Desenvolvimento sustentável em exploraçÃo e produçÃo de petróleo e gás na amazônia brasileira – estudo de caso petrobráS



Baixar 68.72 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho68.72 Kb.
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NA AMAZÔNIA BRASILEIRA – ESTUDO DE CASO PETROBRÁS

Sergio Ribeiro de Sant’Ana (adsumus@petrobras.com.br)

Márcio Antônio Miranda do Rego (marcioa@petrobras.com.br)

Mestrandos em Sistemas de Gestão (UFF)

Orientador: Sergio Pinto Amaral, D. Sc. (samaral@petrobras.com.br)

Laboratório de Tecnologia, Gestão de Negócios e Meio Ambiente – LATEC / UFF

Rua Passo da Pátria, 156 / Sala 329 – São Domingos – Niterói – RJ – CEP.: 24.210-240

Área Temática: Gestão Social e Ambiental




RESUMO
A grande preocupação das maiores organizações do mundo todo, hoje, refere-se à sustentabilidade de seus negócios, um movimento que teve origem nas questões ambientais, mas que atualmente é visto de uma forma mais ampla, passando a incorporar os temas relativos à saúde, segurança, a própria preservação ambiental e mais recentemente, à responsabilidade social corporativa. Nos dias atuais não se pode falar em crescimento sócio-econômico sem falar em Desenvolvimento Sustentável. Assim, uma empresa que pretenda manter a longevidade de seu negócio deve adotar estratégias no sentido de buscar, não só o resultado financeiro, como também gerar valor nas dimensões ambiental e social.

A evolução das atividades da Petrobrás na Amazônia está beneficiando diretamente toda a região Norte do País, que passa a contar agora também com uma infra-estrutura para facilitar a disponibilização do gás natural, combustível essencial para as novas termelétricas projetadas para suprir a crônica deficiência de energia elétrica da região. Além disso, outro valor altamente expressivo desenvolvido na região é o saber produzir, investindo em ações sociais e tomando os devidos cuidados com os ecossistemas, com a segurança das operações, e a saúde dos envolvidos fazendo desse empreendimento um verdadeiro modelo de gestão para a excelência, tudo de acordo com padrões internacionais de preservação, desde o início orientados conforme diretrizes e recomendações de renomadas entidades e de cientistas de notório saber em questões amazônicas.

O presente estudo pretende mostrar como a Petrobrás, saindo da condição de uma empresa nacional de petróleo para uma empresa transnacional de energia, promove a manutenção da posição de liderança dentro do seu ambiente competitivo, tendo como política uma atuação segundo os princípios do Desenvolvimento Sustentável. Mais especificamente, o estudo de caso focaliza as ações estratégicas e os desafios e oportunidades que envolvem as atividades da Companhia na Bacia Petrolífera de Urucu, na Amazônia.

Palavras chave: Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade Social e Ambiental.

Amazônia. Petrobrás. Energia.
ABSTRACT
The big matter of the greatest organizations in the whole world, nowadays , mentions their business sustainability, a movement that had origin in the environmentals questions, currently seen in a larger way, incorporating themes related to health, safety and the self environmental preservation, and more recently to the Corporative social responsibility. Nowadays, we cannot speak in socio-economical growth, without speaking in sustainable development. Thus, a company whom intends to keep the longevity of its business must adopt strategies in order to search, not only the financial result, as also to generate value in the environmental and social dimensions.

The Petrobras activities in the Amazonia jungle is benefiting directly all the North region of the Country, that starts to count now also on an infrastructure to facilitate the natural gas availableness, essential combustible for the new projected thermoelectrics to supply the chronic deficiency of electric energy of the region. Moreover, another expressive value highly developed in the region is to know to produce, investing in social actions and taking care of the ecosystems, with the security of the operations, and the health of the involved ones, making of this enterprise a true model of management for the excellency, everything in accordance with international standards of preservation, since the beginning guided as lines of direction and recommendations of famous entities and scientists of well-known acknowledgement in amazonian matters.

The present study intends to show as Petrobras, leaving the condition of a national company of oil, into a transnational company of energy, promotes the maintenance of the of the leadership position inside its competitive field, having as politics a performance according to principles of the sustainable development. More specifically, the case study focuses the strategical actions and the challenges and chances that involve the activities of the Company in the Petroliferous Basin of Urucu, in the Amazonia.

Key words: Sustainable Development. Social and Environmental Responsibility. Amazônia.

Petrobras. Energy.


1. INTRODUÇÃO
Os grandes problemas enfrentados pelas organizações, nos últimos tempos, referem-se às contínuas e profundas transformações sociais ocasionadas pela velocidade com que têm sido gerados novos conhecimentos científicos e tecnológicos, sua rápida difusão, sua utilização pelo setor produtivo e pela sociedade de uma maneira geral. As mudanças são tão rápidas que muitas vezes ocorre uma defasagem entre a introdução de uma nova tecnologia e a capacidade de reorganização para saber lidar com a nova realidade.

Atualmente, com a introdução de novas tecnologias e a competitividade global observa-se uma reestruturação das organizações, onde surge uma nova concepção no modelo das relações sociais e culturais dentro e fora do ambiente empresarial, envolvendo os múltiplos agentes que participam da sua cadeia de valor, quais sejam: os clientes (internos e externos), governo, fornecedores, concorrentes, organizações não–governamentais, entre outros.

Por outro lado, a constatação de que a base de consumidores em nível mundial, cada vez mais se conscientiza de seus direitos, não só no que se refere à incorporação de novos hábitos de comportamento e consumo (clientes mais exigentes), como também na cobrança do respeito ao meio-ambiente e ao ser humano, estabelece um novo padrão de negociação e de poder entre as partes, que não devem ser ignorados pelas empresas que quiserem se manter competitivas.

Desde os anos 60, em virtude de vários desastres de poluição industrial, mais especificamente, com a realização da Conferência de Estocolmo, em 1972, os países industrializados e em industrialização passaram a adotar padrões de qualidade para o ar e para as águas, padrões de emissões para efluentes industriais líquidos e gasosos, sistemas de licenciamento das atividades poluidoras e a utilização de relatórios de impacto ambiental. No entanto, no mundo globalizado, as indústrias passaram a adotar códigos voluntários de conduta como a atuação responsável e as normas internacionais visando à aceitação dos produtos de acordo com os padrões internacionais de qualidade, segurança operacional e respeito ao meio ambiente.

A Petrobrás se preocupou em desenvolver e implantar um Sistema de Gestão Integrado exigindo trabalho árduo de toda a equipe e uma perfeita integração com as empresas prestadoras de serviços. Todos os empregados próprios e de empresas contratadas que atuam na região amazônica são constantemente treinados por intermédio do Programa de Sensibilização para as Áreas de Meio Ambiente, Segurança, Saúde e Qualidade. Este Sistema de Gestão contribui decisivamente para que sejam alcançados resultados globais, harmônicos, como a melhoria do desempenho econômico-financeiro e a redução de taxas de acidentes, única forma de garantir o desenvolvimento sustentado da Unidade, a curto e longo prazo.

O crescente aumento de produção que tem caracterizado as atividades da Petrobrás em Urucu tem sido obtido com especial atenção a todos os aspectos relacionados ao ecossistema amazônico, à qualidade do trabalho nos mínimos detalhes, à segurança operacional e à saúde dos empregados. E neste sentido, a Petrobrás mantém a sua posição dentro do ambiente competitivo através do seu plano estratégico, onde estão previstas ações no sentido de consolidar não só vantagens competitivas no mercado doméstico de petróleo e derivados, como também liderar o mercado brasileiro de gás natural atuando como empresa de energia, além de expandir sua participação no mercado internacional, tendo como base uma atuação dentro dos princípios do Desenvolvimento Sustentável.



2. BREVE HISTÓRICO DA EMPRESA
A Petróleo Brasileiro S/A é uma Companhia integrada que atua na exploração, produção, refino, comercialização e transporte de petróleo e seus derivados no Brasil e no exterior. Com enorme Responsabilidade Social e profundamente preocupada com a preservação do meio ambiente, tem a sua trajetória de conquistas premiada por inúmeros recordes e pelo reconhecimento internacional.

Em agosto de 1997, a Companhia passou a atuar em um novo cenário competitivo tendo em vista a regulamentação da Emenda Constitucional (Lei 9.478) de flexibilização do monopólio estatal do petróleo. Com isso, abriram-se perspectivas de ampliação de negócios e maior autonomia empresarial.

Atualmente, conta com noventa e três plataformas de produção, mais de dez refinarias, quase dezesseis mil quilômetros em dutos e mais de sete mil postos de combustíveis. Em 1998, a Petrobrás posicionava-se como a 14ª maior empresa de petróleo do mundo e a 7ª de capital aberto, de acordo com a publicação da tradicional pesquisa sobre a atividade da indústria do petróleo feita pela “Petroleum Intelligence Weekly”.

Como empresa de energia e de acordo com o novo modelo estrutural, a companhia passou a funcionar com quatro áreas de negócio - E&P, Abastecimento, Gás & Energia e Internacional -, duas áreas de apoio - Financeira e Serviços - e as Unidades Corporativas ligadas diretamente ao presidente. A estrutura incorpora o conceito de Unidades de Negócio, já adotado pelas maiores companhias de petróleo e energia do mundo. Foram criadas 40 Unidades vinculadas às áreas de negócio. Cada Unidade de Negócio opera com mais autonomia nas decisões e independência para administrar orçamento e investimento. Há metas e responsabilização pelos resultados. É possível avaliar cada atividade da Companhia com mais precisão, corrigir desvios do planejado, enfatizar os bons desempenhos e atuar com rapidez sobre os mais fracos.

Um dos indicadores usados para medir o desempenho de uma empresa na atividade de exploração de petróleo, é o índice de sucesso em poços exploratórios. A Petrobrás tem apresentado resultados que a colocam entre as empresas mais eficientes do mundo. Em 30 de junho de 2002, a Companhia controlava aproximadamente 98,6% da capacidade de refino do País e operava nos maiores campos em desenvolvimento no Brasil. A média de produção diária da Companhia cresceu a uma taxa anual de 10,2% em 2001, 12,1% em 2000 e 10,6% em 1999.

Com posição estratégica, a Companhia atua na maioria dos segmentos do mercado de gás natural brasileiro. Em virtude de sua ampla gama de operações no mercado de gás natural, a Companhia acredita estar bem posicionada para se beneficiar do potencial crescimento da demanda no Brasil por gás natural.

As políticas corporativas foram ampliadas, tendo sido incorporadas as políticas de comunicação, que não faziam parte do Plano anterior, e ajustadas as políticas de atuação corporativa, disciplina de capital, novos negócios, Recursos Humanos e de SMS (Segurança, Meio Ambiente e Saúde). Entre os ajustes acordados, foi dada maior abrangência às políticas de atuação corporativa, destacando-se os compromissos de transparência e de Responsabilidade Social da Companhia com os diversos públicos de interesse.

O Plano 2003-2007 da empresa propõe um ajuste na Missão, enfatizando a segurança tanto operacional como patrimonial e de respeito aos empregados e às comunidades onde atua a Companhia. Na Visão 2010, o novo Plano mantém, portanto, a estratégia corporativa de liderança no mercado brasileiro de petróleo e derivados, consolidação como empresa de energia e expansão seletiva da atuação internacional. Esta estratégia continuará pautando-se pela permanente integração da busca da rentabilidade com o exercício da Responsabilidade Social e Ambiental.


3. SITUAÇÃO PROBLEMA
Quinze anos após dar início à produção comercial de óleo, a Província Petrolífera de Urucu, encravada no coração da floresta amazônica a 650 quilômetros de Manaus, esperava o sinal verde dos órgãos ambientais para a construção de dois gasodutos (Coari-Manaus e Urucu-Porto Velho) viabilizando o projeto de gás natural de Urucu para geração termelétrica, num total de quase mil quilômetros de extensão. A partir da conclusão dos dois gasodutos, será possível a geração térmica em Manaus, Porto Velho e Acre, substituindo o óleo combustível hoje utilizado, pelo gás natural, dando um salto definitivo rumo à auto-suficiência energética do Norte e de parte do Nordeste do País.

As restrições ao projeto passavam pelos danos ambientais e inerentes à operação. Entidades de defesa do meio ambiente no Brasil e no exterior ainda duvidam que petróleo e preservação ambiental possam andar juntas. A Petrobrás, apesar do passado de desastres de grandes proporções nas águas do Sul e Sudeste, garante que sim. De acordo com a Companhia, a empresa sente-se muito satisfeita em poder oferecer à sociedade uma alternativa energética, por meio de um combustível adequado à preservação ambiental.

Após treze meses de estudos e conversações, envolvendo a população (cerca de 3.000 pessoas) da área onde será realizada a obra, Ministérios Públicos Estadual e Federal, Petrobrás e UFAM (Universidade Federal do Amazonas), onde se discutiu o impacto da implantação do gasoduto em sete audiências públicas, a Companhia finalmente obteve, em maio deste ano, a concessão oficial do licenciamento ambiental para a construção do gasoduto Coari-Manaus. Quanto ao poliduto de Urucu-Porto Velho, que foi questionado na Justiça pelo Ministério Público do Amazonas e por um grupo de engenheiros que ingressou no Tribunal Federal do Amazonas com uma ação popular requerendo o embargo da obra e sugerindo como alternativa a utilização da rodovia BR-319 (Manaus-Porto Velho), os estudos ambientais do projeto deverão ser refeitos.

Como as ações estratégicas irão contribuir à atuação da Petrobrás na Bacia Petrolífera de Urucu, para produzir óleo e gás em solo amazônico, rumo à auto-suficiência energética do Norte e de parte do Nordeste do País, utilizando como política uma atuação segundo os princípios do Desenvolvimento Sustentável?

De acordo com o Gerente-Geral da Bacia do Solimões, a estatal adota as mais avançadas tecnologias para tornar mais seguras as operações em Urucu, sugerindo que se os cuidados no complexo amazônico balizassem as ações da empresa em outras regiões do país, acidente como o da Baía da Guanabara não teria ocorrido.

O petróleo de Urucu é de alta qualidade num país que produz basicamente óleo pesado e carrega o desafio de tirar o ouro negro do pulmão do planeta. Os olhos do mundo estão postos neste projeto e o grande desafio da Petrobrás constitui-se em fazer disso um exemplo em termos de Desenvolvimento Sustentável (O GLOBO, 2003).



4. AS ORGANIZAÇÕES NÃO – GOVERNAMENTAIS
Em editorial da página www.amazonia.org.br da ONG Amigos da Terra, consta a preocupação não só desta ONG como também da WWF e Amazônia Brasileira em relação aos estudos de impactos ambientais da obra de construção do gasoduto Urucu-Porto Velho realizados pela Petrobrás, segundo eles existe a necessidade deste estudo ser refeito.

Uma das preocupações destas ONGs refere-se à possibilidade das áreas vizinhas ao gasoduto serem ocupadas por madeireiros, pecuaristas e agricultores além de incentivar o “inchaço” das cidades por onde passam o projeto.

Em 1998, a Petrobrás construiu a primeira parte do gasoduto. Uma extensão de 285km partindo da reserva de Urucu, no Rio Urucu, até a cidade de Coari. Segundo essas ONGs o gasoduto provocou impactos desastrosos nas comunidades locais e na floresta.

A Petrobrás planeja a construção de duas extensões, de acordo com as ONGs citadas esses projetos terão impactos ainda mais graves uma vez que a obra “rasga” a floresta amazônica em sua parte mais intacta e vulnerável, já que será necessário construir duas estradas de 15 a 30 metros de largura por toda extensão dos gasodutos podendo induzir a uma nova frente de migração, ocupação e destruição (ONG Amigos da terra, 2003).

Eduardo Braga, Governador do Amazonas, comentou em entrevista dada na revista Debate de 2003 e fez os seguintes comentários:
“O problema da restrição ao licenciamento ambiental de Urucu-Porto Velho foi a qualidade do EIA-RIMA apresentado, que é discutido por todos (Governo da Amazônia, Terceiro Setor, Universidades, etc.), uma vez que não condiz com os problemas de impacto social e de impacto fundiário que serão gerados pela implantação deste gasoduto. Segundo BRAGA (2003) é importante que no custo do gasoduto estejam previstos recursos para serem investidos em políticas sociais e em políticas públicas do ponto de vista das comunidades possibilitando assim a criação de modelos de Desenvolvimento Sustentável”.

O modelo de Desenvolvimento Sustentável proposto pelo governo da Amazônia está sustentado em cinco grandes eixos:




  • Primeiro: manejo florestal de “múltiplo uso” e de “uso múltiplo”, ou seja, manejo de produtos madeireiros e não madeireiros que não deve ser exclusivo de uma grande empresa;

  • Segundo: relacionado às frutas da Amazônia que são inúmeras e que já estão identificadas, já tem base científica e tecnológica para serem desenvolvidas e que precisam de programas e projetos economicamente viáveis;

  • Terceiro: a pesca, a proposta consiste em montar um programa na área do pescado com dois sub-eixos; um de manejo de lagos e rios e outro com fazendas de produção de piscicultura;

  • Quarto: fitoterapia e farmacologia, possui espaço gigantesco na região com grandes possibilidades de benefícios;

  • Quinto: turismo sustentável.



5. DESDOBRAMENTO DAS AÇÕES ESTRATÉGICAS
5.1 O desafio de saber produzir em harmonia com a natureza
Para desenvolver suas atividades em Urucu, a Petrobrás consultou renomados cientistas que contribuíram para que soubesse produzir na Amazônia sem comprometer o meio ambiente e com benefícios para a população local. Foi então construída uma infra-estrutura operacional e logística única no mundo, que inclui um aeródromo, helipontos, portos fluviais, estradas, instalações administrativas e de telecomunicações, alojamentos, restaurantes, ambulatórios, almoxarifados, oficinas de manutenção, termelétrica a gás natural, estações de tratamento e reciclagem de lixo, viveiros de mudas, espaços de treinamento e lazer. Tudo isso para dar suporte a um complexo sistema de produção, coleta e processamento de óleo e gás natural, que inclui uma moderna unidade industrial denominada de Pólo Arara, na Base de Operações Geólogo Pedro de Moura. Tudo construído em plena floresta, com todos os cuidados necessários para a preservação do equilíbrio ambiental.

O corpo técnico da Petrobrás, ao assumir o desafio de implantar toda essa estrutura na selva amazônica, encontrou situações nunca antes enfrentadas para a construção de uma obra desse porte.

Além da necessidade de assegurar condições para a presença de centenas (ou eventualmente milhares) de pessoas, trabalhando em máxima segurança operacional e total equilíbrio do meio ambiente, era necessário trazer materiais e equipamentos para construir essa base de operações petrolíferas de grande porte no coração da maior floresta tropical do mundo e a milhares de quilômetros de distância dos grandes centros industriais.

Uma grande dificuldade a ser superada era o regime dos rios, a principal via de transporte na Amazônia. Durante uma parte do ano, a estiagem na região torna impossível a navegação nos pequenos rios, como o Urucu, exigindo uma logística inteiramente nova, soluções ousadas, determinação sem limites e cuidadoso planejamento das atividades.

Dentro do complexo encontra-se a Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN), a maior do Brasil. A cada dia, a produção em Urucu e o processamento no Pólo Arara superam a marca de 6 milhões de metros cúbicos de gás natural, mil toneladas de GLP (gás de cozinha) e 60 mil barris de óleo mais LGN (Líquido de Gás Natural).

Com mais de 60 poços em produção e reservas totais de mais de 537 milhões de MMboe – milhões de barris de óleo equivalente (ref. Junho de 2002), a Província Petrolífera de Urucu torna-se hoje um importante centro gerador de recursos energéticos e de Desenvolvimento Sustentável numa das regiões mais ricas do planeta.


5.2. O Gasoduto
A Petrobrás adquiriu a Refinaria de Manaus em 1971, até então nas mãos de uma empresa particular. E apesar de várias descobertas de óleo tanto no mar quanto em terra, só em 1986 foi descoberto o primeiro campo comercial de óleo e gás natural junto ao rio Urucu, na Bacia do Solimões a 650 quilômetros a sudoeste de Manaus, no município de Coari.

Foram feitos trabalhos preliminares de interpretação geológica e em seguida equipes especializadas realizaram levantamento sismógrafo, a fim de obter informações que embasassem a escolha definitiva dos locais a serem perfurados.

Novos campos foram descobertos a partir deste momento, como: Leste de Urucu em 1987; Sudoeste de Urucu em 1988; Carapanaúba e Cupiúba em 1989 e Igarapé Marta em 1990, passando a ser denominado o conjunto destes campos de Província Petrolífera do Rio Urucu.

Em visita a Urucu alguns anos depois, os renomados cientistas que foram consultados no início do projeto, afirmaram que a Petrobrás havia feito muito mais do que tinha sido recomendado em termos de preservação do ecossistema amazônico.

Juntamente com o petróleo líquido descoberto em Urucu, há reservas de gás natural em quantidade capaz de abastecer toda a região norte do país, e eventualmente outras regiões, como uma das principais fontes para a geração de energia elétrica.

Para transportar esses produtos, a Petrobrás construiu um gasoduto para o gás natural e um poliduto para óleo e GLP (gás de cozinha). Com 285 quilômetros de extensão, o gasoduto e o poliduto ligam a área de produção em Urucu ao Terminal de Solimões, a 16 quilômetros da sede do município de Coari, onde são embarcados em navios petroleiros e em navios propaneiros ou butaneiros pressurizados, seguindo para a REMAN, em Manaus, e para outros pontos das regiões Norte e Nordeste do País. Completando o projeto de escoamento do gás natural, estão sendo viabilizadas alternativas de transporte entre Coari e Manaus e entre Urucu e Porto Velho.

Tendo em vista a importância da atuação da Petrobrás em ambiente sensível, como a Amazônia, considerado o patrimônio da vida no planeta, a Unidade de Exploração e Produção da Petrobrás na Bacia do Solimões, Amazonas e Acre (UN-BSOL) é gerenciada por meio de um Sistema de Gestão que integra critérios de excelência do Prêmio Nacional de Qualidade aos modelos normativos ISSO-14001, ISSO-9001 e OHSAS-18001 (com certificação internacional do Bureau Veritas Quality International). O que vem a demonstrar o comprometimento da Companhia com o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia, e, pode ser considerado como um diferencial importante para as atividades desenvolvidas na região pela Petrobrás, não só para os produtos e derivados de petróleo produzidos ou processados em Urucu como para a Segurança e a Saúde dos seus empregados, dos contratados e das comunidades vizinhas.

Outro fator importante é o treinamento de todos os empregados próprios e de empresas contratadas que atuam na região no Programa de Sensibilização para as Áreas de Meio Ambiente, Qualidade, Segurança e Saúde.


5.3 Responsabilidade Social e Ambiental
O trabalho realizado pela Petrobrás na Amazônia, aliando a mais avançada capacitação tecnológica e os cuidados com o equilíbrio do meio ambiente, não seria completo se não dedicasse igual atenção ao desenvolvimento sócio-econômico das localidades onde a Companhia está atuando.

O que existiria em comum entre o gás natural e a prostituição infantil? Para os que não conseguem perceber uma relação, um exemplo: uma obra dessa grandeza não se resume a escavações e colocação de tubos. Paralelamente, é feito um sério trabalho de base. Por onde passaram as máquinas, passaram também os programas sociais da Companhia, de acordo com as características de cada região.

Mais de 2 milhões de reais foram investidos pela Petrobrás, de 1996 a 2000, em ações sócio-educacionais e de melhoria de infra-estrutura no município de Coari. Na parte sudoeste deste município ficam situadas as instalações da Base de Operações da Companhia na Província Petrolífera de Urucu. A Companhia desenvolve ações comunitárias também em Carauari, município vizinho ao de Coari.

Mais de mil pessoas (a maioria já em idade adulta) foram alfabetizadas nos últimos três anos, em turmas na zona urbana e na zona rural dos municípios de Coari, Carauari e Careiro da Várzea pelo Programa Alfabetização Solidária – desenvolvido pela AAPAS, Associação de Apoio ao Programa Alfabetização Solidária –, que a Petrobrás patrocina nos municípios, com a efetiva colaboração das prefeituras municipais e a participação da Universidade Federal do Amazonas e Universidade Federal do Mato Grosso do Sul.

Outras duas mil crianças alunas do ensino fundamental, em Coari, foram beneficiadas pelo Programa Acelera Brasil, desenvolvido pelo Instituto Airton Senna, com o patrocínio da Petrobrás. O programa destina-se a recuperar alunos com escolaridade defasada, recolocando-os no ensino regular.

A Petrobrás também está ajudando a elevar o nível de escolaridade dos trabalhadores de Empresas Contratadas que atuam na Base de Urucu. O Programa de Educação dos Trabalhadores é desenvolvido em parceria com o SESI, Prefeituras de Coari e Carauari e Empresas Contratadas.

A Companhia contribui decisivamente para a melhoria da saúde da população, fornecendo equipamentos e materiais, inclusive medicamentos básicos, para o combate a doenças tropicais (malária, leischmaniose, febre amarela e outras), além do apoio a campanhas de prevenção de DST/Aids e campanhas de multivacinação. Foram também fornecidos equipamentos para a Unidade Mista de Saúde do município de Coari, inclusive central telefônica, radiografia e ultrassonografia.

Desenvolvido pela ONG Sociedade de Pesquisas e Preservação da Amazônia (SPPA), em parceria com a Petrobrás, o Pró-Rios (Programa de Preservação dos Rios Amazônicos) combate o despejo de lixo nos rios através de campanhas educativas realizadas na região amazônica. A educação ambiental é o foco do Programa, que leva às comunidades informações sobre o impacto de materiais como plásticos, vidros e metais nos rios e apresentando técnicas de transformação do lixo descartável em objetos artesanais e utilitários.

A transformação da realidade social e o resgate da cidadania da população local têm sido obtidos também através do patrocínio de cursos de qualificação profissional (nas atividades de mecânica, informática, marcenaria, eletricista, cozinheiro, etc.). Esses cursos, realizados pelo SENAI e pelo SENAC, visam à formação de mão-de-obra local, inclusive para eventuais empregos nas obras da Petrobrás e em outras atividades terceirizadas, atendendo aos anseios e necessidades das populações locais.

Em 2000, o aeroporto de Coari passou por obras custeadas pela Petrobrás, dando maior segurança e conforto aos usuários. As necessidades emergenciais de transporte aéreo e fluvial em Coari contam com o apoio da Petrobrás, inclusive no transporte de equipamentos pesados como tratores, escavadeiras, caminhões e caçambas.

A Petrobrás contribui também para a divulgação das potencialidades econômicas e turísticas da região, prestando apoio técnico para a elaboração de projetos e participando da realização de feiras e exposições que promovem o município de Coari.

Além disso, a presença da Petrobrás confere à região de Urucu e a todo o município de Coari uma importância internacional e o permanente interesse da mídia, pelo fato de ter tornado a Amazônia uma área produtora de petróleo em harmonia com a natureza, implantando ali um projeto-modelo de Gestão Ambiental, totalmente comprometido com os princípios de Desenvolvimento Sustentável.




    1. Gás Natural – Aplicações e Vantagens

Além da oportunidade de mostrar ao mundo que as exuberantes riquezas naturais da região Amazônica podem ser aproveitadas pelo homem, respeitando-se os princípios do Desenvolvimento Sustentável, a implantação de um projeto como o de Urucu é indispensável para assegurar à população da Amazônia Ocidental a energia, em forma de óleo e gás, necessária para o seu desenvolvimento. No caso do gás natural, seu uso proporciona uma combustão limpa, isenta de agentes poluidores, tais como compostos de enxofre, fuligem e material particulado, proporcionando maior vida útil aos equipamentos e menor custo de manutenção. O gás natural dispensa estocagem e oferece maior segurança operacional em relação ao GLP. Atende a variações abruptas de vazão e dispensa o aquecimento.

Algumas das vantagens e benefícios que a sociedade amazônica está auferindo a partir da produção de óleo, GLP e gás natural em Urucu:


  • Promoção do desenvolvimento sustentado da Amazônia através da criação de infra-estrutura e do aproveitamento das riquezas naturais da região;

  • Abastecimento de grande parte da Amazônia com produtos extraídos, processados e refinados na própria região. A necessidade de alguns produtos como o GLP será totalmente atendida;

  • Oportunidade de amplo fornecimento de gás natural, combustível indutor de desenvolvimento e essencial às novas termelétricas projetadas;

  • Crescimento das oportunidades de trabalho, através das prestadoras de serviços, principalmente para as populações próximas a Urucu;

  • Oportunidades de qualificação e aproveitamento da mão-de-obra regional;

  • Condições favoráveis à instalação de pólos industriais;

  • Expressiva contribuição fiscal, através do recolhimento de impostos e taxas;

  • Estímulo à pesquisa e ao desenvolvimento científico regional, através de convênios firmados com diversas instituições.



6. CONCLUSÃO

O artigo se propôs a mostrar como as ações estratégicas da Petrobrás podem contribuir para vencer os grandes desafios e as grandes questões ambientais e sociais que envolvem as atividades da Companhia na Província Petrolífera de Urucu, na produção de óleo e gás na Amazônia, utilizando como política uma atuação segundo os princípios do Desenvolvimento Sustentável.

Como foi comentado durante este trabalho, as ONGs Amigos da Terra, WWF e Amazônia Brasileira, entre outras, preocupam-se com os estudos de impactos ambientais da obra de construção do gasoduto Urucu-Porto Velho realizados pela Petrobrás. Uma das preocupações destas ONGs refere-se à possibilidade das áreas vizinhas ao gasoduto serem ocupadas por madeireiros e posseiros além de incentivar o “inchaço” das cidades por onde passam o projeto. E ainda segundo estas ONGs, o gasoduto construído em 1998, Urucu-Coari, provocou impactos desastrosos nas comunidades locais e na floresta, deixando-os agora mais inseguros quanto ao novo projeto (Urucu-Porto Velho) que, para eles, certamente causará impactos gravíssimos porque as obras de abertura de estradas e de infra-estrutura na região não levam em conta os danos ambientais e sociais.
Coube então à Petrobrás, empresa que em sua história de vida tem demonstrado enorme Responsabilidade Social e profundamente preocupação com a preservação do meio ambiente, além de ter essa trajetória premiada por inúmeros recordes e pelo reconhecimento internacional, implantar um grande projeto em plena floresta amazônica, produzindo petróleo com alto nível de eficiência e qualidade, sob condições seguras e saudáveis, em harmonia com o meio ambiente e as comunidades vizinhas.

Estes propósitos, precisam ser plenamente alcançados pelo trabalho da Petrobrás na Amazônia, uma região que hoje é foco de atenções em todo o mundo. Sem contar que esta é uma oportunidade de demonstrar ao mundo que as exuberantes riquezas naturais da região amazônica, podem ser aproveitadas pelo homem respeitando-se os princípios de Desenvolvimento Sustentável, e que a implantação de um projeto como o de Urucu é indispensável para assegurar à população da Amazônia Ocidental, a energia em forma de óleo e gás, sendo esta essencial como combustível das futuras termelétricas, projetadas para suprir o déficit energético da região.

Portanto, pode-se concluir que privilegiar a excelência operacional como forma de conquista para se manter no mercado, perseguindo custos e padrões internacionais, deixa claro que o alto nível de confiabilidade como diferencial competitivo é um dos grandes desafios da Petrobrás para a os próximos anos. E dessa forma, a Petrobrás reafirma seu compromisso de que tão importante quanto produzir petróleo ou gás natural é proteger o meio ambiente, investindo alto no maior Programa de Gestão Ambiental da sua história. Mostrando assim que é possível gerar riqueza e preservar a nossa maior riqueza: o meio ambiente.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ECONOMIA. Disponível em www.oglobo.com.br.


PETROBRÁS. Disponível em www.petrobras.com.br.
INTERNET. Disponível em www.amazonia.org.br
PETROBRÁS. Internacionalização: Em busca de novos mercados. Revista Petrobrás, n° 78, abril de 2002.
PETROBRÁS. Abastecendo o continente verde. Revista Petrobrás, n° 9, agosto de 1994.
PETROBRÁS. Meio ambiente: O que já conquistamos na busca da excelência. Revista Petrobrás, n° 79, maio de 2002.
PETROBRÁS. A saga do petróleo na Amazônia. Revista Petrobrás. Edição histórica 2003.
PETROBRÁS. Reman: Responsabilidade ao abastecer o pulmão do mundo. Notícias Abast, n° 29, abril de 2003.

PETROBRÁS. Tesouro dos Andes: Gás Natural Brasil-Bolívia. Revista Petrobrás, n° 63, outubro de 1999.


PETROBRÁS. Novos Caminhos. Revista Petrobrás, n° 87, janeiro de 2003.

GHEMAWAT, Pankaj. A estratégia e o cenário dos negócios, texto e casos. Porto Alegre: Bookman, 2000.


LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 1993.
LEMOS, Haroldo Mattos. Desenvolvimento Sustentável – Série Meio Ambiente em Debate. Ed. IBAMA. Brasília, 1996.
OLIVEIRA, Flávia. Entrevista concedida à jornalista. O Globo, Caderno de Economia, 12/10/2003 p. 39.
PORTER, Michael E. Vantagem competitiva, criando e sustentando um desempenho superior.13. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1989.







©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal