Direito Previdenciário e da Seguridade Social



Baixar 38.25 Kb.
Encontro18.07.2016
Tamanho38.25 Kb.
Direito Previdenciário e da Seguridade Social

O Direito Previdenciário está incluído no nosso Ordenamento Jurídico no Direito da Seguridade Social que engloba os direitos relativos à saúde, à previdência Social e à Assistência Social dos cidadãos brasileiros:

Transcrevemos o texto sobre o assunto constante da obra de Sérgio Pinto Martins, Instituições de Direito Público e Privado, 9ª edição, São Paulo, Atlas, 2009, folhas 177/184:

“Direito da Seguridade Social é o conjunto de princípios, de regras e de instituições destinado a estabelecer um sistema de proteção social aos indivíduos contra contingências que os impeçam de prover suas necessidades pessoais básicas e de suas famílias, integrado por ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, visando assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência social e à assistência social. (MARTINS, Sérgio Pinto, Direito da seguridade social. 26.ed.São Paulo: Atlas, 2008.p.19.)

Seguridade Social é, portanto, o gênero que engloba a Previdência Social, a Assistência Social e a Saúde.

12.2 Princípios

São princípios da seguridade social: (a) universalidade da cobertura e do atendimento; (b) uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais; (c) seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços; (d) irredutibilidade do valor dos benefícios; (e) equidade na forma de participação do custeio; (f) diversidade da base de financiamento; (g) caráter democrático e descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite, com a participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do governo nos órgãos colegiados.



12.3 Custeio

A Seguridade Social é custeada por toda a sociedade de forma direta (contribuições) e indireta (impostos), mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e das contribuições dos empregadores, incidentes sobre a folha de salários, o faturamento (PIS e Cofins) e o lucro, dos trabalhadores, da receita de concursos de prognósticos (loteria esportiva, sena, loto, loteria federal etc.) e do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a lei a ele equiparar.

A arrecadação decorrente das contribuições do PIS-Pasep serve para custear o seguro-desemprego (art. 239 da Constituição).

As contribuições previdenciárias só poderão ser exigidas após decorridos 90 dias da data de publicação da lei que as houver instituído ou modificado (§ 6º do art. 195 da Constituição), não se lhes aplicando o princípio da anterioridade tributária.

A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social (§ 4º do art. 195 da Constituição), desde que mediante lei complementar, não sendo cumulativa nem tendo o mesmo fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados na Constituição.

A Lei nº 8.212/91 trata do custeio da Seguridade Social.

O Decreto nº 3.048, de 6-5-1999, é o regulamento da Previdência Social, tendo regras de custeio, mas também de benefícios.

São segurados do sistema: (a) como empregado; (1) o empregado urbano e rural, o trabalhador temporário, o diretor empregado, o servidor público ocupante de cargo em comissão; (2) o empregado doméstico; (b) como contribuinte individual; o autônomo, o eventual, o empresário, o equiparado a autônomo; (c) o trabalhador avulso, que é a pessoa que presta serviços a diversas empresas, sem vínculo empregatício, de natureza urbana ou rural, porém arregimentado pelo sindicato da categoria profissional ou pelo Órgão Gestor de Mão-de-obra (estivador, conferente de carga etc.); (d) segurado especial: o produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário rurais, o pescador artesanal e o assemelhado, que exercem essas atividades individualmente ou em regime de economia familiar, ainda que com o auxílio eventual de terceiros, bem como seus respectivos cônjuges ou companheiros e filhos maiores de 14 anos ou a eles equiparados, desde que trabalhem, comprovadamente, com o grupo familiar respectivo; (e) facultativo, que é a pessoa que não tem obrigação legal de recolher a contribuição, sendo o maior de 16 anos que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social, fazendo o pagamento da contribuição.

A contribuição normal do empregado, empregado doméstico e avulso é de 8, 9 ou 11% sobre o salário-de-contribuição. A contribuição dos demais segurados (autônomos, empresários, equiparados a autônomo e segurado facultativo) é calculada à razão de 20% sobre a remuneração ou remuneração declarada. O empregador irá recolher a contribuição de 20% sobre a remuneração paga ao empregado, sem qualquer teto. Recolherá ainda a contribuição de acidente do trabalho de 1 a 3%, dependendo do risco de sua atividade (leve, médio e grave). A contribuição do empregador doméstico é de 12% sobre a remuneração do empregado doméstico.

O órgão que arrecada as contribuições e paga os benefícios é o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).



12.4 Previdência Social

A Previdência Social é o segmento da Seguridade Social, composto de um conjunto de princípios, de regras e de instituições destinado a estabelecer um sistema de proteção social, mediante contribuição, que tem por objetivo proporcionar meios indispensáveis de subsistência ao segurado e a sua família, quando ocorrer certa contingência prevista em lei. A Previdência Social atenderá a: (a) cobertura dos eventos de doença, invalidez, morte e idade avançada; (b) proteção à maternidade especialmente à gestante; (c) proteção ao trabalhador em situação de desemprego involuntário; (d) salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa renda; (e) pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e dependentes (art. 201 da Constituição).

A lei disporá sobre o sistema especial de inclusão previdenciária para atender a trabalhadores de baixa renda e àqueles sem renda própria que se dediquem exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertencentes a famílias de baixa renda, garantindo-lhes o acesso a benefícios de valor igual a um salário mínimo.

O sistema especial de inclusão previdenciária terá alíquotas e carências inferiores às vigentes para os demais segurados do regime geral de previdência social.

O sistema de Previdência Social é o de repartição simples, que visa à captação de recursos e à distribuição de renda. Ainda não se está exatamente diante de um sistema de capitalização, em que o segurado iria receber exatamente o que contribuiu a título de benefício.

São dependentes da Previdência Social: (a) o cônjuge, a companheira, o companheiro, o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido; (b) os pais; (c) o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido. A existência de dependente de qualquer das classes mencionadas exclui do direito às prestações os das classes seguintes. O enteado e o menor tutelado equiparam-se a filho mediante declaração do segurado e desde que comprovada a dependência econômica. A dependência econômica das pessoas indicadas na classe a é presumida e a das demais deve ser comprovada.

Período de carência é o número mínimo de contribuições mensais indispensáveis para que o beneficiário faça jus ao benefício, consideradas a partir do transcurso do primeiro dia dos meses de suas competências. O período de carência dos benefícios é o seguinte: (a) auxílio-doença e aposentadoria por invalidez; 12 contribuições mensais; (b) aposentadoria por idade, aposentadoria por tempo de contribuição e aposentadoria especial: 180 contribuições mensais; (c) salário maternidade para as seguradas especial, contribuinte individual e facultativa, 10 contribuições mensais. Independe de carência a concessão das seguintes prestações: (a) pensão por morte, auxílio-reclusão, salário-família e auxílio-acidente; (b) auxílio-doença e aposentadoria por invalidez nos casos de acidente de qualquer natureza ou causa e de doença profissional ou do trabalho; (c) serviço social, reabilitação profissional; (d) salário maternidade para as seguradas empregada, trabalhadora avulsa e empregada doméstica.

A perda da qualidade de segurado não será considerada para a concessão das aposentadorias por tempo de contribuição e especial.

Na hipótese de aposentadoria por idade, a perda da qualidade de segurado não será considerada para a concessão desse benefício, desde que o segurado conte com, no mínimo, o tempo de contribuição correspondente ao exigido para efeito de carência na data do requerimento do benefício.

Salário-de-benefício é: (a) para os benefícios aposentadoria por idade e por tempo de contribuição, a média aritmética simples dos maiores salários-de-contribuição correspondentes a 80% de todo o período contributivo, multiplicada pelo fator previdenciário; (b) para os benefícios aposentadoria por invalidez, aposentadoria especial, auxílio-doença e auxílio-acidente, a média simples dos maiores salário-de-contribuição correspondentes a 80% de todo o período contributivo.



f = Tc x a | x { 1 + (id + Tc x a) }

Es | | 100 |

Fator previdenciário



F = fator previdenciário;

Es = expectativa de sobrevida no momento da aposentadoria;

Tc = idade no momento da aposentadoria;

a = alíquota de contribuição correspondente a 0,31.

Renda mensal inicial é o salário de benefício multiplicado pelo coeficiente de cálculo do benefício. Não poderá ser inferior ao salário mínimo nem superior ao teto de contribuição.

As prestações da Previdência Social são reguladas na Lei nº 8.213/91. São divididas em benefícios e serviços. Benefícios são os pagamentos em dinheiro feitos ao segurado. Serviços são os bens imateriais prestados ou postos à disposição do segurado. Podem ser classificados da seguinte forma, quanto: aos segurados, aos dependentes e aos segurados e aos dependentes.

Quanto ao segurado os benefícios são os seguintes:



  1. aposentadoria por invalidez, em que o segurado estiver insusceptível de recuperação para o exercício de atividade, tendo ou não recebido auxílio-doença. Será devida enquanto o segurado permanecer na referida condição. O coeficiente é de 100% do salário-de-benefício. O médico é que irá dizer se a aposentadoria é definitiva;

  2. aposentadoria por idade aos 65 anos para o homem e 60 para a mulher, reduzida a idade em cinco anos para os trabalhadores rurais de ambos os sexos e para os que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, incluindo o produtor rural, o garimpeiro e o pescador artesanal. O coeficiente começa a partir de 70% do salário-de-benefício, mais 1% para cada grupo de 12 contribuições, não podendo ultrapassar 100% do salário-de-benefício;

  3. aposentadoria por tempo de contribuição, com 35 anos de contribuição para o homem e 30 para a mulher. O coeficiente de cálculo começa a partir de 70% do salário-de-contribuição;

  4. aposentadoria especial para os casos em que haja prejuízo à saúde ou integridade física do empregado durante 15, 20 ou 25 anos. O coeficiente é de 100% do salário-de-benefício. Dependerá de prova do tempo de trabalho permanente, não ocasional nem intermitente, em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física;

  5. auxílio-doença para a pessoa que ficar incapacitada para o trabalho por mais de 15 dias, sendo devido a partir do 16% dia de afastamento. O coeficiente é de 91% do salário-de-benefício;

  6. salário maternidade. É pago por 120 dias pelo INSS. A empregada urbana e a rural receberão o benefício na própria empresa, que desconta o valor adiantado da importância devida a título de contribuição previdenciária. A empregada doméstica e a trabalhadora avulsa recebem o benefício no INSS. Para a empregada e a trabalhadora avulsa, consiste numa renda mensal igual a sua remuneração integral, tendo por limite máximo a remuneração do Ministro do STF, observado o salário mínimo. Para a empregada doméstica, é igual a seu último salário-de-contribuição. É concedido o salário-maternidade no período de 28 dias antes do parto a 92 depois do parto. O médico é que irá fixar o período de afastamento da segurada.

  7. auxílio-acidente. É devido como indenização, ao segurado, quando, após a consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultarem sequelas que impliquem redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia. Corresponde a 50% do salário-de-benefício. É devido até a véspera do início de qualquer aposentadoria ou até a data de óbito do segurado;

  8. salário-família para os dependentes do segurado de baixa renda. É devido ao empregado, exceto o doméstico, e ao segurado trabalhador avulso, em relação a cada filho ou equiparado até 14 anos. Deve haver apresentação pelo empregado de certidão de nascimento do filho, atestado de vacinação obrigatório e de comprovante de frequência à escola;

  9. seguro desemprego, em caso de desemprego involuntário. O seguro-desemprego é regido pela Lei 7.998, de 11.1.1990. O trabalhador que for dispensado sem justa causa, inclusive mediante rescisão indireta, deverá comprovar: (a) ter recebido salários no período de seis meses imediatamente anteriores à data da dispensa, de pessoa jurídica ou pessoa física a ela equiparada; (b) ter sido empregado de pessoa jurídica ou pessoa física equiparada a jurídica ou ter exercido atividade legalmente reconhecida como autônoma, durante pelo menos 15 meses nos últimos 24 meses; (c) não estar em gozo de qualquer benefício previdenciário de prestação continuada, salvo o auxílio-acidente; (d) não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente a sua manutenção e de sua família. É devido ao empregado por um período máximo variável de três a cinco meses, de maneira contínua ou alternada, a cada período aquisiitivo de 16 meses. Será de três parcelas se o trabalhador comprovar o vínculo empregatício com pessoa jurídica ou pessoa física a ela equiparada, de no mínimo seis meses e no máximo 11 meses, no período de referência. Será de quatro parcelas, se o trabalhador comprovar o vínculo empregatício com pessoa jurídica ou a ela equiparada, de no mínimo 12 meses e no máximo 23 meses, no período de referência. Será de cinco parcelas, se o trabalhador comprovar vínculo empregatício com pessoa jurídica ou a ela equiparada, de no mínimo 24 meses, no período de referência . A fração igual ou superior a 15 dias de trabalho será havida como integral.

Quanto aos dependentes, os benefícios são divididos em:

  1. pensão por morte. É devida ao conjunto de dependentes do segurado que falecer, aposentado ou não. O coeficiente é de 100% do valor da aposentadoria que o segurado recebia ou daquela a que teria direito se estivesse aposentado por invalidez na data de seu falecimento;

  2. auxílio-reclusão. É devido nas mesmas condições da pensão por morte, aos dependentes do segurado de baixa renda recolhido à prisão, que não receber remuneração da empresa nem estiver em gozo de auxílio-doença nem de aposentadoria. O coeficiente é o mesmo da pensão pro morte.

Quanto ao segurado e ao dependente, os benefícios são os seguintes: (a) serviço social; (b) reabilitação profissional.

Acidente de trabalho é a contingência que ocorre pelo exercício de trabalho a serviço do empregador ou pelo exercício de trabalho dos segurados especiais, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Considera-se também acidente de trabalho a doença profissional ou do trabalho. Considera-se também acidente do trabalho a doença profissional ou do trabalho.

Doença profissional é a produzida ou desencadeada pelo exercício de trabalho peculiar a determinada atividade. São doenças inerentes à profissão e não ao trabalho, causadas por agentes físicos, químicos e biológicos inerentes a certas funções ou atividades.

Doença do trabalho é a adquirida ou desencadeada em razão de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relaciona diretamente.

O acidente do trabalho ocorre: (a) no serviço (acidente tipo); (b) no local e no horário de trabalho, em consequência de: (1) ato de agressão, sabotagem, ou terrorismo praticado por terceiro ou companheiro de trabalho; (2) ofensa física intencional, inclusive de terceiro, por motivo de disputa relacionada ao trabalho; (3) ato de imprudência, de negligência ou de imperícia de terceiro ou de companheiro de trabalho; (4) ato de pessoa privada do uso da razão; (5) desabamento, inundação, incêndio e outros casos fortuitos ou decorrentes de força maior; (c) em relação a doença proveniente de contaminação acidental do empregado no exercício de sua atividade; (d) ainda que fora do local e do horário de trabalho: (1) na execução de ordem ou na realização de serviço sob a autoridade da empresa; (2) na prestação espontânea de qualquer serviço à empresa para evitar-lhe prejuízo ou proporcionar proveito; (3) em viagem a serviço da empresa, inclusive para estudo quando financiada por esta dentro de seus planos para melhor capacitação da mão-de-obra, independentemente do meio de locomoção utilizado, inclusive veículo de propriedade do segurado; (4) no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela (acidente in itinere ou de trajeto), qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado. O período em que o segurado estiver fazendo intervalo na empresa será considerado como no exercício do trabalho, como a hora do almoço. Não se considera acidente o causado por dolo do próprio acidentado.

São benefícios de acidente do trabalho a aposentadoria por invalidez acidentária, o auxílio-doença acidentário e o auxílio-acidente.

Não há período de carência para os benefícios de acidente do trabalho.

12.5 Assistência social

Assistência Social é o conjunto de princípios, de regras e de instituições destinado a estabelecer uma política social aos hipossuficientes, por meio de atividades particulares e estatais, visando à concessão de pequenos benefícios e serviços, independentemente de contribuição por parte do próprio interessado.

Tem por objetivos a Assistência Social: (a) a proteção à família, à maternidade, à infância , à adolescência e à velhice; (b) o amparo às crianças e adolescentes carentes; (c) a promoção da integração ao mercado de trabalho; (d) a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover a própria subsistência ou de tê-la provida por sua família; (e) a garantia de um salário mínimo de benefício à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família (art. 203 da Constituição).

A Assistência Social é disciplinada pela Lei nº 8.742/93.

Benefício de prestação continuada é a garantia de um salário mínimo mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovarem não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família. O benefício é devido ao idoso a partir de 65 anos. Não há período de carência para o referido benefício

Benefícios eventuais são os que visam ao pagamento de auxílio por natalidade ou morte às famílias cuja renda mensal per capita seja inferior a ¼ do salário mínimo.



12.6 Saúde

A Saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doenças e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.



A Saúde é informada pelos seguintes princípios:

  1. acesso universal e igualitário. Todos têm direito à saúde, de igual modo;

  2. provimento das ações e dos serviços por meio de rede regionalizada e hierarquizada, integrados em sistema único;

  3. descentralização, com direção única em cada esfera de governo (SUS);

  4. atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, como, por exemplo, vacinação;

  5. participação da comunidade na gestão, fiscalização e acompanhamento das ações e dos serviços de saúde;

  6. participação da iniciativa privada na assistência à saúde, obedecidos os preceitos constitucionais.

É regida a Saúde pela Lei nº 8.080/90”



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal