DeclaraçÃo wagner borja 47 anos Professor de História



Baixar 3.07 Kb.
Encontro30.07.2016
Tamanho3.07 Kb.
DECLARAÇÃO WAGNER BORJA
47 anos
Professor de História

Fiz uma assinatura do estadão no início de 2010.


Após muita dificuldade, consegui cancelar minha assinatura com "O Estado de S.Paulo".
O fato que me levou a essa tomada de atitude foi a demissão de Maria Rita Khel.
Um jornal tem todo o direito de ter posição, de assumir que apóia um determinado candidato. De assumir ser conservador. Porém o Estadão, fez sua história defendendo a liberdade de expressão, a liberdade de opinião. Ao demitir uma articulista que assina suas matérias, portanto não se confundem com a posição do jornal, há uma clara intenção de impedir que o contraditório tenha lugar nas páginas do jornal.
Ao ler o artigo de Maria Rita, imaginei que haveria uma resposta de outro articulista, uma matéria de alguma editoria, ou até um vetusto editorial reafirmando as posições do jornal. Esperava por um debate, que tornasse possível reafirmara as posições do meu jornal.
Ao demitir a colunista o jornal simplesmente abriu mão do debate e assumiu um corte autoritário e na minha casa autoritários não tem vez nem lugar.
No Brasil há plena liberdade de imprensa! Caso não houvesse, a semanal da abril teria publicado imagem do presidente com um chute nos fundilhos (imagem montada claro!); suposto humorista teria chamado o presidente de "vagabundo e picareta" em programa da TV paga ligada à Rede Globo?, ou ainda a FSP teria publicado um artigo com uma ficha falsa da candidata do PT ?
Ora criticar a imprensa, apontar seus erros e sua parcialidade não é tolher sua liberdade apenas lembrá-la de que é parte e não o todo!

Wagner Borja


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal