Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação de Creche e Jardim de Infância



Baixar 57.29 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho57.29 Kb.

Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância

Critérios de Avaliação de Creche e Jardim de Infância

A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e de ensino por isso implica princípios e procedimentos de avaliação adequados à especificidade de cada nível. A Educação Pré-Escolar tem especificidades às quais não se adequam todas as práticas e formas avaliativas utilizadas noutros níveis de ensino.

A avaliação na Educação Pré-Escolar assume uma dimensão marcadamente formativa, pois trata-se, essencialmente, de um processo contínuo e interpretativo que se interessa mais pelos processos do que pelos resultados.

Os princípios, procedimentos e práticas organizativas e pedagógicas, relativos à avaliação na Educação Pré-Escolar estão definidos nos seguintes documentos: Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar da região Autónoma dos Açores (Portaria nº 1/2002, de 3 de Janeiro); Perfil específico de desempenho do educador de infância (Decreto-Lei nº 241/2001, de 30 de Agosto); Documento de Educação Pré-Escolar e Avaliação (DREF).

Estes documentos serviram de base para a elaboração dos critérios de avaliação das valências de Creche e Jardim-de-Infância.


  1. Finalidade

A finalidade da avaliação é apoiar o processo educativo de modo a ajustar as aprendizagens das crianças e regular os processos, de forma a recolher e analisar informação diversa acerca das situações pedagógicas e dos intervenientes envolvidos, no sentido de tomar decisões que potenciem a aprendizagem e o seu desenvolvimento.

  1. Princípios

A avaliação assenta nos seguintes princípios:

  • Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes à organização e gestão do currículo definidos nas OCEPE (Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar) e no CREB (Currículo Regional da Educação Básica);

  • Utilização de técnicas e instrumentos de observação e registos diversificados;

  • Caráter formativo;

  • Valorização dos progressos da criança;

  • Promoção da igualdade e equidade.



  1. Intervenientes

São intervenientes do processo de avaliação:

  • O Educador de Infância;

  • A(s) Criança(s);

  • As Ajudantes de Educação;

  • Os Encarregados de Educação;

  • O Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância;

  • Docentes das Actividades de Complemento Curricular;

  • Programa Estagiar L (Educadores de Infância); *

  • Serviços de Psicologia e Orientação (SPO);

  • Serviços de Enfermagem.

* Quando estes existem na Instituição.

  1. Critérios de Avaliação - Creche e Jardim de Infância

As atividades desenvolvidas nas valências de Creche e Jardim de infância estão inseridas em três grandes Áreas de Conteúdo: Formação Pessoal e Social, Expressão e Comunicação e Conhecimento do Mundo.

A avaliação nestas valências assume uma dimensão marcadamente formativa, pois trata-se, de um processo contínuo e interpretativo, que se interessa mais pelos processos, do que pelos resultados. Procura tornar a criança protagonista da sua aprendizagem, de modo a que vá tomando consciência do que já conseguiu, das dificuldades que vai tendo e como as vai ultrapassando. É perspetivada no sentido da educação ao longo da vida, assegurando à criança condições para abordar com sucesso o 1º ciclo.






Creche




Áreas de desenvolvimento

Parâmetros

Instrumentos de Avaliação

Desenvolvimento Afetivo e Social

Identidade


Observação direta: Grelhas de Observação e Observação Diária (Comportamentos; Atitudes; Aprendizagens)

Observação indireta: fotografias; gravações áudio e vídeo, registos de auto avaliação, portefólios/dossiers de trabalho construídos com as crianças; questionários, pais ou outros parceiros educativos, outros.

Autonomia/Independência

Relação com os outros

Desenvolvimento Cognitivo

Linguagem


Observação direta: Grelhas de Observação e Observação Diária (Comportamentos; Atitudes; Aprendizagens)

Observação indireta: fotografias; gravações áudio e vídeo, registos de auto avaliação, portefólios/dossiers de trabalho construídos com as crianças; questionários, pais ou outros parceiros educativos, outros.

Desenvolvimento Motor

Motricidade Global e Fina

Observação direta: Grelhas de Observação e Observação Diária (Comportamentos; Atitudes; Aprendizagens)

Observação indireta: fotografias; gravações áudio e vídeo, registos de auto avaliação, portefólios/dossiers de trabalho construídos com as crianças; questionários, pais ou outros parceiros educativos, outros.






Jardim-de-Infância




Áreas de Conteúdo

Parâmetros

Instrumentos de Avaliação


Área de Formação Pessoal e Social

Conhecimento de si

- Construção da identidade;

- Favorecer a auto-estima.



Observação direta: Grelhas de Observação e Observação Diária (Comportamentos; Atitudes; Aprendizagens.

Observação indireta: Registos gráficos, individuais e coletivos, entrevistas, abordagens narrativas, fotografias; gravações áudio e vídeo, registos de auto avaliação, portefólios/dossiers de trabalho construídos com as crianças; questionários a crianças, pais ou outros parceiros educativos, outros.

Autonomia

- Assumir responsabilidades;

- Aquisição do saber-fazer;

- Ter iniciativas.


Relação com os outros


- Interiorizar construindo referências;

- Direitos e deveres para consigo e para com os outros;

- Confronto de opiniões;

- Solução de conflitos;

- Compreensão do outro;

- Respeito pela diferença.




Área de Expressão e Comunicação

Domínio da Linguagem Oral e Abordagem da Escrita

- Compreensão;

- Oralidade;

- Interesse pela leitura;

- Competências de leitura;

- Competências de escrita.







Domínio da Matemática

- Classificação;

- Seriação;

- Relação espacial;

- Sequência e tempo;

- Número/quantidade;

- Contagem;

- Comparação;

- Resolução de problemas;

- Geometria.


Observação direta: Grelhas de Observação e Observação Diária (Comportamentos; Atitudes; Aprendizagens)

Observação indireta: Registos gráficos, individuais e coletivos, entrevistas, abordagens narrativas, fotografias; gravações áudio e vídeo, registos de auto avaliação, portefólios/dossiers de trabalho construídos com as crianças; questionários a crianças, pais ou outros parceiros educativos, outros.

Domínio da Expressão Motora

- Motricidade global;

- Motricidade fina;

- Posicionamento e orientação no espaço.


Domínio da Expressão Musical

- Exploração de sons e ritmos;

-Exploração da memória rítmica-auditiva;

- Desenvolver a sensibilidade estética neste domínio.






Domínio da Expressão Plástica

- Representação de imagens construídas interiormente;

- Representação criativa:

- Desenho/ pintura;

- Representação criativa: construções tridimensionais;

- Criatividade nas produções;

- Exploração de diferentes técnicas de expressão plástica.






Domínio da Expressão Dramática

- Jogo simbólico

- Jogo dramático

- Desinibição




Área de Conhecimento do Mundo

Do Meio Próximo


- Curiosidade sobre o seu meio envolvente;

- Inter-relação com o seu meio;

- Identificação de actividades e serviços da comunidade.


Observação direta: Grelhas de Observação e Observação Diária (Comportamentos; Atitudes; Aprendizagens)

Observação indireta: Registos gráficos, individuais e coletivos, entrevistas, abordagens narrativas, fotografias; gravações áudio e vídeo, registos de auto avaliação, portefólios/dossiers de trabalho construídos com as crianças; questionários a crianças, pais ou outros parceiros educativos, outros.

De Outros Meios

e Culturas

- Curiosidade em conhecer outros meios/culturas;

- Alargamento dos interesses do grupo e da criança.




Das Ciências


- Sensibilização às ciências naturais e biológicas;

- Cuidados e respeito pelo ambiente;

- Atitudes científicas e experimentais.





  1. Modalidades de avaliação

Apesar de a avaliação ser um processo contínuo importa definir os seus principais momentos:




  • Avaliação Diagnóstica:




  • Será realizada no início do ano letivo sob a forma de caraterização do grupo e de cada criança, de identificação de interesses e necessidades e tem como objetivo a elaboração e adequação do projeto curricular de turma e a adoção de estratégias de diferenciação pedagógica;

  • Poder-se-á realizar em qualquer momento como forma de regular o processo educativo;

  • Esta avaliação será expressa nos projetos curriculares de turma cabendo aos Educadores de Infância titulares apresentar uma síntese da avaliação diagnóstica, em reunião de departamento. Em caso de solicitação as mesmas serão apresentadas em Conselho Pedagógico.




  • Avaliação Formativa: Assume um caráter contínuo e sistemático visando a regulação do ensino e das aprendizagens, fornecendo ao educador de infância, à criança, ao encarregado de educação e aos restantes intervenientes no processo, informação sobre o desenvolvimento das aprendizagens e competências adquiridas, bem como as capacidades e atitudes, de modo a evidenciar sempre os aspetos em que as aprendizagens as crianças precisem de ser melhoradas, apontando modos de superar as dificuldades ou enriquecer o seu conhecimento.




  • No final de cada período:

- Os Educadores de Infância titulares procederão à avaliação das aprendizagens das crianças tendo por base as suas planificações; (Creche e Jardim de Infância).

- Os Educadores comunicarão aos Pais/Encarregados de Educação, através de uma informação descritiva, as aprendizagens e os progressos de cada criança; (Valência de Jardim Infância).

- Os Educadores apresentarão em reunião de departamento, uma síntese avaliativa sobre a consecução dos objetivos/prioridades, definidos no projeto curricular de turma referindo: as aprendizagens e o desenvolvimento do grupo, por áreas de conteúdo, mencionando os casos específicos; Das avaliações apresentadas, a coordenadora elaborará uma síntese global a apresentar em reunião do Conselho Pedagógico. (Creche e Jardim de Infância).


  • No final do ano letivo:

- Os Educadores de Infância titulares comunicarão aos professores das crianças, que transitam para o Primeiro Ciclo, as aprendizagens mais significativas de cada criança, realçando o seu percurso, evolução e progressos, centrando-se numa apreciação positiva, procedendo à articulação dos respetivos processos individuais. (Valência de Jardim Infância).

- Os Educadores de Infância titulares comunicarão aos Pais/Encarregados de Educação, através de uma informação descritiva, as aprendizagens e os progressos de cada criança (Valência de Creche).




  • Avaliação realizada com as crianças

A avaliação realizada com as crianças é uma atividade educativa, que as implica na sua própria aprendizagem, fazendo-as refletir sobre as suas dificuldades e em como as superar. Esta avaliação acompanha todo o processo educativo.


  1. Instrumentos de avaliação

Para objetivar a avaliação durante o processo de ensino-aprendizagem, o educador recolhe elementos através de técnicas e instrumentos específicos, construídos em colaboração com os diferentes parceiros educativos, tais como:
- Observação direta

  • Grelhas de observação

Comportamentos, Atitudes e Aprendizagens.

  • Observação diária


- Observação indireta

  • Registos gráficos, individuais e colectivos, fotografias; gravações áudio e vídeo, registos de auto-avaliação, portefólios/dossiers de trabalho construídos com as crianças; questionários a crianças, pais ou outros parceiros educativos, outros.


Conclusão

Este documento pretende clarificar e uniformizar os procedimentos e práticas organizativas e pedagógicas relativamente à avaliação na Educação Pré-Escolar, nesta Instituição.

A definição de critérios procura ser uma referência e uma orientação para os educadores, sem por em causa o respeito pelos valores de uma pedagogia diferenciada. Neste contexto, a avaliação deve centrar-se sempre na criança e na sua evolução e a referência comparativa deve ser sempre a própria criança, em diferentes momentos de aprendizagem.

Tendo como principal função a melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o Jardim-de-Infância, a família e a escola, uma construção partilhada que passa pelo diálogo, pela comunicação de processos e de resultados, tendo em vista a criação de contextos facilitadores de um percurso educativo e formativo de sucesso.

Aprovado em Conselho Pedagógico de ____ de ____________ de _______.

O Presidente do Conselho Pedagógico

________________________________

Reunião de direção de ______ de _________________ de ________.

A Direção

______________________






Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal