Deus importa-se connosco!



Baixar 5.84 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho5.84 Kb.


Deus importa-se connosco!

O nosso Deus é um Deus de Palavra. Mas a Sua Palavra não é um “ensinamento” nem uma doutrina que paira sob as nuvens… A Palavra de Deus também não é um ralhete nem um daqueles enfadonhos discursos de bom comportamento. Porque o nosso Deus é um Deus de Diálogo!

A Palavra de Deus dirige-se a nós, em primeiro lugar, como uma Pergunta por nós mesmos, uma inquietação a nosso respeito, uma preocupação de quem nos ama. “Adam, onde estás?!” (Gen 3,9) “O que fizeste ao teu irmão?!” (Gen 4,9-10) “O que procuras?!” (Jo 1,38) “O que queres que eu te faça?!” (Mc 10,51)

Deus importa-se connosco! Não é capaz de nos ficar alheio… Não lhe somos estranhos. Ou esquecemo-nos já que toda a História da Salvação e toda a Narrativa Bíblica são o desenrolar de um Processo de Adopção?

Deus sente-nos nas entranhas. Nós somos capazes de “tirá-lo do sério” – graças a Deus! – porque somos muito importantes para Ele. Desde a Sua corrida libertadora até aos escravos no Egipto que o nosso Deus não deixou de nos dar sinais salvadores do Seu carinho e cuidado. E mais: toda a Criação é um Hino Vivo ao carinho de Deus por nós, ao cuidado que nos dedica e ao mimo com que prepara todas as coisas e faz por nós o que é da Sua parte.

E depois, claro, há o tal Jesus, que é a Revelação máxima deste cuidado de Deus por nós.

A experiência mais profunda que as pessoas faziam junto de Jesus era que tinham importância para ele e contavam para Deus! Sobretudo, os que não contavam para mais ninguém…

Somos importantes para o nosso Deus como um filho é importante para um Pai fantástico! Deus só é Bom… o nosso Deus, que nos fez à Sua imagem e semelhança, quer dizer, que nos criou para “sairmos ao Pai”, que faz História junto de nós e se importa tanto connosco que já há uma eternidade que ninguém O vê pelas bandas do céu…

Diz-se até que Deus armou a Sua Tenda entre nós e veio habitar no mundo dos Homens! E a verdade é que não caberiam aqui os relatos daqueles que testemunham já O terem visto.




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal