Dependente de agentes humanos —



Baixar 88.24 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho88.24 Kb.

Lição 4 A missão da igreja Pag.



Capítulo 1

O chamado de Deus para o serviço
Dependente de agentes humanos — Deus não escolhe como Seus representantes entre os homens anjos que jamais caíram, mas seres humanos, homens de paixões idênticas às daqueles a quem buscam salvar. Cristo Se revestiu da forma humana para que pudesse alcançar a humanidade. Um Salvador divino-humano era necessário para trazer a salvação ao mundo. E a homens e mulheres foi entregue a sagrada tarefa de tornar conhecidas “as riquezas incompreensíveis de Cristo”. Efésios 3:8. — Actos dos Apóstolos, 134. {SC 6.1}

Considerai a tocante cena. Vede a Majestade do Céu tendo em torno os doze por Ele escolhidos. Logo os separará para a obra que lhes destinou. Por meio desses frágeis instrumentos, mediante Sua Palavra e Espírito, Ele Se propõe a colocar a salvação ao alcance de todos. — Actos dos Apóstolos, 18. {SC 6.2}

“Envia homens a Jope, e manda chamar a Simão”. Actos dos Apóstolos 10:5. Assim Deus deu prova de Sua atenção para com o ministério evangélico e Sua igreja organizada. O anjo não foi incumbido de contar a Cornélio a história da cruz. Um homem sujeito a fragilidades e tentações humanas, como o centurião, deveria ser aquele que lhe contaria a respeito do Salvador crucificado e ressuscitado. — Actos dos Apóstolos, 134. {SC 6.3}

O anjo enviado a Filipe poderia ter ele próprio feito a obra pelo etíope, mas essa não é a maneira de Deus agir. É Seu plano que os homens trabalhem por seus semelhantes. — Actos dos Apóstolos, 109. {SC 6.4}

“Temos, porém, este tesouro”, prosseguiu o apóstolo, “em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós”. 2 Coríntios 4:7. Deus poderia ter proclamado Sua verdade por meio de anjos sem pecado, mas esse não é Seu plano. Ele escolheu seres humanos, homens cheios de fraquezas, como instrumentos na execução de Seus desígnios. Os tesouros de valor inapreciável são colocados em vasos terrestres. Por intermédio de homens Suas bênçãos devem ser transmitidas ao mundo. Por meio deles Sua glória deve brilhar em meio às trevas do pecado. Em amorável ministério devem ir ao encontro dos necessitados e dos pecadores e guiá-los à cruz. E em toda a sua obra devem tributar glória, honra e louvor Àquele que é sobre tudo e sobre todos. — Actos dos Apóstolos, 330. {SC 6.5}

Era desígnio do Salvador que depois de subir ao Céu, para ali interceder em favor dos homens, Seus seguidores prosseguissem com a obra por Ele iniciada. Não demonstrará o instrumento humano interesse especial em transmitir a luz da mensagem do evangelho aos que jazem nas trevas? Alguns há que se dispõem a ir aos confins da Terra a fim de transmitir aos homens a luz da verdade, mas Deus requer que toda alma que conhece a verdade se esforce por conquistar outros para o amor da verdade. Como poderemos ser considerados dignos de entrar na cidade de Deus, se não nos dispomos a fazer verdadeiros sacrifícios para salvar as almas que estão prestes a perecer? — Testemunhos Seletos 3:338. {SC 6.6}

Em Sua sabedoria o Senhor põe os que estão à procura da verdade em contacto com seus semelhantes que a conhecem. É plano do Céu que os que receberam a luz a comuniquem aos que se acham em trevas. A humanidade, tirando sua eficiência da grande Fonte da sabedoria, torna-se o instrumento, a agência operadora por meio da qual o evangelho exerce seu poder transformador sobre o espírito e o coração. — Actos dos Apóstolos, 134. {SC 7.1}

Deus poderia haver realizado Seu desígnio de salvar pecadores sem o nosso auxílio; mas a fim de desenvolvermos carácter semelhante ao de Cristo, é-nos preciso partilhar de Sua obra. A fim de participar da alegria dEle — a alegria de ver almas redimidas por Seu sacrifício — devemos tomar parte em Seus labores para redenção delas. — O Desejado de Todas as Nações, 142. {SC 7.2}

Cristo não escolheu, para Seus representantes entre os homens, anjos que nunca pecaram, mas seres humanos, homens semelhantes em paixões àqueles a quem buscavam salvar. Cristo tomou sobre Si a humanidade, a fim de chegar à humanidade. A divindade necessitava da humanidade; pois era necessário tanto o divino como o humano para trazer salvação ao mundo. A divindade necessitava da humanidade, a fim de que esta proporcionasse um meio de comunicação entre Deus e o homem. — O Desejado de Todas as Nações, 296. {SC 7.3}

Com quase impaciente ansiedade esperam os anjos nossa cooperação; pois o homem deve ser o instrumento para comunicar com o homem. E, quando nos entregamos a Cristo numa consagração de toda a alma, os anjos se alegram de poderem falar por meio de nossa voz, para revelar o amor de Deus. — O Desejado de Todas as Nações, 297. {SC 7.4}

Devemos ser coobreiros de Deus; pois Ele não finalizará Sua obra sem os agentes humanos. — The Review and Herald, 1 de Março de 1887. {SC 7.5}
Chamado individual — A cada cristão é designada uma obra definida. — The Southern Work, 2 de Agosto de 1904. {SC 7.6}

Deus requer que todos sejam obreiros em Sua vinha. Vós deveis lançar-vos à obra de que fostes incumbidos, e fazê-la fielmente. — The Bible Echo, 10 de Junho de 1901. {SC 7.7}

Se cada um de vós fosse um missionário vivo, a mensagem para este tempo seria rapidamente proclamada em todos os países, a cada povo, e nação, e língua. — Testemunhos Seletos 3:71. {SC 7.8}

Todo verdadeiro discípulo nasce no reino de Deus como missionário. Aquele que bebe da água viva, faz-se fonte de vida. O depositário torna-se doador. A graça de Cristo no coração é uma vertente no deserto, fluindo para refrigério de todos, e tornando os que estão prestes a perecer, ansiosos de beber da água da vida. — O Desejado de Todas as Nações, 195. {SC 7.9}

Deus espera serviço pessoal da parte de todo aquele a quem confiou o conhecimento da verdade para este tempo. Nem todos podem ir como missionários para terras estrangeiras, mas todos podem, na própria pátria, ser missionários na família e entre os vizinhos. — Testimonies for the Church 9:30. {SC 8.1}

Cristo estava a apenas alguns passos do trono celestial quando deu Sua comissão aos discípulos. Abrangendo como missionários a todos os que cressem em Seu nome, disse Ele: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura”. Marcos 16:15. O poder de Deus os havia de acompanhar. — The Southern Work, 20 de Setembro de 1904. {SC 8.2}

Salvar almas deve ser a obra vitalícia de todo aquele que professa seguir a Cristo. Somos devedores ao mundo pela graça que nos foi dada por Deus, pela luz que brilhou sobre nós, e pela beleza e poder que descobrimos na verdade. — Testimonies for the Church 4:53. {SC 8.3}

Há por toda parte a tendência de substituir o esforço individual pela obra de organizações. A sabedoria humana tende à consolidação, à centralização, à edificação de grandes igrejas e instituições. Muitos deixam às instituições e organizações a obra da beneficência; eximem-se do contacto com o mundo, e seu coração torna-se frio. Ficam absorvidos consigo e insensíveis à impressão. Extingue-se-lhes no coração o amor para com Deus e o homem. Cristo confia a Seus seguidores uma obra individual — uma obra que não pode ser feita por procuração. O serviço aos pobres e enfermos, o anunciar o evangelho aos perdidos, não deve ser deixado a comissões ou caridade organizada. Responsabilidade individual, individual esforço e sacrifício pessoal são exigências evangélicas. — A Ciência do Bom Viver, 147. {SC 8.4}

Todo o que recebeu divina iluminação, deve lançar luz sobre o caminho dos que não conhecem a Luz da vida. — O Desejado de Todas as Nações, 152. {SC 8.5}

A cada um foi distribuída sua obra, e ninguém pode substituir a outro. Cada um tem uma missão de admirável importância, a qual ele não pode negligenciar ou passar por alto, uma vez que seu cumprimento envolve o bem de alguma alma, e a negligência da mesma, a ruína de uma criatura por quem Cristo morreu. — The Review and Herald, 12 de Dezembro de 1893. {SC 8.6}

Todos nós devemos ser coobreiros de Deus. Nenhum preguiçoso é reconhecido como servo Seu. Os membros da igreja devem reconhecer individualmente, que a vida e a prosperidade da igreja são afetadas por seu procedimento. — The Review and Herald, 15 de Fevereiro de 1887. {SC 8.7}

Toda pessoa que Cristo salvou é chamada a atuar em Seu nome pela salvação dos perdidos. Essa obra fora negligenciada em Israel. Não é também hoje negligenciada pelos que professam ser seguidores de Cristo? — Parábolas de Jesus, 191. {SC 8.8}

Há para cada um alguma coisa a fazer. Toda pessoa que crê na verdade deve permanecer em seu lugar, dizendo: “Eis-me aqui, envia-me a mim”. Isaías 6:8. — Testimonies for the Church 6:49. {SC 9.1}

Todo cristão tem o privilégio, não só de esperar a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, como também de apressá-la. — Parábolas de Jesus, 69. {SC 9.2}

Aquele que se torna um filho de Deus deve, daí em diante, considerar-se como um elo na cadeia descida para salvar o mundo, um com Cristo em Seu plano de misericórdia, indo com Ele a buscar e salvar o perdido. — A Ciência do Bom Viver, 105. {SC 9.3}

Todos podem encontrar alguma coisa para fazer. Ninguém deve achar que não há lugar em que possa trabalhar por Cristo. O Salvador Se identifica com todo filho da humanidade. — A Ciência do Bom Viver, 104. {SC 9.4}

Os que se uniram ao Senhor em concerto de serviço, acham-se sob obrigação de a Ele se unir também na grande, sublime obra de salvar almas. — Testemunhos Seletos 3:82. {SC 9.5}

Tão vasto é o campo, tão compreensivo o desígnio, que todo coração santificado será levado para o serviço, como instrumento do poder divino. — Testemunhos Seletos 3:308. {SC 9.6}

Os homens são instrumentos nas mãos de Deus, por Ele empregados para cumprirem Seus propósitos de graça e misericórdia. Cada um tem a sua parte a desempenhar; a cada qual é concedida uma porção de luz, adaptada às necessidades de seu tempo, e suficiente para o habilitar a efetuar a obra que Deus lhe deu a fazer. — O Grande Conflito entre Cristo e Satanás, 343. {SC 9.7}

Longamente tem Deus esperado que o espírito de serviço se apodere de toda a igreja, de maneira que cada um trabalhe para Ele segundo sua habilidade. — Actos dos Apóstolos, 111. {SC 9.8}

Quando Ele enviou os doze, e depois os setenta, para proclamarem o reino de Deus, estava-lhes ensinando o dever de repartir com outros o que lhes havia dado a conhecer. Em toda a Sua obra Ele os estava preparando para trabalho individual, que devia ser expandido à medida que seu número aumentasse, e finalmente alcançar os confins da Terra. — Actos dos Apóstolos, 32. {SC 9.9}

Não somente sobre o ministro ordenado repousa a responsabilidade de sair a cumprir esta missão. Todo o que haja recebido a Cristo é chamado a trabalhar pela salvação de seus semelhantes. — Actos dos Apóstolos, 110. {SC 9.10}

O verdadeiro carácter da igreja não se mede pela elevada profissão que ela faz, nem pelos nomes que se encontram em seu registro, mas pelo que ela está em realidade fazendo pelo Mestre, pelo número de seus obreiros perseverantes e fiéis. O interesse pessoal, e os esforços individuais atentos conseguirão mais para a causa de Cristo do que pode ser efetuado por sermões ou doutrinas. — The Review and Herald, 6 de Setembro de 1881. {SC 9.11}

Onde quer que se estabeleça uma igreja, todos os membros se devem empenhar ativamente em trabalho missionário. Devem visitar todas as famílias da vizinhança, e conhecer suas condições espirituais. — Testimonies for the Church 6:296. {SC 9.12}

Os membros da igreja não são todos chamados a trabalhar em terras estrangeiras, mas todos têm uma parte a desempenhar na grande obra de comunicar luz ao mundo. O evangelho de Cristo é ativo e difusivo. No dia de Deus ninguém será desculpado de se haver limitado a seus próprios interesses egoístas. Há trabalho para todas as mentes e todas as mãos. Existe uma variedade de trabalho, adaptado a mentalidades diversas e variadas aptidões. — Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh Day Adventist, 290, 291. {SC 10.1}

Ele vos confiou sagrada verdade; Cristo, habitando nos membros individuais da igreja, é fonte de água que brota para vida eterna. Sois culpados diante de Deus se não fizerdes todo esforço possível para dispensar aos outros essa água viva. — Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh Day Adventist, 291. {SC 10.2}

Não estamos, como cristãos, fazendo a vigésima parte do que deveríamos fazer para ganhar almas para Cristo. Há um mundo por ser advertido, e todo cristão sincero deve ser um guia e exemplo para outros, em fidelidade, em suportar a própria cruz, em pronta e vigorosa ação, em inabalável fidelidade à causa da verdade, e em sacrifícios e trabalhos para promover a causa de Deus. — The Review and Herald, 23 de Agosto de 1881. {SC 10.3}

Na extensão em que alcançam as suas oportunidades, todo que recebeu a luz da verdade está sob a mesma responsabilidade que pesava sobre o profeta de Israel, ao qual veio a palavra: “A ti, pois, ó filho do homem, te constituí por atalaia sobre a casa de Israel; tu pois ouvirás a palavra da Minha boca, e lha anunciarás da Minha parte”. Ezequiel 33:7. — Testemunhos Seletos 3:288, 289. {SC 10.4}

A todos quantos se tornam participantes de Sua graça, o Senhor indica uma obra em benefício de outros. Cumpre-nos estar, individualmente, em nosso posto, dizendo: “Eis-me aqui, envia-me a mim”. Isaías 6:8. Sobre o ministro da Palavra, a enfermeira missionária, o médico cristão, o cristão individualmente, seja ele comerciante ou fazendeiro, profissional ou mecânico — sobre todos repousa a responsabilidade. É nossa obra revelar aos homens o evangelho de sua salvação. Todo empreendimento em que nos empenhemos deve ser um meio para esse fim. — A Ciência do Bom Viver, 148. {SC 10.5}

Quando o pai de família chamou a seus servos, deu-lhes a cada um a sua obra. A toda a família de Deus cabe a responsabilidade de empregar os bens de seu Senhor. Toda a pessoa, desde a mais humilde e desconhecida à mais importante e exaltada, é um agente moral dotado de aptidões pelas quais é responsável diante de Deus. — The Bible Echo, 10 de Junho de 1901. {SC 10.6}


Forças cristãs combinadas — Irmãos e irmãs na fé, porventura surge em vosso coração a pergunta: “Sou eu guardador do meu irmão?” Gênesis 4:9. Se alegais ser filhos de Deus, sois guardadores de vosso irmão. O Senhor considera a igreja responsável pela alma daqueles para cuja salvação eles poderiam ser o instrumento. — Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh Day Adventist, 291. {SC 10.7}

O Salvador deu a própria vida a fim de estabelecer uma igreja capaz de ajudar aos sofredores, aos aflitos, aos tentados. Um grupo de crentes pode ser pobre, destituído de educação e desconhecido; todavia em Cristo podem fazer uma obra no lar, no lugar em que vivem, e mesmo em terras afastadas; obras cujos resultados serão de alcance tão vasto como a eternidade. — A Ciência do Bom Viver, 106. {SC 10.8}

Fraca e defeituosa como possa parecer, a igreja é o único objeto sobre que Deus concede em sentido especial Sua suprema atenção. É o cenário de Sua graça, na qual Se deleita em revelar Seu poder de transformar corações. — Actos dos Apóstolos, 12. {SC 11.1}

Alguém tem de cumprir a comissão de Cristo; alguém tem que levar avante a obra que Ele começou a fazer na Terra; e esse privilégio foi concedido à igreja. Para este fim foi ela organizada. Por que, pois, não aceitaram os membros da igreja a responsabilidade? — Testimonies for the Church 6:295. {SC 11.2}

[Ele] convida a igreja a cumprir o dever que lhe é designado, mantendo alto o padrão da verdadeira reforma em seu território, permitindo que os obreiros preparados e experientes avancem para novos campos. — Testemunhos Seletos 2:530. {SC 11.3}

Os crentes de Tessalónica eram verdadeiros missionários. [...] Por intermédio das verdades apresentadas, corações foram ganhos e almas acrescentadas ao número dos crentes. — Actos dos Apóstolos, 256. {SC 11.4}

Foi na ordenação dos doze que se deram os primeiros passos na organização da igreja, que depois da ascensão de Cristo devia levar avante Sua obra na Terra. — Actos dos Apóstolos, 18. {SC 11.5}

A igreja de Deus é o recinto de vida santa, plena de variados dons e dotada com o Espírito Santo. Os membros devem encontrar sua felicidade na felicidade daqueles a quem ajudam e abençoam. Maravilhosa é a obra que o Senhor Se propõe realizar por intermédio de Sua igreja, a fim de que Seu nome seja glorificado. — Actos dos Apóstolos, 12, 13. {SC 11.6}

Nossa obra está claramente esboçada na Palavra de Deus. Cristão tem de se achar unido a cristão, uma igreja a outra igreja, o instrumento humano cooperando com o divino, cada agente subordinado ao Espírito Santo, e todos unidos para dar ao mundo as boas novas da graça de Deus. — The General Conference Bulletin, 28 de Fevereiro de 1893, p. 421. {SC 11.7}

Nossas igrejas devem cooperar na obra de lavrar o solo espiritual, com a esperança de um dia ceifar. [...] O solo é improdutivo, mas a terra inculta tem de ser lavrada, e semeadas as sementes da justiça. Não vos detenhais, professores amados de Deus, como se duvidásseis de dever continuar um trabalho que há de crescer à medida que for efetuado. — Testimonies for the Church 6:420. {SC 11.8}

A igreja é o instrumento apontado por Deus para a salvação dos homens. Foi organizada para servir e sua missão é levar o evangelho ao mundo. Desde o princípio tem sido plano de Deus que através de Sua igreja seja refletida para o mundo Sua plenitude e suficiência. Aos membros da igreja, a quem Ele chamou das trevas para Sua maravilhosa luz, compete manifestar Sua glória. — Actos dos Apóstolos, 9. {SC 11.9}

Que igreja alguma julgue ser pequena demais para exercer influência e prestar serviço na grande obra para este tempo. {SC 11.10}

Ide trabalhar, irmãos. Não só as grandes reuniões campais ou convenções e assembleias têm o especial favor de Deus; o mais humilde esforço de abnegado amor será coroado com Suas bênçãos, e receberá sua grande recompensa. Fazei o que podeis, e Deus aumentará vossa habilidade. — The Review and Herald, 13 de Março de 1888. {SC 12.1}

Testemunhas — Somos testemunhas de Cristo, e não devemos permitir que interesses e projetos mundanos absorvam nosso tempo e nossa atenção. — Testimonies for the Church 9:53, 54. {SC 12.2}

“Vós sois as Minhas testemunhas, diz o Senhor. [...] Eu anunciei, e Eu salvei, e Eu o fiz ouvir, e deus estranho não houve entre vós, pois vós sois as Minhas testemunhas, diz o Senhor; Eu sou Deus”. Isaías 43:10-12. “Eu o Senhor te chamei em justiça, e te tomarei pela mão e te guardarei, e te darei por concerto do povo, e para luz dos gentios; para abrir os olhos dos cegos, para tirar da prisão os presos, e do cárcere os que jazem em trevas”. Isaías 42:6, 7. — Actos dos Apóstolos, 10. {SC 12.3}

O povo do mundo está adorando deuses falsos. Devem ser desviados do falso culto, não por ouvir denúncia contra seus ídolos, mas vendo alguma coisa melhor. A bondade de Deus deve tornar-se notória. “Vós sois as Minhas testemunhas, diz o Senhor; Eu sou Deus”. Isaías 43:12. — Parábolas de Jesus, 299. {SC 12.4}

Todos os que quiserem entrar na cidade de Deus têm que, durante sua vida terrestre, representar a Cristo em seu procedimento. Isso é o que os torna mensageiros de Cristo, Suas testemunhas. Devem apresentar um claro, positivo testemunho contra todas as más práticas, apontando aos pecadores o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. — Testemunhos Seletos 3:291. {SC 12.5}

Os discípulos deviam sair como testemunhas de Cristo para anunciar ao mundo o que dEle tinham visto e ouvido. Seu cargo era o mais importante dos cargos a que já haviam sido chamados seres humanos, apenas inferior ao do próprio Cristo. Eles deviam ser coobreiros de Deus na salvação dos homens. — Actos dos Apóstolos, 19. {SC 12.6}

Diz o divino Mestre: “Somente o Meu Espírito é capaz de ensinar e convencer do pecado. As aparências fazem na mente impressão apenas passageira. Eu incutirei a verdade na consciência, e os homens Me serão testemunhas, sustentando em todo o mundo as Minhas reivindicações sobre o tempo, o dinheiro e o intelecto do homem.” — Testemunhos Seletos 3:159. {SC 12.7}

Nossa confissão de Sua fidelidade é o meio escolhido pelo Céu para revelar Cristo ao mundo. Temos de reconhecer-Lhe a graça segundo nos é dada a conhecer através dos santos homens da antiguidade; mas o que será mais eficaz é o testemunho de nossa própria experiência. Somos testemunhas de Deus, ao revelar em nós mesmos a operação de um poder que é divino. Cada indivíduo tem uma vida diversa da de todos os outros, uma experiência que difere essencialmente da sua. Deus deseja que nosso louvor a Ele ascenda, com o cunho de nossa própria individualidade. Esses preciosos reconhecimentos para louvor da glória de Sua graça, quando corroborados por uma vida semelhante à de Cristo, possuem irresistível poder, eficaz para salvação de almas. — O Desejado de Todas as Nações, 347. {SC 12.8}

Deus não pode difundir o conhecimento de Sua vontade e as maravilhas de Sua graça no mundo incrédulo, a menos que tenha testemunhas espalhadas por toda a Terra. É Seu plano que aqueles que são participantes desta grande salvação por Jesus Cristo, sejam Seus missionários, astros no mundo, sinais ao povo, cartas vivas, lidas e conhecidas por todos os homens, e cuja fé e obras dêem testemunho da proximidade da vinda do Salvador, e mostrem que não receberam a graça de Deus em vão. O povo deve ser admoestado a preparar-se para o juízo por vir. — Testimonies for the Church 2:631, 632. {SC 13.1}

Meditando [os discípulos] sobre Sua vida pura, santa, sentiram que nenhum trabalho seria árduo demais, nenhum sacrifício demasiado grande, contanto que pudessem testemunhar na própria vida, da amabilidade do carácter de Cristo. Oh! se pudessem viver de novo os passados três anos, pensavam, quão diferentemente agiriam! Se pudessem somente ver o Mestre outra vez, com que ardor procurariam mostrar quão profundamente O amavam, e quanto se haviam entristecido por terem-nO ferido com uma palavra ou um acto de incredulidade! Mas estavam confortados com o pensamento de que haviam sido perdoados. E determinaram que, tanto quanto possível, expiariam sua incredulidade confessando-O corajosamente perante o mundo. — Actos dos Apóstolos, 36. {SC 13.2}

Os dois possessos curados foram os primeiros missionários enviados por Cristo a pregar o evangelho na região de Decápolis. Só por poucos momentos tinham esses homens tido o privilégio de escutar os ensinos de Cristo. Nem um dos sermões de Seus lábios lhes caíra jamais ao ouvido. Não podiam ensinar o povo, como os discípulos, que se achavam diariamente com Cristo, estavam aptos a fazer. Apresentavam, porém, em si mesmos o testemunho de que Jesus era o Messias. Podiam dizer o que sabiam; o que eles próprios tinham visto e ouvido, e experimentado do poder de Cristo. É o que a todo aquele cujo coração foi tocado pela graça de Deus, é dado fazer. João, o discípulo amado, escreveu: “O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra de vida ...; o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos”. 1 João 1:1-3. Como testemunhas de Cristo, cumpre-nos dizer o que sabemos, o que nós mesmos temos visto e ouvido e sentido. Se estivemos a seguir a Jesus passo a passo, havemos de ter qualquer coisa bem positiva a contar acerca da maneira por que nos tem conduzido. Podemos dizer como Lhe temos provado as promessas e as achado fiéis. Podemos dar testemunho do que temos conhecido da graça de Cristo. É esse o testemunho que nosso Senhor pede de nós, e por falta do qual está o mundo a perecer. — O Desejado de Todas as Nações, 340. {SC 13.3}


Veículos de luz e bênção — Devemos ser consagrados condutos através dos quais a vida celeste flua para outros. O Espírito Santo deve animar e encher toda a igreja, purificando e unindo os corações. — Testemunhos Seletos 3:289. {SC 14.1}

Todo seguidor de Jesus tem uma obra a fazer como missionário de Cristo, na família, na vizinhança, na vila ou cidade em que reside. Todos os que se consagraram a Deus são veículos de luz. Deus os torna instrumentos de justiça para comunicar a outros a luz da verdade. — Testimonies for the Church 2:632. {SC 14.2}

O resultado da obra de Jesus, enquanto Se sentou, fatigado e com fome, junto ao poço, foi vasto nas bênçãos. Aquela única alma a quem buscou ajudar, tornou-se um instrumento para alcançar outros, e levá-los ao Salvador. Esse tem sido sempre o meio por que a obra de Deus tem progredido na Terra. Fazei brilhar a vossa luz, e outras luzes surgirão. — Obreiros Evangélicos, 195. {SC 14.3}

Muitos têm a ideia de que são responsáveis somente a Cristo pela luz e experiência que possuem, independente de Seus reconhecidos seguidores na Terra. Jesus é o Amigo dos pecadores, e Seu coração se confrange por seu infortúnio. Ele possui todo o poder, tanto no Céu como na Terra; mas respeita os meios por Ele ordenados para o esclarecimento e salvação dos homens; dirige os pecadores para a igreja por Ele feita instrumento de luz para o mundo. — Actos dos Apóstolos, 122. {SC 14.4}

À igreja primitiva tinha sido confiada uma obra de constante ampliação — estabelecer centros de luz e bênção, onde quer que existissem almas sinceras e dispostas a se dedicarem ao serviço de Cristo. — Actos dos Apóstolos, 90. {SC 14.5}

Como os raios do Sol penetram até aos mais afastados recantos do globo, assim designa Deus que a luz do evangelho se estenda a toda alma sobre a Terra. Se a igreja de Cristo estivesse cumprindo o desígnio de nosso Senhor, a luz se espargiria sobre todos quantos estão assentados nas trevas e na região da sombra da morte. — Beneficência Social, 42. {SC 14.6}

Toda pessoa tem o privilégio de ser um conduto vivo, pelo qual Deus pode comunicar ao mundo os tesouros de Sua graça, as insondáveis riquezas de Cristo. Nada há que Cristo mais deseje do que agentes que representem ao mundo Seu Espírito e carácter. Não há nada de que o mundo mais necessite que da manifestação do amor do Salvador, mediante a humanidade. Todo o Céu está à espera de condutos pelos quais possa ser vertido o óleo santo para ser uma alegria e bênção para os corações humanos. — Parábolas de Jesus, 419. {SC 14.7}

A glória da igreja de Deus reside na piedade de seus membros; pois ali está o esconderijo do poder de Cristo. A influência dos sinceros filhos de Deus pode ser estimada de pouco valor, mas será sentida através dos tempos, e devidamente revelada no dia da recompensa. A luz de um cristão genuíno, que brilha em perseverante piedade, em fé inabalável, demonstrará ao mundo o poder de um Salvador vivo. Em Seus seguidores será Cristo revelado como manancial de água, que salta para vida eterna. Embora mal conhecidos pelo mundo, são reconhecidos como povo peculiar de Deus, Seus escolhidos vasos de salvação, Seus veículos por meio dos quais será transmitida luz ao mundo. — The Review and Herald, 24 de Março de 1891. {SC 14.8}

Membros da igreja, fazei resplandecer a luz. Fazei ouvir vossas vozes em humildes súplicas, em testemunho contra a intemperança, a loucura e os divertimentos deste mundo, e na proclamação da verdade para este tempo. Vossa voz, vossa influência, vosso tempo — tudo isso são dons de Deus, e devem ser usados em ganhar pessoas para Cristo. — Testimonies for the Church 9:38. {SC 15.1}

Tem-me sido mostrado que os discípulos de Cristo são Seus representantes na Terra; e é o desígnio de Deus que eles sejam luzes nas trevas morais deste mundo, espalhados por toda parte, nos lugarejos, vilas e cidades, “feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens”. 1 Coríntios 4:9. — Testimonies for the Church 2:631. {SC 15.2}

Os seguidores de Cristo devem ser a luz do mundo; mas Deus não lhes manda fazer um esforço para brilhar. Ele não aprova nenhum esforço de satisfação própria para exibir uma bondade superior. Deseja que sua alma esteja imbuída dos princípios do Céu; então, ao se porem em contacto com o mundo, revelarão a luz que neles está. Sua firme fidelidade, em todos os actos da vida, será um meio de iluminação. — A Ciência do Bom Viver, 36. {SC 15.3}

Quando, em meio ao seu erro cego e cego preconceito, Saulo recebeu uma revelação de Cristo, a quem estava perseguindo, foi ele colocado em comunicação direta com a igreja, a qual é a luz do mundo. Neste caso, Ananias representa Cristo, como representa também os ministros de Cristo sobre a Terra, os quais são indicados para agir em Seu lugar. No lugar de Cristo, Ananias toca os olhos de Saulo para que este possa receber a vista. Em lugar de Cristo, coloca suas mãos sobre ele, e enquanto ora em nome de Cristo, Saulo recebe o Espírito Santo. Tudo é feito no nome e pela autoridade de Cristo. Cristo é a fonte; a igreja, o canal de comunicação. — Actos dos Apóstolos, 122. {SC 15.4}

Prevalece por toda parte o erro. O grande adversário das almas está arregimentando suas forças. Está pondo em operação todos os artifícios, a fim de confundir a mente dos homens com erros especiosos, e assim destruir almas. Aqueles a quem Deus confiou os tesouros de Sua verdade devem fazer brilhar a luz em meio das trevas morais. — Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh Day Adventist, 290. {SC 15.5}

Deus requer que Seu povo brilhe como luzes no mundo. Não é somente dos pastores que isso se exige, mas de todo o discípulo de Cristo. Sua conversação deve ser celestial. E ao passo que desfrutam comunhão com Deus, desejarão comunicar-se com seus semelhantes, a fim de exprimir, por palavras e actos, o amor de Deus que lhes anima o coração. Por essa maneira serão luzes no mundo, e a luz transmitida por meio deles não se extinguirá, nem lhes será tirada. — Testimonies for the Church 2:122, 123. {SC 15.6}

Os seguidores de Cristo devem ser instrumentos de justiça, obreiros, pedras vivas, emitindo luz, a fim de que possam convidar a presença de santos anjos. Requer-se deles que sejam canais, por assim dizer, através dos quais flua o espírito da verdade e justiça. — Testimonies for the Church 2:126, 127. {SC 15.7}

O Senhor fez de Sua Igreja o reservatório de influência divina. O universo celestial está à espera de que os membros se tornem canais pelos quais flua para o mundo a corrente de vida, a fim de que muitos se convertam, e por sua vez se tornem condutos pelos quais a graça de Cristo flua para as regiões desertas da vinha do Senhor. — The Bible Echo, 12 de Agosto de 1901. {SC 16.1}

Todo aquele que se acha ligado a Deus, comunicará luz aos outros. Se existir alguém que não tenha luz a comunicar, é porque não tem ligação com a Fonte de luz. — Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh Day Adventist, 291. {SC 16.2}

Deus designou Seus filhos para proporcionarem luz aos outros, e se deixarem de o fazer, e almas forem deixadas nas trevas do erro por sua falta em fazer aquilo que poderiam ter feito se tivessem sido vivificados pelo Espírito Santo, serão então responsáveis perante Deus. Fomos chamados das trevas para Sua maravilhosa luz, a fim de que pudéssemos anunciar as virtudes de Cristo. — The Review and Herald, 12 de Dezembro de 1893. {SC 16.3}

Todos quantos se consagram a Deus, podem ser portadores de luz. Deus os torna instrumentos Seus para comunicar a outros as riquezas de Sua graça. [...] Nossa influência sobre outros não depende tanto do que dizemos, mas do que somos. Os homens podem combater ou desafiar a nossa lógica, podem resistir a nossos apelos; mas a vida de amor desinteressado é um argumento que não pode ser contradito. A vida coerente, caracterizada pela mansidão de Cristo, é uma força no mundo. — O Desejado de Todas as Nações, 141, 142. {SC 16.4}

Os que deveriam ser a luz do mundo, têm emitido apenas raios débeis e enfermiços. Que é a luz? É piedade, bondade, verdade, misericórdia, amor; é a revelação da verdade no carácter e na vida. O evangelho depende da piedade pessoal de seus crentes, quanto a seu poder intensivo, e Deus tomou providências, mediante a morte de Seu Filho amado, para que toda alma pudesse estar perfeitamente instruída para toda boa obra. Toda pessoa deve ser uma luz brilhante e resplandecente, anunciando as virtudes dAquele que nos chamou das trevas para Sua maravilhosa luz. “Nós somos cooperadores de Deus”. 1 Coríntios 3:9. Sim, cooperadores; isto quer dizer prestar sincero serviço na vinha do Senhor. Há pessoas a serem salvas — em nossas igrejas, em nossas Escolas Sabatinas e em nossa vizinhança. — The Review and Herald, 24 de Março de 1891. {SC 16.5}

É trabalhando por outros que eles manterão vivas suas próprias almas. Se eles se tornarem colaboradores de Cristo, veremos em nossas igrejas a luz constantemente brilhando, mais e mais resplandecente, enviando seus raios a penetrarem as trevas para além de suas próprias fronteiras. — Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh Day Adventist, 291. {SC 16.6}

“Vós sois a luz do mundo”. Mateus 5:14. Os judeus pensavam limitar os benefícios da salvação a seu próprio povo; mas Jesus mostrou-lhes que a salvação é como a luz do Sol. Pertence ao mundo. — O Desejado de Todas as Nações, 306, 307. {SC 16.7}

Corações que correspondem à influência do Espírito Santo, são condutos por onde fluem as bênçãos divinas. Fossem os servos de Deus tirados da Terra, e Seu Espírito retirado dentre os homens, este mundo seria entregue à desolação e destruição, o fruto do domínio de Satanás. Conquanto os ímpios não o saibam, devem até mesmo as bênçãos desta vida, à presença do povo de Deus no mundo, esse povo que desprezam e oprimem. Mas se os cristãos o são apenas de nome, são como o sal que perdeu o sabor. Não exercem nenhuma influência para bem no mundo. São, pela falsa representação de Deus, piores que os incrédulos. — O Desejado de Todas as Nações, 306. {SC 16.8}
A comissão divina — A obra que os discípulos fizeram, também nós devemos fazer. Todo cristão deve ser missionário. Cumpre-nos, em simpatia e compaixão, servir aos que necessitam de auxílio, buscando com abnegado zelo aliviar as misérias da humanidade sofredora. — A Ciência do Bom Viver, 104. {SC 17.1}

Antes de ascender ao Céu, Cristo deu aos discípulos uma comissão. Disse-lhes que eles deviam ser os executores do testamento no qual Ele legava ao mundo os tesouros da vida eterna. — Actos dos Apóstolos, 27. {SC 17.2}

Crentes de todos os séculos têm tomado parte na incumbência dada aos primeiros discípulos. Todos os que receberam o evangelho, receberam a sagrada verdade para repartir ao mundo. Os fiéis de Deus têm sido sempre destemidos missionários, consagrando seus recursos para a honra de Seu nome, e sabiamente usando seus talentos em Seu serviço. — Actos dos Apóstolos, 109. {SC 17.3}

A comissão evangélica é a Carta Magna missionária do reino de Cristo. Os discípulos devem trabalhar fervorosamente pelas almas, dando a todas o convite de misericórdia. Não devem esperar que o povo venha a eles; devem eles ir ao povo com sua mensagem. — Actos dos Apóstolos, 28. {SC 17.4}

Os mensageiros de Deus são incumbidos de empenhar-se na mesma obra que Cristo fazia enquanto esteve na Terra. Devem-se entregar a todos os ramos de serviço que Ele desenvolveu. Com zelo e sinceridade, devem falar aos homens acerca das insondáveis riquezas e do imortal tesouro celeste. — Testemunhos Seletos 3:349. {SC 17.5}

A comissão dada aos discípulos também é dada a nós. Hoje, como então, um Salvador crucificado e ressuscitado deve ser exaltado perante os que se acham sem Deus e sem esperança no mundo. O Senhor pede pastores, mestres e evangelistas. De porta em porta têm Seus servos que proclamar a mensagem de salvação. A toda nação, tribo, língua e povo as novas de perdão por Cristo devem ser levadas. Não de maneira fraca e sem vida se há de pregar a mensagem, mas com clareza, decisão e veemência. Centenas estão esperando a advertência para escapar e salvar a vida. O mundo necessita ver nos cristãos uma evidência do poder do cristianismo. Não somente em poucos lugares, mas em todo o mundo são necessárias mensagens de misericórdia. — Obreiros Evangélicos, 29. {SC 17.6}

Quando Jesus ascendeu ao Céu, confiou Sua obra na Terra àqueles que haviam recebido a luz do evangelho. Eles deviam levar avante a obra, até sua finalização. Não proveu nenhum outro meio para a proclamação de Sua verdade. “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura”. Marcos 16:15. “E eis que Eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos”. Mateus 28:20. Esta solene comissão estende-se até nós, neste século. Deus deixa com Sua igreja a responsabilidade de aceitá-la, ou rejeitá-la. — Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh Day Adventist, 288. {SC 17.7}

Sobre nós está colocado um sagrado encargo. Foi-nos dada a comissão: “Ide, pois, e fazei discípulos de todas as nações, batizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo; instruindo-as a observar todas as coisas que vos tenho mandado. Eis que Eu estou convosco todos os dias até o fim do mundo”. Mateus 28:19, 20. Sois consagrados à obra de tornar conhecido o evangelho da salvação. A perfeição celestial deve ser vosso poder. — Testimonies for the Church 9:20, 21. {SC 18.1}


Chamados das carreiras comuns — O povo comum deve ocupar seu lugar como obreiros. Compartilhando as dores de seus semelhantes da mesma maneira que o Salvador participou das da humanidade, vê-Lo-ão, pela fé, trabalhando juntamente com eles. — Obreiros Evangélicos, 38. {SC 18.2}

Em todos os campos, próximos e distantes, haverá homens que serão chamados do guidão do arado e das mais comuns profissões no comércio em geral preferidas, para ligarem-se a homens experimentados e ser por eles instruídos. À medida que aprendam a trabalhar e se tornem eficientes, proclamarão a verdade com poder. Por causa das maravilhosas operações da providência divina, montanhas de dificuldades serão removidas e lançadas ao mar. A mensagem que tanta importância tem para os habitantes da Terra, será ouvida e compreendida. Os homens discernirão a verdade. A obra progredirá mais e mais até que a Terra inteira seja advertida; então virá o fim. — Testemunhos Seletos 3:332. {SC 18.3}

Deus pode servir-Se, e servir-Se-á dos que não tiverem instrução esmerada nas escolas dos homens. Duvidar de Seu poder para fazer isso, é manifesta incredulidade; é limitar o poder onipotente dAquele para quem nada é impossível. Quem dera que houvesse menos dessa cautela indesejável, desconfiante! Ela deixa tantas forças da igreja sem serem usadas; fecha o caminho, de modo que o Espírito Santo não Se possa utilizar de homens; mantém em ociosidade os que estão dispostos e ansiosos para trabalhar segundo a maneira de Cristo; desencoraja de entrarem na obra a muitos que se tornariam coobreiros eficientes de Deus, se se lhes desse uma oportunidade razoável. — Obreiros Evangélicos, 488, 489. {SC 18.4}

Todos têm o privilégio de progredir. Os que estão unidos a Cristo crescerão na graça e no conhecimento do Filho de Deus, até alcançar a estatura completa de homens e mulheres. Se todos quantos professam crer na verdade houvessem aproveitado bem as suas aptidões e oportunidades de aprender e praticar, ter-se-iam tornado fortes em Cristo. Não importa a sua ocupação — lavradores, mecânicos, professores ou pastores — se se tivessem consagrado inteiramente a Deus, poderiam haver-se tornado obreiros eficientes do Mestre celestial. — Testemunhos Seletos 3:57. {SC 18.5}

Os que na igreja têm talentos suficientes para se empenhar em qualquer das várias vocações da vida, tais como ensinar, construir, manufaturar e lavrar a terra, geralmente deveriam ser preparados para trabalhar pela edificação da igreja mediante o servirem em comissões ou como professores da Escola Sabatina, empenhando-se em trabalho missionário, ou preenchendo os diferentes cargos ligados à igreja. — The Review and Herald, 15 de Fevereiro de 1887. {SC 18.6}

Para a tarefa de levar avante Sua obra, Cristo não escolheu os doutos ou eloquentes do Sinédrio judaico ou do poder de Roma. Passando por alto os ensinadores judaicos cheios de justiça própria, o Mestre por excelência escolheu homens humildes, iletrados, para proclamarem as verdades que deviam abalar o mundo. Ele Se propôs preparar e educar esses homens para dirigentes de Sua igreja. Eles, por sua vez, deviam educar outros e enviá-los com a mensagem evangélica. Para que pudessem ter sucesso em sua obra, deviam eles receber o poder do Espírito Santo. Não pelo poder humano ou humana sabedoria devia o evangelho ser proclamado, mas pelo poder de Deus. — Actos dos Apóstolos, 17. {SC 19.1}

Entre aqueles a quem o Salvador dera a missão: “Portanto ide, ensinai todas as nações” (Mateus 28:19), havia muitos que eram das camadas mais humildes, homens e mulheres que tinham aprendido a amar seu Senhor, e que decidiram seguir Seu exemplo de abnegado serviço. A estes humildes, bem como aos discípulos que tinham estado com o Salvador durante Seu ministério terrestre, fora confiado o precioso encargo. Deveriam levar ao mundo as alegres novas da salvação por meio de Cristo. — Actos dos Apóstolos, 105, 106. {SC 19.2}
A vida vitoriosa — Não é somente pregando a verdade, ou distribuindo literatura, que devemos ser testemunhas de Deus. Lembremo-nos de que uma vida semelhante à de Cristo é o mais poderoso argumento que pode ser apresentado em favor do cristianismo, e que o cristão que não é fiel à sua profissão causa mais dano ao mundo do que um mundano. {SC 19.3}

Nem todos os livros escritos poderiam substituir uma vida santa. Os homens acreditarão, não no que o pastor prega, mas no que a igreja pratica em sua vida. Com excessiva frequência, a influência do sermão pregado do púlpito é anulada pelo sermão feito na vida dos que professam ser partidários da verdade. — Testemunhos Seletos 3:289, 290. {SC 19.4}

A vida de Cristo foi uma influência sempre crescente e ilimitada; influência que O ligava a Deus e a toda a família humana. Mediante Cristo, Deus conferiu ao homem uma influência que lhe torna impossível viver para si próprio. Individualmente temos ligação com nossos semelhantes, parte da grande família de Deus, e estamos sob obrigações mútuas. Ninguém pode ser independente de seu próximo; porque o bem-estar de cada um afeta a outros. É propósito de Deus que cada um se sinta imprescindível ao bem-estar dos outros, e procure promover a sua felicidade. — Parábolas de Jesus, 339. {SC 19.5}

A religião da Bíblia não deve ser confinada dentro da capa de um livro, ou entre as paredes de uma igreja, nem ser manifestada acidentalmente, para nosso proveito, sendo então posta de novo à margem. Cumpre santificar a vida diária, manifestar-se em toda transação de negócio, e em todas as relações sociais. — O Desejado de Todas as Nações, 224. {SC 19.6}

É desígnio de Deus que Seu povo O glorifique perante o mundo. Ele espera que aqueles que usam o nome de Cristo O representem em pensamento, palavra e ação. Seus pensamentos devem ser puros, e nobres as suas palavras, de molde a elevar e conduzir os que os cercam para mais perto do Salvador. Tudo quanto fazem e dizem deve achar-se impregnado da religião de Cristo. Até suas transações comerciais devem recender o aroma da presença de Deus. — Testemunhos Seletos 3:290. {SC 20.1}

Façam os comerciantes seus negócios de maneira a glorificar seu Senhor, mediante sua fidelidade. Que liguem sua religião a tudo quanto fizerem e revelem aos homens o Espírito de Cristo. O mecânico seja um fiel e diligente representante dAquele que lidou nas humildes tarefas da vida, nas cidades da Judeia. Todo aquele que toma em seus lábios o nome de Cristo proceda de tal modo que os homens, vendo suas boas obras, sejam levados a glorificar seu Criador e Redentor. — The Bible Echo, 10 de Junho de 1901. {SC 20.2}


Mulheres missionárias — As mulheres, na mesma maneira que os homens, podem empenhar-se na obra de colocar a verdade onde possa atuar e manifestar-se. Podem ocupar seu lugar na obra, na presente crise, e o Senhor há de operar por seu intermédio. Se estiverem possuídas do sentimento do dever, e trabalharem sob a influência do Espírito de Deus, possuirão exatamente a serenidade tão necessária no tempo atual. O Salvador refletirá sobre essas abnegadas mulheres a luz de Seu semblante, e isso lhes dará uma força que excederá à dos homens. Elas podem fazer nas famílias uma obra que aos homens não é possível, uma obra que alcança a vida interior. É-lhes dado pôr-se em contacto íntimo com o coração de pessoas de quem os homens não se podem aproximar. Sua obra é necessária. Mulheres discretas e humildes podem realizar boa obra explicando a verdade ao povo, em suas casas. Assim explanada, a Palavra de Deus efetuará sua obra, qual fermento, e mediante sua influência converter-se-ão famílias inteiras. — Testemunhos Seletos 3:347. {SC 20.3}

Todos quantos trabalham para Deus, devem possuir um misto dos atributos de Marta e de Maria — boa vontade para servir e sincero amor pela verdade. O próprio eu e o egoísmo precisam ser perdidos de vista. Deus demanda fervorosas obreiras, prudentes, afetivas, ternas e fiéis aos princípios. Ele convida mulheres perseverantes, que tiram o pensamento de si mesmas e de seu interesse pessoal, concentrando-o em Cristo, proferindo palavras de verdade, orando com as pessoas às quais conseguem acesso, trabalhando pela conversão de pessoas. — Testemunhos Seletos 2:405. {SC 20.4}

As irmãs podem trabalhar eficientemente angariando assinaturas de nossas revistas, levando assim a luz a muitos. — The Review and Herald, 10 de Junho de 1880. {SC 20.5}

Há mulheres nobres que, em vista da evidência, tiveram valor moral para se decidirem em favor da verdade. Aceitaram-na conscienciosamente. Possuem tacto, percepção e capacidade, e terão êxito em sua obra para o Mestre. Necessitam-se mulheres cristãs. {SC 20.6}

Nossas irmãs podem servir como obreiras vigilantes, escrevendo a amigos que hajam recebido nossas revistas e folhetos e descobrindo-lhes os verdadeiros sentimentos. [...] Necessitam-se mulheres de princípios firmes e carácter decidido; mulheres que crêem que estamos de facto vivendo nos últimos dias, e que possuímos a última solene mensagem de advertência a ser dada ao mundo. [...] Estas são as que Deus pode usar no trabalho com folhetos e na obra missionária. [...] Elas podem, por muitas maneiras, fazer uma obra preciosa para Deus espalhando folhetos e distribuindo judiciosamente Signs of the Times. {SC 21.1}

Não recomendo que a mulher busque tornar-se eleitora ou ocupar um cargo público; mas ela pode fazer muito como missionária, ensinando a verdade por meio de correspondência, distribuindo folhetos e solicitando assinaturas para revistas, que contêm a solene verdade para este tempo. — The Review and Herald, 19 de Dezembro de 1878. {SC 21.2}

Se onde hoje existe uma mulher, houvesse vinte que fizessem dessa santa missão sua obra acarinhada, veríamos muito mais pessoas convertidas à verdade. {SC 21.3}

Necessitam-se agora mulheres que possam trabalhar, mulheres que não sejam importantes a sua própria vista, mas mansas e humildes de coração, que trabalhem com a mansidão de Cristo, onde quer que encontrem trabalho a fazer pela salvação de almas. — The Review and Herald, 2 Janeiro de 1879. {SC 21.4}

Centenas de nossas irmãs poderiam estar trabalhando hoje, se quisessem. Elas devem vestir com simplicidade a si e a seus filhos, com trajes decentes e duráveis, sem adornos, e dedicar à obra missionária o tempo que têm gasto com inúteis ostentações. Podem-se escrever cartas a amigos distantes. Nossas irmãs se podem reunir para consultar quanto à melhor maneira de trabalhar. Pode-se economizar dinheiro para ofertar a Deus, a fim de ser empregado em revistas e folhetos para enviar aos amigos. Aquelas que agora não estão fazendo nada deviam trabalhar. Que cada irmã que professa ser filha de Deus sinta em verdade a responsabilidade de ajudar a todos que lhe estiverem ao alcance. {SC 21.5}

Nossas irmãs têm sido muito prontas para se escusarem de aceitar responsabilidades que requeiram meditação e acurada aplicação mental; entretanto esta é exatamente a disciplina que elas precisam para aperfeiçoar a experiência cristã. Podem ser obreiras no campo missionário, interessando-se pessoalmente na distribuição de folhetos e revistas que representem corretamente nossa fé. — The Review and Herald, 12 de Dezembro de 1878. {SC 21.6}



Irmãs, não vos canseis do atento trabalho missionário. Todas vós podereis empenhar neste trabalho com êxito, se estiverdes em comunhão com Deus. Antes de escrever cartas indagadoras, elevai sempre a Deus o coração numa prece, para que sejais bem-sucedidas em reunir alguns galhos silvestres que se possam enxertar na Videira verdadeira, e dêem frutos para a glória de Deus. Todas as que, de coração humilde, tomarem parte nessa obra, estarão se educando continuamente como obreiras na vinha do Senhor. — The Review and Herald, 10 de Junho de 1880. {SC 21.7}

Serviço cristão, pp. 7-29 O chamado de Deus para o serviço 23, Abril, 2016



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal