Desenvolvimento Sustentável – por Isabela Abelardino Resumo de Direito Ambiental Assunto



Baixar 126.24 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho126.24 Kb.

www.ResumosConcursos.hpg.com.br

Resumo: Desenvolvimento Sustentável – por Isabela Abelardino



Resumo de Direito Ambiental

Assunto:

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Autor:
ISABELA ABELARDINO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
Por ISABELA ABELARDINO



INTRODUÇÃO


A espécie humana, assim como as demais formas de vida, dependem do sistema de interação entre os elementos naturais (água, atmosfera, rochas, plantas, animais e solo).


Para que as pessoas possam ter suas necessidades básicas atendidas é essencial o desenvolvimento econômico, especialmente para as populações de países pobres.
Entretanto, o crescimento desordenado e o elevado padrão de consumo têm causado impactos que reduzem o potencial do meio ambiente, como por exemplo: o aquecimento da atmosfera, o crescimento dos níveis dos oceanos, a poluição das águas, a erosão do solo e a acelerada extinção das espécies.
A conservação ambiental e o desenvolvimento econômico são essenciais para suprir as necessidades humanas.
Sem a conservação do meio ambiente, o crescimento econômico, ao invés de atender às necessidades da população será responsável pela miséria de inúmeros povos e, ainda, pelo comprometimento das condições de sobrevivência das gerações futuras.
A conservação da biodiversidade não é apenas uma questão de proteger a vida silvestre e seus ecossistemas, mas sim de preservar as condições de sobrevivência do homem, por meio da manutenção dos sistemas naturais que sustentam a vida humana.


MEIO AMBIENTE

Embora os ecossistemas naturais tenham certa capacidade de se reajustar, uma série de modificações provocadas pelo homem no meio ambiente tem ultrapassado esta capacidade, gerando desequilíbrios.


As alterações no meio ambiente podem resultar em uma série de problemas, como: o surgimento de novas espécies nos ecossistemas naturais, a extinção de espécies nativas e a introdução de substâncias de natureza prejudicial.
Quanto a primeira dificuldade, alertamos que o surgimento de novas espécies em um ecossistema já formado e de certa forma equilibrado, pode resultar em sua competição com as espécies nativas, causando toda sorte de desequilíbrios, em um habitat ajustado ao longo de muitos anos.

Igualmente, a extinção de uma determinada espécie de um ecossistema pode ocasionar uma série de desequilíbrios, principalmente na cadeia alimentar de outras espécies.


A introdução de substâncias no ambiente natural provocará reações diferentes, de acordo com o tipo de substância e o habitat afetado, a mair dificuldade refere-se às substâncias poluentes, que representam perigo à saúde dos organismos vivos, pois atingem, principalmente, as populações que ocupam os níveis mais altos dos ecossistemas, mas ameaçam a sobrevivência de todas as espécies.
Os principais poluentes da água e do solo são, em geral, o lançamento de dejetos humanos (esgoto) em quantidades excessivas e sem prévio tratamento, o lançamento de resíduos industriais tóxicos e o uso inadequado de inseticidas.
Já, como poluentes do ar atmosférico, podemos mencionar: o monóxido de carbono, o óxido de enxofre e de nitrogênio, os hidrocarbonetos e a matéria particulada em suspensão.
Ora, o meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum e indispensável à sobrevivência humana, deve ser preservado, não só pelo poder público, mas por toda sociedade.
Faz-se mister o entendimento humano de que os recursos ambientais não são inesgotáveis, tornando-se inadmissível o desenvolvimento das atividades econômicas de forma alheia a tal fato. É necessária a coexistência harmônica entre economia e meio ambiente, através de um desenvolvimento praticado de forma sustentável, voltado para a preservação dos recursos existentes atualmente.
Devemos lutar pela preservação do meio em que vivemos, garantindo a existência de novas gerações.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL


A relação do homem com o meio ambiente é um problema que atormenta a humanidade há muito tempo.


Nossa Constituição Federal estabelece o dever do Estado de promover a educação ambiental, visando a preservação do meio em que vivemos.
Mas, infelizmente, não podemos confiar que o Estado, sozinho, seja capaz de controlar todos os atos e fatos que, direta ou indiretamente, interferem em nosso habitat.
A educação ambiental é sem dúvida o meio mais eficaz de aplicação do princípio da preservação do meio ambiente, mas é claro, exige o investimento atual, para que possamos colher resultados no futuro.
A Professora Iara Verocai concede-nos o significado do vocábulo educação ambiental:
Processo de aprendizagem e comunicação de problemas relacionados à interação dos homens com seu ambiente natural. É o instrumento de formação de uma consciência, através de conhecimento e da reflexão sobre a realidade ambiental.”
Somente a partir da educação ambiental e do esclarecimento dos cidadãos acerca dos problemas que afetam o meio ambiente e da eficácia de um desenvolvimento sustentável, é que o indivíduo poderá compreender as conseqüências de seus atos sobre o meio ambiente.
A Constituição Federal, de 1988, novamente faz referência à educação ambiental, no inciso VI, do parágrafo 01º, de seu artigo 225:
Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:

(...)

VI – promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para preservação do meio ambiente.”
A Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999, estabelece, em seu artigo 05º, os objetivos fundamentais da educação ambiental, dentre os quais podemos destacar:

“(...) o incentivo à participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, entendendo-se a defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania (...)”.

Resta claro o objetivo do legislador em aplicar a consciência ecológica ao próprio povo, titular do direito ao meio ambiente, efetivando, assim, o princípio da participação na defesa deste direito.


A educação ambiental traduz-se na redução de custos ambientais, na efetivação no princípio da preservação, na fixação de ideais de consciência ecológica, no incentivo à concretização do princípio da solidariedade e na realização do princípio da participação.
Tais objetivos se completam, vez que no momento em que a sociedade percebe que o meio ambiente é um só, indivisível e pertencente a todos, começa a auxiliar em sua preservação, proporcinando, assim, a redução de custos pelo poder público.
O Código Florestal, Lei nº 4.771/65, apresenta alguns indícios de programas de educação ambiental:
Artigo 42. Dois anos depois da promulgação desta Lei, nenhuma autoridade poderá permitir a adoção de livros escolares de leitura que não conteham textos de educação florestal, previamente aprovados pelo Conselho Federal de Educação, ouvido o órgão florestal competente.
Parágrafo 1º. As estações de rádio e televisão incluirão, obrigatoriamente, em suas programações, textos e dispositivos de interesse florestal, aprovados pelo órgão competente no limite mínimo de 5 (cinco) minutos semanais, distribuídos ou não em diferentes dias,

(...)

Parágrafo 3º. A União e os Estados promoverão a criação e o desenvolvimento de escolas para o ensino florestal, em seus diferentes níveis.”
O importante é entender que não haverá êxito na divulgação de programas de desenvolvimento sustentável, sem que antes os cidadãos conheçam o meio ambiente e reconheçam o poder que ele exerce sobre nós seres humanos.
Mas, para isto é necessária a propagação de uma educação ambiental sólida, não só nas salas de aula, mas também no dia a dia das pessoas e em todos os atos da comunidade.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL


A raiz da maior parte dos problemas do mundo está relacionado com o meio ambiente. E não somente a questão da preservação das florestas e dos animais, e sim de recursos essenciais à sobrevivência do homem. Grande parte destas disputas se deve ao fato de que as necessidades do homem são ilimitadas, enquanto os recursos naturais são limitados.


Os conflitos entre países sob alegações ideológicas não passam de interesse econômico nos bens naturais. Temos como exemplo a escassez de água no Oriente Médio, que faz com que Israel queira o território da Cisjordânia, o interesse norte-americano no petróleo existente no Golfo Pérsico e outros mais existentes em todo o mundo.
O direito ambiental, apesar de consistir em uma ciência nova, é ramo autônomo do ordenamento, gozando de princípios próprios, legislação específica e ensino didático.

CONCEITO
O governo brasileiro adota como conceito de desenvolvimento sustentável aquele elencado no Relatório Bruntland, como: “o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades”.
Segundo o Presidente Fernando Henrique Cardoso o meio ambiente e desenvolvimento são a mesma coisa, sendo que não existe mais a guerra travada entre os defensores do ecossistema e os militantes do progresso, hoje, há uma integração entre estes dois elementos, quando é preciso preservar, para desenvolver em benefícios das gerações futuras.
Cristiane Derani, no seu livro Direito Ambiental Econômico, entende desenvolvimento sustentável como "um desenvolvimento harmônico da economia e ecologia que devem ser ajustados numa correlação de valores onde o máximo econômico reflita igualmente um máximo ecológico. Na tentativa de conciliar a limitação dos recursos naturais com o ilimitado crescimento econômico, são condicionadas à consecução do desenvolvimento sustentável mudanças no estado da técnica e na organização social".
Segundo Celso Antônio Pacheco Fiorillo: "o princípio de desenvolvimento sustentável tem por conteúdo a manutenção das bases vitais da produção e reprodução do homem e de suas atividades, garantindo igualmente uma relação satisfatória entre os homens e destes com o seu ambiente, para que as futuras gerações também tenham oportunidade de desfrutar os mesmos recursos que temos hoje a nossa disposição".
Conciliar meio ambiente e desenvolvimento econômico requer planejamento, e não atraso econômico como afirmam algumas pessoas contra. Devemos preservar para que os recursos passem de uma geração a outra e que estas, também tenham condições de sobreviver no futuro. Pois como podemos querer que as nossas futuras gerações sobrevivam sem água. Não devemos, entretanto querer sacrificar o desenvolvimento dos países, alegando que o meio ambiente é único e intocável. Deve haver um equilíbrio para que não cheguemos ao extremo de algumas civilizações passadas que tudo destruíram. Esse equilíbrio deve estar presente tanto na área rural quanto na área urbana.
Isso tudo somente será resolvido com medidas educativas, e com a conscientização de todos os países quanto à preservação do meio ambiente, e quando todos tomarem consciência de que a miséria também é um problema mundial que facilita a degradação do meio ambiente.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO PRINCÍPIO DO DIREITO AMBIENTAL
Alguns doutrinadores classificam o desenvolvimento sustentável como princípio do direito ambiental.
Decorrida a fase de explosão industrial do período liberal e das grandes Revoluções, o conceito de desenvolvimento econômico e tecnológico, a todo custo, perdeu guarida nas sociedades modernas.
Com isto a sociedade passou a exigir a atuação freqüente do Estado na solução das questões ambientais.
A proteção do meio ambiente e o desenvolvimento econômico tornaram-se um objetivo social comum, pressupondo a convergência do desenvolvimento econômico, social, cultural e de proteção ambiental.
O desenvolvimento sustentável, ou, eco-desenvolvimento, é representado pela conciliação entre o desenvolvimento, a preservação do meio ambiente e a melhoria da qualidade de vida, e deve ser aplicado no território nacional em sua totalidade (áreas urbanas e rurais).


PRINCÍPIOS DA VIDA SUSTENTÁVEL
1. Respeitar e cuidar da comunidade dos seres vivos: é quase que um princípio ético, pois não precisamos e não devemos destruir as outras espécies.

2. Melhorar a qualidade de vida humana: é este o principal objetivo do desenvolvimento sustentável, permitir que as pessoas realizem o seu potencial e vivam com dignidade.

3. Conservar a vitalidade e a diversidade do planeta Terra: pois é nele que vivemos.

4. Assegurar o uso sustentável dos recursos renováveis e minimizar o esgotamento de recursos não renováveis.

5. Permanecer nos limites da capacidade de suporte do planeta Terra: isso deve ser analisado em separado nas diferentes regiões do plante, como, por exemplo, não podemos querer encher as florestas de pessoas morando.

6. Modificar atitudes e práticas pessoais: a sociedade deve promover valores que apóiem a ética, desencorajando aqueles que são incompatíveis com um modo de vida sustentável. Deve-se incentivar disciplinas de direito ambiental desde a pré-escola.

7. Permitir que as comunidades cuidem de seu próprio meio ambiente: as comunidades e grupos locais tendem a expressarem as suas preocupações e acharem soluções mais rápidas se estiverem vivenciando o problema.

8. Gerar uma estrutura nacional para a integração de desenvolvimento e conservação: toda sociedade precisa de leis e de estrutura para proteger o seu patrimônio; tentar prever os problemas e evitar danos maiores.

9. Constituir uma aliança global: é de extrema importância, pois a falta de cuidado de um interfere na vida de outrem. Entretanto, não devemos nos contentar com palavras e sem buscar ações.

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL
Como podemos perceber a livre iniciativa já não é tão mais livre assim, pois acima de tudo deve respeitar e conservar o meio ambiente. Deve procurar encontrar um ponto de equilíbrio. Para que todos tenham condições de ter uma vida digna sem abrir mão de suas ambições.

ESPAÇOS AMBIENTAIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
Os espaços ambientais relacionam-se com o princípio do desenvolvimento sustentável, na medida em que determina de que forma ocorrerá o equilíbrio entre o desenvolvimento industrial, as zonas de conservação da vida silvestre e a própria habitação do homem, tendo como objetivo basilar a manutenção de uma vida com qualidade às presentes e futuras gerações.
Os espaços ambientais são formados por porções do território, que são divididos com o intuito de propiciar a preservação do meio ambiente.
Os espaços ambientais dividem-se em: espaços especialmente protegidos, que não interessam para este estudo, e zoneamento ambiental.
O zoneamento ambiental possui relação estrita com o desenvolvimento sustentável, à medida que auxilia na preservação do meio ambiente, a partir da limitação do uso do solo, interferindo no uso da propriedade particular, com base no princípio da função social da propriedade.
O zoneamento ambiental classifica-se em zoneamento para pesquisas ecológicas, em parques públicos, em áreas de proteção ambiental, costeiro e industrial.

UNIDADES DE USO SUSTENTÁVEL
As unidades de uso sustentável representam um dos grupos de conservação integrantes do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC).
Estas unidades visam o uso sustentável dos recursos ambientais, conciliando a conservação da natureza e o uso sustentável de seus recursos naturais.

A Lei do SNUC possui um aspecto social, na medida em que protege, não só o meio ambiente, como também o direito de propriedade.


As unidades de uso sustentável dividem-se em:
1) Áreas de Proteção Ambiental (APAS): criadas pela Lei 6.902/81, consistem em áreas extensas, pouco habitadas e dotadas de inúmeros atributos naturais importantes para a qualidade de vida e o bem estar da população. Tem como objetivo a proteção da diversidade biológica, a disciplina do processo de ocupação e a segurança no uso dos recursos naturais. Exemplo: Guaraqueçaba.
2) Área de Relevante Interesse Ecológico: previstas no Decreto 89.336/84, representa uma área de ação governamental relativa ao equilíbrio ecológico, possuem características naturais próprias, flora exuberante e fauna ameaçada de extinção.
3) Floresta Nacional (FLONA): mencionadas na Lei 9.985/00, mas criadas isoladamente por decretos, são extensões de florestas em terras públicas, criadas com finalidades econômicas, técnicas e sociais, podendo haver reflorestamento destas áreas. Exemplo: Floresta Nacional do Amazonas.
4) Reserva Extrativista: criadas pela Lei 9985/00, consistem em áreas utilizadas por pessoas que provém sua sobrevivência do extrativismo, agricultura e criação.
5) Reserva de Fauna: previstas na Lei do SNUC, tem como objetivo o estudo da fauna, mas dificilmente se tornarão realidade.
6) Reserva Particular do Patrimônio Natural: definidas na Lei 9985/00, são áreas privadas perpétuas, que objetivam a conservação da diversidade biológica.
7) Reservas de Desenvolvimento Sustentável: instituídas pelo artigo 20, da Lei do SNUC, que as define como “área natural que abriga populações tradicionais, cuja existência baseia-se em sistemas sustentáveis de exploração dos recursos naturais, desenvolvidas ao longo de gerações e adaptadas às condições ecológicas locais e que desempenham um papel fundamental na proteção da natureza e na manutenção da diversidade biológica”, devem ser áreas públicas criadas por um Conselho Deliberativo, composto por organizações da sociedade civil e da população local. O Conselho Deliberativo somente aprovará os planos de procedimento em que conste a definição das áreas de proteção integral de uso sustentável e de amortecimento, bem como corredores ecológicos.

LEGISLAÇÃO



CONFERÊNCIA DE ESTOCOLMO

O primeiro alerta mundial a gravidade da situação com o meio ambiente foi dado em 1972, em Estocolmo, na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, promovida pela ONU.


O ideal de um desenvolvimento sustentável surgiu, inicialmente, na Conferência de Estocolmo, quando os países participantes passaram a buscar soluções para o problema da degradação do meio ambiente, foi nesta Convenção que surgiu o conceito de desenvolvimento sustentável adotado até hoje no Brasil.
Os primeiros princípios da Política Global do Meio Ambiente foram formulados durante a reunião e ampliados, posteriormente, na ECO – 92, são princípios genéricos aplicáveis à proteção mundial do meio ambiente. Já os Princípios da Política Nacional do Meio Ambiente tratam da implementação dos princípios de âmbito global, porém, adequados à realidade social e cultural de cada país.
É importante destacar, que a Conferência do Rio, de 1992, em contraste com a Conferência de Estocolmo, dirigiu-se à criação de uma Agenda 21 que não é uma Agenda Ambiental, mas sim uma Agenda de Desenvolvimento Sustentável.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

O legislador constituinte observou que o crescimento das atividades econômicas não poderia mais ocorrer de forma alheia à preservação ambiental, porquanto sua degradação contínua implicaria na diminuição da capacidade econômica do país e não seria possível às gerações futuras desfrutar da vida com qualidade.


Na Constituição Federal, o princípio do desenvolvimento sustentável encontra-se esculpido no artigo 225, caput, segundo o qual:
Artigo 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.
Ainda, o artigo 170, da Carta Magna, demonstra claramente a preocupação do legislador em proteger o meio ambiente:
A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, oservados os seguintes princípios:

(...)

VI – defesa do meio ambiente”.

AGENDA 21

A Agenda 21 é um documento oficializado por ocasião da “Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento” - ECO 92, ocorrida em 14 de junho de 1992, no Rio de Janeiro, quando seu texto foi oficialmente admitido pelos países ali representados.


A Agenda 21 está voltada para problemas atuais e tem como objetivo preparar o mundo para os desafios do próximo século. Ela prega a realização de mudanças e se representa um marco na solução das questões ambientais.
É um documento da ONU, e como tal, somente goza de obrigatoriedade após ser reconhecido pela legislação de cada país. No Brasil, os Estados e Municípios poderão legislar a partir da Agenda 21, desde que seguindo a União e prevalecendo a legislação mais restritiva.
A Agenda 21 trata das questões do desenvolvimento econômico-social e suas dimensões, à conservação e administração de recursos para o desenvolvimento, ao papel dos grandes grupos sociais que atuam nesse processo. Prega a criação de projetos que visem ao desenvolvimento sustentável, preservando os recursos naturais e a qualidade ambiental.
A Agenda 21 representa um avanço da consciência ambiental e o fortalecimento das instituições para o desenvolvimento sustentável. Apela para a consciência dos Poderes Públicos e para a sociedade, no sentido de criarem ou desenvolverem um ordenamento jurídico capaz de proteger o meio ambiente, a partir do desenvolvimento sustentável. A erradicação da pobreza, a proteção da saúde humana e a promoção de assentamentos humanos sustentáveis surgem como objetivos sociais da Agenda.
No Brasil, a agenda nacional dependerá das agendas estaduais, e estas, por sua vez, das agendas locais, quando cada autoridade iniciará o diálogo com seus cidadãos e organizações locais para a aprovação de uma Agenda 21.
Para que o trabalho não fosse deixado de lado, previu-se uma avaliação dos resultados da Agenda 21 em 1997, a cargo da Assembléia Geral da ONU e da Comissão para o Desenvolvimento Sustentável.
A Agenda 21 consiste em um documento consensual para o qual contribuíram governos e instituições da sociedade civil de 179 países num processo que durou dois anos e culminou com a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUMAD), já mencionada no início desta exposição.
Além da Agenda 21, resultaram desse processo cinco outros acordos: a Declaração do Rio, a Declaração de Princípios sobre o Uso das Florestas, o Convênio sobre a Diversidade Biológica e a Convenção sobre Mudanças Climáticas.
A Agenda 21 traduz em ações o conceito de desenvolvimento sustentável, alterando os padrões de desenvolvimento do próximo século.
A Agenda 21 é, ainda, um processo de planejamento participativo que analisa a situação atual de um país, estado ou município, e planeja o futuro de forma sustentável, através de em planejamento acerca de todos os atores sociais e da formação de parcerias e compromissos para a solução dos problemas, a partir da análise de aspectos econômicos, sociais, ambientais e político-institucionais.
A Agenda considera, questões ligadas à geração de emprego e de renda, à diminuição das disparidades regionais e interpessoais de renda, às mudanças nos padrões de produção e consumo, à construção de cidades sustentáveis e à adoção de novos modelos e instrumentos de gestão.
O objetivo da Agenda 21 é subsidiar ações do Poder Público e da sociedade em prol do desenvolvimento sustentável, sendo necessário, para tanto, a criação de instrumentos e mecanismos legais internacionais.
Se os países envolvidos não oferecerem suporte à implementação da Agenda 21, através da elaboração de leis nacionais que visem ao desenvolvimento sustentável, o trabalho será esquecido.
Na esfera internacional, há a necessidade de instrumentação legal para a implementação de medidas indispensáveis a uma gestão ambiental no âmbito mundial.
Não só os países em via de desenvolvimento necessitam instrumentos e mecanismos legais, também os países desenvolvidos devem curvar-se a esta necessidade, caso contrário, as relações jamais surtirão efeitos, nem mesmo ante a ameaça de catástrofes mundiais.

ISO 14.000

A International Organization for Standardization, conhecida mundialmente pela sigla ISO, é uma organização não-governamental existente desde 1974, com sede em Genebra, Suíça.


A organização foi criada para reunir normas técnicas e padronizar medidas e especificações.
Um dos serviços mais importantes criado pela ISO reúne normas e padrões referentes à qualidade dentro da empresa, o ISO 9000, e à questão ambiental, o ISO 14000. Seguindo esses padrões e implantando sistemas de qualidade e gestão ambiental, as empresas podem receber os certificados ISO, bastante exigidos por consumidores.
A idéia do ISO 14.000 surgiu das discussões de desenvolvimento sustentável durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento - ECO 92.
A série ISO 14000 reúne normas internacionais que estabelecem regras para que as empresas possam implantar Sistemas de Gestão Ambiental, com a finalidade de reduzir desperdícios, quantidade de matéria-prima, de água, de energia e de resíduos usados e obtidos durante o processo de produção, tentando dessa forma minimizar os impactos ambientais e estar de acordo com a legislação ambiental.
A idéia utilizada na Gestão Ambiental é usar menos para produzir mais e com melhor qualidade.
No Brasil, a ISO é representada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas), que participa dos comitês, tem direito a voto na organização e também trabalha como certificadora credenciada pelo INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), que é quem fiscaliza as atividades.
A certificação é voluntária, ou seja, deve ser requerida pela própria empresa, com a vantagem de que o implante desses padrões ambientais internacionais pode facilitar a entrada de seus produtos no mercado externo.
Após implantar Sistemas de Gestão Ambiental, ligados à qualidade do ar, da água e do solo, a empresa recebe o certificado e depois, anualmente, a certificadora realizará auditorias de acompanhamento para manutenção do certificado.
Se a empresa abandonar algum dos padrões estabelecidos, corre o risco de perder o certificado ISO 14000. De 3 em 3 anos realizam-se auditorias de renovação, mas os períodos variam de empresa para empresa.

AGENDA 21 BRASILEIRA

A Agenda 21 Brasileira transformou-se em um processo de planejamento estratégico participativo, que foi conduzido pela Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional.


No processo de elaboração da Agenda a realidade brasileira foi analisada a partir de diferentes focos, observando-se a independência entre o meio ambiental, economia, sociedade e instituições. Além disso, determina que o processo de elaboração e implementação deve estabelecer parcerias, entendendo que a Agenda 21 não é um documento de governo, mas um produto de consenso entre os diversos setores da sociedade brasileira, através da parceria entre governo, setor produtivo e sociedade civil.
Os planos definidos pela Agenda serviriam de base para a elaboração dos Planos Plurianuais do Governo, quando é definido o destino dos recursos públicos do país.
Para o desenvolvimento das idéias o programa foi dividido seis eixos denominados de Agricultura Sustentável, Cidades Sustentáveis, Infra-estrutura e Integração Regional, Gestão dos Recursos Naturais, Redução das Desigualdades Sociais e Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável, permitindo discutir de forma ampla a sustentabilidade do desenvolvimento do Brasil, a partir da análise das diferenças sociais.
Após, encerrada a Agenda 21 Brasileira, o processo de elaboração tomou um novo rumo, através da pesquisa de aspectos estaduais, que visa refletir a diversidade entre as regiões que compõe o país.
A Agenda 21 Brasileira é composta de dois documentos: “Agenda 21 Brasileira – Ações Prioritárias”, que estabelece os caminhos para a construção da sustentabilidade brasileira, e “Agenda 21 Brasileira – Resultado da Consulta Nacional”, produto das discussões realizadas em todo o território nacional.
A Agenda estabeleceu 21 pontos de ação, são eles:

1) Produção e consumo: promover uma campanha nacional contra o desperdício e restringir a produção de recicláveis.


2) Ecoeficiência e responsabilidade social: incentivar mecanismos de certificação nas empresas e procedimentos voluntários de monitoramento.
3) Planejamento estratégico: incorporar a dimensão ambiental dos eixos de desenvolvimento.
4) Energia renovável: reestruturar o Proálcool e desvinculá-lo dos interesses do velho setor sucroalcooleiro.
5) Informação e conhecimento: promover recursos financeiros para pesquisas na área do desenvolvimento sustentável e para a manutenção de pesquisadores no Brasil.
6) Educação permanente: combater o analfabetismo funcional e valorizar o ensino profissionalizante.
7) Promover a saúde: ampliar detecção precoce de hipertensão, diabetes, desnutrição e câncer, democratizando o SUS.
8) Inclusão social: baixar o índice de GINI, que mede a distribuição de renda, de 0,6 para 0,4.
9)Universalizar o saneamento ambiental: ampliar para 60% o tratamento secundário de esgotos na próxima década.
10) Gestão de espaço urbano: tornar o Estado promotor do desenvolvimento urbano sustentável. Promover elaboração de Planos Diretores.
11) Desenvolvimento sustentável do Brasil Rural: promover o acesso a terra e à agricultura familiar.
12) Promoção da agricultura sustentável: incentivar o manejo de sistemas produtivos, adotando o princípio da precaução para transgênicos.
13) Promover a Agenda 21: elaborar indicadores de desenvolvimento sustentável.
14) Implantar o transporte de massa: promover a descentralização das cidades e a implementação de redes de metrô e trens rápidos.
15) Preservar e melhorar bacias hidrográficas: assegurar a preservação dos mananciais pelo estabelecimento de florestas protetoras e proteger margens de rios, recuperando suas matas ciliares.
16) Política florestal e controle de desmatamento: limitar a concessão de créditos para a expansão de fronteiras agrícola. Implantar corredores de biodiversidade em todos os biomas.
17) Descentralização do pacto federativo: fortalecer o federalismo e definir as competências entre União, estados e municípios.
18) Modernização do Estado: estabelecer termos de compromisso para a solução de passivos ambientais amparados por garantias bancárias.
19) Relações internacionais e governança global: fortalecer as Nações Unidas como organismo representativo.
20) Formação de capital social: expandir os incentivos fiscais ao terceiro setor, promover oportunidades para os negros, fortalecer o papel da mulher e proteger os indígenas da biopirataria.
21) Pedagogia da sustentabilidade: adotar o princípio da responsabilidade corporativa.

LEI Nº 6.938/81
A Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, estabelece, em seu artigo 04º, os objetivos da política nacional do meio ambiente:
Artigo 04º. A Política Nacional do Meio Ambiente visará:
I – à compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico;

(...)

III – ao estabelecimento de critérios e padrões da qualidade ambiental e de normas relativas ao uso e manejo de recursos ambientais;

IV – ao desenvolvimento de pesquisas e de tecnologias nacionais orientadas para o uso racional de recursos ambientais;”.

Ainda, seu artigo 09º trata dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente, mencionando entre eles o zoneamento ambiental.



LEI DO SNUC
A Lei nº 9985/00, que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC, estabelece critérios e normas para a criação, implantação e gestão das unidades de conservação.
O artigo 02ª da mencionada lei estabelece importantes conceitos acerca do desenvolvimento sustentável, quer sejam: unidades de conservação, conservação da natureza, preservação, proteção integral, uso sustentável, recuperação, restauração, zoneamento etc.
A lei institui, ainda, as unidades de conservação integrantes do SNUC, dividindo-as em dois grupos: Unidades de Proteção Integral, que visam à preservação da natureza, admitindo apenas o uso indireto de seus recursos naturais, e Unidades de Uso Sustentável, que tem como objetivo compatibilizar a preservação da natureza com o uso sustentável dos recursos naturais.
O artigo 20, da lei em questão, estabelece o conceito, a instituição, o funcionamento e os objetivos das Reserva de Desenvolvimento Sustentável.
CÚPULA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (RIO + 10)
A conferência realizada de 26 de agosto a 4 de setembro de 2002, em Joanesburgo, África do Sul, o evento é conhecido como Rio+10, porque é realizado uma década depois da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio - 92).
A conferência pretende buscar um consenso na avaliação geral das condições atuais e nas prioridades para ações futuras. As decisões serão dirigidas a reforçar compromissos de todas as partes para que os objetivos da Agenda 21 sejam alcançados, analisando assuntos como o Protocolo de Kyoto e a Biodiversidade.
Além destes pontos importantes, foram discutidos alguns programas de desenvolvimento sustentável que foram implantados nos últimos anos e adquiriram êxito razoável.

Ainda, questão sociais, como o problema da propagação da AIDS no continente africano etc.



MODELOS DE APLICAÇÃO



PROGRAMA MUNICIPAL: RECICLAGEM DE LIXO/RIO DE JANEIRO

A cidade do Rio de Janeiro possui um programa de reciclagem de lixo no Rio, atuante principalmente na Zona Sul, quando coletores independentes passam a noite arrecadando latas de alumínio, jornais, papelão e cobre, materiais estes que são posteriormente reciclados.


O município divulga o programa, incentivando os cidadãos a separar os materiais em sacos, ajudando, assim, os coletores que poderão trabalhar de forma mais eficiente e ganhar um salário mais digno.
Os coletores de lixo oficiais do estado também serão beneficiados, pois mais lixo será previamente coletado pelos coletores independentes diminuindo o total de lixo nos caminhões tornando mais breve suas barulhentas coletas noturnas. A economia do estado, o meio ambiente e a cidade só tem a ganhar.

PROGRAMA ESTADUAL: BACIA DO GUARIROBA/MATO GROSSO DO SUL
A degradação de recursos naturais causa e ameaça a sustentabilidade da agricultura, economia e usos de outros recursos. A fim de diminuir o risco da degradação e contaminação do nosso ambiente e mesmo para recupera-lo, é necessário controlar a qualidade dos recursos de água, solo e ar.
Estas ações envolvem alto custo e conflitos de interesses econômicos, sendo difícil executá-las. As decisões exigem um conhecimento amplo das estratégias alternativas capazes de manter o ambiente limpo com os custos aceitáveis.
Mas antes de empregar qualquer atitude no sentido da qualidade da água, é necessário identificar os problemas existentes na bacia hidrográfica, um sistema de coleta de dados das fontes de poluentes deve ser implantado para detectar as causas dos problemas.
Pelo fato das bacias hidrográficas estarem degradadas em larga escala, vem sendo envidados esforços no sentido de se estimular estudos que visem conservar recursos naturais e recuperar danos causados pelo mau uso da terra e água.
O Estado de Mato Grosso do Sul localiza-se em uma região privilegiada quanto aos recursos hídricos. Mesmo assim já enfrenta inúmeros problemas referentes à qualidade e quantidade de água.
A bacia Guariroba possui uma área aproximada de 389,27 Km² e encontra-se situada na nascente do Córrego Saltinho, afluente do Córrego Guariroba.
Na foz da bacia há um reservatório de Captação de Água Superficial, responsável pelo abastecimento de 90% da água portável para a população urbana de Campo Grande/MS.
Entretanto, os problemas causados pela erosão e impróprio manejo dos dejetos animais comprometem seu uso para consumo humano, o que resultou na redução do abastecimento para 60%.
A Bacia do Guariroba está ocupada com atividades agropecuárias, implicando em cerca de cerca de 40 propriedades rurais, das quais muitas destinam-se à criação de bovinos de corte, cria e recria, de forma extensiva e outras menores concetram-se em atividades como: piscicultura, gado de leite e avicultura. A água é utilizada no sustento dos bovinos, despejo de córregos e nascentes.
A água para consumo humano é proveniente de poços superficiais e artesianos. A formação de pastagens destas áreas se fez com a retirada da vegetação natural e o plantio de sementes de pastagens.
Os proprietários que exploram o solo da região utilizam técnicas que romperam o equilíbrio ambiental, provocando um processo acentuado de assoreamento no Córrego Guariroba, e a contaminação da água no reservatório.
O uso da terra e sua ocupação aconteceu desordenadamente, com grandes propriedades, pouco exploradas devido a baixa fertilidade dos solos. Contudo, no final da década de 70 e início da década de 80, os programas de incentivo a ocupação do cerrado proporcionaram a ocupação acelerada destas áreas e a conseqüente degradação dos recursos naturais.
O assoreamento que ocorre na Bacia do Córrego Guariroba, acontece devido ao desmatamento de grande parte da vegetação ciliar, pelos bebedouros utilizados por bovinos e pastagens degradadas em conseqüência da falta de práticas adequadas de manejo e conservação dos solos.
Após a implantação da divisão do Estado de Mato Grosso em 1979, dois programas foram criados para viabilizar a política de implantação, destinando recursos para a infra-estrutura social: o Programa de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso (Promat) e o Programa de Desenvolvimento de Mato Grosso do Sul (Prosul).

Os primeiros anos de existência do Estado de Mato Grosso do Sul, coincidiram com a aceleração no processo de ocupação da área afetada, incorporando grandes áreas ao processo produtivo, mas a vegetação nativa foi sendo depredada.


Recomenda-se a adoção de práticas de uso e manejo do solo que evitem sua pulverização, compactação e que protejam o solo da ação erosiva das chuvas.
Antes de tentar recuperar áreas degradadas é necessário identificar quais as limitações que tais solos impõem à produtividade destas áreas. Alguns solos podem ser recuperados pela simples recomposição do nível de fertilidade perdida, outros solos talvez nunca mais serão completamente recuperados.
A deterioração dos recursos naturais pode ser identificada mediante o monitoramento da micro bacia hidrográfica degradada. Portanto, para diminuir o risco de contaminação e degradação do ambiente e mesmo para recuperá-lo deve-se monitorar a qualidade da água, do solo e do ar.
Em razão dos problemas enfrentados, em 21 de setembro de 1.995, pelo decreto número 7.183, assinado pelo Prefeito do Município de Campo Grande, foi criada a Área de Proteção Ambiental dos Mananciais do Córrego Guariroba.
Esta iniciativa visa assegurar o uso adequado dos recursos naturais, bem como implementar ações para a recomposição das áreas degradadas. Mas até presente, as ações adequadas para conservação do meio ambiente ainda não foram tomadas. Portanto, o objetive principal deste projeto é demonstrar as técnicas economicamente viáveis no controle da erosão e qualidade da água, conscientizando os agricultoras e incetivando-os a implantar técnicas apropriadas na conservação do meio ambiente.
Uma harmonia entre os interesses econômicos dos proprietários e a conservação do meio ambiente poderá ser alcançada, se os proprietários se adaptarem aos sistemas adequados de produção agropecuária sustentável.


PROGRAMA FEDERAL: CICLO DO BAMBU/BRASIL
O bambu, há cerca de 15 anos, vem sendo utilizado como matéria-prima geradora de trabalho e renda pelo Programa de Desenvolvimento do Ciclo do Bambu no Brasil.
O programa já é aplicado em 07 estados e beneficia pessoas de baixa-renda e, em decorrência do interesse de setores empresariais e governamentais, deverá ser implantado em outros estados do país.
O principal objetivo do programa é a promoção do bem estar físico, social, cultural e econômico e para a reintegração da população excluída ao meio produtivo.
Um dos maiores êxitos do projeto foi a premiação do cabide de bambu, feito com matéria-prima 100% biodegradável e compatível com a preservação do meio ambiente
Além do cabide, as cooperativas de trabalho, cerca de 50 espalhadas pelos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Alagoas, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Espírito Santo e Paraná, também produzem brinquedos educativos, maletas, bolsas, acessórios, ventiladores, jogos e móveis de baixo custo e alta qualidade.
A armação de óculos de bambu é um produto já idealizado, mas que ainda não ingressou no mercado.
O bambu alcança seu ponto de maturidade de produção aos três anos e quanto mais de colhe, mais se produz, portanto, não é necessário ser replantado.
O programa auxilia na preservação do meio ambiente e, ainda, serve de incentivo às comunidades carentes, que encontram um meio de subsistência.
O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO COTIDIANO DO CIDADÃO
A crescente diminuição dos recursos naturais brasileiros levou o Governo vem divulgando informações para economia e preservação destes recursos, visando garantir o futuro de nossos descendentes.
Ao mesmo tempo em que o cidadão reduz ou elimina o desperdício, economiza dinheiro.
Neste trabalho explicaremos algumas das idéias e recomendações oferecidas pelo Governo no sentido de desenvolvermos nossas atividades diárias de forma sustentável


ÁGUA
Hoje, metade da população mundial enfrenta problemas de abastecimento de água, quando 97% da água existente no planeta Terra é salgada, 2% formam geleiras inacessíveis e, apenas, 1% é água doce, das quais muitas fontes já estão poluídas ou, simplesmente, secaram.
Nossas reservas de água estão ameaçadas em razão da ameaça representada por esgotos, lixo, resíduos de agrotóxicos e industriais.
O programa tem como objetivo imputar a responsabilidade por essa triste realidade a cada cidadão, induzindo-o a contribuir no dia-a-dia, economizando no consumo de água no banho, na higiene, na comida, na lavagem de louça e roupas, na limpeza da casa, na plantas, prestando atenção para a existência de vazamentos etc.

ENERGIA ELÉTRICA

O consumo de energia elétrica aumenta a cada ano no Brasil, sendo que em breve, estaremos importando energia elétrica de países vizinhos.


Os estabelecimentos comerciais já vem auxiliando na economia de energia com a dinamização de suas atividades, dias e horários de funcionamento.
O consumo residencial e comercial representam cerca de 42% do consumo total e cresce cada vez mais em razão do crescimento do mercado de eletrodomésticos, sendo recomendada a observância do selo Procel – Programa de Combate ao Desperdício de Energia Elétrica nos produtos adquiridos.
Outra forma de economia de energia é representada pela utilização de lâmpadas fluorescentes, evitando, assim, a implantação de programas de economia como o famoso “Apagão”.
Economizando energia, o cidadão contribui para o adiamento da construção de novas hidrelétricas, que causam grandes impactos ambientais e para diminuição da exploração de recursos naturais não renováveis


LIXO

O lixo produzido pela sociedade e demais e aumenta a cada dia.


Essa dificuldade é maior quando associada aos custos para se criar aterros sanitários. A situação torna-se pior quando constatamos que na maioria das cidades brasileiras o lixo é despejado em terrenos baldios ou nos “famosos” e inadequados lixões. Em contraposição a essas práticas, ecologicamente incorretas, vem-se estimulando o uso de métodos alternativos de tratamento como a compostagem e a reciclagem ou, dependo do caso, incineração.
A incineração (queima do lixo) é a alternativa menos aceitável, vez que provoca graves problemas de poluição atmosférica e exige investimentos de grande porte para a construção de incineradores.
A compostagem é uma maneira fácil e barata de tratar o lixo orgânico (detritos de cozinha e fragmentos de plantas).
A reciclagem é uma das melhores alternativas para o lixo inorgânico (plásticos, vidros, metais e papéis), é possível recuperar e reutilizar a maior parte dos materiais que na rotina do dia-a-dia é jogada fora.
O programa fornece, ainda, recomendações para o uso adequado dos aparelhos responsáveis pela poluição atmosférica, como por exemplo a geladeira, o freezer e o ar condicionado.

CONCLUSÃO


Nossa saúde é intimamente ligada com o meio ambiente: o ar que respiramos, a água que bebemos e o solo em que vivemos.


O uso inadequado dos recursos naturais compromete tanto a nossa existência como das gerações futuras.
Em decorrência da imensidão do território brasileiro, muita gente acreditava que os recursos naturais do nosso país eram inesgotáveis.
Entretanto, em uma descoberta recente, se comparada com a idade da planeta, o ser humano compreendeu que a água, o ar, o solo, a fauna e a flora consistem em recursos finitos em quantidade e qualidade.
Foi pensando neste problema que surgiu a idéia de um sistema de consumo e desenvolvimento sustentável, representado pelo uso conciente dos recursos naturais na satisfação de nossas necessidades, evitando o comprometimento da sobrevivência das gerações futuras.
O desenvolvimento sustentável difundiu-se pelo mundo com velocidade correspondente à necessidade humana de preservar o meio ambiente, e logo passou a ser discutido como requisito para a existência da humana no planeta.
A Conferência de Estocolmo e a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento - ECO 92, representam um marco na implantação de programas de desenvolvimento sustentável pelo mundo.
A partir destas duas reuniões, o assunto passou a ser discutido não apenas como um projeto futuro, mas como uma realidade necessária e desejada tanto por grupos militantes de proteção à natureza, mas por líderes políticos mundiais, por grandes empresas e por toda a sociedade.
Como não poderia deixar de ser, o desenvolvimento sustentável tornou-se alvo do ordenamento jurídico mundial, quando diversas leis regulamentando o tema foram instituídas, com importância especial à Agenda 21.

O primeiro passo da legislação brasileira, neste sentido ocorreu com a criação da Agenda 21 Brasileira, a partir daí, diversas normas foram criadas.


Segundo o artigo 02º, da Lei do SNUC, o uso sustentável consiste na:
(...) exploração do ambiente de maneira a garantir a perenidade dos recursos ambientais renováveis e dos processos ecológicos, mantendo a biodiversidade e os demais atributos ecológicos, de forma socialmente justa e economicamente viável;”
Assim, surgiram diversos programas de implantação nacional, estadual e municipal do desenvolvimento sustentável foram surgindo.
Refletetindo claramente a aplicação do velho jargão popular: saber usar para nunca faltar.
E isso não exige um grande esforço, somente mais atenção com o que está ao nosso redor, no nosso ambiente. Basta fazermos uma pequena reflexão sobre como agimos e como devemos agir.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


1. ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 6ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Lumen Juris, 2002.


2. DERANI, Cristiane. Direito ambiental e econômico. São Paulo: Editora Max Limonad, 1997.
3. FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 3ª ed. São Paulo: Saraiva, 2002.
4. FIORILLO, Celso Antônio Pacheco e RODRIGUES, Marcelo Abelha. Direito ambiental e patrimônio genético. Belo Horizonte: Del Rey, 1996.
5. FREITAS, Vladimir Passos de. A Constituição Federal e a efetividade das normas ambientais. 2ª ed. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2002.
6. MILARÉ, Édis. Direito do ambiente. 2ª ed. São Paulo: Editora RT, 2001.





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal