Departamento de psicologia plano de ensino



Baixar 84.32 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho84.32 Kb.




UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS



DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA


PLANO DE ENSINO

  1. IDENTIFICAÇÃO




Curso: Psicologia

Semestre: 2013-1

Turma: 0517

Disciplina: PSI 5156 - Psicologia Existencial 

Horas/aula semanais:  

Horário: 514204

Professor: Daniela Ribeiro Schneider

e-mail: daniela.schneider@ufsc.br

Horas de PPCC: não tem

Oferta para os cursos: Psicologia

Pré-requisitos: Fil - Antropologia Filosófica




  1. EMENTA

Husserl e a Psicologia. A influência da fenomenologia na psicologia. As influências de Jean-Paul Sartre e Merleau Ponty na psicologia. As posições existenciais na psicologia atual.


  1. TEMAS DE ESTUDO

Fundamentos da fenomenologia e existencialismo. O método fenomenológico. A psicopatologia fenomenológica. A constituição da psicologia fenoimenológica existencial. Diferenças da psiologia existencial com a psicologia existencialista. Ontologia, antropologia em Jean-Paul Sartre. Principais conceitos da psicologia existencialista. Psicopatologia e psicoterpia existencialista. 


  1. OBJETIVOS




1.

Conhecer os fundamentos históricos da psicologia existencialista e de sua importância para o avanço das ciências e da psicologia;     

2.

Conhecer as teses centrais da Fenomenologia e do Existencialismod; 

3.

Localizar-se frente às principais correntes da Psicologia fenomenológica e existencial, diferenciando-as da psicologia existencialista;

4.

Conhecer as propostas da psicopatologia fenomenológica;

5.

Apropriar-se de aspectos centrais da psicologia existencialista de Jean-Paul Sartre;

6.

Tomar conhecimento da psicopatologia e da metodologia psicoterapêutica existencialista;

7.

Compreender as novas perspectivas trazidas pela Psicologia Existencialista para o campo da psicologia e, mais especificamente, para a psicologia clínica;



  1. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E CRONOGRAMA



AULA


DATA

ATIVIDADES

1

21/03

Apresentação do programa;

Localização da psicologia fenomenológica e existencialista no conjunto da história da psicologia e da ciência moderna e contemporânea



2

28/03

Fundamentos da psicologia existencialista: o método fenomenológico

3

04/04

Fundamento da psicologia existencialista: a filosofia existencialista de Kierkeggard

4

11/04

A constituição das psicologias fenomenológicas;

Distinção entre psicologia existencial e existencialista;



5

18/04

Histórico da psiquiatria e psicopatologia fenomenológica e sua relação com a antipsiquitria;     

6

25/04

O Paciente Psiquiátrico, de Van Den Berg;

7

02/05

Introdução à Psicologia Existencialista: ciência e psicologia em Jean-Paul Sartre;

8

09/05

Ontologia e Antropologia na filosofia sartriana;

9

16/05

SEMANA ACADÊMICA DA PSICOLOGIA

10

23/05

A ontologia do ego;

11

30/05

FERIADO

12

06/06

O desenvolvimento da personalidade - regularidades e impasses;

13

13/06

O fenômeno da Imaginação na psicologia existencialista;

14

20/06

As emoções segunda a psicologia existencialista;

15

27/06

AVALIAÇÃO DOCENTE/DISCENTE DA DISCIPLINA

16

04/07

A psicopatologia na ótica satriana

17

11/07

Sartre e a psicologia clínica 

18

18/07

Nova avaliação;

19

     

;

20

     

;

21

     

     

22

     

;

23

     

;

24

     

;

25

     

    

26

     

;

27

     

;

28

     

;

29

     

;

30

     

     

31

     

     

32

     

     

33

     

     

34

    

     

35

     

     

36

     

.




  1. MÉTODOS E TÉCNICAS DE ENSINO




a)

Aula expositiva - dialogada 

b)

Discussão de filmes 

c)

Palestra de profissional convidado;

d)

   

e)

     

f)

     







  1. AVALIAÇÃO

Serão utilizadas as seguintes verificações de aprendizagem:

- 1 Trabalho;

- Presença e participação em sala de aula ;


A nota final (NF) será o resultado do cálculo indicado a seguir:

Trabalho 1+ nota participação

NF=-----------------------------------------------

2

OBSERVAÇÕES:


A atribuição de notas para trabalhos escritos levarão em conta os seguintes critérios:

1.

Objetividade, clareza e coerência nas idéias pautadas no documento;

2.

Pertinência dos assuntos em relação aos objetivos da disciplina; 

3.

Reflexão própria e crítica;

4.

Uso correto da linguagem;

5.

Cumprimentos das normas técnico-científicas.



NOVA AVALIAÇÃO

Conforme previsto no artigo 70, parágrafo 2° da Resolução 017/Cun/97, a qual dispõe sobre o Regulamento dos Cursos de Graduação da UFSC, terá direito a uma nova avaliação, no final do semestre, o aluno com freqüência suficiente (FS) e média das notas de avaliações do semestre entre 3,0 (três) e 5,5 (cinco vírgula cinco), exceto nas disciplinas que envolvam Estágio Curricular, Prática de Ensino e Trabalho de Conclusão do Curso ou equivalente, ou disciplinas de caráter prático que envolvam atividades de laboratório ou clínica definidas pelo Departamento e homologados pelo Colegiado de Curso, para as quais a possibilidade de nova avaliação ficará a critério do respectivo Colegiado do Curso.

A nota final do aluno considerando a nova avaliação, de acordo com Artigo 71, parágrafo 3o, será calculada através da média aritmética entre a média das notas das avaliações parciais e a nota obtida na Nova Avaliação.


  1. SOBRE O ANDAMENTO DAS AULAS

1.

Solicitamos manter os celulares desligados no decorrer das aulas; 

2.

Cuidar individualmente e coletivamente do processo de aprendizagem (ouvindo, debatendo, sugerindo, instigando reflexões...);

3.

Realizar a leitura prévia do texto indicado;

4.

Evitar conversas paralelas;


  1. REFERÊNCIAS BÁSICAS

Cardinalli, I. (2004). Daseinanalyse e Esquizofrenia. São Paulo: EDUC/Fapesp.

Carvalho Teixeira, J. A. (2006). Introdução à Psicoterapia Existencial. Análise Psicológica, 3 (XXIV) : 289-309.

Castro, F.G. (2012). Estudos de Psicanálise Existencial. Curitiba:

Dartigues, A. (1973). O que é a Fenomenologia? Rio de Janeiro: Eldorado.

Ewald, A. (2008). Fenomenologia e Existencialismo: articulando nexos, costurando sentidos. Estudos e Pesquisas em Psicologia, ano 8, nº 2, pp. 149-165.

Fragatta, J. (1965). A Fenomenologia de Husserl. Braga: Livraria Cruz.

Jaspers, K. (1979). Psicopatologia Geral: psicologia compreensiva, explicativa e fenomenologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu.

Jolivet, R. (1957). As Doutrinas Existencialistas: de Kierkegaard a Sartre. Porto: Tavares Martins.

Sartre, J. P. (1968). Situações I. Lisboa: Publicações Europa-América.

Sartre, J. P. (1997). O Ser e o Nada: Ensaio de Ontologia Fenomenológica. Petrópolis: Vozes.

Sartre, J. P. (1994). A Transcendência do Ego. Lisboa: Colibri.

Sartre, J. P. (1996). O Imaginário: psicologia fenomenológica da imaginação. São Paulo: Ática.

Sartre, J. P. (2002).Saint Genet: Autor e Mártir. Petrópolis: Vozes, 2002 Rio de Janeiro: DP &A.

Schneider, D. R. (2006). Liberdade e Dinâmica Psicológica em Sartre. Natureza Humana, v.8, p.75 - 85.

Schneider, D. R. (2011). Sartre e a Psicologia Clínica. Florianópolis: EDUFSC.

Van den Berg, J. H. (1981). O Paciente Psiquiátrico: esboço de psicopatologia fenomenológico. São Paulo: Mestre Jou.




  1. REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES

Almeida, W. C. (1982). Psicoterapia Aberta: o método do psicodrama. São Paulo: Agora.

Augras, M. (1986). O Ser da Compreensão. Petrópolis: Vozes.

Beauvoir, S. (1970). Moral da Ambigüidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Bruns, M.; Holanda, A. e cols. (2003). Psicologia e Fenomenologia: Reflexões e Perspectivas. Campinas: Alínea,.

César, C. M. & Bulcão, M. (2008). Sartre e seus contemporâneos: ética, racionalidade e imaginário. Aparecida: Ideias & Letras.

Depraz, N. (2007). Compreender Husserl. Petrópolis, Vozes.

Ehrlich, I. (2002). A contribuição do projeto de ser em Sartre para a Psicologia de Orientação Profissional. Dissertação de Mestrado. Fpolis: UFSC.

Erthal, T. C. (1989). Uma Abordagem Existencial em Psicoterapia. Petrópolis: Vozes.

Farago, F. (2006). Compreender Kierkegaard. Petrópolis, Vozes.

Feijoo, A. M. L. C. (2010). Tédio e Finitude: da Filosofia à Psicologia. Belo Horizonte: Fundação Guimarães Rosa.

Forguieri, Y. (1993). Psicologia Fenomenológica: Fundamentos, Métodos e Pesquisas. São Paulo: Pioneira.

França, C. (1989). Psicologia Fenomenológica: Uma das maneiras de se fazer. Campinas: Ed. da Unicamp.

Giles, T. (1989). História do Existencialismo e da Fenomenologia. São Paulo: EPU.

Greening, T. C. (1975). Psicologia Existencial-Humanista. Rio de Janeiro: Zahar.

Gomes, W. e cols. (1998). Fenomenologia e Pesquisa em Psicologia. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS.

Heidegger, M. (1997). Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes.

Heidegger, M. (1991). Cartas sobre o Humanismo. São Paulo: Moraes,.

Heidegger, M. (2001). Seminários de Zollikon. São Paulo: EDUC; Petrópolis: Vozes.

Husserl, E. (2001). Meditações Cartesianas. São Paulo: Madras.

Jameson, F. (1985). Marxismo e Forma. São Paulo: Hucitec.

Keen, E. (1979). Introdução à Psicologia Fenomenológica. Rio de Janeiro: Interamericana.

Kierkeggard, S. (1988).Temor e Tremor. 3a. ed. São Paulo: Nova Cultural. (Col. Os Pensadores).

Lara, T. A. (1986). Caminhos da Razão no Ocidente. Petrópolis: Vozes.

Laing, R. D. (1982). O Eu e os Outros. Petrópolis: Vozes.

Laing, R. D. (1987). O Eu Dividido: estudo existencial da sanidade e da loucura. Petrópolis: Vozes.

Laing, R. D. (1982). Laços. 3ª ed. Petrópolis: Vozes.

Laing, R. & Cooper, D. (1982). Razão e Violência .2ª ed. Petrópolis: Vozes.

Martins, J. & Bicudo, Mª. (1983). Estudos sobre Existencialismo, Fenomenologia e Educação. São P: Moraes.

Merleau-Ponty, M. (1994). Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes.

Moreno, J. L. (1984).Psicodrama. São Paulo: Cultrix.

Moreira, V. (2009). Clínica Humanista-Fenomenológica: estudos em psicoterapia e psicopatologia crítica. São Paulo: AnnaBlume.

Moutinho, L. (1995). Sartre: Psicologia e Fenomenologia. São Paulo: Brasiliense.

Naffat Neto, A. (1982). As Psicoterapias hoje: algumas abordagens. São Paulo: Summus.

Penha, J. (1983). O Que é o Existencialismo. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense.

Ribeiro, J. P. (1985). Gestalt-Terapia: refazendo um caminho. São Paulo: Summus.

Romero, E. (2005). O Inquilino do Imaginário: Formas malogradas de existência. São José dos Campos: Della Bídia. 4ª ed.

Romero, E.; Ribeiro W. (2009). Vulnerabilidade Humana e Conflitos Sociais. São José dos Campos: Della Bídia.

Sartre, J. P. (1965). Esboço de uma Teoria das Emoções. Rio de Janeiro: Zahar.

Sartre, J. P. (1987). O Existencialismo é um Humanismo. Col. Os Pensadores. 3ª ed. São Paulo: Nova Cultural,.

Sartre, J. P. (2002). Crítica da Razón Dialéctica (precedido pelo Questão de Método). Rio de Janeiro: DP &A.

Schneider, D. R. (2002). Novas perspectivas para a psicologia clínica: um estudo a partir da obra “Saint Genet: comédien et martyr” de Jean-Paul Sartre. Tese de Doutorado. São Paulo: PUC/SP.

Schneider, D. R.. (2006a). A Náusea e a Psicologia Clínica: interações entre literatura e filosofia em Sartre. Estudos e Pesquisas em Psicologia, n° 2, 51-61

Schneider, D. R.. (2006b). Liberdade e Dinâmica Psicológica em Sartre. Natureza Humana, v.8, 75-85

Schneider, D. R.. (2006c). Novas Perspectivas para a Psicologia Clínica a partir das contribuições de J. P. Sartre. Interações em Psicologia, v.10, 101-112.

Tatossian, A. (2006). A Fenomenologia das Psicoses. São Paulo: Escuta.

ATENDIMENTO AOS ALUNOS

Horário: Quinta-feira – das 13:30 às 14:15 horas. – Sala 214 – Bloco D do CFH





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal