Digitalização: Sandra



Baixar 1.56 Mb.
Página22/33
Encontro29.07.2016
Tamanho1.56 Mb.
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   ...   33

Então, o oitavo turno coube a Abias, e a toda sua linhagem de descendentes. Zacarias fazia parte desta linhagem, portanto exercia seu Ministério no período correspondente.

Assim, 24 sacerdotes divididos pelos 12 meses do ano equivale a dizer que 2 sacerdotes trabalhariam por mês, ou seja, cada um deles teria duas semanas de trabalho por ano. No tempo de Zacarias, ele trabalhava uma semana de cada vez.

Para entendermos perfeitamente de que se tratava isso, é preciso saber em que período do ano caía o Turno de Abias, pois já sabemos que Jesus nasceu cerca de seis meses depois do seu término. Vamos entender como funcionavam as Regras do Calendário Judaico.


1) Segundo a Tradição, a contagem do tempo pelos Judeus começou no dia em que Deus criou o homem e a mulher - estimada em 3760 anos e 3 meses antes do nascimento de Cristo, usando para tal cálculo a soma das idades dos personagens Bíblicos.
2) O Calendário era Lunar, e não Solar, uma vez que a grande maioria dos calendários primitivos baseava-se na Lua, inclusive o calendário primitivo Romano. Entretanto, a forma atual do Calendário Judaico teve origem no Século IV, e tenta manter alinhamento entre os meses e as estações, sincronizando-os com a Lua. O ano é dividido em 12 meses Lunares, mas 7 vezes em cada 19 anos acrescenta-se um 13° mês (chamado Veadar), de 29 dias.

Esse mês extra, chamado embolísmico, é a maneira usada para contornar as discrepâncias entre o ano Solar e o Lunar, uma vez que este último é menor.

Enquanto o ano Solar (tempo em que a Terra leva para dar uma volta completa em torno do Sol) tem 365,24199 dias, o ano Lunar tem 354,36708 dias, cerca de 11 dias de diferença. Mas os anos do Calendário Judaico podem sofrer algumas alterações e ter 353 ou 355 dias, ao invés de 354, num ano comum (os anos comuns podem ser chamados de "deficientes", "regulares" ou abundantes", de acordo com o número de dias); e 383, 384 ou 385 nos anos embolísmicos.
3) Por que isso acontece? Por que essa variação de dias? Isso acontece por causa do Yom Kippur (Dia do Perdão), que tradicionalmente nunca pode cair numa Sexta-feira ou num Domingo porque isso conflitaria com as observâncias do feriado religioso (Shabat). Para que isso não aconteça, um dia é adicionado ao oitavo mês do ano (que passa a ter 29 ou 30 dias; 30 quando este dia a mais é adicionado).

Outra maneira de contornar o dia da semana para o Yom Kippur é subtraindo um dia do nono mês do ano anterior. Não me pergunte porque é assim, mas a verdade é que o comprimento do oitavo e nono meses de um determinado ano é calculado de maneira muito complexa, levando em conta o dia da semana em que começa o sétimo mês do ano seguinte e a hora em que se dá a Lua Cheia nesse mês!


3) Cada mês começa numa Lua Nova, ou melhor, no final da temporada da Lua Nova, quando a primeira cor prateada da Lua começa a aparecer depois do escurecimento da Lua. Isto é, quando a fase de Lua Nova passa para Quarto Crescente. Nos antigos tempos, o Sinédrio era encarregado de anunciar o início de cada mês, depois de observado o crescente da Lua por duas testemunhas independentes e de confiança.

Para muitos Povos antigos, como na Grécia e na Babilônia, quando surgia a primeira claridade da Lua Crescente, após a Nova, o início do mês era celebrado com fogueiras e com tochas. A Lei de Moisés prescrevia a Festa da Lua Nova, todos os meses (Nm 28.11-15). Era feito holocausto de dois novilhos, um carneiro, sete cordeiros de 1 ano sem defeito, com quantidades específicas de flor de farinha, com azeite e vinho. O vinho e o azeite eram a chamada "libação" (dado em sacrifício para honrar a Deus e expressar gratidão). O azeite em especial era bastante valioso. A libação em geral acompanhava os holocaustos ou ofertas pacíficas.


4) O mês Veadar, que existe apenas nos anos embolísmicos, também se associa ao incremento de um dia no 12° mês. Excepcionalmente este terá 30 dias, ao invés de 29. Desde o Século IV, Veadar (29 dias) é introduzido num ciclo de 19 anos, no 3o, 6o, 8o, 11o, 14°, 17° e 19° ano de cada ciclo. A introdução de Veadar faz com que o primeiro mês do ano seja atrasado em 29 ou 30 dias, equilibrando assim a sua antecipação que ocorre nos anos anteriores por ser o ano lunar menor que o Solar (astronômico).
5) Os dias são contados a partir do anoitecer, mais precisamente quando três estrelas específicas aparecem no céu. O mês Lunar, contado com precisão, tem 29,53059 dias - isto é, 29 dias, 12 horas, 44 minutos, 2 segundos e 976 milésimos de segundo - Uau, hein?!
Compreendido isto, temos que estabelecer uma correlação entre este calendário "super-simples" com o nosso Calendário Gregoriano e com o ano em que estamos, para determinar exatamente a data do nascimento de Jesus. Você verá que não será tão complicado assim...

Qual era o primeiro mês do ano Judaico?

Era o mês de Abibe, marcado pela Páscoa. Em relação a isso, Deus foi bastante preciso na informação, e nos informa que dia 14 de Abibe era a Páscoa do Senhor, pois "neste mês saístes do Egito" (Êx 12.1-2; 13.4; Dt 16.1).

Descomplicando tudo, aceite simplesmente a informação como verdadeira... estabelecendo um paralelo entre o Calendário Lunar Religioso Judaico e o nosso Calendário Solar Gregoriano, dá-se que Abibe corresponde ao final de Março, início de Abril. Eureca, chegamos a essa crucial informação!

Portanto: o oitavo Turno, o Turno de Abias, corresponde ao final de junho, começo de julho. Assim João Batista foi gerado no final deste período, talvez começo de julho; e Jesus, seis meses depois, em final de dezembro, começo de janeiro do ano seguinte.
OBSERVAÇÃO: Talvez alguns fiquem intrigados com nossos cálculos se estiverem familiarizados com os costumes judaicos seguidos em todo mundo atualmente. Pois sabemos que eles comemoram o Ano Novo durante a Festa dos Tabernáculos, em Setembro, Outubro. Mas....o ano não começava em meados de março?!

No decorrer dos Séculos, o ano Civil foi mudado para o meio exato do ano Religioso. Portanto, existem duas datas para o início do Ano Judaico. Em Março, é o início do ano Religioso, 14 dias antes da celebração da Páscoa. A Festa dos Tabernáculos se dá no 1o dia do sétimo mês do ano Religioso (Etanim), mais ou menos em Setembro/Outubro, para nós.

Contudo, o que importa neste estudo não são as demarcações posteriores, feitas pelo homem, mas aquilo que a Bíblia diz, senão nossos cálculos de datas ficarão errados. Portanto, o primeiro Mês do ano é Abibe (Março), e não Etanim (Setembro).

Sobre o nascimento de Jesus, ainda analisemos uns pequenos detalhes. Ele não poderia ter nascido em 25 de dezembro por vários motivos:
1) Era data de Festividades Pagãs. Deus é Onisciente e o detentor da História; é óbvio que, cheio de simbolismos como é tudo que se refere ao Culto Divino, o Senhor não traria Jesus ao Mundo numa data qualquer, especialmente durante o Natalis Invictis Solis, por exemplo ("Nascimento do Sol Vitorioso": Festa Mitraica, da Religião que adorava o deus Muras, que competiu com o Cristianismo nos primeiros Séculos); ou a Saturnalia Romana (Festividade decorrente do solstício de Inverno), ou os Cultos Solares entre os Celtas e os Germânicos, que, como a Saturnalia, também tinham a ver com a chegada do Inverno.

Por causa do Inverno rigoroso, essas festas, cerimônias e rituais tinham por tema a súplica pelo "Retorno da Luz". A data de 25 de dezembro foi fixada em 440 d.C, a fim de trazer uma "embalagem cristã" às festividades pagãs, uma vez que alguns anos depois do Edito de Milão, o Cristianismo tornou-se Religião oficial do Império Romano. A "idéia natalina" era identificar Cristo como a verdadeira Luz do Mundo.


2) Se Jesus foi gerado no início de janeiro, levando-se em conta o período normal de uma gestação, Ele teria nascido em Setembro/Outubro que é.... lembram-se? A época da Festa dos Tabernáculos!!! Olhe só que legal! Isso não é mera suposição ou coincidência, mas podemos afirmar com bastante chance de acerto que Jesus veio ao Mundo não durante essas festas nada a ver do Inverno, mas durante o outono, na época de uma das mais importantes Festas Judaicas.

Quanto a isso, é interessante notar o termo do Apóstolo João ao iniciar seu relato no Evangelho: "En arché hô LOGOS..." (No princípio era o Verbo); "E o LOGOS se fez SOMA, e ESKENÓSEN entre nós..." (E o Verbo se fez carne e habitou entre nós). Este termo "habitou" não é uma boa tradução, porque João inventou este termo "Eskenósen", que não existia no Grego, a partir do substantivo "SKENÊ" (que quer dizer choça, cabana, tabernáculo), aplicando-a no pretérito para indicar que a Palavra, o Verbo (Jesus), se fez carne, corpo (Soma) e "tabernaculou" entre nós. O termo é sugestivo se pensarmos que o termo criado foi uma espécie de trocadilho cuja raiz estava nos acontecimentos do momento, isto é, a Festa. Não foi por acaso que Jesus morreu durante a Festa da Páscoa, e também não foi por acaso que "ao cumprir-se o dia de Pentecostes" os Apóstolos receberam o preenchimento com o Espírito Santo.

Assim como o Pentecostes "se cumpriu" com este evento, a Páscoa também "se cumpriu" com a morte do Cordeiro Pascal, o Cristo. Assim, podemos implicitamente dizer que a Festa dos Tabernáculos "se cumpriu" quando Emanuel (Deus conosco) veio "tabernacular" conosco, nascendo em Belém... muito sugestivo tudo isso, né?

3) 25 de dezembro era época de Inverno rigoroso. Certamente os pastores a quem foi anunciado o nascimento do Messias não estariam nos campos guardando os rebanhos, mas dentro de suas casas; e os rebanhos, nos currais. Da mesma maneira, a época não era propícia para viagens; isso significa que César Augusto não convocaria recenseamento no Inverno porque muitos não poderiam viajar (Lc 2.1), e José não viajaria com sua esposa grávida submetendo-a aos rigores do mau tempo.


4) Um detalhe a mais, vindo de fonte não Cristã, refere-se aos estudos realizados sobre as incontáveis profecias da Grande Pirâmide do Egito. Uma delas revela como dado importante o nascimento de Cristo em 4 de outubro de um ano que podemos considerar em torno de 4 a.C.
Por que é tão fundamental determinar o período exato em que Cristo nasceu, para compreendermos o conceito do Selo Espiritual?

Antes de prosseguir para o último ponto importante, vamos analisar um pouco melhor a doutrina Satânica acerca deste assunto.

Eles definem as coisas da seguinte forma: no Universo tudo é regido por um Ciclo, como se fosse a engrenagem de um relógio; e esses Ciclos tendem a se repetir dentro de uma cadência específica. Não é uma cadência que possamos entender com a nossa lógica natural, humana, pois não se trata de algo humano. Então, por exemplo... se tomarmos o nascimento de Noé, de Abraão, de Jacó, de José, de Moisés, de Elias, de Davi, de Jeremias, de Daniel, de Ezequiel, de João Batista, de Jesus, por exemplo, podemos perceber que existe um período de tempo que os intercala, uma faixa temporal.

Embora não vejamos lógica alguma nesta seqüência de eventos, se porventura essas faixas temporais forem consideradas (como em verdade o são) como um Ciclo, a tendência é que o Ciclo venha a se repetir.

Tudo bem até aí?

Não vemos lógica na progressão porque não se trata de uma ordem natural. Este Ciclo não tem por base apenas parâmetros terrestres; ou seja, esse tempo não é medido pelo tempo da Terra, é medido por uma outra ordem de tempo. É uma Ordem de Tempo Espiritual, e Satanás detém a "chave" deste Tempo, a "chave" deste conhecimento, podendo revelá-la a quem lhe interesse: aos seus seguidores.

Vamos tornar a coisa um pouquinho mais palpável usando um exemplo cotidiano:

Se citarmos uma ordem numérica qualquer a alguém que não conheça Matemática, por mais simples que ela seja, a pessoa pode não ver qualquer relação entre os números.

Por exemplo: qualquer criança em idade escolar sabe que uma seqüência 2-4-6-8-10-12-14-16 etc... refere-se a números pares. Ou seja, é necessário que a criança conheça um princípio para ser capaz de identificar a cadência naquela ordem.

Uma criança um pouco maior vai entender que esta outra seqüência numérica, por exemplo 4-9-16-25-36-49-64-81 etc... evidencia números racionais, e a seqüência já não é linear, mas exponencial. Então, pelo primeiro prisma lógico, essa seqüência fica totalmente sem sentido; mas por um outro prisma igualmente lógico, ela passa a ser perfeita, e perfeitamente decifrável!

Porém, se dermos essa ordem de números racionais a alguém que não detém o conhecimento do princípio que rege a seqüência... em suma, não tem a "chave" deste conhecimento... há de convir que ela fica sem pé nem cabeça. Não vão passar de números aleatórios, indecifráveis em sua ordem, e sem conexão nenhuma.

Voltando ao assunto da Ordem de Tempo Espiritual: a "chave" deste princípio Satanás detém. Este é um fato. E esta "Unidade de Tempo Espiritual" é diferente da nossa "Unidade de Tempo Terrestre", ou "Material" medida em minutos, horas, dias, meses, anos... etc. A "Unidade de Tempo Espiritual" é um dos segredos mais bem guardados da Irmandade, revelada apenas aos Sumos Sacerdotes. Assim como não se ensina Equação de 2° Grau a pré-escolares, também não se ensina a complexidade deste tema àqueles que ainda não detêm conhecimento suficiente para entender e digerir este novo conhecimento.

Tudo tem seu tempo de ser. Por esse motivo, somente aos Sumos Sacerdotes é repassado o conhecimento da "Chave de Tempo", uma vez que somente estes acumularam sabedoria e conhecimentos suficientes para entender a complexidade deste assunto.

Em se tratando dos personagens Bíblicos citados pouco antes, a Irmandade afirma que eles possuíam o Selo. Pela Chave de Tempo, é possível determinar uma seqüência lógica entre esses nascimentos. Se é uma cadência decifrável, pode-se repeti-la. Ou melhor, espera-se que ela se repita dentro de um determinado período de tempo ao longo da História.

Mas a Chave de Tempo prevê também mudanças bruscas no nascimento dos Selados. (Convenhamos que é um conhecimento indecifrável para nós!.... Mas para eles tem fundamento, e fazem uso com grande chance de acerto.

No tocante ao Selo, já falamos e explicamos uma série de fatores que torna possível prever o nascimento, rastrear e identificar esses filhos de Deus. Para isso, além do que já falamos, levando em conta a vida de João Batista, a Irmandade conta com mais três fatores que são determinantes:


1) Sinais astrológicos e astronômicos: por exemplo, sabe-se que vai haver, ou houve, um alinhamento de Planetas, ou um Eclipse Solar, ou Lunar, ou outro fenômeno qualquer. Entenda-se, no entanto, que o fenômeno - ou associação de fenômenos - em questão não é nunca um fenômeno qualquer, senão não haveria como ele ser determinante de coisa alguma. São eventos raros. E eles servem para apontar uma região qualquer do Globo com extrema precisão, chegando ao cúmulo de se poder não apenas determinar País e Cidade, mas até mesmo o bairro onde provavelmente aconteceu, ou acontecerá, o nascimento daquele que eles acreditam ser um dos "Selados".

Como isso é possível?

Um fenômeno Celeste em questão não é visto em todo o Globo, ele é visto em uma parte do Globo. Por exemplo: tomemos por base um Eclipse total da Lua que pode ser visto em todo o Brasil, ou em toda a América do Sul. Todos vêem, mas digamos que apenas em São Paulo a visão do Eclipse foi perfeita.

Então, ali é o ponto. São Paulo, no Brasil, é a cidade em que, dentro de uma cadência de Ciclo já previamente conhecida, há grande probabilidade de nascer algum Predestinado de Deus. Sabemos que é possível prever o melhor lugar e a melhor hora para observar um Eclipse Lunar. Então, é como se o Eclipse "apontasse" para um lugar!


2) O segundo fator importante é a "Chave de Tempo", como já comentamos, aquilo que Satanás tem e ensinou aos mais graduados dentro do seu rol de Adoradores. Essa "Chave Temporal" está codificada dentro do "Livro dos Grimories" (Importante Tratado da Alta Magia e de uso absolutamente particular da Irmandade - leia "Filho do Fogo"), e também na Bíblia Satânica, mas o código é feito de maneira tão hermética que é impossível ao ser humano decifrá-lo.

Esse segredo da Alta Magia somente é revelado ao Sumo Sacerdote, e para entender a cadência dos Ciclos é preciso que o segredo seja conhecido.

Essa é uma doutrina Satânica, e não Bíblica, estou falando daquilo que eles crêem como sendo verdade Independente disso, realço o que falei de início: muitas vezes o Diabo realmente descortinou verdades aos seus filhos, as quais, hoje, nos são preciosas. Então, eles sabem que em determinados anos, e em determinados meses destes anos, ou horários, haverá uma probabilidade muito forte de acontecer o nascimento de alguém que tenha o Selo Espiritual - ainda mais se estes períodos estiverem associados aos sinais celestes, que podem ser previstos pela astronomia humana sem tantos problemas - e em alinhamento com a Tabela Numerológica.

Podemos entender indiretamente a questão do "Tempo Espiritual" quando pensamos no "Kairós". Deus tem o tempo certo de todas as coisas, e embora não possamos compreender porque certas coisas parecem "rápidas" ou "demoradas" para acontecer, isso é porque as coisas só acontecem quando o tempo "Chronos" do homem se alinha com o "Kairós" de Deus. E os dois podem ser muito diferentes!

A Bíblia diz, mais de uma vez que, "Para Deus, um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia".
3) A Tabela Numerológica: este é o terceiro fator determinante. Tudo o que foi dito, tanto a "Chave de Tempo" quanto o Sinal Celeste, deve estar em concordância com uma Tabela Numerológica de Probabilidades extremamente complexa. Mais completa e complexa do que a Numerologia usada comumente pela Irmandade para outros fins. Mais uma vez, essa tabela também é de conhecimento apenas dos Sumos Sacerdotes por ser de alto grau de entendimento. O que interessa para nós é saber que, nos finalmente, os cálculos da Tabela têm de finalizar apontando o número 5 ou 9.

Como fica claro, não basta conhecer apenas uma faceta da fórmula, mas é fundamental conhecer a fórmula completa para determinar (Prever) o resultado (Nascimento do Selado) com baixíssima margem de erro.

Indo adiante... talvez você esteja a se perguntar por que a tabela Numerológica tem que fechar em 5 ou 9, que são números de grande importância dentro da Alta Magia e no contexto do Satanismo, se aqui estamos a tratar do nascimento de filhos de Deus. Há de se imaginar que a identificação dos "Selados" tivesse algo a ver com... o número 3, digamos... ou 7... ou 12... números associados ao contexto do Cristianismo.

Mas segundo a crença cabalística ligada ao Satanismo, é entendido que todo filho de Deus pode vir a ser um potencial filho do Diabo. Ou seja, eles acreditam que todos aqueles que Deus predestinou podem ser, primeiro, anulados; e depois, com a resistência baixa, revertidos para o lado deles. O lado da Irmandade.

Já que eles entendem a coisa desta maneira, o que você pode estar achando totalmente absurdo, tomemos um exemplo mais palpável para ilustrar: é

como se os filhos de Deus fossem pólos positivos, e os do Diabo, pólos negativos. Se os elétrons de um determinado elemento forem manipulados, ele pode passar de positivo a negativo, por exemplo. É o mesmo elemento, mas é possível alterar a polaridade dele.

Um interessante exemplo, e bem em moda no nosso presente Século, é o caso dos Radicais Livres, tão estudados pela Medicina Ortomolecular. Eles são produtos do consumo de Oxigênio pelo nosso Organismo. No entanto, quando a Molécula de Oxigênio se torna "negativa", ou seja, um Radical Livre, passa a "destruir" as células do corpo, causando o envelhecimento. Parece um paradoxo, pois o mesmo elemento que nos é indispensável à vida, também está correlacionado ao processo que leva à morte. Tudo isso porque, vamos usar uma linguagem mais popular para nos fazermos entender, grosso modo, a polaridade do Oxigênio foi "alterada".

Traduzindo em termos espirituais, os Satanistas estão querendo dizer que o Bem e o Mal co-habitam em cada ser humano. Deus é um Ser perfeito e não poderia criar nada imperfeito. Mas a partir do momento em que Adão e Eva foram criados e, comendo do fruto proibido, passaram a ser conhecedores do Bem e do Mal, isso quer dizer que o Mal - que antes não habitava neles - passou a habitar. Isso nós sabemos, como Cristãos, que é verdade: a Bíblia fala sobre a natureza maligna da carne. Já comentamos e explicamos muito detalhadamente esse tema em Módulos anteriores, mas retomo o conceito para fixá-lo bem.

Lembra? Depois do pecado original, todo homem passa a ser Habitat tanto do Bem quanto do Mal. O Mal, em essência, está no coração de cada ser humano, inclusive no dos filhos de Deus. Uma essência pecaminosa.

A Irmandade acredita, com base nisto e com base em exemplos da própria História Bíblica, que os filhos de Deus - inclusive os Selados, objeto do nosso estudo - podem ser mais influenciados pelo poder do Bem, pelo Espírito Santo... ou não!

Então, pautados numa lógica numerológica cabalística, os Satanistas acreditam que a numeração 5 ou 9, mesmo associada aos Selados, estará apontando também para potenciais filhos do Diabo. Mesmo porque essa numeração, quando jogada de outra maneira, em outra Tabela Numerológica de extrema complexidade, vai correlacionar-se também em números que espelham a Natureza de Deus, como já comentamos antes, no caso específico dos Selados apenas o 3 e o 7. Por outra fórmula cabalística, esse mesmo 3 e esse mesmo 7, avaliados por ângulos diferentes, vão-se tornar em 5 e 9!

Quer dizer, os cálculos são perfeitos demais, têm detalhes demais e, embora não possamos compreendê-los em sua profundidade, antes tão-somente pincelamos sua periferia, uma coisa fica claríssima: quando tudo se encaixa, cada um dos parâmetros citados, a precisão é fantástica, indescritível! Pode-se, em nossos tempos, prever até mesmo o Hospital em que uma criança vai nascer, tal a capacidade de localização que estes dados fornecem.

Obviamente que Deus sabe perfeitamente de tudo isso, e muito mais. Então, não é surpresa que tenha escondido alguns dos Seus filhos, inclusive Jesus, até que fosse o tempo da manifestação dos seus Ministérios.


• Moisés foi escondido, dentro do próprio Egito, mas, para vergonha das Entidades, ali seria o último lugar a procurar o homem que tinha nascido com um Selo. Mas eles sabiam que alguém com Selo tinha nascido!!! Onde ele estava? Perceba que nem todo o conhecimento eles tinham, mas sabiam da existência de uma criança. Crianças foram mortas, e de tal modo foi terrível a situação que a mãe de Moisés preferiu jogar seu filho no Nilo do que vê-lo esmagado pelas mãos dos soldados.

• Pouco se sabe sobre a vida pregressa de Elias, por exemplo, outro Selado de Deus, até que apareça como o grande Profeta que foi. Será acaso? Ou será que foi mais um dos que Deus escondeu dos olhos das Trevas até ser chegado o tempo de manifestar-se?

• O mesmo deu-se com João Batista, como comentado.

• Certamente com Davi foi a mesma "ocultação"; ele não foi perturbado, sendo o obscuro caçula, um simples pastor de rebanho. Só despertou o interesse do Reino Espiritual após sua Unção pelo Profeta Samuel, após o encontro com o Gigante Golias. Aí tudo muda de figura. Antes disso... quem era ele?

• Talvez José, o filho de Jacó tenha sido revelado antes do tempo por causa do alarido que a família fazia em torno dele; a brecha era o orgulho, a arrogância... e os demônios devem ter visto o Selo que José tinha. Conspirando contra ele, usando para isso o ódio e inveja dos irmãos, material farto nas mãos do Diabo, terminou por "dar cabo de José". Pelo menos assim devem ter pensado; mas essa foi também a maneira escolhida por Deus para quebrar aquele Vaso que tanto tinha sido corrompido pelos maus costumes familiares cheios de partidarismos, que incutiram nele um coração altivo que o inutilizaria para o serviço de Deus.
Bem... são suposições. Pois sabemos que tais personagens enquadram-se na lista dos Selados de Deus, pelo menos assim acredita a Irmandade, uma vez que constataram as evidências exatas em relação a essas pessoas. Muitos mais deviam haver, inclusive mulheres, e toda a observância da História e o conhecimento que Satanás detinha o levou a apurar ainda mais a repetição dos Ciclos e a Chave de Tempo.
NOTA: A Doutrina Bíblica da Eleição refere-se a pessoas escolhidas para a salvação e refere-se também àqueles que foram designados para um ministério especial (Abraão, João Batista etc). Embora tenhamos ciência do tema, mais uma vez deixamos claro que não é disto que estamos falando. A meu ver, trata-se de nomenclatura", que muitas vezes são, elas mesmas, desmentidas pelos fatos e histórias Bíblicas. Não acho "politicamente correto" colocar no "mesmo saco" uma ovelha que tem a salvação - pura e simplesmente - junto com Abraão e João Batista, porque são indivíduos incomparáveis em termos de Ministério e de contribuições para o Reino de Deus!

Não são pessoas mais ou menos importantes, porque o Pai ama a todos... estamos a tratar de pessoas que têm um Chamado Ministerial muito específico, muito particular, e, portanto, consideramos que são Predestinadas. Contudo, a nomenclatura Bíblica os denomina como Eleitos — Mt 24. 24; 1 Pe 1.1-2.

Nesse nosso estudo, há que se entender que muita coisa vem da observação de relatos Bíblicos, somando-se a um conhecimento da Doutrina Satânica. Portanto, não podemos ser rígidos sobre a Nomenclatura. "Eleitos", neste estudo, é o termo que usamos para designar todos os que são chamados para o Ministério — é como se Deus convocasse uma Assembléia Santa, propusesse os nomes de muitos dos Seus filhos e os anjos votassem, imagine assim... uma Eleição de pessoas Não Predestinadas, em quem o livre-arbítrio está "assegurado". Os Eleitos podem ou não aceitar o Chamado Ministerial e cumpri-lo. Os Eleitos não têm Selo Espiritual. Se quiserem desistir do Chamado, apostatar, até... é passível de acontecer!

E os salvos... são os salvos! De toda Tribo, Raça, Língua e Nação! São as ovelhas do rebanho. Podem ser bênção, ou não. Espirituais, ou carnais. Podem ser inclinados para o espírito, ou para a carne. Podem estar ao lado dos Eleitos, como baluartes fiéis, ou mesmo ao lado dos Selados, também como baluarte, apoio e sustentação.

Repare novamente: é tudo questão de nomenclatura, não há porque nos digladiarmos, pois encontramos de fato estas três categorias de pessoas dentro da Bíblia. Dentro dos "Convertidos".

Ainda antes de seguir adiante, embora a Irmandade não tenha citado o Selo de nenhuma mulher, sabemos que elas existiram e existem. Quando o Arcanjo diz a Maria: "Bendita entre as mulheres...", e a profecia já falava muitos séculos antes sobre a Virgem que conceberia, está falando da predestinação daquela mulher.

O mesmo talvez seja com Sara, esposa de Abraão, que recebeu promessa muito semelhante à dele no sentido de que seria Mãe de milhares. Raquel, estéril... mas foi mãe de José e escolhida por Jacó desde o início. Como foi retardado o matrimônio dos dois! Acaso? Jacó tinha o Selo... talvez ela o tivesse também. Mas não é regra. Mais uma vez, as brechas familiares talvez tenham permitido o vislumbre do Selo de Jacó antes do tempo e o conflito gerado por causa da bênção de Primogenitura foi tão desastroso que Jacó teve de fugir.

Ora, ora... talvez ele não cumprisse nunca mais seu destino, ainda mais com aquele caráter pouco trabalhado... é a velha questão do Bem e do Mal que habitava dentro de Jacó. Mas depois do moldar de Deus em tudo que ele sofreu, no Vale de Jaboque o seu nome foi mudado.

Quer dizer... o Selo significa de fato uma Predestinação imutável!

Quando o Diabo pensa que venceu, Deus transforma aquelas mesmas situações de humilhação, isolamento, tristeza, dor e perseguição em algo puro e forte. Quando o Povo de Judá voltou do Cativeiro, veio realmente arrependido e disposto a mudar: quer dizer, o Diabo foi um instrumento nas mãos de Deus para isso.

O mesmo se dá com as pessoas. Veja que a intenção primeira de Deus não é permitir o vislumbre do Selo! Deus prepara maneiras de esconder esses "escolhidos" até o Kairós. Nesse momento, o Reino Espiritual é despertado. O treinamento pode ter acontecido antes - como foi com João Batista, que realmente pegou todo mundo de surpresa, simplesmente "aparecendo com sua peles de camelo e seus cintos de couro, se alimentado com mel e gafanhotos, e pregando arrependimento".

Mas, se porventura o Selo for descoberto antes, o inimigo é usado para - em última análise - fazer um grande favor: forjar o caráter daqueles que foram determinados para fazer a História da Humanidade se cumprir! Assim foi com Davi, assim foi com Jacó, assim foi com José... e foi no deserto, nas cavernas, nas lutas diárias, nas perseguições de morte, nas prisões, nas injustiças, nas angústias do Inferno, em meio às lágrimas, desespero, tristeza e sofrimento que o puro diamante que eles eram foi lapidado pelo fogo!

Já dissemos que praticamente sempre Deus vai esconder os Selados. Podemos até mesmo nos arriscar a dizer que esconder essas pessoas é a maneira como Deus age sempre! Por quê?

Porque em algum momento da vida destes que têm um Selo, é permitido, é possível às Entidades o enxergarem (o Selo). Por alguma razão que desconhecemos, as Entidades conseguem vislumbrar esse Selo normalmente ainda na Infância, entre 5 e 7 anos.

O Selo (que já existe desde o ventre) por algum motivo começa a tornar-se mais visível. Antes disso é mais difícil, e eles ficam apenas com as probabilidades calculadas da maneira como já explicamos antes. O que lhes dá um raio de ação a ser monitorado (um território qualquer). Se formos usar e abusar de nomenclaturas, então trata-se de um verdadeiro Mapeamento Espiritual.

Basta saber quantas crianças nasceram naquele quadrante, naquele horário, e monitorar as circunstâncias por intermédio dos demônios. Pode ser que haja "sorte" e apenas uma criança nasça correspondendo a todas as previsões. E praticamente certa a presença do Selo, e o monitoramento será especial, até que haja comprovação (visualização).

Aí, sim, uma vez confirmada a suposição, é montada toda uma estratégia específica para neutralizar aquela pessoa. Como foi comentado no início do estudo.

O objetivo é enfraquecer primeiro, antes de destruir. Depois de enfraquecer, o Diabo intenta trazer para si essas pessoas, porque se Deus os predestinou, então são indivíduos que podem compor um Exército forte. Se Deus Selou, é porque podem ser muito úteis dentro da Irmandade.

Se eles foram chamados para serem «grandes diante de Deus», podem também vir a ser «grandes diante do Inferno». Se o recrutamento fracassar... a ordem é DESTRUIR!


1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   ...   33


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal