Departamento de comunicaçÃO – Área de língua portuguesa e literatura aluno (A): No.: Turma: data: / /2011 professor



Baixar 30.69 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho30.69 Kb.






DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO – ÁREA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA
ALUNO (A): _____________________________________________________________________ No.: _______

TURMA: ______ DATA: ____/____/2011 PROFESSOR: Adauto Locatelli Taufer


















ESTRUTURA DO CONTO TRADICIONAL – 3º TRIMESTRE – 8ª SÉRIE
O CONTO
As Estruturas Narrativas: Quando estudamos as estruturas narrativas, devemos atentar para a grande variedade de suas formas, cujos elementos estruturais se encontram presentes não apenas na arte literária, mas também no cinema, no teatro, na pintura, no rádio, na televisão. No momento, estamos preocupados somente com a narrativa literária, que tem na palavra, oral ou escrita, seu único meio de expressão. São as seguintes as principais formas narrativas:



  • autobiografia;

  • conto;

  • crônica;

  • epopeia

  • lenda;

  • mito;

  • novela;

  • romance;


O CONTO: assim como a crônica, o conto é um texto curto que pertence ao grupo dos gêneros narrativos ficcionais. É a forma narrativa, em prosa, de menor extensão, condensada (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características, estão a concisão, a precisão, a densidade, a unidade de efeito. O conto precisa causar um efeito singular no leitor; muita excitação e emotividade. Esse tipo de texto literário se diferencia do romance e da novela não só pelo tamanho, mas por características estruturais próprias. Ao invés de representar o desenvolvimento ou o corte na vida das personagens, visando a abarcar a totalidade, o conto aparece como uma amostragem, como um flagrante instantâneo, pelo que vemos registrado literariamente um episódio singular e representativo.





Geralmente, uma narrativa literária pode aparecer em forma de conto, novela ou romance. Para que haja narrativa é necessário que haja também um contador de história e uma história.





  1. O contador de história é o narrador.

  2. A história apresenta:

a)   Uma sequência de fatos (enredo).

b)   Personagens (que vivenciam os fatos).

c)   O lugar onde os fatos ocorrem (espaço ou cenário).  
Enredo:

Toda narrativa pressupõe algo sendo contado. O enredo é o que sustenta a história. Uma seqüência de fatos corresponde ao enredo da história. Veja um exemplo de narrativa escrito em TERCEIRA PESSOA.
Ex.: Um homem caminha à noite por uma estrada escura, seus olhos estão atentos ao menor movimento, seus ouvidos ao menor ruído, ele está a muitos quilômetros de sua casa e só conseguirá chegar até ela caminhando. A qualquer momento ele poderá ser assaltado. Na rua não há mais ninguém. Caminha sozinho, tendo por testemunha a luz da Lua e das estrelas. Ele tem que chegar em sua casa, lá o esperam seus filhos e sua esposa. Todos já devem estar preocupados com sua demora. Súbito, ele escuta barulho de passos, seu coração descompassa. Começa a caminhar mais rápido. O barulho dos passos aumenta. São passadas rápidas que parecem quase correr...
Nesse pequeno enredo,  temos todos os ingredientes citados acima:


  • Sequência de fatos: (Uma personagem que precisa chegar a sua casa);

  • Personagem: (Um homem solitário e outro responsável pelo barulho dos passos);

  • Cenário: (Uma estrada escura sem movimento, que leva à casa do homem);

  • Narrador: (Quem conta a história).

Além desses elementos, o conto apresenta com relação à estrutura:



  • Situação Inicial (Apresentação): são mostrados ao leitor os primeiros dados como as/os personagens e suas características, o espaço em que elas/eles se movimentam, as relações que mantêm entre si e suas referências temporais. Aqui, como o nome diz, é exposta a situação inicial do universo ficcional;

  • Complicação: (Desenvolvimento) rompe-se o equilíbrio do estado inicial, surgem conflitos e começam a ocorrer transformações, expressas em um ou mais episódios que, encadeados, conduzem a narrativa a um ponto máximo de tensão;

  • Clímax: é o ponto máximo de tensão, resultante da convergência dos vários conflitos vividos pelas personagens;

  • Desfecho ou Desenlace (Conclusão): corresponde à situação final, ou seja, ao novo equilíbrio que se alcança depois do clímax.



Podemos resumir a explicação acima, conforme o esquema abaixo:
Situação Inicial Complicação Clímax Desfecho ou Desenlace

primeiros dados surge o primeiro ponto de máxima reestabelecimento da

das personagens conflito tensão situação inicial



(equilíbrio) (desequilíbrio) (desequilíbrio) (equilíbrio)

Outros elementos da narrativa são:



O foco da narrativa: Toda história é narrada em primeira ou em terceira pessoa. O Foco da narrativa é determinado pelo contador da história, ou seja, o narrador. Quando o narrador faz parte integrante da história, quando ele é uma personagem da mesma, a narrativa está sendo feita em primeira pessoa.

Ex.: Eu estou caminhando a noite por uma estrada escura, meus olhos estão atentos ao menor movimento, meus ouvidos ao menor ruído, eu estou a muitos quilômetros de minha casa e só conseguirei chegar até lá caminhando...


Esse pequeno trecho foi reescrito do exemplo anterior em PRIMEIRA PESSOA. Nessa história, o narrador é o personagem caminhando solitário pela rua escura; portanto a narrativa aqui está focada em primeira pessoa.
Foco Narrativo:

  • Primeira pessoa: Quando o narrador faz parte da história, ele é uma das personagens, personagem principal.

  • Terceira pessoa: Quando o narrador não participa, ele somente conta a história.

Narrador onisciente - É o narrador que penetra no mundo interior das personagens. Veja o exemplo do texto do primeiro exemplo: Súbito, ele escuta barulho de passos, seu coração descompassa. Como o narrador poderia saber sobre o coração da personagem? Pois bem, se ele (narrador) estando 'fora' da história consegue saber os sentimentos da personagem, então podemos considerá-lo onisciente.

Tempo:

É um elemento decisivo dentro de uma narrativa.



  • Tempo cronológico ou histórico: exterior, obedece ao relógio e determina que a ação e o espaço também sejam exteriores;

  • Tempo psicológico ou metafísico: interior, passa-se no consciente de uma ou mais personagens.


OBS: Os dois tipos de tempo narrativo podem aparecer no mesmo texto.
Espaço/ Ambiente:

Caracterizado, quase sempre, pelas descrições, de acordo com a intenção do narrador. Assim como o tempo, o espaço pode referir-se a um lugar real, dentro do universo ficcional, sendo, então, exterior. É usual classificar o espaço em regional ou urbano, físico ou social.


Personagens:

São fundamentais em qualquer narrativa. São divididos em: protagonistas, antagonistas e personagens secundários.



  • Plana: seu comportamento é previsível – é o chato que só sabe ser chato, o gozador que está sempre fazendo graça, o trágico que só vê desgraça em tudo;

Há personagens que não representam individualidades e sim tipos humanos, identificados pela profissão, pelo comportamento, pela classe social. Quando esses comportamentos forem realçados, teremos os personagens caricaturais.




  • Redonda ou esférica: além de imprevisível, é apresentada sob vários aspectos, possui várias facetas e surpreende o leitor com atitudes inesperadas.


Pessoal,
A seguir, publicarei aquela análise sobre um conto que prometi para vocês na última aula.

Abraços e beijos,


Adauto


[MATERIAL DE APOIO – Estrutura do Conto – 3º Trimestre – 8ª Série] Página




Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal