Madrid: Fundación Telefónica. julio-septiembre, 2004.
KASPCHAK, Carlão. A história da rádio PR-B2. In: Gazeta do povo. Caderno G. Curitiba, Domingo, 4 de julho de 1999. p. 3.
MORAES, José Geraldo Vinci de. História e música. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.20, nº 39
MOROZOWICZ, Henrique (de Curitiba). Visões de meu passado musical, na perspectiva do presente. In : Revista da sociedade brasileira de música contemporânea. Ano 2. nº 2. 1995. Goiânia.
TINHORÃO, José Ramos. Música Popular: do gramofone ao rádio e TV. São Paulo: Ática, 1981.


1 Graduada em História pela UFPR, especialista em História da Música pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP), com pesquisa sobre o Choro, mestranda em Sociologia na UFPR, com pesquisa sobre a prática do Choro em Curitiba, resgatando a memória dos seus antigos chorões. Professora de História da Música Popular Brasileira do Conservatório de MPB de Curitiba. Integrante do quarteto de flautas doce “Quadrante Sonoro” e do grupo “Banza”, que resgata a música ibérica e afro-brasileira na Bahia dos séculos XVII e XVIII, do tempo de Gregório de Mattos – <www.rem.ufpr.br/banza>.

2 Conjuntos instrumentais compostos, no geral, de violão, violão sete cordas, cavaquinho, percussão, flauta, acordeon ou outro instrumento solista.

Catálogo: alcar -> encontros-nacionais-1 -> encontros-nacionais -> 3o-encontro-2005-1
3o-encontro-2005-1 -> Objetivo geral
3o-encontro-2005-1 -> 3º Encontro da Rede Alfredo de Carvalho Feevale/Novo Hamburgo, 14 a 16 de abril de 2005 gt história da Mídia Alternativa
3o-encontro-2005-1 -> ImigraçÃo estrangeira sob a ótica do jornal a província do espírito santo (1882/1889)
3o-encontro-2005-1 -> O nanquim e o curso de Comunicação da uepg cíntia Xavier da Silva Pinto1 resumo
3o-encontro-2005-1 -> “Cidade Ideal versus Cidade Real e o papel da imprensa nesta disputa secular”
3o-encontro-2005-1 -> Instituição: professora substituta do departamento de Jornalismo da Universidade Federal de
3o-encontro-2005-1 -> 3º Encontro Nacional da Rede Alfredo de Carvalho – Feevale/ abri/2005
3o-encontro-2005-1 -> A influência dos meios de comunicação na tribalização, destribalização e retribalização da sociedade Resumo
3o-encontro-2005-1 -> Iii encontro Nacional da Rede Alfredo de Carvalho Novo Hamburgo, rs 2005 gt de História da Midiologia
3o-encontro-2005-1 -> A formação do Repórter-Fotográfico e o Papel do Fotojornalismo Silvana Louzada


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal